Atlético Acreano: campeão acreano de 2019

Atlético Acreano: o grande campeão do Acre em 2019

Depois de empatar em 1 a 1 com o Galvez na segunda partida da final do Campeonato Acreano 2019 na noite desta segunda-feira (22), na Arena da Floresta, em Rio Branco, o Atlético Acreno levou a melhor diante do Impeador na disputa por pênaltis após fazer 5 a 4 e conquistar pela nona vez o campeonato estadual. O título do Galo Carijó veio de forma invicta.

O torcedor ainda estava se preparando para assistir a decisão do Acreano quando, no primeiro minuto, o Galvez surpreendeu. Adriano fez boa jogada pelo meio, tabelou com Ciel e recebeu na volta para mandar no cantinho de Miller, que nada pôde fazer. Após o revés, o Atlético tentou responder com Diogo, aos cinco, mas a zaga do Imperador tirou o perigo. Seis minutos depois foi a vez de Araújo tentar, mas estava em posição irregular. Em seguida, aos 14, Binho recebeu no ataque, tentou de prima, mas o chute saiu fraco.

O Galo Carijó se esforçava em correr atrás do prejuízo. Aos 18, a dupla Careca e Diogo tabelaram pela esquerda e o camisa 10 mandou o petardo, mas a redonda foi à direita da meta de Tião. Mais tarde, aos 22, depois do escanteio cobrado, Araújo cabeceou e a bola foi por cima do gol. Com a tentativa do alviceleste de buscar o empate, o time militar tentava tirar proveito nos contragolpes. Aos 28, Binho recebeu de Ciel na pequena área, mas cabeceou mal e mandou para fora. Em seguida, aos 30, foi a vez de Adriano chutar e ser travado no momento certo pela zaga atleticana.

Mas o Atlético seguiu na luta pela igualdade. Aos 36, Diogo tentou cruzar na área na cobrança de falta e a esférica bateu na barreira e quase surpreendeu Tião, que estava abatido no lance. Até que aos 39. após cruzamento da direita, o goleiro espalmou para frente e Careca chutou de primeira para empatar a decisão: 1 a 1, na Arena da Floresta.

Depois do gol sofrido, o Galvez esforçou uma reação. Aos 46, Adriano driblou Gabriel, entrou na área e caiu em lance com o defensor adversário, mas a arbitragem não marcou a penalidade, para desespero do atacante. Mas, a etapa inicial terminou empatada mesmo em 1 a 1, resultado que levara a disputa para os pênaltis.

Na segunda etapa, o Galo dominou as primeiras ações ofensivas, mas quem criou uma boa oportunidade foi o Imperador, aos quatro. Adriano recebeu, chutou, a bola desviou na defesa do Atlético e saiu. Na sequência do escanteio, Binho cabeceou e mandou por cima.

A partida seguiu com os dois times nervosos e para atestar a tensão do jogo, por volta dos 13 minutos, o auxiliar comunicou ao árbitro da partida uma confusão envolvendo jogadores das duas equipes e, com isso, três jogadores (um do Galvez e dois do Atlético) foram expulsos. Pouco tempo depois do tumulto, outro contratempo, aos 23, atrapalhou o andamento do jogo: um pico de energia deixou alguns refletores do estádio apagados e a partida precisou ser paralisada.

Depois da interrupção, a bola voltou a rolar na Arena da Floresta. E, obviamente, com um jogador a menos, o Galo não demonstrou pressa e tratou de segurar o placar (e a bola) no decorrer do jogo. Apesar de ter ficado com um jogador a mais, o Galvez não soube tirar proveito, pelo contrário, quase foi surpreendido pelo Atlético num contra-ataque que culminou com a expulsão de Neto (pelo segundo amarelo) por ter parado o lance do adversário. Com nove jogadores para cada lado, a peleja deu uma bela esfriada e os dois times pareciam convencidos de que o melhor seria levar a disputa do título para os pênaltis. E o árbitro ainda deixou o jogo correr até os 50 minutos, mas o placar do primeiro tempo foi mantido. Fim de jogo na Arena da Floresta: Atlético 1, Galvez 1. A finalíssima do Campeonato Acreano foi para as cobranças penais.

Na série de cinco cobranças, quase todos os batedores dos dois times converteram. Pelo lado do Galvez marcaram Ciel, Adriano, Jeferson e Daniego, enquanto Igor, Lucas, Marcílio, Gabriel e Diego anotaram pelo Atlético. Renato desperdiçou a última cobrança do Imperador ao mandar para fora. Sendo assim, com o triunfo de 5 a 4 nos pênaltis, o Atlético Acreano conquistou, de forma invicta, o Campeonato Acreano de 2019, o nono de sua história.

O Galvez conseguiu inaugurar o placar em sua primeira investida ao ataque, com menos de dois mnutos com Adriano. O Atlético sentiu o baque e não conseguia encaixar as jogadas de ataque e investiu durante parte do primeiro tempo em bolas na área. Até que, aos 39, Careca aproveitou o rebote do goleiro Tião e deixou tudo igual. No segundo tempo, assim como no primeiro, começou com o time militar criando a primeira chance, mas não marcou. No entanto, os ânimos foram exaltados entre os atletas e o árbitro José Antônio Pinheiro, com o auxílio de Fábio Nascimento, que “dedurou” os brigões, botou três jogadores para fora de uma vez só. Mais tarde, houve uma queda de energia no estádio e a partida ficou paralisada por cerca de 20 minutos. Depois do restabelecimento de energia, o Galo Carijó ficou mais recuado por ter um jogador a menos e quase supreendeu o Galvez em um contra-ataque que só foi interrompido porque Neto impediu a sequência da jogada ao fazer uma falta e, consequentemente, receber o segundo amarelo e igualar o número de jogadores para cada lado. Mas o placar ficou mesmo no 1 a 1 e o campeão saiu nos pênaltis. Nas cobranças, méritos para os batedores que acertaram quase todas, porém, para azar do Galvez Renato desperdiçou a última cobrança ao mandar a bola para fora.

Com o encerramento do Estadual, as atenções das duas equipes estarão voltadas para o Campeonato Brasileiro. Pela Série C, o Atlético estreará no certame no próximo sábado (27) contra o Volta Redonda, no Raulino de Oliveira, no Rio de Janeiro, às 16h (horário de Brasília). Enquanto isso, já pela Série D, o Galvez só entrará em campo no dia 4 de maio, no sábado, ao encarar o Real Ariquemes, de Rondônia, às 19h (horário de Brasília), na Arena da Floresta, em Rio Branco.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da final.

Data – Jogo – Local:
Primeiro Turno (Grupo A):
24/01 – Atlético (AC) 6×0 São Francisco (AC) – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
03/02 – Atlético (AC) 1×0 Plácido de Castro – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
10/02 – Atlético (AC) 0x0 Vasco (AC) – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
14/02 – Nauás 0x4 Atlético (AC) – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
28/02 – Atlético (AC) 1×0 Galvez – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
Semifinal (primeiro turno):
17/03 – Atlético (AC) (4)2×2(2) Independência – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
Final (primeiro turno):
21/03 – Atlético (AC) (4)1×1(5) Galvez – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
Segundo Turno (Grupo A):
24/03 – Atlético (AC) 6×0 Humaitá – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
28/03 – Andirá 1×2 Atlético (AC) – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
05/04 – Atlético (AC) 4×1 Independência – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
10/04 – Rio Branco (AC) 0x1 Atlético (AC) – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
Semifinal (segundo turno):
13/04 – Atlético (AC) 1×0 Galvez – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
Final (segundo turno):
16/04 – Atlético (4)0x0(3) Rio Branco (AC) – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
Final – Acreano 2019:
19/04 – Galvez 1×1 Atlético (AC) – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)
22/04 – Atlético (AC) (5)1×1(4) Galvez – Arena da Floresta, Rio Branco (AC)

FICHA TÉCNICA: ATLÉTICO ACREANO (5)1×1(4) GALVEZ
Competição/Fase: Campeonato Acreano 2019 – final (2º jogo)
Data: 22 de abril de 2019, segunda-feira – 19h (horário local)
Público pagante: 1.250 torcedores
Renda: R$ 12.910,00
Árbitro: José Antônio de Almeida Pinheiro
Auxiliares: Marcio Cristiano e Fábio Nascimento
Cartões Amarelos: Igor, Marquinhos, Leandro, Douglas, Miller(Atlético-AC); Thiaguinho, Neto, Renato
Cartões Vermelhos: Matheus e Stênio (Atlético-AC); Binho e Neto (Galvez)
Gols: Adriano, a um minuto (0-1) e Careca, aos 39 min do 1º tempo (1-1)
Pênaltis convertidos: Igor, Lucas, Marcílio, Gabriel e Diogo (Atlético Acreano); Ciel, Adriano, Jeferson e Daniego (Galvez)
Pênalti desperdiçado: Renato (Galvez)
ATLÉTICO ACREANO: 1.Miller (12.Babalu); 2.Matheus, 3.Gabriel, 4.Douglas e 6.Igor; 5.Leandro, 8.Marquinhos (20.Marcílio) e 10.Careca (22.Lucas); 7.Jordão, 11.Diogo e 9.Stênio. Técnico: Álvaro Miguéis
GALVEZ: 1.Tião; 2.Renato, 3.Jô, 4.Reginaldo e 6.Tiaguinho (Alemão); 5.Wilson (17.Daniego), 8.Neném (Neto), 7.Jeferson e 10.Ciel; 11.Adriano e 9.Binho. Técnico: Zé Marco

Parabéns ao Atlético Acreano pelo título.

Por Jorge Almeida

Anúncios

“É campeão!” – um resumo das finais dos estaduais de 2019

Maioria dos Estaduais já têm seus campeões proclamados.

No final de semana que antecede o começo do Campeonato Brasileiro 2019, alguns dos campeonatos estaduais tiveram seus campeões definidos. Alguns vencedores saíram no sábado, enquanto outros neste domingo (21). Das 12 finais locais, quatro tiveram seus campeões proclamados após disputa por pênaltis. E a novidade foi a presença do VAR em algumas decisões.

Em São Paulo, o Corinthians sagrou-se tricampeão paulista ao derrotar o São Paulo por 2 a 1, na Arena Corinthians, na capital paulista. O Timão saiu na frente, com Danilo Avelar, o Tricolor empatou com Antony, mas, aos 43 minutos do segundo tempo, Vagner Love fez o gol do título, o 30º caneco da equipe de Parque São Jorge no Paulistão. O primeiro jogo, realizado no Morumbi, havia sido 0 a 0.

No Maracanã, o Flamengo repetiu o placar do primeiro jogo da final do Estadual do Rio de Janeiro ao ganhar do Vasco por 2 a 0 neste domingo. Os tentos rubro-negros foram marcados por Willian Arão e Vitinho. Com isso, o time da Gávea chegou ao seu 35º estadual de sua história. Depois do jogo, o técnico vascaíno Alberto Valentim foi demitido do cargo.

Em Salvador, na Arena Fonte Nova, o Bahia ergueu o 48º título baiano ao derrotar o Bahia de Feira por 1 a 0, com gol de pênalti convertido por Gilberto. O jogo de ida havia sido 1 a 1, em Feira de Santana. A novidade da final foi a presença do VAR, que foi crucial para o árbitro da partida, Luiz Paulo de Oliveira, marcar a penalidade a favor do Tricolor de Aço. O equipamento também foi a favor do Bahia de Feira, que teve um penal a seu favor, mas Anderson defendeu a cobrança de Vitinho.

O Sport Recife superou o Náutico apenas na disputa por pênaltis na decisão do Campeonato Pernambucano, na Ilha do Retiro, em Recife. No primeiro jogo, o Leão da Praça da Bandeira ganhou do Timbu por 1 a 0 nos Aflitos e, na volta, até ampliou a vantagem com Guilherme, mas o Náutico, na raça, virou a partida com gols de Diego Silva e Jorge Jiménez e levou a decisão para os tiros penais. Na série de cinco, melhor para o rubronegro, que converteu as quatro primeiras cobranças, enquanto isso, pelo alvirrubro, Rafael Oliveira e o próprio Diego Silva tiveram suas cobranças defendidas por Maílson. Esse foi o 42º título pernambucano do Sport.

Já no Ceará, Rogério Ceni segue fazendo história. O zagueiro Roger Carvalho fez o único gol do clássico entre Ceará e Fortaleza no Castelão e que rendeu ao Tricolor do Pici o 42º Campeonato Cearense ao Leão e o segundo título ao técnico Rogério Ceni. Como havia ganhado o primeiro jogo por 2 a 0, o Fortaleza fez 3 a 0 no agregado e ficou com a taça. Assim como aconteceu com Alberto Valentim, Lisca foi mandado embora do Vovô após a perda do estadual.

No Parazão, o Remo conseguiu reverter a desvantagem e bateu o Independente por 2 a 0, no Mangueirão, e conquistou o seu Campeonato Paraense de número 46. Os gols da partida foram marcados por Yuri, com uma baita colaboração do goleiro Redson, e Alex Sandro.

Em Goiás, o Atlético Goianiense venceu o Goiás mais uma vez na decisão do Estadual. O gol da partida foi marcado por Matheuzinho no Estádio Olímpico de Goiânia. Com 4 a 0 no agregado, o Dragão ergueu o Goianão pela 14ª vez e de forma incontestável. Com a perda do título, o técnico Maurício Barbieri foi “convidado a comparecer ao RH” do time esmeraldino.

Depois de ter conseguido voltar à elite do futebol brasileiro no ano passado, o CSA continua em ritmo de festa ao triunfar o Campeonato Alagoano diante do maior arquirrival, o CRB. Hugo Sanches marcou o único gol do jogo no Rei Pelé e levou a decisão para os pênaltis. Nas cobranças dos penais, melhor para o Azulão da Mutange, que fez 4 a 2 no time regatino e levou para casa o 39º caneco do estadual.

Em Santa Catarina, a final do estadual foi disputada em jogo único na Ressacada, em Florianópolis, entre Avaí e Chapecoense. Depois do empate em 1 a 1 no tempo normal, com gols de Régis para a Chape e Alex Silva para o Leão da Ilha, o campeão precisou sair de uma disputa por pênaltis. Enquanto João Paulo, Luan Pereira, Pedro Castro e Jones Carioca converteram para o Avaí, e Gustavo Companharo e Rafael Pereira, pelo Verdão de Chapecó, Aylon e Bruno Pacheco não tiveram a mesma sorte, e a equipe da casa ganhou por 4 a 2 nos pênaltis e ficou com o estadual pela 17ª oportunidade.

Ao lado dos catarinenses, no Paraná, o Athletico Paranaense devolver a derrota sofrida para o Toledo no confronto de ida pelo mesmo placar – 1 a 0, gol de Matheus Rossetto – e o campeão paranaense também saiu nas penalidades. Com aproveitamento excelente dos batedores das duas equipes, o Furacão ficou com o bicampeonato depois de fazer 6 a 5 no clube do Oeste Paranaense. O CAP abocanhou o 25º Campeonato Paranaense de sua história quase centenária.

O Águia Negra é o mais novo campeão sulmatogrossense. Apesar de ter perdido para o Aquidauanense por 1 a 0, no Ninho da Águia, neste domingo, com gol de Agnaldo, a equipe de Rio Brilhante fez 2 a 1 no primeiro jogo e jogada por dois resultados iguais e, assim, levou o seu estadual de número três em 46 anos de existência.

Enquanto isso, no Mato Grosso, o Cuiabá é o dono do pedaço. Na partida derradeira do Campeonato Matogrossense, o Dourado bateu o Operário de Vargem Grande por 2 a 0, na Arena Pantanal, e, com 4 a 2 na soma dos 180 minutos, conquistou o tricampeonato de forma consecutiva e o nono caneco estadual.

Alguns estaduais foram decididos no sábado (20), com destaque para o clássico mineiro entre Atlético e Cruzeiro. Em jogo realizado no Independência, em Belo Horizonte, o Galo saiu na frente com Elias, mas, na etapa final, Fred, cobrando pênalti, empatou para a Raposa, que vencera o primeiro jogo por 2 a 1. Dessa maneira, a equipe celeste detém o Campeonato Mineiro pela 40ª vez.

Também no sábado, o Gama sagrou-se campeão invicto do Candangão ao empatar em 2 a 2 com o Brasiliense no Mané Garrincha. Como vencera por 3 a 1 o jogo de ida, o Periquito aumentou a sua hegemonia em número de taças do Campeonato Brasiliense ao ganhar o 12º título distrital.

No Campeonato Paraibano, o Botafogo derrotou o Campinense novamente na final. Dessa vez, o Belo fez 2 a 0 na Raposa e 4 a 1 no placar agregado, no Almeidão, em João Pessoa. E, assim como o Corinthians, em São Paulo, o Tricolor do Contorno chegou ao 30º estadual de sua história. Os gols do Belo foram marcados por Clayton e Paulo Renê.

No Campeonato Sergipano, o Frei Paulistano conquistou pela primeira vez o Estadual ao ganhar do Itabaiana por 3 a 1 no Estádio Etelvino Mendonça. Os gols foram marcados por Tiquinho, Acássio e Baco para o Touro do Agreste e Paulinho Macaíba descontou para o Tremendão da Serra. Como havia vencido o primeiro jogo por 2 a 1, a equipe de Frei Paulo ficou com a sua primeira taça do Sergipão de sua história.

No entanto, os primeiros campeões estaduais saíram na semana passada. No sábado (13), no Maranhão, o Imperatriz virou para cima do Moto Club no Castelão fora de casa ao triunfar por 3 a 2, após empate sem gols em casa, e ficou com o terceiro estadual de sua história. No mesmo dia, em Teresina, o River não tomou conhecimento do Altos e aplicou 3 a 0 no adversário, depois de ter vencido o jogo de ida por 3 a 2 e acumulou o 31º estadual. Na quarta-feira (17), na Arena do Grêmio, a equipe da casa levou a melhor contra o arquirrival na disputa por pênaltis após empate sem gols nos 180 minutos da decisão do Gauchão 2018. O Grêmio, de Renato Portaluppi, bateu o Internacional por 3 a 2 nas cobranças penais e colocou em sua galeria de troféus o seu Campeonato Gaúcho de número 38.

Outros quatro estaduais terão seus vencedores definidos ao longo desta semana. No Campeonato Acreano, por exemplo, Atlético e Galvez farão a partida derradeira do estadual nesta segunda-feira (22). No primeiro jogo, as duas esquipes empataram em 1 a 1. No Rio Grande do Norte, o campeão potiguar será definido na quarta-feira (24), na Arena das Dunas, entre América e ABC. A primeira disputa terminou empatada em 0 a 0. E, no sábado, dia 27, mais dois estaduais: o Rondoniense, entre Vilhenense e Ji-Paraná, no Portal da Amazônia, que teve o Leão de Vilhena como ganhador dos 90 minutos iniciais por 1 a 0 e, portanto, joga pelo empate; e o Campeonato Capixaba, que terá frente à frente Real Noroeste e Vitória, em Águia Branca. O jogo de ida entre as duas equipes, em Cariacica, ficou empatado em 1 a 1.

Enquanto isso, o Campeonato Roraimense está com o segundo turno em curso; o estadual do Tocantins com o primeiro turno em andamento. Já o Campeonato Amapaense 2019 ainda não começou. Enquanto isso, a final do Campeonato Amazonense está em situação indefinida por conta de um pedido de impugnação do Nacional (AM) contra o Manaus, campeão do segundo turno. O imbróglio está para ser resolvido na tarde desta segunda-feira (22).

A seguir, a relação dos campeões estaduais até o momento.

UF – Campeão – Quantidade de títulos atualizados:
SP – Corinthians – 30*
RJ – Flamengo – 35*
MG – Cruzeiro – 40
ES – Real Noroeste ou Vitória – ??
RS – Grêmio – 38
SC – Avaí – 17
PR – Athletico – 25
BA – Bahia – 48*
PE – Sport Recife – 42*
AL – CSA – 39*
SE – Frei Paulistano – 1
PB – Botafogo (PB) – 30*
RN – ABC ou América – ??
CE – Fortaleza – 42
MA – Imperatriz – 3
PI – River – 31*
PA – Remo – 46
AM – Fast ou Manaus – ??
AC – Atlético (AC) ou Galvez – ??
RR – segundo turno – ??
RO – Vilhenense ou Ji-Paraná – ??
TO – primeira fase – ??
AP – não começou – ??
MT – Cuiabá – 9
MS – Águia Negra – 3
GO – Atlético Goianiense – 14
DF – Gama – 12*
* Maior campeão estadual (distrital no caso do Gama)

Parabéns à todos os campeões estaduais de 2019.

Por Jorge Almeida

Corinthians: campeão paulista de 2019

Jogadores do Corinthians comemoram o tricampeonato paulista cercados por filhos e integrantes da comissão técnica. Foto: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians

Com gol de Vagner Love nos momentos finais do segundo tempo, o Corinthians derrotou o São Paulo por 2 a 1 na segunda partida da final do Campeonato Paulista 2019 na tarde deste domingo (21), na Arena Corinthians, em São Paulo. O Timão saiu na frente com Danilo Avelar, mas o Tricolor empatou com Anthony ainda no primeiro tempo. O resultado culminou com o tricampeonato consecutivo da equipe de Parque São Jorge, feito que o clube havia conseguido há 80 anos.

O Majestoso começou disputado, truncado e com muitos passes errados. A primeira investiga ao ataque foi do São Paulo com Jucilei aos 10 minutos, que pegou o rebote, mas isolou. A partida deu uma esfriada, com os dois times encontrando problemas na criação de jogadas. O Corinthians, no entanto, diferentemente da postura dos últimos jogos, ficou mais com a bola e tentou investir em triangulações entre Fagner e Pedrinho.

No entanto, aos 23, a defesa tricolor deu mole, Gustavo ficou com a bola, que sobrou para Clayson, que por pouco não concluiu. A equipe do Morumbi deu o troco aos 27. Reinaldo roubou a bola de Pedrinho e Everton partiu no contragolpe pela esquerda, entrou na área e chutou cruzado pelas redes do lado de fora. Três minutos depois, o alvinegro levou perigo com Henrique. Ramiro cruzou,

Hudson afastou e, na sobra, o zagueiro arrematou, mas a bola desviou em Bruno Alves e saiu.
Na sequência, Sornoza cobrou o escanteio da direita, bem aberto, Ralf ganhou no alto de cabeça e ajeitou para Danilo Avelar dentro da pequena área e o lateral-esquerdo (nunca criticado) para desviar, também de cabeça, para o gol. Delírio do bando de loucos em Itaquera: 1 a 0 para o Corinthians.

Após o gol, os comandados de Fábio Carille tentou manter o ímpeto e administrar o resultado parcial para o intervalo e esteve perto de ampliar o score aos 42. Pedrinho se deslocou e notou a infiltração de Fagner, que recebeu, ajeitou o corpo e bateu no canto, mas Tiago Volpi fez grande defesa. Todavia, apesar de ter encontrado muitas dificuldades na criação de jogadas, o São Paulo conseguiu chegar ao empate ainda no primeiro tempo. Aos 47, Everton tentou o meio para Igor Gomes, a bola desviou em Ralf e sobrou para Antony, que ajeitou para a canhota e, com um chute preciso, colocou a redonda no cantinho, fora do alcance de Cássio, igualando o placar: 1 a 1. E, assim, o clássico terminou empatado na etapa inicial.

Para o segundo tempo, Cuca colocou Hernanes no lugar de Everton Felipe para suprir o problema na criação e também para atuar mais adiantado, como um “falso 9”. E, com o Profeta em campo, o Tricolor passou a superar ligeiramente o rival na posse de bola nos momentos iniciais da etapa final. Já o Corinthians, aos poucos, foi recuperando terreno e compactando as investidas sãopaulinas. E, aos 19, Gustagol arriscou de fora da área para defesa firme de Volpi.

O jogo deu uma esfriada depois das entradas de Vágner Love, pelo Corinthians, e do lateral-esquerdo Léo, pelo São Paulo (com a alteração, Reinaldo foi deslocado para o meio-de-campo no lugar do substituído Jucilei). Aos 26, Everton levou a melhor sobre Manoel, a bola sobrou para Léo, que avançou e mandou para as redes do lado de fora. Depois desse lance, o clássico seguiu truncado, sem chances para os dois lados, tudo levando a acreditar de que o título seria decidido nos pênaltis, até que o “artilheiro do amor” apareceu na partida nos minutos finais.

Aos 43, Boselli matou no peito, passou para Sornoza, que fez um belo lançamento para Vagner Love, que pegou de primeira, com o pé direito, e mandou no canto de Tiago Volpi – a bola chegou a tocar na trave – para colocar o Timão na frente novamente e a poucos minutos do título. Aliás, o tento do camisa 9 foi muito semelhante ao gol que Elias fez contra o próprio São Paulo na Libertadores de 2015, porém, o “lançador” daquela partida foi Jadson. Incrível semelhança.

Com o resultado, a torcida corinthiana já estava soltando os gritos de “tricampeão” pela Arena. Aos 46, a bola ficou viva na área do Timão após cobrança de Reinaldo, ninguém aproveitou e, na sequência, Boselli puxou um contra-ataque, com chances de matar o jogo, mas não conseguiu a finalização. O Majestoso foi até os 50 minutos, mas o placar terminou com vitória corinthiana em Itaquera. Fim de jogo na Arena Corinthians: Corinthians 2, São Paulo 1. O Timão conquista o tricampeonato paulista, o 30º caneco do Estadual de sua história.

Corinthians e São Paulo fizeram um jogo bem equilibrado, bem truculento, com muita marcação e poucas finalizações a gol. O alvinegro, ao contrário dos últimos jogos, não ficou tão recuado e tratou de atacar mais e, consequentemente, conseguiu abrir o placar com aquele que nunca foi criticado: Danilo Avelar. A molecada de Cotia não se abateu e conseguiu o empatar no último lance da etapa inicial. No segundo tempo, Cuca colocou Hernanes mais à frente, pois o Tricolor estava sem um centroavante de ofício. Já Fábio Carille acreditou na estrela e experiência de Vagner Love e deu certo: quando tudo levava a crer que haveria mais uma disputa por pênaltis na trajetória do alvinegro, o camisa 9 fez um belo gol nos minutos finais da partida e levou o Timão á vitória. Mas um fato precisa ser dito: embora tenha travado bons duelos pelo alto com Gustagol, Arboleda falhou nos dois gols do Corinthians: no primeiro, deixou Avelar em condição legal e sozinho para cabecear para o gol e, no segundo tento corinthiano, permitiu que Vagner Love passasse às suas costas.

Apesar da conquista, o Corinthians ainda terá uma nova decisão pela frente já na próxima quarta-feira (24), às 21h30: receberá a Chapecoense pelo segundo jogo da quarta fase da Copa do Brasil e precisará reverter a vantagem da equipe catarinense, que venceu o jogo de ida por 1 a 0. O São Paulo, por sua vez, estreará no Campeonato Brasileiro no próximo sábado (27), contra o Botafogo, às 16h, no Morumbi.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da final.

Data – Jogo – Local:
Primeira Fase (Grupo C):
20/01 – Corinthians 1×1 São Caetano – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
23/01 – Guarani 2×1 Corinthians – Brinco de Ouro, Campinas (SP)
26/01 – Corinthians 1×0 Ponte Preta – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
30/01 – Corinthians 0x2 Red Bull Brasil – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
02/02 – Palmeiras 0x1 Corinthians – Allianz Parque, São Paulo (SP)
10/02 – Novorizontino 1×0 Corinthians – Jorge Ismael de Biasi, Novo Horizonte (SP)
17/02 – Corinthians 2×1 São Paulo – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
24/02 – Botafogo (SP) 0x1 Corinthians – Santa Cruz, Ribeirão Preto (SP)
02/03 – São Bento 1×1 Corinthians – Walter Ribeiro, Sorocaba (SP)
10/03 – Corinthians 0x0 Santos – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
17/03 – Corinthians 1×0 Oeste – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
20/03 – Ituano 0x1 Corinthians – Novelli Júnior, Itu (SP)
Quartas-de-final:
24/03 – Ferroviária 1×1 Corinthians – Arena Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
27/03 – Corinthians (4)1×1(3) Ferroviária – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
Semifinais:
31/03 – Corinthians 2×1 Santos – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
08/04 – Santos (6)1×0(7) Corinthians – Pacaembu, São Paulo (SP)
Final:
14/04 – São Paulo 0x0 Corinthians – Morumbi, São Paulo (SP)
21/04 – Corinthians 2×1 São Paulo – Arena Corinthians, São Paulo (SP)

FICHA TÉCNICA: CORINTHIANS 2×1 SÃO PAULO
Competição/Fase: Campeonato Paulista Série A1 2019 – final (2º jogo)
Local: Arena Corinthians, São Paulo (SP)
Data: 21 de abril de 2019, domingo – 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Rafael Claus
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Marcelo Carvalho Van Gasse
Cartões Amarelos: Fagner e Clayson (Corinthians); Reinaldo (São Paulo)
Gols: Danilo Avelar, aos 31 min (1-0) e Antony, aos 47 min do 1º tempo (1-1); e Vagner Love, aos 43 min do 2º tempo (2-1)
CORINTHIANS: 12.Cássio; 23.Fagner, 3.Manoel, 4.Henrique (34.Pedro Henrique) e 35.Danilo Avelar; 15.Ralf, 28.Ramiro e 7.Sornoza; 38.Pedrinho (9.Vagner Love) 25.Cleyson e 19.Gustavo (17.Boselli). Técnico: Fábio Carille
SÃO PAULO: 23.Thiago Volpi; 25.Hudson, 3.B. alves, 5.Arboleda e 6.Reinaldo; 13.Luan, 8.Jucilei (16.Léo), 39.Antony e 26.Igor Gomes; 18.Everton Felipe (15.Hernanes) e 22.Everton (17.Willian Farias). Técnico: Cuca

Parabéns ao Sport Club Corinthians Paulista pelo tricampeonato.

Por Jorge Almeida

Paris Saint-Germain: campeão francês 2018/2019

Jogadores do Paris Saint-Germain posam para a foto oficial. Créditos; @PSG_English

Antes de entrar em campo neste domingo (21) em jogo válido pela 33ª rodada do Campeonato Francês 2018/2019, o Paris Saint-Germain conquistou o seu oitavo campeonato nacional por conta do empate em 0 a 0 entre Lille e Toulouse, em Toulouse, hoje mais cedo e, portanto, não pode ser mais alcançado pelo segundo colocado do certame. Mas, no “jogo do título”, o PSG contou com a jornada inspirada de Mbappé, que fez os três gols da equipe diante do Monaco, que teve seu tento de honra feito por Golovín, neste domingo (21), no Parc des Princes, em Paris. Essa foi o oitavo “Francesão” conquistado pelo multimilionário time da capital francesa.
Antes da partida começar, a torcida do Paris Saint-Germain aplaudiu muito durante a homenagem aos bombeiros, policiais e pessoas que ajudaram no combate ao incêndio da Catedral de Norte-Dame. E as duas equipes entraram em campo com uma homenagem ao templo religioso.

Com a bola rolando, o Monaco quis surpreender logo aos dois minutos com Ballo-Touré que levantou na área, mas Marquinhos afastou. Depois, aos 6, Rony Lopes foi lançado, bateu cruzado, Areola defendeu parcialmente e a zaga alivia na sequência. Após o bom começo do adversário, o PSG entrou no jogo. Aos 8, Subašić se antecipou e cortou antes da chegada de Diaby. Na sequência, Daniel Alves tentou surpreender o goleiro croata e mandou por cima. Foi a última participação do arqueiro no jogo, pois precisou sair por conta de uma lesão na coxa. Mas o seu substituto, Benaglio, nem teve tempo para se aquecer e já precisou buscar a bola nas redes. Aos 15, Mpbappé iniciou o contra-ataque, acionou Diaby e recebeu na área com domínio e tocando com a direita, sem chances para o goleiro. Belo gol do camisa 7.

E o artilheiro do Campeonato Francês estava inspirado e queria mais. Aos 18, ele recebeu na área, mas foi abafado por Benaglio no momento do chute com a esquerda. Mbappé recebey lançamento de Verratti, aos 23, tentou passar por Glik, mas foi desarmado pelo zagueiro do Monaco. No lance seguinte, aos 25, Gerson Martins cruzou e Marquinhos quase marcou contra, mas a redonda foi devagar e permitiu a defesa de Areola.

Depois da boa chance da equipe de Leonardo Jardim, os parisienses partiram para o ataque. Aos 32, Mbappé recebeu ótimo lançamento de Paredes do meio-de-campo, porém, bateu cruzado para fora. No entanto, seis minutos depois, o camisa 7 recebeu de Paredes, tabelou com Daniel Alves e tocou na saída de Benaglio para marcar o seu segundo tento no jogo: 2 a 0 para o PSG.

Com o placar adverso, o clube do Principado até tenta reagir, mas acaba por falhar na conclusão das jogadas, como aos 39, quando Ballo-Touré errou um passe fácil e desperdiçou uma ótima chance para o Monaco. O Paris Saint-Germain respondeu aos 42 com Mbappé, que chutou fraco e sem ânguo para a defesa de Benaglio. E, antes do fim do primeiro tempo, aos 44, o Monaco ainda teve uma boa chance com Gelson Martins, que pegou a sobra na área e obrigou Areola espalmar por cima do gol. Mas a etapa inicial terminou com vitória parcial dos donos da casa por 2 a 0.

Na volta para o segundo tempo, as duas equipes vieram alteradas: pelo PSG Kurzawa deu lugar a Neymar e Carlos Vinícius substituiu o apagado Falcao García. Bastante aplaudido pela torcida, Neymar se esforçou e tentou algumas jogadas, mas o sistema defensivo do Monaco mostrou-se eficiente nos primeiros minutos da etapa complementar.

No entanto, o Paris Saint-Germain fez uma verdadeira blitz. Aos sete, Mbappé avançou pela esquerda, entrou na área e mandou na trave e, na sobra, Daniel Alves tabelou com Dagba e bateu para fora. No minuto seguinte, Diaby marcou após passe de Neymar, mas estava em impedimento. Até que, aos 11, Verratti deu excelente passe para Dani Alves e o lateral brasileiro só rolou para o camisa 7 completar para as redes e fazer o hat-trick: 3 a 0.

Apesar dos três gols sofridos, o Monaco não se abateu e tentou amenizar o prejuízo. Aos 17, Golovín arriscou da entrada da área, mas mandou para longe do gol. Dois minutos depois, a bola ficou “viva” na área do PSG, Carlos Vinícius não conseguiu a finalização e Marquinhos se deu bem no lance. Em outra jogada, aos 24, Golovín, completamente livre na área, desviou de cabeça depois de cruzamento da esquerda. O PSG respondeu no minuto seguinte, Diaby tentou acionar Neymar, mas exagerou na força do passe e o brasileiro, apesar de tentar saltar, não alcançou.

E, justamente no “jogo do título”, o PSG voltou a ter em campo o seu principal trio de ataque: Mbappé, Neymar e Cavani, que voltou a jogar depois de se recuperar de lesão. Mas, aos 35, foi o alvirrubro do Principado que fez o seu gol de honra. Marquinhos bateu cabeça com Kehrer e a bola acabou sobrando para Golovín e o russo não perdoou e fez o tento. A equipe da Cidade-Luz até chegou a marcar o quarto gol aos 40 minutos, mas a arbitragem marcou o impedimento. Daí, a partida seguiu até os 49 minutos com a equipe da casa fazendo a festa. Fim de jogo no Pac des Princes: PSG 3, Monaco 1. O Paris Saint-Germain conquista o Campeonato Francês pela oitava vez.

Depois de tropeçar nos últimos três jogos quando precisaria de apenas dois pontinhos para ser campeão, finalmente, o Paris Saint-Germain conseguiu o objetivo. E isso porque o título já veio antes mesmo de o clube de Paris entrar em campo contra o Monaco. Mas, para não decepcionar seus torcedores mais uma vez, a equipe de Thomas Tuchel entrou em campo em ritmo de treino e em uma tarde inspiradíssima de Mbappé, que anotou três gols no jogo e se isolou ainda mais na artilharia do campeonato ,com 30 gols. O jogo também marcou as voltas de Neymar e Cavani, que ficaram de fora durante boa parte da competição por conta de lesão. Apesar de ter finalizado mais a gol, o poderio ofensivo do Monaco não chegou a incomodar o sistema defensivo do PSG, mas ainda assim, o clube do Principado chegou a descontar com Golovín.

Com a vitória, o PSG chegou aos 84 pontos e, caso vença os cinco jogos restantes, chegará a incrível marca de 99 pontos, o que lhe poderá render a melhor marca da história da Ligue 1. Além disso, o Paris Saint-Germain ainda terá a final da Copa da França, no próximo sábado (27), contra o Rennes.

A seguir, o resumo da campanha, a classificação geral do campeonato* e a ficha técnica do “jogo do título” do campeão.

Data – Jogo – Local:
12/08/2018 – Paris Saint-Germain 3×0 Caen – Parc des Princes, Paris
18/08/2018 – Guingamp 1×3 Paris Saint-Germain – Stade du Roudourou, Guingamp
25/08/2018 – Paris Saint-Germain 3×1 Angers – Parc des Princes, Paris
1º/09/2018 – Nimes Olympique 2×4 Paris Saint-Germain – Stade des Costiêres, Nimes
14/09/2018 – Paris Saint-Germain 4×0 Saint-Etienne – Parc des Princes, Paris
22/09/2018 – Rennes 1×3 Paris Saint-Germain – State de La Route de Lorient, Rennes
26/09/2018 – Paris Saint-Germain 4×1 Reims – Parc des Princes, Paris
29/09/2018 – Nice 0x3 Paris Saint-Germain – Allianz Riviera, Nice
07/10/2018 – Paris Saint-Germain 5×0 Lyon – Parc des Princes, Paris
20/10/2018 – Paris Saint-Germain 5×0 Amiens – Parc des Princes, Paris
28/10/2018 – Olympique de Marseille 0x2 Paris Saint-Germain – Velódrome, Marselha
02/11/2018 – Paris Saint-Germain 2×1 Lille – Parc dos Princes, Paris
11/11/2018 – Monaco 0x4 Paris Saint-Germain – Louis II, Mônaco
24/11/2018 – Paris Saint-Germain 1×0 Toulouse – Parc des Princes, Paris
02/12/2018 – Bourdeaux 2×2 Paris Saint-Germain – Matmut Atlantique, Bordéus
05/12/2018 – Strasbourg 1×1 Paris Saint-Germain – Stade de La Mainau, Estrasburgo
20/02/2018 – Paris Saint-Germain 5×1 Montpellier – Parc des Princes, Paris
12/03/2019 – Dijon 0x4 Paris Saint-Germain – Stade Gaston-Gérard, Dijon
22/12/2018 – Paris Saint-Germain 1×0 Nantes – Parc des Princes, Paris
12/01/2019 – Amiens 0x3 Paris Saint-Germain – Stade de La Licorne, Amiens
19/01/2019 – Paris Saint-Germain 9×0 Guingamp – Parc des Princes, Paris
27/01/2019 – Paris Saint-Germain 4×1 Rennes – Parc des Princes, Paris
03/02/2019 – Lyon 2×1 Paris Saint-Germain – Parc Olympique Lyonnais, Décines-Charpieu
09/02/2019 – Paris Saint-Germain 1×0 Bordeaux – Parc des Princes, Paris
17/02/2019 – Saint-Étienne 0x1 Paris Saint-Germain – Geoffroy Guichard, Saint-Étienne
23/02/2019 – Paris Saint-Germain 3×0 Nimes – Parc des Princes, Paris
02/03/2019 – Caen 1×2 Paris Saint-Germain – Stade Michel D’Ornand, Caen
17/04/2019** – Nantes 3×2 Paris Saint-Germain – Stade de La Beaujoire, Nantes
17/03/2019 – Paris Saint-Germain 3×1 Olympique de Marseille – Parc des Princes, Paris
31/03/2019 – Toulouse 0x1 Paris Saint-Germain – Stade Municipal de Toulouse, Toulouse
07/04/2019 – Paris Saint-Germain 2×2 Strasbourg – Parc des Princes, Paris
14/04/2019 – Lille 5×1 Paris Saint-Germain – Stade Pierre-Mauroy, Villeneuve
20/04/2019 – Paris Saint-Germain 3×1 Monaco – Parc des Princes, Paris
28/04/2019 – Montpellier x Paris Saint-Germain – Stade de La Mosson, Montpellier***
04/05/2019 – Paris Saint-Germain x Nice – Parc des Princes, Paris***
11/05/2019 – Angers x Paris Saint-Germain – Jean-Bouin Stadium, Angers***
18/05/2019 – Paris Saint-Germain x Dijon – Paris Saint-Germain, Paris***
25/05/2019 – Reims x Paris Saint-Germain – Stade Auguste-Delaune II, Reims***
** Partida adiada
*** Partidas a serem disputadas

Pos. – Equipe – Pontos:
1. Paris Saint-Germain – 81 pontos (campeão)
2. Lille – 65
3. Saint-Étienne – 57
4. Lyon – 57
5. Olympique de Marseille – 54
6. Montpellier – 51
7. Reims – 48
8. Nice – 48
9. Nímes – 46
10. Strasbourg – 44
11. Rennes – 43
12. Angers – 41
13. Nantes – 40
14. Bordeaux – 38
15. Toulouse – 36
16. Monaco – 32
17. Amiens – 32
18. Dijon – 28
19. Caen = 26
20. Guingamp – 24
* Até a 33ª rodada

FICHA TÉCNICA: PARIS SAINT-GERMAIN 3×1 MONACO
Competição/Fase: Campeonato Francês 2018/2019 – 33ª rodada
Local: Parc des Princes, Paris, França
Data: 21 de abril de 2019, domingo – 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Benoit Bastiem
Cartão Amarelo: Glik (Monaco)
Gols: Mbappé, aos 15 min (1-0), aos 38 min do 1º tempo (2-0) e aos 11 min do 2º tempo (3-0); e Golovín, aos 35 min do 2º tempo (3-1)
PARIS SAINT-GERMAIN: 16.Aréola; 4.Kehrer, 5.Marquinhos e 3.Kimpembé; 8.Paredes (9.Cavani), 6.Verratti (23.Draxler), 31.Dagba, 20.Kurzawa (10.Neymar), 13.Dani Alves e 27.Diaby; 7.Mbappé. Técnico: Thomas Tuchel
MONACO: 1.Subašić (Benaglio); 39.Henrichs, 25.Glik, 32.Badiashile e 2.Ballo; 15.Silva, 5.Jemerson, 29.Gelson Martins, 7.Rony Lopes e 17.Goloviín. 9.Falcao García. Técnico: Leonardo Jardim

Parabéns ao Paris Saint-Germain Football Club pela conquista.

Por Jorge Almeida

Cruzeiro: campeão mineiro de 2019

Os jogadores do Cruzeiro comemoram o título do Campeonato Mineiro de 2019, conquistado de forma invicta. Foto; Telmo Ferreira/Gazeta Press

Com o empate em 1 a 1 na segunda partida da final do Campeonato Mineiro 2019 disputada no Independência na tarde deste sábado (20), o Cruzeiro sagrou-se bicampeão mineiro diante do arquirrival Atlético Mineiro. Com gols de Elias para o Galo e Fred, de pênalti, para a Raposa, os comandados de Mano Menezes fizeram 3 a 2 no agregado e conquistaram o 40º Estadual para o clube celeste. O título de 2019 foi ganho de forma invicta e o Cruzeiro ainda teve Fred como artilheiro máximo do certame, com 12 gols.

O clássico mineiro já começou pilhado logo nos momentos iniciais. Com menos de três minutos de bola rolando, já veio o primeiro cartão amarelo do jogo. Geuvânio foi advertido pelo árbitro (depois de ter consultado o VAR) após pisão no pé do adversário.

E o primeiro lance de perigo foi protagonizado pelo Atlético. Aos cinco minutos, Geuvânio cruzou, Ricardo Oliveira desviou e mandou a bola no travessão. No rebote, Luan bateu cruzado para fora. Recuado, o Cruzeiro ficou à espera de conseguir o contragolpe, que veio aos nove. Rodriguinho tentou de longe e mandou por cima da meta de Victor. Dois minutos depois, a Raposa atacou pela esquerda com Marquinhos, que cruzou rasteiro e Igor Rabello, ao tentar cortar, mandou no travessão e, por pouco, não marcou um gol contra.

Depois de um início eletrizante, com os dois times mandando bolas na trave e com chegadas mais fortes nos lances de ambos os lados, o duelo seguiu equilibrado. Aos 21, Henrique pegou a sobra e mandou de longe, mas sem direção. Enquanto os comandados de Mano Menezes ainda não conseguiam encaixar bem a marcação, o Galo chegou ao seu gol aos 29 minutos justamente com um velho conhecido do comandante cruzeirense. Chará lançou Ricardo Oliveira, o Pastor finalizou, Fábio defendeu parcialmente e, no alto, Elias levou a melhor com Dodô e cabeceou para as redes. A bola ainda desviou em Léo antes de entrar: Atlético 1 a 0. Resultado que deixaria o título mineiro no Horto.

Após o gol sofrido, o time celeste passou a ocupar mais os espaços no campo do rival, que se fechou na defesa. Aos 40, Rodriguinho recebeu na área, girou e chutou, mas a redonda desviou no meio da trajetória e foi parar nos braços de Victor. Na jogada posterior, aos 42, Geuvânio recebeu passe invertido na direita, limpou para o meio e bateu cruzado para excelente defesa de Fábio. Mas a etapa inicial foi até os 49 minutos com vitória parcial do Galão da Massa pelo placar mínimo.

Na volta para o segundo tempo, o Cruzeiro partiu para cima. Aos dois minutos, Robinho bateu a falta colocada e a esférica passou muito próximo da trave direita do arqueiro atleticano. Os anfitriões conseguiram dar uma neutralizada no ímpeto do rival, equilibrou o jogo e ficou por um tempo no campo de ataque. Mano Menezes fez a sua primeira alteração aos 19 ao colocar Pedro Rocha no lugar de Marquinhos Gabriel. E, em sua primeira participação no jogo, aos 20, o camisa 32 recebeu de Robinho na entrada da pequena área, dominou e finalizou, mas a redonda saiu na rede pelo lado de fora.

A Raposa seguiu no ataque. Aos 26, Dodô recebeu na esquerda, limpou para o meio e tentou com a perna direita, mas errou o alvo. Eis que, cinco minutos depois, o lance que definiu o Campeonato Mineiro. Aos 31, Pedro Rocha entrou na área, tentou driblar Leonardo Silva, que bateu com a mão na bola. O árbitro Leandro Bizzio Marinho foi à beira do gramado analisar o lance com o auxílio do VAR e, depois de três minutos, marcou a penalidade a favor do Cruzeiro. Na cobrança, Fred bateu cruzado, no canto direito de Victor, que caiu do outro lado, e empatou o jogo no Independência: 1 a 1.

Imediatamente após o gol de empate, Mano Menezes sacou Rodriguinho e colocou o volante Lucas Silva deixando claro que o negócio agora era segurar o resultado e tentar surpreender o adversário no contragolpe. Aos 40, depois do bate-rebate na área atleticana, a bola sobrou para Lucas Silva, que mandou por cima do gol de Victor.

Por conta das substituições e do tumulto no lance do pênalti a favor do Cruzeiro, o árbitro Leandro Bizzio decretou sete minutos de acréscimos, mas, o “enjoado” time de Mano Menezes tratou de administrar o placar e conseguiu o resultado necessário para poder comemorar o bicampeonato. Fim de jogo no Independência, Atlético Mineiro 1, Cruzeiro 1. A Raposa conquista o estadual de forma invicta.

A final do Campeonato Mineiro foi do jeito que era esperado: o Atlético Mineiro indo para cima para reverter a desvantagem e o Cruzeiro querendo surpreender o adversário no contragolpe. O Galo até conseguiu parte do objetivo ao fazer o gol no primeiro tempo através de Elias, mas a Raposa voltou disposta e conseguiu o empate através de um pênalti em que a bola bateu na mão de Leonardo Silva e que a arbitragem assinalou depois de consultar o VAR. O “rei dos stories” Fred não perdoou e fez o gol do título cruzeirense e o seu 12º gol no certame em 12 jogos. O primeiro conquistado pelo clube na casa do adversário.

Com o fim do Estadual, as atenções dos dois times estarão voltadas para a Copa Libertadores da América na terça-feira. O Cruzeiro irá encarar o Deportivo Lara, na Venezuela, às 17h (horário de Brasília), e, depois, às 21h30, o Atlético receberá o Nacional, do Uruguai, no Mineirão. Ambos estrearão no Campeonato Brasileiro 2019 no próximo sábado (27). Enquanto o Galo receberá o Avaí, a Raposa irá até o Rio de Janeiro enfrentar o Flamengo.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
Primeira Fase:
19/01 – Guarani (MG) 1×3 Cruzeiro – Farião, Divinópolis (MG)
23/01 – Cruzeiro 1×0 Patrocinense – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
27/01 – Cruzeiro 1×1 Atlético Mineiro – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
31/01 – Boa Esporte 2×2 Cruzeiro – Melão, Varginha (MG)
03/02 – Villa Nova (MG) 0x3 Cruzeiro – Castor Cifuentes, Nova Lima (MG)
10/02 – Cruzeiro 3×0 Tupynambás – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
17/02 – América (MG) 0x0 Cruzeiro – Independência, Belo Horizonte (MG)
24/02 – URT 1×1 Cruzeiro – Zama Maciel, Patos de Minas (MG)
10/03 – Cruzeiro 2×0 Tombense – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
16/03 – Tupi (MG) 0x3 Cruzeiro – Helenão, Juiz de Fora (MG)
20/03 – Cruzeiro 3×0 Caldense – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Quartas-de-final:
23/03 – Cruzeiro 5×0 Patrocinense – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Semifinais:
31/03 – América (MG) 2×3 Cruzeiro – Independência, Belo Horizonte (MG)
06/04 – Cruzeiro 3×0 América (MG) – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Final:
14/04 – Cruzeiro 2×1 Atlético Mineiro – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
20/04 – Atlético Mineiro 1×1 Cruzeiro – Independência, Belo Horizonte (MG)

FICHA TÉCNICA: ATLÉTICO MINEIRO 1×1 CRUZEIRO
Competição/Fase: Campeonato Mineiro 2019 – final (2º jogo)
Local: Estádio Raimundo Sampaio (Independência) – Belo Horizonte (MG)
Data: 20 de abril de 2019, sábado – 16h30 (horário de Brasília)
Público: 21.862
Renda: R$ 1.208.669,00
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Auxiliares: Rafael da Silva Alves e Elio Nepomuceno de Andrade Júnior
Cartões Amarelos: Geuvânio, Luan, Ricardo Oliveira e Victor (Atlético); Edílson, Thiago Neves, Fred e Fábio (Cruzeiro)
Gols: Elias, aos 29 min do 1º tempo (1-0); e Fred, de pênalti, aos 34 min do 2º tempo)
ATLÉTICO MINEIRO: 1.Victor; 98.Guga, 3.Leonardo Silva, 16.Igor Rabello e 6.Fábio Santos; 14.José Welison (44.Alerrandro), 7.Elias e 27.Luan (92.Vinícius); 8.Chará, 49.Geuvânio (11.Maicon) e 9.Ricardo Oliveira. Técnico: Rodrigo Santana
CRUZEIRO: 1.Fábio; 2.Edílson, 26.Dedé, 3.Léo e 18.Dodó; 8.Henrique, 29.Lucas Romero (10.Thiago Neves), 19.Robinho, 20. Marquinhos Gabriel (32.Pedro Rocha) e 23.Rodriguinho (16.Lucas Silva); 9.Fred. Técnico: Mano Menezes

Parabéns ao Cruzeiro Esporte Clube pelo bicampeonato.

Por Jorge Almeida

Juventus: campeã italiana 2018/2019

A Juventus chegou à incrível marca de oito títulos italianos consecutivos. Créditos: @juventusfc

A Juventus conquistou neste sábado (20) pela oitava vez consecutiva o Campeonato Italiano, o 35º Scudetto dos bianconeros, ao derrotar, de virada, a Fiorentina por 2 a 1, no Allianz Stadium, em Turim, em compromisso válido pela 33ª rodada da Série A 2018/2019. Os gols da partida foram marcados por Milenković para a equipe viola, enquanto Alex Sandro e Pezzella (contra) viraram para os donos da casa.

Em jogo com clima de festa no Allianz Stadium, os torcedores da Vecchia Signora foram surpreendidos logo aos cinco minutos quando Milenković fez o primeiro gol da partida. Depois de cruzamento da esquerda, Chiesa dividiu com a defesa bianconera e sobrou para o camisa 4, sozinho, mandar a redonda para as redes e jogando água no chope dos anfitriões. O gol motivou o time Viola, que não se intimidou com a vantagem e seguiu no ataque. Aos 10, Chiesa puxou o contragolpe e rolou para Mirallas chutar com perigo sobre a meta de Szczesny que, minutos depois, sentiu dores na mão direita após pisão de Rugani no gol da Fiorentina, mas o arqueiro conseguiu dar continuidade na peleja.

Depois do sufoco dos visitantes, a Juve acordou para o jogo e tratou de responder aos 20, com Bernardeschi em jogada individual para chutar rasteiro e tirar tinta da trave. Cinco minutos depois, Simeone chegou a balançar as redes para o clube de Florença, mas estava em impedimento. Então, a Juventus resolveu adiantar a marcação para pressionar a saída de jogo do adversário para, logo, buscar o empate ainda na etapa inicial.

Todavia, a Fiorentina conseguiu segurar a equipe bianconera, que abusou nas jogadas aéreas, e surpreendia no campo de ataque. Aos 33, Chiesa recebeu de Simeone e arriscou da entrada da área e acertou a trave. Quase o segundo gol da Viola. No entanto, a eficiência defensiva da equipe de Vincenzo Montella sucumbiu aos 36 minutos. Em escanteio batido por Pjanić na primeira trave, o lateral-esquerdo brasileiro Alex Sandro deu um peixinho e mandou a bola no cantinho de Lafont e empatou o jogo. A igualdade já seria o suficiente para assegurar o caneco para a Velha Senhora.

Apesar do gol sofrido, a Fiorentina não se entregou e tentou reagir logo. Aos 42, Chiesa dominou na área, atacou e soltou a bomba, mas a redonda explodiu no travessão e, na sobra, Simeone mandou para fora. Foi a segunda bola na trave dos visitantes. Mas, o primeiro tempo terminou com o empate em 1 a 1.

Na volta do intervalo, a Juventus voltou com outra postura, demonstrando mais vontade e disposto a conseguir a virada, que chegou aos sete minutos. Cristiano Ronaldo avançou pela ponta, passou por Milenković, cruzou rasteiro visando Bernardeschi, mas Pezzella tentou impedir que a bola chegasse ao camisa 33 e acabou marcando contra. Virada da Vecchia Signora em Turim: 2 a 1 e o título cada vez mais próximo.

A valente Fiorentina foi em busca da tentativa do empate. Aos 16, Chiesa atacou pelo meio e chutou para Szczesny fazer a defesa. A Juve respondeu em seguida com o seu trio de ataque (CR7, Bernardeschi e Cuadrado), mas a zaga viola aliviou o perigo ao ceder o escanteio. Na sequência, Pjanić acertou um chute potente da entrada da área para Lafont espalmar para o córner.

Após as sequências de substituições dos dois times, o jogo deu uma acalmada, com a Juventus “cozinhando” o galo e a torcida bianconera começando a festa nas arquibancadas para comemorar o octacampeonato que estara cada vez mais próximo.

Entretando, aos 44, Dabo quase acabou com o clima festivo da arena. Aos 44, o camisa 14 ficou cara a cara com Szczesny, porém, o arqueiro polonês salvou a pátria alvinegra ao defender com os pés. Praticamente uma comemoração de um gol dos fãs da Vecchia Signora. No entanto, o jogo seguiu até os 48 minutos, quando o árbitro decretou o fim de jogo em Turim. Juventus 2, Fiorentina 1. A Juve conquista o oitavo Calcio de forma consecutiva e amplia a sua soberania na terra da Bota.

A Juventus parecia ter entrado em campo ainda com dor de cabeça com a eliminação surpreendente em casa para o Ajax na quarta-feira pela UEFA Champions League, pois, logo de cara foi surpreendida com o gol imediato da Fiorentina, aos cinco minutos. E, ao longo da etapa inicial, a Viola foi superior até o gol de empate dos bianconeros, marcado por Alex Sandro. No segundo tempo, a situação mudou, a Juve foi para cima disposta a virar a partida e conseguiu logo aos sete minutos através do gol contra de Pezzella. A equipe de Florença sentiu o golpe enquanto o time de Turim só administrou o resultado para conquistar o ‘scudetto’ com cinco rodadas de antecedência.

O feito da Juventus, os oito títulos italianos consecutivos, é inédito na história da seis principais ligas do futebol europeu (italiano, alemão, português, espanhol, francês e português). Inclusive, se a hegemonia da Juve na Itália, não vai demorar muito para o clube de Turim colocar em sua camisa a quarta stella d’Oro al mérito sportivo (aquela estrela que os clubes italianos ganham a cada dez ‘scudettos’ conquistados). Aliás, coincidentemente, todos os oito ‘scudettos’ ganhos pela Juve foram conquistados desde a inauguração de sua nova casa, em 2011. Contratado para conduzir os bianconeros a conquistar o tão sonhado tricampeonato europeu, Cristiano Ronaldo não conseguiu ajudar a equipe ao topo do futebol continental, mas, desde quando chegou a Turim, o gajo português abocanhou o seu segundo troféu pelo clube italiano (o primeiro havia sido a Supercopa da Itália, em janeiro, contra o Milan).

Com a vitória, a Juventus chegou aos 87 pontos, fazendo 20 a mais em relação ao Napoli, segundo colocado, que só tem mais 18 pontos a disputar e, evidentemente, não tem como mais alcançar a Vecchia Signora, detentora agora de 35 ‘scudettos’. Enquanto a Fiorentina segue na posição intermediária da tabela e com o jejum de dois meses sem vencer.

A próxima partida dos agora octacampeões será diante da Internazionale no próximo sábado (27), no Giuseppe Meazza, em Milão. Enquanto isso, a Fiorentina receberá no Artemio Franchi o Sassuolo na segunda-feira, dia 29 de abril.

A seguir, a classificação do Campeonato Italiano 2018/2019 até o momento, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da partida do título da Juventus.

Posição – Equipe – Pontos:
1. Juventus – 87 pontos (campeão)
2. Napoli – 67
3. Internazionale – 61
4. Milan – 56
5. Roma – 55
6. Torino – 53
7. Atalanta – 53
8. Lazio – 52
9. Sampdoria – 48
10. Cagliari – 40
11. Fiorentina – 40
12. Sassuolo – 38
13. SPAL – 38
14. Parma – 36
15. Genoa – 34
16. Bologna – 34
17. Udinese – 33
18. Empoli – 29
19. Frosinone – 23
20. Chievo – 17

Data – Jogo – Local:
18/08/2018 – Chievo 2×3 Juventus – Marcantonio Bentegoni, Verona
25/08/2018 – Juventus 2×0 Lazio – Allianz Stadium, Turim
1º/09/2018 – Parma 1×2 Juventus – Ennio Tardini, Parma
16/09/2018 – Juventus 2×1 Sassuolo – Allianz Stadium, Turim
23/09/2018 – Frusinone 0x2 Juventus- Benito Stirpe, Frusinone
26/09/2018 – Juventus 2×0 Bologna – Allianz Stadium, Turim
29/09/2018 – Juventus 2×1 Napoli – Allianz Stadium, Turim
06/10/2018 – Udinese 0x2 Juventus – Friuli, Udine
20/10/2018 – Juventus 1×1 Genoa – Allianz Stadium, Turim
27/10/2018 – Empoli 1×2 Juventus – Carlo Castellani, Empoli
03/11/2018 – Juventus 3×1 Cagliari – Allianz Stadiun, Turim
11/11/2018 – Milan 0x2 Juventus – San Siro, Milão
24/11/2018 – Juventus 2×0 SPAL – Allianz Stadium, Turim
1º/12/2018 – Fiorentina 0x3 Juventus – Artemio Franchi, Florença
07/12/2018 – Juventus 1×0 Internazionale – Allianz Stadium, Turim
15/12/2018 – Torino 0x2 Juventus – Olímpico, Turim
22/12/2018 – Juventus 1×0 Roma – Allianz Stadium, Turim
26/12/2018 – Atalanta 2×2 Juventus – Atleti Azzurri d’Itália, Bérgamo
29/12/2018 – Juventus 2×1 Sampdoria – Allianz Stadium, Turim
21/01/2019 – Juventus 3×0 Chievo – Allianz Stadium, Turim
27/01/2019 – Lazio 1×2 Juventus – Olímpico, Roma
02/02/2019 – Juventus 3×3 Parma – Allianz Stadium, Turim
10/02/2019 – Sassuolo 0x3 Juventus – Cittá del Tricolore, Reggio Emilia
15/02/2019 – Juventus 3×0 Frosinone – Allianz Stadium, Turim
24/02/2019 – Bologna 0x1 Juventus – Renato Dall’Ara, Bolonha
03/03/2019 – San Paolo 1×2 Juventus – San Paolo, Nápoles
08/03/2019 – Juventus 4×1 Udinese – Allianz Stadium, Turim
17/03/2019 – Genoa 2×0 Juventus – Luigi Ferraris, Gênova
30/03/2019 – Juventus 1×0 Empoli – Allianz Stadium, Turim
02/04/2019 – Cagliari 0x2 Juventus – Sardegna Arena, Cagliari
06/04/2019 – Juventus 2×1 Milan – Allianz Stadium, Turim
13/04/2019 – SPAL 2×1 Juventus – Paolo Mazza, Ferrara
20/04/2019 – Juventus 2×1 Fiorentina – Allianz Stadium, Turim
27/04/2019* – Internazionale x Juventus – Giuseppe Meazza, Milão
04/05/2019* – Juventus x Torino – Allianz Stadium, Turim
12/05/2019* – Roma x Juventus – Olímpico, Roma
18/05/2019* – Juventus x Atalanta – Allianz Stadium, Turim
25/05/2019* – Sampdoria x Juventus – Luigi Ferraris, Gênova
* Jogos a serem disputados

FICHA TÉCNICA: JUVENTUS 2×1 FIORENTINA
Competição/Fase: Campeonato Italiano 2018/2019 – 33ª rodada
Local: Allianz Stadium, Turim, Itália
Data: 20 de abril de 2019, sábado – 13h (horário de Brasília)
Árbitro: Fabrizio Pasqua
Auxiliares: Luca Mondin e Alessandro Lo Cícero
Cartão Amarelo: Gerson (Fiorentina)
Gols: Milenković, aos 5 min (0-1) e Alex Sandro, aos 36 min do 1º tempo (1-1); Pezzella (contra), aos 7 min do 2º tempo (2-1)
JUVENTUS: 1;Szczesny; 20.João Cancelo, 24.Rugani, 19.Bonucci e 12.Alex Sandro; 5.Pjanić (30.Bentancur), 23.Emre Can e 14.Matuidi; 16.Cuadrado (2.De Sciglio), 33.Bernardeschi (18.Kean) e 7.Cristiano Ronaldo. Técnico: Massimiliano Allegri
FIORENTINA: 1.Lafont; 4.Milenković, 20.Pezzella e 5.Ceccherini; 17.Veretout, 14.Dabo, 24.Bernassi (8.Gerson), 25.Chiesa (29.Muriel) e 16.Hancko; 9.Simeone e 11.Mirallas (26.Edimilson Fernandes). Técnico: Vincenzo Montella

Parabéns ao Juventus Football Club pela conquista.

Por Jorge Almeida

“Índios: a realidade expressa” vira tema de exposição fotográfica

Créditos: divulgação

Mostra gratuita acontece no Continental Shopping

Em comemoração ao Dia do Índio, o Continental Shopping, em parceria com o coletivo Casaviva Cultural e Ambiental, traz a exposição “Índios: a realidade expressa”, do fotógrafo Walter Sanches.

O artista, que durante 32 anos foi técnico indigenista e chefe de reserva em Goiás, da Fundação Nacional do Índio (FUNAI), transformou toda essa trajetória em milhares de imagens magníficas que retratam a diversidade sociocultural, hábitos e cultura indígena, principalmente das tribos Karajá e Avá-Canoeiro localizadas no norte do estado.

A mostra, com 30 fotos, tem como objetivo trazer à tona a importância da discussão sobre a vida e preservação dos índios por todo o país. Entre as fotos que retratam paisagens e momentos espontâneos e culturais das tribos, será possível também conferir informações e curiosidades descobertas pelo artista durante todos esses anos.

“As imagens são impactantes e lindas ao mesmo tempo. A ideia do empreendimento é trazer a vida dessas pessoas para mais perto dos nossos clientes, reforçando a riqueza e importância cultural do nosso país” comenta Rodrigo Rufino gerente de marketing do Continental Shopping.

Para quem ficou curioso, será possível conferir a mostra de 18 a 28 de abril, no Espaço Cultural (3º Piso). O evento é gratuito.

Serviço
“Índios: a realidade expressa”
Quando: De 18 a 28 de abril
Horário: De segunda a sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h
Local: Praça Cultural – 3º andar
Endereço: Avenida Leão Machado, 100 – Jaguaré – São Paulo – SP
Mais informações: (11) 4040-4981 – http://www.continentalshopping.com.br
EVENTO GRATUITO

Informações à Imprensa – Santana Parque Shopping
Máxima Assessoria de Imprensa
Tel: (11) 3283-2508
Nina Branco – nina@maximasp.com.br – Cel: (11) 97405-0745
Mari Maellaro – mari.maellaro@uol.com.br – Cel: (11) 99686-4285
Silvia Pacolla – spacolla@uol.com.br – Cel: (11) 99686-4157

Créditos: Nina Branco