Atlético de Madrid: campeão da Supercopa da Europa 2018

Jogadores do Atlético de Madrid comemoram o tricampeonato da Supercopa da Europa. Créditos: Reuters

Em uma partida eletrizante, o Atlético de Madrid venceu o Real Madrid por 4 a 2 no tempo normal e na prorrogação da decisão da Supercopa da Europa nesta quarta-feira (15) na A Le Coq Arena, em Tallinn, na Estônia. Os gols da partida foram marcados por Diego Costa (dois) pelo lado do Atlético e por Benzema e Sergio Ramos pelo Real na etapa regulamentar. Mas Saúl e Koke anotaram os tentos dos Colchoneros no tempo extra. Essa foi a terceira conquista dos Rojiblancos na competição em três finais disputadas.

A decisão entre os rivais de Madri já começou quente. E, antes do relógio completar um giro completo, Diego Costa é lançado por Godín, dominou no alto, ganhou de Sergio Ramos, passou por Varane na corrida e, com pouco ângulo, acertou um chutaço para colocar o Atlético na frente do placar. O tento do camisa 19 foi o mais rápido em uma decisão interclubes europeia.

Depois  do gol relâmpago, o Real Madrid só acordou aos 16. Marcelo fintou Juanfran, cruzou na área, Asensio desviou de calcanhar e Oblak fez um desvio primordial antes da chegada de Benzema que marcava presença por ali. Os Merengues seguiram na pressão. Aos 24, o camisa 12 chegou pelo setor de sua especialidade, cortou para a direita e arriscou de fora da área e mandou por cima do gol. Até que, dois minutos depois, Bale passou com tudo pela ponta direita, cruzou na área, Savić falhou na marcação e Benzema surgiu entre o defensor e Oblak para cabecear e empatar o jogo.

A igualdade motivou o Real, que foi com tudo em busca da virada. Aos 28, Casemiro roubou a bola, Asensio partiu com ela para o ataque e bateu com efeito tirando tinta da trave esquerda da meta Colchonera.  Quase veio a virada nesse lance. Porém, esse foi, de fato, o último lance de perigo na primeira etapa após um início de jogo eletrizante. Nos 15 minutos restantes do tempo inicial, as duas equipes neutralizaram o ímpeto e o jogo deu uma esfriada.

O segundo tempo teve os dois times tentando buscar o gol, porém, parando no setor defensivo do rival. A situação durou por pelo menos 15 minutos. Mas, aos 16, após o escanteio, em uma disputa entre Benzema e Juanfran, a redonda acabou pegando no braço do camisa 20 do Atleti. O árbitro polonês Szymon Marciniak marcou penalidade máxima. E, sem CR7 no plantel madridista, a missão de bater o penal ficou com o capitão Sergio Ramos, que não fez feio, bateu com categoria e virou para o Real.

O aguerrido time de Simeone não se abateu e seguiu fazendo o seu jogo. Aos 27, depois de bela troca de passes, Juanfran acionou Correa (substituto de Griezmann) na área. O camisa 10 cruzou rasteiro mas mandou direto nas mãos de Navas.

Os Rojiblancos conseguiram chegar ao empate aos 33. Marcelo, ao tentar evitar deixar a bola sair para a lateral, acabou cedendo a esférica para Juanfran, que tocou para Correa na área que, por sua vez, cruzou para Diego Costa empurrar para as redes e empatar a peleja novamente: 2 a 2.

A partida seguiu muito disputada, com as duas equipes travando um verdadeiro duelo pela posse da bola. No entanto, o tempo regulamentar terminou empatado. A disputa seguiu para a prorrogação.

Como um clássico dessa importância determina, um erro pode ser fatal. E foi justamente isso que aconteceu aos sete minutos. O campeão mundial Varane vacilou, foi desarmado por Thomas, que foi até a linha de fundo e ergueu na medida para Saúl emendar de primeira e mandar a bola no ângulo de Navas. Que pintura de gol. Golaço e revirada colchonera no placar.

O tento do Atlético motivou os comandados de Simeone e veio como um soco no estômago do rival. E, ainda “grogue” com gol do adversário, o Real Madrid mal se recuperara da situação. Aos 13 minutos do primeiro tempo da prorogação, Diego Costa ganhou de Carvajal no corpo-a-corpo, passou para Vítolo, que cruzou na medida para Kobe, que bateu de chapa no canto e aumentar a vantagem: 4 a 2.

Com mais moral, o Atlético de Madrid foi para os últimos 15 minutos de disputa, disposto a não deixar a taça escapar. Então, tratou-se de segurar. Logo aos dois minutos, Diego Simeone sacou Diego Costa, bastante ovacionado pela torcida Colchonera, para a entrada do zagueiro Giménez.

O Real Madrid esboçou uma reação. Aos oito, Carvajal fez um belo lançamento de três dedos, a zaga cortou e, na sobra, Modrić, o melhor jogador da última Copa do Mundo, bateu colocado, mas Oblak defendeu firme. E, dessa forma, o lado vermelho e branco da capital espanhola levou a melhor e, com os gols saídos na prorrogação, finalmente pode encerrar o incômodo tabu de nunca ter ganho do rival citadino uma decisão internacional. Final de jogo em Tallinn, na Estônia: Real Madrid 2, Atlético de Madrid 4.

As duas equipes de Madri fizeram uma partida bem disputada na decisão da Supercopa da Europa, como já era de se esperar. Depois de ver o seu arquirrival lhe levar duas Champions, os Colchoneros encararam os Merengues com o que chamamos de “sangue nos olhos”. Primeiro, começou na frente logo de cara com Diego Costa, com menos de um minuto de jogo. Sofreu a virada, não desistiu e arrancou o empate e levou o jogo para a prorrogação. Com uma equipe mais entrosada e um esquema tático padrão de seu treinador há anos, o Atlético levou a melhor e conseguiu fazer mais dois gols no tempo extra. Mas, algumas observações podemos observar nessa partida. A primeira delas foi Lucas Hernández, que substituiu Filipe Luís na lateral-esquerda do Atleti, não comprometeu e fez uma boa partida. A segunda foi o duelo particular entre Sergio Ramos e Diego Costa. Companheiros de seleção, os dois não deram trégua um para o outro. O zagueiro deu uma cotovelada no rosto do atacante que, por sua vez, acertou o pé na cara do camisa 4, fora as várias discussões que tiveram ao longo do jogo. E, sem os protagonistas de suas últimas conquistas (Cristiano Ronaldo e Zidane), o Real Madrid perdeu a final de seu primeiro título internacional em quase 18 anos. A última vez que ocorreu isso, foi na decisão da Copa Intercontinental de 2000 vencida pelo Boca Juniors. Mas, pelo que apresentou hoje, o Atlético de Madrid foi o merecedor da conquista.

A seguir, a ficha técnica da decisão.

FICHA TÉCNICA: REAL MADRID (ESP) 2×4 ATLÉTICO DE MADRID (ESP)
Competição/Fase: Supercopa da Europa 2018 – final (jogo único)
Local: A Le Coq Arena, Tallinn, Estônia
Data: 15 de agosto de 2018, quarta-feira – 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Szymon Marciniak (POL)
Assistentes: Paweł Sokolnicki (POL) e Tomasz Listkiewicz (POL)
Cartões Amarelos: Asensio, Marcelo, Ceballos, Modrić e Sergio Ramos (Real Madrid); Diego Costa, Correa e Vítolo (Atlético de Madrid)
Gols: Diego Costa, a 1 min do 1º tempo (0-1) e aos 34 min do 2º tempo (2-2); Benzema, aos 27 min do 1º tempo (1-1); Sergio Ramos, de pênalti, aos 18 min do 2º tempo (2-1); Saúl, aos 8 min do 1º da prorrogação (2-3); e Koke, aos 14 min do 1º tempo da prorrogação (2-4)
REAL MADRID (ESP): 1.Navas; 2.Carvajal, 5.Varane, 4.Sergio Ramos e 12.Marcelo; 14.Casmiro (24.Ceballos), 8.Kroos, 11.Bale, 22.Isco (17.Lucas Vázquez) e 20.Asensio (10.Modrić); 9.Benzema. Técnico: Julen Lopetegui
ATLÉTICO DE MADRID: 13.Oblak; 20.Juanfran, 15.Savić, 2.Godín e 21.Lucas Hernández; 14.Rodri (23.Vítolo), 8.Saúl, 6.Koke e 11. Lemar (5.Thomas); 7.Griezmann (10.Correia) e 19.Diego Costa (24.Giménez). Técnico: Diego Simeone

Parabéns ao Club Atlético de Madrid pelo título.

Por Jorge Almeida

Anúncios

Real Madrid: campeão da UEFA Champions League 2017/2018

Jogadores do Real Madrid comemoram a 13ª Champions do clube espanhol. Créditos: Reprodução/Twitter

Em uma partida desastrosa do goleiro Karius, o Real Madrid venceu o Liverpool por 3 a 1 na final da UEFA Champions League 2017/2018, neste sábado, no Estádio Olímpico, em Kiev, na Ucrânia. Os gols da partida, que saíram no segundo tempo, foram de Benzema, dois de Bale e Mané descontou para os Reds. O arqueiro do time inglês falhou em dois dos três gols merengues e, no tento em que ele não errou, Gareth Bale acertou uma linda bicicleta. A decisão ficou marcada também pelas saídas de Salah e Carvajal por conta de contusão. Essa foi a 13ª Champions, sendo a terceira de forma consecutiva.

O Real Madrid tentou a sua primeira jogada logo aos dois minutos. Carvajal levantou na área, mas o goleiro Karius (guardem esse nome!) saiu bem para tirar de soco. O Liverpool respondeu aos seis. Firmino recebeu no meio de campo e deu excelente bola para Mané que, por pouco, não chegou nela e viu Navas fazer o corte.

Os Reds passaram a dominar a partida encurralando o adversário, claro que isso seria impossível prevalecer durante boa parte dos 90 minutos. Aos 15, por exemplo, os Merengues saíram em contra-ataque e Cristiano Ronaldo avançou pela direita, entrou na área e soltou a bomba que saiu por cima do travessão do time inglês. Aos 22, Firmino recebeu a bola, girou e a deixou escapar um pouco e soltou a pancada, a redonda bate em Sergio Ramos, que volta para Alexander-Arnold, que mandou um canudo rasteiro para Navas fazer grande defesa.

Dois minutos depois, o sinal de alerta foi ligado para o Liverpool. Em uma disputa com Sergio Ramos, Salah caiu de mau jeito e ficou sentindo dores no ombro. Permaneceu em campo por mais quatro minutos e desabou no campo e, aos prantos, saiu do gramado e foi substituído por Lallana. Curiosamente, após a saída do egípcio, o Real cresceu no jogo, porém, aos 34, foi a vez de Carvajal cair no gramado em disputa com Henderson. Chorando muito, o camisa 2 deu lugar a Nacho. Com a saída de Salah, a equipe de Zinédine Zidane mudou de postura e passou a atacar o Liverpool, que se defendeu bem e não permitiu que o rival finalizasse com perigo.

Antes do intervalo, o Real Madrid chegou a balançar as redes com Benzema, que pegou o rebote do goleiro após cabeçada de Cristiano Ronaldo, contudo, o gajo português estava em impedimento no começo da jogada. Em seguida, aos 44, em sua primeira participação na partida, Nacho soltou a bomba de primeira na ponta direita e errou por pouco. Aos 47, Benzema avançou pela intermediária e soltou a bomba, mas a bola passou perto do gol de Karius.

No segundo tempo, logo aos dois minutos, Marcelo tocou para o meio da área, Lallana ao tentar evitar o perigo, na verdade, deu uma bela ajeitada na bola para Isco, que tocou na saída do goleiro e acertou o travessão. Aos cinco, um lance incrivelmente inacreditável: depois do lançamento para a área do Liverpool, Karius chegou antes de Benzema e ficou com a bola. Ao tentar repô-la para sair jogando, o arqueiro acertou a redonda justamente no pé do camisa 9, que esticou a perna para interceptar o corte. E não é que a bola bateu no pé do francês e foi parar nas redes? Gol do Real Madrid com uma falha bisonha de Karius.

Como estava atrás do placar, o Liverpool foi buscar o empate e não demorou muito para conseguí-lo. Depois do escanteio batido por Milner, Lovren escorou de cabeça e Mané aproveitou o vacilo de Marcelo para, na pequena área, mandar para as redes. Empate dos Reds.

O jogo seguiu bom, com a equipe Merengue dominando as ações. Aos 14, Isco finalizou no canto e Karius fez grande defesa, se redimindo da falha absurda no tento de Benzema. Em seguida, o camisa 22 foi substituído por Gareth Bale. E, em sua primeira participação efetiva no jogo, um golaço. Aos 18, Marcelo avançou pela esquerda, levou a bola para o pé direito e levantou na medida para o galês acerta uma linda bicicleta para marcar um golaço e colocar o Real Madrid na frente novamente.

A equipe da terra dos Beatles tentou dar o troco em seguida, aos 24. Mané levou a bola para o meio e arriscou com a esquerda, a esférica desviou e bateu na trave direita de Navas. Sem Salah, os Reds tentaram buscar o ataque com o inspirado Mané, mas o Real Madrid soube marcar.

Os Merengues chegaram com perigo aos 35. Bale partiu pela direita, cruzou para Benzema, que pegou de prima e Karius voou para fazer excepcional defesa. Mas o inferno astral do goleiro alemão seguiu na partida dois minutos mais tarde. Bale arriscou de muito longe para o meio da meta, Karius, com um verdadeiro “mãos de alface” empurrou a bola para dentro do próprio gol. Outra falha do goleiro do Liverpool.

Nos minutos finais da partida, Cristiano Ronaldo, artilheiro da competição com 15 gols, quase fez o dele, mas um invasor entrou no gramado e o árbitro precisou interromper o lance. Mas a “orelhuda” já tinha dono: fim de jogo no Estádio Olímpico de Kiev, Real Madrid 3, Liverpool 1. Os Merengues conquistam a Europa pela 13ª vez e ampliam a sua hegemonia no torneio.

O segundo jogo mais importante do ano, antes de a bola rolar, as expectativas estavam em torno dos artilheiros do Real Madrid e Liverpool: Cristiano Ronaldo e Salah, respectivamente. Mas, com CR7 tendo uma atuação discreta e o egípcio saindo de campo no primeiro tempo, o protagonismo ficou por conta de três jogadores que não irão para a Copa do Mundo: Benzema, preterido da Seleção Francesa, Bale, o selecionado nacional do galês não se classificou para o Mundial, e o goleiro alemão Karius, que não foi relacionado na lista de Joachim Low para ir para a Rússia. Aliás, a cena do goleiro chorando e indo em direção à torcida do Liverpool se desculpando e sendo retribuído por aplausos foi uma das cenas mais lindas protagonizada pelo esporte nos últimos anos.

Enquanto estava com o trio Mané, Salah e Firmino em campo, o Liverpool sufocava o Real Madrid, que respondi em contragolpes. Mas a saída do camisa 11 dos Reds fez com que a situação se invertesse. Os Merengues foram para cima e os ingleses sentiram a ausência do egípcio e conseguiram segurar o 0 a 0 no primeiro tempo. Porém, na etapa final, a equipe madrilenha foi para cima e chegou aos gols, sendo que dois deles com falhas absurdas de Karius. Mané até tentou jogar por ele e por Salah e anotou para o Liverpool, contudo, o golaço de bicicleta de Bale e o frango do goleiro do Liverpool no terceiro gol do Real Madrid sucumbiram com o sexto título dos conterrâneos dos Beatles.

E, ao longo da campanha, especialmente no mata-mata, o Real Madrid teve um aliado forte: a sorte. É incrível como ela sempre apareceu nos momentos cruciais do clube espanhol. Nas quartas-de-final contra a Juventus, em Madri, no último lance do tempo normal, que estava com vitória bianconera por 3 a 0, o que levaria o jogo para a prorrogação, veio o pênalti que culminou com o gol de honra do Real, que o credenciou de seguir adiante. Nas semifinais, diante do Bayern de Munique, o goleiro do time alemão Ulreich deu um “presentaço” para Benzema ao se atrapalhar com a bola no começo do segundo tempo (naquela altura, os bávaros estavam vencendo o jogo por 1 a 0 e eram melhores na partida), e hoje diante do Liverpool: além do azar do adversário perder o seu principal jogador, contou com a jornada infeliz de seu goleiro que lhe deu dois gols de “presente”.

Com o título do Real Madrid, os clubes espanhóis mantêm a sua hegemonia no continente e no mundo. Nos últimos quatro anos, nas quatro competições internacionais (Champions, Liga Europa, Supercopa da UEFA e Mundial de Clubes da FIFA) só deu equipes da Espanha, exceto a Liga Europa de 2016/2017 vencida pelos ingleses do Manchester United. Ao todo, foram 17 troféus conquistados pelo quarteto Real Madrid, Barcelona, Atlético de Madrid e Sevilla, contra um do Manchester United. E, ainda em 2018, o futebol espanhol poderá ganhar mais duas taças: uma já é certa, pois a decisão da próxima Supercopa da UEFA será entre os dois clubes da capital: Real e Atlético no próximo dia 15 de agosto na A. Le Coq Arena, em Tallinn, na Estônia. Além disso, há a disputa do Mundial de Clubes da FIFA. E já pensou se a Espanha leva a Copa do Mundo também?

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Fase de Grupos (Grupo H):
13/09/2017 – Real Madrid 3×0 APOEL (CHI) – Santiago Bernabéu, Madri (ESP)
26/09/2017 – Borussia Dortmund (ALE) 1×3 Real Madrid (ESP) – Signal Idunas Park, Dortmund (ALE)
01/11/2017 – Tottenham (ING) 3×1 Real Madrid (ESP) – Wembley Stadium, Londres (ING)
17/10/2017 – Real Madrid (ESP) 1×1 Tottenham (ING) – Santiago Bernabéu, Madri (ESP)
21/11/2017 – APOEL (CHI) 0x6 Real Madrid (ESP) – GSP Stadium, Nicosia (CHI)
06/12/2017 – Real Madrid (ESP) 3×2 Borussia Dortmund (ALE) – Santiago Bernabéu, Madri (ESP)
Oitavas-de-final:
14/02/2018 – Real Madrid (ESP) 3×1 Paris Saint-Germain (FRA) – Santiago Bernabéu, Madri (ESP)
06/03/2018 – Paris Saint-Germain (FRA) 1×2 Real Madrid (ESP) – Parc des Princes, Paris (FRA)
Quartas-de-final:
03/04/2018 – Juventus (ITÁ) 0x3 Real Madrid (ESP) – Juventus Stadium, Turim (ITÁ)
11/04/2018 – Real Madrid (ESP) 1×3 Juventus (ITÁ) – Santiago Bernabéu, Madri (ESP)
Semifinais:
25/04/2018 – Bayern de Munique (ALE) 1×2 Real Madrid (ESP) – Allianz Arena, Munique (ALE)
01/05/2018 – Real Madrid (ESP) 2×2 Bayern de Munique (ALE) – Santiago Bernabéu, Madri (ESP)
Final:
26/05/2018 – Real Madrid (ESP) 3×1 Liverpool (ING) – Olimpiyskiy National Sports Complex, Kiev (UCR)

FICHA TÉCNICA: REAL MADRID (ESP) 3×1 LIVERPOOL (ING)
Competição/Fase: UEFA Champions League 2017/2018 – final (jogo único)
Local: Estádio Olímpico de Kiev, Kiev, Ucrânia
Data: 26 de maio de 2018, sábado – 15h45 (horário de Brasília)
Árbitro: Milorad Mažić (SÉR)
Assistentes: Milovan Ristić (SÉR) e Dalibor Đurdević (SÉR)
Cartão Amarelo: Mané (Liverpool)
Gols: Benzema, aos 6 min (1-0); Mané, aos 10 min (1-1); Bale, aos 19 min (2-1) e aos 38 min do 2º tempo (3-1)
REAL MADRID (ESP): 1.Navas; 2.Carvajal (6.Nacho), 4.Sergio Ramos, 5.Varane e 12.Marcelo; 14.Casemiro, 8.Kroos, 10.Modrić e 22.Isco (11.Bale), 7.Cristiano Ronaldo e 9.Benzema (20.Asensio). Técnico: Zinédine Zidane
LIVERPOOL (ING): 1.Karius; 66.Alexander-Arnold, 6.Lovren, 4.Van Dijk e 26.Robertson; 14.Henderson, 7.Milner (23.Can) e 5.Wijnaldum; 11.Salah (20.Lallana), 19.Mané e 9.Firmino. Técnico: Jürgen Klopp

Parabéns ao Real Madrid Club de Fútbol pelo título.

Por Jorge Almeida

Real Madrid e Liverpool decidirão a UEFA Champions League 2017/2018

Real Madrid x Liverpool: finalistas da UEFA Champions League 2017/2018. Créditos: divulgação/uefa.com

Nesta quarta-feira (2), foi definido o adversário do Real Madrid para a final da UEFA Champions League 2017/2018. O Liverpool vai disputar o título diante dos Merengues no próximo dia 26 de maio no Estádio Olímpico, em Kiev, na Ucrânia. A equipe inglesa eliminou a Roma, mesmo perdendo por 4 a 2 o segundo jogo das semifinais na capital italiana. Enquanto os atuais campeões do torneio deixaram o Bayern de Munique pelo caminho na outra semifinal.

O primeiro finalista da Champions saiu do confronto entre Real Madrid e Bayern de Munique, que se enfrentaram na terça-feira (1º), no Estádio Santiago Bernabéu, em Madri. A equipe da casa empatou em 2 a 2 com o clube da Baviera, que saiu na frente com o gol de Kimmich, logo aos três minutos do primeiro tempo. A equipe madrilenha empatou pouco tempo depois, aos 10, com Bezema, de cabeça, após excelente cruzamento de Marcelo pela esquerda.

No começo do segundo tempo, com menos de um minuto, o Real passou à frente graças a uma falha bizonha de Ulrich. Tolisso recuou a bola para o goleiro que, ia pegar com a mão, mas lembrou que a redonda vinha do companheiro, ou seja, tentou se recuperar do lance ao tentar chutar a bola, deixou a esférica passar por baixo e ela sobrou limpa para o camisa 9 merengue fazer o seu segundo gol no jogo. A equipe alemã conseguiu o empate com James Rodríguez, aos 17. Depois da igualdade, o Bayern foi pra cima e, só não conseguiu o gol da vitória porque Navas estava em uma jornada inspirada e pegou tudo. Contudo, é bom frisar que os comandados de Jupp Heynckes foram prejudicados pela arbitragem na etapa inicial ao não marcar penalidade cometida por Marcelo. A bola foi cruzada na área, bateu na mão do jogador brasileiro dentro da área e nada foi marcado.

Como vencera o primeiro jogo na Allianz Arena por 2 a 1, Cristiano Ronaldo e companhia fizeram 4 a 3 no agregado e disputarão a terceira final consecutiva da competição interclubes mais importante do mundo.

Assim como o seu adversário na decisão da UEFA Champions League, o Liverpool foi disputar o segundo com a vantagem adquirida no compromisso de ida. Porém, os Reds tinham uma vantagem bem maior (de três gols) diante da Roma. O palco do duelo realizado nesta quarta (2) entre ingleses e italianos foi o Estádio Olímpico de Roma. Ganhador do jogo de ida por 5 a 2, o Liverpool se dava ao luxo de perder por até dois gols de diferença que estaria com a sua vaga garantida. E os conterrâneos dos Beatles saíram na frente logo aos 9 minutos do primeiro tempo, com Mané, aumentando ainda mais a vantagem da equipe de Jürgen Klopp. Os romanistas empataram cinco minutos mais tarde graças ao gol contra de Milner. Os visitantes ficaram em vantagem novamente, aos 25, com o gol de Wijnaldum.

No segundo tempo, a Roma empatou mais uma vez, através do bósnio Džeko, aos três minutos. Mas ainda faltavam três gols para os Gialorossis levaram a disputa para a prorrogação. A Roma pressionou, mas a virada veio tardiamente, através de Nainggolan: que fez o terceiro gol aos 40 e fechou o placar, aos 49 minutos da segunda etapa. No entanto, assim como no duelo entre merengues e bávaros, a arbitragem prejudicou o espetáculo ao não marcar penalidade clara de Arnold, aos 17 minutos do segundo tempo quando a partida estava empatada em 2 a 2. El Shaarawy chutou, a bola bateu claramente na mão do jogador do Liverpool dentro da área. Um erro do árbitro em um momento crucial do jogo.

E, por ter feito 7 a 6 nos 180 minutos diante da Roma, o Liverpool chega a sua oitava final de Liga dos Campeões. A última decisão do certame disputada pelos Reds foi na temporada 2006/2007, quando perdeu o título para o Milan por 2 a 1, no Estádio Olímpico de Atenas.

Assim, Real Madrid e Liverpool estarão frente a frente no próximo dia 26 de maio, no Estádio Olímpico de Kiev, na Ucrânia, que, pela primeira vez, recebe a final da UEFA Champions League. Aliás, essa não se trata de uma decisão inédita. Na temporada 1980/1981, os dois times fizeram a finalíssima da competição no Estádio Parc des Princes, em Paris, na França, e deu Liverpool. Vitória por 1 a 0, gol de Alan Kennedy.

Os Merengues são os maiores campeões da UEFA Champions League e tentarão a 13ª taça da competição e, de quebra, conquistar o tricampeonato consecutivo do torneio, o que não acontece desde a década de 1970, quando o Bayern de Munique levou as edições das temporadas 1973/74, 1974/75 e 1975/76. Por outro lado, o Liverpool busca o seu sexto caneco da “orelhuda”. Empatado com Barcelona e com o próprio Bayern de Munique, os Reds são os terceiros maiores vencedores da competição, atrás do Real Madrid, com 12, e Milan, com sete títulos. A última Champions da equipe inglesa foi conquistada na edição 2004/2005, quando levou a melhor contra o Milan na heroica decisão em que, após ter sofrido 3 a 0 no primeiro tempo, o Liverpool buscou o empate e ganhou o título por 3 a 2 nos pênaltis.

Certamente, os dois times farão um jogaço. E o duelo tem um confronto que merece atenção: de um lado, Cristiano Ronaldo, do outro Salah, que disputam a corrida pela Chuteira de Ouro, prêmio concedido ao maior goleador dos campeonatos nacionais dos países afiliados da UEFA. Enquanto o egípcio tem 31 gols anotados até agora na Premier League, o gajo português tem 24 tentos. Mas o prêmio, por enquanto, está indo para Lionel Messi que, até o momento, marcou 32 vezes na La Liga.

Por Jorge Almeida

Real Madrid: campeão do Mundial de Clubes da FIFA 2017

Real Madrid comemora mais uma vez o título do Mundial de Clubes da FIFA. Créditos: Reuters

Com o gol de Cristiano Ronaldo, aos 8 minutos do segundo tempo, o Real Madrid ganhou do Grêmio por 1 a 0 na final do Mundial de Clubes da FIFA neste sábado (16) no Zayed Sports City Stadium, Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos, e conquistou pela terceira vez o torneio e se igualou ao Barcelona em número de troféus do torneio: 3. O título da equipe espanhola manteve a hegemonia europeia na competição da FIFA – desde 2012 nenhum sulamericano ganhou o torneio.

A partida começou com o Real Madrid com mais posse de bola e o Grêmio com duas linhas de quatro na marcação. Mas, aos poucos, os Merengues passaram a ditar o ritmo do jogo. Aos 10, Varane avançou do campo de defsa para o ataque, chutou, a bola sobrou para Benzema, que mandou desviado e ficou com o escanteio. Três minutos depois, Casemiro cruzou da esquerda para Varane, que não conseguiu alcançar a bola. Aos 16, Kroos brigou pela bola e a deixou para Cristiano Ronaldo, que chutou rasteiro à direita de Grohe.

A pressão do Real seguiu enquanto o Grêmio se defendia. Aos 19, Modrić passou por Edílson e cruzou para Carvajal pegar de prima e Geromel erguer a perna e evitar o tento do time espanhol. Na sequência do lance, Kroos cobrou escanteio e o zagueiro francês cabeceou fraco para fácil defesa de Grohe. Menos de um minuto depois, Isco lançou Benzema por cima, mas o goleiro gremista estava atento e saiu antes da chegada do camisa 9. Aos 23, Marcelo tocou para Modrić, que fintou Michel, ajeitou para a canhota e chutou rasteiro à esquerda da meta gremista.

E foi apenas aos 27 que o Tricolor gaúcho assustou o adversário. Edílson, em cobrança de falta, soltou a bomba de longe e a redonda saiu por cima do gol defendido por Navas.

Porém, dez minutos depois, os Merengues chegaram com tudo ao ataque. Benzema brigou com a defesa do Grêmio, a bola respingou para CR7, que tentou cortar, mas Kannemann deu um carrinho providencial. No minuto seguinte, o atacante português cobrou falta à sua maneira e a esférica passou por cima de Grohe.

Na etapa complementar, o panorama do jogo não mudou: o Real dominou e o Grêmio respeitando-o. Aos 5, Cristiano Ronaldo dominou no meio, passou por dois e chutou com a esquerda à direita de Marcelo Grohe.

E o português é um predestinado. Mesmo fazendo uma partida apática foi beneficiado aos 8. Em cobrança de falta, o camisa 7 bateu a meia altura, a bola passou no meio da barreira gremista (entre Barrios e Luan) e morreu no canto de Grohe, que não conseguiu alcançar e o placar foi aberto em Abu Dhabi.

Quatro minutos mais tarde, o atual melhor jogador do mundo até marcou o seu segundo gol no jogo, porém, a arbitragem flagrou Benzema, quem foi que lhe deu o passe de cabeça, impedido. Aos 14, Cristiano Ronaldo recebeu de Modrić dentro da área e tentou de calcanhar, mas a esférica desviou em Jaílson e saiu pela linha de fundo. No lance seguinte, foi a vez de Casemiro soltar a bomba e Grohe espalma com um soco na bola.

O camisa 10 do time madrilenho estava impossível. Dono do jogo, Modrić, aos 19, dominou pelo meio, avançou e finalizou com categoria, e Marcelo Grohe deu um leve desvio na bola, que ainda bateu na trave direita.

No minuto seguinte, o melhor lance do time gaúcho no segundo tempo. Cortez foi até a linha de fundo e cruzou rasteiro, mas Navas saiu bem e pegou firme.

Na sequência, o Real Madrid dominou o jogo, valorizou a posse de bola enquanto o Grêmio não conseguia se encontrar em campo. Essa situação perdurou por quinze minutos. Mas, aos 36, Sergio Ramos roubou a bola e foi para o ataque e tocou para Cristiano Ronaldo na entrada da área e o camisa 7 bateu forte para o goleiro gremista fazer um milagre. Um minuto depois, Bale conduziu a bola, entrou na área, passou por Michel e bateu de três dedos para Marcelo Grohe fazer uma defesaça e espalmar para escanteio.

O Grêmio esboçou uma pressão, mas não conseguiu assustar Navas em nenhum momento. E o Real ainda finalizou aos 45 com Modrić, que soltou a bomba por cima do gol de Grohe. Até que, aos 48, o árbitro mexicano decretou o fim da decisão: Real Madrid 1, Grêmio 0. O time merengue conquista pela terceira vez o Mundial de Clubes da FIFA e se iguala ao arquirrival Barcelona.

No primeiro tempo, o Real Madrid sufocou o Grêmio. E, na base da troca de passes e nos chuveirinhos, os comandados de Zinédine Zidane assustaram bastante, mas Geromel e Kannemann tiveram intervenções primordiais e impediram os madridistas saírem com a vantagem. No segundo tempo, a situação praticamente se manteve inalterável: o Real Madrid dominou o jogo e o Grêmio não conseguia trocar passes. Cristiano Ronaldo, que andava sumido no jogo, conseguiu fazer o seu gol através de uma cobrança de falta que não foi bem batida, mas o gajo deu sorte porque a bola passou no meio da barreira e impediu qualquer possibilidade de defesa por parte de Marcelo Grohe. Destaque da equipe gaúcha na vitoriosa campanha da Libertadores, Luan sumiu no jogo, não fez nenhuma jogada, não conseguiu criar e errou passes. O aguerrido time de Renato Gaúcho teve de se contentar em ter saído com a derrota com o placar mínimo.

E um adendo: na disputa do terceiro lugar, o Pachuca goleou o Al-Jazira por 4 a 1.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Semifinal:
13/12/2017 – Al-Jazira (EAU) 1×2 Real Madrid (ESP) – Zayed Sports City Stadium, Abu Dhabi
Final:
16/12/2017 – Real Madrid (ESP) x Grêmio (BRA) – Zayed Sports City Stadium, Abu Dhabi

FICHA TÉCNICA: REAL MADRID (ESP) 1×0 GRÊMIO (BRA)
Competição/fase: Mundial de Clubes da FIFA 2017 – final (jogo único)
Local: Zayed Sports City Stadium, Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos
Data: 16 de dezembro de 2017, sábado – 15h (horário de Brasília)
Árbitro: César Ramos (MÉX)
Assistentes: Marvin Torrentera (MÉX) e Miguel Hernández (MÉX)
Cartões Amarelos: Casemiro (Real Madrid)
Gol: Cristiano Ronaldo, aos 8 min do 2º tempo (1-0)
REAL MADRID (ESP): 1.Navas; 2.Carvajal, 5.Varane, 4.Sérgio Ramos e 12.Marcelo; 14.Casmiro, 8.Kroos e 10.Modrić; 22.Isco (17.Lucas Vazquez), 9.Benzema (11.Bale) e 7.Cristiano Ronaldo. Técnico: Zinédine Zidane
GRÊMIO (BRA): 1.Marcelo Grohe; 2.Edílson, 3.Geromel, 4.Kannemann e 12.Cortez; 25.Jaílson, 5.Michel (8.Maicon), 17.Ramiro (11.Everton) e 21.Fernandinho; 18.Barrios (9.Jael) e 7.Luan. Técnico: Renato Portaluppi

Parabéns ao Real Madrid Club de Fútbol pelo título.

Por Jorge Almeida

UEFA define os confrontos das oitavas da Champions 2017/2018

UEFA realizou o sorteio das oitavas-de-final da Champions League nesta segunda-feira (11) em sua sede. Créditos: Getty Images

A UEFA (União das Federações Europeias de Futebol) realizou nesta segunda-feira (11), em Nyon, na Suíça, o sorteio dos confrontos das oitavas-de-final da UEFA Champions League 2017/2018. As partidas de ida serão realizadas nos dias 13, 14, 20 e 21 de fevereiro, enquanto os compromissos de volta serão disputados nos dias 6, 7, 13 e 14 de março.

Dos oito duelos, destaques para dois: PSG x Real Madrid e Chelsea x Barcelona. Os soberanos espanhóis não terão vida fácil diante dos endinheirados franceses e ingleses. Chama atenção também ao confronto entre Juventus e Tottenham, um embate inédito entre italianos e ingleses.

Enquanto isso, na teoria, Manchester City e Bayern de Munique deram “sorte”. Os Citizens encaram os suíços do Basel e a equipe da Baviera enfrenta o dono da melhor campanha da fase de grupos, o surpreendente Beşiktaş.

Além dessas partidas, há outros três duelos interessantes: os dois últimos campeões da Liga Europa – Sevilla x Manchester United, Porto x Liverpool e Shakhtar Donetsk x Roma.

Apesar de ter mais tradição do que o Chelsea, o Barcelona leva desvantagem nos confrontos contra os Blues que, inclusive, levaram a melhor no confronto mais recente entre as equipes: vitória inglesa no agregado por 3 a 2 nas semifinais da edição de 2011/2012, com direito a Messi desperdiçando pênalti no segundo jogo.

Já o embate entre Paris Saint-Germain e Real Madrid terá um significado especial para o argentino Ángel Di Maria, que defendeu os Merengues por quatro temporadas e ainda foi o cara da final da edição 2014, quando o Real conquistou a tão sonhada “La Décima”.

Desde que o atual formato da competição foi introduzido, os vencedores dos grupos, ou seja, as equipes que farão a segunda partida das oitavas-de-final em casa, progrediram em 72,3% das oportunidades.

De acordo com o sorteio, o Juventus fará o primeiro duelo contra o Tottenham em Turim no dia 13 de fevereiro de 2018 e decidirá a sorte quase um mês depois no Estádio de Wembley, em Londres. Enquanto isso, o Basel receberá o Manchester City no St. Jakob-Park, na Basileia, no mesmo dia em relação ao confronto entre Juve e os Spurs. E irá até Etihad Stadium, em Manchester, buscar a classificação em 7 de março. Enquanto isso, o Porto contará com o apoio de sua fanática torcida para o primeiro embate diante do Liverpool no Estádio do Dragão em 14 de fevereiro, para buscar a vaga para as quartas-de-final em 6 de março no Anfield Road, na terra dos Beatles. E no mesmo 14 de fevereiro, um dos confrontos mais aguardados dessa fase: maior campeão do torneio, o Real Madrid medirá forças diante do milionário Paris Saint-Germain que, por sua vez, terá a missão de seguir adiante na competição no jogo de volta, no Parc des Princes, na capital francesa, no dia 6 de março.

Na semana seguinte à abertura das oitavas-de-final, no dia 20 de fevereiro, dois jogos: o Chelsea atuará em casa, no Stamford Bridge, contra o Barcelona. E, no Allianz Arena, o Bayern de Munique pegará o Beşiktaş. Enquanto isso, catalães e turcos receberão no Camp Nou e na Arena Vodafone, respectivamente, os seus adversários na última data das oitavas-de-final: 14 de março de 2018. O embate entre Sevilla e Manchester United acontecerá inicialmente no dia 21 de fevereiro do ano que vem no Ramón Sánchez Pizjuán, em Sevilha. No mesmo momento, no Estádio Metalist, na Carcóvia, o Shakhtar Donetsk encarará a Roma. Posteriormente, em 13 de março, o Sevilla e o Shakhtar irão a dois templos do futebol europeu tentar êxito no torneio europeu: o Old Trafford, em Manchester, e o Estádio Olímpico, na capital da Bota.

Quem passar para as quartas-de-final, aguardará o sorteio dos confrontos dessa fase no dia 16 de março de 2018 na sede da UEFA. Os jogos serão disputados nos dias 3 e 4 de abril (duelos de ida) e 10 e 11 de abril de 2018 – jogos de volta. Dois dias depois da última data das quartas-de-final, no dia 13 de abril, será realizado um novo sorteio para a disputa das semifinais, que acontecerão nos dias 24 e 25 de abril (as partidas de ida) e em 1º e 2 de maio de 2018 (os jogos de volta).

A decisão da UEFA Champions League 2017/2018 está marcada para o dia 26 de maio de 2018 no Estádio Olímpico de Kiev, na Ucrânia.

A seguir, as datas e os confrontos das oitavas-de-final da competição.

Data – Jogo – Local:
Jogos de ida:
13/02/2018 – Juventus (ITA) x Tottenham (ING) – Juventus Stadium, Turim
13/02/2018 – Basel (SUÍ) x Manchester City (ING) – St. Jakob-Park, Basileia
14/02/2018 – Porto (POR) x Liverpool (ING) – Estádio do Dragão, Porto
14/02/2018 – Real Madrid (ESP) x Paris Saint-Germain (FRA) – Santiago Bernabéu, Madri
20/02/2018 – Chelsea (ING) x Barcelona (ESP) – Stamford Bridge, Londres
20/02/2018 – Bayern de Munique (ALE) x Beşiktaş (TUR) – Allianz Arena, Munique
21/02/2018 – Sevilla (ESP) x Manchester United (ING) – Estádio Ramón Sánchez Pizjuán, Sevilha
21/02/2018 – Shakhtar Donetsk (UCR) x Roma (ITA) – Estádio Metalist, Carcóvia
Jogos de volta:
06/03/2018 – Paris Saint-Germain (FRA) x Real Madrid (ESP) – Parc des Princes, Paris
06/03/2018 – Liverpool (ING) x Porto (POR) – Anfield Road, Liverpool
07/03/2018 – Tottenham (ING) x Juventus (ITA) – Estádio de Wembley, Londres
07/03/2018 – Manchester City (ING) x Basel (SUÍ) – Etihad Stadium, Manchester
13/03/2018 – Manchester United (ING) x Sevilla (ESP) – Old Trafford, Manchester
13/03/2018 – Roma (ITA) x Shakhtar Donetsk (UCR) – Estádio Olímpico, Roma
14/03/2018 – Barcelona (ESP) x Chelsea (ING) – Camp Nou, Barcelona
14/03/2018 – Beşiktaş (TUR) x Bayern de Munique (ALE) – Arena Vodafone, Istambul

Boa sorte aos participantes.

Por Jorge Almeida

Fim da fase de grupos da UEFA Champions League 2017/2018

Apenas 16 equipes seguem na luta na maior competição interclubes do mundo

Com a realização da última rodada dos grupos E, F, G e H disputada nesta quarta-feira (6), chegou ao fim a fase de grupos da UEFA Champions League 2017/2018. Na terça-feira, foram realizados oito partidas que ajudaram a definir os representantes dos grupos A, B, C e D. Conforme prevê o regulamento, os duelos das oitavas-de-final serão determinados através de sorteio que acontecerá na próxima segunda-feira (11) na sede da UEFA, em Nyon, na Suíça. Os terceiros colocados de cada grupo irão disputar a segunda fase da UEFA Europa League da atual temporada.

No grupo A, o Manchester United consolidou o favoritismo e terminou na liderança com 15 pontos. Os Reds Devils derrotaram os russos do CSKA por 2 a 1 nesta terça-feira (5). No outro jogo do grupo, o Benfica, mais uma vez, perdeu. Dessa vez o revés foi para o Basel no Estádio da Luz por 2 a 0. Com isso, os Encarnados terminaram com a pior campanha da fase de grupos, com nenhum ponto em seis partidas disputadas. O Basel seguirá junto com o United na competição. Enquanto isso, o CSKA vai para a Liga Europa.

Pelo grupo B, o PSG perdeu os 100% de aproveitamento ao ser derrotado no Allianz Arena, em Munique, para o Bayern por 3 a 1 na terça-feira (5). O resultado deixou as duas equipes na liderança do grupo, com 15 pontos cada, mas com o time francês no primeiro lugar devido ao maior saldo de gols. Enquanto isso, o Celtic foi surpreendido em casa pelo Anderlecht ao ser superado pelo placar de 1 a 0. A equipe belga fez os seus primeiros três pontos no torneio. Contudo, embora o clube escocês tenha os mesmos três pontos, ele terminou em terceiro lugar no grupo B e tentará a sorte na segunda competição de clubes mais importante do Velho Continente.

O equilibrado grupo C foi encerrado também na terça-feira (5). Com 11 pontos, Roma e Chelsea estarão nas oitavas-de-final da UEFA Champions League. Os Blues empataram em 1 a 1 com o Atlético de Madrid no Stamford Bridge. Já a Roma derrotou o já eliminado Qarabağ, do Azerbaijão, por 1 a 0. A vitória romanista foi o suficiente para os giallorosso ficarem no primeiro lugar do grupo. Os Colchoneros voltarão a disputar a Liga Europa.

O Barcelona, apesar de não ter os 100% de aproveitamento, manteve a invencibilidade e confirmou o seu favoritismo ao derrotar o Sporting no Camp Nou por 2 a 0 e confirmar o primeiro lugar do grupo D, com 14 pontos. O segundo lugar ficou com a Juventus, que foi até a Grécia para derrotar o Olympiacos por 2 a 0 e a Vecchia Signora foi aos 11 pontos. Com 7 pontos, o Sporting, terceiro colocado, disputará a outra competição europeia.

Hoje, foi a vez do grupo E ter a sua situação definida. Assim como o Barça, o também pentacampeão da Europa Liverpool, mantém a invencibilidade no torneio e, com 12 pontos, foi o campeão do grupo. Na última rodada, o time inglês não teve dó e mandou impiedosos 7 a 0 para cima do Spartak Moscou no Anfield Road. Apesar da goleada, o time russo ficou em terceiro lugar, com 6 pontos, e vai para a Liga Europa. O outro representante do grupo E na Champions será o Sevilla, que empatou em 1 a 1 com o já eliminado Maribor, no Stadion Ljudski vrt, na Eslovênia, e chegou aos nove pontos.

Com campanha semelhante ao seu arquirrival, com cinco vitórias e uma derrota, o Manchester City foi derrotado pelo Shakhtar Donetsk por 2 a 1 nesta quarta-feira (6), mas, apesar da derrota, a equipe de Pep Guardiola ficou com o primeiro lugar do grupo F com 15 pontos, seguido justamente pelo time ucraniano, que foi aos 12 pontos. Na outra partida do grupo, o Feyenoord levou a melhor diante do Napoli em casa por 2 a 1, porém, os italianos, com 6 pontos, ficaram em terceiro.

No grupo G, o surpreendente Beşiktaş, da Turquia, ficou com o primeiro lugar com 14 pontos e também mantém a invencibilidade. A equipe turca foi até a Red Bull Arena, em Leipzig, para vencer o RB Leipzig por 2 a 1. O resultado favoreceu o Porto, que deu um chocolate de 5 a 2 no Monaco, no Estádio do Dragão e foi a dez pontos. Dependendo de uma possível combinação de resultados, os dragões poderiam ter ficado em terceiro, mas o time português fez a sua parte e só dependeu de si para avançar.

E, pelo grupo H, o Tottenham fez mais uma vítima em Wembley. Os Spurs golearam o APOEL por 3 a 0 e foi aos 16 pontos e, até aqui, é o dono da melhor campanha do certame (cinco vitórias e um empate). E o Real Madrid, cotado como o grande favorito para ser o campeão do grupo, ficou com o segundo lugar, com 13 pontos. Mas os Merengues não tiveram a sua classificação ameaçada porque o Borussia Dortmund só fez míseros dois pontos em seis partidas. Aliás, o confronto entre os dois, disputado nesta quarta-feira, no Santiago Bernabéu, em Madri, terminou com a vitória do Real por 3 a 2. E, apesar da pontuação baixa, o Borussia vai para a Liga Europa por ter um saldo melhor (ou menos pior?) que o APOEL.

O sorteio para os confrontos das oitavas-de-final é bem simples. Para essa fase, não poderá ter confrontos de clubes do mesmo país e nem do mesmo grupo, o que limita bastante as possibilidades de confrontos. O Real Madrid, por exemplo, que ficou em segundo no grupo H, só não poderá pegar o Barcelona (por ser do mesmo país) e nem o Tottenham (do mesmo grupo). Já as chances de confrontos do Chelsea, vice-campeão do grupo C, são mais limitadas: os Blues necessariamente enfrentarão o Paris Saint-Germain, o Beşiktaş ou o Barcelona, uma vez que a Roma foi do mesmo grupo e os outros times, assim como o Chelsea, são ingleses.

Portanto, para o pote 1 estão garantidos os nomes de Manchester United, Paris Saint-Germain, Roma, Barcelona, Liverpool, Manchester City, Beşiktaş e Tottenham. E o pote terá os segundo colocados de cada grupo: Basel, Bayern de Munique, Chelsea, Juventus, Sevilla, Shakhtar Donetsk, Porto e Real Madrid.

E se classificaram para a UEFA Europa League: CSKA Moscou, Celtic, Atlético de Madrid, Sporting, Spartak Moscou, RB Leipzig, Napoli e Borussia Dortmund.

Aliás, a Inglaterra é o país que tem mais representantes a partir de agora na UEFA Champions League: 5 (Manchester United, Manchester City, Liverpool, Tottenham e Chelsea); a Espanha tem três (Barcelona, Real Madrid e Sevilla); a Itália tem dois (Roma e Juventus); e com um representante estão Portugal (Porto), Ucrânia (Shakhtar Donetsk), Turquia (Beşiktaş), França (Paris Saint-Germain), Alemanha (Bayern de Munique) e Suíça (Basel).

A seguir, os resultados da última rodada e a classificação final da fase de grupos.

Data – Jogo – Local:
05/12/2017 – Manchester United (ING) 2×1 CSKA Moscou (RÚS) – Old Trafford, Manchester
05/12/2017 – Benfica (POR) 0x2 Basel (SUÍ) – Estádio da Luz, Lisboa
05/12/2017 – Bayern de Munique (ALE) 3×1 Paris Saint-Germain (FRA) – Allianz Arena, Munique
05/12/2017 – Celtic (ESC) 0x1 Anderlecht (BÉL) – Celtic Park, Glasgow
05/12/2017 – Chelsea (ING) 1×1 Atlético de Madrid (ESP) – Stamford Bridge, Londres
05/12/2017 – Roma (ITÁ) 1×0 Qarabağ (AZE) – Estádio Olímpico, Roma
05/12/2017 – Barcelona (ESP) 2×0 Sporting (POR) – Camp Nou, Barcelona
05/12/2017 – Olympiacos (GRÉ) 0x2 Juventus (ITÁ) – Estádio Karaiskákis, Pireu
06/12/2017 – Maribor (ESL) 1×1 Sevilla (ESP) – Stadion Ljudski vrt, Maribor
06/12/2017 – Liverpool (ING) 7×0 Spartak Moscou (RÚS) – Anfield Road, Liverpool
06/12/2017 – Feyenoord (HOL) 2×1 Napoli (ITÁ) – Estádio De Kuip, Roterdã
06/12/2017 – Shakhtar Donetsk (UCR) 2×1 Manchester City (ING) – Estádio Metalist, Carcóvia
06/12/2017 – RB Leipzig (ALE) 1×2 Beşiktaş (TUR) – Red Bull Arena, Leipzig
06/12/2017 – Porto (POR) 5×2 Monaco (FRA) – Estádio do Dragão, Porto
06/12/2017 – Real Madrid (ESP) 3×2 Borussia Dortmund (ALE) – Estádio Santiago Bernabéu, Madri
06/12/2017 – Tottenham (ING) 3×0 APOEL (CHI) – Estádio de Wembley, Londres

Classificação:
Grupo A:
1. Manchester United (ING) – 15 pontos
2. Basel (SUÍ) – 12
3. CSKA Moscou – 9
4. Benfica (POR) – 0

Grupo B:
1. Paris Saint-Germain (FRA) – 15 pontos
2. Bayern de Munique (ALE) – 15
3. Celtic (ESC) – 3
4. Anderlecht (BÉL) – 3

Grupo C:
1. Roma (ITÁ) – 11 pontos
2. Chelsea (ING) – 11
3. Atlético de Madrid (ESP) – 7
4. Qarabağ (AZE) – 2

Grupo D:
1. Barcelona (ESP) – 14 pontos
2. Juventus (ITÁ) – 11
3. Sporting (POR) – 7
4. Olympiakos – 1

Grupo E:
1. Liverpool (ING) – 12 pontos
2. Sevilla (ESP) – 9
3. Spartak Moscou (RÚS) – 6
4. Maribor (ESL) – 3

Grupo F:
1. Manchester City (ING) – 15 pontos
2. Shakhtar Donetsk (UCR) – 12
3. Napoli (ITÁ) – 6
4. Feyenoord (HOL) – 3

Grupo G:
1. Beşiktaş (TUR) – 14 pontos
2. Porto (POR) – 10
3. RB Leipzig (ALE) – 7
4. Monaco (FRA) – 2

Grupo H:
1. Tottenham (ING) – 16 pontos
2. Real Madrid (ESP) – 13
3. Borussia Dortmund (ALE) – 2
4. APOEL (CHI) – 2

Parabéns a todos os classificados.

Por Jorge Almeida

Real Madrid: campeão da Supercopa da Espanha 2017

Jogadores do Real Madrid comemoram a Supercopa da Espanha 2017. Créditos: Juan Medina/Reuters

O Real Madrid derrotou novamente o Barcelona na segunda e decisiva partida da Supercopa da Espanha 2018 por 2 a 0 no Estádio Santiago Bérnabeu, em Madri, nesta quarta-feira (16). Com os gols de Asensio e Benzema, os Merengues fizeram 5 a 1 no placar agregado e faturou pela décima vez o torneio, sendo a sexta em cima do Barça.

Mesmo sem o seu principal jogador, o Real Madrid não tomou conhecimento do Barcelona e, praticamente esqueceu a larga vantagem adquirida no jogo de ida da Supercopa da Espanha, e partiu para cima. A um minuto de jogo, Asensio avançou pela esquerda, cruzou para o  meio da área para Modrić, da meia-lua, arrematou de primeira, mas a bola bateu em Umtiti e impediu o primeiro gol do jogo. Aliás, a bola na rede não demorou muito depois desse lance. Aos 3, Asensio recebeu na intermediária e, com a canhota, soltou a bomba por cobertura e Ter Stegen só observou a redonda balançar as redes. Um a zero para o Real.

O tento veio como um baque para o Barça, que até tentou assimilar o golpe e tentou, aos 11, com Suárez, que recebeu lançamento de Mascherano, e pegou de primeira e mandou para fora. Aos 15, foi a vez de Messi tentar. O argentino recebeu em velocidade pela direita, tentou driblas Navas, porém, o arqueiro costarriquenho ficou com a bola. Os Merengues responderam quatro minutos mais tarde. Marcelo partiu pela esquerda, entrou na área e cruzou rasteiro, mas Benzema não alcançou a redonda. Aos 24, a equipe madridista atacou novamente com Asensio, que recebeu cruzamento pelo meio de Benzema, o camisa 20 dominou e chutou, mas a bola foi desviada para fora.

Os comandados de Zinédine Zidane mantiveram o pique e, aos 32, acertaram a trave. Benzema tocou para Lucas Vázquez na meia-lua, ele dominou e arriscou com a esquerda, e a bola acertou a trave de Ter Stegen. E, com tamanha superioridade em campo, não demorou muito para vir o segundo gol. Aos 38, Busquets vacilou e perdeu a bola, Marcelo cruzou na área, Benzema se antecipou a Umtiti, ajeitou e bateu com a esquerda: 2 a 0. Na sequência, Lucas Vázquez chutou cruzado e rasteiro, mas Ter Stegen fez a defesa.

E, com muito espaço para jogar, o Real Madrid chegava fácil ao ataque. Aos 43, Benzema recebeu na intermediária, puxou para a perna esquerda e chutou da entrada da área, mas mandou para fora.

No segundo tempo, o Barça saiu mais para o jogo e se esforçou para amenizar o prejuízo. Primeiro com Suárez que, aos dois minutos, recebeu pela direita, cruzou rasteiro para Navas ficar com a esférica. Quatro minutos depois, foi a vez de Messi. O camisa 10 recebeu em velocidade pela esquerda e finalizou, contudo, a bola explodiu no travessão de Navas. Na sequência, Benzema tabelou com Asensio pela esquerda, entrou na área, bateu cruzado para Ter Stegen fazer a defesa.

À medida que a etapa complementar rolava, os ânimos ficavam mais acirrados, como aos 17, quando Messi pediu a bola para Sergio Ramos para cobrar uma falta e o zagueiro a jogou para o alto, o que motivou o argentino a soltar uns palavrões ao adversário.

Aos 20, Messi cobrou falta pela direita, Navas errou na saída, no entanto, Suárez errou a cabeçada na segunda trave e mandou para fora.  Cinco minutos depois, Suárez fez grande jogada, acionou Sergi Roberto dentro da área, que deu um leve toque, Navas salvou, no rebote, Messi chutou, o goleiro defendeu novamente e Suárez tentou de ‘peixinho’ para acertar a bola na trave. Incrível. Quando a fase não é boa, não tem jeito. Aos 28, Deulofeu girou pela esquerda, passou para Messi, que limpou para a perna direita, mas mandou para fora. Oito minutos mais tarde, o camisa 16 azul-grená tentou novamente, mas o arremate saiu mascado.

Depois disso, os Merengues só administraram o resultado enquanto a sua torcida entoava pelo Santiago Bérnabeu o grito de campeão. O que veio quando o árbitro decretou aos 48 minutos o fim de jogo. Vitória do Real Madrid por 2 a 0 e, consequentemente, fazendo 5 a 1 no placar agregado.

O segundo jogo da decisão da Supercopa da Espanha começou praticamente com o Real Madrid com 75% com a taça. Isso porque o time merengue havia levado a melhor no primeiro jogo em pleno Camp Nou ao faturar o rival por 3 a 1. E, mesmo desfalcado de Cristiano Ronaldo, Bale, Isco e Casemiro (esse último entrou durante o jogo), a equipe de Zidane não tomou conhecimento do adversário e, com ritmo impressionante, se impôs diante dos catalães, envolveu o adversário, fez o primeiro gol logo de cara, o que o deixou em uma situação ainda mais confortável. Enquanto o Barça, por incrível que pareça, não fez uma finalização certa em direção à meta de Navas e, além disso, depois de muitos anos, pela primeira vez, ficou com menos posse de bola em relação ao rival. Diante desses dois duelos contra o Real, o torcedor blaugrana começará a temporada 2017/2018 com uma incógnita de como sua equipe irá se comportar ao longo desse período. Certamente que reforços virão (Paulinho, ex-Corinthians, já é um deles), especialmente com o montante do dinheiro que recebeu com a venda de Neymar ao PSG. Logo, o Barça passará por um processo de renovação de parte de seu elenco e, além disso, o trabalho de Valverde ainda está no começo, assim, a tendência é não conseguir superar o arquirrival na temporada. Enquanto isso, o Real Madrid já tem um time ajustado e elenco forte. Sem contar que a preparação foi muito bem feita. Não foi à toa que os Merengues já conquistaram, com esse título de hoje, duas conquistas no começo da temporada.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da decisão.

1º jogo:
13/08/2017 – Barcelona 1×3 Real Madrid – Camp Nou, Barcelona
2º jogo:
16/08/2017 – Real Madrid 2×0 Barcelona – Santiago Bernabéu, Madri

FICHA TÉCNICA: REAL MADRID 2×0 BARCELONA
Competição/fase:
Supercopa da Espanha 2017 – final (2º jogo)
Local: Estádio Santiago Bernabéu, Madri, Espanha
Data: 16 de agosto de 2017, quarta-feira – 18h (horário de Brasília)
Árbitro: José María Sánchez Martínez (Espanha)
Assistentes: Raúl Cabañero Martínez e José Gallego García
Cartões Amarelos: Mascherano e Suárez (Barcelona)
Gols: Asensio, aos 4 min (1-0), e Benzema, aos 39 min do 2º tempo (2-0)
REAL MADRID: 1.Navas; 2.Carvajal, 4.Sergio Ramos, 5.Varane e 12.Marcelo; 10.Modrić, 23.Kovačić (14.Casemiro),  8.Kroos (24.Caballos) e 17.Lucas Vázquez; 20.Asensio (15.Théo Hernández) e 9.Benzema. Técnico: Zinédine Zidane
BARCELONA: 1.Ter Stegen; 14.Mascherano, 3.Piqué (2.Nélson Semedo) e 23.Umtiti; 4.Rakitić, 5.Busquets, 21.André Gomes (16.Deulofeu), 20.Sergi Roberto e 18.Jordi Alba (19.Digne); 10.Messi e 9.Suárez. Técnico: Ernesto Valverde

Parabéns ao Real Madrid Club de Fútbol pelo título.

Por Jorge Almeida