Vídeo: as cinco viradas mais incríveis na história da Liga dos Campeões

Confira as viradas inesquecíveis da Liga dos Campeões. Créditos: Reprodução Betfair.net

Para marcar o retorno da Liga dos Campeões da UEFA, a Betfair.net preparou uma lista com as maiores e mais surpreendentes viradas na competição. Confira o vídeo!

Depois de um jogo surpreendente, com uma virada histórica, muita gente já se perguntou: qual era a chance disso acontecer? Pois os especialistas da Betfair.net calcularam exatamente qual era a probabilidade de algumas das viradas mais incríveis da história da Liga dos Campeões se tornarem realidade ANTES que elas ocorressem – confira a lista e o vídeo!

5. AJAX x TOTTENHAM: Hat-trick de Lucas Moura em noite inesquecível dos Spurs
Semifinal, 2019 – partida de volta
Chance de virada: 2%
O jovem time do Ajax teve uma performance realmente memorável para chegar às semifinais da Champions League em 2019, surpreendendo até Cristiano Ronaldo e a Juventus na rodada anterior. Na sequência, saíram na frente por um lugar na final contra o Tottenham após os gols de Matthijs de Ligt e Hakim Ziyech lhe darem conforto de 3×0 na soma de resultados com o 1×0 conseguido na primeira partida em Londres.

Aos 9 minutos do segundo tempo, o Tottenham precisava fazer três gols na casa do Ajax para passar à final. A probabilidade disso acontecer, segundo a Betfair.net, era de 2%.

Qualquer jogador pode olhar para trás em busca de uma partida em sua carreira onde tudo correu com perfeição, onde tudo estava em seu lugar quando necessário. Para Lucas Moura, esse foi o jogo. Substituindo o lesionado Harry Kane, ele marcou dois gols no segundo tempo em apenas cinco minutos, e num final emocionante onde ambos os times tiveram boas chances para marcar, ele anotou o terceiro gol do clube inglês no sexto minuto de prorrogação, com uma bela finalização para guiar os Spurs até a final – contra todas as probabilidades.

4. LIVERPOOL X AC MILAN: Gerrard traz o troféu para casa
Final, 2005
Chance de virada: 1%
Essa é provavelmente a mais famosa virada na Liga dos Campeões, embora não tenha sido a que causou a maior surpresa em termos de probabilidades.

Na grande final de 2005, o Milan saiu na frente por 3×0 ainda no primeiro tempo, por cortesia de Paolo Maldini e um bis de Hernan Crespo. Harry Kewell, que foi surpresa na escalação inicial do Liverpool, foi forçado a abandonar o gramado apenas aos 23 minutos, dando lugar a Vladimir Smicer. A chance de uma virada, de acordo com a Betfair.net, era de 1%.

Steven Gerrard marcou um raro gol de cabeça no início do segundo tempo, para manter os espectadores neutros interessados, e Smicer marcou o segundo de fora da área. Gerrard continuava ameaçando o Milan, e acabou derrubado dentro da área. A classe de Xabi Alonso fez o resto – embora o goleiro ainda tenha defendido a cobrança antes do espanhol ser mais rápido e tocar o rebote para dentro, confirmando o improvável 3×3.

Ainda houve muitas chances de gols para os dois times até ao final do tempo regular e prorrogação, mas a partida foi para os pênaltis. Jerzy Dudek fez duas defesas e Serginho chutou por cima do gol. No Liverpool apenas John Arne Riise perdeu, e assim eles completaram uma virada memorável, que será sempre lembrada como “o milagre de Istambul”.

3. ROMA x BARCELONA: Roma renasce de suas ruínas
Quartas de Final, 2018 – Partida de Volta
Chance de virada: 0,5%
Viradas memoráveis nem sempre são a favor do Barcelona. Em 2018, foram eles que chegaram na partida de volta com uma grande vantagem de 4×1, e acabaram deixando o gramado imaginando o que lhes teria acontecido no final da eliminatória. A probabilidade da Roma se classificar, segundo a Betfair.net, era de 0,5%.

Mas Edin Dzeko marcou o primeiro gol do time italiano e acabou colaborando para o segundo, quando foi derrubado dentro da área por Gerard Pique. Daniele de Rossi, que não marcava um gol na Champions League há três anos, não vacilou e converteu. Assim, o Barça se via sob grande pressão, mas talvez poucos ainda acreditassem que eles realmente iriam acabar levando um terceiro gol perto do fim.

Mas um belo escanteio teve como destino a cabeça do zagueiro Kostas Manolas, que mandou a bola para a rede, causando uma correria da equipe técnica para dentro do campo, o choro dos torcedores nas arquibancadas e a conta de Twitter da Roma a entrar em colapso.

2. BARCELONA x PSG – Milagre de um barça inspirado por Neymar
Oitavas de Final, 2017 – Partida de Volta
Chance de virada: 0,2%
O PSG tinha aberto uma enorme vantagem rumo à classificação para as quartas de final após uma memorável vitória em casa por 4×0 na partida de ida, porém desprezar as chances de um time com jogadores como Andrés Iniesta, Lionel Messi, Neymar e Luis Suárez é sempre arriscado.

Suárez abriu o placar, Layvin Kurzawa marcou um gol contra e Messi adicionou mais um de pênalti após Neymar ser derrubado. Edinson Cavani, que marcou na partida de ida, conseguiu um crucial gol fora com menos de trinta minutos para o final, o que fazia o Barça precisar de mais três gols.

Nesse momento, a probabilidade de classificação do Barça, segundo a Betfair.net, era de apenas 0,2%.

Mas Neymar seguia acreditando. Ele marcou de falta aos 43 do segundo tempo, roubou a bola ao Messi para bater ele mesmo o pênalti no primeiro minuto dos acréscimos e ainda encontrou energia para criar o cruzamento aos 50 minutos, que Sergi Roberto transformaria em gol com uma cabeçada certeira.

1. DORTMUND x MÁLAGA – Os heróis improváveis no Dortmund de Klopp
Semifinal 2013 – Partida de Volta
Chance de virada: 0,1%
Seu time está perdendo por 2×1, em casa, para o Málaga, e entra nos acréscimos precisando de dois gols para se classificar após o empate de 0x0 no jogo de ida. Qual seria a chance de conseguir a vaga para a final da Champions League de 2013? Os analistas da Betfair.net respondem: era de 0,1%!!

Com gols da lenda do Betis Joaquin (então no Málaga) e do português Eliseu, que colocavam o clube espanhol em vantagem, e um gol do atual artilheiro da Champions League Robert Lewandowski, agora no Bayern, as coisas estavam bem difíceis para o Dortmund.

O clube alemão, na época comandado por um certo Jurgen Klopp, parecia estar se despedindo de uma impressionante campanha onde haviam jogado aquele tipo de futebol rápido e ofensivo que pode ser visto no Liverpool nos últimos dois ou três anos.

Mas Marco Reus pensava diferente, e aproveitando uma bola perdida que caiu em seus pés renovou as esperanças do Dortmund. E se nessa jogada o time contou com a sorte, então o seguinte seria bem diferente.

Um juiz de linha da era pré-VAR não conseguiu ver a posição irregular de vários jogadores do Dortmund que estariam impedidos na construção da jogada da virada, e que acabaria convertido por Felipe Santana. Também ele parecia impedido quando finalmente atirou bem perto do gol do Málaga. De partir o coração dos espanhóis, e delírio para o Dortmund, com uma enorme festa para aqueles que acreditaram nos alemães contra todas as probabilidades.

Confira o vídeo: https://youtu.be/Yvh0i9b4T_A

TEMPORADA 2019-2020: quem será o campeão?
Veja abaixo as probabilidades de cada equipe que disputa as quartas de final da Liga dos Campeões 2019-2020 tornar-se campeão, de acordo com a Betfair.net:
Manchester City – 30%
Bayern de Munique – 23%
PSG – 16%
Barcelona – 10%
Atlético de Madrid – 10%
Atalanta – 6%
RB Leipzig – 5%
Lyon – 2%

Sobre a Betfair.net:
A Betfair.net é parceira oficial da CONMEBOL Libertadores e CONMEBOL Sul-Americana

Créditos: Mauricio Guedes | Sherlock Communications

Portland Timbers: campeão da The MLS Is Back Tournament 2020

Os jogadores do Portland Timbers comemoram o título da MLS Is Back Tournament. Créditos: @timbersfc

O Portland Timbers derrotou na noite desta terça-feira (11) o Orlando City por 2 a 1 na final do The MLS Is Back Tournament 2020 e garantiu a vaga para a próxima Liga dos Campeões da Concacaf. Os gols da partida foram marcados Mabiala e Župarić para os timbers, enquanto Pereyra fez para os Lions. A grande final foi realizada no ESPN Wide World Of Sports Complex em Orlando, na Flórida.

Na etapa inicial, o Portland apostou em jogadas com bola parada e, dessa forma, conseguiu abrir o placar aos 27 minutos com o zagueiro Magiala. Em cobrança de falta batida por Valeri, o defensor congolês cabeceou, mandou a pelota para as redes e o goleiro ainda chegou a tocar na bola, mas não conseguiu evitar o gol. No entanto, pouco tempo depois, aos 39 minutos, o Orlando City chegou ao empate: o português Nani foi até a linha de fundo, pela esquerda, cruzou rasteiro para a pequena área e o uruguaio Pereyra igualou, em meio a três adversários, conseguiu finalizar e igualar o marcador.

No segundo tempo, a equipe treinada por Giovanni Savarese tomou conta do jogo e, melhor organizada em campo, exigiu bastante do goleiro peruano Gallese, que fez defesas importantes. Mas, de tanto insistir, o Portland Timbers chegou ao gol da vitória aos 21 minutos. Após o escanteio, Ebobisse dominou, limpou e finalizou, a bola desviou a trajetória e sobrou para o zagueiro croata Župarić, na pequena área, completou para as redes e a esférica passou no meio das pernas de Nani que estava praticamente em cima da linha do gol.

O Orlando City fez o esforço de buscar o empate, mas não conseguiu e, aos 44 minutos, só não tomou o terceiro gol graças ao seu goleiro, que fez uma defesaça no chute do meia argentino Valeri, depois de um contragolpe puxado pelo lado esquerdo. No entanto, o resultado prevaleceu e, assim, a equipe de Oregon ficou com o título e o sonho dos Lions em conquistar um título da Major League Soccer ficou para a próxima.

Agora, as equipes se concentrarão para a volta da temporada regular da MLS, que terá 26 clubes participantes e será reiniciada nesta quarta-feira.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
Fase de grupos (Grupo F):

13/07 – LA Galazy 1×2 Portland Timbers – ESPN Wide World Of Sports Complex, Bay Lake, Flórida (EUA)
18/07 – Portland Timbers 2×1 Houston Dynamo – ESPN Wide World Of Sports Complex, Bay Lake, Flórida (EUA)
23/07 – Los Angeles F.C. 2×2 Portland Timbers – ESPN Wide World Of Sports Complex, Bay Lake, Flórida (EUA)
Oitavas-de-final:
28/07 – Portland Timbers (4)1×1(2) F.C. Cincinnati – ESPN Wide World Of Sports Complex, Bay Lake, Flórida (EUA)
Quartas-de-final:
1º/08 – New York City F.C. 1×3 Portland Timbers – ESPN Wide World Of Sports Complex, Bay Lake, Flórida (EUA)
Semifinal:
05/08 – Philadelphia Union 1×2 Portland Timbers – ESPN Wide World Of Sports Complex, Bay Lake, Flórida (EUA)

Final:
11/08 – Portland Timbers 2×1 Orlando City F.C. – ESPN Wide World Of Sports Complex, Bay Lake, Flórida (EUA)

FICHA TÉCNICA: PORTLAND TIMBERS 2×1 ORLANDO CITY
Competição Fase:
The MLS Is Back Tournament 2020 – final (jogo único)
Local: ESPN Wide World Of Sports Complex, Bay Lake, Flórida (EUA)
Data: 11 de agosto de 2020, terça-feira – 21h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Ismail Eifath
Auxiliares: Kyle Atkins e Kathryn Nesbitt
Cartões Amarelos: Mabiala, Chará e Villafaña (Portland Timbers); Antônio Carlos, João Moutinho, Nani e Ruan (Orlando City)
Gols: Mabiala, aos 27 min (1-0); Pereyra, aos 39 min do 1º tempo (1-1); e Župarić, aos 21 min do 2º tempo (2-1)
PORTLAND TIMBERS: 12.Clark; 15.Duvall, 33.Mabiala, 13.Župarić e 4.Villafaña; 21.Chará, 30.Williamson, 44.Loría (7.Polo), 10.Blanco (9.Mora) e 8.Valeri (25.Tuiloma); 17.Ebobise (11.Niezgoda). Técnico: Giovanni Savarese
ORLANDO CITY: 1.Gallese; 2.Ruan (24.Smith), 25.Antônio Carlos, 6.Jansson e 4.João Moutinho; 20.Rosell (29.Patiño), 8.Méndez (11.Júnior Urso), 9.Mueller (19.Michel), 17.Nani e 10.Pereyra; 13.Akindele (18.Dike). Técnico: Óscar Pereja

Parabéns ao Portland Timbers pela conquista.

Por Jorge Almeida

Palmeiras: campeão paulista de 2020

O troféu do Campeonato Paulista 2020 que foi vencido pelo Palmeiras. Créditos: Divulgação/FPF

Com o título decidido nos pênaltis, o Palmeiras é o campeão paulista de 2020 após bater o arquirrival Corinthians por 4 a 3 nos pênaltis, depois do empate em 1 a 1 no tempo normal, neste sábado (8), no Allianz Parque. Os gols do Derby saíram no segundo tempo: Luiz Adriano abriu o placar para os anfitriões e, no último lance, aos 51 minutos, Jô, de pênalti, empatou. No entanto, nas cobranças penais, a equipe do Palestra Itália foi mais eficiente e converteram suas cobranças com Raphael Veiga, Gustavo Scarpa, Lucas Lima e Patrick de Paula, enquanto Danilo Avelar, Sidcley e Jô anotaram pelos corinthianos. Porém, Michel e Cantillo desperdiçaram seus pênaltis pelo lado alvinegro e Bruno Henrique pelo lado alviverde. Esse foi o 23º caneco do Campeonato Paulista conquistado pelo Palmeiras que, de quebra, evitou o inédito tetracampeonato do arquirrival.

O primeiro tempo começou truncado, mas o Palmeiras criou a sua primeira chance logo aos seis minutos. Luiz Adriano viu Zé Rafael na área, que se complicou com a bola, mas conseguiu cruzar para Willian que chegou batendo forte com a perna esquerda para Cássio fazer uma defesaça. O Corinthians tentou responder com Jô. Aos nove, a bola foi alçada na área, o centroavante cabeceou firme e mandou a bola para fora.

O jogo ficou disputado entre os dois times e o alviverde levou perigo aos 14. Willian tabelou com Luiz Ariano e sofreu falta. Na cobrança, Patrick pegou muito embaixo e mandou por cima do gol de Cássio. O Timão tentou aos 20 com Éderson que avançou e, na hora de armar o chute, foi travado na hora da finalização.

O clássico ficou equilibrado nos minutos seguintes. Aos 27, Luan tocou para Jô atrás da zaga, o camisa 77 chegou a balançar as redes, mas estava em impedimento. O Palmeiras ficou trocando passes em busca de encontrar uma brecha na defesa corinthiana. Aos 36, Luan cruzou no segundo pau, Weverton saiu mal, porém, Jô errou a cabeçada e mandou para fora. Na reposição de bola, o goleiro palmeirense e o atacante corinthiano se estranharam e o árbitro marcou falta.

E, antes do fim do primeiro tempo, aos 44 minutos, Ramiro recebeu de Luan e bateu de primeira para Weverton fazer a defesa. Dois minutos depois, foi a vez de Mateus Vital ter a sua chance, ma pegou muito mal na bola e isolou. No entanto, aos 47 minutos, o árbitro Luiz Flávio de Oliveira encerrou o primeiro tempo no Allianz Parque, que ficou no 0 a 0.

Na volta do intervalo, os dois técnicos voltaram com mudanças. Do lado do Palmeiras, Luxemburgo colocou Bruno Henrique e Rony nos lugares de Gabriel Menino e de Ramires, respectivamente, enquanto Tiago Nunes sacou Mateus Vital e pôs o atacante Everaldo. E, logo no começo do segundo tempo, o Palmeiras chegou ao seu gol. Aos três minutos, Viña recebeu na esquerda e cruzou na área para Luiz Adriano, que subiu mais que Danilo Avelar, e cabeceou no canto de Cássio: 1 a 0 para o alviverde.

O gol motivou o Palmeiras, que teve mais algumas oportunidades. Aos cinco, Rony arrancou para o ataque, tocou para Luiz Adriano que, na hora do chute foi travado e, na sequência, ganhou o escanteio. Na cobrança, Patrick de Paula cobrou o córner fechado, e Cássio ficou com a bola. Depois, aos 10, Rony bateu forte do meio da área, a pelota desviou em Éderson, mas o goleiro corinthiano, bem posicionado, ficou com a esférica.

Por conta da melhor situação do rival no jogo, Tiago Nunes mudou o meio-de-campo com as entradas de Araos e Cantillo nos lugares de Ramiro e Gabriel. Apesar das trocas, o Corinthians equilibrou mais o duelo, mas, pouco tempo depois, aos 22, Jô ia preparar a finalização na área e foi antecipado por Marcos Rocha, o corinthiano caiu e reclamou de pênalti, mas Luiz Flávio de Oliveira ignorou. E, para complicar, Fagner precisou sair por conta de dores no tornozelo direito.

O jogo ficou abaixo do que se esperava para uma final. O Corinthians tentou aos 38. Luan ajeitou para Michel Macedo, que tentou de primeira, a bola bateu na zaga, Avelar pegou a sobra e rebateu, mas a defesa conseguiu afastar. O alvinegro foi para o abafa nos minutos finais para buscar o empate, com direito a Cássio indo para a área adversária, com o aval do técnico. O Palmeiras teve a oportunidade de liquidar o jogo, aos 47 minutos, Scarpa puxou o contragolpe e, ao tentar passar para Rony, errou o passe.

E, quando tudo levava crer que o Palmeiras ficaria com o título no tempo normal, aos 50 minutos, Jô dominou a bola na área, puxou para a esquerda e Gómez deu um carrinho dentro da área. Pênalti para o Corinthians. Jô foi para a cobrança e, no último lance, empatou o clássico. Em seguida, a partida foi encerrada: fim do tempo normal no Allianz Parque: Palmeiras 1, Corinthians 1. O campeão paulista de 2020 saíra na disputa de pênaltis.

Na série de cobranças, os dois times erraram: pelo lado do Corinthians, Michel, enquanto Bruno Henrique desperdiçou pelo Palmeiras. Mas, Danilo Avelar e Raphael Veijga converteram seus pênaltis. Na sequência, Cantillo perdeu a sua cobrança e, depois, todos os batedores acertaram o alvo. Gustavo Scarpa, Lucas Lima e Patrick de Paula, pelo Palmeiras, e Sidcley e Jô pelo Corinthians. No entanto, o alviverde fez 4 a 3 na disputa por pênaltis e conquistou o Campeonato Paulista de 2020, evitando o tetracampeonato inédito do arquirrival.

O Derby disputado neste sábado no Allianz Parque, na partida derradeira do Campeonato Paulista, não foi tão empolgante, mas pelo menos o desempenho dos times foi melhor em relação à partida de ida, na Arena Corinthians. O alviverde teve a melhor chance do primeiro tempo, aos 6 minutos, com Willian, que finalizou da pequena área, mas Cássio fez uma defesaça. Enquanto isso, pelo lado do alvinegro, Luan até jogou bem e ajudou a criar as chances do Timão, como o chute de Ramiro, que foi defendido por Weverton, além de ter dado o passe para o gol de Jô, mas que foi invalidado por conta do impedimento do centroavante. No segundo tempo, Luiz Adriano, de cabeça, colocou o Palmeiras na frente no comecinho, logo aos três minutos. O Corinthians sentiu o gol e sofreu pressão do adversário, mas, aos poucos, mostrou sinais de reação e, com as entradas de Araos e Cantillo, a articulação no meio-de-campo melhorou e, em busca do empate, a equipe de Tiago Nunes foi no desespero, com direito com a ida de Cássio para o ataque. No entanto, o empate veio no último lance através de um pênalti de Gustavo Gómez em Jô. O atacante bateu e não deu chances para o goleiro palmeirense. Nos pênaltis, a equipe de Parque São Jorge não aproveitou o psicológico favorável naquele momento, pois, Michel Macedo e Cantillo desperdiçaram suas cobranças, enquanto Cássio só pegou a cobrança de Bruno Henrique, por outro lado, os comandados de Vanderlei Luxemburgo mostraram eficiência em seus penais, que teve a última cobrança batida por Patrick de Paula, 20 anos, prata da casa, que mostrou personalidade e tem um futuro bem promissor. Aliás, foi dele o gol que classificou o Palmeiras para a decisão contra a Ponte Preta. Se, por um lado, o sonho do tetracampeonato corinthiano não veio, o vice-campeonato serviu de consolo para um time que chegou a se preocupar com o rebaixamento e que, desde a retomada do futebol, segue sem perder. Para o Palmeiras, além de quebrar o tabu de 12 anos sem título estadual (nesse período, o clube levou dois Brasileiros, duas Copas do Brasil e um Brasileiro da Série B), vingou-se da derrota sofrida no mesmo Allianz Parque para o arquirrival em 2018 e, agora, é o segundo maior campeão paulista, com 23 conquistas, deixando o Santos para trás, com 22. Coincidentemente, na última conquista palmeirense do Paulista, em 2008, o treinador era o mesmo: Vanderlei Luxemburgo. E, assim, por mais três anos, no mínimo, o feito do Clube Atlético Paulistano será mantido.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
Primeira Fase (Grupo B):
22/01 – Ituano 0x4 Palmeiras – Novelli Júnior, Itu (SP)
26/01 – Palmeiras 0x0 São Paulo – Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
29/01 – Palmeiras 4×0 Oeste (SP) – Pacaembu, São Paulo (SP)
02/02 – Red Bull Bragantino 2×1 Palmeiras – Nabi Abi Chedid, Bragança Paulista (SP)
08/02 – Ponte Preta 0x1 Palmeiras – Moisés Lucarelli, Campinas (SP)
16/02 – Palmeiras 3×1 Mirassol – Allianz Parque, São Paulo (SP)
20/02 – Palmeiras 1×0 Guarani – Allianz Parque, São Paulo (SP)
29/02 – Santos 0x0 Palmeiras – Pacaembu, São Paulo (SP)
07/03 – Palmeiras 1×1 Ferroviária – Allianz Parque, São Paulo (SP)
14/03 – Inter de Limeira 0x0 Palmeiras – Major Levy Sobrinho, Limeira (SP)
23/07 – Corinthians 1×0 Palmeiras – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
26/07 – Palmeiras 2×1 Água Santa – Allianz Parque, São Paulo (SP)
Quartas-de-final:
29/07 – Palmeiras 2×0 Santo André – Allianz Parque, São Paulo (SP)
Semifinal:
02/08 – Palmeiras 1×0 Ponte Preta – Allianz Parque, São Paulo (SP)
Final:
05/08 – Corinthians 0x0 Palmeiras – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
08/08 – Palmeiras (4)1×1(3) Corinthians – Allianz Parque, São Paulo (SP)

FICHA TÉCNICA: PALMEIRAS (4)1×1(3) CORINTHIANS
Competição/Fase:
Campeonato Paulista 2020 – final (2º jogo)
Local: Allianz Parque, São Paulo (SP)
Data: 8 de agosto de 2020, sábado – 16h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa
Cartões Amarelos: Patrick de Paula, Rony e Lucas Lima (Palmeiras) Gabriel, Gil e Cantillo  (Corinthians)
Gols: Luiz Adriano, aos 3 min (1-0) e Jô, aos 51 min do 2º tempo (1-1)
Pênaltis convertidos: Raphael Veiga, Gustavo Scarpa, Lucas Lima e Patrick de Paula (Palmeiras); Danilo Avelar, Sidcley e Jô (Corinthians)
Pênaltis desperdiçados: Bruno Henrique (Palmeiras); Michel e Cantillo (Corinthians)
PALMEIRAS: 1.Weverton; 2.Marcos Rocha, 30.Felipe Melo, 15.Gustavo Gómez e 17.Viña; 5.Patrick de Paula, 25.Gabriel Menino (19.Bruno Henrique), 18.Ramires (11.Rony) e 8.Zé Rafael (23.Raphael Veiga); 29.Willian (20.Lucas Lima) e 10.Luiz Adriano (14.Gustavo Scarpa). Técnico: Vanderlei Luxemburgo
CORINTHIANS: 12.Cássio; 23.Fagner (2.Michel), 4.Gil, 35.Danilo Aguiar e 30.Carlos Augusto (16.Sidcley); 5.Gabriel (34.Cantillo), 15.Ederson. 8.Ramiro (21.Araos), 7.Luan e 22.Matheus Vital (37.Everaldo); 77.Jô. Técnico: Tiago Nunes

Parabéns à Sociedade Esportiva Palmeiras pelo título.

Por Jorge Almeida

Na volta da Liga dos Campeões, Rivaldo aposta em Gabriel Jesus: “Gosta de aparecer em jogos decisivos”

Rivaldo acredita no talento de Gabriel Jesus para ajudar City na Champions League. Foto: Betfair.net. Foto: Betfair.net

O embaixador da Betfair.net também escalou seu time de cinco dos sonhos da Champions League

Chegou a hora que os fãs de futebol esperavam ansiosamente: nesta sexta, a Liga dos Campeões da UEFA volta aos estádios, ainda sem torcida, mas com promessa de muita emoção! Em uma das partidas mais aguardadas, o Real Madrid vai tentar reverter a vantagem que o Manchester City abriu no seu primeiro confronto das oitavas de final.

Em entrevista à Betfair.net, o craque Rivaldo disse que acredita no poder de decisão do atacante brasileiro do time inglês: “O Manchester City tem vantagem de 2×1 sobre o Real Madrid, após vencer no Santiago Bernabéu o jogo de ida, com um gol de Gabriel Jesus. O menino vem melhorando a cada ano no futebol europeu, ganhando muita experiência e confiança por estar jogando num campeonato muito importante e também na Liga dos Campeões”.

Rivaldo valorizou o papel do técnico do City nessa trajetória: “Pep Guardiola lhe tem dado várias chances de jogar em partidas importantes e ele vem correspondendo, tal como tinha feito na seleção brasileira na Copa América, brilhando nos jogos decisivos. Sem dúvida que ele pode voltar a ser decisivo para essa partida de volta contra o Real Madrid”.

“Mas, apesar da vantagem dos ingleses em cima do Madrid, eu acredito que a eliminatória ainda não está decidida. O time do Zidane pegou muita confiança nesse final de temporada conquistando o Campeonato Espanhol e encaixando uma bela sequência vitoriosa”, disse o craque.

“Além disso, a história do clube fala por si. Ninguém venceu mais títulos da Champions do que o Real Madrid e com a qualidade e experiência de seu elenco na competição, eu penso que eles vão entrar em campo na Inglaterra ainda acreditando que podem virar e seguir para as quartas de final em Portugal.”

Pausa foi boa para o Barcelona se reagrupar
Rivaldo também falou sobre as chances do Barcelona, que enfrenta o Napoli neste sábado, depois de empatar o jogo de ida na Itália em 1×1. “Acredito que esse período de 20 dias sem jogar foi bom para o time colocar a cabeça no lugar e esquecer o que ficou para trás”, disse o pentacampeão. “Esse tempo foi suficiente para lamber algumas feridas e se preparar convenientemente essa partida frente a um time do Napoli que é perigoso e pode dificultar a situação para o Barcelona.”

“Como ex-jogador do Barcelona, eu sempre torço pelo clube e espero que acabe tendo uma noite mais descansada do que estou prevendo, mas claro que depois de uma fraca campanha na La Liga estou esperando algumas dificuldades frente aos italianos em Camp Nou. Espero estar errado, é claro.”

“A temporada não vem correndo bem, porém uma vitória na Champions apagaria tudo o que está para trás, então, acredito que jogadores e comissão técnica estão focando nesse objetivo para calar as críticas e sair com um importante troféu no final da temporada”, disse o embaixador da Betfair.net.

Novo formato da Champions League torna difícil apontar favorito
“Como sabemos, a Liga dos Campeões é uma competição bem difícil de prever por conta da qualidade dos times que a disputam, e se juntarmos as novas condicionantes dessa temporada, fica ainda mais difícil”, avaliou Rivaldo.

“Times chegando com diferentes ritmos competitivos, partidas sem torcida, jogos de mata-mata desde as quartas de final, tudo isso contribui para que eu não consiga me inclinar para um clube em particular. Claro, há times em boa forma e motivados pelos títulos conquistados como o PSG, Bayern, Juventus, Real Madrid ou Manchester City, no entanto, não consigo indicar um que me pareça mais forte que os demais nesse momento.”

A imprevisibilidade, no entanto, pode trazer ainda mais emoção aos jogos: “Será um ambiente totalmente diferente daquele que os times costumam encontrar nessas fases de decisão da Champions, então para mim não tem favorito. Até porque um time pode estar jogando melhor do que outro, mas depois pode não entrar bem e perder seu jogo, não tendo chance de reverter numa segunda partida.”

A Betfair.net calculou as probabilidades dos times que ainda disputam a UEFA Champions League 2019/2020 conquistarem o título do torneio. Confira as chances de cada um:

Manchester City -23%
Bayern de Munique – 20%
PSG – 15%
Atlético de Madrid – 10%
Barcelona – 8%
Atalanta – 7%
Leipzig – 5%
Juventus – 5%
Real Madrid – 3%
Napoli – 1%
Lyon – 1%
Chelsea <1%

Virada do Liverpool na Final de 2005 é memorável
“A Liga dos Campeões sempre teve suas viradas históricas, porém quando me tento recordar de uma é a vitória do Liverpool em 2005 que me vem mais rapidamente à memória”, disse Rivaldo à Betfair.net, referindo-se à histórica final contra o Milan de Kaká, Pirlo, Maldini e Shevchenko.

“Eles saíram para o intervalo perdendo por 3×0, e conseguiram empatar três minutos antes do fim do segundo tempo. Depois, seu goleiro Jerzy Dudek foi mais eficiente nos pênaltis e completou uma virada histórica que recorrentemente é relembrada por muitos fãs do futebol.”

“Pessoalmente, minha experiência de virada mais memorável aconteceu no Barcelona quando viramos um 3×1 tomado do Chelsea em Stamford Bridge no jogo de ida. Na volta, no Camp Nou, conseguimos vencer por 3×1 e eu perdi um pênalti em cima do final da partida que nos poderia ter classificado. Felizmente, vencemos na prorrogação e eu tive a sorte de poder marcar o quarto gol desse jogo antes do Patrick Kluivert encerrar a contagem.”

Meu time de cinco dos sonhos da Champions
Rivaldo foi convidado a escolher seu time dos sonhos com atletas que disputaram a Champions League ao seu lado. A tarefa não foi fácil: “Ao escolher um time dos sonhos com cinco jogadores com quem joguei na Liga dos Campeões, é claro que muitos vão ficar de fora e que eu gostaria de incluir”.

“Mas começando pelo gol eu teria de escolher o Dida do Milan. Além de ser brasileiro, ele era muito forte em defender pênaltis e foi decisivo em nosso título em cima da Juventus. Nesse jogo, ele fechou nosso gol durante 120 minutos e ainda fez defesas decisivas nos pênaltis.”

“Na frente, escolheria meu parceiro de muitas batalhas no Barcelona, o Patrick Kluivert. Ele era um excelente atacante com uma excelente forma de jogar e me lembro de dar muitos passes para ele marcar, mas também de receber muitas assistências dele. Ele era um atacante muito completo capaz de fazer um pouco de tudo, então, no meu time ideal eu formaria parceria com ele na frente de ataque”, disse o embaixador da Betfair.net.

“Na defesa, não tem como evitar escolher o Paolo Maldini. Um exímio jogador na marcação, com uma qualidade técnica e experiência invejável que o tornou um dos melhores defensores que o mundo do futebol já viu.”

“Para equilibrar o time, eu escolheria o Pep Guardiola para fazer a ligação entre a defesa e o ataque. Era um jogador que pensava muito rápido e já sabia o que fazer com a bola antes dela chegar a seus pés. Um jogador de raciocínio rápido que simplificava muito o jogo para seus companheiros”, finalizou o craque do pentacampeonato brasileiro.

Sobre a Betfair.net:
A Betfair.net é parceira oficial da CONMEBOL Libertadores e CONMEBOL Sul-Americana

Créditos: Maurício Guedes | Sherlock Communications

Grêmio: campeão da Taça Francisco Novelletto 2020

Éverton Cebolinha ergueu a taça do segundo turno do Gauchão em sua provável despedida do Grêmio. Créditos: Jefferson Botega

O Grêmio venceu o clássico Gre-Nal diante do arquirrival Internacional por 2 a 0, em partida disputada na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, na noite desta quarta-feira (5), em compromisso válido pela decisão da Taça Francisco Novelletto 2020, o segundo turno do Campeonato Gaúcho. Os gols do Tricolor foram marcados por Maicon e Isaque. O resultado permitiu a equipe treinada por Renato Portaluppi a disputar a final do Estadual contra o Caxias, campeão do primeiro turno. As datas dos dois jogos da decisão do Gauchão ainda não foram definidas, mas há a possibilidade de o Estadual ser realizado em partida única, mas a Federação Gaúcha de Futebol definirá em breve.

O Gre-Nal 426 começou pegado com os times disputando acirradamente os espaços, com iniciativa no jogo, trocando passes e, antes de dez minutos, dois colorados – Boschilia e Guerrero – já foram contemplados com cartões amarelos dados por Leandro Pedro Vuaden. A primeira investida ao ataque foi do Grêmio. Aos 12, Orejuela tabelou com Alisson e, sozinho pelo meio, arriscou o chute e mandou à direita da meta de Marcelo Lomba.

O lateral-direito colombiano do Grêmio voltou a incomodar o Inter. Aos 17, em outro bom passe de Alisson, Orejuela passou por Cuesta dentro da área, tentou cruzar rasteiro, a bola desviou na perna de Lomba, Rodinei tirou de cabeça da área e, em seguida, o árbitro paralisou a partida porque Orejuela, após ter feito o cruzamento, chocou-se acidentalmente com o goleiro adversário, que ficou caído e precisou ser atendido pelos médicos. O Colorado só levou perigo à meta de Vanderlei aos 23 com Rodinei. O lateral recebeu de Marcos Guilherme, puxou para o meio, tentou com a canhota no canto e o goleiro gremista espalmou para fora da área e a zaga completou. Na sequência, aos 24, foi a vez de Thiago Galhardo acionar Marcos Guilherme que finalizou rasteiro à direita da meta adversária. Depois, aos 26, foi a vez de Boschilia arrisca do lado esquerdo, mas mandou acima do gol de Vanderlei.

Depois de três finalizações seguidas de fora da área por parte do Inter, o Grêmio atacou em velocidade, aos 27, com Maicon tocando para Diego Souza, que desviou de cabeça deixando Everton em boas condições. O atacante partiu para cima, cortou para o meio e viu Matheus Henrique, que cortou e finalizou com a canhota à direita do gol do rival. No minuto seguinte, o Imortal Tricolor puxou contragolpe com Diego Souza e abriu para Everton que, por sua vez, cortou para dentro e chutou, mas parou em Marcelo Lomba. Três minutos depois, Cortez viu Maicon livre na área e, na saída do arqueiro adversário, o camisa 8 tocou para o lado e ninguém do Grêmio chegou para completar para o gol.

A equipe de Renato Gaúcho seguiu melhor no jogo. Aos 32, após boa trama pela direita, Matheus Henrique, livre, cortou a marcação e na tentativa colocou a bola nas mãos de Marcelo Lomba. Depois, aos 36, Everton recebeu na ponta esquerda, ajeitou para a perna direita e finalizou, porém, a pelota ficou com o goleiro. Na sequência, aos 39, Jean Pyerre cobrou falta na área, Cuesta e Diego Souza disputaram a redonda na área até o goleiro colorado pular e fazer a defesa.

Depois da ligeira superioridade gremista no jogo, o Inter conseguiu igualar as condições do jogo por alguns minutos, mas, por conta das faltas e da paralisação para o atendimento ao goleiro colorado, o primeiro tempo teve sete minutos de acréscimos. E, antes de terminar a etapa inicial, o Tricolor dos Pampas ainda teve duas ótimas chances de abrir o placar: aos 46, Everton passou por Rodinei, entrou na área e, rodeado por dois colorados, chutou forte e a esférica bateu na rede do lado de fora; e a outra aconteceu aos 48, Everton partiu para o ataque com Alisson, que ajeitou para Orejuela e o lateral cruzou na área, a bola desviou a trajetória e chegou para Diego Souza, que finalizou de primeira para fora. E o Internacional, aos 50, assustou o time da casa. Rodinei passou para Galhardo, livre pela direita, o meia cruzou rasteiro, Vanderlei desviou a bola e sobrou para Boschilia, que não pegou em cheio na redonda que quicou e saiu pela linha de fundo. A etapa inicial terminou aos 52 minutos do jeito que começou: 0 a 0.

Para o segundo tempo, Renato Gaúcho trocou um volante por outro: Matheus Henrique deu lugar para Lucas Silva. Nos momentos iniciais, o Colorado tentou jogada de ataque, mas Geromel cortou duas vezes e o Grêmio, com a bola em posse, a valorizou pela esquerda. Até que, aos quatro minutos, Everton partiu para cima do lado esquerdo, cruzou no segundo pau, Diego Souza, pelo alto, ajeitou para Maicon que, livre, só mandou para o gol vazio e tirar o zero do placar. O Internacional tentou responder tempos depois, aos nove, com Thiago Galhardo. Depois da troca de passes, com direito ao choque entre os zagueiros gremistas, Guerrero recebeu de Boschilia na área, cruzou rasteiro e, sem goleiro, Galhardo se jogou na bola e perdeu o gol ao tentar o carrinho. Um minuto antes, Boschilia havia cobrado falta por cima da meta de Vanderlei.

O Inter trocou passes, mas encontrou dificuldades de passar pela dupla Kannemann e Geromel. Aos 22, Cuesta foi para cima, Geromel tirou o pé e, antes da redonda sobrar para Guerrero, Vanderlei saiu nos pés do atacante peruano. Posteriormente, aos 25, Guerrero recebeu de Fuchs, ajeitou para Patrick, que abriu para Moisés, que cruzou para Galhardo desviar de cabeça sobre a meta gremista. O clássico ficou disputado no meio-de-campo.

Melhor no jogo, o Grêmio chegou ao segundo gol aos 35 minutos. Cortez cobrou lateral para Everton, ele deu um balãozinho e jogou a bola na área, Moisés errou ao tentar cortar de cabeça, mas acabou por amortecer a bola para Isaque (substituto de Jean Pyerre), que finalizou forte e ampliou o placar para o Tricolor gaúcho. Após o gol, Patrick e Orejuela se estranharam e a confusão foi gerada e, obviamente, que o árbitro Leandro Pedro Vuaden expulsou os brigões.

A partida foi retomada e o segundo gol do Grêmio praticamente nocauteou o Inter. O Imortal Tricolor só administrou o resultado nos minutos finais. E, por conta das substituições e da confusão ocorrida no segundo tempo, o árbitro deu dez minutos de acréscimos. Aos 48, Guerrero tentou colocar no cantinho e a bola saiu pela linha de fundo. Depois, aos 50, Luciano entrou na área pela esquerda e, livre, tocou para Cebolinha, que tirou da marcação e finalizou para grande defesa de Marcelo Lomba para desespero de Renato Gaúcho. No ataque seguinte, aos 52, Isaque ficou de frente com o goleiro, chutou por baixo e Lomba pulou no canto e evitou o terceiro gol gremista. Dois gols incríveis perdidos pelo Grêmio. E, aos 55 minutos, o Gre-Nal 426 foi encerrado. Fim de jogo na Arena do Grêmio: Grêmio 2, Internacional 0. O Tricolor gaúcho é o campeão da Taça Francisco Novelletto, o segundo turno do Campeonato Gaúcho. Agora, o time de Renato Portaluppi disputará a final do Estadual contra o Caxias, vencedor do primeiro turno, ainda sem data definida.

O Gre-Nal teve um primeiro tempo bem jogado, apesar das faltas e dos cartões. O Grêmio pressionou mais o Inter e teve as melhores chances e o Colorado, por sua vez, teve bons momentos, sobretudo em chutes de fora da área, mas o Tricolor teve mais oportunidades desperdiçadas na etapa inicial. No segundo tempo, o time de Renato Gaúcho conseguiu o gol logo no começo e isso mexeu com os brios e as pretensões do Inter, que passou a trocar mais passes, teve uma boa chance de gol com Thiago Galhardo, mas a ofensividade do ataque dos comandados de Eduardo Coudet deixou a desejar e Paolo Guerrero, mais uma vez, passou em branco no clássico e a situação ficou mais confortável para o Grêmio quando o jovem Isaque fez o segundo gol, contudo, em seguida, Patrick e Orejuela se estranharam e foram expulsos. E o Imortal só não ampliou o placar porque Marcelo Lomba, o melhor jogador do Internacional no jogo, fez pelo menos duas defesas difíceis nos acréscimos. Aliás, na hora de erguer a taça, o capitão Geromel, simbolicamente, passou a sua faixa para Everton Cebolinha erguer a taça, levando a crer que o camisa 11 está de malas prontas para deixar o clube e, tudo indica, que seu destino seja o Benfica.

Segundo Turno (Grupo B):
Data – Jogo – Local:

29/02 – Grêmio 3×0 Juventude – Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
08/03 – Pelotas 0x1 Grêmio – Estádio Boca do Lobo, Pelotas (RS)
15/03 – Grêmio 3×2 São Luiz – Arena do Grêmio, Porto Alegre
22/07 – Internacional 0x1 Grêmio – Estádio Centenário, Caxias do Sul (RS)
26/07 – Grêmio 1×1 Ypiranga de Erechim – CT Hélio Dourado, Eldorado do Sul (RS)
29/07 – Novo Hamburgo 0x0 Grêmio – Estádio Alviazul, Lajeado (RS)
Semifinal:
02/08 – Grêmio 4×3 Novo Hamburgo – Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
Final:
05/08 – Grêmio 2×0 Internacional – Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)

FICHA TÉCNICA: GRÊMIO 2×0 INTERNACIONAL
Competição/Fase:
Taça Francisco Novelletto (segundo turno do Campeonato Gaúcho) 2020 – final (jogo único)
Local: Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
Data: 5 de agosto de 2020, quarta-feira – 21h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden
Auxiliares: Lúcio Beiersdorf Flor e José Eduardo Cauza
Cartões Amarelos: Matheus Henrique, Paulo Victor, Renato Portaluppi (téc) e Kannemann (Grêmio); Boschilia, Paolo Guerrero, Moisés, Thiago Galhardo, Busto e Eduardo Coudet (téc) (Internacional)
Cartões Vermelhos: Orejuela (Grêmio) e Patrick (Internacional)
Gols: Maicon, aos 4 min (1-0) e Isaque, aos 35 min do 2º tempo (2-0)
GRÊMIO: 27.Vanderlei; 17.Orejuela, 3.Pedro Geromel, 4.Kannemann e 12.Bruno Cortez; 7.Matheus Henrique (16.Lucas Silva), 8.Maicon (25.Pepê) e 21.Jean Pyerre (46.Isaque); 23.Alisson (14.David Braz), 11.Everton e 29.Diego Souza (9.Luciano). Técnico: Renato Portaluppi
INTERNACIONAL: 12.Marcelo Lomba; 2.Rodinei, 3.Bruno Fuchs, 15.Víctor Cuesta e 16.Moisés; 5.Musto, 23.Marcos Guilherme (88.Patrick), 8.Edenílson (7.Willian Pottker) e 21.Boschilia; 17.Thiago Galhardo e 9.Paolo Guerrero. Técnico: Eduardo Coudet

Parabéns ao Grêmio Foot-ball Portoalegrense pelo título.

Por Jorge Almeida

Ceará: campeão da Copa do Nordeste 2020

Jogadores do Ceará comemoram o bicampeonato da Copa do Nordeste. Créditos: LC Moreira/Estadão

Com uma campanha incontestável, o Ceará sagrou-se campeão da Copa do Nordeste 2020 ao derrotar o Bahia na segunda e decisiva partida do certame por 1 a 0, com gol de Cleber, aos 15 minutos do segundo tempo, na noite desta quarta-feira (4), no Estádio de Pituaçu, em Salvador. Esse foi o segundo título do Vozão da Lampions League – a primeira foi em 2015.

Antes de a bola rolar, houve um minuto de silêncio em homenagem ao torcedor ilustre do Ceará: Luís Queiroz Campos, que morreu no último domingo (2) aos 94 anos. A partida começou acirrada, com as equipes brigando pela bola e, não foi à toa que, com apenas quatro minutos de bola rolando, Fernandão, do Bahia, recebeu cartão amarelo por falta dura em Bruno Pacheco. A primeira finalização ao gol foi do Tricolor de Aço aos sete minutos com o mesmo Fernandão, que recebeu na meia-lua e arriscou, mas Fernando Prass fez a defesa em dois tempos.

Precisando reverter a desvantagem do primeiro jogo, o Baêa tentou pressionar o Vozão que, por sua vez, ficou a cadenciar o jogo conforme mantinha a posse da bola. Aos 16, o Ceará teve a sua oportunidade através de cobrança de falta, porém, a batida de Vinícius bateu na barreira e ficou fácil para Anderson. Na jogada seguinte, aos 19, foi a vez de Rodriguinho arriscar da intermediária e mandou para fora. Na sequência, aos 22, o camisa 10 tricolor cruzou para Fernandão, que cabeceou em direção ao gol, contudo, a esférica desviou em Fabinho e, para desespero do time baiano, que reclamaram do toque de mão do camisa 19 alvinegro. A arbitragem revisou o lance no VAR e não constatou o toque no braço do volante.

A peleja continuou com o Bahia tentando sufocar o Ceará, mas o Vozão se manteve firme e neutralizou as tentativas do adversário em vazar a sua defesa. Aos 37, Fernandão cobrou falta com força, mas o tiro saiu por cima do gol de Fernando Prass. O jogo seguiu com o Bahia tentando criar oportunidades e parando na forte marcação dos cearenses. E o primeiro tempo foi encerrado aos 49 minutos com o empate sem gols, resultado favorável ao Ceará.

Na volta para o segundo tempo, Roger Machado precisou ousar, uma vez que seu time precisaria fazer pelo menos dois gols para igualar as condições na decisão. Então, o técnico tricolor colocou Nino Paraíba no lugar de João Pedro, um lateral por outro, e sacou o zagueiro Lucas Fonseca para pôr o atacante Clayson. Nos primeiros minutos da etapa final, o Ceará queimou a sua primeira substituição: Vina caiu no chão, reclamando de dores na coxa e foi trocado pelo experiente Rafael Sobis.

O jogo ficou pegado e, por conta de faltas duras, o árbitro potiguar Caio Max Augusto Vieira amarelou Bruno Pacheco, do Ceará, e Rodriguinho, do Bahia, além do atacante Leandro Carvalho, mas por reclamação. Todavia, a situação complicou de vez para o Bahia aos 15 minutos. Leandro Carvalho conduziu o contra-ataque, tocou para Bruno Pacheco na esquerda, que cruzou na medida para Cléber que, na pequena área, completou para as redes e abrindo o placar em Pituaçu: 1 a 0 para o Vozão, e 4 a 1 no agregado.

Depois do gol sofrido, o Tricolor de Aço tentou ir para cima, trocando passes na intermediária, mas encontrou muitas dificuldades de furar a bem postada defesa alvinegra. O Bahia tentou por duas vezes. Aos 20, Clayson cobrou falta e Prass espalmou e, aos 26, o camisa 25 tricolor tirou da marcação e rolou para Marco Antônio que, da entrada da área, bateu de primeira e errou o alvo.

O Bahia tentou ir para cima, mas abusava nas tentativas de bolas na área, especialmente pelo lado direito com Nino Paraíba, mas a zaga cearense levando a melhor em todas. Aos 36, Fernandão recebeu de Rodriguinho e finalizou fraco para Prass defender sem problemas. A decisão entrou em seus minutos finais e o banco do Ceará em clima de comemoração. Aos 41, Rodriguinho cruzou na área e Fernandão cabeceou para o meio do gol e Fernando Prass pegou sem dificuldades. A partida teve mais cinco minutos de acréscimos, até que aos 50 minutos, o jogo foi encerrado. Fim de partida no Pituaçu: Bahia 0, Ceará 1. O Vozão é o grande campeão da Lampions League 2020.

Como precisava buscar o resultado por conta da derrota no primeiro jogo da final (vitória do Ceará por 3 a 1), no primeiro tempo. o Bahia tentou manter presença no campo do adversário, em especial nas laterais, porém, o sistema defensivo bem implantado do Ceará mostrou-se bem eficiente e impediu de o adversário chegar à sua meta através de jogadas trabalhadas, o que fez com que a equipe de Roger Machado insistisse em chutes de fora da área, mas apenas em um deles que Fernando Prass foi exigido. Na etapa final, Roger Machado foi para o tudo ou nada: trocou o zagueiro Lucas Fonseca pelo atacante Cleyson e, embora tenha ficado mais ofensivo na teoria, o Tricolor da Boa Terra foi surpreendido pelo Vozão aos 15 minutos. Bruno Pacheco recebeu passe de Leandro Carvalho na esquerda e cruzou na medida para Cléber mandar para as redes. Com isso, o Bahia foi para o ataque, mas por conta da falta de repertório e pela insistência pelas bolas aéreas, a bem posicionada defesa do Ceará aguentou a pressão e manteve a vitória, graças a ótima leitura do jogo feita pelo técnico Guto Ferreira que, ao perceber o desespero do adversário que tentou deixar o time mais ofensivo, e, com isso, com mais espaço para contra-atacar e, por isso, colocou Mateus Gonçalves no lugar de Leandro Carvalho. E, assim como sua equipe, o técnico Guto “Gordiola” Ferreira conquista o bicampeonato da Lampions League. Em 2017, ele comandou o Bahia no título da competição.

A campanha do Ceará foi incontestável. Pois, além de ter sido de forma invicta, com sete vitórias e cinco empates, o Vozão deixou pelo caminho o Vitória, o maior vencedor da Copa do Nordeste, nas quartas-de-final; o arquirrival Fortaleza na semifinal no primeiro Clássico-Rei realizado fora do Ceará; e derrotando o Bahia nos dois jogos da final, e fora de casa. Título mais que merecido.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
Primeira Fase (Grupo B):

26/01 – Ceará (CE) 2×2 Freipaulistano (SE) – Estádio Presidente Vargas, Fortaleza (CE)
1º/02 – Fortaleza (CE) 1×1 Ceará (CE) – Arena Castelão, Fortaleza (CE)
08/02 – ABC (RN) 0x0 Ceará (CE) – Arena das Dunas, Natal (RN)
15/02 – Ceará (CE) 2×2 Bahia (BA) – Arena Castelão, Fortaleza (CE)
26/02 – Ceará (CE) 2×2 Botafogo (PB) – Arena Castelão, Fortaleza (CE)
03/03 – Ríver (PI) 0x4 Ceará (CE) – Estádio Lindolfo Monteiro, Teresina (PI)
15/03 – Ceará (CE) 2×1 Sport Recife (PE) – Arena Castelão, Fortaleza (CE)
22/07 – CRB (AL) 1×2 Ceará (CE) – Estádio Barradão, Salvador (BA)
Quartas-de-final:
25/07 – Ceará (CE) 1×0 Vitória (BA) – Estádio de Pituaçu, Salvador (BA)
Semifinal:
28/07 – Fortaleza (CE) 0x1 Ceará (CE) – Estádio de Pituaçu, Salvador (BA)
Final:
1º/08 – Ceará (CE) 3×1 Bahia (BA) – Estádio de Pituaçu, Salvador (BA)
04/08 – Bahia (BA) 0x1 Ceará (CE) – Estádio de Pituaçu, Salvador (BA)

FICHA TÉCNICA: BAHIA (BA) 0x1 CEARÁ (CE)
Competição/Fase:
Copa do Nordeste 2020 – final (2º jogo)
Local: Estádio Metropolitano Governador Roberto Santos (Estádio de Pituaçu), Salvador (BA)
Data: 4 de agosto de 2020, terça-feira – 21h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Caio Max Augusto Vieira (RN)
Auxiliares: Jean Márcio dos Santos (RN) e Flávio Gomes Barroca (RN)
Cartões Amarelos: Fernandão, Rossi, Rodriguinho e Gregore (Bahia); Samuel Xavier, Diogo Silva, Luiz Otávio, Bruno Pacheco e Leandro Carvalho (Ceará)
Gol: Cléber, aos 15 min do 2º tempo (0-1)
BAHIA (BA): 33.Anderson; 23.João Pedro (2.Nino Paraíba), 28.Lucas Fonseca (25.Clayson), 40.Juninho e 29.Juninho Capixaba; 28.Gregore, 24.Flávio e 10.Rodriguinho; 11.Rossi (30.Marco Antônio), 7.Élber e 20.Fernandão. Técnico: Roger Machado
CEARÁ (CE): 1.Fernando Prass; 22.Samuel Xavier, 44.Klaus, 13.Luiz Otávio e 6.Bruno Pacheco (14.Alyson); 5.William Oliveira, 19.Fabinho, 29.Vinícius (11.Rafael Sobis) e 88.Fernando Sobral; 89.Cléber (30.Bergson) e 80.Leandro Carvalho (7.Mateus Gonçalves). Técnico: Guto Ferreira

Parabéns ao Ceará Sporting Club pela conquista.

Por Jorge Almeida

Red Bull Bragantino: campeão do Troféu do Interior 2020

O zagueiro Léo Ortiz comemora o gol do título do Troféu do Interior para o Red Bull Bragantino. Foto: Ari Ferreira/Red Bull Bragantino

Com o gol do zagueiro Léo Ortiz, o Red Bull Bragantino derrotou o Guarani por 1 a 0 na noite desta terça-feira (4), na Arena Barueri, na Grande São Paulo, e ficou com o título do Troféu do Interior 2020. A decisão foi disputada em partida única. O Massa Bruta garantiu sua vaga para a Copa do Brasil de 2021 com a conquista.

O jogo começou com os times trocando passes e se estudando. A primeira presença de ataque foi do Guarani, aos três, quando Junior Todinho tentou cruzar, mas pegou errado na bola e mandou para fora. Em seguida, Arthur Rezende recebeu cartão amarelo por causa de uma falta em cima de Aderlan. O Red Bull Bragantino arriscou aos nove com Matheus Jesus, que recebeu passe na entrada da área, e soltou a pancada, mas saiu por cima do gol. O Bugre respondeu na sequência, aos dez, com o amarelado Arthur Rezende que cobrou falta em que a pelota foi desviada no trajeto.

Os times seguiram se movimentando e visando o ataque, mas a criação deixou um pouco a desejar no começo do jogo. Aos 16, Lucas Crispim chutou rasteiro para o gol e mandou para fora, levando perigo. O camisa 10 do time campineiro seguiu dando trabalho ao Massa Bruta. Aos 21, Crispim e Todinho tabelaram dentro da área, o meia chutou e carimbou a trave.

E, no momento em que o Guarani estava ligeiramente melhor no jogo, com mais volume de jogo, foi castigado aos 31 minutos. Em escanteio cobrado da direita, a bola foi erguida na área, ninguém conseguiu completar para o gol, a redonda sobrou para Morato, que recuou para Edimar e o lateral cruzou na medida para Léo Ortiz cabecear para o gol e colocar a equipe de Bragança Paulista na frente: 1 a 0.

O Bugre sentiu um pouco o gol do adversário nos minutos seguintes, mas no final da primeira etapa tentou apertar a saída de bola do Red Bull Bragantino. Porém, a partida foi até os 47 minutos e a etapa inicial terminou com a vitória parcial do Toro Loko.

No segundo tempo, o Red Bull tentou surpreender em rápida jogada pelo lado direito, antes do primeiro minuto, mas Arthur falhou na tentativa de cruzamento e mandou a redonda para fora. No lance seguinte, aos três, Lucas Crispim fez boa jogada invidivual pelo meio, deu um drible da vaca em Léo Ortiz e, ao entrar na área, caiu com a chegada da zaga do Braga, o jogador pediu pênalti, mas a árbitra Edina Alves Batista só concedeu o escanteio.

O Massa Bruta tentou controlar o jogo, contudo, encontrou dificuldades por conta do ritmo intenso do Índio Guerreiro. Mas, aos 13, Alerrandro recebeu bom passe e, na área e marcado por Wálber, finalizou e mandou próximo da meta defendida por Cleiton. Aliás, a situação complicou para o Bugrão aos 20 minutos com a expulsão do volante Deivid, que recebeu o segundo amarelo após fazer uma falta no meio-de-campo.

A partida mudou a questão da marcação-pressão para o Guarani que, com um jogador a menos, não teve como manter a postura. E, mesmo assim, aos 28, quase o time campineiro chegou ao empate. Junior Todinho recebeu na pequena área, chutou para o gol e Cleiton fez grande defesa. O Guarani precisou ir para cima do Red Bull Bragantino e se sujeitando a sofrer os contragolpes. Mas a peleja caiu de rendimento por conta das substituições e o time de Bragança recebeu mais alguns “canários”.

O Toro Loko esteve perto do segundo gol. Aos 38, Alerrandro fez o pivô no meio da área e ajeitou para o Claudinho, o camisa 10 bateu rasteiro, Jefferson defendeu e, na sobra, Claudinho tocou para Vitinho, que mandou para fora. A equipe de Thiago Carpini tentou buscar o empate para levar a disputa para os pênaltis, mas o Braga ficou fechado e, com um homem a mais, só ficou à espera do apito final.

O Bugre tentou mais duas vezes. Aos 46, Elias Carioca cruzou na área, mas ninguém conseguiu completar para o gol e, aos 50, na última cartada, Giovanny tentou de fora da área, mas pegou muito embaixo da bola e a mandou por cima do gol. Até que, aos 51 minutos, Edina Alves Batista dá o jogo por encerrado. Fim de partida na Arena Barueri, Red Bull Bragantino 1, Guarani 0. O Massa Bruta é o grande campeão do Troféu do Interior e garantiu a sua vaga para a Copa do Brasil de 2021 e receberá R$ 360 mil de premiação.

O primeiro tempo entre Red Bull Bragantino foi bem movimentado, com ambos buscando o ataque. O Bugre estava melhor na partida, chegando, inclusive, acertar a trave do adversário com Lucas Crispim, mas, em um lance oriundo de escanteio, Edimar cruzou da esquerda para Léo Ortiz marcar de cabeça aos 31 minutos. Na etapa complementar, o Guarani manteve o ritmo do tempo inicial, com a sua marcação-pressão, mas, a situação complicou de vez para o Bugre com a expulsão do volante Deivid aos 20 minutos. Com um jogador a menos, o clube de Campinas tentou ir para cima do adversário, que ficou com o contragolpe à disposição, mas não tirou proveito e, por pouco, não tomou o empate aos 28 graças à boa interceptação do goleiro Cleiton, mas soube se comportar na defensiva e só administrou o resultado.

Vale registrar que a partida foi disputada em Barueri porque a cidade de Bragança Paulista não pode receber jogos de futebol por estar na fase amarela do Plano São Paulo do Centro de Contingência da COVID-19 do Governo do Estado de São Paulo. Além disso, o Red Bull Bragantino foi credenciado em entrar na semifinal do Troféu do Interior por ter sido a melhor colocada dentre as equipes do interior que foram eliminadas nas quartas-de-final do Campeonato Paulista da Série A1.

As duas equipes voltam a campo já no final de semana, mas pelo Campeonato Brasileiro. No sábado (8), o Guarani estreará na Série B contra o CSA, às 21h, em Alagoas. Enquanto o Red Bull Bragantino vai até a Vila Belmiro encarar o Santos, no domingo (9), às 16h, na sua estreia na Série A do Brasileirão.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Semifinal:
Data – Jogo – Local:

1º/08 – Red Bull Bragantino 1×1 Botafogo (SP) – Estádio do Canindé, São Paulo (SP)
Final:
04/08 – Red Bull Bragantino 1×0 Guarani – Arena Barueri, Barueri (SP)

FICHA TÉCNICA: RED BULL BRAGANTINO 1×0 GUARANI
Competição/Fase:
Troféu do Interior 2020 – final (jogo único)
Local: Arena Barueri, Barueri (SP)
Data: 4 de agosto de 2020, terça-feira – 20h (horário de Brasília)
Árbitro: Edina Alves Batista
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Fabrini Bevilaqua Costa
Cartões Amarelos: Matheus Jesus, Ricardo Ryller, Artur, Weverson e Fabrício Bruno (Red Bull Bragantino); Arthur Rezende, Deivid (2) e Bidu (Guarani)
Cartão Vermelho: Deivid (Guarani)
Gol: Léo Ortiz, aos 31 min do 1º tempo (1-0)
RED BULL BRAGANTINO: 40.Cleiton; 13.Aderlan, 3.Léo Ortiz, 14.Fabrício Bruno e 6.Edimar; 25.Ricardo Ryller (31.Vitinho) (20.Bruno Tubarão), 11.Matheus Jesus e 34.Weverson; 38.Morato (10.Claudinho), 27.Alerrandro e 7.Artur. Técnico: Felipe Conceição
GUARANI: 12.Jefferson; 17.Pablo, 34.Walber, 6.Bruno Silva e 20.Bidú; 5.Deivid, 80.Arthur Rezende (19.Elias Carioca), 10.Lucas Crispim e 22.Bruno Sávio (11.Giovanny); 29.Junior Todinho e 21.Waguinho. Técnico: Thiago Carpini

Parabéns ao Red Bull Bragantino pelo título.

Por Jorge Almeida

Porto: campeão da Taça de Portugal 2019/2020

O zagueiro Mbemba autor dos dois gols que deram ao Porto o título da Taça de Portugal 2019/2020. Foto: Reuters

Com dois gols do zagueiro congolês Mbemba, o Porto derrotou o Benfica por 2 a 1 na decisão da Taça de Portugal 2019/2020 e conquistou o título da competição pela 17ª vez. Os tentos da partida saíram no segundo tempo. Os Dragões abriram 2 a 0, mas Carlos Vinícius, de pênalti, descontou para os Encarnados. Agora, o Porto se iguala com o Sporting em número de taças do torneio, enquanto as Águias mantêm a hegemonia com 26 troféus. A equipe de Sérgio Conceição jogou o final do primeiro tempo e toda a segunda etapa com um jogador a menos, pois, Luis Díaz foi expulso ainda aos 37 minutos, quando O Clássico estava empatado em 0 a 0.

A decisão da Taça de Portugal começou com o Porto tomando a iniciativa. Primeiro com Otávio, a um minuto de jogo com um chute de fora da área que foi desviado. Depois, aos três, a principal jogada do primeiro tempo. Marega recebeu na lateral da área adversária, tocou de calcanhar para Corona, que se livrou da marcação e chutou forte para ótima defesa do goleiro grego Odysseas Vlachomidos.

Depois disso, o clássico ficou muito pegado, com as equipes fazendo bastante faltas e reclamando muito. O Benfica, apesar de ter ficado um pouco mais com a bola, não produziu nada de oportunidades de gol.

E a situação complicou para o Porto aos 37 minutos quando perdeu o atacante Luis Díaz que foi expulso ao fazer falta em André Almeida e, como havia tomado cartão amarelo aos oito minutos por falta em Chiquinho, o colombiano recebeu o segundo amarelo e vermelho em seguida. E, por conta disso, o técnico Sérgio Conceição, inconformado pela expulsão de seu jogador, foi reclamar com o árbitro e acabou sendo expulso também. E a etapa inicial foi até os 47 minutos sem nada de produtivo apresentado pelas equipes e, assim, o 0 a 0 persistiu.

Diferentemente do primeiro tempo, a etapa complementar começou com tudo e o Porto abriu o placar logo aos dois minutos. Em falta cobrada da esquerda, a bola foi alçada na área, Odysseas falhou na saída, não conseguiu cortar o cruzamento e o zagueiro Mbemba, de cabeça, mandou para as redes: 1 a 0.

A partida seguiu com os dois times errando muitos passes e os Encarnados sem conseguirem finalizar. E, mesmo com um jogador a menos, os Dragões conseguiram ampliar. Aos 12, Otávio cobrou falta, dessa vez do lado direita, a zaga benfiquista não acompanhou e Mbemba ficou livre para completar de cabeça e anotar o seu segundo gol no jogo: 2 a 0.

Depois do segundo gol portista, o técnico Nelson Veríssimo sacou o volante alemão Weigl e colocou o atacante Carlos Vinícius, mas tirou o atacante Chiquinho e colocou o volante Taarabt. Enquanto isso, pelo lado do Porto, o brasileiro Otávio deu lugar para o zagueiro Diogo Leite.

O Benfica só conseguiu uma finalização, de fato, aos 28 minutos. Em cruzamento da direita, Carlos Vinícius, dentro da pequena área, cabeceou mal, a pelota quicou no chão e saiu por cima do gol. As Águias esboçaram uma pressão para cima dos Dragões que, por sua vez, conseguiam tirar todas da defesa.

Eis que aos 37 minutos, o Benfica estava no ataque, dentro da área do rival, e o zagueiro Diogo Leite deu aquela força ao tocar com a mão na bola. Pênalti. Na cobrança, Carlos Vinícius converteu e descontou para os Encarnados. A equipe lisboeta seguiu viva na disputa.

A decisão continuou truncada, mas com o Benfica pressionando para buscar o empate, enquanto o Porto foi mais consistente na defesa. Aos 45, Nuno Tavares cruzou na área, a zaga afastou parcialmente e Jota pegou bem, de primeira e de canhota, e a esférica caprichosamente bateu na trave e foi para fora, para desespero do meia da camisola (como dizem os portugueses) 73. O time da capital pressionou nos minutos finais, mas, aos 50 minutos, Artur Soares Dias encerrou a partida. Fim de jogo no Estádio da Cidade de Coimbra: Benfica 1, Porto 2. Os Dragões conquistam a Taça de Portugal 2019/2020.

Benfica e Porto fizeram um primeiro tempo sofrível na final da Taça de Portugal. Os dois times pouco produziram e mais reclamaram da arbitragem e exageraram nas faltas do que criaram jogadas de perigo. Excetuando a boa jogada do mexicano Corona no comecinho do jogo, a partida foi terrível e o Porto ainda sofreu duas baixas com as expulsões do atacante Luis Díaz e de seu treinador. Porém, na segunda etapa, os Dragões abriram o placar no início com o zagueiro congolês Mbemba, contando com uma colaborada do goleiro Odysseas, e o mesmo ampliou a vantagem com outro gol de cabeça. Depois, o Benfica tentou pressionar, mas a equipe de Sérgio Conceição se fechou bem, aliás, o Porto mexeu mal ao tirar o meia Otávio para colocar o zagueiro Diogo Leite, pois acabou por chamar os Encarnados para cima e, por coincidência, foi o defensor que ajudou o Benfica diminuir o marcador ao fazer o pênalti desnecessário nos minutos finais que foi convertido por Carlos Vinicius. Nos acréscimos, as Águias quase empataram com Jota, que mandou de canhota e a bola bateu na trave e saiu.

Com o título, o Porto fechou bem a temporada em Portugal, já que, além da Taça de Portugal, os Dragões levaram o Campeonato Português e ainda venceu os três duelos que fez contra o arquirrival – dois pela liga nacional e a decisão de hoje (2 a 0, 3 a 2 e 2 a 1, respectivamente). Para a próxima temporada, pelo lado de Benfica, Jorge Jesus terá bastante trabalho para colocar as Águias de volta no lugar dos gigantes do futebol europeu, assim como Sérgio Conceição precisará fortalecer o Porto, que está longe de ameaçar os grandes times do continente. Aliás, agora resta para eles acompanharem de casa a sequência da UEFA Champions League que será disputada em solo português neste mês.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
Terceira Fase:
19/10/2019 – Coimbrões 0x5 Porto – Estádio Municipal Jorge Sampaio, Pedroso
Quarta Fase:
24/11/2019 – Porto 4×0 Vitória de Setúbal – Estádio do Dragão, Porto
Oitavas-de-final:
19/12/2019 – Porto 1×0 Santa Clara – Estádio do Dragão, Porto
Quartas-de-final:
14/01/2020 – Porto 2×1 Varzim – Estádio do Dragão, Porto
Semifinais:
04/02/2020 – Académico de Viseu 1×1 Porto – Estádio do Fontelo, Viseu
12/02/2020 – Porto 3×0 Académico de Viseu – Estádio do Dragão, Porto
Final:
1°/08/2020 – Benfica 1×2 Porto – Estádio Cidade de Coimbra, Coimbra

FICHA TÉCNICA: BENFICA 1×2 PORTO
Competição/Fase: Taça de Portugal 2019/2020 – final (jogo único)
Local: Estádio Cidade de Coimbra, Coimbra
Árbitro: Artur Soares Dias
Auxiliares: Rui Licínio e Paulo Soares
Cartões Amarelos: Rúben Dias, Jardel, Weigl, Carlos Vinícius (Benfica); Luis Díaz, Sérgio Conceição (téc) e Alex Telles (Porto)
Cartões Vermelhos: Luis Díaz e Sérgio Conceição (téc) (Porto)
Gols: Mbemba, aos 2 min (0-1) e aos 12 min do 2º tempo (0-2); e Carlos Vinícius, de pênalti, aos 38 min do 2º tempo (1-2)
BENFICA: 99.Odysseas; 34.André Almeida, 6.Rúben Dias, 33.Jardel e 71.Nuno Tavares; 28.Weigl (95.Carlos Vinícius), 8.Gabriel, 21.Pizzi (73.Jota) e 11.Cervi (27.Rafa Silva); 19.Chiquinho (49.Taarabt) e 14.Seferović (20.Dyego Sousa). Técnico: Nelson Veríssimo
PORTO: 31.Diego Costa; 18.Manafá, 3.Pepe, 19.Mbemba e 13.Alex Telles; 22.Danilo, 16.Uribe (15.Loum), 17.Corona (27.Sérgio Oliveira) e 25.Otávio (4.Diogo Leite); 7.Luis Díaz e 11.Marega. Técnico: Sérgio Conceição

Parabéns ao Futebol Clube do Porto pelo título.

Por Jorge Almeida

Arsenal: campeão da Copa da Inglaterra 2019/2020

Jogadores do Arsenal comemoram o título da Copa da Inglaterra no Wembley Stadium. Foto: Getty Images

Com dois gols de Aubameyang, o Arsenal venceu o Chelsea de virada por 2 a 1, neste sábado (1º), no Wembley Stadium, em Londres, e conquistou o título da Copa da Inglaterra 2019/2020. Os Blues saíram na frente com o norte-americano Pulisic. A conquista foi a primeira do técnico Mikel Arteta e ampliou a hegemonia dos Gunners na competição ao erguer o 14º caneco do torneio de futebol mais antigo do mundo.

O clássico londrino começou com o Arsenal dando a primeira investida logo aos dois minutos, mas a finalização não assustou. No lance seguinte, o Chelsea respondeu. Mount roubou a bola, avançou e tentou um chute colocado para boa defesa de Martínez. Dois minutos depois, os Blues chegaram ao seu primeiro gol no jogo. Pulisic tocou para Mount, que tocou de calcanhar para o camisa 22 dentro da área, o norte-americano driblou o marcador e tocou na saída de Martínez: 1 a 0 para o lado azul de Londres.

O gol empolgou os comandados de Frank Lampard, que seguiu em cima. Aos 10, em outra ótima jogada de Pulisic, ele dribou dois, entrou na área e bateu forte para Martínez espalmar. Minutos depois, aos 13, Kovačić recebeu amarelo por falta dura em Xhaka após perder a bola. O Chelsea manteve mais posse de bola até a metade do primeiro tempo. E o jogo foi paralisado para hidratação dos atletas.

Após a pausa, os Gunners chegaram a balançar a rede aos 24 com Pépé, mas o gol foi invalidado porque Maitland-Niles estava em impedimento. No entanto, no minuto seguinte, Azpilicueta agarrou Aubameyang e a arbitragem marcou pênalti. O lance foi revisado pelo VAR, mas a penalidade foi confirmada. Na cobrança, o camisa 14 do Arsenal bateu forte no canto direito de Caballero, que caiu do outro lado. Foi o empate dos Gunners em Wembley.

Pouco tempo depois do empate do Arsenal, aos 34, o Chelsea perdeu Azpilicueta depois que ele sentiu a coxa esquerda e foi substituído por Christensen. Em seguida, aos 35, os Blues partiram em contragolpe com Mount, que invadiu a área, girou o corpo e rolou para Jorginho que, atrapalhado por Alonso, finalizou mal.

Os dois times passaram o restante do primeiro tempo sem levar perigo ao gol, com o Chelsea encontrando dificuldades para atacar, até que aos 50 minutos, o primeiro tempo foi encerrado: 1 a 1.

Na etapa final, logo no primeiro minuto, Pulisic arrancou do meio de campo e, na hora da conclusão, sentiu a coxa, conseguiu finalizar e mandou perto do gol. No entanto, em seguida, o camisa 22 foi substituído por Pedro que, em sua primeira jogada, aos três minutos, recebeu na esquerda e, ao tentar cruzar, foi bloqueado por Holding.

O jogo ficou truncado nos minutos seguintes por conta do congestionamento no meio-de-campo, o que colaborou para que as equipes encontrassem problemas na realização de jogadas. Eis que, aos 21, o Arsenal partiu para o contra-ataque, puxado por Bellerín, depois Pépé acionou Aubameyang, que deu um belo drible em Zouma e tocou por cima de Caballero. Belo gol e virada dos Gunners: 2 a 1 para o Arsenal.

Em seguida, o clássico foi paralisado para a hidratação dos atletas. Na volta, aos 27, a situação complicou para o Chelsea que ficou com um menos porque o croata Kovačić fez falta em Xhaka e recebeu o segundo amarelo e, consequentemente, o cartão vermelho. Na sequência, uma distribuição de cartões amarelos para Rüdiger, Ceballos e o técnico Mikel Arteta e, depois, Frank Lampard fez três substituições de uma vez: saíram Giroud, Mount e Rüdiger e entraram Abrahm, Barkley e Hudson-Odoi, respectivamente. Foi uma tentativa do treinador para ir ao tudo ou nada.

O Chelsea tentou aos 34 minutos com lançamento longo para Abraham, mas Martínez adiantou-se e ficou com a bola para desespero dos jogadores dos Pensioners que reclamaram que o arqueiro pegou a pelota com a mão fora da área. Contudo, o jogo caiu de produção, pois, o Chelsea não mostrou poder de reação para buscar o empate, enquanto o Arsenal fez o necessário para administrar o resultado. a partida teve sete minutos de acréscimos por conta das substituições e paradas para atendimentos médico aos atletas.

Aos 50 minutos, Pedro entrou na área em alta velocidade, Martínez saiu bem do gol e ficou com a bola. No lance, o atacante espanhol levou a pior por ter caído de mau jeito. O jogo ficou paralisado para o atendimento do camisa 11, que precisou deixar o campo de maca. Mas, a partida prosseguiu por mais três minutos e, aos 58 minutos, Anthony Taylor apitou pela última vez. Fim de jogo em Wembley, Arsenal, de virada, 2, Chelsea 1. Os Gunners são campeões da Copa da Inglaterra 2019/2020 e garantem o passaporte para a próxima edição da UEFA Europa League.

O clássico entre Arsenal e Chelsea deixou muito a desejar, pois, os times, apesar de fazerem um jogo parelho, pouco produziram, em relação à criação de jogadas ofensivas e finalizações, concentraram bastante no meio-de-campo. Os Blues saíram na frente logo aos cinco minutos com o norte-americano Pulisic, mas, Aubameyang empatou ainda no primeiro tempo de pênalti e, na segunda etapa, o atacante do Arsenal fez um belo gol que decretou a virada e o 14º título dos Gunners da FA Cup. Essa foi a primeira conquista de Arteta como treinador e que serviu para salvar uma temporada fraca do Arsenal, que ficou em oitavo na Premier League e só disputará uma competição europeia na próxima temporada graças a essa conquista de hoje em Wembley. Já o Chelsea terá uma missão duríssima pela frente na UEFA Champions League: precisará converter a vantagem do Bayern de Munique, na Alemanha, no jogo de volta válido pelas oitavas-de-final. Os Blues precisam fazer pelo menos 3 a 0 para igualar as condições, já que fora derrotado por esse placar no primeiro jogo em pleno Stamford Bridge. E, apesar de ter feito uma partida regular, David Luiz conquistou o seu primeiro caneco no arquirrival de seu ex-clube.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da final.

Data – Jogo – Local:
Terceira Fase:
06/01/2020 – Arsenal 1×0 Leeds United – Emirates Stadium, Londres
Quarta Fase:
27/01/2020 – Bournemouth 1×2 Arsenal – Dean Court, Bournemouth
Oitavas-de-final:
02/03/2020 – Portsmouth 0x2 Arsenal – Fratton Park, Portsmouth
Quartas-de-final:
28/06/2020 – Sheffield United 1×2 Arsenal – Bramall Lane, Sheffield
Semifinal:
18/07/2020 – Arsenal 2×0 Manchester City – Wembley Stadium, Londres
Final:
1º/08/2020 – Arsenal 2×1 Chelsea – Wembley Stadium, Londres

FICHA TÉCNICA: ARSENAL 2×1 CHELSEA
Competição/Fase: Copa da Inglaterra (The FA Cup) 2019/2020 – final (jogo único)
Local: Wembley Stadium, Londres, Inglaterra
Data: 1º de agosto de 2020, sábado – 13h30
Árbitro: Anthony Taylor
Auxiliares: Gary Beswick e Adam Nunn
Cartões Amarelos: Kovačić, Azpilicueta, Mount e Rüdiger (Chelsea); Ceballos e Arteta (téc.) (Arsenal)
Cartão Vermelho: Kovačić (Chelsea)
Gols: Pulisic, aos 5 min (0-1); Aubameyang, de pênalti, aos 27 min do 1º tempo (1-1) e aos 21 min do 2º tempo (2-1)
ARSENAL: 26.Martínez; 16.Holding, 23.David Luiz (5.Sokratis) e 3.Tierney (31.Kolašinac); 2.Bellerín, 34.Xhaka, 8.Ceballos e 15.Maitland-Niles; 19.Pepé, 9.Lacazette (30. Nkentiah) e 14.Aubameyang. Técnico: Mikel Arteta
CHELSEA: 13.Caballero; 28.Azpilicueta (4.Christensen), 15.Zouma, 2.Rüdiger (20.Hudson-Odoi) e 24.James; 5.Jorginho, 17.Kovačić e 3.Alonso; 19.Mount (8.Barkley), 22.Pulisic (11.Pedro) e 18.Giroud (9.Abraham). Técnico: Frank Lampard

Parabéns ao Arsenal Football Club pela conquista.

Por Jorge Almeida

FielZone inaugura Drive-in Funfest do Timão no jogo Corinthians X Mirassol

Presença de ex-jogadores, bateria da escola de samba Gaviões da Fiel e muito mais animam os torcedores

A Soccer Hospitality, empresa idealizadora dos Camarotes FielZone, FanZone, Flórida Cup, Pub Sports e Live Eterna Resenha, inova criando mais uma forma segura de entretenimento e lança o Drive-in Funfest FielZone no jogo Corinthians X Mirassol no próximo dia 2 de agosto a partir das 15h. Os ingressos custam 180 reais por carro com até 4 pessoas.

Proporcionando um ambiente totalmente seguro, que segue todas as recomendações da Organização Mundial da Saúde – OMS, o espaço tem capacidade para 120 carros e um palco com mega telão para que o torcedor do Timão tenha a “sensação” de estar no camarote assistindo ao jogo. Antes do início da partida, a escola de samba Gaviões da Fiel se apresenta para fazer o esquenta em grande estilo, além da presença de ex-jogadores como Chicão, Dinei, Ronaldo Giovanelli, entre outros.

“O formato é uma alternativa para que a Nação Corintiana possa vibrar com o Timão de forma segura, divertida e nostálgica. É hora de torcermos unidos, porém cada um em seu espaço, mas com toda a qualidade, segurança e alegria que sempre oferecemos em nossos camarotes nos estádios”, afirma Leo Rizzo, CEO da Soccer Hospitality.

As vagas são definidas por ordem de chegada, com distanciamento demarcado para manter a segurança de todos e a permanência dentro do veículo é obrigatória, exceto para o uso dos sanitários premium que são limpos e higienizados constantemente. Outra obrigatoriedade é o uso de máscaras durante toda a sessão.

Já a venda de alimentos e bebidas acontece durante todo o evento no melhor estilo anos 60 e para trazer ares de estádio com emoção, efeitos especiais surpreendem a torcida para que a experiência seja completa e inesquecível.

Drive-in Funfest FielZone
Data: 2 de agosto
Horário: a partir das 15h
Local: Alameda Tocantins, 234 – Alphaville
Valor: 180 reais por carro (limite de 4 pessoas)

Créditos: Mayara Rodrigues | Máxima Assessoria de Imprensa