UEFA sorteou os duelos das semifinais da Champions e Liga Europa

Sorteios dos confrontos das semifinais da Champions e Liga Europa fo foram realizados na sede da UEFA. Créditos: Getty Images

Nesta sexta-feira (21), a UEFA realizou em sua sede, em Nyon, na Suíça, os sorteios dos confrontos das semifinais de suas duas principais competições interclubes: UEFA Champions League e UEFA Europa League. As duas competições terão, respectivamente, suas finais realizadas em Cardiff, no País de Gales, e Estocolmo, na Suécia.

Pela principal competição da entidade, as semifinais foram definidas entre Real Madrid x Atlético de Madrid de um lado, e Monaco x Juventus do outro.

Os rivais da capital espanhola se enfrentam em dois duelos em clima de revanche para os Colchoneros. Afinal, os dois fazem uma reedição da final da última temporada, que foi vencida pelos Merengues nos pênaltis. Aliás, na história da competição, o Real Madrid levou a melhor diante do rival em outras três ocasiões: nas semifinais da edição de 1958/59, a final da temporada 2013/14 e eliminou o adversário nas quartas-de-final no biênio 2014/15. Na atual temporada, pela Liga Espanhola, as equipes de Zinedine Zidane e de Diego Simeone se enfrentaram duas vezes, com vitória de 3 a 0 dos comandados do técnico francês e um empate em 1 a 1 no Santiago Bernabéu. Os dois confrontos serão realizados nos dias 2 e 10 de maio, sendo o primeiro na casa do Real e o segundo no Vicente Calderón, logo, ambos em Madri.

A outra semifinal será entre Monaco e Juventus. Na história, os dois clubes se enfrentaram nas semifinais da temporada 1997/98 e nas quartas-de-final de 2014/15 e, em ambas, a Vecchia Signora levou a melhor. Na primeira, a Juve derrotou a equipe do Principado por 4 a 1 na ida e perdeu por 3 a 2 na volta. Mas, na final, os bianconeros foram derrotados pelo Real Madrid por 1 a 0, com gol de Mijatović. E o outro confronto, válido pelas quartas-de-finais, a Juventus se classificou ao vencer o Monaco por 1 a 0 no primeiro jogo (gol de Arturo Vidal, atualmente no Bayern de Munique, cobrando pênalti) e o duelo de volta terminou em 0 a 0. Agora, os confrontos ocorrerão em 3 e 9 de maio, sendo a ida no Stade Louis III, em Mônaco, e a volta no Juventus Stadium.

No sorteio da outra competição da UEFA ficou determinado que Ajax e Lyon farão uma das semifinais enquanto Celta de Vigo e Manchester United medirão forças na outra semi.

Holandeses e franceses já fizeram quatro jogos entre si, mas todos válidos pela fase de grupo da UEFA Champions League. O Ajax venceu os dois jogos feitos na temporada 2002/03 – 2 a 1 em casa e 2 a 0 fora – e, em 2011/12, os dois times empataram em 0 a 0 em dois compromissos. Os embates serão realizados nos dias 3 e 11 de maio.

Enquanto isso, Celta de Vigo e Manchester United nunca se enfrentaram em competições de clubes da UEFA. O desempenho do clube espanhol contra ingleses é de cinco vitórias e quatro derrotas, sendo que perderam os últimos três jogos contra equipes da terra da rainha. Já o desempenho dos Diabos Vermelhos diante de espanhóis, em 47 jogos, é de 12 vitórias, 16 derrotas e 19 empates. O atacante do Celta, Giuseppe Rossi, defendeu as cores do clube do Old Trafford de 2004 a 2007. As duas equipes farão os confrontos que, até então eram inéditos, nos dias 4 e 11 de maio.

A decisão da UEFA Champions League ocorrerá no dia 3 de junho no National Stadium Of Wales, em Cardiff, no País de Gales, enquanto a final da UEFA Europa League, por sua vez, será realizada no Friends Arena, em Estocolmo, na Suécia, no próximo dia 24 de maio.

E que tenhamos excelentes jogos em ambas semifinais.

Por Jorge Almeida

Saíram os semifinalistas da UEFA Champions League

Semifinalistas da UEFA Champions League foram definidos nesta quarta-feira. Créditos: divulgação/uefa.com

Com a realização de dois jogos nesta quarta-feira (19), a UEFA Champions League 2016-2017 têm os seus semifinalistas definidos. Real Madrid, Atlético de Madrid, Juventus e Monaco se classificaram para fase seguinte ao deixarem nas quartas-de-final Bayern de Munique, Leicester City, Barcelona e Borussia Dortmund, respectivamente. O sorteio para a disputa das semifinais será realizado na sexta-feira (21) e os jogos estão previstos para acontecer nos dias 2,3, 9 e 10 de maio.

Atual campeão do torneio, o Real Madrid conseguiu a sua classificação para as semifinais na terça-feira (18) ao derrotar o Bayern de Munique por 4 a 2 no Santiago Bernabéu. Os Merengues, que haviam vencido a equipe da Baviera no confronto de ida por 2 a 1, saíram na frente com Cristiano Ronaldo no primeiro tempo, mas Lewandowski e Sergio Ramos (contra) viraram o jogo para os bávaros e forçou a realização da prorrogação e, antes do término do tempo regulamentar, o Bayern perdeu Arturo Vidal por expulsão. No tempo extra, o Real Madrid deslanchou e fez mais três gols, sendo dois de CR7 e outro de Ansensio. Os alemães reclamaram da arbitragem que expulsou injustamente o meiocampista chileno e, além disso, em um dos três gols do camisa 7 madridista estava completamente impedido, mas ignorado pelo assistente.

O rival local dos Merengues, o Atlético de Madrid, também chegou as semifinais no mesmo dia. Os Colchoneros empataram em 1 a 1 contra o Leicester City no King Power Stadium. A equipe de Diego Simeone havia levado a melhor diante do surpreendente time de Craig Shakespeare na semana passada ao vencer por 1 a 0. Na Inglaterra, os visitantes saíram na frente com Saúl e o empate dos Foxes veio com Verdy. Os anfitriões foram para o abafa, mas o clube de Madri segurou a vantagem e segue na busca do sonho em erguer a “orelhuda” pela primeira vez.

Outro espanhol que entrou em campo em busca das semifinais, dessa vez nesta quarta, foi o Barcelona. Os Blaugranas receberam a Juventus no Camp Nou com a ingrata missão de fazer quatro gols para conseguir a vaga ou, ainda, golear o adversário por três gols de diferença para levar a partida para a prorrogação. Embora tivesse entrado em campo contra a Juve com uma desvantagem menor em relação ao confronto contra o PSG nas quartas-de-final, dessa vez o Barça, em especial o trio MSN, não foi tão efetivo nas finalizações e ficaram no empate sem gols contra a sólida defesa da Vecchia Signora, que vingou-se da derrota sofrida na final da Champions 2014/15 para os catalães.

E no único embate que não envolveu equipes espanholas foi entre Monaco e Borussia Dortmund. A equipe do Principado encarou os aurinegros com a vantagem de ter vencido o primeiro jogo na casa do adversário na ida por 3 a 2. E, ainda no começo da partida, no Estádio Louis II, em Mônaco, o time alvirrubro saiu na frente logo aos três minutos com Mbappé, que ampliou o placar aos 16 com Falcao García. O Borussia, que precisava fazer três gols no segundo tempo para levar a partida para a prorrogação, descontou com Reus no começo da etapa complementar, mas Germain, aos 35 minutos, praticamente selou a classificação do Monaco para as semifinais e, consequentemente, fazendo 6 a 3 no placara agregado.

Dentre os semifinalistas, apenas Real Madrid e Juventus sentiram o gostinho de ganhar a UEFA Champions League, os Merengues por 11 vezes e a Vecchia Signora em duas oportunidades, sendo a última delas na temporada 1995/1996. Já os Colchoneros “bateram na trave” em três ocasiões: 1973/74, 2013/14 e 2015/16, incluindo as duas últimas para o arquirrival Real Madrid. Já a melhor participação do Monaco em uma Champions foi o vice-campeonato na temporada 2003/2004, quando perdeu a finalíssima para o Porto por 3 a 0.

O sorteio dos confrontos será realizado na próxima sexta-feira (21) na sede da UEFA, em Nyon, na Suíça.

Por Jorge Almeida

UEFA definiu os confrontos das quartas-de-final da Champions

Confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017. Créditos: Getty Images

A UEFA realizou em sua sede, em Nyon, na Suíça, nesta sexta-feira (17), os confrontos válidos pelas quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017. As partidas de ida serão realizadas nos dias 11 e 12 de abril e os jogos de volta acontecerão nos dias 18 e 19 do mesmo mês. Destaque para os confrontos entre Bayern de Munique e Real Madrid, e Juventus versus Barcelona.

O primeiro jogo do confronto entre Atlético de Madrid e Leicester City será realizado no Vicente Calderón, na capital espanhola, no dia 12 de abril. Enquanto a volta acontecerá seis dias depois no King Power Stadium, na Inglaterra. Na história, duas das três campanhas em competições europeias do Leicester foram encerradas em confrontos contra os Colchoneros. O time espanhol derrotou os Foxes na extinta Recopa Europeia de 1961/1962 por 3 a 1, e também levou a melhor em dois confrontos realizados pela Copa da UEFA (vitórias por 2 a 1 em casa e 2 a 0 fora) na temporada 1997/1998. Além disso, o clube espanhol nunca perdeu em casa para uma equipe inglesa – cinco vitórias e cinco empates.

Já Borussiva Dortmund e Mônaco nunca se enfrentaram em uma competição oficial. E esse promete ser um duelo de muitos gols, pelo menos é o que se espera, conforme a postura ofensiva imposta pelos treinadores dos dois times. O compromisso de ida será realizado na Alemanha no dia 11 de abril e a volta será em 19 de abril no Louis II. Na história, os alemães enfrentaram equipes francesas em competições oficiais em 16 ocasiões, com seis vitórias, cinco empates e cinco derrotas. Apenas um revés ocorrera em casa.

Talvez o confronto mais aguardado desta quartas-de-final: Bayern de Munique x Real Madrid. O duelo entre o criador e a criatura. Logo, de um lado, Carlo Ancelotti, campeão europeu com o Real Madrid na temporada 2013/2014, agora treinando os Bávaros, do outro, o seu ex-auxiliar na campanha vitoria dos Merengues há três temporadas, Zinedine Zidane. Além desse duelo particular no banco de reservas, o embate também marcará o encontro de Toni Kroos e Xabi Alonso contra os seus ex-clubes. As duas equipes já se enfrentaram 22 vezes em torneios continentais, sendo 11 triunfos do Bayern, nove do Real Madrid e dois empates. Destaque para as últimas três vitórias do clube espanhol, inclusive os impiedosos 4 a 0 em Munique pela Champions 2013/2014, que foi a maior derrota da equipe da Baviera sofrida em casa nos torneios do Velho Continente. Sinceramente, não há favoritos neste confronto. O jogo de ida será no dia 12 de abril na Allianz Arena, em Munique, enquanto a partida derradeira ocorrerá no dia 18 no Santiago Bernabéu.

E, finalmente, Juventus x Barcelona, que farão uma reedição da final da edição 2014/2015 vencida pelos catalães, em Berlim, por 3 a 1. A Juve faz a primeira partida em casa, no dia 11, e o Barcelona será o anfitrião do compromisso na semana seguinte, em 19 de abril. Este jogo marcará o regresso de Daniel Alves ao Camp Nou, por onde defendeu as cores azul e grená por oito temporadas e conquistou 23 títulos. Motivado pela classificação heroica diante do PSG nas oitavas, o Barcelona tem um leve favoritismo, mas é bom os blaugranas não vacilarem contra a Vecchia Signora, que tem uma defesa mais sólida e, tecnicamente, melhor que a do time francês.

Não custa reforçar: a final, que será em jogo único, acontecerá no próximo dia 3 de junho (sábado) no Millenium Stadium, em Cardiff, no País de Gales.

A seguir, as datas e os locais dos confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League.

Data – Confronto – Local
Ida:
11/04/2017 – Juventus (ITA) x Barcelona (ESP) – Juventus Stadium, Turim
11/04/2017 – Borussia Dortmund (ALE) x Mônaco (FRA) – Signal Iduna Park, Dortmund
12/04/2017 – Bayern de Munique (ALE) x Real Madrid (ESP) – Allianz Arena, Munique
12/04/2017 – Atlético de Madrid (ESP) x Leicester City (ING) – Vicente Calderón, Madri

Volta:
18/04/2017 – Leicester City (ING) x Atlético de Madrid (ESP) – King Power Stadium, Leicester
18/04/2017 – Real Madrid (ESP) x Bayern de Munique (ALE) – Santiago Bernabéu, Madri
19/04/2017 – Mônaco (FRA) x Borussia Dortmund (ALE) – Louis II, Mônaco
19/04/2017 – Barcelona (ESP) x Juventus (ITA) – Camp Nou, Barcelona

Por Jorge Almeida

Definidos os classificados para as quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017

UEFA definirá os confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League na sexta-feira (15). Créditos: uefa.com

Os oito classificados para as quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017 foram definidos nesta quarta-feira (15) ao término dos dois últimos confrontos das oitavas-de-final – Mônaco 2×0 Manchester City e Atlético de Madrid 0x0 Bayer Leverkusen. Dessa forma, seguem na competição três clubes espanhóis (Barcelona, Real Madrid e Atlético de Madrid), um inglês (Leicester), dois alemães (Bayern de Munique e Borussia Dortmund), um italiano (Juventus) e um francês (Mônaco). Os confrontos da próxima fase serão definidos em um sorteio que será realizado às 8h (horário de Brasília) na sede da UEFA.

O Bayern de Munique foi na terça-feira (7) passada até Londres pegar o Arsenal com uma enorme vantagem. Depois de ter feito 5 a 1 na Allianz Arena, os bávaros repetiram o mesmo placar no Emirates Stadium, fazendo assim 10 a 2 no placar agregado. Essa foi a quarta vez que os Gunners caem nas oitavas-de-final para os alemães na Champions desde 2005.

Assim como a equipe da Baviera, no mesmo dia, o Real Madrid também avançou e repetiu o placar nos dois confrontos diante do Napoli. Depois de ter vencido o time napolitano em casa por 3 a 1, os Merengues fizeram 6 a 2 no agregado no time italiano e segue firme e forte na busca da 12ª taça da competição.

Outro representante alemão que segue no torneio é o Borussia Dortmund. Após perder o jogo de ida para o Benfica por 1 a 0, no Estádio da Luz, os aurinegros não tomaram conhecimento dos Encarnados e golearam o adversário por 4 a 0 no Signal Iduna Park. A partida foi disputada no dia 8 de março.

Dentre todos os classificados, o Barcelona era o que tinha a maior desvantagem. Depois de levar acachapantes 4 a 0 do Paris Saint-Germain no Parc des Princes, a equipe catalã precisava de um milagre para reverter a situação. Aliás, nunca na história da Liga dos Campeões, um clube conseguira reverter tamanha goleada. Contudo, em uma partida épica, o Barça atropelou o PSG com impiedosos 6 a 1, sendo que os últimos três gols saíram a dez minutos do fim da partida. Lembrando que o Barcelona fez dois gols de pênaltis e os franceses ainda tiveram o zagueiro Marquinhos expulso no segundo tempo.

Ontem (14) foi a vez da Juventus assegurar sua vaga para as quartas-de-final. A Vecchia Signora recebeu o Porto em casa e venceu por 1 a 0. Como derrotara o time português no primeiro jogo por 2 a 0, a Juve conseguiu uma classificação relativamente tranquila.

A grande sensação desta edição da Champions chegou pela primeira vez às quartas-de-final da competição. Atual campeão inglês, o Leicester deixou o Sevilla pelo caminho. Embora tenha perdido para o time de Jorge Sampaoli na ida por 2 a 1, o azarão inglês não se intimidou e derrotou o maior campeão da Liga Europa por 2 a 0 em seu estádio e seguem em busca do sonho.

O Mônaco será o representante francês nas quartas. O clube do principado derrotou o endinheirado Manchester City em casa por 3 a 1. Como havia perdido o jogo de ida no Etihad Stadium por 5 a 3, o time alvirrubro foi beneficiado pelos gols marcados na casa do adversário.

E, finalmente, o Atlético de Madrid segue na busca de sua inédita Champions. Os comandados de Diego Simeone empataram no Vicente Calderón com o Bayer Leverkusen em 0 a 0. Porém, como vencera o compromisso de ida por 4 a 2, os Colchoneros avançaram para a fase seguinte.

Os confrontos das quartas-de-final da competição europeia serão definidos após sorteio que acontecerá na próxima sexta-feira (17), às 9h (horário de Brasília), na sede da UEFA, em Nyon, na Suíça.

As partidas de ida das quartas-de-final serão realizadas nos dias 11 e 12 de abril e os jogos de volta acontecerão nos dias 18 e 19 de abril.

Parabéns aos classificados.

Por Jorge Almeida

Real Madrid: campeão do Mundial de Clubes da FIFA 2016

Jogadores do Real Madrid comemoram o título do Mundial de Clubes da FIFA. Foto: Reuters
Jogadores do Real Madrid comemoram o título do Mundial de Clubes da FIFA. Foto: Reuters

O Real Madrid derrotou o Kashima Antlers na final do Mundial de Clubes da FIFA por 4 a 2 no Estádio Internacional de Yokohama no Japão na noite (manhã no Brasil) deste domingo (18). Com um gol de Benzema e três de Cristiano Ronaldo, sendo dois deles na prorrogação, enquanto Shibazaki anotou os tentos da equipe japonesa, os Merengues conquistaram o segundo título da competição sob chancela da FIFA.

O jogo começou com o Kashima pressionando a saída de bola do Real Madrid. Mas a estratégia da equipe japonesa só durou oito minutos. Cruzamento da direita, a defesa afastou parcialmente, Modrić pegou a sobra e arriscou, o goleiro Sogohata espalmou e a bola sobrou limpa para Benzema que, livre na pequena área, só teve o trabalho de empurrar para as redes. No minuto seguinte, os japoneses responderam com Ogasawara. Shibasaki ajeito da entrada da área e o camisa 40 bateu por cima.

Depois do gol sofrido, o Kashima Antlers chegou a atacar algumas vezes, mas sempre corria os riscos de sofrer com os fortes contragolpes da equipe merengue. Tanto que as melhores chances adquiridas ao longo do primeiro tempo foram do Real Madrid. Com Casemiro que, aos 24, pegou a sobra e finalizou com perigo, mas houve um desvio. Dois minutos depois, Vázquez e Benzema fizeram uma jogada rápita e o francês chutou de esquerda no canto de Sogahata, que fez a defesa. A equipe de Zinedine Zidane trocava passes enquanto o campeão japonês seguia a sua eficiência tática, embora lhe falte um pouco de técnica em alguns aspectos, como o passe.

O Real Madrid chegou novamente aos 36 através de boa trama entre Vázquez, Benzema, Cristiano Ronaldo e Modrić, que chutou para a defesa de Sogohata no meio do gol.

E, na base do esforço, aos 44, o Kashima chegou ao empate. Doi fez boa jogada pela esquerda, cruzou, Varane afastou mal, e Shibasaki chutou cruzado para empatar a partida.

Na etapa final, o Real levou perigo logo aos dois minutos com Sergio Ramos, que cabeceou por cima. Mas, aos 7, o Kashima Antlers surpreendeu e virou o jogo com Shibasaki. Sergio Ramos afastou mal, o camisa 10 dominou na intermediária, livrou-se de Carvajal e chutou no canto direito de Navas.

A incredulidade tomou conta do estádio por conta da virada dos japoneses. Porém, a vantagem durou menos de dez minutos. Vázquez foi derrubado na área ao ser puxado pelo mesmo Shibazaki. Pênalti. Cristiano Ronaldo cobrou forte rasteiro no canto direito do arqueiro e empatou a decisão, 2 a 2.

Depois de conseguir a igualdade, o Real Madrid foi para cima em busca da vitória. Primeiro foi com Marcelo aos 19. Benzema fez bela jogada individual pela esquerda, tocou rasteiro para o lateral brasileiro que chegou batendo para Sogahata defender em dois tempos. Aos 28, Marcelo cruzou, CR7 ajeitou de cabeça para Benzema, que girou bonito e chutou para o arqueiro japonês dar rebote, mas o português estava ligeiramente avançado. Impedimento bem marcado. Cinco minuto depois, Vázquez fez boa jogada pela direita, pedalo e cruzou na cabeça de Cristiano Ronaldo, que mandou por cima.

A pressão merengue seguiu firme. Aos 36, Benzema deu excelente passe para Cristiano Ronaldo, que chutou para defesa de Sogahata. Em jogada posterior, foi a vez do camisa 9 merengue desviar para fora após cruzamento de Kroos.

O Kashima Antlers também esteve perto do terceiro gol. Aos 42, o brasileiro Fabrício (substituto de Ogasawara) chutou firme da entrada da área para Navas fazer espalmar para escanteio. No minuto seguinte, Endo acionou Kanazaki, que tocou na bola na saída de Navas, e Casimiro jogou para escanteio. Aos 44, um lance polêmico, Sergio Ramos segurou Kanazaki que puxava o contra-ataque. O árbitro Jamy Sikazwe ameaçou puxar o cartão amarelo (o que seria o segundo e, consequentemente, o vermelho), mas economizou. E, no último minuto, o Kashima Antlers quase fez o que seria o gol do título: cruzamento da esquerda, a bola sobre para Endo, mas ele pegou mal e mandou para fora.

Na prorrogação, o Real Madrid resolveu a parada logo no primeiro tempo. Aos 8 minutos, Benzema deu lindo passe no meio da defesa para o português, que chutou rasteiro para colocar os merengues na frente novamente. Os heroicos japoneses do Kashima não se entregaram e, aos 11, levaram perigo. Falta cobrada na área, Suzuki cabeceou e a redonda caprichosamente acertou o travessão.

Mas, aos 13 minutos, Carvajal cruzou, a zaga afastou, Kroos pegou o rebote, chutou torto, porém, o camisa 7 interceptou e chutou com a esquerda para fazer o seu terceiro gol na decisão: 4 a 2.

Na segunda etapa do tempo extra, o Real jogou para o gasto, enquanto o esforçado time japonês jogou com dignidade: não apelou para a violência, não reclamou com a arbitragem, enfim, uma disciplina impressionante. E, aos 10, Morata, que substituiu Cristiano Ronaldo, quase fez um golaço ao limpar três vezes, mas seu chute parou na defesa adversária.

Então, a decisão do Mundial de Clubes da FIFA terminou com vitória merengue por 4 a 2. Um ano excelente para o Real Madrid, que termina 2016 com o título mundial, além de ter conquistado a UEFA Champions League, a Supercopa da Europa e lidera com folga o Campeonato Espanhol. E mais ainda para CR7 que, além dos títulos citados, foi campeão da Eurocopa com Portugal e é forte favorito em ganhar a Bola de Ouro da FIFA de melhor jogador do mundo.

O Real Madrid entrou como franco favorito diante dos bravos Kashima Antlers. Tal favoritismo fez com que o time de Zinedine Zidane saísse logo na frente nos primeiros minutos da decisão e, tecnicamente muito superior, demonstrou uma certa soberba diante do adversário, que entrou concentrado o tempo todo e fez um bom jogo. O empenho dos anfitriões foi recompensado com a busca do empate e a virada no segundo tempo. Mas aí, os Merengues começaram a jogar com mais competitividade e foi atrás do empate, que veio com Cristiano Ronaldo através da cobrança de pênalti. Mas o Kashima Antlers se esforçou e não facilitou o jogo e criou as suas chances também. E levou a final para a prorrogação. No tempo extra, o iluminado Cristiano Ronaldo apareceu e fez mais dois gols que sepultaram as chances dos japoneses em chegar ao topo do mundo.

E, assim, o Real Madrid conquistou o seu segundo Mundial de Clubes da FIFA e se igualou ao Corinthians.

Na disputa do terceiro lugar, o Atlético Nacional levou a melhor sobre o América, do México, por 4 a 3 na disputa de pênaltis depois de empate em 2 a 2 no tempo normal.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da final.

Semifinais:
15/12/2016 – América (MÈX) 0x2 Real Madrid (ESP) – Estádio Internacional, Yokohama
Final:
18/12/2016 – Real Madrid (ESP) 4×2 Kashima Antlers (JAP) – Estádio Internacional, Yokohama

FICHA TÉCNICA: REAL MADRID (ESP) 4×2 KASHIMA ANTLERS (JAP)
Competição/fase: Mundial de Clubes da FIFA 2016 – final (jogo único)
Data: 18 de dezembro de 2016 (domingo) – 8h30 (horário de Brasília)
Local: Estádio Internacional, Yokohama, Japão
Árbitro: Jamy Sikazwe (Zâmbia)
Assistentes: Marwa Range (Quênia) e Jerson dos Santos (Angola)
Cartões Amarelos: Sergio Ramos, Casemiro e Carvajal (Real Madrid); Ogasawara e Fabrício (Kashima Antlers)
Gols: Benzema, aos 9 min do 1º tempo (1-0), Shibasaki, aos 44 min do 1º tempo (1-1) e aos 7 min do 2º tempo (1-2); Cristiano Ronaldo (pênalti), aos 15 min do 2º tempo (2-2), aos 8 min do 1º tempo da prorrogação (3-2) e aos 13 min do 1º tempo da prorrogação (4-2)
REAL MADRID (ESP): 1.Navas; 2.Carvajal, 5.Varane, 4.Sergio Ramos (6.Nacho Fernández) e 12.Marcelo; 14.Casemiro, 19. Modrić (16.Kovačić) e 8.Kroos; 17.Vázquez (21.Isco), 7.Cristiano Ronaldo (21.Morata) e 9.Benzema. Técnico: Zinedine Zidane
KASHIMA ANTLERS (JAP): 21.Sogahata; 22.Daigo, 23.Ueda, 3.Shoji e 16.Yamamoto; 6.Nagaki (18.Akasaki), 40.Ogasawara (11.Fabrício), 25.Endo (24.Ito) e 10.Shibasaki; 33.Kanazaki e 8.Doi (34.Suzuki). Técnico: Masatada Ishii

Parabéns ao Real Madrid Club de Fútbol pela conquista.

Por Jorge Almeida

Real Madrid: campeão da Supercopa da Europa 2016

Sergio Ramos, autor de um dos gols da decisão, ergue o troféu da Supercopa da Europa. Créditos: www.uefa.com
Sergio Ramos, autor de um dos gols da decisão, ergue o troféu da Supercopa da Europa. Créditos: http://www.uefa.com

Em uma final marcada por reviravoltas no placar, o Real Madrid derrotou o Sevilla na prorrogação por 3 a 2 nesta terça-feira (9) no Lerkendal Stadion, em Trondheim, na Noruega, na decisão da Supercopa da Europa. Asensio abriu o placar para os merengues ainda no primeiro tempo. Mas Vázquez e Konoplyanka, de pênalti, viraram para o time de Andaluzia. Todavia, nos acréscimos, Sergio Ramos empatou a decisão, que foi para a prorrogação. No tempo extra, aos 14 minutos do segundo tempo, Carvajal fez o gol que deu ao Real, o seu terceiro título da competição.

A partida começou com o Real Madrid pressionando o adversário, o que permitiu o Sevilla a ter a opção do contra-ataque e, dentro de alguns minutos, a equipe de Jorge Sampaoli começara a avançar a marcação.

E, nos 20 minutos iniciais, os Palanganas mantiveram mais a posse da bola, mas os Merengues eram mais perigosos no setor ofensivo. Dessa forma, aos 21 minutos, com Ansenio. De fora da área, o camisa 21 chutou forte e acertou o “ninho da coruja”. Um golaço, sem chances de defesa para Rico.

Com o placar adverso, o Sevilla saiu para o jogo para correr atrás do prejuízo, mas teve os trabalhos de suas infiltrações dificultados pela bem postada defesa madrilenha. E, assim, o time rojiblanco só criou uma oportunidade de perigo aos 29 minutos com Carriço, que chutou forte de fora da área, a redonda fez uma curva e quase pegou Kiko Casilla no contrapé, porém, o arqueiro conseguiu espalmar para a linha de fundo.

O jogo seguiu com o Sevilla valorizando a posse de bola e o Real Madrid em busca de encaixar um contragolpe para aumentar a vantagem. Até que, aos 41 minutos, após um cruzamento, Vítolo dominou, limpou a jogada e a bola sobrou para Franco Vázquez, que chutou cruzado no cantinho, fora do alcance de Casilla para empatar a decisão.

No segundo tempo, o Sevilla passou a ameaçar os Merengues com os passes em profundidade. Enquanto isso, aos 9, o Real levou perigo com Isco. Em velocidade Asensio cruzou na meia lua para o meia, que limpou e deu susto à meta rojiblanca.

A partida seguiu com a equipe de Andaluzia trocando passes enquanto a equipe madrilenha marcava com todos os jogadores em seu campo de defesa. Confiante, o time de Jorge Sampaoli buscou a virada, que aconteceu aos 26. Vitolo partiu para cima de Sergio Ramos, que deu um leve toque na perna do atacante dentro da área. Pênalti! Konoplyanka, com categoria, bateu no canto direito de Casilla e pôs o Sevilla na frente: 2 a 1.

Com o placar desfavorável, a equipe da capital espanhola partiu para cima em busca do empate e abusou nas bolas alçadas para empatar o jogo. Aos 35, Carvajal recebeu lançamento na área, dominou e chutou cruzado, mas Rico espalmou para escanteio.

O Real Madrid começara a ficar nervoso e cometera muitas faltas, enquanto isso, o Sevilla tentou manter a posse de bola para fazer o relógio andar. E, quando tudo levava a crer que o título ia para Andaluzia, aos 47 minutos, ele – Sergio Ramos, salvou os Merengues mais uma vez. Assim como foi na final da UEFA Champions League 2013/2014, o camisa 4 empatou o jogo nos acréscimos. Carvajal cruzou da direita e Ramos, desmarcado e com o gol vazio, de cabeça, igualou o marcador e levou a decisão para a prorrogação.

No primeiro tempo extra, os nervionenses perderam Kolo, que foi expulso depois de receber o segundo amarelo. Com um jogador a mais, o Real Madrid partiu para cima para fazer o terceiro gol e evitar a disputa por pênaltis. Já o Sevilla, aparentemente esgotado, não conseguiu criar jogadas de ataque, embora tenha criado uma chance com Konoplyanka, mas sem levar perigo à meta madridista.

No segundo tempo da prorrogação, o Real chegou bem, aos 2 minutos, com James Rodríguez, que recebeu belo lançamento de Benzema, mas o meia colombiano chutou em cima do goleiro. Três minutos depois foi a vez de Lucas Vázquez perder outra excelente oportunidade. Na cara do gol, o camisa 17 chutou em cima do goleiro e Rami afastou. Em seguida, aos 8, foi a vez de Benzema cabecear com perigo. E, em sequência, Carvajal cruzou, James Rodríguez pegou de primeira para Rico defender.

Embora as duas equipes estivessem esgotadas, o Real Madrid encontrou forças para fazer o terceiro gol e evitar a disputa por pênaltis. Aos 14, Carvajal invadiu a área, fez fila e chutou na saída do arqueiro sevillista para fazer o gol e praticamente sacramentar o título para o Real. Tanto que a decisão só teve mais dois minutos, o suficiente para a torcida Merengue comemorar o título. Fim de jogo no Lerkendal Stadion, Real Madrid 3, Sevilla 2.

Apesar de desfalcado do trio BBC (Benzema, Bale e Cristiano), o Real Madrid entrou em campo na condição de favorito por conta do poderio de seu elenco galático. Já o Sevilla, que depositou suas fichas no competente Jorge Sampaoli, acreditou que seria um páreo duro para o time da capital espanhola. E foi. O Real começou partindo para cima e a equipe de Andaluzia preferiu neutralizar o adversário e valorizar a posse de bola e a marcação no campo do rival. Esse panorama prevaleceu ao longo do primeiro tempo, quando o empate em 1 a 1 prevaleceu. No segundo tempo, com a virada dos Rojiblancos, a situação mudou um pouco, enquanto o Sevilla tocava a bola para administrar a vitória parcial, o Real foi com tudo para cima e abusou nas bolas aéreas e, nos acréscimos, o predestinado Sergio Ramos colocou os Merengues no jogo e forçou a prorrogação. No tempo extra, os comandados de Sampaoli sentiram mais com a expulsão de Kolo e pelo cansaço. Assim, acuados, permitiram o ataque do rival para tentar, timidamente, encaixar um contragolpe, o que não aconteceu. Restou segurar o resultado para levar a disputar por pênaltis. Todavia, Carvajal ainda teve fôlego e, em jogada individual, fez um golaço que deu título à equipe madrilenha.

Abaixo, a ficha técnica da decisão.

FICHA TÉCNICA: REAL MADRID (ESP) 3×2 SEVILLA (ESP)
Competição/fase: Supercopa da Europa (Supercopa da UEFA) / jogo único
Local: Lerkendal Stadion, Trondheim, Noruega
Data: 9 de agosto de 2016 (terça-feira), às 15h45 (horário de Brasília)
Árbitro: Milorad Mažić (Sérvia)
Assistentes: Milovan Ristić e Dalibor Đurđević, ambos da Sérvia
Cartões Amarelos: Carvajal, Asensio e James Rodríguez (Real Madrid); Vitolo e Kolodziejczak (Sevilla)
Cartão Vermelho: Kolodziejczak
Gols: Asensio, aos 21 min do 1º tempo (1-0); Franco Vázquez, aos 41 min do 1º tempo (1-1); Konoplyanka, aos 26 min do 2º tempo (1-2); Sergio Ramos, aos 47 min do 2º tempo (2-2); e Carvajal, aos 14 min do 2º tempo da prorrogação (3-2)
REAL MADRID (ESP): 13.Casilla; 2.Carvajal, 5.Varane, 4.Sergio Ramos e 12.Marcelo; 14.Casemiro, 16.Kovačić (10.James Rodríguez) e 22.Isco (19.Modrić); 17.Lucas Vázquez, 28.Asensio e 21.Morata (9.Benzema). Técnico: Zinédine Zidane
SEVILLA (ESP): 1.Rico; 25.Mariano, 5.Kolodziejczak e 21.Pareja; 6.Carriço (23.Rami), 15.N’Zoni, 8.Iborra (4.Kranevitter), 14.Kiyotake e 22.Vazquez; 20.Vítolo e 9.Vietto. Técnico: Jorge Sampaoli

Parabéns ao Real Madrid Club de Fútbol pelo título.

Por Jorge Almeida

Real Madrid: campeão da UEFA Champions League 2015-2016

Jogadores do Real Madrid comemoram o título da Champions. Foto: EFE
Jogadores do Real Madrid comemoram o título da Champions. Foto: EFE

Depois de um empate em 1 a 1 no tempo normal, que persistiu na prorrogação, o Real Madrid levou a melhor na disputa de pênaltis diante do arquirrival Atlético de Madrid por 5 a 3 na final da UEFA Champions League 2015-2016, em partida disputada no Estádio San Siro, em Milão, neste sábado (28). Os Merengues saíram na frente com Sergio Ramos no primeiro tempo e o reserva Carrasco empatou para os Colchoneros na etapa final. Nas disputa por pênaltis, Juanfran desperdiçou a sua cobrança e Cristiano Ronaldo converteu a cobrança que deu ao Real a sua 11ª taça do torneio interclubes mais cobiçado do Velho Continente.

O primeiro tempo começou com o Real Madrid mais disposto a fazer o gol. Tanto que, logo aos cinco minutos, os Merengues tiveram uma excelente oportunidade com Benzema, que aproveitou-se da falta cobrada por Bale e desviou na pequena área, mas Oblak salvou a meta Colchonera com os pés.

A partida seguiu intensa, com muita disputa dos dois lados, com direito a uma entrada mais ríspida de Carvajal em Griezmann, digna de cartão amarelo, que foi prontamente apresentado pelo árbitro.

Aos 15 minutos, o algoz do Atlético da final de 2014 apareceu novamente. Kroos levantou a bola na área pela esquerda, Baile resvalou de cabeça e, Sergio Ramos – em impedimento – tocar para as redes e fazer 1 a 0 para o Real Madrid. O tento do defensor do Real veio como um balde de água fria para a torcida colchonera, que calou-se imediatamente.

O jogo seguiu com o Real Madrid ditando o ritmo de jogo e os Rojiblancos tentando entrar no jogo. Assim, o Atlético melhorou apenas depois dos 30 minutos, quando, minutos depois, teve algumas chances. Primeiro aos 33 com Griezmann, mas Navas defendeu e evitou o empate. Dois minutos depois, o atacante francês pegou de primeira e o arqueiro merengue fez linda defesa, mas o lance foi invalidado porque o atacante estava impedido. E Griezmann finalizou outra vez aos 43, quando veio pelo meio e bateu, mas a bola passou muito perto da trave defendida por Navas.

No início do segundo tempo, o time de Diego Simeone veio com tudo em busca do empate. E, com menos de dois minutos, veio uma grande oportunidade para o Atlético de Madrid. Fernando Torres se enrosca com Pepe dentro da área e o árbitro inglês marcou penalidade máxima. Na cobrança, Griezmann encheu o pé, mas acertou o travessão de Navas.

Apesar do penal desperdiçado, o Atlético não se abateu e, diferentemente da etapa inicial, foi para cima e deixou a partida franca. Dessa forma, os Colchoneros tiveram uma chance aos 8, quando, depois de um cobrança de escanteio, a esférica foi desviada e Savić chutou e mandou pelas redes do lado de fora. Seis minutos depois, Saúl pegou de primeira de dentro da área e quase empatou o jogo.

O Atlético de Madrid estava indo para cima e ficou sujeito aos contragolpes. E, em um deles, aos 24, Modrić lançou Benzema, que partiu livre pela direita, avançou, entrou na área e finalizou em cima de Oblak. Enquanto isso, Cristiano Ronaldo, que estava sumido na partida, levou perigo.O gajo chutou forte, mas o arqueiro defendeu. Em seguida, após jogada de Bale, CR7 chutou em cima de Oblak e, na sequência, o galês fintou o goleiro, bateu cruzado e Koke salvou em cima da linha.

Melhor no jogo, no lance seguinte, o Atlético chegou ao empate. Aos 33, Juanfran recebeu por cima e, de primeira, cruzou a meia altura para Carrasco empatar o jogo. Os Colchoneros foram à loucura.

Os comandados de Simeone, pouco tempo após o empate, quase viraram o placar com Torres. Aos 38, Juanfran cruzou da direita e “El Niño”, desviou levemente, mas para fora. Na sequência, foi a vez de Bale fazer grande jogada pela esquerda e bater cruzado para boa defesa de Oblak.

Na prorrogação, quem levou perigo primeiro foi o Real Madrid. Aos 4, depois a cobrança de escanteio, Cristiano Ronaldo cabeceou e quase põe o Real à frente. O primeiro tempo extra seguiu com os jogadores das duas equipes exautos. Mas, ainda deu tempo de o Atlético criar a sua oportunidade aos 15. Koke cobrou escanteio, a redonda sobrou para Griezmann, que acertou uma bicicleta, mas a bola passou por cima da meta de Navas.

No segundo tempo da prorrogação, o jogo seguiu carregado, com os jogadores das duas equipes desgatados, com todas as substituições feitas, e praticamente se arrastando em campo, os últimos 15 minutos de decisão ficaram marcados pelos atletas caídos no gramado, com dores e mancando. E, assim, os dois times não viam a hora da disputa por pênaltis.

Nas cobranças por pênaltis, prevaleceu a qualidade dos batedores em relação aos goleiros. KeylorNavas e Oblak não defenderam nenhuma cobrança. Contudo, para tristeza dos Rojiblancos, Juanfran acertou a trave. Então, coube a Cristiano Ronaldo converter a cobrança que garantiu o 11º caneco da Champions para o Real Madrid.

A final da UEFA Champions League foi digna de um derby citadino. Real e Atlético fizeram um jogo intenso, equilibrado e nervoso. No primeiro tempo, os Merengues foram ligeiramente superiores e abriram o marcador antes da metade da etapa inicial com Sergio Ramos, o algoz atleticano da mesma competição há duas temporadas. O time alvirrubro, aos poucos, se recuperou do baque e equilibrou as ações. Todavia, foi na etapa complementar, que o Atlético deu canseira nos comandados de Zinedine Zidane. Depois de desperdiçar um pênalti com Griezmann, os Colchoneros não se abateram e foram dispostos a buscar o empate, que veio aos 33 minutos, através de Carrasco, que entrou no lugar de Fernandéz. Com uma postura mais ofensiva, boa parte se deve à entrada do camisa 21, e motivado pela torcida e pelo enérgico treinador, o Atlético de Madrid criou outras oportunidades, e tal postura, permitiu que a partida seguisse franca, já que os Rojiblancos à medida que iam para cima, deixava espaços para os contragolpes do arquirrival, que até estiveram perto do segundo gol. Mas, com o empate sacramentado no tempo normal, a final partiu para uma modorrenta prorrogação, onde em 30 minutos as duas equipes pouco produziram, situação absolutamente normal, uma vez que ambas equipes estavam fisicamente esgotadas. Porém, enquanto Zidane errou nas alterações e “queimou” as trocas muito cedo, e tirou Benzema que fazia um bom jogo, a equipe de Simeone não soube tirar proveito no tempo extra, uma vez que o treinador fez duas das três substituições ao longo da prorrogação, assim, teoricamente, teria “mais gás” para virar o jogo, o que não foi possível. Na disputa por pênaltis, prevaleceu a técnica dos jogadores do Real Madrid, já que nenhum dos goleiros brilharam nos tiros penais. Pelo que produziu no jogo, o Atlético de Madrid merecia levar a sua tão sonhada “orelhuda”, mas, assim como em 2014, ficou “no quase”.

Os Colchoneros não tem o direito de atribuir o erro da arbitragem o insucesso na disputa do título. Se por um lado, houve um erro do trio inglês que não assinalou o impedimento de Sergio Ramos no lance do gol do Real, por outro lado, o juiz Mark Clattenburg errou ao marcar a penalidade no lance envolvendo Pepe e Fernando Torres. Na disputa, o luso-brasileiro se antecipou ao atacante colchonero, que se enroscou e foi ao chão.

Aliás, dois “jogadores-símbolos” das equipes tiveram participações em lances cruciais do jogo. Pelo lado merengue, Sergio Ramos foi “o cara”: fez o gol, assim como em 2014, foi seguro e ainda marcou o seu na disputa por pênaltis. Pelo lado colchonero, Juanfran foi protagonista em três momentos: no gol do Real Madrid, foi ele quem cometeu a falta inútil que originou o tento do rival, o lateral também participou no gol de empate ao cruzar na medida para Carrasco e o camisa 20 foi o único jogador que errou a cobrança nos pênaltis.

Já no setor ofensivo, pelo Atlético, a dupla Griezmann e Torres até se esforçou, mas não foi eficaz. O francês desperdiçou a cobrança no tempo normal e, depois disso, sumiu do jogo, enquanto o seu companheiro de ataque até se esforçava, mas não dava certo. Já no Real Madrid, o trio BBC teve boa atuação, especialmente Bale e Benzema, que criaram boas chances. Já Cristiano Ronaldo teve uma jornada discreta e só ganhou notoriedade por ter sido o responsável pela última cobrança que deu o título à sua equipe.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da final.

Fase de grupos (Grupo A):
15/09/2015 – Real Madrid (ESP) 4×0 Shakhtar Donetsk (UCR) – Santiago Bernabéu, Madri
30/09/2015 – Malmö (SUE) 0x2 Real Madrid (ESP) – Estádio Swedbank, Malmö
21/10/2015 – Paris Saint-Germain (FRA) 0x0 Real Madrid (ESP) – Parc des Princes, Paris
03/11/2015 – Real Madrid (ESP) 1×0 Paris Saint-Germain (FRA) – Santiago Bernabéu, Madri
25/11/2015 – Shakhtar Donetsk (UCR) 3×4 Real Madrid (ESP) – Arena Lviv, Lviv
08/12/2015 – Real Madrid (ESP) 8×0 Malmö (SUE) – Santiago Bernabéu, Madri
Oitavas-de-final:
17/02/2016 – Roma (ITA) 0x2 Real Madrid (ESP) – Estádio Olímpico, Roma
08/03/2016 – Real Madrid (ESP) 2×0 Roma (ITA) – Santiago Bernabéu, Madri
Quartas-de-final:
06/04/2016 – Wolfsburg (ALE) 2×0 Real Madrid (ESP) – Volkswagen Arena, Wolfsburg
12/04/2016 – Real Madrid (ESP) 3×0 Wolfsburg (ALE) – Santiago Bernabéu, Madri
Semifinais:
26/04/2016 – Manchester City (ING) 0x0 Real Madrid (ESP) – Etihad Stadium, Manchester
04/05/2016 – Real Madrid (ESP) 1×0 Manchester City (ING) – Santiago Bernabéu, Madri
Final:
28/05/2016 – Real Madrid (ESP) (5)1×1(3) Atlético de Madrid (ESP) – San Siro, Milão

FICHA TÉCNICA: REAL MADRID (ESP) (5)1×1(3) ATLÉTICO DE MADRID (ESP)
Competição/fase: UEFA Champions League 2015-2016 – final (jogo único)
Local: Estádio San Siro, Milão, Itália
Data: 28 de maio de 2016, sábado – 15h45 (horário de Brasília)
Árbitro: Mark Clattenburg (ING)
Auxiliares: Simon Beck (ING) e Jake Collin (ING)
Cartões Amarelos: Carvajal, Navas, Casemiro, Sergio Ramos, Pepe e Danilo (Real Madrid); Fernando Torres e Gabi (Atlético)
Gols: Sergio Ramos, aos 15 min do 1º tempo (1-0); Carrasco, aos 34 min do 2º tempo (1-1)
Pênaltis:
Real Madrid: Lucas Vázquez, Marcelo, Bale, Sergio Ramos e Cristiano Ronaldo – converteram
Atlético de Madrid: Griezmann, Gabi, Saúl Ñíguez (converteram) e Juanfran (errou)
REAL MADRID (ESP): 1.Navas; 15.Carvajal (23.Danilo), 3.Pepe, 4.Ramos e 12.Marcelo; 14.Casemiro, 8.Kroos (22.Isco) e 19.Modrić; 11.Bale, 9.Benzema (18.Lucas Vásquez) e 7.Cristiano Ronaldo. Técnico: Zinedine Zidane
ATLÉTICO DE MADRID (ESP): 13.Oblak; 20.Juanfran, 15.Savić, 2.Godín e 3.Filipe Luís (19.Lucas Hernández); 6.Koke (22.Partey), 14.Gabi, 12.Fernandéz (21.Carrasco) e 17.Saúl Ñíguez; 7.Griezmann e 9.Fernando Torres. Técnico: Diego Simeone

Parabéns ao Real Madrid Club de Fútbol pela conquista.

Por Jorge Almeida