Conmebol definiu sorteios da Copa Sulamericana e Libertadores de 2019

Conmebol realizou o sorteio da Copa Libertadores da América e da Copa Sulamericana na noite desta segunda-feira em sua sede, em Luque, no Paraguai. Créditos: conmebol.com

Assim como na Europa, a América do Sul também teve realização de sorteios para as suas principais competições continentais. Diretamente de sua sede, em Luque, no Paraguai, a Confederação Sulamericana de Futebol (Conmebol) realizou os sorteios dos confrontos da primeira fase da Copa Sulamericana e dos duelos das fases preliminares e de grupo da Copa Libertadores da América de 2019.

A cerimônia foi conduzida pela brasileira Bárbara Coelho, do canal SporTV, e pelo argentino Pablo Giralt, no salão João Havelange, na sede da entidade. Em seguida, Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol fez suas considerações iniciais a respeito das competições. Por fim, Fred Nandes, diretor de competições da confederação, deu início aos sorteios dos duelos da primeira fase da Copa Sulamericana 2019.

As 44 equipes participantes da primeira fase foram divididas em dois potes: bloco Sul – Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai – e Norte – Brasil, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela. No sorteio, os clubes de um bloco enfrentarão os do outro pote. As partidas de ida ocorrerão em três semanas diferentes: de 5 a 7, 12 a 14 e de 19 a 21 de fevereiro.

Dos confrontos da primeira fase, destaque para o duelo entre Racing e Corinthians. As duas equipes se enfrentaram no torneio nas oitavas-de-final em 2017. Na ocasião, o clube argentino levou a melhor. Outro embate interessante terá outro “Brasil x Argentina”, caso de Botafogo e Defensa Y Justicia, que já aprontou para cima de time brasileiro. Em 2017, o clube argentino eliminou o São Paulo na primeira fase da competição.

Os vencedores dessa fase, se juntarão aos 10 clubes oriundos da Libertadores da América (os oito terceiros colocados dos oito grupos, além dos dois melhores eliminados nas fases preliminares). Assim, em maio, um novo sorteio para definir os confrontos da segunda fase será realizado.

Assim como a Libertadores, a Sul-Americana de 2019 terá final em jogo único: dia 9 de novembro, em Lima, capital do Peru. O campeão da Copa Sulamericana receberá R$ 4 milhões de premiação, enquanto o vice embolsará R$ 2 milhões.

Após a definição dos embates da Copa Sulamericana, o evento teve um pequeno intervalo e, na volta, Alejandro Domínguez fez as considerações iniciais sobre a Libertadores, destacando que o torneio terá a maior premiação de sua história (o campeão receberá a bolada de R$ 12 milhões e o vice receberá a metade do valor). Em seguida, subiram ao palco da cerimônia os atacantes colombianos Miguel Borja, do Palmeiras, e Wilson Morelo, do Independiente de Santa Fé, para receberem o troféu de artilheiro da Copa Libertadores da América 2018. Ambos dividiram a artilharia do certame com nove gols.

Em seguida, os mestres de cerimônias e o diretor de competições da Conmebol esclareceram como será o sorteio dos confrontos das fases preliminares e da fase de grupos, que já tinha definido o River Plate, atual campeão, como cabeça-de-chave do grupo A. Os outros cabeças-de-chave foram definidos de acordo com o ranking da Conmebol feito até o dia 15 de dezembro.

E a primeira fase preliminar da Libertadores terá três duelos. Os vencedores passarão para a segunda fase preliminar, que terá mais 13 equipes. Os ganhadores seguirão na disputa da terceira fase e os classificados se enfrentarão em quatro embates. Os quatro ganhadores seguirão para a fase de grupos. E, de acordo com o regulamento, equipes do mesmo país não poderão se enfrentar na fase de grupos, salvo casos de clubes oriundos da fase prévia do torneio.

Os cabeças-de-chave da Libertadores 2019 serão: River Plate, Cruzeiro, Olímpia, Peñarol, Nacional, Palmeiras, Boca Juniors e Grêmio. Aliás, caso o São Paulo chegue à fase de grupos, ele se juntará a River Plate, Internacional e Alianza Lima, formando o considerado “grupo da morte” do torneio, afinal, é a chave que, caso o Tricolor paulista consiga a vaga, terá o maior número de taças de todos: 9 (4 do River, 3 do São Paulo e 2 do Internacional). Dos participantes do torneio, incluindo as equipes que disputarão as fases preliminares, 15 já conquistaram o troféu mais cobiçado das Américas.

E, só para reforçar, pela primeira vez na história, a Copa Libertadores da América terá final em jogo único, que está previsto para ocorrer em 23 de novembro, em Santiago, no Chile.

A seguir, as relações dos duelos da primeira fase da Copa Sulamericana e da Copa Libertadores da América 2019.

– Copa Sulamericana 2019 (primeira fase):
E1 – Montevideo Wonderers (URU) x Huancayo (PER)*
E2 – Liverpool (URU)* x Bahia (BRA)
E3 – Independiente (ARG) x Deportivo Binacional (PER)*
E4 – Rionegro Águilas (COL)* x Bolívia 2
E5 – Argentinos Juniors (ARG) x Estudiantes de Mérida (VEN)*
E6 – Deportivo Municipal (PER) x Colón (ARG)*
E7 – Unión Española (CHI) x Mushuc Runa (EQU)*
E8 – Club UTC (PER) x Atlético Cerro (URU)*
E9 – Desportivo Santaní (PAR) x Once Caldas (COL)*
E10 – Colo Colo (CHI)* x Universidad Católica (EQU)
E11 – River Plate (URU) x Santos (BRA)*
E12 – Deportivo Guabirá (BOL)* x Deportivo Macará (EQU)
E13 – Bolívia 1 x Monagas (VEN)*
E14 – Sol de América (PAR)* x Mineros (VEN)
E15 – Unión La Calera (CHI) x Chapecoense (BRA)*
E16 – Guaraní (PAR)* x Deportivo Cáli (COL)
E17 – Bolívia 3 x Zuliá (VEN)*
E18 – Racing (ARG)* x Corinthians (BRA)
E19 – Independiente (PAR) x La Equidad (COL)*
E20 – Deportivo Antofagasta (CHI)* x Fluminense (BRA)
E21 – Unión Santa Fé (ARG) x Independiente Del Valle (EQU)*
E22 – Defensa Y Justicia (ARG)* x Botafogo (BRA)
* Equipes mandantes do jogo de volta.

– Copa Libertadores da América 2019 (fases preliminares e fase de grupos):
Fase preliminar 1:
E1 – Delfin (EQU) x Nacional (PAR)
E2 – Deportivo La Guaira (VEN) x Real Garcilaso (PER)
E3 – Bolívia 4 x Defensor Sporting (URU)
Fase preliminar 2: 13 equipes + 3 classificados da fase 1:
C1 – Danubio (URU) x Atlético Mineiro (BRA)
C2 – Helgar (PER) x Universidad de Chile (CHI)
C3 – Bolívia 3 x Libertad (PAR)
C4 – Palestino (CHI) x Independiente de Medellín (COL)
C5 – Talleres (ARG) x São Paulo (BRA)
C6 – E2 x Atlético Nacional (COL)
C7 – E1 x Caracas (VEN)
C8 – E3 x Barcelona (EQU)
Fase preliminar 3 (vencedores da fase preliminar 2):
G1 – C1 x C8
G2 – C2 x C7
G3 – C3 x C6
G4 – C4 x C5
Fase de grupos:
Grupo A:
River Plate (ARG)
Internacional (BRA)
Alianza Lima (PER)
G4
Grupo B:
Cruzeiro (BRA)
Emelec (EQU)
Huracán (ARG)
Deportivo Lara (VEN)
Grupo C:
Olímpia (PAR)
Sporting Cristal (PER)
Godoy Cruz (ARG)
Univ. de Concepción (CHI)
Grupo D:
Peñarol (URU)
Flamengo (BRA)
LDU (EQU)
Bolívia 2
Grupo E:
Nacional (URU)
Cerro Porteño (PAR)
Zamora (VEN)
G1
Grupo F:
Palmeiras (BRA)
San Lorenzo (ARG)
Junior Barranquilla (COL)
G2
Grupo G:
Boca Juniors (ARG)
Athetico Paranaense (BRA)
Jorge Wilsterman (BOL)
Deportes Tolima (COL)
Grupo H:
Grêmio (BRA)
Universidad Católica (CHI)
Rosario Central (ARG)
G3

Boa sorte aos participantes.

Por Jorge Almeida

Anúncios

River Plate: campeão da Copa Libertadores da América 2018

Jogadores do River Plate comemoram o quarto título da Libertadores conquistado pelos Millonarios. Foto: Gabriel Bouys/AFP

O Clube Atlético River Plate é o mais novo campeão da (quase interminável) Copa Libertadores da América 2018. Os Millonarios bateram o Boca Juniors, de virada, por 3 a 1 na partida derradeira da competição neste domingo (9) no Estádio Santiago Bernabéu, em Madri, na Espanha, na primeira decisão do campeonato mais importante das Américas a ser disputada fora do continente. Os gols da partida foram marcados por Benedetto e Lucas Pratto no tempo normal, enquanto Quintero e Pity Martínez anotaram os tentos do River Plate na prorrogação. Com a conquista, a equipe treinada por Marcelo Gallardo será o representante sulamericano no Mundial de Clubes da FIFA, que ocorrerá nos Emirados Árabes Unidos.

Como já era de se esperar, River Plate e Boca Juniors fizeram um jogo bem disputado e equilibrado no campo e, com isso, as chances de gols foram poucas no primeiro tempo.

A equipe xeneize chegou primeiro ao ataque. Aos 9, Olaza cruzou e Maidana, ao tentar cortar, espanou e quase encobriu Armani e a bola saiu por cima da meta. No escanteio, Izquierdoz desviou e Pérez pegou de primeira, mas a finalização saiu fraco e o arqueiro dos Millonarios defendeu sem dificuldades.

O River Plate teve a sua primeira oportunidade aos 19. Em jogada ensaiada de escanteio, que veio por baixo em direção da entrada da área, a bola foi direto para Nacho Fernández, que pegou muito embaixo e mandou longe do gol defendido por Andrada.

O clube de La Bombonera ainda teve uma ótima chance aos 29. Darío Benedetto cobrou falta, de dentro da meia-lua, a bola bateu em Magallán, sobrou para Pablo Pérez, que chutou cruzado e a redonda desviou no jogador do River e saiu pela linha de fundo. A arbitragem marcou erroneamente o tiro de meta.

A peleja seguiu equilibrada até o final da etapa inicial. Até que, aos 44 minutos, os Millonarios perderam uma bola no ataque e, no contragolpe, Nandez deu um passe primoroso para Benedetto, que escapou do carrinho de Maidana e tocou na saída de Armani para anotar o primeiro gol da decisão.

O River Plate voltou melhor no segundo tempo e parecia que estava a adivinhar que o empate viria logo. Aos dois minutos, Pratto escorou para Nacho Fernández chegar batendo de canhota à esquerda de Andrada. Quatro minutos depois Palacios bateu da entrada da área, a bola desviou na trajetória e o goleiro xeneize encaixou.

Os Millonarios seguiram na pressão. Aos dez, Pratto recebeu por cima da defesa, chegou antes de Andrada e caiu no choque com o goleiro, que ficou caído no chão e recebeu o atendimento médico. Os jogadores do River pediram pênalti, mas a arbitragem marcou falta no camisa 1.

E, melhor no jogo, o River Plate chegou ao empate. Aos 22, Nacho Fernández tabelou com Palacios pela direita e só rolou para trás para Pratto empurrar para as redes.

O Boca Juniors sentou o empate e esboçou uma reação. Aos 31, teve uma boa oportunidade por conta de um jogo perigoso dentro da área. Na falta em dois lance, Olaza bateu rasteiro e acertou a barreira. Todavia, a igualdade no marcador deixou claro de que as duas equipes levariam a decisão para a prorrogação e, aos 49 minutos, o árbitro uruguaio encerra o tempo regulamentar no estádio do Real Madrid: 1 a 1. Vamos para a prorrogação.

A situação dos bosteros piorou logo no primeiro minuto do tempo extra. O colombiano Barrios fez falta dura e recebeu o segundo amarelo e, consequentemente, o vermelho. Com a menos, Guillermo Schelotto precisou reconstruir a defesa, ele sacou Villa e colocou Jara.

Com um a mais, o River Plate foi para cima e criou algumas chances. Aos 11, Pity cruzou rasteiro, Alvarez pegou de primeira e mandou por cima da meta. Porém, o Boca conseguiu manter o empate nos primeiro tempo da prorrogação.

Nos últimos 15 minutos da decisão, o River Plate sacramentou o título. Logo aos três minutos, em jogada trabalhada, o colombiano Quintero (substituto de Ponzio) dominou e ajeitou ao bater firme no alto para fazer um belo gol. A bola ainda tocou no travessão e entrou. É a virada do River Plate.

Abatido, o Boca Juniors ainda tentou empatar em seguida. A redonda foi alçada na área, Nandez desviou de cabeça e Mayada tentou cortar e quase fez contra, mas Armani estava atento e segurou a bola.

Os Dragões do Norte ainda tentaram aos oito minutos, mas perdeu um contra-ataque com Pratto que errou o passe para o meio da área. O Boca Juniors arriscou aos nove com Gago, que tentou de longe, mas Armani fez boa defesa e não cedeu o rebote.

À medida que o desespero do Boca Juniors aumentava, o River Plate ganhava espaços para liquidar a fatura, mas não tirava aproveito.

A equipe azul y oro esteve muito perto do empate. Aos 14 minutos, a bola sobrou para Jara na área, o camisa 29 chutou, a redonda desviou e bateu no pé da trave.

Na cobrança de escanteio, o goleiro Andrada foi para a área para tentar o empate. No entanto, aos 16, Quintero ganhou na intermediária e deu um passe em profundidade para Pity Martínez, que ainda estava no campo de defesa. O camisa dez avançou sozinho até a altura da marca do pênalti e empurrou para as redes e matar o jogo: 3 a 1. Fim de jogo no Santiago Bernabéu: River Plate 3, Boca Juniors 1. Os Millonarios conquistam a América pela quarta vez na história e já vai para os Emirados Árabes Unidos para disputar o Mundial de Clubes da FIFA, cuja edição 2018 já começará na próxima quarta-feira (12).

Na final em que a Conmebol e a Argentina saíram derrotados fora de campo, mas que teve o futebol como vitorioso dentro das quatro linhas, River Plate e Boca Juniors fizeram valer a decisão daquela que foi considerada a “maior final da história” da Libertadores da América. E, como não poderia deixar de ser, os dois times fizeram um jogo com mais marcação e estudo do que ataque. Isso perdurou até o amuleto xeneize Benedetto abrir o placar para o Boca Juniors no final do primeiro tempo. Na volta do intervalo, os Gallinas voltaram com “sangue nos olhos”, foram para cima e chegaram ao empate com Lucas Pratto. Assim, a finalíssima foi para a prorrogação e, para azar dos bosteros, o colombiano Barrios foi expulso. A situação favoreceu o River, que foi com tudo em busca da virada, que só veio a acontecer no segundo tempo extra. Quintero acertou um chutaço e pôs o River na frente. O Boca Juniors tentou na raça buscar o empate, acertou a trave de Armani, mas levou o tiro de misericórdia em um contragolpe fatal, que só não foi mais dolorido porque Pity Martínez teve humildade de não entrar com bola e tudo.

Com o título, o River Plate se iguala ao Estudiantes em números de Libertadores, com quatro conquistas cada, ficando atrás do Peñarol, que tem cinco, Boca Juniors seis e Independiente, que possui sete taças.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
Primeira Fase (Grupo 4):
28/02 – Flamengo (BRA) 2×2 River Plate (ARG) – Engenhão, Rio de Janeiro (BRA)
05/04 – River Plate (ARG) 0x0 Santa Fé (COL) – Monumental de Núñez, Buenos Aires (ARG)
19/04 – Emelec (EQU) 0x1 River Plate (ARG) – George Capwell, Guayaquil (EQU)
26/04 – River Plate (ARG) 2×1 Emelec (EQU) – Monumental de Núñez, Buenos Aires (ARG)
03/05 – Santa Fé (COL) 0x1 River Plate (ARG) – El Campín, Bogotá (COL)
23/05 – River Plate (ARG) 0x0 Flamengo (BRA) – Monumental de Núñez, Buenos Aires (ARG)
Oitavas-de-final:
09/08 – Racing (ARG) 0x0 River Plate (ARG) – El Cilindro, Avellaneda (ARG)
29/08 – River Plate (ARG) 3×0 Racing (ARG) – Monumental de Núñez, Buenos Aires (ARG)
Quartas-de-final:
19/09 – Independiente (ARG) 0x0 River Plate (ARG) – Libertadores de América, Avellaneda (ARG)
02/10 – River Plate (ARG) 3×1 Independiente (ARG) – Monumental de Núñez, Buenos Aires (ARG)
Semifinais:
23/10 – River Plate (ARG) 0x1 Grêmio (BRA) – Monumental de Núñez, Buenos Aires (ARG)
30/10 – Grêmio (BRA) 1×2 River Plate (ARG) – Arena do Grêmio, Porto Alegre (BRA)
Final:
11/11 – Boca Juniors (ARG) 2×2 River Plate (ARG) – La Bombonera, Buenos Aires (ARG)
09/12 – River Plate (ARG) 3×1 Boca Juniors (ARG) – Santiago Bernabéu, Madri (ESP)

FICHA TÉCNICA: RIVER PLATE (ARG) 3×1 BOCA JUNIORS (ARG)
Competição/Fase: Copa Libertadores da América 2018 – final (2º jogo)
Local: Estádio Santiago Bernabéu, Madri, Espanha
Data: 9 de dezembro de 2018, domingo – 17h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Andrés Cunha (URU)
Auxiliares: Nicolás Tarán (URU) e Mauricio Espinoza (URU)
Cartões Amarelos: Ponzio, Ignacio Fernández e Maidana (River Plate); Pablo Pérez, Barrios e Tevez (Boca Juniors)
Cartão Vermelho: Barrios (Boca Juniors)
Gols: Benedetto, aos 44 min do 1º tempo (0-1); Pratto, aos 22 min do 2º tempo (1-1); Quintero, aos 3 min (2-1) e Pity Martínez, aos 16 min do 2º tempo da prorrogação (3-1)
RIVER PLATE (ARG): 1.Armani; 29.Montiel (18.Mayada), 2.Maidana, 22.Pinola e 30.Casco; 23.Ponzio (8.Quintero), 24.Enzo Pérez, 15.Palacios (9.Alvarez) e 26.Ignacio Fernández (5.Zuculini); 10.Pity Martínez e 27.Lucas Pratto. Técnico: Marcelo Gallardo
BOCA JUNIORS (ARG): 1.Andrada; 24.Buffarini (23.Tevez), 21.Izquierdoz, 6.Magallán e 20.Olaza; 16.Barrios, 15.Nandez e 8.Pablo Pérez (5.Gago); 22.Villa (29.Jara), 7.Pavón e 18.Benedetto (17.Ábila). Técnico: Guillermo Schelotto

Parabéns ao Club Atlético River Plate pelo título.

Por Jorge Almeida

Dedé expulso: Mais uma vez a idoneidade da Conmebol em xeque

O momento em que o árbitro Eder Aquino expulsa Dedé injustamente em La Bombonera. Foto: AFP/Eitan Abramovich

Como é de conhecimento de todos, o Cruzeiro saiu derrotado de La Bombonera, em Buenos Aires, por 2 a 0 diante do Boca Juniors, na primeira partida das quartas-de-final da Copa Libertadores da América 2018, na noite desta quarta-feira (19). No entanto, o que mais repercutiu, infelizmente, não foi o placar do jogo, e sim a injusta expulsão do zagueiro cruzeirense Dedé. E, coincidentemente, mais uma vez, o Boca Juniors foi beneficiado por um erro de arbitragem contra uma equipe brasileira, o que torna mais uma vez o questionamento do torcedor brasileiro sobre a idoneidade da Conmebol para com os clubes do Brasil diante de times argentinos em suas competições.

O lance crucial aconteceu próximo dos 25 minutos do segundo tempo, quando o placar anotava 1 a 0 para os Xeneizes. A bola foi alçada na área do Boca Juniors e, na disputa pelo alto, o defensor do time celeste e, na dividida por cima com o goleiro Andrada, Dedé deu uma cabeçada no queixo do arqueiro, em um lance totalmente acidental, que caiu no chão, ficou desacordado e com a boca sangrando. O árbitro paraguaio Eder Aquino foi chamado em consultar o VAR e, após analisar as imagens de vídeo, expulsou o camisa 26. A decisão precipitada do homem do apito causou revolta não apenas aos cruzeirenses, mas também como para parte dos torcedores, jornalistas brasileiros e até argentinos.

O equívoco da decisão de Aquino permitiu, mais uma vez, questionar a credibilidade da Conmebol. Afinal, não é a primeira vez (e possivelmente não será a última) que uma equipe brasileira é nitidamente prejudicada pela arbitragem – e também pelo tribunal – em um confronto contra clube argentino (especialmente o Boca Juniors) em competições sulamericanas. Aliás na Libertadores 2018, além desse erro no jogo entre Boca Juniors e Cruzeiro, três situações, no mínimo, “estranha” levanta a questão do famigerado “dois pesos e duas medidas”. Primeiro, o caso Sánchez, do Santos, que foi escalado irregularmente pela equipe praiana contra o Independiente nas oitavas-de-final do torneio, fez com que o clube fosse considerado derrotado pelo placar de 3 a 0 a favor da equipe de Avellaneda que, no jogo de volta, empatou em 0 a 0 no Pacaembu e avançou. Curiosamente, o ex-cruzeirense Ábila, assim como Sánchez, foi escalado irregularmente, mas não aplicou a mesma punição ao time argentino. Ainda sobre jogador irregular, o River Plate colocou em campo o zagueiro Zucullini, que tinha expulsões pendentes, mas, a entidade “se enganou” e disse que o jogador estava livre para atuar e, consequentemente, os Millonarios se livraram de uma punição.

Sobre o Boca Juniors, em especial, a equipe considerada “carrasco” dos clubes brasileiros na Libertadores coleciona um recente histórico de supostos favorecimentos da arbitragem, seja em Buenos Aires ou no Brasil, em duelos da Copa Libertadores. Lembremos alguns deles: na decisão do torneio, em 2000, o clube de La Bombonera encarou o Palmeiras que, na época, lutava pelo bicampeonato. Depois do empate em 2 a 2 no primeiro jogo, na casa xeneize, na partida de volta, o árbitro Epifanio González deixou de marcar duas possíveis penalidades, uma em Asprilla e outra em Pena, para o alviverde. O jogo terminou em 0 a 0 e, na disputa por pênaltis, o Boca levou a melhor por 4 a 2, conquistando a América depois de um jejum de 22 anos. No ano seguinte, o mesmo duelo, mas nas semifinais, em La Bombonera, o árbitro Ubaldo Aquino (“carinhosamente” chamado pelos palmeirenses de “Roubaldo Aquino”) ignorou uma penalidade clara em cima do volante Fernando. O jogo terminou em 2 a 2, o mesmo resultado do confronto de volta e, assim, mais uma vez, os argentinos venceram nos pênaltis e foram para a final contra o Cruz Azul e conquistaram o bicampeonato.

Quem também não tem boas recordações da arbitragem e do Boca Juniors é o Grêmio. Em 2007, na decisão da Libertadores, o Tricolor dos Pampas saiu derrotado do primeiro confronto derrotado de Buenos Aires por 3 a 0. No entanto, os gremistas reclamaram de Jorge Larrionda, que não marcou impedimento de Palermo, que deu o passe para o também impedido Palacio, fazer o primeiro gol do jogo. Riquelme e Patrício (contra) balançaram as redes depois do lance polêmico. No segundo jogo, diante de uma vantagem confortável, os Xeneizes venceram o Imortal por 2 a 0 e ficaram com o título. O tento irregular foi lembrado pelo atual técnico cruzeirense Mano Menezes durante a coletiva pós-jogo na noite desta quarta-feira. Na ocasião, o treinador era o comandante do Grêmio.

O árbitro colombiano José Buitrago não traz boas recordações para o Fluminense. Nas quartas-de-final da Libertadores de 2012, também em La Bombonera, os cariocas reclamaram do juiz que não marcou um pênalti contra os donos da casa ainda na etapa inicial do duelo, quando Roncaglia tocou a bola com o braço dentro da área, o que ainda poderia ter provocado a expulsão do argentino. A partida terminou 1 a 0 para o Boca, que empatou o jogo de volta no Maracanã em 1 a 1 e avançou na competição, quando foi derrotado pelo Corinthians na final.

E, por falar de Corinthians, quem não se lembra da desastrosa arbitragem de Carlos Amarilla. Com certeza, a Fiel nunca esquecerá. Na edição de 2013 da Liberta, nas oitavas-de-final, o Timão encarou o Boca Juniors mais uma vez. Depois de ter perdido o primeiro jogo em Buenos Aires por 1 a 0, o alvinegro empatou em 1 a 1 contra os argentinos no Pacaembu e deu adeus ao sonho do bicampeonato. A lista de protestos dos corinthianos contra a arbitragem nesse jogo foi grande: um gol anulado de Romarinho, um pênalti não marcado de Marín – que colocou a mão na bola e já estava com cartão amarelo, uma falta inexistente de Paulinho, que marcou um gol que foi anulado e uma penalidade máxima deixara de ser marcada em cima de Emerson Sheik. O Boca Juniors passou, mas não foi muito longe: caiu na fase seguinte para o também argentino Newell’s Old Boys.

Diante desse histórico nada agradável, já passou da hora de a CBF e também os clubes brasileiros tomarem alguma providência contra a Conmebol. Infelizmente, as equipes só olham o próprio umbigo, pois, se houvesse uma união entre eles, quem sabe, um boicote à entidade sulamericana não fizesse com que as autoridades futebolísticas do continente tomassem alguma medida? Ou será que a falta de representatividade do futebol brasileiro no continente continuará a punir dentro e fora de campo os clubes do país pentacampeão mundial de futebol?

O Cruzeiro, possivelmente, deverá tomar as medidas jurídicas cabíveis para tentar anular a expulsão de Dedé para poder contar com a presença do zagueiro no duelo de volta, que será realizado no dia 4 de outubro no Mineirão.

E, como bem alertou o advogado Mario Bittencourt, que defendeu o Santos no “caso Sánchez”, é bom Palmeiras e Grêmio abrirem o olho.

Que o Cruzeiro faça justiça dentro de campo e sem depender da arbitragem.

Por Jorge Almeida

Conmebol define confronto da Libertadores e da Sulamericana

Conmebol realizou o sorteio dos confrontos de suas competições nesta segunda-feira em sua sede, em Luque, no Paraguai. Créditos: conmebol.com

A Confederação Sulamericana de Futebol (Conmebol) realizou na noite desta segunda-feira (4), em sua sede, em Luque, no Paraguai, os sorteios dos confrontos da fase 16-avos da Copa Sulamericana e das oitavas-de-final da Copa Libertadores da América. Dirigentes e representantes dos clubes participantes marcaram presença no auditório da entidade. Em ambos os sorteios, os clubes participantes foram divididos em dois potes, sendo que as equipes do pote 2 eram sorteadas primeiro e já, conforme previsto, seria o mandante do jogo de ida na primeira fase eliminatória dos dois torneios.

O primeiro sorteio foi para saber os duelos da fase 16-avos da Copa Sulamericana. No pote 1, estavam os dez terceiros colocados da fase de grupo da Libertadores e as seis equipes de melhor campanha das fases anteriores do torneio. E no pote 2 estavam os outros 16 clubes. Os embates foram definidos em numeração do 1 ao 16, sendo que, conforme menor a numeração, o clube daquele duelo seria o mandante do jogo de volta, ou seja, as equipes que se enfrentarão pelo jogo 1, será o mandante da segunda partida até a final, enquanto o ganhador da partida 16 sempre terá de decidir fora de casa. E, ainda, ficou definido que quem passar do jogo 1 enfrenta o vencedor do jogo 16 na fase seguinte, quem levar a melhor no jogo 2 medirá forças com o ganhador do jogo 15, assim sucessivamente.

Os clubes do pote 2 foram sorteados primeiro. Assim, o General Díaz foi o primeiro time a ser sorteado na noite. No pote 2, o clube paraguaio enfrentará o Millonarios, da Colômbia, e fará o primeiro jogo em casa. Quem passar desse confronto, na fase seguinte terá a vantagem de mandar o compromisso de volta. Na sequência, outro paraguaio foi sorteado, o Nacional, que pegará o Botafogo, que terá a vantagem de decidir no Nilton Santos. O ganhador desse jogo, por exemplo, decidirá o segundo jogo em casa nas fases seguintes, exceto se pegar o vencedor de Millonarios e General Díaz. O terceiro duelo será protagonizado entre Sol de América, do Paraguai, e Nacional, do Uruguai. O São Paulo medirá forças contra o Colón, da Argentina, e o Tricolor disputará o jogo de ida no Morumbi. O Boston River, do Uruguai, fará duas partidas contra o Banfield, da Argentina. O Fluminense iniciará a série de dois jogos contra o Defensor, do Uruguai, no Rio de Janeiro. Assim como o Tricolor das Laranjeiras, o Atlético Paranaense tentará seguir no torneio e terá pela frente outro time uruguaio, o tradicionalíssimo Peñarol. A metade do sorteio chega com o duelo Deportivo Cáli, da Colômbia, contra o Bolívar, da Bolívia, que terá a vantagem de decidir em casa.

Os vencedores dos oito duelos acima, na próxima fase, decidirão em seus domínios, independentemente dos adversários que se classificarem dos embates a seguir. Carrasco do Fluminense nas finais da Libertadores de 2008 e da Copa Sulamericana de 2009, a LDU de Quito encara o Vasco em sua casa e irá até o Rio de Janeiro decidir sua sorte no certame. A partida de ida entre Caracas, da Venezuela, e Sport Huancayo, do Peru, será realizada primeiro na capital venezuelana. O adversário do Deportivo Cuenca, do Equador, será o Jorge Wilstermann, da Bolívia, com o compromisso de ida sendo realizado em solo equatoriano. Os argentinos do Defensa Y Justicia farão dos jogos contra o El Nacional, do Equador, sendo que os hermanos terão de ir até a casa do adversário no segundo jogo. Campeão da Sulamericana em 2013, o Lanús, da Argentina, receberá o Junior Barranquilla em casa primeiro e, depois, irá até a Colômbia para saber se vai ou não para as oitavas-de-final do torneio. O San Lorenzo, da Argentina, será o mandante do jogo de dia diante do Deportes Temuco, do Chile. A Arena Fonte Nova será o palco do primeiro duelo entre Bahia e Atlético Cerro, do Uruguai. E, finalmente, o Rampla Juniors, do Uruguai, mandará o primeiro compromisso diante do Independiente de Santa Fé, da Colômbia.

Com o sorteio dos embates da Copa Sulamericana definido, minutos depois foi a vez da definição dos confrontos das oitavas-de-final da Copa Libertadores da América. No pote 1, ficaram os campeões dos grupos e nos potes 2 os segundos colocados. As equipes do pote 2, que mandarão os jogos de ida, foram sorteadas primeiro. Os duelos das oitavas-de-final foram creditados por letras de A a H. Assim, o vencedor do jogo A pega o ganhador do jogo H nas quartas-de-final, assim como os vencedores de B e G se enfrentam na sequência do torneio, e também quem levar a melhor dos jogos C e F e D e E.

O jogo A será protagonizado pelo duelo argentino entre Racing e River Plate. O primeiro jogo será em Avellaneda. Ou seja, quem vencer, enfrenta o vitorioso do embate entre Independiente e Santos, que fazem o jogo H. Colo-Colo, do Chile, e Corinthians farão duas partidas pelo jogo B. Logo, quem levar a melhor encarará nas quartas-de-final, o ganhador do jogo G, que será disputado entre Cerro Porteño, do Paraguai, e Palmeiras. Aliás, o alviverde de Parque Antárctica por ser dono da melhor campanha da fase de grupos será o mandante do segundo jogo ao longo da competição, caso avance. Assim, na próxima fase, a Libertadores poderá ter mais uma reedição de Palmeiras e Corinthians pelo torneio. Se isso acontecer, será o terceiro confronto eliminatório entre os dois times. Nas duas anteriores, o Verdão levou a melhor ao tirar o alvinegro do páreo nas edições de 1999 e 2000. Porém, nos últimos duelos, o Timão tem levado a melhor diante do rival. Com a quantidade de brasileiros na competição, o Flamengo que, dentre os brazucas classificados, foi o único que ficou em segundo na fase de grupos, teria possibilidades enormes de encarar um compatriota no torneio e foi o que aconteceu. Pelo jogo C, o Mengão terá como adversário o Cruzeiro. Quem levar melhor diante desse clássico, nas quartas, pegará quem passar de Boca Juniors e Libertad, que fazem o jogo F. Ou seja, se Corinthians ou Palmeiras e Flamengo ou Cruzeiro chegarem às semifinais, um time do Brasil estará garantido na decisão. Atual campeão, o Grêmio irá até La Plata disputar o primeiro jogo das oitavas contra o Estudiantes. Quem avançar medirá forças diante do vencedor do confronto entre os atléticos Tucumán ou Nacional, da Colômbia, que jogará a partida da volta.

Com a quantidade de brasileiros e argentinos nessa fase do torneio (eles são 12 dos 16 classificados) as chances de embates entre equipes dos dois países seriam grandes, assim como a probabilidade do Flamengo enfrentar um time do Brasil ou o River Plate, único argentino que ficou em primeiro na fase de grupos, pegar outro clube de seu país, o que de fato aconteceu. Porém, só haverá dois “Brasil x Argentina” nas oitavas (Estudiantes x Grêmio e Independiente x Santos).

As partidas das duas competições serão disputadas após a Copa do Mundo. Os jogos da fase 16-avos da Copa Sulamericana serão realizados entre 17 de julho e 16 de agosto, enquanto os das oitavas-de-final da Copa Libertadores da América ocorrerão entre os dias 7 e 30 de agosto.

A seguir, a relação dos confrontos das duas competições:
Fase de 16-avos da Copa Sulamericana (as equipes à esquerda são os mandantes dos jogos de ida) e os possíveis chaveamentos nas oitavas-de-final:

Jogo 1 – General Díaz (PAR) x Millonarios (COL)
Jogo 2 – Nacional (PAR) x Botafogo (BRA)
Jogo 3 – Sol de América (PAR) x Nacional (URU)
Jogo 4 – São Paulo (BRA) x Colón (ARG)
Jogo 5 – Boston River (URU) x Banfield (ARG)
Jogo 6 – Fluminense (BRA) x Defensor (URU)
Jogo 7 – Atlético PR (BRA) x Peñarol (URU)
Jogo 8 – Deportivo Cáli (COL) x Bolívar (BOL)
Jogo 9 – LDU Quito (EQU) x Vasco (BRA)
Jogo 10 – Caracas (VEN) x Sport Huancayo (PER)
Jogo 11 – Deportivo Cuenca (EQU) x Jorge Wilstermann (BOL)
Jogo 12 – Defensa Y Justicia (ARG) x El Nacional (EQU)
Jogo 13 – Lanús (ARG) x Junior Barranquilla (COL)
Jogo 14 – San Lorenzo (ARG) x Deportes Temuco (CHI)
Jogo 15 – Bahia (BRA) x Atlético Cerro (URU)
Jogo 16 – Rampla Juniors (URU) x Independiente de Santa Fé (COL)

Vencedor jogo 1 x Vencedor jogo 16
Vencedor jogo 2 x Vencedor jogo 15
Vencedor jogo 3 x Vencedor jogo 14
Vencedor jogo 4 x Vencedor jogo 13
Vencedor jogo 5 x Vencedor jogo 12
Vencedor jogo 6 x Vencedor jogo 11
Vencedor jogo 7 x Vencedor jogo 10
Vencedor jogo 8 x Vencedor jogo 9

Duelos das oitavas-de-final da Libertadores (as equipes à esquerda são os mandantes dos jogos de ida) e os possíveis chaveamentos nas quartas-de-final:

Jogo A – Racing (ARG) x River Plate (ARG)
Jogo B – Colo Colo (CHI) x Corinthians (BRA)
Jogo C – Flamengo (BRA) x Cruzeiro (BRA)
Jogo D – Estudiantes (ARG) x Grêmio (BRA)
Jogo E – Atlético Tucumán (ARG) x Atlético Nacional (COL)
Jogo F – Boca Juniors (ARG) x Libertad (PAR)
Jogo G – Cerro Porteño (PAR) x Palmeiras (BRA)
Jogo H – Independiente (ARG) x Santos (BRA)

Vencedor jogo A x Vencedor jogo H
Vencedor jogo B x Vencedor jogo G
Vencedor jogo C x Vencedor jogo F
Vencedor jogo D x Vencedor jogo E

Boa sorte aos clubes no certame.

Por Jorge Almeida

Encerrada a fase de grupos da Copa Libertadores da América 2018

16 equipes seguem na busca do troféu mais cobiçado da América do Sul

Com a realização de seis partidas válidas pelos grupos dois, seis e sete pela sexta rodada disputada nesta quinta-feira (24), a fase de grupos da Copa Libertadores da América 2018 foi encerrada. Ao todo, dezesseis equipes seguem no torneio em busca do troféu mais cobiçado do continente. Brasileiros e argentinos dominam o torneio (12 dos classificados são dos dois países).

Dos representantes brasileiros, só o Vasco não se classificou (a Chape havia ficado na fase preliminar), porém, por ter ficado em terceiro de seu grupo, foi contemplado para disputar a Copa Sulamericana. E, dentre os clubes do Brasil, que seguem no torneio, apenas o Flamengo que não terminou na liderança de seu grupo. Porém, o rubronegro carioca juntamente com Palmeiras, River Plate e Grêmio seguem como únicos invictos do certame. Em meio aos 16 classificados, somente Cerro Porteño, Libertad e Atlético Tucumán não sentiram o gostinho de conquistar a América. Por outro lado, os tradicionais Peñarol, Nacional e Vasco são os que tiveram o oportunidade de ganhar o torneio, mas que ficaram pelo caminho em 2018.

No grupo A, o atual campeão Grêmio confirmou o favoritismo e terminou na liderança com 14 pontos. Na quarta-feira (23), a equipe de Renato Gaúcho bateu o Defensor em sua arena por 1 a 0. Além dele, o Cerro Porteño derrotou o Monagas por 3 a 2, em Assunção, e chegou aos 13 pontos. O terceiro lugar ficou com o Defensor que, com quatro pontos, vai disputar a Copa Sulamericana.

O disputado grupo 2 terminou com o Atlético Nacional, da Colômbia, e os chilenos do Colo-Colo classificados. No Atanasio Girardot, em Medelín, as duas equipes se enfrentaram e o empate em 0 a 0 serviu para ambos. Com dez pontos, os Verdolagas ficou à frente do time cacique, que foi a oito e, se avançou, graças ao saldo de gols em relação ao terceiro colocado, o Bolívar. Com a mesma pontuação do Colo-Colo, os bolivianos bateu o Delfín em La Paz por 2 a 1 e chegou aos mesmos oito pontos, mas o saldo negativo em três gols fez com que o clube mais popular da Bolívia encerrasse a fase em terceiro.

A situação do grupo 3 foi resolvida na semana passada. No dia 17, o Libertad e o Atlético Tucumán empataram em 0 a 0 e se classificaram. Os paraguaios encerraram na liderança, com 13 pontos, e os argentinos em segundo, com dez, Na outra partida do grupo, o tradicionalíssimo Peñarol derrotou o The Strongest por 2 a 0 em Montevidéu e atingiu os nove pontos, contudo, o “pontinho precioso” conquistado pelo Tucumán em Assunção foi primordial para tirar os detentores de cinco Libertadores do páreo.

River Plate e Flamengo confirmaram o favoritismo e seguem na competição. As duas equipes mediram forças na quarta-feira (23) e o empate sem gols no Monumental de Núñez deixou os Millonarios na ponta do grupo 4 com 12 pontos, seguido do rubronegro com dez. Restou ao Santa Fé, que derrotou o Emelec fora de casa por 3 a 0 e foi a sete pontos, a vaga para a Sulamericana. Aliás, o clube equatoriano foi o verdadeiro saco de pancadas do grupo, pois, em seis jogos foram cinco derrotas e apenas um ponto ganho.

O grupo 5, que já tinha Cruzeiro e Racing classificados antecipadamente, teve a rodada derradeira disputada na terça-feira (22). O que entrou em disputa nos dois jogos foi a liderança e quem iria disputar a Copa Sulamericana. No Mineirão, o Cruzeiro engatou uma sequência de três vitórias consecutivas ao ganhar do Racing por 2 a 1. Os dois times terminaram com 11 pontos na liderança do grupo, mas a Raposa, por ter um saldo de gols maior, ficou em primeiro. O Vasco foi até o Estádio Nacional, em Santiago, e triunfou a Universidad de Chile por 2 a 0. O resultado levou os cruzmaltinos aos cinco pontos, a mesma pontuação do adversário, mas o saldo de gols, apesar de negativo, ainda foi melhor que o dos chilenos e, por isso, o terceiro lugar (agradeça os 7 a 0 que o Cruzeiro fez na LaU na quarta rodada, Vasco!).

Apesar de ter sido o único a começar a rodada já classificado pelo grupo 6, o Santos teve uma atuação sofrível diante do fraco Real Garcilaso, na Vila Belmiro nesta quinta-feira (24). O Peixe empatou em 0 a 0 contra o Raza Celeste, mas o resultado não lhe tirou a liderança. Com dez pontos, o clube praiano não foi alcançado pelo segundo colocado, que ficou com o Estudiantes de La Plata. Os Pincharratas, que fizeram um confronto direto contra o Nacional, do Uruguai, derrotaram o seu concorrente por 3 a 1 em casa e fez oito pontos, a mesma pontuação dos uruguaios, mas por um gol a mais no saldo ficou na vice-liderança. Para consolo dos Decanos, restou a Copa Sulamericana.

Assim como o Santos, o seu rival paulista Corinthians jogou na quinta e também já classificado no grupo 7. Mas, diferentemente do alvinegro praiano, o Timão foi derrotado na Arena Corinthians por 1 a 0 para o Millonarios, da Colômbia, na primeira partida de Osmar Loss, após a saída de Fábio Carille para o futebol árabe. Mesmo com o revés, o Coringão, com dez pontos, dividiu a liderança do grupo com o Independiente, que faturou o Deportivo Lara em casa por 2 a 0. E, nos mesmos moldes que alguns grupos, o saldo de gols foi favorável ao Corinthians (6 a 2). A vitória dos Embaixadores em Itaquera ajudou a levar a equipe para a Sulamericana, uma vez que, se o Timão tivesse ganhado, quem iria para a outra competição do continente seria o representante venezuelano.

E, finalmente, o grupo 8, que, na verdade foi o primeiro a ser definido, no dia 16, teve o Palmeiras e Boca Juniors classificados. Dono da melhor campanha do torneio, o alviverde derrotou o Junior Barranquilla por 3 a 1 no Allianz Parque e, com cinco vitórias e um empate, a equipe paulista deu uma “mãozinha” para os Xeneizes que, em La Bombonera, meteram 5 a 0 no Alianza Lima. A ajuda palmeirense garantiu o segundo lugar ao seu algoz das Libertadores de 2000 e 2001, que foi a nove pontos e deixou os Tiburones, com sete, em terceiro.

Dessa forma, a Copa Libertadores seguirá após a Copa do Mundo com a realização dos jogos das oitavas-de-final e, convenhamos, as chances de um confronto entre brasileiros e argentinos já na primeira parte do “mata-mata” são grandes. Porém, com a conclusão da fase de grupos, a Conmebol fará o sorteio para definir o chaveamento dos classificados no próximo dia 4 de junho em sua sede, em Luque, no Paraguai e, conforme o regulamento, a pontuação obtida na fase de grupos serve para a definição dos mandos de campo até a final, com as equipes melhores posicionadas sempre realizando o jogo de volta como local. Por exemplo, se o Palmeiras, dono da melhor campanha da fase de grupos, chegar à decisão, independentemente da trajetória de seu adversário na final, mandará o “jogo da taça” em sua casa.

A seguir, a relação dos classificados para as oitavas-de-final da Copa Libertadores, os contemplados para a Copa Sulamericana, os resultados da sexta rodada e a classificação final de cada grupo.
Primeiros colocados (por ordem de grupo): Grêmio (BRA), Atlético Nacional (COL), Libertad (PAR), River Plate (ARG), Cruzeiro (BRA), Santos (BRA), Corinthians (BRA) e Palmeiras (BRA).
Segundos colocados (por ordem de grupo): Cerro Porteño (PAR), Colo-Colo (CHI), Atlético Tucumán (ARG), Flamengo (BRA), Racing (ARG), Estudiantes (ARG), Independiente (ARG) e Boca Juniors (ARG).
Classificados para a Copa Sulamericana (por ordem de grupo): Defensor (URU), Bolívar (BOL), Peñarol (URU), Santa Fé (COL), Vasco (BRA), Nacional (URU), Millonarios (COL) e Junior Barranquilla (COL).

Data – Jogo – Local:
16/05 – Palmeiras (BRA) 3×1 Junior Barranquilla (COL) – Allianz Parque, São Paulo (BRA)
16/05 – Boca Juniors (ARG) 5×0 Alianza Lima (PER) – La Bombonera, Buenos Aires (ARG)
17/05 – Libertad (PAR) 0x0 Atlético Tucumán (ARG) – Dr. Nicolás Leoz, Assunção (PAR)
17/05 – Peñarol (URU) 2×0 The Strongest (BOL) – Campeón del Siglo, Montevidéu (URU)
22/05 – Universidad de Chile (CHI) 0x2 Vasco (BRA) – Nacional, Santiago (CHI)
22/05 – Cruzeiro (BRA) 2×1 Racing (ARG) – Mineirão, Belo Horizonte (BRA)
23/05 – Grêmio (BRA) 1×0 Defensor (URU) – Arena do Grêmio, Porto Alegre (BRA)
23/05 – Cerro Porteño (PAR) 3×2 Monagas (VEN) – General Pablo Rojas, Assunção (PAR)
23/05 – River Plate (ARG) 0x0 Flamengo (BRA) – Monumental de Núñez, Buenos Aires (ARG)
23/05 – Emelec (EQU) 0x3 Santa Fé (COL) – George Capwell, Guaiaquil (EQU)
24/05 – Atlético Nacional (COL) 0x0 Colo-Colo – Atanasio Girardot, Medelín (COL)
24/05 – Bolívar (BOL) 2×1 Delfín (EQU) – Hernando Siles, La Paz (BOL)
24/05 – Estudiantes de La Plata (ARG) 3×1 Nacional (URU) – Ciudad de La Plata, La Plata (ARG)
24/05 – Santos (BRA) 0x0 Real Garcilaso (PER) – Vila Belmiro, Santos (BRA)
24/05 – Independiente (ARG) 2×0 Deportivo Lara (VEN) – Libertadores da América, Avellaneda (ARG)
24/05 – Corinthians (BRA) 0x1 Millonarios (COL) – Arena Corinthians, São Paulo (BRA)

Classificação:
Equipe / Pontos:
Grupo A:
1. Grêmio (BRA) – 14 pontos
2. Cerro Porteño (PAR) – 13
3. Defensor (URU) – 4
4. Monagas (VEN) – 3

Grupo 2:
1. Atlético Nacional (COL) – 10
2. Colo-Colo (CHI) – 8
3. Bolívar (BOL) – 8
4. Delfín (VEN) – 7

Grupo 3:
1. Libertad (PAR) – 13
2. Atlético Tucumán (ARG) – 10
3. Peñarol (URU) – 9
4. The Strongest (BOL) – 3

Grupo 4:
1. River Plate (ARG) – 12
2. Flamengo (BRA)- 10
3. Santa Fé (COL) – 7
4. Emelec (EQU) – 1

Grupo 5:
1. Cruzeiro (BRA) – 11
2. Racing (ARG) – 11
3. Vasco (BRA) – 5
4. Universidad de Chile (CHI) – 5

Grupo 6:
1. Santos (BRA) – 10
2. Estudiantes (ARG) – 8
3. Nacional (URU) – 8
4. Real Garcilaso (PER) – 6

Grupo 7:
1. Corinthians (BRA) – 10
2. Independiente (ARG) – 10
3. Millonarios (COL) – 8
4. Deportivo Lara (VEN) – 6

Grupo 8:
1. Palmeiras (BRA) – 16
2. Boca Juniors (ARG) – 9
3. Junior Barranquilla (COL) – 7
4. Alianza Lima (PER) – 1

Parabéns aos classificados.

Por Jorge Almeida

Conmebol define fase de grupos da Libertadores e confrontos da Sulamericana

Conmebol realizou nesta quarta-feira (20) os sorteios de suas duas principais competições na sede, em Luque, no Paraguai. Créditos: conmebol.com

A Confederação Sulamericana de Futebol (Conmebol) realizou na noite desta quarta-feira (20) em sua sede, em Luque, no Paraguai, os sorteios de suas duas principais competições interclubes para 2018: os confrontos da primeira fase da Copa Sulamericana e a definição das fases preliminares e de grupo da Copa Libertadores da América.

A cerimônia começou com o discurso do presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, que falou dos feitos da entidade e a importância de erradicar a violência nos estádios. Em seguida, foi prestada uma homenagem ao Grêmio e ao Independiente, campeões da Libertadores e Sulamericana, respectivamente.

Após um breve intervalo, teve início o sorteio da Copa Sulamericana 2018, que terá em sua primeira fase 44 equipes. O diretor de competições da entidade, Gonzalo Belloso, explicou como será realizado os confrontos da primeira fase do torneio. Os clubes foram divididos em dois potes – “Norte” e “Sul”. Para a segunda fase, além dos 22 clubes classificados da fase anterior, se juntarão a eles mais dez equipes eliminadas da Libertadores: os terceiros colocados dos oito grupos e os dois melhores perdedores da fase prévia. A entidade fará um novo sorteio para os duelos da segunda fase.

O ex-jogador peruano Teófilo Cubillas participou do sorteio dos embates da primeira fase. Dos 22 duelos, destaques para os confrontos entre brasileiros e argentinos – San Lorenzo x Atlético Mineiro; Newell’s Old Boys x Atlético Paranaense; e Rosário Central x São Paulo.

Após o sorteio da Copa Sulamericana, o evento teve uma pausa e, na volta, foi realizada uma homenagem a dois dos maiores jogadores da história: Pelé e Maradona, que terão suas estátuas expostas no Museu do Futebol Sulamericano, dentro da sede da entidade sulamericana, em Luque. Em vídeo, o ídolo argentino mandou um recado de agradecimento pela homenagem.

Eis que às 21h55, o tetracampeão Mauro Silva foi convidado para participar do sorteio juntamente com Paulo Montero (ex-zagueiro do Uruguai e ex-treinador do Rosário Central). Os dois participaram do sorteio que definiram os duelos válidos pelas duas fases prévias do torneio (confira mais abaixo).

Na sequência, outros dois ex-jogadores sulamericanos participaram do sorteio da fase de grupo. Roque Santa Cruz e Goycoechea ficaram responsáveis na escolha das bolinhas que definiram os cabeças de chave, reforçando que o Grêmio, como campeão atual do torneio, foi definido antes do sorteio de que seria o cabeça de chave do grupo 1. O evento seguiu com o sorteio que determinou os outros cabeças de chave: Atlético Nacional (grupo 2), Peñarol (grupo 3), River Plate (grupo 4), Cruzeiro (grupo 5), Santos (grupo 6), Corinthians (grupo 7) e Boca Juniors (grupo 8) para, na sequência, sortear as equipes dos outros potes.

Dos grupos, destaques para os jogos entre brasileiros e argentinos na fase de grupos, especialmente os clubes paulistas. Além disso, haverá partidas entre campeões do torneio assim como reedição de final da competição (Palmeiras x Boca Juniors, por exemplo, que protagonizaram a decisão da Liberta de 2000). Entre os brasileiros, Santos e Grêmio, teoricamente, pegaram uma chave mais fácil.

A seguir, os duelos da primeira fase da Copa Sulamericana e o sorteio das fases prévias e de grupos da Libertadores.

Sorteio da primeira fase (Copa Sulamericana 2018):
Everton (CHI)* x Caracas (VEN)
Deportivo Temuco (CHI) x Estudiantes de Mérida (VEN)*
Lanús (ARG)* x Sporting Cristal (PER)
Danúbio (URU) x Deportivo Cáli (COL)*
San Lorenzo (ARG)* x Atlético Mineiro (BRA)
Guabirá (BOL) x LDU Quito (EQU)*
Nacional (PAR)* x Mineros (VEN)
Atlético Cerro (URU) x Sport Rosario (PER)*
Sol de América (PAR)* x Independiente de Medellín (COL)
General Díaz (PAR) x Barcelona (EQU)*
Sportivo Luqueño (PAR)* x Deportivo Cuenca (EQU)
Rampla Juniors (URU) x Universidad Técnica de Cajamarca (PER)*
Defensa Y Justicia (ARG)* x América de Cáli (COL)
Newell’s Old Boys (ARG) x Atlético Paranaense (BRA)*
¹Chile 1* x Sport Huancayo (PER)
Boston River (URU) x Jaguares (COL)*
Rosário Central (ARG)* x São Paulo (BRA)
Bolívia 3 x El Nacional (EQU)*
Blooming  (BOL)* x Bahia (BRA)
Colón (ARG) x Zamora (VEN)*
Audax Italiano (CHI)* x Botafogo (BRA)
Bolívia 4 x Fluminense (BRA)*
* Equipes mandantes do jogo de ida.
¹Chile 1: Unión Espanhola ou Concepción

Sorteio da Copa Libertadores da América 2018:
Fase 1:
E1 – Montevidéu Wonderers (URU)*  x Olímpia (PAR)
E2 – Deportivo Macará* (EQU) x Deportivo Táchira (VEN)
E3 – Oriente Petrolero* (BOL) x Universitario (PER)
* Mandante do jogo de ida

Fase 2:
C1 – E2 x Independiente de Santa Fé (COL)
C2 – Chapecoense (BRA) x Nacional (URU)
C3 – E3 x Jorge Wilsterman (BOL)
C4 – Carabobo (VEN) x Guaraní (PAR)
C5 – E1 x Junior Barranquilla (COL)
C6 – Chile 4** x Vasco (BRA)
C7 – Banfield (ARG) x Independiente del Valle (EQU)
Santiago Wanderers (CHI) x Melgar (PER)
** Unión Espanhola ou Concepción

Fase 3:
G1 – C1 x C8
G2 – C2 x C7
G3 – C3 x C6
G4 – C4 x C5

Grupo 1:
Grêmio (BRA)
Cerro Porteño (PAR)
Defensor (URU)
Monagas (VEN)

Grupo 2:
Atlético Nacional (COL)
Bolívar (BOL)
Colo Colo (CHI)
Delfin (EQU)

Grupo 3:
Peñarol (URU)
Libertad (PAR)
The Strongest (BOL)
Atlético Tucumán (ARG)

Grupo 4:
River Plate (ARG)
Emelec (EQU)
Flamengo (BRA)
Ganhador 1

Grupo 5:
Cruzeiro (BRA)
Universidad de Chile (CHI)
Racing (ARG)
Ganhador 3

Grupo 6:
Santos (BRA)
Estudiantes (ARG)
Real Garcilaso (PER)
Ganhador 2

Grupo 7:
Corinthians (BRA)
Independiente (ARG)
Millonarios (COL)
Deportivo Lara (VEN)

Grupo 8:
Boca Juniors (ARG)
Palmeiras (BRA)
Alianza Lima (PER)
Ganhador 4

Boa sorte a todos os participantes das duas competições.

Por Jorge Almeida

Grêmio: campeão da Copa Libertadores da América 2017

Jogadores do Grêmio posam para a foto oficial do título da Libertadores. Créditos: Juan Mabromata/AFP

Com a vitória por 2 a 1 no Estádio La Fortaleza, em Lanús, na Argentina, na noite desta quarta-feira (29), o Grêmio fez 3 a 1 no placar agregado diante do Lanús e conquista a Copa Libertadores da América pela terceira vez em sua história. Os gols da partida foram marcados por Fernandinho e Luan, para o time brasileiro, enquanto Sand, de pênalti, descontou para a equipe Granate. Campeão do torneio sulamericano em 1983, 1995 e, agora, em 2017, o Imortal Tricolor se junta a São Paulo e Santos como as equipes brasileiras com maior número de conquistas da Liberta: 3.

Antes de a bola rolar, houve um minuto de silêncio em homenagem aos falecidos no voo da LaMia que levava a delegação da Chapecoense para a Colômbia – hoje, 29 de novembro, completa-se um ano da tragédia que deixou 71 mortos.

Apesar de atuar fora de seus domínios, o Grêmio parecia que estava jogando em casa. O Tricolor dos Pampas pressionou a saída de bola do Lanús e, com mais posse e presença no campo do adversário, a equipe brasileira criou a primeira oportunidade de gol aos oito minutos. Depois de uma boa trama pela esquerda, Fernandinho recebeu, entrou na área e chutou cruzado para defesa de Andrada.

Pouco tempo depois, aos 14, após receber passe por cima, Arthur ajeitou de cabeça para trás para Barrios e o camisa 18 pegou torto na bola e mandou para fora.

Aos 26, a redonda foi alçada na área do Grêmio, Marcelo Grohe afastou de soco, um jogador granate recuou para Gómez, que vacilou e permitiu o desarme de Fernandinho. O atacante gremista pegou a bola no campo de defesa e avançou em direção ao gol para chutar firme e ampliar a vantagem do Grêmio na decisão: 1 a 0 para a equipe gaúcha.

Os anfitrões tentaram dar o troco aos 29 com Velázquez, que cobrou bem a falta em direção do ângulo, mas Grohe fez uma defesa ainda melhor ao espalmar a bola. Na sequência, o Imortal partiu para o ataque. Edílson recebeu na direita e arriscou o chute, mas Arthur ainda tentou desviar e a bola saiu por cima.

O Grêmio seguiu dominando as principais ações do jogo e abusou bastante da compactação da equipe para roubar a bola e partir para o ataque. Aos 38, Ramiro tentou de longe, mas errou o alvo. No minuto seguinte, foi a vez dos argentinos chegarem perto com Martínez que chutou próximo da área e mandou à esquerda de Marcelo Grohe.

Até que, aos 41 minutos, Luan recebeu na esquerda, na região do meio-de-campo, conduziu a bola, ameaçou chutar, passou pelo marcador e, na saída do goleiro, de um leve toque por cima para anotar o segundo gol gremista no jogo. A equipe grená ainda tentou aos 43 quando Gómez chegou pela direita e cruzou rasteiro para Martínez, que chegou batendo e errando o alvo. No lance posterior, aos 44, Cortez tocou para Arthur, que acionou Barrios pela direita, mas o camisa 18 emendou para fora. Esse foi o último lance de perigo da etapa inicial, que terminou com uma vantagem considerável para o Grêmio.

Na etapa final, o Lanús não tinha outra alternativa a não ser partir para cima do Grêmio se quisesse conquistar o tão sonhado título. E conseguiu a pressão que ficou faltando no primeiro tempo. Aos dez, depois de um bate-rebate na área, Sand ficou com a sobra e mandou para fora.

Os granates permaneceram a pressionar o time de Renato Gaúcho, que só levou perigo aos 19 com Barrios cabeceando para fora após a redonda ter sido alçada na área. Todavia, aos 24, Acosta recebeu na área, foi calçado e derrubado por Jaílson. O árbitro não titubeou e marcou penalidade máxima para o Lanús. Na cobrança, Sand bateu com categoria e descontou para o time da casa. Com o gol, o camisa 9 chegou ao nono tento no torneio, o que fez dele o artilheiro máximo da edição 2017 da Libertadores.

Os comandados de Renato Gaúcho diminuíram o ritmo do primeiro tempo e aceitaram a pressão do adversário, que assutou aos 30 minutos. Depois do corte parcial da defesa tricolor, da intermediária, Marcone arriscou e a bola saiu pela linha de fundo.

Para aumentar o clima de disputa da partida, o árbitro paraguaio Enrique Cáceres mostrou cartão amarelo para Ramiro por conta de uma falta, mas o meio-campista continuou a reclamar da arbitragem e recebeu o vermelho. Grêmio com um a menos a partir de agora.

O jogo seguiu com a equipe argentina mantendo a posse de bola no campo de ataque e o tricolor gaúcho à espera de um contragolpe, que veio aos 44 minutos. Fernandinho arrancou para o ataque, serviu Luan na direita, mas o camisa 7 tocou por cima do goleiro e a esférica caprichosamente saiu pela linha de fundo.

No entanto, o árbitro conduziu a partida até os 50 minutos e o Grêmio só administrou o resultado para ser dono da América pela terceira vez. Fim de jogo em La Fortaleza: Lanús 1, Grêmio 2. O Tricolor dos Pampas é campeão da Libertadores pela terceira vez em sua história.

O Grêmio entrou em campo diante do Lanús com a vantagem mínima por conta do resultado do primeiro jogo da final da Libertadores – vitória por 1 a 0 em sua arena. No entanto, pelo futebol apresentado no primeiro tempo, a equipe de Renato Gaúcho foi amplamente superior ao adversário. Com uma marcação compacta, a equipe brasileira roubara muitas bolas e, além disso, mantinha o Lanús preso em seu campo de ataque. E foi justamente em um desses desarmes que o primeiro gol gremista saiu, aos 26 com Fernandinho. Melhor em campo, o Grêmio praticamente colocou as duas mãos na taça quando Luan fez excelente jogada pela esquerda, passou pelos marcadores e fez um golaço nos minutos finais da primeira etapa. Porém, no segundo tempo, o Tricolor dos Pampas perdeu o ‘motorzinho’ da equipe, o eficiente volante Arthur, que saiu contundido. Sem o camisa 29, que foi substituído por Michel, o Lanús passou a gostar do jogo, ganhou o meio-de-campo e fez o que o adversário fizera na etapa inicial: pressionou. Conseguiu o seu gol com o artilheiro Sand, de pênalti. Mas o tento veio tarde demais e o Grêmio justificou a sua alcunha de “time copeiro”. Com o título, o tricolor gaúcho entrou para o seleto grupo de equipes brasileiras, que já tem São Paulo e Santos, com três conquistas de Libertadores, e repetiu um feito que não acontecia desde 1963, nos tempos do Santos de Pelé: ser campeão continental em solo argentino. E Renato Gaúcho passou a ser o primeiro brasileiro a ser campeão da América tanto como jogador quanto treinador. Agora, vem o Mundial de Clubes da FIFA, em Abu Dhabi, aí o buraco é mais embaixo.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Primeira fase (Grupo 8):
09/03 – Zamora (VEN) 0x2 Grêmio (BRA) – La Carolina, Barinas (VEN)
11/04 – Grêmio (BRA) 3×2 Deportes Iquique (CHI) – Arena do Grêmio, Porto Alegre (BRA)
20/04 – Guaraní (PAR) 1×1 Grêmio (BRA) – Defensores del Chaco, Assunção (PAR)
27/04 – Grêmio (BRA) 4×1 Guaraní (PAR) – Arena do Grêmio, Porto Alegre (BRA)
03/05 – Deportes Iquique (CHI) 2×1 Grêmio (BRA) – Tierra de Campeones, Iquique (CHI)
25/05 – Grêmio (BRA) 4×0 Zamora (VEN) – Arena do Grêmio, Porto Alegre (BRA)
Oitavas-de-final:
04/07 – Godoy Cruz (ARG) 0x1 Grêmio (BRA) – Malvinas Argentinas, Mendoza (ARG)
09/08 – Grêmio (BRA) 2×1 Godoy Cruz (ARG) – Arena do Grêmio, Porto Alegre (BRA)
Quartas-de-final:
13/09 – Botafogo (BRA) 0x0 Grêmio (BRA) – Engenhão, Rio de Janeiro (BRA)
20/09 – Grêmio (BRA) 1×0 Botafogo (BRA) – Arena do Grêmio, Porto Alegre (BRA)
Semifinais:
25/10 – Barcelona (EQU) 0x3 Grêmio (BRA) – Monumental de Barcelona, Guayaquil (EQU)
01/11 – Grêmio (BRA) 0x1 Barcelona (EQU) – Arena do Grêmio, Porto Alegre (BRA)
Final:
22/11 – Grêmio (BRA) 1×0 Lanús (ARG) – Arena do Grêmio, Porto Alegre (BRA)
29/11 – Lanús (ARG) 1×2 Grêmio (BRA) – La Fortaleza, Lanús (ARG)

FICHA TÉCNICA: LANÚS (ARG) 1×2 GRÊMIO (BRA)
Competição/Fase: Copa Libertadores da América 2017 – final (2º jogo)
Data: 29 de novembro de 2017, quarta-feira – 21h45 (horário de Brasília)
Local: Estádio Ciudad de Lanús (La Fortaleza) – Lanús, Argentina
Árbitro: Enrique Cáceres (PAR)
Assistentes: Eduardo Cardozo (PAR) e Juan Zorrilla (PAR)
Cartões Amarelos: Guerreño e Velázquez (Lanús); Edílson, Jaílson, Cortez, Ramiro e Marcelo Grohe (Grêmio)
Cartão Vermelho: Ramiro (Grêmio)
Gols: Fernandinho, aos 26 min (0-1) e Luan, aos 41 min do 1º tempo (0-2); Sand, de pênalti, aos 25 min do 2º tempo (1-2)
LANÚS (ARG): 28.Andrada; 4.Gómez, 23.Guerreño, 2.Herrera (5.Moreno) e 3.Velázquez (17.Denis); 30.Marcone, 21.Pasquini e 10.Martínez; 16.Silva (14.Rojas), 7.Acosta e 9.Sand. Técnico: Jorge Almirón
GRÊMIO (BRA): 1.Marcelo Grohe; 2.Edílson, 3.Geromel, 22.Bressan (15.Rafael Thyere) e 12.Cortez;  25.Jaílson, 29.Arthur (5.Michel), 21.Fernandinho, 17. Ramiro e 7.Luan; 18.Barrios (27.Cícero). Técnico: Renato Portaluppi

Parabéns ao Grêmio Football Porto-Alegrense pelo título.

Por Jorge Almeida