Probabilidades: quem será o novo técnico do Flamengo? Betfair.net analisa nomes

Especialistas compilaram os nomes mais prováveis para assumir o comando do time carioca após a saída de Jorge Jesus

Os torcedores do Flamengo receberam na última sexta-feira a notícia que temiam: depois de conquistar seis títulos com o Flamengo, o técnico português Jorge Jesus deixou o clube e voltou para o Benfica, em Portugal. Diante da grande especulação sobre quem pode ser o próximo técnico do rubro-negro, os analistas da Betfair.net prepararam uma lista dos treinadores com maior probabilidade de assumir o comando do atual campeão brasileiro e da Copa Libertadores.

Ídolo entre a torcida do Flamengo, Renato Portaluppi, que atualmente comanda o Grêmio, aparece com maiores chances de assumir o novo clube. Outros nomes fortes são os também portugueses Leonardo Jardim – sem clube – e Jesualdo Ferreira, e o brasileiro Vanderlei Luxemburgo – que atualmente comandam o Santos e Palmeiras, respectivamente.

Confira a lista de probabilidades do próximo técnico do Flamengo elaborada pela Betfair.net:

1. Renato Portaluppi – 45%
2. Leonardo Jardim – 18%
3. Jesualdo Ferreira – 14%
4. Vanderlei Luxemburgo – 14%
5. Marco Silva – 13%
6. Miguel Angel Ramirez – 13%
7. Zico – 10%
8. Luiz Felipe Scolari – 8%
9. Rafa Benitez – 8%
10. Dorival Junior – 7%
11. Dunga – 7%
12. Tite – 6%
13. Dejan Petkovic – 5%
14. Mano Menezes – 4%
15. Tiago Nunes – 3%
16. Leonardo – 3%

Jorge Jesus assumiu como técnico do Flamengo em 2019 e cumpre contrato até junho de 2020. Vitorioso, o Mister levou o time à conquista de uma quantidade impressionante de títulos em menos de um ano, incluindo a Copa Libertadores 2019, Campeonato Brasileiro 2019, Campeonato Carioca 2020, Supercopa do Brasil 2020, Taça Guanabara 2020 e Recopa Sul-Americana 2020.

Informações para a Imprensa
Para mais informações, entre em contato com betfairnet@sherlockcomms.com

Sobre a Betfair.net:
A Betfair.net é parceira oficial da CONMEBOL Libertadores e CONMEBOL Sul-Americana

Créditos: Marcos Paulo Neiva | Sherlock Communications

Flamengo: campeão estadual do Rio de Janeiro de 2020

Jogadores do Flamengo posam para a foto oficial. Créditos: Alexandre Vidal/Flamengo

O Flamengo confirmou o seu favoritismo e conquistou na noite desta quarta-feira (15) o campeonato estadual do Rio de Janeiro de 2020. O rubronegro derrotou o Fluminense por 1 a 0, com gol de Vitinho, na segunda e decisiva partida da competição, em partida disputada no Maracanã. A equipe da Gávea, que jogava pelo empate por conta da vitória no primeiro jogo da final por 2 a 1, ergueu o troféu do estadual pela 36ª vez em sua história.

O clássico começou truncado, com os dois times marcando forte e divididas mais ríspidas. Mas, aos poucos, o Flamengo começou a pressionar em busca de um espaço, mas o Tricolor se segurou bem.

O rugronegro teve a primeira chance. Aos 12, Bruno Henrique foi lançado em velocidade, driblou Muriel, mas perdeu o ângulo para finalizar e, da linha de fundo, rolou para trás e Pedrou chutou forte, mas por cima do gol. O tricolor deu o troco na jogada seguinte. Aos 14, Evanílson recebeu pela direita, protegeu de Léo Pereira e bateu à esquerda de Diego Alves.

O Fla-Flu continuou equilibrado, sendo que a equipe da Gávea tentando manter a posse enquanto o time das Laranjeiras se esforçou para errar o menos possível. Aos 25, Nenê deu ótimo passe por elevação para Marcos Paulo que apareceu por trás da defesa flamenguista e chegou chutando de primeira por cima da meta do adversário. Dois minutos depois, o Mengão levou perigo com Willian Arão, que soltou a pancada do meio da rua e a esférica passou rente ao gol defendido de Muriel.

O Flamengo seguiu mais intenso no jogo, pressionando, se movimentando bastante na frente, mas o Fluminense seguiu se defendendo bem. Aos 40 minutos, Bruno Henrique recebeu na área, de costas para o gol e ajeitou para trás para a batida de Léo Pereira, que havia marcado presença no campo de ataque por conta de um escanteio qua acontecerá há pouco, mas o defensor bateu fraco e Muriel defendeu. No lance seguinte, Evanílson puxou o contragolpe do Tricolor das Laranjeiras, ficou à espera de Marcos Paulo, que recebeu do camisa 99, dominou com liberdade, porém, chutou fraco.

Nos momentos finais do primeiro tempo, o Flamengo ainda teve duas boas chances. Primeiro, aos 42, a bola foi alçada na área do Flu, a defesa afastou parcialmente e, na sobra, Arrascaeta soltou uma pancada com a canhota e a redonda saiu à direita do gol de Muriel. E, depois, aos 44, foi a vez de Everton Ribeiro que deu um passe açucarado para Pedro, que dominou, bateu cruzado e a bola passou perto da trave de Muriel. No entanto, o clássico ficou no 0 a 0 no primeiro tempo e, com isso, a taça em direção à Gávea.

No começo do segundo tempo, o Flamengo quase abriu o placar aos dois minutos. Gerson cobrou falta direto para o gol e balançou as redes, mas pelo lado de fora. Pouco tempo depois, aos cinco, Jorge Jesus precisou tirar Filipe Luís que sentiu o pé direito e, em seu lugar, entrou Renê.

E, assim como foi no primeiro tempo, o Flamengo seguiu o domínio na partida com mais posse de bola e administrando a vantagem, enquanto o Fluminense, que precisava ir para o jogo buscar o resultado se fechou na defesa. Então, Odair Hellmann foi para o tudo ou nada. Primeiro tirou o lateral-direito Gilberto para colocar o meia Michel Araújo e, assim, improvisou o volante Hudson na lateral e colocou Fernando Pacheco no lugar de Marcos Paulo.

O jogo ficou ruim praticamente em todo o segundo tempo, com alguns lampejos, como aos 23, quando Pedro recebeu na entrada da área e ajeitou para Everton Ribeiro, que dominou e mandou por cima do gol de Muriel. No mais, o clássico piorou drasticamente, com muito perde e ganha e erros das duas partes. Enquanto isso, o treinador tricolor fez troca dupla: entraram Paulo Henrique Ganso e Caio Paulista nos lugares de Evanílson e Yago Felipe.

E o principal momento do Fluminense no segundo tempo veio aos 32 minutos. A bola foi alçada na área do Flamengo, Egídio pegou a sobra e emendou para o gol, mas a bola desviou em um jogador flamenguista e saiu para escanteio. O Flamengo caiu de rendimento e o Fluminense também colaborou por não incomodar o rubronegro.

Nos minutos finais, “Mister” fez a última série de alterações e colocou logo três de uma vez: Gerson, Pedro e Rafinha deram lugar para Diego, Vitinho e Gustavo Henrique. E, com tantas paralisações por conta das substituições e atendimentos médicos, o árbitro deu seis minutos de acréscimos. E a poucos minutos do fim do clássico, aos 49 para ser mais preciso, o Flamengo deu o tiro de misericórdia no Fluminense. Vitinho roubou a bola no ataque, carregou para a entrada da área e arriscou, a bola desviou em Nino e encobriu Muriel, que estava caído para fazer a defesa: gol do Mengão. É o gol do título.

Após o tento flamenguista, Michael pedalou para cima de Hudson, que não gostou e foi tirar satisfação com o camisa 19, causando tumulto entre os jogadores. Até que, aos 52 minutos, Grazianni Maciel Rocha apitou o fim de jogo. Final de partida no Maracanã: Flamengo 1, Fluminense 0. O rubronegro é campeão estadual pela 36ª vez.

O Fla-Flu derradeiro do campeonato estadual do Rio de Janeiro foi amarrado nos primeiros 15 minutos, enquanto o Fluminense conseguia segurar o ímpeto do Flamengo, o rubronegro manteve o amplo domínio e teve boas chances de abrir o placar. O Tricolor, apesar da timidez ofensiva e da boa marcação, também levou perigo por duas vezes nas poucas investidas que foram feitas em cima de Léo Pereira. E, apesar de ter se destacado contra o ex-clube nos dois últimos jogos, marcando gols, inclusive, Pedro não apresentou sintonia com Bruno Henrique no jogo. No segundo tempo, o nível do jogo caiu drasticamente: o Fluminense, que era quem precisava buscar o resultado, pouco produziu, apesar das tentativas de seu treinador em colocar a equipe para o “tudo ou nada”, mas a partida foi sofrível na etapa final, pois, além do gramado ruim, o jogo teve muitas faltas e erros. Praticamente, o único lance que valeu no segundo tempo foi o gol de Vitinho no “apagar das luzes”. E só. O destaque negativo ficou por conta da pedalada desnecessária de Michael depois do tento flamenguista. Mas, o rubronegro aproveitou o bom elenco que tem, embora não tenha jogado o futebol que marcou o time no ano passado, ficou com o título de forma merecida. O trabalho de Odair Hellmann pode colher bons frutos para o Tricolor das Laranjeiras, mas ele precisa ter material humano de qualidade.

Com a conquista de hoje, o Flamengo chegou ao 36º caneco do campeonato estadual e segue na hegemonia da competição, seguido de Fluminense, com 31 títulos, Vasco, com 24 taças e, fechando entre os quatros grandes do Rio, aparece o Botafogo, com 21 troféus.

Agora, o Flamengo terá quase um mês para se preparar para o Campeonato Brasileiro, para a Libertadores e a Copa do Brasil. Será que vai conseguir levar mais títulos esse ano? E Jorge Jesus? Fica ou vai para Benfica? Claro que a torcida quer que o “Mister” fique, pois, com ele no comando, o Flamengo tem mais títulos do que derrotas. Em 58 partidas sob o comando de Jorge Jesus, o Mengão venceu 44, empatou 10 e perdeu quatro, e conquistou o Campeonato Brasileiro e a Taça Libertadores da América, ambos em 2019, enquanto em 2020 vieram os títulos da Supercopa do Brasil, Recopa Sulamericana, Taça Guanabara e, agora, o Campeonato Estadual do Rio de Janeiro.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
Grupo A (Taça Guanabara):
18/01 – Macaé 0x0 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
22/01 – Vasco 0x1 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
25/01 – Flamengo 3×2 Volta Redonda – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
29/01 – Flamengo 0x1 Fluminense – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
03/02 – Resende 1×3 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
08/02 – Flamengo 2×0 Madureira – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Semifinal:
12/02 – Fluminense 2×3 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Final (Taça Guanabara):
22/02 – Boavista 1×2 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Grupo A (Taça Rio):
29/02 – Cabofriense 1×4 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
07/03 – Flamengo 3×0 Botafogo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
14/03 – Flamengo 2×1 Portuguesa (RJ) – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
18/06 – Bangu 0x3 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
1º/07 – Flamengo 2×0 Boavista – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Semifinal:
05/07 – Flamengo 2×0 Volta Redonda – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Final (Taça Rio):
08/07 – Fluminense (3)1×1(2) Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Final (Campeonato Estadual do RJ):
12/07 – Fluminense 1×2 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
15/07 – Flamengo 1×0 Fluminense – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

FICHA TÉCNICA: FLAMENGO 1X0 FLUMINENSE
Competição/Fase: Campeonato Estadual do Rio de Janeiro 2020 – final (2º jogo)
Local: Estádio Jornalista Mário Filho (Maracanã), Rio de Janeiro (RJ)
Data: 15 de julho de 2020, quarta-feira – 21h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Grazianni Maciel Rocha
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo e Thiago Henrique Farinha
Cartões Amarelos: Michael e Rafinha (Flamengo); Evanílson (Fluminense)
Gol: Vitinho, aos 49 min do 2º tempo (1-0)
FLAMENGO: 1.Diego Alves; 13.Rafinha (2.Gustavo Henrique), 3.Rodrigo Caio, 4.Léo Pereira e 16.Filipe Luís (6.Renê); 5.Willian Arão, 8.Gerson (10.Diego), 7.Éverton Ribeiro e 14.Arrascaeta (19.Michael); 27.Bruno Henrique e 21.Pedro (11.Vitinho). Técnico: Jorge Jesus
FLUMINENSE: 27.Muriel; 2.Gilberto (15.Michel Araújo), 3.Matheus Ferraz, 33.Nino e 6.Egídio; 25.Hudson, 22.Dodi (19.Felippe Cardoso) e 20.Yago Felipe (70.Caio Paulista); 77.Nenê, 11.Marcos Paulo (16.Fernando Pacheco) e 99.Evanílson (10.Paulo Henrique Ganso). Técnico: Odair Hellmann

Parabéns ao Clube de Regatas Flamengo pelo título.

Por Jorge Almeida

Fluminense: campeão da Taça Rio 2020

Jogadores do Fluminense erguem o troféu da Taça Rio no Maracanã. Foto; André Durão

Em meio a tantas polêmicas fora de campo, dentro dele, o Fluminense levou a melhor sobre o Flamengo e faturou a Taça Rio, o segundo turno do campeonato estadual do Rio de Janeiro, ao superar o rubronegro por 3 a 2 na disputa de pênaltis, após empate em 1 a 1, no Estádio do Maracanã, nesta quarta-feira (8), e evitou que o Flamengo conquistasse o estadual de maneira antecipada. No tempo normal, Gilberto abriu o placar para os tricolores e Pedro igualou para os rubronegros. Na disputa por pênaltis, destaques para os goleiros Muriel e Diego Alves que pegaram duas cobranças cada. Enquanto Nenê, Hudson e Pacheco converteram os penais para o Flu e Gabriel Barbosa e Pedro para o Fla, Dodi e Michael Araújo, do lado tricolor, e William Arão, Léo Pereira e Rafinha, por parte dos rubronegros, desperdiçaram suas cobranças. As duas equipes voltam a se enfrentar em duas partidas para a definição do campeão do Rio de Janeiro.

O clássico começou equilibrado, com o Flamengo trocando passes para tentar encontrar uma brecha na defesa do Fluminense que, por sua vez, bem postado apresentou uma marcação “dobrada” e não deixou espaços para o setor ofensivo flamenguista e, assim, o jogo ficou sem chance de gol para nenhum dos lados até a metade do primeiro tempo.

Até que, aos 24 minutos, aconteceu a primeira chegada ao ataque, e foi do Flu. Nenê cobrou falta em direção à área, houve bate-rebate na área e, na sobra, Gilberto cabeceou por cima da meta de Diego Alves. O Fla respondeu ao 29 com Arrascaeta. Rafinha mandou na área, Nino tirou de cabeça, a bola bateu em Hudson e sobrou para o meia uruguaio, que arriscou e mandou por cima do travessão de Muriel.

O rubronegro pressionou, mas os tricolores estavam bem aplicados na marcação e, em uma investida e outra, assustou o rival. Como aconteceu aos 35. Egídio roubou a bola de Rafinha e, em seguida, cruzou, Nenê tentou, a redonda bateu em Léo Pereira e, na sobra, Yago finalizou, mas a esférica raspou a trave do Flamengo. E melhor na partida, aos 37 minutos, o time das Laranjeiras abriu o placar. Egídio cobrou falta, levantou a bola na área, Marcos Paulo desviou de cabeça e Gilberto, também de cabeça, mandou para as redes e tirou o zero do placar no Maracanã. O tento foi confirmado pelo VAR.

Após o gol, o Flamengo tentou infiltrar, mas o Fluminense conseguiu conter o adversário e terminou a primeira etapa com a vitória parcial no Maraca. O árbitro Bruno Arleu de Araújo encerrou a etapa inicial aos 47 minutos.

Na volta do internalo, Odair Hellmann colocou Fernando Pacheco no lugar de Evanílson e, com isso, Marcos Paulo passou a ser o centroavante com a saída do camisa 99. No entanto, ao contrário do primeiro tempo, o Flamengo voltou melhor na segunda etapa e foi para cima do Tricolor das Laranjeiras. Aos nove, Rafinha cruzou, Bruno Henrique cabeceou para firme defesa de Muriel.

O rubronegro seguiu pressionando o rival, que ficou cada vez mais recuado em seu campo. Aos 19, foi a vez de Filipe Luís ir até a linha de fundo, cruzar para Gerson, que subiu bem e cabeceou firme, mas a bola passou perto da meta do arqueiro tricolor. Dois minutos depois, outra bola foi alçada na área do Flu, Gabriel Barbosa cabeceou para o chão e Muriel fez boa defesa. O Fluminense teve a sua primeira oportunidade no segundo tempo aos 29 minutos. Caio Paulista arriscou da intermediária e mandou por cima do gol.

E, de tanto pressionar, o Flamengo chegou ao empate, com direito a “lei do ex”. Michael acionou para Filipe Luís, que cruzou na medida para Pedro, que entrara dois minutos antes no lugar de Arrascaeta, que cabeceou como um chute por tamanho.

Os comandados de Jorge Jesus seguiram em cima do adversário em busca da virada. Aos 39, após bate-rebate na área tricolor, Bruno Henrique, livre, girou, mas o chute saiu mascado para fora. Na sequência, aos 40, Michael cruzou, Bruno Henrique cabeceou, a bola passou por Muriel e Hudson tirou em cima da linha. Incrível, a chance desperdiçada pelo Mengão.

Nos minutos finais, as duas equipes pareciam se conformar com a disputa por pênaltis e o jogo foi encerrado aos 49 minutos. Fim do tempo normal no Maracanã: Fluminense 1, Flamengo 1. O título da Taça Rio foi decidida nos pênaltis.

Na série de cinco cobranças, Nenê iniciou a série e acertou o alvo; Gabriel Barbosa empatou; Dodi viu Diego Alves defender a sua cobrança; o mesmo panorama aconteceu com William Arão, que parou em Muriel; Hudson colocou o Flu à frente; Léo Pereira mandou para fora; Araújo chutou, Diego Alves defendeu, a bola bateu no travessão e na linha; Pedro para o Fla e Pacheco para o Flu converteram suas cobranças e, no último penal, Muriel pegou o pênalti de Rafinha e, consequentemente, prolongou o campeonato estadual em mais duas semanas. Final da disputa por pênaltis: Fluminense 3, Flamengo 2. O Tricolor das Laranjeiras é o campeão da Taça Rio e disputará com o rubronegro nos dois próximos domingos, possivelmente, a taça do campeonato estadual do Rio de Janeiro.

Como dizia um famoso (e mais recente) jargão do futebol: “clássico é clássico e vice-versa” e isso justificou-se hoje no Maracanã no Fla-Flu que decidiu a Taça Rio, o segundo turno do campeonato estadual do Rio de Janeiro. Com uma equipe mais entrosada e melhor fisicamente, o Flamengo entrou em campo com um ligeiro favoritismo, mas Odair Hellmann adotou uma postura bem interessante com o seu Fluminense ao fechar os espaços e duplicar a marcação em cima dos jogadores de frente do rubronegro para, quem saber, tentar o gol entre uma escapada e outra. No primeiro tempo, deu certo e o Flu foi contemplado com o gol de Gilberto, de cabeça. Mas, no segundo, o rubronegro foi superior, pressionou e chegou ao empate com o gol de Pedro, cria das Laranjeiras. Com a igualdade no placar, a equipe de Jorge Jesus tentou a virada, mas o aguerrido time de Hellmann se segurou e, “sem pernas”, conseguiu levar a decisão para a disputa por pênaltis, onde o goleiro Muriel foi o grande nome da conquista tricolor ao pegar dois pênaltis, embora Diego Alves defendera a mesma quantidade pelo lado do Flamengo. E um detalhe importante para enaltecer o feito tricolor nesta noite: o Flu jogou sem os seus dois principais jogadores: Fred e Paulo Henrique Ganso que, por problemas de contusão, ficaram de fora. Pelo que apresentou no Maracanã, o Fluminense foi o merecedor da conquista.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Taça Rio (Grupo B):
Data – Jogo – Local:
1º/03 – Fluminense 5×1 Madureira – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
08/03 – Fluminense 4×0 Resende – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
15/03 – Vasco 0x2 Fluminense – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
28/06 – Fluminense 0x3 Volta Redonda – Nilton Santos, Rio de Janeiro (RJ)
Semifinal:
05/07 – Fluminense 0x0 Botafogo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Final:
08/07 – Fluminense (3)1×1(2) Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

FICHA TÉCNICA: FLUMINENSE (3)1X1(2) FLAMENGO
Competição/Fase: Taça Rio 2020 (segundo turno do Campeonato Estadual do Rio de Janeiro) – final (jogo único)
Data: 8 de julho de 2020, quarta-feira – 21h30 (horário de Brasília)
Local: Estádio Jornalista Mário Filho (Maracanã), Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Corrêa e Thiago Henrique Farinha
Cartões Amarelos: Nenê e Gilberto (Fluminense); Léo Pereira, Filipe Luís e Rafinha (Flamengo)
Gols: Gilberto, aos 38 min do 1º tempo (1-0); Pedro, aos 31 min do 2º tempo (1-1)
Pênaltis convertidos: Nenê, Hudson e Pacheco (Fluminense); Gabriel Barbosa e Pedro (Flamengo)
Pênaltis desperdiçados: Dodi e Michel Araújo (Fluminense); William Arão, Léo Pereira e Rafinha (Flamengo)
FLUMINENSE: 27.Muriel; 2.Gilberto (15.Michel Araújo), 3.Matheus Ferraz, 33.Nino e 6.Egídio; 25.Hudson, 20.Yago Felipe (5.Yuri Lima), 22.Dodi, 77.Nenê e 11.Marcos Paulo (70.Caio Paulista); 99.Evanílson (16.Fernando Pacheco). Técnico: Odair Hellmann
FLAMENGO: 1.Diego Alves; 13.Rafinha, 3.Rodrigo Caio, 4.Léo Pereira e 16.Filipe Luís; 5.Willian Arão, 8.Gerson (10.Diego), 7.Éverton Ribeiro (19.Michael) e 14.Arrascaeta (21.Pedro); 27.Bruno Henrique (11.Vitinho) e 9.Gabriel Barbosa. Técnico: Jorge Jesus

Parabéns ao Fluminense Football Club pela conquista.

Por Jorge Almeida

Flamengo: campeão da Recopa Sulamericana 2020

O capitão rubronegro Everton Ribeiro ergue a inédita taça da Recopa Sulamericana no Maracanã. Foto: André Durão

O Flamengo confirmou o seu favoritismo e derrotou o Independiente del Valle na noite desta quarta-feira (26), no Maracanã, por 3 a 0, com gols de Gabriel Barbosa e dois de Gerson, e conquistou o título da Recopa Sulamericana 2020, o primeiro caneco da competição da história do clube. Como havia empatado em 2 a 2 no primeiro jogo, o rubronegro fez 5 a 2 no placar agregado e ficou com a taça. Essa foi o quinto título que o clube conquistou sob o comando do técnico português Jorge Jesus.

A partida começou com o Independiente del Valle tentando não se sentir intimidado diante do Flamengo em pleno Maracanã, ora fazendo cera, ora fazendo linha de impedimento (três vezes em menos de dez minutos). A equipe equatoriana passou a tentar jogar com a bola no chão, com troca de passes, sem se desesperar. O Flamengo, por sua vez, manteve mais posse e tentou pressionar os campeões da Copa Sulamericana.

Aos 17, Gerson foi acionado na área, livre, o goleiro Pinos tentou abafar o lance, mas o volante tocou para Gabriel Barbosa, que bateu sem goleiro, mas o zagueiro Segovia impediu o gol certo do centroavante flamenguista. No entanto, no minuto seguinte, o mesmo zagueiro vacilou. ao tentar recuar a bola para o goleiro, Segovia cabeceou forte para o próprio gol, Pinos tentou salvar, a redonda bateu no travessão e sobrou limpa para Gabriel Barbosa só empurrar para o gol e inaugurar o placar no Maracanã: 1 a 0 para o Flamengo.

Contudo, em seguida, a situação complicou para o rubronegro. Na tentativa de acertar a bola, o volante Willian Arão atingiu o peito de Caicedo. O árbitro argentino consultou o VAR e aplicou o cartão vermelho direto para o camisa 5 flamenguista. E, de imediato, o treinador Jorge Jesus tratou de recompor a frente defensiva do Mengo ao colocar Thiago Maia no lugar de Pedro, que foi consolado pelo treinador.

Com um jogador a mais, os Rayados del Valle tocaram a redonda no meio-campo para tentar encontrar espaço na defesa rubronegra. E o Flamengo, por sua vez, apostou em contragolpe. Aos 33, Everton Ribeiro roubou a bola e lançou para Gabriel Barbosa, que disparou passou por dois e bateu cruzado para bela defesa de Pinos.

Postado atrás da linha da bola, o Flamengo ficou à espera do Del Valle. Aos 37, Sánchez recebeu no meio e mandou a bola perto do gol e quase surpreendeu Diego Alves, que fez a defesa. Nos minutos finais do primeiro tempo, os visitantes trocaram passes, mas não conseguiram encontrar espaços no bem recuado Flamengo, que foi para o intervalo com a vitória parcial.

No segundo tempo, nos primeiros minutos, os jogadores do Flamengo mostraram-se irritados com a marcação de alguns lances feitos pela arbitragem, enquanto a equipe negriazul ensaiara pressionar em busca do empate. Aos nove, Preciado deu um passe para Faravelli, que saiu na cara de Diego Alves. O volante bateu cruzado, mas o arqueiro rubronegro salvou com o pé e evitou o empate.
A equipe de Jorge Jesus se posicionou muito bem e, taticamente, não aparentara estar com um jogador a menos, pois reduziu os espaços para o adversário, que usou o recurso da bola longa. Até que, aos 16, Gabriel Barbosa fez jogada individual e, na sobra, o volante Gerson bateu cruzado e ampliou o placar para o Mengão: 2 a 0 e festa no Maraca.

O segundo gol flamenguista sepultou qualquer chance do Independiente del Valle no jogo. Os equatorianos até tentaram jogar de igual para igual, mas, assim como aconteceu com Arão, o Del Valle perdeu um jogador aos 40 minutos com a expulsão de Cabeza.
E, para sacramentar a conquista rubronegra, aos 43 minutos, Gerson fez o seu segundo gol no jogo. Em um contragolpe, Gabriel Barbosa lançou Vitinho, que trouxe a marcação consigo e deixou a camisa 8 em boas condições para tirar do goleiro e anotar o terceiro gol flamenguista.

Com 3 a 0 no placar, o Flamengo só ficou à espera do apito final para, finalmente, poder comemorar um título internacional no Maracanã. Até que aos 48 minutos, o árbitro Fernando Rapallini deu o apito final. Fim de jogo no Maracanã: Flamengo 3, Independiente del Valle 0. O rubronegro conquista a Recopa Sulamericana pela primeira vez em sua história. Aliás, o terceiro título em um período de dez dias para Jorge Jesus e companhia.

Diante quase 70 mil torcedores, o Flamengo consolidou o seu favoritismo e, merecidamente, conquistou o título da Recopa Sulamericana. No primeiro tempo, os equatorianos tentaram trocar passes para segurar os anfitriões, mas um erro na defesa, o Mengão abriu o placar com Gabriel Barbosa. Na sequência, a situação poderia se complicar com a expulsão de Willian Arão. E, com um a menos, o Flamengo ficou atrás da linha da bola para tentar encaixar um contra-ataque, mas o Independiente del Valle não conseguiu encontrar espaços. No segundo tempo, Gerson deu o alívio para o rubronegro ao fazer o segundo gol e, em seguida, o time do Equador perdeu Cabeça, que foi expulso, e, para “beijar a viúva’, o camisa 8 flamenguista anotou o seu segundo gol no jogo. E, com isso, depois do longínquo ano de 1993, quando o Botafogo conquistou a Copa Conmebol, um clube do Rio de Janeiro ergue a taça no Maraca.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
19/02 – Independiente del Valle (EQU) 2×2 Flamengo (BRA) – Estádio Olímpico Atahualpa, Quito (EQU)
26/02 – Flamengo (BRA) 3×0 Independiente del Valle (EQU) – Maracanã, Rio de Janeiro (BRA)

FICHA TÉCNICA: FLAMENGO (BRA) 3×0 INDEPENDIENTE DEL VALLE (EQU)
Competição/Fase: Recopa Sulamericana 2020 – final (2º jogo)
Local: Estádio Jornalista Mário Filho (Maracanã), Rio de Janeiro (RJ)
Data: 26 de fevereiro de 2020, quarta-feira – 21h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Fernando Rapallini (ARG)
Auxiliares: Diego Bonfá (ARG) e Gabriel Chade (ARG)
Cartões Amarelos: Gerson e Gustavo Henrique (Flamengo); Franco (Independiente del Valle)
Cartões Vermelhos: Willian Arão (Flamengo); Cabeza (Independiente del Valle)
Gols: Gabriel Barbosa, aos 19 min do 1º tempo (1-0); Gerson, aos 16 min (2-0) e aos 43 min do 2º tempo (3-0)
FLAMENGO (BRA): 1.Diego Alves; 13.Rafinha, 4.Léo Pereira, 2.Gustavo Henrique e 16.Filipe Luís; 5.Willian Arão, 8.Gerson e 7.Everton Ribeiro (19.Michael), 14.De Arrascaeta (11.Vitinho), 21.Pedro (18.Thiago Maia) e 9.Gabriel Barbosa. Técnico: Jorge Jesus
INDEPENDIENTE DEL VALLE (EQU): 30.Pinos; 17.Preciado, 5.Schunke, 2.Segovia (9.Cabeza) e 15.Caicedo (23.Guerrero); 21.Franco, 15.Pellerano, 8.Faravelli (14.Nieto) e 11.Jhon Sánchez; 18.Murillo e 7.Torres. Técnico: Miguel Ángel Ramírez

Parabéns ao Clube de Regatas Flamengo pelo título.

Por Jorge Almeida

Flamengo: campeão da Taça Guanabara 2020

Jogadores do Flamengo comemoram o título da Taça Guanabara no Maracanã. Foto: André Durão

Como já era de se esperar, o Flamengo confirmou o seu favoritismo e, de virada, derrotou o Boavista por 2 a 1 na tarde deste sábado (22), na decisão da Taça Guanabara 2020. Jean abriu o placar para o time de Saquarema, mas Diego e Gabriel Barbosa fizeram os tentos rubronegros que garantiram o 22º título do primeiro turno para a equipe da Gávea.

A decisão da Taça Guanabara nem começara direito e o Boavista resolveu aprontar logo de cara. Aos seis minutos, o lateral-esquerdo Jean cobrou a falta do bico da área e mandou a bola no ângulo de César, que esticou-se mas não conseguiu alcançar a bola: 1 a 0 para o time de Saquarema. Festa da pequena torcida do Boavista na arquibancada do Maraca. Foi o primeiro lance de ataque na partida.

O Verdão de Saquarema tentou tirar proveito do começo ruim do poderoso adversário que, mesmo em campo com time quase todo reserva, entrou como favorito na partida. Aos 11, Jean cobrou falta novamente, César conseguiu defender e, no rebote, Caio Dantas tentou a sobra, mas não pegou com força suficiente e permitiu a defesa do goleiro rubronegro. O Flamengo só conseguiu levar perigo aos 18 minutos. Diego lançou Pedro na grande área, ele cabeceou com pouca força e a redonda ficou com Klever.

Depois de um começo ruim, o Flamengo foi se ajustando e passou a ter presença mais ofensiva. Aos 22, Pedro cabeceou mais uma vez e a pelota passou raspando a trave direita de Klever. A parada técnica, feita aos 20 minutos para os atletas se hidratarem, parece ter feito bem para a equipe de Jorge Jesus, que tomou conta do jogo. Parecia que estavam cientes de que o gol de empate era uma questão de tempo.

Mais tarde, aos 35, outra chance perdida. Vitinho cobrou escanteio, Klever tirou de soco e, no rebote, Michael tentou de primeira, a redonda desviou a trajetória e, por pouco, não encobriu o goleiro do Boavista, que tirou na ponta dos dedos. E, de tanto pressionar, o Fla chegou ao empate no finalzinho da etapa inaugural. Vitinho cobrou escanteio em direção a Diego, que estava fora da área, e, dali, ele mandou direto para o gol, a bola desviou no percurso e encobriu Klever. É o empate do Flamengo: 1 a 1, no Maracanã. E, depois de três minutos ao empate flamenguista, o primeiro tempo foi encerrado. Se a igualdade fosse mantida na etapa final, o campeão do primeiro turno do estadual sairia em cobrança por pênaltis.

Para o segundo tempo, o Flamengo voltou com Everton Ribeiro no lugar de Diego. E já foi para cima em busca da virada. Aos dois minutos, Pedro tabelou com Gabriel Barbosa e, da entrada da área, chutou forte para ótima defesa de Klever. Seis minutos depois, Vitinho cruzou para Pedro, que tentou uma bicicleta, a zaga desviou a bola, que sobrou para Michael. O camisa 19 cruzou para Vitinho cabecear para o chão e o goleiro do Boavista mandou para escanteio. No lance seguinte, aos 11, João Lucas cruzou para Pedro, que cabeceou e mandou por cima do gol.

O Flamengo seguiu massacrando o time de Saquarema. Aos 14, Michael achou Gabriel Barbosa na área, o centroavante tocou na frente e bateu com a esquerda, mas por cima da meta. Três minutos passados foi a vez de Michael tentar. O ex-Goiás recebeu na intermediária, passou pelos marcadores e bateu para o gol paa Klever se esticar e mandar a redonda para escanteio.

Assim como no primeiro tempo, a partida precisou ser paralisada para os atletas se hidratarem. E, minutos depois da parada técnica, o rendimento do Flamengo diminuiu com a equipe errando bastante passes e o Boavista, por sua vez, só teve uma finalização perigosa aos 32 minutos com Jean cobrando falta mais uma vez, porém, mandou à direita do gol de César.

Eis que aos 37, o Flamengo fez valer o seu favoritismo e porque é o time a ser batido no futebol brasileiro em 2020. Gabriel Barbosa iniciou a jogada pelo meio, tocou para Everton Ribeiro, que rolou para Pedro que, por sua vez, deu um lindo passe de letra para o centroavante bater com a canhota no canto direito de Klever e virar o placar no Maracanã: 2 a 1 para o Flamengo e festa rubronegra no Maraca. Na comemoração, o atacante recebeu o cartão amarelo por ter tirado a camisa.

Mas, poucos minutos após o tento flamenguista, quase o goleiro César entrega o empate. Jefferson Renan alçou a bola na área, o goleiro saiu de forma atabalhoada do gol para tentar tirar a pelota dali, mas chocou-se com Michel, a redonda bateu no jogador do Boavista, indo em direção ao gol, mas João Lucas tirou dali e evitou a igualdade.

Com o resultado, o Flamengo ficou a administrar o resultado e, aos 45, teve uma excelente oportunidade de marcar o terceiro. Gabriel Barbosa tocou para Pedro, que até conseguiu dominar, mas a bola sobrou para Everton Ribeiro, que driblou o goleiro, contudo, perdeu o ângulo e rolou para trás em direção a Pedro, que finalizou com a coxa e mandou por cima do travessão.

O jogo seguiu até os 49 minutos, mas a vitória e o título flamenguista foram confirmados. Fim de jogo no Maracanã: Boavista 1, Flamengo 2. O rubronegro é campeão da Taça Guanabara pela 22ª vez e Jorge Jesus segue fazendo história. O “Mister” conquista o quarto troféu no clube e, ainda, poderá ajudar o clube da Gávea a ganhar o terceiro troféu em um período de dez dias. Além do título de hoje, Jesus e seus comandados venceram a Supercopa do Brasil no último dia 16 e, já na próxima quarta-feira (26), poderá ser campeão da Recopa Sulamericana no jogo de volta contra o Independiente del Valle (a partida de ida ficou empatada em 2 a 2).

O Flamengo entrou em campo com apenas Gabriel Barbosa de titular absoluto do forte elenco rubronegro e, mesmo assim, considerado favorito do bom time do Boavista que, inclusive, assustou no começo da partida com um belo gol de Jean em cobrança de falta. Mas, depois disso, a equipe de Jorge Jesus tomou as rédeas da partida e passou a dominar as ações do jogo. Com isso, o empate veio ainda na primeira etapa com Diego, que chutou e contou com a sorte de a bola ter desviado e encoberto o ótimo goleiro Klever. Na segunda etapa, “Mister” colocou os titulares Everton Ribeiro, Willian Arão e Gerson, enquanto o adversário praticamente não incomodou, exceto por uma cobrança de falta aqui, outra ali, mas, em uma bonita jogada aos 34 minutos, Gabriel Barbosa marcou o gol do título flamenguista.

E, conforme o regulamento do campeonato estadual do Rio de Janeiro, se o Flamengo vencer a Taça Rio (segundo turno) e conquistar a maior pontuação durante as rodadas (não contabilizando semifinal e final), ele se consagra campeão do Rio de Janeiro, mas se o rubronegro vencer a Taça Rio e obter pontuação inferior à equipe que tiver mais pontos durante as rodas (também excetuando a semifinal e a final), haverá a disputa do título estadual em duas partidas, porém, em caso de igualdade nos critérios de desempate, o time de Jorge Jesus ficará com o título por ter vencido os dois turnos; e se a Taça Rio não for vencida pela equipe da Gávea, o campeonato estadual será decidido contra o Flamengo em duas partidas (ida e volta) sem vantagem para nenhum dos lados.

Pelo Estadual, o Boavista enfrentará o Botafogo pela primeira rodada da Taça Rio no próximo domingo, às 19h, no Nilton Santos. Já o Flamengo medirá forças contra a Cabofriense no sábado (29), às 18h, no Maracanã, mas, antes disso, disputará o título da Recopa Sulamericana no segundo jogo contra o Independiente del Valle também no Maracanã na quarta-feira de Cinzas, às 21h30. Como o jogo de ida foi 2 a 2, qualquer empate levará a peleja para a prorrogação e, evidentemente, persistindo o empate, haverá disputa por pênaltis.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Grupo A:
Data – Jogo – Local:
18/01 – Macaé 0x0 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
22/01 – Vasco 0x1 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
25/01 – Flamengo 3×2 Volta Redonda – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
29/01 – Flamengo 0x1 Fluminense – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
03/02 – Resende 1×3 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
08/02 – Flamengo 2×0 Madureira – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Semifinal:
12/02 – Fluminense 2×3 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Final:
22/02 – Boavista 1×2 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

FICHA TÉCNICA: BOAVISTA 1×2 FLAMENGO
Competição/Fase: Taça Guanabara 2020 – final (jogo único)
Local: Estádio Jornalista Mário Filho (Maracanã) – Rio de Janeiro (RJ)
Data: 22 de fevereiro de 2020, sábado – 18h30 (horário de Brasília)
Público pagante: 53.818 torcedores
Público presente: 58.219 torcedores
Renda: R$ 2.166.600,00
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo (RJ) e Thiago Henrique Neto Farinha (RJ)
Cartões Amarelos: Wellington Silva, Erick Flores, Jean e Vítor Faísca (Boavista); Léo Pereira, Gustavo Henrique, Gabriel Barbosa e Gerson (Flamengo)
Gols: Jean, aos 6 min (1-0) e Diego, aos 44 min do 1º tempo (1-1); e Gabriel Barbosa, aos 37 min do 2º tempo (1-2)
BOAVISTA: 1.Klever; 2.Wellington Silva, 5.Douglas Pedroso, 14.Elivelton e 6.Jean; 8.Fernando Bob, 7.Jeferson Renan, 10.Erick Flores e 23.Michel (9.Thiago Mosquito); 30.Caio Dantas e 11.Tartá (25.Vítor Faísca). Técnico: Paulo Bonamigo
FLAMENGO: 37.César; 30.João Lucas, 2.Gustavo Henrique, 4.Léo Pereira e 6.Renê; 33.Thiago Maia (5.Willian Arão), 11.Vitinho (8.Gerson) e 10.Diego (7.Everton Ribeiro); 21.Pedro e 24.Gabriel Barbosa. Técnico: Jorge Jesus

Parabéns ao Clube de Regatas Flamengo pelo título.

Por Jorge Almeida

Flamengo: campeão da Supercopa do Brasil 2020

Jogadores do Flamengo comemoram a inédita Supercopa do Brasil. Foto: Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Diante de um Sol implacável, o Flamengo confirmou o seu favoritismo e ganhou do Athletico Paranaense por 3 a 0, com gols de Bruno Henrique, Gabriel Barbosa e De Arrascaeta, na decisão da Supercopa do Brasil 2020, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, na manhã deste domingo. O rubronegro carioca conquista o título inédito da competição que a CBF retomou após 29 anos. Além de Flamengo, apenas Grêmio (em 1990) e Corinthians (em 1991) possuem a taça que põe frente à frente os campeões brasileiros e da Copa do Brasil da temporada anterior.

O Flamengo começou mais ofensivo e, logo aos dois minutos, criou a primeira chance. Gabriel Barbosa recebeu na direita e, com a esquerda tentou acionar Arrascaeta na frente, mas a bola foi com muita força e direto para as mãos de Santos, goleiro athleticano. Na sequência, William Arão tabelou com o camisa 9, entrou na área pela direita para bater cruzado, a pelota desviou em Thiago Heleno e Santos espalmou para escanteio. A peleja seguiu com os rubronegros cariocas controlando a posse de bola enquanto os paranaenses permaneceram no campo de defesa.

Os campeões brasileiros seguiram com pressão na marcação e presentes na área dos vencedores da Copa do Brasil, que só saíam da defesa com bolas longas. Aos dez, Gérson recebeu na direita, levantou na área, a esférica passou por Bruno Henrique e saiu pela linha de fundo. E, depois do sufoco flamenguista, o Athletico resolveu atacar. Aos 12, Márcio Azevedo cruzou rasteiro para Léo Cittadini, mas Rodrigo Caio cortou. Em seguida, aos 14, Rony disparou pela esquerda, tentou cruzar, Gerson desviou e Diego Alves ficou com a redonda.

Na sequência, Gabriel Barbosa, pela direita, cruzou com a canhota na medida para Bruno Henrique, sozinho, de cabeça, desviar para o gol e inaugurar o placar no Mané Garrincha: 1 a 0 para o Flamengo. O gol motivou mais o time carioca. Aos 19, Arrascaeta cruzou na área, Rodrigo Caio subiu mais que todo mundo para desviar de cabeça por cima da meta de Santos. Minutos depois, a partida precisou ser paralisada em virtude do choque entre os zagueiros Rodrigo Caio e Thiago Heleno. Posteriormente, aos 28 minutos, uma lambança na defesa do Furacão colaborou para o segundo gol flamenguista. Filipe Luís cruzou na área, o lateral-esquerdo Márcio tentou ajeitar de peito para Santos, mas deixou a redonda na fogueira para o goleiro, que demorou a reagir, Gabriel Barbosa se antecipou, tirou a bola do camisa 1 e mandou para o gol: 2 a 0 para o Flamengo. Após o tento do Mengão, a partida foi paralisada para os atletas se hidratarem.

Mais tarde, aos 34, Marquinhos Gabriel cobrou falta com o pé esquerdo e mandou por cima do travessão de Diego Alves, com perigo. Minutos depois, aos 40, Santos deu um chutão no campo de defesa, a esférica sobrou para Marquinhos Gabriel, que levou a melhor contra a marcação de Rodrigo Caio, entrou na área e chutou forte cruzado com a canhota, mas o goleiro flamenguista fez grande defesa e mandou a bola pela linha de fundo. O Furacão ainda teve uma boa chance aos 42. Rony recebeu na esquerda, gingou para cima de Rafinha e bateu rasteiro, a bola passou pela extensão da área, Erick se esticou, mas não conseguiu desviar a bola para o gol. O primeiro tempo da decisão foi até os 50 minutos graças à parada técnica e também ao atendimento ao goleiro Diego Alves que, aos 43, chocou-se com o athleticano Erick quando deixou a grande área para fazer o corte de cabeça em um mergulho.

Para a etapa complementar, Dorival Júnior mexeu nas laterais ao tirar Khellven e Márcio Azevedo para as entradas de Fernando Canesin e Abner Vinícius. Mas, o Flamengo veio com o mesmo pique da primeira etapa. Aos 5, Everton Ribeiro achou Filipe Luís na área, o lateral tocou para Gerson, que cruzou para Gabriel Barbosa bater de primeira e mandar por cima da meta de Santos. Três minutos depois, De Arrascaeta cobrou falta direta e mandou pela linha de fundo. Na sequência, aos 10, Marquinhos Gabriel cobrou escanteio pela esquerda, Rodrigo Caio cortou e, na sobra, Erick tentou de cabeça e mandou por cima do gol de Diego Alves.

Aos 15, Gabriel Barbosa avançou pelo meio e deu uma enfiada para Bruno Henrique. O camisa 27 dominou e, ao tentar tirar do goleiro, Santos levou a melhor e fez o corte. Depois, aos 19, Erick cruzou, Bissoli desviou de cabeça para o meio do gol, facilitando o trabalho de Diego Alves.

E, aos 23, o Flamengo sacramentou o título. Bruno Henrique recebeu na esquerda, avançou, entrou na área e, ao tentar passar para Gabriel Barbosa, Santos cortou parcialmente, mas, na sobra, De Arrascaeta, livre, deu um tapa na bola e mandou para as redes: 3 a 0 Flamengo e festa em Brasília com os rubronegros entoando o grito de campeão. O Athletico Paranaense se esforçou para fazer o gol de honra. Aos 29, Nikão foi à linha de fundo e rolou para trás, Bissoli tentou de letra, acertou Rodrigo Caio e, na sobra, encheu o pé, mas a pelota explodiu no travessão do arqueiro flamenguista.

O ritmo de jogo deu uma diminuída, parte disso atribuída ao calor na capital federal, enquanto Michael e Nikão, respectivamente, até arremataram, mas erraram o alvo, e por muito. Aos 39, Bissoli recebeu na área e chutou forte com a direita para a defesa do bem posicionado Diego Alves. Depois desse lance, os flamenguistas só gastaram o tempo para esperar o apito final e soltar o grito de campeão. Até que aos 48 minutos, a partida foi encerrada. Fim de jogo no Mané Garrincha, Flamengo 3, Athletico Paranaense 0. O rubronegro carioca é o mais novo campeão da Supercopa do Brasil.

No primeiro tempo no duelo de rubronegros, apenas o Flamengo jogou no Mané Garrincha, pois dominou as ações e teve a seu favor o seu quarteto ofensivo (Gabriel Barbosa, Bruno Henrique, De Arrascaeta e Everton Ribeiro). Acuado, o Furacão paranaense só apareceu nos minutos finais com a cobrança de falta de Marquinhos Gabriel e uma chance desperdiçada por Erick. No segundo tempo, Dorival Júnior até tentou mudar a postura do time, com mudanças nas laterais, mas não encontrou espaços e o Flamengo, que manteve a posse de bola, foi fatal aos 23 quando fez o terceiro gol com De Arrascaeta. O Athletico até tentou amenizar o prejuízo com Bussoli, que parou no travessão, e na atuação segura de Diego Alves.

Com o título inédito da Supercopa do Brasil, Jorge Jesus já conquista o seu terceiro troféu no comando do Flamengo. Antes da conquista deste domingo, “Mister” comandou o rubronegro nas conquistas do Campeonato Brasileiro e da Copa Libertadores da América em 2019. E, ainda neste semestre, ele e seus comandados podem erguer mais algumas taças, como a Recopa Sulamericana contra o Independiente Del Valle e a Taça Guanabara diante do Boavista, além do campeonato estadual do Rio de Janeiro.

A seguir, a ficha técnica da decisão.

FICHA TÉCNICA: FLAMENGO 3×0 ATLHETICO PARANAENSE
Competição/Fase: Supercopa do Brasil 2020 – final (jogo único)
Data: 16 de fevereiro de 2020, domingo – 11h (horário de Brasília)
Local: Estádio Mané Garrincha, Brasília (DF)
Público: 48.009 torcedores
Renda: R$ 7.423.760,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO)
Auxiliares: Fabrício Vilarinho da Silva (GO) e Bruno Raphael Pires (GO)
Cartões Amarelos: Erick e Nikão (Athletico-PR)
Gols: Bruno Henrique, aos 14 min (1-0), Gabriel Barbosa, aos 29 min do 1º tempo (2-0); e De Arrascaeta, aos 23 min do 2º tempo (3-0)
FLAMENGO: 1.Diego Alves; 13.Rafinha, 3.Rodrigo Caio, 2.Gustavo Henrique e 16.Filipe Luís (6.Renê); 5.Willian Arão, 8.Gerson, 7.Everton Ribeiro (10.Diego) e 14.De Arrascaeta (19.Michael); 27.Bruno Henrique e 9.Gabriel Barbosa. Técnico: Jorge Jesus
ATHLETICO PARANAENSE: 1.Santos; 13.Khellven (55.Fernando Canesin), 33.Lucas Halter, 44.Thiago Heleno e 6.Márcio Azevedo (16.Abner Vinícius); 26.Erick, 5.Wellington e 18.Léo Cittadini (17.Bissoli); 10.Marquinhos Gabriel, 7.Rony e 11.Nikão. Técnico: Dorival Júnior

Parabéns ao Clube de Regatas Flamengo pelo título.

Por Jorge Almeida

Liverpool: campeão do Mundial de Clubes da FIFA 2019

Jogadores do Liverpool erguem a inédita taça do Mundial de Clubes da FIFA. Foto: Giuseppe Cacase/AFP

O Liverpool é o mais novo campeão Mundial. A equipe inglesa derrotou o Flamengo por 1 a 0, com gol de Roberto Firmino no primeiro tempo da prorrogação e ficou com a inédita taça, em partida duramente disputada neste sábado (21), no Estádio Internacional Khalifa, em Doha, no Qatar, e vingou-se da decisão intercontinental perdida para os rubronegros em 1981.

No primeiro minuto da etapa inicial, o Liverpool perdeu uma boa oportunidade com Roberto Firmino. Depois de receber o lançamento, o camisa 9 saiu na cara de Diego Alves e, com Rodrigo Caio na pressão, acabou por mandar por cima do gol. O Flamengo tentou dar o troco em seguida: Filipe Luís cruzou e a bola passou direto por Gabriel Barbosa. Os Reds atacaram mais uma vez, aos quatro. Salah recebeu na direita, levou a melhor contra o lateral-esquerdo flamenguista, rolou para trás para Keita, que pegou mal na bola e mandou longe. Dois minutos depois, os ingleses chegaram com perigo. Alexander-Arnold entrou na diagonal, bateu cruzando e a redonda passou muito perto da trave de Diego Alves.

Após os sustos, o Fla conseguiu equilibrar as ações. Aos 18, Rafinha cruzou, Bruno Henrique cabeceou em Joe Gomez e, na sobra, Gabriel chutou, porém, a bola explodiu na defesa inglesa. Depois, aos 20, Bruno Henrique tabelou com Gerson e, na ponta direita, rolou para trás e a bola passou por todo mundo. O camisa 21 flamenguista deu trabalho para a defesa do Liverpool. Aos 24, driblou Joe Gomez e finalizou ao gol de Alisson, mas o auxiliar já apontara impedimento. Dois minutos depois, Bruno recebeu lançamento de Pablo Marí, entrou na área e foi travado na hora da finalização por Joe Gomez. Mais tarde, aos 31, Gabriel tabelou com Arrascaeta e Bruno Henrique, mas no momento do chute, o centroavante se desequilibrou e a finalização saiu fraca.

Depois de ter sido pressionado pelo rubronegro carioca durante boa parte do primeiro tempo, o Liverpool voltou a levar perigo. Aos 37, o clube inglês partiu em contra-ataque com Salah na esquerda, mas ao tentar inverter o jogo, o egípcio errou e Filipe Luís fez o corte. Na sequência, a partida apresentou uma queda de intensidade com os times ficando à espera do fim do primeiro tempo, que ficou do jeito que começou: 0 a 0.

Assim como foi no começo do primeiro tempo, Roberto Firmino voltou a incomodar e teve uma grande chance. Depois de receber lançamento de Henderson, no primeiro minuto da etapa final, ele deu um lençol em Rodrigo Caio e finalizou, mas a esférica carimbou a trave de Diego Alves. No lance seguinte, aos quatro, após uma boa triangulação, Alexander-Arnold cruzou da esquerda, Salah se antecipou à zaga, bateu para o gol e a bola passou próximo da trave do goleiro flamenguista. Aos sete, foi a vez de Gabriel Barbosa recebeu de Arrascaeta e mandou por cima. Em seguida, aos oito, o camisa 9 recebeu de Everton Ribeiro e bateu cruzado para Alisson espalmar no canto direito para escanteio.

O Liverpool chegou novamente aos 11. Salah abriu para Chamberlain, Rafinha cortou, Robertson chegou batendo e a bola sobrou para Firmino, na cara do gol, mas foi flagrado em impedimento. Três minutos mais tarde, Salah recebeu lançamento de Robertson, cortou Filipe Luís e mandou para fora, mas o egípcio também estava fora de jogo.

O jogo seguiu aberto. Aos 21, o Flamengo trocou passes no ataque, Arrascaeta viu Gabriel Barbosa e o lançou, o camisa 9 chutou e a bola explodiu em Van Dijk. Três minutos depois, o centroavante rubronegro recebeu lançamento de Bruno Henrique na área e armou uma bicicleta, mas Alisson fez a defesa. O Liverpool chegou a balançar as redes aos 31 minutos com Salah, depois de ter recebido passe de Keita, mas o atacante egípcio estava em impedimento. Aos 35, Firmino recebeu de Mané e rolou a bola para trás, a redonda passou por Mané e Keita, mas não por Arnold que chegou batendo para o gol e Diego Alves fez a defesa com segurança.

A partida chegou em seus momentos finais e o Liverpool aparentava estar mais inteiros no jogo e criou boas chances. Aos 40, Mané puxou contragolpe, acionou Salah que, por sua vez, tocou para trás para a chegada de Henderson, que bateu forte e colocado para Diego Alves buscar e fazer uma defesaça. E, para aumentar o drama dos flamenguistas no jogo, o árbitro marcou pênalti para os Reds aos 45 minutos. Mané recebeu passe de Roberto Firmino, saiu na cara do gol e foi derrubado por Rafinha no momento da finalização. Porém, depois de quase cinco minutos analisando o lance no VAR, o juiz voltou atrás e anulou o pênalti e deu bola ao chão e o jogo foi até os 53 minutos e terminou em 0 a 0 e a disputa foi para a prorrogação.

No primeiro tempo da prorrogação, assim como boa parte do segundo etapa do tempo regulamentar, o cansaço era nítido por parte do Flamengo. Mas, a primeira investida no tempo extra foi do rubronegro. Aos cinco, Vitinho fez um bom lance pela direita, fintou Alexander-Arnold e cruzou na área, mas Van Dijk fez o corte.

No entanto, três minutos depois… Henderson fez belo lançamento para Mané, Rodrigo Caio não conseguiu cortar, o camisa 10 viu Firmino chegando livre e rolou para o brasileiro que, parou, limpou Rodrigo Caio e Diego Alves e mandou para as redes – a bola ainda chegou a tocar no pé do ex-zagueiro são-paulino. Um a zero para o Liverpool. Na comemoração, o atacante recebeu o cartão amarelo por ter tirado a camisa.

Após o tento dos ingleses, o Flamengo promoveu a entrada do atacante Lincoln no lugar de Gerson. Mas, até o final do primeiro tempo da prorrogação pouca coisa foi feita. Na volta para os últimos 15 minutos, Jürgen Klopp sacou o autor do gol par dar lugar a Origi.

No segundo minuto da etapa final da prorrogação, Diego arriscou de fora da área, a redonda bateu na defesa e a sobra foi rubronegra. E, após novo cruzamento, Gabriel Barbosa dominou e mandou para fora. Mais tarde, aos seis, Bruno Henrique tentou pela esquerda, depois com Rafinha pela direita. Em seguida, Gabigol cruzou, a bola desviou na zaga e ficou com Alisson. Aos nove foi a vez de Alxander-Arnold cobrar falta direto para o gol para defesa de Diego Alves.

Nos minutos finais, o Flamengo teve uma excelente chance de empatar o jogo. Aos 14, Vitinho recebeu na direita, cruzou para trás para Lincoln, livre, chutar por cima do gol. Contudo, a partida foi até os 17 minutos e o placar confirmou a vitória do Liverpool. Fim de jogo : Liverpool 1, Flamengo 0. Os Reds são campeões do mundo.

O duelo entre Liverpool e Flamengo foi bem equilibrado. Nos dois tempos, os Reds começaram melhores e tiveram boas chances, mas o crescimento dos brasileiros na partida, especialmente com Bruno Henrique usando bem os espaços permitiu três boas chances rubronegras e, além disso, segurou as investidas do camisa 66 dos Reds. O Flamengo empurrou o Liverpool em seu campo e melhorou no jogo. No começo do segundo tempo, o time brasileiro subiu bem a marcação e dificultou a saída de bola dos europeus, mas os ingleses conseguiram duas boa oportunidades com Firmino e Salah e deixou o jogo em aberto. No entanto, o cansaço dos flamenguistas começou a aparecer e as mudanças feitas por Jorge Jesus não surtiram o efeito esperado. O pecado de “Mister”: as saídas de Éverton Ribeiro e Arrascaeta fizeram com que o rendimento do Flamengo caísse drasticamente, pois eles faziam com que o time mantivesse a posse de bola no ataque, além do poder do passe aprofundado. Sem os dois, o Liverpool ganhou o meio-de-campo e mais força para atacar. Na prorrogação, assim como no começo dos dois tempos da etapa regulamentar, o Liverpool criou chances, mas o destino foi diferente. Roberto Firmino recebeu passe de Mané, aos oito minutos, tirou Rodrigo Caio e Diego Alves do lance e mandou para as redes. Com isso, o Flamengo não conseguiu se reequilibrar na partida e, na base da vontade, foi tentar buscar o empate nos acréscimos, mas, diferentemente do roteiro na Libertadores, o empate e a (eventual) virada não vieram e, assim, o Liverpool vingou-se da perda da Copa Intercontinental de 1981 e, de quebra, se tornou, junto com o Manchester United, os únicos clubes ingleses campeões do mundo.

Na premiação, Mohammed Salah, do Liverpool, ficou com a Bola de Ouro, enquanto Bruno Henrique, do Flamengo, ficou com a Bola de Prata e Carlos Eduardo, do Al-Hilal, com a Bola de Bronze. Enquanto isso, o Espérance de Tunis, do Marrocos, recebeu o prêmio Fair Play. Na disputa do terceiro lugar, o Monterrey, do México, levou a melhor contra o Al-Hilal após vencer os sauditas por 4 a 3 nos pênaltis depois de empate em 2 a 2 no tempo normal.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da final.

Semifinais:
18/12 – Monterrey (MÉX) 1×2 Liverpool (ING) – Estádio Internacional Khalifa, Doha (QAT)
Final:
21/12 – Liverpool (ING) 1×0 Flamengo (BRA) – Estádio Internacional Khalifa, Doha (QAT)

FICHA TÉCNICA: LIVERPOOL 1×0 FLAMENGO
Competição/Fase: Mundial de Clubes da FIFA 2019 – final (jogo único)
Local: Estádio Internacional Khalifa, Doha (Qatar)
Data: 21 de dezembro de 2019, sábado – 14h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Abdulrahman Al-Jassim (QAT)
Auxiliares: Taleb Al-Marri (QAT) e Saoud Al-Maqaleh (QAT)
Cartões Amarelos: Mané, Salah, Roberto Firmino e Milner (Liverpool); Vitinho e Diego (Flamengo)
Gol: Roberto Firmino, aos 8 min do 1º tempo da prorrogação (1-0)
LIVERPOOL (ING): 1.Alisson; 66.Alexander-Arnoldm 12.Joe Gomez, 4.Van Dijk e 26.Robertson; 14.Henderson, 8.Keïta (7.Milner) e 15.Oxlade-Chamberlain (20.Lallana); 11.Salah (23.Shaqiri), 10.Mané e 9.Roberto Firmino (27.Origi). Técnico: Jürgen Klopp
FLAMENGO (BRA): 1.Diego Alves; 13.Rafinha, 3.Rodrigo Caio, 4.Pablo Marí e 16.Filipe Luís; 5.Willian Arão (28.Berrío), 8.Gerson (29.Lincoln) e 7.Everton Ribeiro (10.Diego); 14.Arrascaeta (11.Vitinho), 27.Bruno Henrique e 9.Gabriel Barbosa. Técnico: Jorge Jesus

Parabéns ao Liverpool Football Club pelo título.

Por Jorge Almeida

Flamengo: campeão brasileiro sub-20 2019

Jogadores do Flamengo comemoram o título do Campeonato Brasileiro Sub-20, em Cariacica. Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

O Flamengo não pára de comemorar títulos. Depois de a equipe principal levar recentemente a Copa Libertadores da América e o Campeonato Brasileiro, os rubronegros também conquistaram o Campeonato Brasileiro Sub-20 2019 neste domingo (1º) ao derrotar o Palmeiras por 3 a 0, no Estádio Kleber Andrade, em Cariacica (ES). Os gols da partida foram marcados por Yuri César, Wendel (de pênalti) e Guilherme. Os Garotos do Ninho reverteram a vantagem palmeirense, que havia vencido o jogo de ida por 1 a 0, e levam a taça da competição para a Gávea pela primeira vez.

Precisando reverter a desvantagem, o Flamengo tomou a iniciativa e criou a primeira chance de gol aos nove minutos. Yuri César pedalou pela esquerda, se livrou da marcação e bateu cruzado, mas Vítor Gabriel não conseguiu alcançar a bola. A garotada rubronegra seguiu melhor no jogo e manteve a superioridade na partida e seguiu na pressão.

Aos 24, Matheus França recebeu a sobra e, de fora da área, soltou a bomba, mas Magrão se esticou todo e espalmou para escanteio. Bela defesa do arqueiro palmeirense. Até que, aos 28, Yuri César arriscou da entrada da área, a redonda desviou em Helderson e tirou qualquer possibilidade de defesa de Magrão. O Flamengo abriu o placar em Cariacica e o camisa 10 foi às lágrimas na comemoração.

Após o tento flamenguista, a partida teve a parada técnica. E, depois da pausa, o Flamengo seguiu melhor no jogo. Aos 42, Yuri tabelou com Luís Henrique, invadiu a área e bateu cruzado e, mais uma vez, Vítor Gabriel se esticou e não conseguiu chegar na pelota. E, antes do intervalo, aos 48, o camisa 9 rubronegro recebeu na área, protegeu a bola e rolou para trás para Yuri César na altura da marca penal, mas o camisa 10 emendou de primeira, de chapa, por cima do gol.

Dois minutos depois, aos 40, o alviverde teve a sua melhor chance no jogo. Depois de cruzamento na área, Vanderlan pegou a sobra, finalizou e Guilherme Vieira desviou de letra, mas a esférica ficou com Hugo Souza.

No segundo tempo, a superioridade dos Garotos do Ninho prevaleceu. Aos 10 minutos, Luiz Henrique cruzou, Natan se antecipou a Patrick, que falhou no lance ao marcar a bola e não o adversário, e o zagueiro cabeceou para fora. A bola passou muito perto da trave direita de Magrão que, estático, só restou olhar e torcer para sair.

Mais tarde, aos 22, Yuri recebeu na esquerda, deu um passe por cima para Ramon, que encarou a marcação de Kaique Mafaldo, que derrubou o camisa 6 dentro da área. Pênalti para o Flamengo. Na cobrança, Wendel bateu com força no ângulo do goleiro palmeirense e ampliou para o time da Gávea: 2 a 0.

Depois do segundo gol flamenguista, a partida deu uma diminuída no ritmo, boa parte atribuída ao calor e, com isso, assim como na etapa inicial, o jogo precisou ser interrompido para a parada técnica. Na volta, o Flamengo seguiu a ditar o ritmo do jogo. E, nas poucas vezes que levou perigo, o Palmeiras chegou pela direita, aos 38, com o colombiano Angulo, que cruzou da direita e, em seguida, houve o choque entre Fabrício e Hugo Souza. O goleiro do Flamengo ficou caído e foi atendido pela equipe médica.

Dois minutos depois, aos 40, o alviverde teve a sua melhor chance no jogo. Depois de cruzamento na área, Vanderlan pegou a sobra, finalizou e Guilherme Vieira desviou de letra, mas a esférica ficou com Hugo Souza.

A equipe paulista esboçou uma tímida pressão para tentar o gol de honra, mas o bem postado time carioca não possibilitou o êxito dos palmeirenses. E, no último lance da decisão, aos 49 minutos, Lázaro tocou de letra para Guilherme Bala, que entrou na área, limpou a marcação e chutou forte para sacramentar o título – a bola ainda bateu na trave antes de entrar: 3 a 0 e mais um título rubronegro na temporada.

A partida foi até aos 53 minutos, quando o árbitro Rodrigo Carvalhaes de Miranda decretou o fim de jogo, em Cariacica: Flamengo 3, Palmeiras 0. O rubronegro é campeão brasileiro sub-20 de 2019. O primeiro da história do clube na categoria.

Apesar de ter dominado o primeiro jogo, em São Paulo, o Palmeiras conseguiu apenas a vitória simples diante do Flamengo que, por sua vez, dominou toda a segunda partida, em Cariacica. O alviverde optou por uma postura mais defensiva e pouco atacou o adversário que, motivado pela sua torcida, conseguiu reverter a desvantagem ainda no primeiro tempo, com gol de Yuri César. A estratégia dos paulistas foi tentar segurar o ímpeto dos rubro-negros para provocar uma disputa por pênaltis, mas a situação sucumbiu quando Wendel, de pênalti, ampliou o placar. Com isso, a equipe treinada por Wesley Carvalho se lançou tardiamente para o ataque e recebeu o golpe de misericórdia nos acréscimos com o terceiro gol flamenguista marcado por Guilherme nos acréscimos do segundo tempo.

Assim como em 2018, quando o time principal e o sub 20 do Palmeiras levaram o Campeonato Brasileiro das respectivas categorias, o Flamengo repetiu o mesmo feito e mais: de quebra, abocanhou o campeonato nacional na categoria sub-17 também.

Em breve, as duas equipes voltarão a se enfrentar pela Supercopa do Brasil Sub-20. O Flamengo, como campeão brasileiro da categoria, e o Palmeiras, na condição de vencedor da Copa do Brasil.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
Primeira Fase:
25/06 – Coritiba 1×4 Flamengo – Ecoestádio, Curitiba (PR)
02/07 – Flamengo 3×1 Bahia – Gávea, Rio de Janeiro (RJ)
10/07 – Vitória 0x0 Flamengo – Barradão, Salvador (BA)
15/07 – Flamengo 4×1 Fluminense – Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
18/07 – Flamengo 2×0 Internacional – Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
21/07 – Corinthians 2×2 Flamengo – Parque São Jorge, São Paulo (SP)
25/07 – Flamengo 2×1 Vasco – Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
31/07 – Botafogo 0x1 Flamengo – Nílton Santos, Rio de Janeiro (RJ)
07/08 – Flamengo 4×2 Ponte Preta – Gávea, Rio de Janeiro (RJ)
14/08 – Sport Recife 1×2 Flamengo – Arena Pernambuco, São Lourenço da Mata (PE)
21/08 – Flamengo 1×1 Grêmio – Gávea, Rio de Janeiro (RJ)
28/08 – Flamengo 0x1 Cruzeiro – Raulino de Oliveira, Volta Redonda (RJ)
04/09 – Chapecoense 1×3 Flamengo – Arena Condá, Chapecó (SC)
11/09 – Flamengo 2×0 Atlético (MG) – Gávea, Rio de Janeiro (RJ)
22/09 – Palmeiras 1×0 Flamengo – Distrital do Inamar, Diadema (SP)
29/09 – Santos 1×2 Flamengo – Espanha, Santos (SP)
02/10 – Flamengo 3×1 Athletico (PR) – Gávea, Rio de Janeiro (RJ)
13/10 – América (MG) 1×1 Flamengo – Estádio das Alterosas, Belo Horizonte (MG)
16/10 – Flamengo 2×2 São Paulo – Gávea, Rio de Janeiro (RJ)
Quartas-de-final:
22/10 – Fluminense 0x3 Flamengo – Elcyr Resende, Saquarema (RJ)
30/10 – Flamengo 2×1 Fluminense – Rio de Janeiro (RJ)
Semifinais:
10/11 – Corinthians 1×2 Flamengo – Parque São Jorge, São Paulo (SP)
17/11 – Flamengo 0x0 Corinthians – Kleber Andrade, Cariacica (ES)
Final:
28/11 – Palmeiras 1×0 Flamengo – Pacaembu, São Paulo (SP)
1º/12 – Flamengo 3×0 Palmeiras – Kleber Andrade, Cariacica (ES)

FICHA TÉCNICA: FLAMENGO 3×0 PALMEIRAS
Competição/Fase: Campeonato Brasileiro Sub-20 2019 – final (2º jogo)
Local: Estádio Kleber Andrade, Cariacica (ES)
Data: 1º de dezembro de 2019, domingo – 14h (horário de Brasília)
Árbitro: Rodrigo Carvalhaes de Miranda (RJ)
Auxiliares: Lilian da Silva Fernandes Bruno (RJ) e Andrea Izaura Maffra Marcelino de Sá (RJ)
Cartões Amarelos: Richard, João Victor, Wendel, Lázaro, Yuri Oliveira e Guilherme (Flamengo); Vinícius e Patrick (Palmeiras)
Gols: Yuri César, aos 29 min do 1º tempo (1-0); Wendel (de pênalti), aos 25 min (2-0) e Guilherme, aos 50 min do 2º tempo (3-0)
FLAMENGO: 1.Hugo Souza; 2.Matheus França, 3.Gustavo, 4.Natan (15.Otávio) e 6.Ramon; 5.Gomes (17.Matheus Alves), 8.Luiz Henrique, 7.Richard (18.Yuri de Oliveira) e 10.Yuri (23.Lázaro); 11.Wendel (26.Guilherme Bala) e 9.Vítor Gabriel (25.Rodrigo Muniz). Técnico: Maurício Souza
PALMEIRAS: 1.Magrão; 2.Vítor Ricardo (12.Ramon), 3.Kaíque Mafaldo (21.Henri), 4.Helderson (19.Lucas Cordeiro) e 6.Nogueira (16.vanderlan); 5.Patrick de Paula, 7.Danilo (18.Fabrício), 8.Gabirel Menino e 10.Alan; 9.Gabriel Silva (17.Guilherme Vieira) e 11.Angulo. Técnico: Wesley Carvalho

Parabéns ao Clube de Regatas Flamengo pelo título.

Por Jorge Almeida

Flamengo: campeão brasileiro de 2019

O Flamengo conquistou o Campeonato Brasileiro 2019 com quatro rodadas de antecedência. Créditos: Divulgação/CBF

Com gols de Pepe e Everton (de pênalti), o Grêmio derrotou o Palmeiras por 2 a 1 – Bruno Henrique, também de pênalti, fez o tento alviverde – na tarde deste domingo (24), no Allianz Parque, em São Paulo, em confronto válido pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro 2019. Com o resultado, o Flamengo sagrou-se campeão brasileiro com quatro rodadas de antecedência sem precisar entrar em campo (o rubronegro antecipou a rodada no último dia 13 ao empatar com o Vasco em 4 a 4 devido à decisão da Copa Libertadores da América ocorrida ontem, em Lima, no Peru).

A vitória gremista, além de quebrar a invencibilidade dos anfitriões em sua casa (o Palmeiras não perdia em sua arena no Campeonato Brasileiro desde 26 de maio de 2018 quando foi derrotado pelo Sport Recife por 3 a 2), levou o Tricolor aos 59 pontos, mantendo o time no quarto lugar e carimbou sua vaga para a principal competição sulamericana em 2020. E, com a derrota, o alviverde estacionou com 68 pontos e, além de ter perdido o título viu o Santos ultrapassá-lo na classificação (o Peixe tem a mesma pontuação, mas tem uma vitória mais).

Os gols da partida saíram todos no segundo tempo. Everton, de pênalti, abriu o placar para o time de Renato Gaúcho, aos 23 minutos. Aos 37, o volante Bruno Henrique, também de pênalti, empatou e deu esperança aos palmeirenses para virar o placar e manter o sonho (remoto) do bicampeonato, mas, no último lance do jogo, Pepe, aos 48 minutos, decretou o triunfo do Tricolor dos Pampas e o cumprimento da promessa feita pelo seu treinador em assegurar sua equipe na próxima Libertadores.

Com o título continental e brasileiro do Flamengo e também da Copa do Brasil pelo Athletico Paranaense, que, no momento, está em quinto lugar no campeonato nacional, o G6 virou G8, que tem o rubronegro, o Palmeiras e, agora, o Grêmio garantidos na fase de grupos da próxima Libertadores. Atualmente, o São Paulo, com 54 pontos, na sexta colocação, está se garantindo na mesma fase. Internacional e Corinthians, sétimo e oitavo, respectivamente, por enquanto, estão se garantindo na pré-Libertadores. Mas, Goiás, Bahia, Vasco e Fortaleza têm chances matemáticas de conquistarem vagas se colorados e alvinegros vacilarem nas últimas quatro rodadas.

No entanto, se por um lado há festa, do outro, o desespero bate. Pois, na parte debaixo da tabela, com exceção do Avaí, que já está matematicamente rebaixado, a luta pela permanência na Série A em 2020 está acirrada, com Chapecoense, CSA, Fluminense, Cruzeiro, Ceará, Botafogo e, com chances remotas, Atlético Mineiro. Dos citados, apenas a Raposa mineira nunca teve a experiência em disputar a Série B, se ficar entre os quatro últimos, o torcedor celeste não poderá mais soltar o bordão de “time grande não cai”.

Quanto ao campeão, o Flamengo sobrou na competição. Antes da pausa para a Copa América, o rubronegro parecia que não iria chegar lá, pois, fazia uma campanha mediana, com direito a derrota acachapante para o Bahia. Antes disso, nas primeiras rodadas, Abel Braga foi demitido e, em seu lugar, entrou “Mister” Jorge Jesus. Com o português no comando, o Fla aproveitou a pausa da competição continental de seleções e, desde o revés diante do Tricolor da Boa Terra, na 13ª rodada, o time carioca não foi mais derrotado. E, desde então, a invencibilidade está mantida, com direito a goleadas convincentes como os 3 a 0 aplicados, de forma consecutiva, em Ceará, Palmeiras e Avaí, além de outras duas por 4 a 1 em Vasco e Corinthians. Além de uma sequência de oito vitórias seguidas. E, se fazer mais um ponto em quatro jogos, o Flamengo terá pontuação recorde desde quando o Brasileirão, no atual formato (pontos corridos com 20 clubes), foi adotado. E ainda: o Fla tem a dupla de artilheiros do certame: Gabriel Barbosa, com 22 gols, e Bruno Henrique, com 18.

E, para celebrar a dupla conquista, o Flamengo fará o “jogo da festa” na próxima quarta-feira (27), quando receberá o Ceará, no Maracanã, às 21h30.

Aliás, para polemizar: com o Brasileirão de 2019, o Flamengo tornou-se hexa ou heptacampeão? Fique a critério de vocês.

De fato, a conquista flamenguista foi incontestável. A seguir, a classificação até o momento e a relação de jogos da campanha do campeão.

Classificação*:
Posição – Equipe – Pontos:
1. Flamengo – 81 pontos (campeão)
2. Santos – 68
3. Palmeiras – 68
4. Grêmio – 59
5. Athletico Paranaense – 56
6. São Paulo – 54
7. Internacional – 51
8. Corinthians – 50
9. Goiás – 46
10. Bahia – 44
11. Vasco – 44
12. Fortaleza – 43
13. Atlético Mineiro – 41
14. Botafogo – 39
15. Ceará – 37
16. Cruzeiro – 36
17. Fluminense – 35
18. CSA – 29
19. Chapecoense – 28
20. Avaí – 18

Data – Jogo – Local:
27/04 – Flamengo 3×1 Cruzeiro – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
1º/05 – Internacional 2×1 Flamengo – Beira-Rio, Porto Alegre (RS)
05/05 – São Paulo 1×1 Flamengo – Morumbi, São Paulo (SP)
12/05 – Flamengo 2×1 Chapecoense – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
18/05 – Atlético Mineiro 2×1 Flamengo – Independência, Belo Horizonte (MG)
26/05 – Flamengo 3×2 Athletico Paranaense – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
1º/06 – Flamengo 2×0 Fortaleza – Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
09/06 – Fluminense 0x0 Flamengo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
12/06 – CSA 0x2 Flamengo – Mané Garrincha, Brasília (DF)
14/07 – Flamengo 6×1 Goiás – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
21/07 – Corinthians 1×1 Flamengo – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
28/07 – Flamengo 3×2 Botafogo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
04/08 – Bahia 3×0 Flamengo – Arena Fonte Nova, Salvador (BA)
10/08 – Flamengo 3×1 Grêmio – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
17/08 – Vasco 1×4 Flamengo – Mané Garrincha, Brasília (DF)
25/08 – Ceará 0x3 Flamengo – Arena Castelão, Fortaleza (CE)
1º/09 – Flamengo 3×0 Palmeiras – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
07/09 – Avaí 0x3 Flamengo – Mané Garrincha, Brasília (DF)
14/09 – Flamengo 1×0 Santos – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
21/09 – Cruzeiro 1×2 Flamengo – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
25/09 – Flamengo 3×1 Internacional – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
28/09 – Flamengo 0x0 São Paulo – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
06/10 – Chapecoense 0x1 Flamengo – Arena Condá, Chapecó (SC)
10/10 – Flamengo 3×1 Atlético Mineiro – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
13/10 – Athletico Paranaense 0x2 Flamengo – Arena da Baixada, Curitiba (PR)
16/10 – Fortaleza 1×2 Flamengo – Arena Castelão, Fortaleza (CE)
20/10 – Flamengo 2×0 Fluminense – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
27/10 – Flamengo 1×0 CSA – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
31/10 – Goiás 2×2 Flamengo – Serra Dourada, Goiânia (GO)
03/11 – Flamengo 4×1 Corinthians – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
07/11 – Botafogo 0x1 Flamengo – Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
10/11 – Flamengo 3×1 Bahia – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
13/11 – Flamengo 4×4 Vasco – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)**
17/11 – Grêmio 0x1 Flamengo – Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
27/11 – Flamengo x Ceará – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)***
1º/12 – Palmeiras x Flamengo – Allianz Parque, São Paulo (SP)***
05/12 – Flamengo x Avaí – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)***
08/12 – Santos x Flamengo – Vila Belmiro, Santos (SP)***

* Classificação até a 34ª rodada, desconsiderando a partida entre CSA x Fluminense, marcada para segunda-feira (25)
** Jogo da 34ª rodada antecipado em virtude da final da Copa Libertadores da América entre Flamengo e River Plate realizado no dia 23/11
*** Jogos a serem realizados

Parabéns ao Clube de Regatas Flamengo pelo título.

Por Jorge Almeida

Flamengo: campeão da Copa Libertadores da América 2019

Jogadores do Flamengo comemoram o título da Copa Libertadores da América. Foto: AFP/Conmebol.com

O Flamengo é o mais novo campeão da América. O rubronegro derrotou o River Plate, de virada, por 2 a 1 na primeira final da Copa Libertadores da América disputada em jogo único, no Estádio Monumental, em Lima, no Peru, na tarde deste sábado (23). Os Millonarios saíram na frente com o colombiano Borré, mas nos minutos finais do segundo tempo, Gabriel Barbosa, o Gabigol, fez os dois gols que deram o segundo título da competição para o rubronegro carioca.

O jogo começou truncado, com o Flamengo em cima, mas encontrando dificuldades com a marcação ajustada do River Plate. O time brasileiro até finalizou antes dos dez minutos com Bruno Henrique, de longe, mas o chute saiu à direita do gol de Armani. Contudo, logo aos 14 minutos, os Millonarios saíram na frente. Nacho Fernández foi até a linha de fundo e se esticou para não deixar a bola sair e, no carrinho, rolou a bola para trás, Arão e Gerson bateram cabeça e a redonda sobrou para Borré, desmarcado, finalizar rasteiro e colocar os argentinos na frente em sua primeira investida aguda ao ataque: 1 a 0 para o River.

O gol motivou os atuais campeões da América, seguiu a marcar forte os rubronegros e tirar proveito. Aos 20, Suárez recebeu na esquerda, chegou à linha de fundo e cruzou para De La Cruz finalizar de dentro da área, mas ele furou para sorte do Flamengo. O time brasileiro sentiu o gol, quando tem a posse de bola, não é objetivo e ficou facilmente envolvido com a marcação do River Plate e ficou abaixo do que o torcedor está acostumado.

Aos 25, Everton Ribeiro foi desarmado na saída de bola, Suárez ficou com a redonda e finalizou, mas ela foi por cima do gol depois de a zaga desviar a trajetória. E o time argentino continuou a pressionar a saída de bola rubronegra, dificultando o trabalho dos comandados de “Mister” Jorge Jesus. O Flamengo tentou nas bolas alçadas, mas só serviu para facilitar o trabalho de Armani, que é bom na saída do gol.

O River Plate tentou tirar proveito da apatia do clube carioca e, por pouco, não fez o segundo gol aos 36. Depois de boa trama, Palacios recebeu na entrada da área, soltou a pancada e a bola passou muito perto da meta de Diego Alves. Quatro minutos depois, a partida precisou ser paralisada porque Rafinha se chocou de cabeça com De La Cruz, justamente no mesmo local em que o lateral se lesionou recentemente. Mais tarde, aos 43. Borré entrou na área e chutou para defesa de Diego Alves, mas o auxiliar já marcara impedimento no lance. No entanto, a primeira metade da decisão da Libertadores terminou, aos 48 minutos, com vitória parcial do River Plate.

O Flamengo voltou melhor para a etapa final e parecia mais disposto a jogar. No primeiro minuto, De Arrascaeta abriu para Gabriel Barbosa na direita, o ex-santista dominou, trouxe para o meio e chutou para Armani defender sem dificuldades. O time carioca encarou os argentinos de igual para igual e sentiu que o empate poderia sair.

Aos 11, um lance inacreditável. Bruno Henrique entrou na área pela esquerda, rolou para trás, Arrascaeta furou, a bola sobrou para Gabriel, que chutou em cima de De La Cruz, quase em cima da linha e, no rebote, Everton Ribeiro finalizou, mas Armani caiu no cantinho e não deu rebote.

Depois disso, a equipe de Buenos Aires passou a gastar mais o tempo por ter sentido que o adversário voltou mais “pilhado” no segundo tempo. No entanto, não deixou de levar perigo. Aos 21, Nacho recebeu na área, bateu cruzado em direção a Suárez, mas Pablo Marí afastou o perigo. Na sequência, aos 22, Nacho Fernández ficou com a redonda na entrada da área, dominou e chutou de primeira para mandar a bola perto do gol de Diego Alves.

Mesmo ligeiramente melhor em relação à primeira etapa, o Flamengo precisou agir mais se quisesse manter o sonho do título. Aos 30, Diego recebeu na entrada da área, tocou para Gabriel, que deixou para Everton. O camisa 7 cruzou, De Arrascaeta tentou o voleio e, no rebote, Diego isolou. Na jogada seguinte, foi a vez do River que, aos 33, partiu para o contragolpe, mas Pratto demorou e tentou de longe, mas errou o alvo.

E o River desperdiçou uma ótima oportunidade aos 35. Suárez fez jogada pela direita, levou a melhor na disputa com Pablo Marí, rolou para trás para Palacios, que chegou chutando rasteiro para fora. Poderia ter sido o gol do título.

Eis que, pouco tempo depois, Pratto perdeu a bola no ataque e o Flamengo partiu no contragolpe. Bruno Henrique encontrou De Arrascaeta dentro da área e o acionou com um passe que desmontou a defesa argentina, e o uruguaio cruzou rasteiro para Gabriel Barbosa, livre, só empurrar para as redes e empatar a decisão: 1 a 1, em Lima. Resultado que, até então, levava a disputa para a prorrogação.

A partida ganhou cinco minutos de acréscimos e o iluminado Gabriel Barbosa entrou em ação mais uma vez aos 46 minutos e evitou o tempo extra. A bola foi lançada no ataque, o camisa 9, ganhou de Pinola e chutou forte com a esquerda para virar o jogo para o Flamengo: 2 a 1 e o título – de perdido até os 43 minutos do segundo tempo a poucos minutos de ir para a galeria de troféus da Gávea – mudando de direção. Festa rubronegra na capital peruana. E, por ter tirado a camisa, o rubronegro levou cartão amarelo.

Logo após o gol flamenguista, Palacios recebeu o cartão vermelho por pisar em Bruno Henrique já no chão. O clima esquentou. Na confusão, sobrou para o autor dos gols rubronegros também que foi expulso. Mas, o árbitro chileno encerrou a decisão aos 51 minutos. Fim de jogo em Lima: River Plate 1, Flamengo, de virada, 2. O Mengão é campeão da Copa Libertadores da América depois de 38 anos.

O Flamengo atuou abaixo do que se esperava diante do River Plate, até equilibrou as ações no começo, mas o gol dos argentinos antes dos 20 minutos do primeiro tempo, que contou com uma falha do sistema defensivo, abalou o rugronegro, que praticamente não jogou nos 45 minutos iniciais, criando apenas uma boa chance de gol. No mais, se limitou a usufruir de jogadas de bola parada e facilitando o trabalho do goleiro Armani. E, inclusive, provou do próprio veneno: pois, os Millonarios utilizaram a artimanha que tem sido o principal trunfo flamenguista na temporada: a pressão na saída de bola. Mas, Jorge Jesus deve ter dado aquele esporro no vestiário e o time veio com outra postura e passou a incomodar mais o copeiro time de Marcelo Gallardo. Aos 11, aconteceu aquele típico lance de que nada parecia dar certo: Bruno Henrique entrou na área, rolou para trás, Arrascaeta furou, a zaga não tirou, Gabriel chutou em cima do defensor e, na sobre, Everton Ribeiro parou em Armani. Depois, Gerson precisou dar lugar a Diego por conta de lesão. Os brasileiros seguiram em cima e tiveram outra chance aos 30, mas não souberam aproveitar, enquanto isso, o River se segurava e, quase, chegou ao segundo gol, o que poderia ser uma catástrofe para os flamenguistas. Mas, quando tudo parecia que estava resolvido, Gabriel Barbosa, que andava sumido no jogo resolveu aparecer e fez dois gols – aos 43 e aos 46 minutos – para virar e dar o título para o futebol brasileiro e, assim como em 1981, o Flamengo conquista o torneio continental mais importante das Américas em um 23 de novembro. O camisa 9 rubronegro foi expulso junto com Palacios, mas isso não estragou o seu status de heroi flamenguista.
Aliás, com a conquista da Libertadores, Jorge Jesus se tornou o segundo treinador europeu a ser campeão da América – o primeiro foi o croata Mirko Jozić, que faturou o título pelo Colo-Colo, do Chile, em 1991. E, para os flamenguistas mais supersticiosos, as coincidências não param por aqui: como os dois títulos da Libertadores aconteceram na mesma data: 23 de novembro, o provável adversário de uma eventual final do Mundial de Clubes da FIFA desse ano será o Liverpool, o mesmo clube que perdeu a decisão da Copa Intercontinental para Zico e cia. há quase 40 anos.

E a festa rubronegra pode ficar ainda mais completa amanhã. Se o Palmeiras não vencer o Grêmio em seu estádio, o Flamengo conseguirá a proeza de ser campeão da Libertadores no sábado e campeão brasileiro no domingo.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
Fase de Grupos (Grupo D):
05/03 – San José (BOL) 0x1 Flamengo (BRA) – Jesús Bermúdez, Oruro (BOL)
13/03 – Flamengo (BRA) 3×1 LDU Quito (EQU) – Maracanã, Rio de Janeiro (BRA)
03/04 – Flamengo (BRA) 0x1 Peñarol (URU) – Maracanã, Rio de Janeiro (BRA)
11/04 – Flamengo (BRA) 6×1 San José (BOL) – Maracanã, Rio de Janeiro (BRA)
24/04 – LDU Quito (EQU) 2×1 Flamengo (BRA) – Casa Blanca, Quito (EQU)
09/05 – Peñarol (URU) 0x0 Flamengo (BRA) – Campeón del Siglo, Montevidéu (URU)
Oitavas-de-final:
24/07 – Emelec (EQU) 2×0 Flamengo (BRA) – George Capwell, Guaiaquil (EQU)
31/07 – Flamengo (BRA) (4)2×0(2) Emelec (EQU) – Maracanã, Rio de Janeiro (BRA)
Quartas-de-final:
21/08 – Flamengo (BRA) 2×0 Internacional (BRA) – Maracanã, Rio de Janeiro (BRA)
28/08 – Internacional (BRA) 1×1 Flamengo (BRA) – Beira-Rio, Porto Alegre (BRA)
Semifinais:
02/10 – Grêmio (BRA) 1×1 Flamengo (BRA) – Arena do Grêmio, Porto Alegre (BRA)
23/10 – Flamengo (BRA) 5×0 Grêmio (BRA) – Maracanã, Rio de Janeiro (BRA)
Final:
23/11 – Flamengo (BRA) 2×1 River Plate (ARG) – Estádio Monumental, Lima (PER)

FICHA TÉCNICA: FLAMENGO (BRA) 2×1 RIVER PLATE (ARG)
Competição/Fase: Copa Libertadores da América 2019 – final (jogo único)
Local: Estádio Monumental del Club Universitario de Deportes (Coloso de Ate), Lima (PER)
Data: 24 de novembro de 2019, sábado – 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Roberto Tobar (CHI)
Auxiliares: Christian Schiermann (CHI) e Claudio Ríos (CHI)
Cartões Amarelos: Pablo Marí, Rafinha e Gabriel Barbosa (Flamengo); Casco, Matías Suárez, Enzo Pérez (River Plate)
Cartões Vermelhos: Gabriel Barbos (Flamengo); Palacios (River Plate)
Gols: Borré, aos 14 min do 1º tempo (0-1); Gabriel Barbosa, aos 43 (1-1) e aos 46 min do 2º tempo (2-1)
FLAMENGO (BRA): 1.Diego Alves; 18.Rafinha, 3.Rodrigo Caio, 24.Pablo Marí e 21.Filipe Luís. 5.William Arão (11.Vitinho), 15.Gerson (10.Diego), 7.Everton Ribeiro e 14.Arrascaeta (25.Piris da Mota); 27.Bruno Henrique e 9.Gabriel Barbosa. Técnico: Jorge Jesus
RIVER PLATE (ARG): 1.Armani, 29.Montiel, 28.Martínez Quarta, 22.Pinola e 20.Casco (6.Paulo Díaz); 24.Enzo Pérez, 15.Palacios, 26.Nacho Fernández (9.Julián Álvarez) e 11.De La Cruz; 7.Suárez e 19.Borré (27.Pratto). Técnico: Marcelo Gallardo

Parabéns ao Clube de Regatas Flamengo pelo título.

Por Jorge Almeida