Cruzeiro: campeão da Copa do Brasil 2017

Jogadores do Cruzeiro comemoram o pentacampeonato da Copa do Brasil. Foto: Douglas Magno

O Cruzeiro é o primeiro representante brasileiro na Copa Libertadores da América em 2018. Isso porque na noite desta quarta-feira (27), a Raposa conquistou o título da Copa do Brasil no Mineirão nos pênaltis contra o Flamengo após empate em 0 a 0 no tempo normal. Nas penalidades, o flamenguista Diego parou em Fábio. O Cruzeiro tornou-se juntamente com o Grêmio os maiores detentores de títulos do torneio: cinco para cada.

Antes de a bola rolar, um clima de muita festa no Mineirão, com direito a queima de fogos e a presença de jogadores que fizeram história nos dois clubes, como o ex-goleiro Raul Plassmann, que completou 73 anos e foi homenageado pelos dois times – e com direito a bolo. E as presenças de Júnior e Sorín exibindo a taça pelo gramado do estádio.

A decisão começou com o Flamengo tendo a iniciativa. Contudo, logo aos três minutos, o Cruzeiro precisou fazer a primeira alteração. Raniel, com lesão muscular nas duas pernas, precisou ser substituído e, em seu lugar, entrou Arrascaeta. O rubronegro criou a primeira ocasião de gol. Aos seis, Guerrero cobrou falta visando o ângulo de Fábio, que pulou, porém, a bola acertou o travessão e saiu.

Enquanto o Flamengo manteve a posse, o Cruzeiro visava os contragolpes. E, em uma dessas investidas, o time celeste levou perigo aos 13 minutos. Após rebatida de Arão, a redonda foi alçada na área rubronegra e, depois da disputa pelo alto, Arrascaeta ficou com a sobra e tentou emendar de primeira, mas não pegou em cheio e o chute saiu torto pela linha de fundo. No lance seguinte, Arrascaeta ganhou de Pará pela esquerda e passou para Thiago Neves dentro da área, mas o camisa 30 chutou forte e cruzado por cima da meta de Alex Muralha.

Depois de sofrer dois sustos seguidos, o Fla voltou a trocar passes, enquanto os mineiros ficaram atrás da linha da bola. No entanto,  os comandados de Mano Menezes, bem compactados, conseguiram avançar um pouco mais e também valorizaram a troca de passes, contudo, encontraram dificuldades na criação.

Aos 25, Thiago Neves cobrou falta, Juan subiu mais que Muralha, que não achou nada, e mandou de cabeça para escanteio, quase um gol contra. Dois minutos depois, Arão errou no meio-campo, Robinho partiu para o ataque, acionou Arrascaeta pela direita da área, o camisa dez tentou tirar do arqueiro rubronegro e mandou à direita do poste.

O jogo seguiu equilibrado. Mas, aos 35, a Raposa roubou a bola e, após troca de passes, Hudson tocou para o meio da área, Arrascaeta não conseguiu amortecer a esférica e deixou escapar para as mãos de Muralha. O Flamengo respondeu na sequência. Diego partiu pela esquerda e rolou para a entrada da área, Guerrero não alcançou, mas a bola ficou para Berrío, que arriscou um chute rasteiro e mandou para fora.

Ao contrário da etapa inicial, o Cruzeiro começou melhor o  tempo complementar e criou a primeira chance aos seis minutos. Thiago Neves cruzou no primeiro pau, Henrique desviou de cabeça, mas não assustou Muralha. A partida seguiu equilibrada, mais truncada, na verdade. O Flamengou levou perigo apenas aos 19 minutos. Berrío deixou para Guerrero, o peruano foi desarmado por Murilo e, na sequência, Diego arriscou de fora da área para defesa de Fábio.

O Mengão cresceu no jogo, porém, o Cruzeiro conseguiu neutralizar bem as investidas rubronegras. Aos 29, Diego deixou para Guerrero, porém, o camisa 9 arriscou de fora da área e a bola subiu demais.

O time da casa levou perigo aos 32. Diego Barbosa cruzou da esquerda, Muralha deu um tapa fraco na redonda e, para alívio do goleiro, a bola bateu no rosta de Arrascaeta e foi pela linha de fundo. Seis minutos mais tarde, Arrascaeta cobrou falta em direção ao gol e a esférica saiu por cima da meta flamenguista.

E, quando à decisão estava em direção às penalidades, aos 42, Guerrero recebeu lançamento, dominou, passou por Léo e encheu o pé para o gol para ótima defesa de Fábio, que salvou a pátria celeste. O Cruzeiro ainda teve uma chance aos 45. Hudson lançou Élber, todavia, o camisa 23 não foi feliz na finalização e apenas amorteceu de cabeça para o arqueiro rubronegro. E, dessa forma, assim como em 2015, a Copa do Brasil foi para a disputa de pênaltis.

Nas cobranças de pênalti, todos os jogadores cruzeirenses (Henrique, Léo, Hudson, Diogo Barbosa e Thiago Neves) converteram suas cobranças. Pelos lados do Flamengo, apenas Diego teve a sua cobrança não convertida – Fábio defendeu, enquanto Guerrero, Juan e Trauco balançaram as redes. Porém, os flamenguistas reclamaram de um possível dois toques que Thiago Neves deu na cobrança derradeira, mas a arbitragem ignorou a queixa.

Apesar de o jogo ter sido no Mineirão, o Flamengo sentiu-se no Maracanã nos minutos iniciais e dominou as ações nos 15 primeiros minutos da decisão com direito a uma bola no travessão. Do lado cruzeirense, o técnico Mano Menezes precisou queimar a sua primeira alteração logo aos três minutos em virtude de um estiramento que tirou Raniel da decisão. A jovem promessa da Raposa foi substituída por Arrascaeta e, com isso, o esquema 4-3-2-1 foi trocado pelo tradicional 4-4-2 que variou para 4-3-3. Mas o Cruzeiro equilibrou o jogo e criou oportunidades, sendo algumas oriundas de erros na saída dos flamenguistas ou bolas roubadas pelos anfitriões. No segundo tempo, a Raposa melhorou ligeiramente, mas Mano Menezes voltou do intervalo promovendo uma segunda alteração por motivo de contusão – Rafinha no lugar de Robinho. No entanto, tecnicamente, a final ficou truncada e a bola quase não rolou. E, de forma justa, o título ficou definido nos tiros penais, melhor para o Cruzeiro que, assim como o Grêmio, conquistou a sua quinta taça da Copa do Brasil. Coincidentemente, a partir da quarta fase até a final do certame, o Cruzeiro passou por adversários que perderam decisões da Copa do Brasil para o time mineiro: São Paulo (2000), Palmeiras (1996), Grêmio (1993) e Flamengo (2003).

Primeira Fase:
15/02/2017 – Volta Redonda (RJ) 1×2 Cruzeiro (MG) – Estádio da Cidadania, Volta Redonda (RJ)
Segunda Fase:
22/02/2017 – Cruzeiro (MG) 6×0 São Francisco (PA) – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Terceira Fase:
08/03/2017 – Murici (AL) 0x2 Cruzeiro (MG) – Estádio José Gomes da Costa, Murici (AL)
15/03/2017 – Cruzeiro (MG) 2×0 Murici (AL) – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Quarta Fase:
13/04/2017 – São Paulo (SP) 0x2 Cruzeiro (MG) – Morumbi, São Paulo (SP)
19/04/2017 – Cruzeiro (MG) 1×2 São Paulo (SP) – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Oitavas-de-final:
03/05/2017 – Cruzeiro (MG) 1×0 Chapecoense (SC) – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
1º/06/2017 – Chapecoense (SC) 0x0 Cruzeiro (MG) – Arena Condá, Chapecó (SC)
Quartas-de-final:
28/06/2017 – Palmeiras (SP) 3×3 Cruzeiro (MG) – Allianz Parque, São Paulo (SP)
26/07/2017 – Cruzeiro (MG) 1×1 Palmeiras (SP) – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Semifinais:
16/08/2017 – Grêmio (RS) 1×0 Cruzeiro (MG) – Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
23/08/2017 – Cruzeiro (3)1×0(2) Grêmio – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Final:
07/09/2017 – Flamengo (RJ) 1×1 Cruzeiro (MG) – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
27/09/2017 – Cruzeiro (MG) (5)0x0(3) Flamengo (RJ) – Mineirão, Belo Horizonte (MG)

FICHA TÉCNICA: CRUZEIRO (MG) (5)0x0(3) FLAMENGO (RJ)
Competição/fase: Copa do Brasil 2017 – final (2º jogo)
Local: Estádio Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Data: 27 de setembro de 2017 – 21h45 (horário de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Danilo Ricardo Simon Manis (SP)
Cartões Amarelos: Ezequiel, Hudson (Cruzeiro); Pará e Guerrero (Flamengo)
Pênaltis convertidos: Henrique, Léo, Hudson, Diogo Barbosa e Thiago Neves (Cruzeiro); Guerrero, Juan e Trauco (Flamengo)
Pênalti desperdiçado: Diego (Flamengo)
CRUZEIRO (MG): 1.Fábio; 2.Ezequiel, 3.Léo, 35.Murilo e 6.Diogo Barbosa; 8.Henrique, 25.Hudson, 19.Robinho (70.Rafinha), 11.Alisson e 30.Thiago Neves; 36.Raniel (10.Arrascaeta). Técnico: Mano Menezes
FLAMENGO (RJ): 38.Alex Muralha; 21.Pará, 15.Réver, 4.Juan e 13.Trauco; 5.Willian Arão, 26.Cuéllar e 35.Diego; 28.Berrío (2.Rodinei), 22.Everton (39.Lucas Paquetá) e 9.Paolo Guerrero. Técnico: Reinaldo Rueda

Parabéns ao Cruzeiro Esporte Clube pelo título.

Por Jorge Almeida

Anúncios

Flamengo e Cruzeiro decidirão a Copa do Brasil 2017

Flamengo e Cruzeiro farão a final da Copa do Brasil 2017. Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Com a realização do segundo jogo das duas semifinais da Copa do Brasil 2017 disputado nesta quarta-feira (24), Flamengo e Cruzeiro decidirão o certame em duas partidas. O rubronegro derrotou o Botafogo no Maracanã por 1 a 0. Pelo mesmo placar, o Cruzeiro superou o Grêmio no Mineirão e, no caso, levou à disputa para os pênaltis, que terminou com vitória do time celeste por 3 a 2.

No clássico realizado no Maracanã, o Flamengo, que atuou como mandante e teve o apoio de sua torcida, levou a melhor contra o Botafogo ao vencer o rival por 1 a 0, gol de Diego, aos 25 minutos do segundo tempo. E, devido à soma do placar agregado, o Mengão avançou porque havia empatado em 0 a 0 no primeiro jogo, disputado no Nilton Santos na semana anterior (16).

Na outra semifinal, o Cruzeiro devolveu o resultado do primeiro jogo e derrotou o Grêmio por 1 a 0, no Mineirão. O gol da partida foi marcado por Hudson, de cabeça, aos sete minutos da etapa complementar. O placar levou a disputa para os pênaltis.  Nas cobranças, Fernandinho e Rafael Sóbis converteram. Na sequência, Edílson acertou a trave e Robinho parou em Marcelo Grohe. Em seguida, Everton mandou no travessão e o goleiro do Tricolor dos Pampas defendeu a batida de Murilo. Artur e Raniel não desperdiçaram e mantiveram o empate em 2 a 2. Mas, na quinta e decisiva, Fábio defendeu a cobrança de Luan e Thiago Neves marcou o terceiro gol cruzeirense na série e levou a Raposa para a final e, consequentemente, vingando-se da eliminação que a equipe celeste sofrera para o rival na edição do ano passado da mesma competição.

Os finalistas já disputaram uma decisão da Copa do Brasil, em 2003. Naquela ocasião, o Cruzeiro venceu o Flamengo por 3 a 1 no segundo jogo, disputado no Mineirão, depois de um empate em 1 a 1 no compromisso de ida no Maracanã. Naquela temporada, os mineiros conquistaram a chamada Tríplice Coroa – Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro. E esse será o quinto embate entre os dois pela Copa do Brasil. Na história, o rubronegro eliminou os cruzeirenses nas edições de 1995 e 2013, em ambos nas oitavas-de-final, sempre com o gol fora de casa como critério de desempate a favor do clube carioca. Já a Raposa, por sua vez, deu o troco nas edições de 1996 (semifinais) e a já citada final de 2003. No quesito número de títulos, o Cruzeiro leva a melhor: 4 (1993, 1996, 2000 e 2003) a 3 (1990, 2006 e 2013).

As datas da decisão foram definidas para os dias 7 e 27 de setembro, sendo que os mandos de campo serão sorteados nesta quinta-feira (24), às 15h, na sede da CBF, no Rio, e terá a presença dos representantes dos clubes finalistas.

Parabéns a Flamengo e Cruzeiro pela chagada à final, que ambos façam uma ótima decisão e que vença o melhor.

Por Jorge Almeida

Encerrada a quarta fase da Copa do Brasil

Copa do Brasil: cinco equipes passaram da quarta fase para as oitavas-de-final nesta noite. Foto: Rafael Ribeiro/CBF

E não foi a Europa que teve um dia de decisões nesta quarta-feira (19), na terra brasilis também tivemos disputa de vagas com a realização de cinco jogos válidos pela quarta fase da Copa do Brasil 2017. Cinco equipes avançaram para as quartas-de-final da competição e se juntarão aos representantes brasileiros na Libertadores, além de Santa Cruz (campeão da Copa do Nordeste), Paysandu (ganhador da Copa Verde) e Atlético Goianiense (vencedor do Campeonato Brasileiro da Série B), todos em 2016, na próxima fase do torneio nacional. Dois dos cinco duelos, dois foram decididos nos pênaltis.

Campeão da competição em 2008, o Sport Recife foi até Joinville enfrentar o time da casa. Depois de abrir o placar, o Leão da Ilha sofreu a virada do JEC e, como havia vencido o primeiro jogo pelo mesmo placar (2 a 1), o confronto foi para os pênaltis. Nos tiros penais, destaque para o goleiro Magrão, que defendeu duas cobranças e ajudou o rubronegro pernambucano a avançar depois de fazer 4 a 3 na equipe anfitriã.

Assim como o Sport, o Internacional se classificou nos pênaltis. Depois de empatarem em 1 a 1 nas duas partidas disputadas contra o Corinthians, o Colorado levou a melhor nos tiros penais por 4 a 3 e colaborou para mais uma eliminação corinthiana em sua arena. Essa foi a sexta vez que o Timão sucumbiu na Arena Corinthians em torneios eliminatórios, o segundo pela Copa do Brasil.

Em Curitiba, o Paraná Clube empatou em 0 a 0 com o Vitória no Durival de Brito. Como venceu o compromisso de ida, em Salvador, por 2 a 0, a equipe paranista seguiu adiante no certame.

O Fluminense não tomou conhecimento do Goiás e fez 3 a 0 no clube esmeraldino no Maracanã. Os gols da partida, marcados pelos zagueiros Henrique e Nogueira e do atacante Pedro, aconteceram no segundo tempo. E, assim, o Tricolor das Laranjeiras reverteu a desvantagem do primeiro jogo quando perdera, de virada, por 2 a 1 no Serra Dourada, e avançou para as oitavas-de-final.

Mesmo derrotado no Mineirão pelo São Paulo por 2 a 1, o Cruzeiro continua no certame. O Tricolor do Morumbi saiu na frente com Lucas Pratto, enquanto Thiago Neves, em cobrança de falta que contou com o desvio na barreira empatou para a Raposa, e Gilberto, por sua vez, pôs a equipe paulista na frente. Porém, apesar da vitória, a equipe de Rogério Ceni deu adeus à competição por conta do placar agregado (3 a 2), pois se tivesse feito o terceiro gol, empataria no saldo, mas se classificaria por conta do gol fora de casa.

Com os resultados de hoje, Sport, Internacional, Paraná, Fluminense e Cruzeiro se juntarão aos representantes brasileiros na Libertadores – Chapecoense, Palmeiras, Santos, Atlético Mineiro, Atlético Paranaense, Flamengo, Grêmio e Botafogo – e a Santa Cruz, Paysandu e Atlético Goianiense para disputarem as oitavas-de-final da Copa do Brasil.

O sorteio dos confrontos dessa fase será realizado pela Diretoria de Competições da CBF nesta quinta-feira (20), às 12h, na sede da entidade, no Rio de Janeiro. E às 15h serão definidos os mandos de campo dos oito duelos.

Para o sorteio, as dezesseis equipes serão divididas em dois potes. O pote A é formado pelos oito clubes que disputam a Libertadores e que entram direto nas oitavas. Enquanto o pote B é composto pelos classificados da quarta fase da Copa do Brasil e também por Santa Cruz, Paysandu e Atlético Goianiense. Cada equipe do pote A enfrenta um time do pote B.

Dessa forma, a Copa do Brasil poderá ter clássicos locais logo nas oitavas-de-final. Dependendo do que ocorrer no sorteio, a competição poderá ter nessa fase um Grenal, um Atlético Mineiro e Cruzeiro, um Fla-Flu ou Fluminense e Botafogo.

Parabéns aos classificados.

Por Jorge Almeida

CBF sorteou os confrontos da quarta fase da Copa do Brasil

CBF definiu os confrontos da quarta fase da Copa do Brasil em sua sede. Crédito: reprodução

E não foi só na Europa que teve sorteio para os torneios de mata-mata. Na terra brasilis, a CBF realizou também nesta sexta-feira (17) a definição dos cinco duelos válidos pela quarta fase da Copa do Brasil 2017. Os confrontos nesta fase acontecerão nos dias 5 ou 12 de abril e 12 ou 19 do mesmo mês. Destaque para dois clássicos do futebol brasileiro nesta altura do certame: Corinthians contra Internacional e São Paulo versus Cruzeiro.

O Timão fará dois jogos que prometem contra o Internacional. O primeiro será realizado no Beira-Rio e a volta na Arena Corinthians. Diante da rivalidade que cresceu nos últimos anos entre os dois clubes, o confronto é encarado como “uma questão de honra”. O Inter está engasgado com os paulistas por conta do vice-campeonato do polêmico brasileiro de 2005 e do segundo lugar da Copa do Brasil de 2009. Já muitos corinthianos até hoje não engoliram a suposta entrega colorada para o Goiás na última rodada do Brasileirão de 2007 que culminou com o rebaixamento do time de Parque São Jorge e, consequentemente, a permanência do clube esmeraldino.

O outro confronto marca uma reedição da final da Copa do Brasil de 2000. O São Paulo receberá o Cruzeiro no Morumbi e depois tentará definir sua sorte no Mineirão para continuar (ou não) em busca do inédito título do torneio nacional.

O único embate que ainda segue definido é com relação ao adversário do Vitória, que será ASA ou Paraná Clube. Depois de eliminar o Vasco, o Leão da Barra está à espera do ganhador do confronto entre alagoanos e paranaenses que acontecerá no dia 6 de abril, em Curitiba. O primeiro jogo, realizado no interior alagoano, terminou em 0 a 0.

Campeão em 2008, o Sport Recife encara o Joinville. O compromisso de ida será em Recife e a volta será na casa do JEC. E o outro confronto terá Goiás contra Fluminense. O clube esmeraldino abre a série jogando em casa e irá até o Rio de Janeiro confrontar o Tricolor das Laranjeiras.

A quarta fase da Copa do Brasil é a última antes das oitavas-de-final, estágio do qual terá as presenças dos brasileiros que disputam a Libertadores (Palmeiras, Grêmio, Santos, Flamengo, Atlético Mineiro, Botafogo, Atlético Paranaense e Chapecoense), e também os campeões da Copa do Nordeste (Santa Cruz), da Copa Verde (Paysandu) e do Campeonato Brasileiro da Série B do ano passado (Atlético Goianiense).

Assim como a quarta fase, os duelos das oitavas-de-final serão realizados mediante sorteio na sede da CBF.

A seguir, a definição dos confrontos da quarta fase da Copa do Brasil.

Sport (PE) x Joinville (SC)*
Fluminense (RJ)* x Goiás (GO)
Vitória (BA) x ASA (AL)*/Paraná (PR)*
Corinthians (SP)* x Internacional (RS)
Cruzeiro (MG)* x São Paulo (SP)

* Equipes que mandarão os jogos de volta

Por Jorge Almeida

Copa do Brasil terá clássicos locais e repetecos de decisões nas oitavas

Copa do Brasil: das 16 equipes que restaram, 10 já conquistaram a competição. Foto: Rafael Ribeiro/CBF
Copa do Brasil: das 16 equipes que restaram, 10 já conquistaram a competição. Foto: Rafael Ribeiro/CBF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) realizou nesta terça-feira (4) em sua sede o sorteio dos confrontos para as oitavas-de-final da Copa do Brasil 2015. A partir dessa fase, o torneio conta com a presença dos representantes brasileiros que disputaram a Libertadores – Cruzeiro, Atlético Mineiro, São Paulo, Corinthians e Internacional. As definições dos mandantes e das datas dos confrontos foram decididos no mesmo dia. Dentre os duelos, destaques para os clássicos estaduais entre Flamengo x Vasco; Corinthians x Santos, além do confronto entre os ex-Palestras: Palmeiras x Cruzeiro. As partidas dessa fase acontecerão nos dias 19 e 20 de agosto (os de ida) e 26 e 27 do mesmo mês, os da volta, evidentemente.

No pote 1, estavam os times que participaram da Copa Libertadores da América de 2015 mais o Fluminense (melhor classificado no Brasileirão 2014 que não disputou a competição sulamericana), além dos dois melhores times no ranking da CBF (Flamengo e Grêmio) que se classificaram da terceira fase. No pote 2, ficaram os outros oito times que classificaram da terceira fase. Para os jogos das oitavas, o sorteio determina os confrontos dos times do pote 1 contra o pote 2 e quais times decidirão o confronto em casa.

Antes do início do sorteio, o diretor de Competições da entidade, Manoel Flores, anunciou duas novidades para a atual edição do certame: os confrontos das quartas-de-final também serão definidos por sorteio e o gol fora de casa não será adotado no critério de desempate na decisão.

De acordo com o sorteio, Santos e Corinthians farão o clássico paulista das oitavas-de-final da Copa do Brasil. O duelo de alvinegros promete. O time da Vila Belmiro vai em busca da revanche pela eliminação da Libertadores 2012 diante do rival que, por sua vez, quer descontar a goleada sofrida pelo clube praiano no ano passado pelo Campeonato Paulista. O mando do primeiro jogo é do Santos, que não descarta a possibilidade de atuar no Pacaembu. Possivelmente, o Timão não abrirá mão de sua arena, em Itaquera, para o confronto decisivo.

Outro clássico estadual que acontecerá nessa fase da Copa do Brasil será realizado entre Flamengo e Vasco, que já decidiram a edição 2006 da competição – vencida pelo rubronegro. Mandante do primeiro jogo, a equipe da Gávea espera ter a mesma sorte que tivera na finalíssima disputada há nove anos. Já os cruzmaltinos, apesar de estarem em uma situação complicada na tabela do Brasileirão, acreditam que poderão repetir o desempenho que tiveram no “Clássico dos Milhões” realizado pela nona rodada do campeonato nacional.

Palmeiras e Cruzeiro fazem o “clássico dos Palestras”. As duas equipes já decidiram a mesma Copa do Brasil duas ocasiões (1996 e 1998) com um título para cada lado. A Raposa, que não está na mesma situação em relação ao ano passado quando liderava o Brasileiro a passos largos, está se reestruturando após um primeiro semestre desastroso para as suas pretensões terá páreo duro pela frente diante do alviverde que, apesar do tropeço da última rodada, está em formação e tem a seu favor uma pessoa que conhece como ninguém o time Celeste: o técnico Marcelo Oliveira, bicampeão brasileiro pelo Cruzeiro. O Palmeiras será o mandante do compromisso de ida, que, possivelmente, será realizado em sua nova arena.

O confronto entre Coritiba e Grêmio é o duelo dos opostos. Enquanto o Coxa luta para fugir do rebaixamento, o Tricolor dos Pampas, por sua vez, está em ascensão. Se histórico na competição fosse levado em conta no embate, o Grêmio levaria ampla vantagem, pois é detentor de quatro títulos enquanto o time paranaense acumula dois vice-campeonatos (2011 e 2012). O primeiro jogo, provavelmente, será realizado na Arena do Grêmio, na capital gaúcha.

São Paulo e Ceará será o único confronto das oitavas-de-final da Copa do Brasil 2015 que não terá uma equipe que tenha conquistado o torneio. No entanto, as duas equipes já “bateram na trave” ao amargarem um vice-campeonato: o Tricolor perdeu a decisão de 2000 para o Cruzeiro e o Vozão foi superado pelo Grêmio em 1994. Pela camisa e pelo momento que ambas equipes vivem na temporada, o São Paulo, mandante do jogo de ida, é o amplo favorito no duelo. Mas o Ceará tem a seu favor a história das “zebras” que sempre apareceu ao longo dos 26 anos da competição e, talvez, por fazer a segunda partida em casa, um bom resultado no Morumbi poderá fazer o time acreditar que é possível.

Atual campeão da competição, o Atlético Mineiro enfrentará o Figueirense. Líder do Campeonato Brasileiro no momento, o Galo vem forte no torneio e, apesar de deixar claro que o foco é conquistar o bicampeonato brasileiro, os comandados de Levir Culpi não descarta a possibilidade de abocanhar a Copa do Brasil também e, de quebra, repetir o feito do arquirrival Cruzeiro em 2003 quando esse faturou o torneio, mais o Brasileirão e o Campeonato Mineiro. Por outro lado, o Figueira vem como “franco atirador” e quer surpreender para, quem sabe, fazer o mesmo em 2007: chegar à decisão. O primeiro jogo terá mando do Atlético, logo, a possibilidade de ser no Independência é grande.

Campeão da Copa do Brasil de 2007, o Fluminense terá pela frente nessas oitavas-de-final o Paysandu. Terceiro colocado do BR-15, o Tricolor das Laranjeiras quer reviver os bons tempos e aposta na dupla Fred e Ronaldinho Gaúcho para chegar à Libertadores, seja via Brasileirão ou Copa do Brasil. Enquanto isso, o Papão espera surpreender o Brasil novamente como fizera em 2003 quando bateu o Boca Juniors em plena La Bombonera. Mas, os tempos são outros, e o Fluminense, que fará o primeiro duelo em casa, é o amplo favorito.

E, finalmente, Internacional e Ituano. O Colorado, que não conquista um título nacional há mais de 20 anos, encara a equipe de Itu, que entrou na competição credenciada pelo título paulista do ano passado. Considerado favorito para o duelo, O Inter será o mandante do primeiro jogo. O Galo acredita que pode surpreender o tricampeão brasileiro e crê também no histórico de zebras que a Copa do Brasil proporciona a cada ano.

Um fato que chamou atenção no evento realizado na sede da CBF foi quando uma das modelos que fazia o sorteio soltou a bolinha no momento em que seria definido o adversário do Flamengo. Segundo relatos, a moça pegou a bolinha, levou um susto ao ouvir um grito “cuidado, hein!” de um dos jornalistas que acompanhava o evento. Assim, ela teria se assustado e colocado a esfera no pote e pegou outra bolinha depois. O fato gerou controvérsias nas redes sociais.

Com os duelos determinados, as oito equipes que seguirem na competição participarão de um novo sorteio para definir o alinhamento do torneio até a decisão.

A seguir, como ficaram os jogos de ida e volta da Copa do Brasil, os mandantes estão do lado esquerdo.

Jogos de ida – dias 19 ou 20 de agosto:
Santos (SP) x Corinthians (SP)
Flamengo (RJ) x Vasco (RJ)
Palmeiras (SP) x Cruzeiro (MG)
Grêmio (RS) x Coritiba (PR)
São Paulo (SP) x Ceará (CE)
Atlético (MG) x Figueirense (SC)
Fluminense (RJ) X Paysandu (PA)
Internacional (RS) x Ituano (SP)

Jogos de volta – dias 26 ou 27 de agosto:
Corinthians (SP) x Santos (SP)
Vasco (RJ) x Flamengo (RJ)
Cruzeiro (MG) x Palmeiras (SP)
Coritiba (PR) x Grêmio (RS)
Ceará (CE) x São Paulo (SP)
Figueirense (SC) x Atlético (MG)
Paysandu (PA) x Fluminense (RJ)
Ituano (SP) x Internacional (RS)

É esperar para ver.

Por Jorge Almeida

Atlético MG: campeão da Copa do Brasil 2014

Leonardo Silva ergue a taça da Copa do Brasil: festa atleticana no Mineirão. Foto: Douglas Magno
Leonardo Silva ergue a taça da Copa do Brasil: festa atleticana no Mineirão. Foto: Douglas Magno

Com gol de Diego Tardelli aos 46 minutos do primeiro tempo, o Atlético Mineiro venceu o Cruzeiro por 1 a 0 e conquistou pela primeira vez em sua história a Copa do Brasil na noite desta quarta-feira (26) no Mineirão. Além de jogar água no chope do arquirrival, que vinha de conquista do Brasileirão, o Galo encerrou o ano sem derrotas para a Raposa. Ao longo de 2014 foram sete jogos com quatro vitórias (duas pelas finais da Copa do Brasil e duas pelo Brasileirão) e três empates. No placar agregado, a equipe de Levir Culpi fez 3 a 0 no time de Marcelo Oliveira, que acumula agora três vice-campeonatos da competição (os outros dois foram pelo Coritiba em 2011 e 2012).

Apesar de ter entrado em campo com a vantagem de 2 a 0, o Atlético foi quem adotou uma postura mais ofensiva. Enquanto isso, o Cruzeiro tentava atacar o adversário na base do toque de bola, mas a forte marcação atleticana mostrou-se eficiente e o contra-ataque tornou-se a principal arma do time de Levir Culpi, que, inclusive, criou as principais chances de gol.

A primeira delas veio aos sete minutos quando Luan fez bela jogada pela direita e cruzou para Tardelli, que não conseguiu completar. Cinco minutos depois, Marcos Rocha saiu na cara de Fábio, que fez a defesa parcialmente, mas a bola sobrou para Diego Tardelli que mandou pelas redes do lado de fora.

O Cruzeiro só teve a sua primeira oportunidade aos 15 minutos. Ricardo Goulart recebeu a bola pela meia direita, ajeitou na grande área e na hora de finalizar não acertou a redonda em cheio e o chute saiu torto.

O Galo foi tomando conta do meio-campo e, mesmo atuando como visitante no Mineirão, se sentiu em casa e dominou o jogo. Aos 24, Dátolo cobrou falta pela esquerda e Diego Tardelli, na pequena área, desviou com o joelho e mandou por cima do gol. E os atleticanos ainda perderam Luan aos 30 minutos por conta de uma lesão. Porém, o seu substituto, Maicosuel, entrou bem no jogo.

A partir da saída do camisa 27 alvinegro que a Raposa foi equilibrando as ações do jogo, mas foi o Atlético que continuou criando as melhores chances. Aos 42, Fábio, mais uma vez, fez uma defesa parcial e Dátolo mandou por cima. E, antes do intervalo, aos 47, o Galo foi recompensado pela superioridade. Dátolo cruzou da direita para a cabeçada certeira de Diego Tardelli. 1 a 0 para o Atlético que praticamente liquidou a fatura a partir daí.

Com a enorme vantagem, o Atlético Mineiro diminuiu o ritmo, mas não descuidou da forte marcação, que foi fundamental para anular as principais ações ofensivas do Cruzeiro. E ainda perdeu uma chance clara com Maicosuel em cima da linha, mas sem ângulo para conseguir a conclusão. Já o Cruzeiro, restou adiantar a marcação, tentar pressionar e ficar exposto aos contragolpes do arquirrival. E, mesmo assim, só criou uma chance com Ricardo Goulart, que finalizou pelas redes do lado de fora. O Galo ainda quase fez o segundo gol aos 30 minutos através de um petardo de Dátolo que acertou o travessão do arqueiro celeste.

E à medida que a partida ia para seus momentos finais, a torcida atleticana cantava no Gigante da Pampulha abafando os gritos cruzeirenses, que eram maioria nas arquibancadas. Enquanto isso, no Estádio Independência, onde ficou concentrado boa parte dos atleticanos que não conseguiram ou não puderam ir ao Mineirão, a festa já rolava.

Quando o árbitro paulista Luis Flávio de Oliveira apitou o fim da partida, a festa alvinegra tomou conta de Belo Horizonte e consolidou de vez o futebol mineiro nesse biênio de 2013 e 2014 que teve o Cruzeiro bicampeão brasileiro e o Atlético campeão da Libertadores e, agora, o mais novo ganhador da Copa do Brasil e, ambos, mais que garantidos na principal competição sulamericana em 2015.

Cruzeiro e Atlético fizeram a segunda decisão “caseira” da história da Copa do Brasil (a primeira foi entre Flamengo e Vasco em 2006). E tudo prometia que seria uma final bastante equilibrada e disputada. Mas o Galo mostrou-se superior nas duas partidas e praticamente não deixou o rival jogar ao colocar em prática a forte marcação e apresentar um contra-ataque rápido com Luan e Diego Tardelli. E, motivados pelas vitórias épicas diante de Corinthians e Flamengo nas fases anteriores, os comandados de Levir Culpi não se intimidaram diante do bicampeão brasileiro e mostraram para o Brasil que o Cruzeiro pode até ser um time temido, mas não é páreo suficiente para o Galo. Enfim, o título da Copa do Brasil está em boas mãos e merecidamente. E só uma crítica aos administradores do Mineirão: em virtude do preço inflacionado do ingresso, infelizmente, quem gosta de ver um bom jogo de futebol em especial em um estádio cheio, ficou desapontado ao ver a parte central das arquibancadas do Mineirão “cinza” (praticamente vazia) por conta da ausência do torcedor que, justamente, se recusou a pagar R$ 1.000,00 para ver uma partida de futebol. Lamentável.

A seguir, o resumo da campanha (lembrando que por ter participado da Libertadores, o Atlético só entrou na Copa do Brasil a partir das oitavas-de-final) e a ficha técnica da final.

Oitavas-de-final:
27/08/2014 – Palmeiras (SP) 0x1 Atlético (MG) – Pacaembu, São Paulo (SP)
04/09/2014 – Atlético (MG) 2×0 Palmeiras (SP) – Independência, Belo Horizonte (MG)
Quartas-de-final:
1º/10/2014 – Corinthians (SP) 2×0 Atlético (MG) – Arena Corinthians, São Paulo  (SP)
15/10/2014 – Atlético (MG) 4×1 Corinthians (SP) – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Semifinais:
29/11/2014 – Flamengo (RJ) 2×0 Atlético (MG) – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
05/11/2014 – Atlético (MG) 4×1 Flamengo (RJ) – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Finais:
12/11/2014 – Atlético (MG) 2×0 Cruzeiro (MG) – Independência, Belo Horizonte (MG)
26/11/2014 – Cruzeiro (MG) 0x1 Atlético (MG) – Mineirão, Belo Horizonte (MG)

FICHA TÉCNICA: CRUZEIRO (MG) 0x1 ATLÉTICO (MG)
Competição/fase: Copa do Brasil 2014 – final (segundo jogo)
Local: Estádio Governador Magalhães Pinto (Mineirão) – Belo Horizonte (MG)
Data: 26 de novembro de 2014 – 22h (horário de Brasília)
Árbitro: Luís Flávio de Oliveira (SP)
Assistentes: Marcelo Van Gasse (SP) e Emerson de Carvalho (SP)
Cartões Amarelos: Rafael Carioca, Luan, Maicosuel, Leonardo Silva e Dátolo para o Atlético Mineiro; Willian e Egídio para o Cruzeiro
Cartão Vermelho: Leandro Donizete
Gol: Diego Tardelli, aos 46 min do 1º tempo
CRUZEIRO (MG): 1.Fábio; 2.Ceará, 3.Léo, 4.Bruno Rodrigo e 6.Egídio; 8.Henrique, 19.Nilton, 17.Éverton Ribeiro, 25.Willian e 28.Ricardo Goulart; 18.Marcelo Moreno. Técnico: Marcelo Oliveira
ATLÉTICO (MG): 1.Victor; 2.Marcos Rocha, 3.Leonardo Silva, 35.Jemerson e 94.Douglas Santos; 8.Leandro Donizete, 18.Rafael Carioca e 23.Dátilo; 9.Diego Tardelli, 27.Luan e 13.Carlos. Técnico: Levir Culpi

Parabéns ao Clube Atlético Mineiro pela conquista.

Por Jorge Almeida

Cruzeiro: bicampeão brasileiro de 2013/14

O goleiro e capitão Fábio ergue a taça (simbólica) da conquista do Brasileirão. Foto: Washington Alves/Reuters
O goleiro e capitão Fábio ergue a taça (simbólica) da conquista do Brasileirão. Foto: Washington Alves/Reuters

Após 36 rodadas, o Campeonato Brasileiro 2014 já tem o seu campeão (ou melhor, o seu bicampeão) definido com duas rodadas de antecedência: o Cruzeiro. Diante de 57 mil torcedores no Mineirão neste domingo (23), a Raposa bateu o Goiás por 2 a 1, com gols de Ricardo Goulart e Éverton Ribeiro, enquanto Samuel descontou para a equipe esmeraldina, e levou o seu quarto brasileirão, sendo o segundo de forma consecutiva. Com o triunfo, o Cruzeiro chegou aos 76 pontos e não pode ser mais alcançado pelo vice-líder, São Paulo, que também venceu na rodada e chegou aos 69 pontos, e só poderá chegar a 75. Com o título, o clube celeste se iguala ao Tricolor do Morumbi como os maiores campeões de Brasileiros na era dos pontos corridos, três títulos cada.

Com o gramado do Mineirão encharcado, o time da casa encontrou dificuldades de impor o seu ritmo de jogo e a efetuar troca de passes e ainda teve de lidar com a forte marcação do Goiás, que inclusive foi quem teve a primeira oportunidade de finalizar contra a meta de Fábio.

Mesmo com a adversidade inicial, o Cruzeiro saiu na frente ainda aos 13 minutos da etapa inicial com Ricardo Goulart. Maike fez um cruzamento perfeito da esquerda para a cabeçada certeira do camisa 28. Festa no Gigante da Pampulha. Porém, os goianos estavam dispostos a colocar água no chope dos anfitriões e empatou minutos depois. Aos 22, David cobrou falta e Samuel, livre, colocou no ângulo de Fábio para igualar o marcador.

O resultado de momento fez com que os comandados de Marcelo Oliveira partissem pra cima do Goiás com o intuito de evitar o adiamento da conquista, mas o Esmeraldino assustava cada vez que contra-atacava. Em virtude do gramado pesado, as duas equipes erravam bastante passe e o Cruzeiro encontrava dificuldades do lado direito de seu ataque em virtude de ter sido o lado mais alagado. A partida seguiu equilibrada até o intervalo.

No segundo tempo, o Cruzeiro foi com tudo em busca do gol da vitória (e do título), que chegou aos 17 minutos. Willian cruzou da esquerda e Éverton Ribeiro se antecipou ao marcador para anotar, de cabeça, o segundo gol cruzeirense no jogo.

Apesar do resultado adverso, o Goiás não se intimidou e tratou de ir atrás do prejuízo e levou perigo aos 21 quando a bola explodiu na trave de Fábio, que foi bastante participativo na etapa complementar e fez pelo menos três defesas primordiais que evitaram outro empate goiano.

E, assim que o árbitro catarinense Paulo Henrique Godoy Bezerra apitou fim de jogo, a “China Azul” berrou “tetracampeão!” e o gritou ganhou as ruas de toda Belo Horizonte, seguiu pela região metropolitana, por todo o Estado de Minas Gerais e pelo Brasil.

Com um time recheado de bons jogadores e um futebol acima dos demais, o Cruzeiro dominou a competição praticamente de ponta a ponta, uma vez que das 36 rodadas disputadas até agora, a Raposa liderou 30. A conquista serviu para coroar o belo trabalho feito pelo técnico Marcelo Oliveira e sua comissão. Além disso, o Cruzeiro não vacilou: perdeu para quem podia perder, não perdeu “pontos bobos” em casa, arrancou vitórias importantes fora de casa, enfim, se preparou bem. Todavia, os jogadores nem poderão curtir muito a euforia do título brasileiro, uma vez que eles ainda têm a partida decisiva na próxima quarta (26) da Copa do Brasil contra o arquirrival Atlético e, se quiser levar a segunda Tríplice Coroa para a Toca da Raposa, precisará reverter a vantagem de dois gols adquirida pelo Galo no primeiro jogo da final do certame.

O título nacional de 2014 ficará marcado, em especial, a um jogador cruzeirense, Dagoberto. Com a conquista, ele será o terceiro atleta a ter cinco títulos brasileiros no currículo. Campeão pelo Atlético Paranaense em 2001, pelo São Paulo em 2006 e 2007 e pelo Cruzeiro 2013 e 2014, Dagoberto se juntará a Andrade e Zinho no rol dos pentacampeões brasileiros.

Além da definição do campeão, a rodada também ficou marcada por ter confirmado o primeiro time rebaixado para a Série B de 2015: o Criciúma. A equipe catarinense empatou em 1 a 1 com o Flamengo no Maracanã e permaneceu na última colocação com 31 pontos e só poderá chegar aos 37, dois a menos que o Palmeiras, o primeiro time fora da zona de rebaixamento.

Ademais o Cruzeiro, quem também consolidou sua vaga para a Libertadores de 2015 foi o São Paulo, que bateu o Santos na Arena Pantanal por 1 a 0. Outra equipe que está bem perto da classificação para a competição sulamericana é o Corinthians, que derrotou o Grêmio na Arena Corinthians por 1 a 0 naquela que foi considerada um jogo de “seis pontos”. Além do Timão, Internacional, Grêmio e Atlético Mineiro brigam pelas duas vagas restantes para a Libertadores.

Na ponta de baixo da tabela, quem está em situação delicada são: Botafogo, Bahia, Vitória – equipes que, juntamente com o Criciúma, estão no Z4 -, e mais Palmeiras e Coritiba que estão na beira da zona de rebaixamento.

Apesar de o Brasileirão já ter o seu campeão proclamado, a emoção seguirá nas duas últimas rodadas da competição, quando ao término delas, saberemos quem se classificou para a Libertadores e quem caiu para Segundona.

Abaixo, o resumo da campanha e a ficha técnica do jogo do título cruzeirense.

Data – Jogo – Local:
20/04 – Bahia 1×2 Cruzeiro – Fonte Nova, Salvador (BA)
27/04 – Cruzeiro 1×1 São Paulo – João Havelange, Uberlândia (MG)
03/05 – Atlético PR 2×3 Cruzeiro – Mané Garrincha, Brasília (DF)
11/05 – Atlético MG 2×1 Cruzeiro – Independência, Belo Horizonte (MG)
17/05 – Cruzeiro 3×2 Coritiba – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
21/05 – Cruzeiro 2×0 Sport – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
25/05 – Internacional 1×3 Cruzeiro – Centenário, Caxias do Sul (RS)
28/05 – Corinthians 1×0 Cruzeiro – Canindé, São Paulo (SP)
1º/06 – Cruzeiro 3×0 Flamengo – João Havelange, Uberlândia (MG)
17/07 – Cruzeiro 3×1 Vitória – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
20/07 – Palmeiras 1×2 Cruzeiro – Pacaembu, São Paulo (SP)
26/07 – Cruzeiro 5×0 Figueirense – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
02/08 – Botafogo 1×1 Cruzeiro – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
09/08 – Criciúma 0x0 Cruzeiro – Heriberto Hulse, Criciúma (SC)
17/08 – Cruzeiro 3×0 Santos – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
21/08 – Cruzeiro 1×0 Grêmio – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
24/08 – Goiás 0x1 Cruzeiro – Serra Dourada, Goiânia (GO)
30/08 – Cruzeiro 4×2 Chapecoense – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
07/09 – Fluminense 3×3 Cruzeiro – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
11/09 – Cruzeiro 2×1 Bahia – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
14/09 – São Paulo 2×0 Cruzeiro – Morumbi, São Paulo (SP)
17/09 – Cruzeiro 2×0 Atlético PR – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
21/09 – Cruzeiro 1×2 Atlético MG – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
24/09 – Coritiba 1×2 Cruzeiro – Couto Pereira, Curitiba (PR)
27/09 – Sport 0x0 Cruzeiro – Arena Pernambuco, São Lourenço da Mata (PE)
04/10 – Cruzeiro 2×1 Internacional – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
08/10 – Cruzeiro 0x1 Corinthians – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
12/10 – Flamengo 3×0 Cruzeiro – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
19/10 – Vitória 0x1 Cruzeiro – Barradão, Salvador (BA)
22/10 – Cruzeiro 1×1 Palmeiras – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
25/10 – Figueirense 1×1 Cruzeiro – Orlando Scarpelli, Florianópolis (SC)
02/11 – Cruzeiro 2×1 Botafogo – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
09/11 – Cruzeiro 3×1 Criciúma – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
16/11 – Santos 0x1 Cruzeiro – Vila Belmiro, Santos (SP)
20/11 – Grêmio 1×2 Cruzeiro – Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
23/11 – Cruzeiro 2×1 Goiás – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
30/11 – Chapecoense x Cruzeiro – Arena Condá, Chapecó (SC)*
07/12 – Cruzeiro x Fluminense – Mineirão, Belo Horizonte*  

FICHA TÉCNICA: CRUZEIRO 2×1 GOIÁS
Competição/fase: Campeonato Brasileiro Série A 2014 – 36ª rodada
Data: 23 de novembro de 2014 – 17h (horário de Brasília)
Local: Estádio Governador Magalhães Pinto (Mineirão) – Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Paulo H. Godoy Bezerra (SC)
Assistentes: Carlos Berkenbrock (SC) e Nadine Schramm Camara Bastos (SC)
Cartões Amarelos: Tiago Real e Welinton (Goiás); Henrique (Cruzeiro)
Gols: Ricardo Goulart, aos 13 min do 1º tempo e Éverton Ribeiro, aos 17 min do 2º tempo para o Cruzeiro; e Samuel, aos 22 min do 1º tempo para o Goiás
CRUZEIRO: 1.Fábio; 22.Maike (31.Eurico Nicolau), 3.Léo, 4.Bruno Rodrigo e 6.Egídio; 8.Henrique, 16.Lucas Silva (19.Nilton), 17.Éverton Ribeiro e 28.Ricardo Goulart; 25.Willian e 18.Marcelo Moreno (10.Julio Baptista). Técnico: Marcelo Oliveira
GOIÁS: 1.Renan; 2.Tiago Real, 3.Jackson, 4.Pedro e 6.Felipe Saturnino (16.Lima); 5.Amaral, 8.David França (17.Wellinton Junior), 7.Thiago Mendes e 10.Ramon (20.Esquerdinha); 11.Érik e 9.Samuel. Técnico: Ricardo Drubscky

* Partidas a serem realizadas

Parabéns ao Cruzeiro Esporte Clube pelo título

Por Jorge Almeida