Definidos os confrontos das oitavas-de-final da UEFA Europa League 2018/2019

UEFA realizou o sorteio nesta sexta=feira em sua sede, em Nyon, na Suíça. Créditos: Getty Images

A UEFA realizou em sua sede em Nyon, na Suíça, o sorteio dos confrontos para as oitavas-de-final da UEFA Europa League 2018/2019 nesta sexta-feira (22). O evento teve como cerimonialista Pedro Pinto, o porta-voz oficial da entidade, enquanto o secretário-geral da UEFA conduziu o sorteio, que teve a participação especial do ex-goleiro espanhol Andrés Palop, que escolheu as bolinhas.

Antes da definição dos confrontos, ficou esclarecido que o primeiro clube sorteado é quem será o mandante da partida de ida. Além disso, por conta de uma crise diplomática entre Rússia e Ucrânia, ficou determinado que o Dínamo de Kiev não poderá enfrentar os russos do Krasnodar ou o Zenit – a não ser na final, que será disputada em Baku, no Azerbaijão – e, por isso, a equipe ucraniana ficou no chamado “pote frio”.

Sendo assim, primeiramente, foi sorteado o adversário do Dínamo de Kiev, que foi o Chelsea para, em seguida, determinar quem seria o mandante do primeiro duelo, que ficou a cargo dos Blues, no Stamford Bridge. Aliás, esse enfrentamento será de interesse especial para o ex-atacante ucraniano Andriy Shevchenko, que jogou pelos dois clubes durante a carreira. Os londrinos já sentiram o gostinho de ganharem o torneio em 2012-13, enquanto o Bilo-Syni ainda não possuem uma taça da Liga Europa em sua galeria.

Em seguida, o sorteio continuou e com um embate pesado: Eintracht Frankfurt versus Internazionale de Milão. As duas equipes têm títulos da competição, porém, quando era disputada em outro formato. Enquanto os alemães ergueram a taça na temporada 1979-80, os Nerazurri abocanharam as edições 1990-91, 1993-94 e 1997-98.

O terceiro duelo sorteado ficou entre o Dínamo de Zagreb, da Croácia, e Benfica, de Portugal. Pela primeira vez na história da competição, um clube croata chega para a disputa das oitavas-de-final. Por outro lado, os Encarnados estão sedentos por um título continental, o que não acontece desde o bicampeonato da Copa dos Campeões (atual UEFA Champions League) da temporada 1961-62. Na Liga Europa, o Benfica acumula quatro vice-campeonatos.

As partidas entre Napoli e Salzburg prometem bastante equilíbrio. A equipe de Nápoles, que possui um título do torneio, conquistado em 1988-89, com aquele timaço liderado por Diego Armando Maradona, será o mandante do primeiro jogo, enquanto os austríacos, cuja melhor campanha no certame foi um quarto lugar na última temporada e um vice-campeonato em 1993-94 na época em que se chamava Casino Salzburg, receberá os napolitanos na moderna Red Bull Arena.

O quinto embate, conforme o sorteio, terá pela frente Valencia e Krasnodar. Os espanhóis, que já foram campeões em 2003-04, jogará primeiramente no Mestala, para depois decidir na casa do “caçula” do torneio, pois o Krasnodar, fundado em 2008, disputa a sua primeira competição europeia de sua história.

Maior vencedor da UEFA Europa League, com cinco títulos, o Sevilla será o mandante do jogo de ida contra os tchecos do Slavia Praga. As duas equipes já se enfrentaram na edição 2007-08 na fase de grupos da UEFA Champions League. Na ocasião, os Rojiblancos venceram os dois jogos: 4 a 2 em casa e 3 a 0 na capital tcheca.

O penúltimo confronto colocará frente a frente Arsenal e Stade Rennais, da França. Os Gunners, que foram vice-campeões em 1999-00, farão o primeiro jogo na França para definir sua sorte em casa, no Emirates Stadium, na partida de volta. Aliás, o time francês busca o seu primeiro título continental em sua história em 118 anos de existência. E só uma curiosidade: o goleiro Petr Čech, do Arsenal, jogou duas temporadas no clube francês: 2002-03 e 2003-04.

E, finalmente, o último duelo sorteado: Zenit x Villarreal. O primeiro duelo será em São Petersburgo, na Rússia, e o segundo em La Cerâmica, na Espanha. Na campanha do título da Taça da UEFA (antigo nome da Liga Europa) de 2007-08, o Zenit passou pelo Villarreal na fase de 16-avos daquela temporada. Na ocasião, os russos venceram por 1 a 0 em casa e foram derrotados por 2 a 1 na Espanha, porém, o Zenit avançou por conta do gol marcado fora de casa.

Pelas normas do sorteio, o Arsenal é quem seria o mandante do jogo de ida diante do Stade Rennais, mas houve uma troca de mando para evitar um possível confronto de torcidas, uma vez que o também londrina Chelsea será o mandante do primeiro jogo contra o Dínamo de Kiev.

Com os confrontos das oitavas-de-final definidos, as partidas de ida serão disputadas no dia 7 de março, enquanto os jogos de volta serão jogados na semana seguinte, no dia 14. A final está prevista para acontecer em 29 de maio no Estádio Olímpico de Baku, no Azerbaijão.

A seguir, a relação das datas e dos confrontos da UEFA Europa League 2018/2019.

Data – Jogo – Local:
07/03/2019 – Chelsea (ING) x Dínamo de Kiev (UCR) – Stamford Bridge, Londres (ING)
07/03/2019 – Eintracht Frankfuyrt (ALE) x Internazionale de Milão – Waldstadion, Frankfurt (ALE)
07/03/2019 – Dínamo de Zagreb (CRO) x Benfica (POR) – Maksimir, Zagreb (CRO)
07/03/2019 – Napoli (ITÁ) x Red Bull Salzburg (ÁUS) – San Paolo, Nápoles (ITÁ)
07/03/2019 – Valencia (ESP) x Krasnodar (RÚS) – Mestalla, Valência (ESP)
07/03/2019 – Sevilla (ESP) x Slavia Praga (REP) – Ramón Sánchez Pisjuán, Sevilha (ESP)
07/03/2019 – Stade Rennais (FRA) x Arsenal (ING) – Roazhon Park, Rennes (FRA)
07/03/2019 – Zenit (RÚS) x Villarreal (ESP) – Krestovsky Stadium, São Petersburgo (RÚS)
14/03/2019 – Dínamo de Kiev (UCR) x Chelsea (ING) – NSC Olimpiyskiy Stadium, Kiev (UCR)
14/03/2019 – Internazionale de Milão (ITÁ) x Eintracht Frankfurt (ALE) – Giuseppe Meazza, Milão (ITÁ)
14/03/2019 – Benfica (POR) x Dínamo de Zagreb (CRO) – Estádio da Luz, Lisboa (POR)
14/03/2019 – Red Bull Salzburg (ÁUS) x Napoli (ITÁ) – Red Bull Arena, Salzburg (ÁUS)
14/03/2019 – Krasnodar (RÚS) x Valencia (ESP) – Krasnodar Stadium, Krasnodar (RÚS)
14/03/2019 – Slavia Praga (REP) x Sevilla (ESP) – Sinobo Stadium, Praga (REP)
14/03/2019 – Arsenal (ING) x Stade Rennais (FRA) – Emirates Stadium, Londres (ING)
14/03/2019 – Villarreal (ESP) x Zenit (RÚS) – Estádio de La Cerámica, Villarreal (ESP)

Boa sorte aos participantes.

Por Jorge Almeida

Anúncios

CBF reativará Supercopa do Brasil em 2020

CBF, entidade responsável pelo Campeonato Brasileiro Série A, organizará a Supercopa do Brasil em 2020. Créditos: Fernando Torres/CBF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) apresentará, nesta sexta-feira (22) , ao Conselho Técnico da Série A do Campeonato Brasileiro uma série de propostas para assegurar avanços na organização e nos níveis técnicos e disciplinares da competição. Entre as novidades da pauta estará a disputa da Supercopa do Brasil, que voltará em 2020.

Para começar a temporada do ano que vem, a CBF reativará a Supercopa do Brasil, que colocará frente a frente o campeão brasileiro da Série A de 2019 e o ganhador da Copa do Brasil do mesmo ano. O título será disputado em partida única, previamente, definida.
Por exemplo, a Supercopa fosse realizada neste ano, seria realizada entre Palmeiras (atual campeão brasileiro) e Cruzeiro (último ganhador da Copa do Brasil).

A entidade reativa uma competição que só teve duas edições em sua história: em 1990 e 1991, vencidas por Grêmio e Corinthians diante de Vasco e Flamengo, respectivamente. Na primeira edição, em 1990, o Tricolor dos Pampas, na condição de vencedor da primeira edição da história da Copa do Brasil, em 1989, levou a melhor sobre o campeão brasileiro ao vencer o jogo de ida, no extinto Estádio Olímpico, em Porto Alegre por 2 a 0 e segurou um empate sem gols no São Januário. Já na edição seguinte, em 1991, foi realizada em partida única, no Estádio do Morumbi, que terminou com vitória corinthiana por 1 a 0 diante do rubronegro. Naquele momento, o Corinthians era o atual campeão brasileiro e o Flamengo o ganhador da Copa do Brasil.

No entanto, apesar das realizações das duas primeiras edições, o Grêmio atesta que jamais recebeu qualquer troféu referente à Supercopa e que os jogos contra o Vasco foram válidos pela primeira fase da Copa Libertadores da América de 1990. Já o Corinthians, apesar de ter a conquista, não costuma colocar a Supercopa do Brasil na sua lista de “títulos oficiais”.

No entanto, desde 2013, começara a circular os boatos sobre o reinício da disputa pelo troféu a partir de 2015. Contudo, dois anos depois, em 2017, foi criada a Supercopa do Brasil Sub-20, que serviu como “termômetro” para a possibilidade da criação do torneio no âmbito profissional, mas, de acordo com o diretor de competições da CBF da época, o principal problema que inviabilizou a realização da disputa do título foi a questão das datas.

Além da Supercopa do Brasil, outros pontos da pauta que será abordado foi a adoção do árbitro de vídeo (VAR) nas 380 partidas do Campeonato Brasileiro, cujo custeio com tecnologia e infraestrutura ficará a cargo da CBF, enquanto os clubes ficarão responsáveis pelo pagamento das despesas com o capital humano, o que geralmente ocorre com as equipes de arbitragem. Outra proposta da pauta será a limitação nas trocas de treinadores, que proporá às equipes a possibilidade de ser feita apenas uma mudança de técnico durante toda a disputa da Série A. E a outra novidade será relacionada a limitação do número de atletas inscritos a 40 jogadores por clube.

E ainda será mostrada às equipes um projeto para aumentar o público no campeonato, como propostas para reduzir a capacidade ociosa dos estádios e aumentar a média de presença, que já foi recorde na edição de 2018.

Por Jorge Almeida

ABC: campeão da Copa Cidade de Natal 2019

Jogadores do ABC comemoram o título do primeiro turno do Campeonato Potiguar 2019. Foto: Foto: Adriano Abreu

O ABC é o grande campeão da Copa Cidade de Natal 2019, o primeiro turno do Campeonato Potiguar. O Elefante venceu de virada o arquirrival América por 2 a 1, com gols de Hiltinho para o Mecão, enquanto Rodrigo Rodrigues e Ivan marcaram para o alvinegro. Com o título, o ABC assegurou a sua vaga para a final do campeonato estadual, onde busca o seu 56º caneco.

O Clássico-Rei começou eletrizante. Antes do primeiro minuto de jogo, o América mexeu o placar. Depois de um lateral cobrado na área, a defesa do ABC cortou e, de bicicleta, Hiltinho fez um golaço. No entanto, os americanos não tiveram muito tempo para comemorar. Aos dois minutos, a falta foi cobrada em direção à área e Rodrigo Rodrigues cabeceou para empatar o duelo na Arena das Dunas: 1 a 1.

Depois de um início a mil, a partida deu um diminuída na intensidade e os dois times passaram a se alternar na posse de bola e também nas chances de gol. Aos 15, Anderson Pedra foi desarmado pela marcação americana e Gabriel Nunes arriscou de longe para tranquila defesa de Edson. O ABC deu o troco com o autor de seu gol aos 22. Em um contra-ataque, Rodrigo Rodrigues carregou a bola e finalizou com perigo, mandando a redonda por cima. No lance seguinte, aos 24, Jonathan cobrou lateral por trás da defesa do América, Éder entrou livre da marcação na grande área e chutou cruzado, desperdiçando uma grande chance.

Após do susto provocado pelo alvinegro, o Mecão atacou o rival e também teve uma boa chance. Aos 30, Pardal levantou na área na medida para Tony, mas Maurício chegou a tempo de desviar e salvar o lado abecedista. O ABC respondeu em seguida, aos 32. Em cobrança de falta ensaiada, Ivan avançou pela direita e chutou rasteiro para o meio para Ewerton defender com os pés. O América voltou a aprontar aos 34. Hiltinho recebeu de Adenilton, finalizou firme e a bola passou muito perto da meta de Edson. Depois dessa sequência de lances, a partida deu uma acalmada e o primeiro tempo terminou empatado em 1 a 1.

Na segunda etapa, os dois times, conforme mantinham a posse de bola, passaram a trocar passes em busca de encontrar um espaço na defesa adversária. Mas a primeira oportunidade aconteceu aos 13 e foi do Elefante. A bola foi alçada na área, Anderson dominou a redonda, a deixou escapar e permitiu que Ewerton salvasse o América com um carrinho. Dois minutos depois foi a vez do chileno Boris Sagredo pegar a sobra, mas em sua primeira oportunidade, ele isolou.

Melhor na partida, o ABC conseguiu chegar ao segundo gol, aos 23. Depois do escanteio cobrado pela esquerda, Boris Sagredo levantou na área, a esférica passou por todo mundo e sobrou do lado direito para Ivan encher o pé e mandar para as redes. A bola ainda desviou na defesa antes de entrar. Virada do ABC na Arena das Dunas.

Depois da assistência para o segundo gol alvinegro, aos 30, Boris Sagredo perdeu uma chance inacreditável. Em um contragolpe, Neto driblou o goleiro e rolou para o chileno, sem goleiro, só completar quase debaixo do gol e ele conseguiu chutar por cima. A superioridade abecedista no jogo ainda culminou com outra oportunidade desperdiçada. Aos 38, Anderson pegou a bola na área, fintou o marcador e, na hora de finalizar, isolou e mandou por cima da meta de Ewerton.

Com o clássico chegando ao fim, o ABC tratou de segurar o resultado prendendo a bola no lado do campo. E, por pouco, aos 44, não tomou o empate. Vinícius jogou a redonda na área, Adriano Pardal subiu mais que a defesa e cabeceou por cima do gol, deixando a torcida alvinegra com o coração na boca, pois se o Mecão tivesse marcado o gol, naquela altura, o título do primeiro turno ficaria com ele, já que o América jogava pelo empate. Depois do susto, o ABC tratou de se segurar e manter o resultado até o final, e assim terminou o clássico na Arena das Dunas: América 1, ABC 2. O Elefante é o campeão da Copa Cidade de Natal de 2019.

América e ABC proporcionaram um bom jogo na Arena das Dunas. O primeiro tempo começou com tudo, com o Mecão ampliando a sua vantagem ao abrir o placar com menos de um minuto de jogo com um golaço de bicicleta de Hiltinho. O Elefante respondeu em seguida, com Rodrigo Rodrigues usando a cabeça para empatar o embate. A partida seguiu intensa, com os dois times marcando forte. E, no segundo tempo, como já era de se esperar, os dois clubes voltaram com um ritmo menos frenético. Precisando da vitória, o ABC passou a dominar as ações da partida em busca do gol da virada, que veio aos 23 com Ivan. Com a vantagem, o alvinegro passou a jogar em contragolpes e perdeu algumas boas chances de gol, inclusive com uma chance claríssima com o chileno Boris Sagredo, quase debaixo do gol e sem goleiro e, próximo dos acréscimos, o América também desperdiçou uma boa chance com Adriano Pardal. Com o título do primeiro turno, o ABC assegurou a sua vaga para a final do Campeonato Potiguar de 2019, porém, se o alvinegro conquistar o segundo turno será proclamado campeão estadual sem a necessidade de disputar a decisão.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da final.

Data – Jogo – Local:
09/01 – ABC 1×0 Globo – Frasqueirão, Natal (RN)
12/01 – Palmeira 2×1 ABC – Nazarenão, Goianinha (RN)
23/01 – Assu 2×3 ABC – Edgarzão, Assu (RN)
20/01 – ABC 3×0 América – Frasqueirão, Natal (RN)
06/02 – Potiguar 3×2 ABC – Nogueirão, Mossoró (RN)
30/01 – ABC 1×0 Santa Cruz – Frasqueirão, Natal (RN)
10/02 – ABC 0x0 Força e Luz – Frasqueirão, Natal (RN)
Final:
20/02 – América 1×2 ABC – Arena das Dunas, Natal (RN)

FICHA TÉCNICA: AMÉRICA 1×2 ABC
Competição/Fase: Copa Cidade de Natal 2019 (Campeonato Potiguar – 1º turno) – final (jogo único)
Local: Arena das Dunas, Natal (RN)
Data: 20 de fevereiro de 2019, quarta-feira – 20h30 (horário de Brasília)
Público Total: 18.739 presentes
Público Pagante: 18.573 pessoas
Público Não Pagante: 166 pessoas
Renda: R$ 312.400
Árbitro: Anderson Daronco (FIFA/RS)
Auxiliares: Francisco de Assis da Hora (CBF/RN) e George Ítalo Antas Nogueira (CBF/RN)
Cartões Amarelos: Alisson Brand, Galliardo, Gabriel Nunes, Adriano Pardal e Diego (América); Adalberto (ABC)
Gols: Hiltinho, a 1 min (1-0) e Rodrigo Rodrigues, aos 2 min do 1º tempo (1-1); Ivan, aos 23 min do 2º tempo (1-2)
AMÉRICA: 1.Ewerton; 2.Vinícius, 14.Alisson Brand, 3.Adriano Alves e 6.Kaike; 5.Galliardo (16.Leandro Melo), 8.Gabriel Nunes (15.Diego), 20.Adenílson e 10.Hiltinho; 19.Tony (9.Jean Patrick) e 11.Adriano Pardal. Técnico: Moacir Júnior
ABC: 20.Edson; 2.Ivan, 3.Maurício, 4.Adalberto e 6.Jonathan (16.Joílson); 5.Anderson Pedra, 8.Guedes e 17.Xavier; 10.Neto, 9.Rodrigo Rodrigues (19.Anderson) e 11.Éder (22.Boris Sagredo). Técnico: Ranielle Ribeiro

Parabéns ao ABC Futebol Clube pela conquista.

Por Jorge Almeida

Vasco da Gama: campeão da Taça Guanabara 2019

Jogadores do Vasco comemoram a conquista da Taça Guanabara 2019 no Maracanã. Créditos: André Durão/Globoesporte.com

Com o gol de Danilo Barcelos, aos 35 minutos do segundo tempo, o Vasco derrotou o Fluminense por 1 a 0 no Maracanã na tarde deste domingo (17), e conquistou a Taça Guanabara 2019, o primeiro turno do campeonato estadual do Rio de Janeiro. A equipe de São Januário ergueu o troféu com uma campanha impecável: sete vitórias em sete jogos. No entanto, a decisão foi marcada por problemas extra-campo envolvendo as diretorias dos dois clubes sobre quem deveria ocupar o Setor Sul do estádio, o que deixou o local da partida sem torcedores durante boa parte do primeiro tempo em virtude de uma decisão judicial.

O clássico começou sem torcida por conta de um impasse judicial. A primeira oportunidade da partida aconteceu aos seis minutos. Yony González recebeu na entrada da área e chutou rasteiro e saiu à direita de Fernando Miguel. O Vasco respondeu aos 10. Pikachu cobrou escanteio fechado, Yony afastou de cabeça e, na sequência, Everaldo chutou no adversário para ganhar o tiro de meta. Quatro minutos depois, os cruzmaltinos assustaram com o cruzamento de Danilo Barcelos para Marrony, que ajeitou de cabeça para o meio da área, mas o goleiro Rodolfo se antecipou a Maxi López.

O Flu tentou aos 17. Marlon cobrou falta em direção à área, a defesa vascaína afastou e, na sobra, Everaldo arriscou para Fernando Miguel fazer a defesa no canto direito. Depois do lance da equipe das Laranjeiras, a partida teve uma queda de ritmo e, na metade do primeiro tempo, houve a parada técnica para a hidratação dos jogadores e, seis minutos depois, os portões do Maracanã foram abertos aos torcedores que, aos montes, iam preenchendo os espaços do estádio, sendo a maioria composta por vascaínos.

Aos 30, na entrada da área, Marrony tocou de calcanhar para Bruno César, que limpou e finalizou, porém, a bola foi por cima do gol de Rodolfo. Minutos depois, aos 39, foi a vez do Flu arriscar: Luciano deixou Yony González em boas condições na pequena área, o camisa 11 soltou a bomba e a redonda atingiu em cheio o goleiro vascaíno, que precisou ser atendido. Essa foi a última chance de gol do primeiro tempo, que terminou em 0 a 0.

Na volta do intervalo, os dois times voltaram com alterações. Pelo lado do Vasco, saiu Bruno César e entrou Rossi, enquanto isso, Dodi substituiu Daniel. Com a bola rolando, o Fluminense continuou com mais posse e a desperdiçar chances. Aos três minutos, Yony González recebeu na direita e tocou para Everaldo, que mandou por cima do travessão. Destaque diante do Flamengo pela semifinal da Taça Guanabara, Luciano, aos sete, avançou pelo meio, arriscou da intermediária e a esférica saiu ao lado esquerdo da meta de Fernando Miguel.

Aos 17, o Flu chegou outra vez com perigo através de Luciano. Everaldo cruzou da esquerda na medida para o camisa 18 que, incrivelmente, cabeceou para fora. Mais tarde, aos 22, Yago Pikachu dominou no peito e, sem deixar a pelota cair, mandou de longe para fácil defesa de Rodolfo.

Com o Fluminense mantendo mais posse de bola e o Vasco acuado, tudo levava a crer que a Taça Guanabara seria decidida nos pênaltis. Até que, aos 35 minutos, Danilo Barcelos cobrou falta do lado direito, a bola cruzou a área, ninguém tocou e foi parar nas redes de Rodolfo. Gol do Vasco no Maraca: 1 a 0.

Depois do gol vascaíno, os nervos se afloraram no gramado, com os jogadores dos dois times tensos, especialmente os do tricolor carioca, e sobrou até para o gandula, que foi alvo de reclamação do banco de reserva do Fluminense e acabou expulso pelo árbitro. No gramado, mais cinco minutos de acréscimos.

Nos minutos finais, troca de empurrões entre os jogadores dos dois clubes, enquanto isso, nas arquibancas, os vascaínos, que eram a maioria, estavam em contagem regressiva para o fim do jogo. No entanto, o árbitro consultou o VAR e, depois de ver as imagens, expulsou Luciano por ter empurrado Andrey, que recebeu cartão amarelo. Com isso, o clássico foi até os 56 minutos, mas o placar manteve-se inalterado. Fim de jogo no Maracanã: Vasco 1, Fluminense 0. O time de São Januário é campeão da Taça Guanabara de 2019 com 100% de aproveitamento, com sete jogos e sete vitórias.

A final da Taça Guanabara começou antes mesmo de a bola rolar no Maracanã. Isso porque as diretorias de Vasco e Fluminense travaram um duelo nos bastidores para saber qual torcida deveria ocupar o Setor Sul do estádio. Pelo lado cruzmaltino, o direito ao local se dava por conta do sorteio feito na sede da federação de futebol do Rio de Janeiro, que determinou o Vasco como mandante da partida. Enquanto isso, os representantes tricolores se achavam no direito de ocupar o espaço por conta do contrato assinado com o Consórcio Maracanã, que administra o estádio. Com esse impasse, uma decisão judicial fez com que os portões do Maraca não fossem abertos ao público. Contudo, com a partida em andamento, o desembargador André Emílio Ribeiro liberou a entrada das torcidas após confusão generalizada no entorno do estádio. No campo, o Fluminense controlou a posse de bola e teve uma grande chance aos 39 com Yony González, mas que parou em uma heroica defesa de Fernando Miguel. No segundo tempo, o Vasco voltou com Rossi no lugar do Bruno César, mas encontrava dificuldades na criação. O Tricolor das Laranjeiras perdeu algumas boas chances que poderiam decidir o clássico, como a cabeçada de Luciano. No entanto, um lance de bola parada decidiu o jogo: Danilo Barcelos cobrou falta do lado direito em direção ao gol, ninguém conseguiu tocar na redonda e foi direto para as redes. Praticamente na única oportunidade que os comandados de Alberto Valentim tiveram na etapa final. Com isso, o Vasco faturou a sua 13ª Taça Guanabara.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da decisão.

Primeira Fase (grupo B):
19/01 – Madureira 0x1 Vasco – Conselheiro Galvão, Rio de Janeiro (RJ)
23/01 – Vasco 5×2 Volta Redonda – São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
27/01 – Vasco 1×0 Americano – São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
30/01 – Portuguesa (RJ) 0x1 Vasco – Moça Bonita, Rio de Janeiro (RJ)
02/02 – Vasco 1×0 Fluminense – Mané Garrincha, Brasília (DF)
Semifinal:
13/02 – Vasco 3×0 Resende – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Final:
17/02 – Vasco 1×0 Fluminense – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

FICHA TÉCNICA: VASCO 1×0 FLUMINENSE
Competição/Fase: Campeonato Estadual do Rio de Janeiro (Taça Guanabara 2019) – final (primeiro turno – jogo único)
Local: Estádio Jornalista Mário Filho (Maracanã) – Rio de Janeiro (RJ)
Data: 17 de fevereiro de 2019, domingo – 17h (horário de Brasília)
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Corrêa e Luiz Cláudio Regazone
Cartão Amarelos: Leandro Castán, Danilo Barcelos, Maxi López, Yago Pikachu, Ribamar e Andrey (Vasco); Digão, Ezequiel e Bruno Silva (Fluminense)
Cartões Vermelhos: Luciano e Airton (Fluminense)
Gol: Danilo Barcelos, aos 35 min do 2º tempo (1-0)
VASCO: 1.Fernando Miguel; 2.Raul Cáceres, 34.Werley, 5.Leandro Castán e 14.Danilo Barcelos; 31.Raul (9.Ribamar), 18.Lucas Mineiro e 10.Bruno César (7.Rossi); 22.Yago Pikachu, 11.Maxi López e 38.Marrony (15.Andrey). Técnico: Alberto Valentim
FLUMINENSE: 39.Rodolfo; 6.Ezequiel, 26.Digão, 3.Matheus Ferraz e 12.Marlon (30.Marcos Calazans); 5.Airton, 8.Bruno Silva (19.Caio Henrique) e 20.Daniel (15.Dodi); 18.Luciano, 11.Yony González e 37.Everaldo. Técnico: Fernando Diniz

Parabéns ao Clube de Regatas Vasco da Gama pelo título.

Por Jorge Almeida

Balanço da primeira fase da Copa do Brasil 2019

CBF definiu as datas e horários dos confrontos da segunda fase da Copa do Brasil 2019 nesta sexta (15). Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Com a realização dos quatro jogos restantes disputados nesta quinta-feira (14), a primeira fase da Copa do Brasil chegou ao fim. Em 80 partidas realizadas pelos quatro cantos do país, 40 clubes avançaram para a segunda fase. E a CBF (Confederação Brasileira de Futebol), entidade que organiza o torneio, definiu nesta sexta-feira (15), as datas e os horários dos confrontos da segunda fase do certame.

Na primeira fase, os confrontos foram decididos em partidas únicas com a equipe visitante podendo jogar pelo empate, restando aos mandantes apenas a vitória como resultado obrigatório para seguir no torneio. Dessa forma, de todos os classificados para a próxima fase, 16 equipes avançaram na condição de visitante, os mandantes venceram onze partidas e 13 duelos terminaram empatados. E das equipes que seguem no torneio, dez disputam a Série A do Campeonato Brasileiro, outras dez atuam na Série B, enquanto oito participam da Série C e as doze restantes são da Série D ou não disputam nenhuma divisão do futebol nacional.

Em alguns jogos, clubes tradicionais do futebol brasileiro como Ponte Preta, Guarani, Coritiba, Sport Recife e Vitória foram eliminadas. Aliás, o Leão da Praça da Bandeira foi o único dentre os campeões da Copa do Brasil que ficou na primeira fase. Enquanto outros sofreram para avançar de fase e contaram com a ajuda do regulamento, como Vasco, Corinthians, Bahia e Chapecoense, que passaram graças aos empates conquistados diante do Juazeirense, do Ferroviário, do Rio Branco (AC) e do São José (RS), respectivamente. E, claro, as goleadas também marcaram a primeira fase, como os impiedosos 7 a 1 que o Santos fez no Altos (PI); o Oeste fez 6 a 1 nos amazonenses do Fast fora de casa; o Fluminense confirmou o seu favoritismo contra o River e goleou a equipe piauiense por 5 a 0; o Paraná não tomou conhecimento do Itabaiana e fez 5 a 2; enquanto isso, 4 a 1 foi o placar que Botafogo da Paraíba e Avaí fizeram longe de seus domínios em Real Ariquemes (RO) e Operário (MS).

E, na segunda fase, os 20 jogos também serão realizados em jogo único. A diferença em relação à fase anterior é que, em caso de empate no tempo normal, a equipe visitante não avançará diretamente, mas sim terá de passar pela disputa por pênaltis. As partidas da segunda fase serão realizados entre os dias 19 de fevereiro e 7 de março. Dos confrontos, destaques para dois clássicos regionais: Londrina x Paraná, que será realizado no Estádio do Café, casa do Tubarão; e o clássico pernambucano protagonizado entre Santa Cruz e Náutico, no Arruda; e também as partidas em que as consideradas equipes grandes farão em casa – Corinthians, Botafogo, Santos e Fluminense.

Reforçando que as equipes brasileiras que participam da atual edição da Copa Libertadores da América – Palmeiras, Flamengo, Internacional, São Paulo, Atlético Mineiro, Grêmio, Cruzeiro e Athletico Paranaense -, além de Fortaleza (campeão brasileiro da Série B de 2018); Sampaio Corrêa (campeão da Copa do Nordeste 2018) e Paysandu (campeão da Copa Verde 2018) só entram na competição a partir das oitavas-de-final.

A seguir, a relação dos jogos da segunda fase da Copa do Brasil 2019.

Data – Horário – Jogo – Local:
19/02 – 19h15 – Londrina (PR) x Paraná (PR) – Estádio do Café, Londrina (PR)
20/02 – 19h15 – Luverdense (MT) x Figueirense (SC) – Passo das Emas, Lucas do Rio Verde (MT)
20/02 – 21h30 – Santa Cruz (PE) x Náutico (PE) – Arruda, Recife (PE)
20/02 – 21h30 – Serra (ES) x Vasco (RJ) – Kleber Andrade, Cariacica (ES)
20/02 – 21h30 – Corinthians (SP) x Avenida (RS) – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
21/02 – 19h15 – Criciúma (SC) x Oeste (SP) – Heriberto Hülse, Criciúma (SC)
21/02 – 21h30 – Goiás (GO) x CRB (AL) – Hailé Pinheiro, Goiânia (GO)
26/02 – 21h30 – Atlético (CE) x Atlético (GO) – Presidente Vargas, Fortaleza (CE)
27/02 – 15h30 – Bragantino (PA) x Aparecidense (GO) – Diogão, Bragança (PA)
27/02 – 19h15 – Foz do Iguaçu (PR) x Ceará (CE) – Estádio do ABC – Foz do Iguaçu (PR)
27/02 – 20h30 – URT (MG) x Vila Nova (GO) – Zama Maciel, Patos de Minas (MG)
27/02 – 21h30 – Botafogo (RJ) x Cuiabá (MT) – Nilton Santos, Rio de Janeiro (RJ)
28/02 – 19h15 – Tombense (MG) x Botafogo (PB) – Antônio Guimarães de Almeida, Tombos (MG)
28/02 – 21h30 – Juventude (RS) x América (MG) – Alfredo Jaconi, Caxias do Sul (RS)
06/03 – 19h15 – Santa Cruz (RN) x Bahia (BA) – Arena das Dunas, Natal (RN)
06/03 – 21h30 – Mixto (MT) x Chapecoense (SC) – Arena Pantanal, Cuiabá (MT)
07/03 – 19h15 – Avaí (SC) x Brasil de Pelotas (RS) – Ressacada, Florianópolis (SC)
07/03 – 20h30 – ABC (RN) x Moto Club (MA) – Frasqueirão, Natal (RN)
07/03 – 21h30 – Santos (SP) x América (RN) – Pacaembu, São Paulo (SP)

Por Jorge Almeida

São Paulo e a (mais nova) “tradição” de cair para modestos argentinos

São Paulo foi eliminado pela 19ª vez em mata-mata desde o seu último título – Copa Sulamericana de 2012

Com o empate em 0 a 0 com Talleres, da Argentina, em partida disputada no Estádio do Morumbi, em São Paulo, na noite desta quarta-feira (13), o São Paulo está eliminado da Copa Libertadores da América 2019. O jogo era válido pela segunda fase da fase preliminar do torneio continental. Como a equipe de Córdoba havia vencido a partida de ida por 2 a 0, o placar sem gols foi o suficiente para os argentinos deixarem os tricampeões da América pelo caminho. Com o feito, o Tricolor se junta a Corinthians e Chapecoense na lista de clubes brasileiros eliminados do torneio antes da fase de grupos e também o Talleres entrou no rol de argentinos carrascos do clube do Morumbi em competições de mata-mata dos últimos anos.

Desde os tempos em que era treinado por Telê Santana, o São Paulo passou por situações em que precisava reverter desvantagens diante de clubes da Argentina e, ao longo da história, conseguia. O torcedor sãopaulino deve se lembrar da final da própria Libertadores de 1992. No primeiro jogo, o Newell’s Old Boys venceu o jogo de ida por 1 a 0 e os comandados do Mestre Telê devolveu o mesmo resultado no Morumbi e levou a melhor diante dos Leprosos nos pênaltis ao batê-los por 3 a 2 e conquistar o primeiro troféu do certame.

Na campanha do bicampeonato da América, em 1993, o mesmo adversário da final do primeiro título cruzou o caminho sãopaulino nas oitavas-de-final. No primeiro jogo, o Newell’s derrotou o São Paulo por 2 a 0, mas na segunda partida, a equipe brasileira atropelou o clube de Rosário por 4 a 0 e foi rumo ao título, que veio diante da Universidad Católica.

Em 1994, o São Paulo estava na busca do tricampeonato da Libertadores. Depois de deixar o rival Palmeiras pelo caminho, o Tricolor enfrentou na final o Vélez Sársfield, da Argentina. Na primeira partida da decisão, triunfo da equipe de Buenos Aires por 1 a 0, placar que o time brasileiro reverteu no segundo jogo e levou a disputa para os pênaltis. Mas, apesar de ter conseguido igualar o placar agregado, os sãopaulinos ficaram com o vice-campeonato ao perderem nos pênaltis para Chilavert (que defendeu a cobrança de Palhinha) e cia. por 5 a 3.

Depois da perda do título de 1994 até 2004, o São Paulo ganhou diversos títulos e, antes do tricampeonato da Libertadores que veio em 2005, a equipe encarou outro argentino em mata-mata pelo torneio sulamericano em 2004. O adversário da vez foi o Rosário Central, válido pelas oitavas-de-final do certame. No primeiro jogo, vitória dos argentinos por 1 a 0 e, na volta, triunfo tricolor por 2 a 0. Mas, nessa edição da Liberta, o São Paulo caiu nas semifinais para o surpreendente Once Caldas, que fora o campeão daquela edição, ao empatar em 0 a 0 no Morumbi e derrotado por 2 a 1 em Manizales, na Colômbia.

Portanto, pelo histórico mais longínquo, o torcedor sãopaulino poderia até acreditar na classificação diante do Talleres, mas, infelizmente para ele, o que prevaleceu foi o histórico mais recente do clube: cair diante de clubes mais modestos do país vizinho nas competições intercontinentais, especialmente na Copa Sulamericana, torneio do qual o time conquistou o seu último título relevante em 2012. E, se contabilizar todos os mata-mata disputados pelo São Paulo desde o seu último troféu, entre competições estaduais, nacionais e internacionais, foram 19 eliminações e dois segundos lugares de torneios com apenas final (Recopa e Copa Suruga).

Na edição de 2017 da Copa Sulamericana, o São Paulo deu adeus no torneio ao ser eliminado pelo, então desconhecido do público brasileiro, Defensa Y Justicia na primeira fase ao empatar em 0 a 0 fora de casa e 1 a 1 no Morumbi, que classificou o clube argentino devido ao gol marcado fora de casa.

No ano passado, o Tricolor foi eliminado da Sulamericana por outro clube modesto da Argentina, o Colón. Depois de ter perdido no Morumbi por 1 a 0, o São Paulo devolveu o placar em Santa Fé, o que levou para a disputa por pênaltis. Então, nos tiros penais, os Sabaleros levaram a melhor ao superar os brasileiros por 5 a 3.

Antes do Talleres, além de outros argentinos, o São Paulo também sofreu outras eliminações traumáticas para equipes menores em relação a ele em outras competições com fase eliminatórias, como Penapolense, Ponte Preta, Bragantino, por exemplo.

Com o insucesso diante do Talleres, a diretoria sãopaulina agiu rápida e afastou o contestado André Jardine e trouxe um velho conhecido: Cuca, que teve boa passagem pelo clube no começo dos anos 2000. Para 2018, o São Paulo terá duas oportunidades de se dar bem em mata-mata: o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil, competição do qual o clube entrará somente nas oitavas-de-final e, caso a conquiste-a, será um título inédito que, aliás, é o único que ainda falta na galeria de troféus da equipe do Morumbi.

A seguir, a relação de eliminações do São Paulo desde o título da Copa Sulamericana de 2012.

Ano – Adversário – Competição – Fase:
2013 – Corinthians – Campeonato Paulista – semifinais
2013 – Atlético Mineiro – Copa Libertadores da América – oitavas-de-final
2013 – Corinthians – Recopa Sulamericana – final
2013 – Kashima Antleres – Copa Suruga Bank – final
2013 – Ponte Preta – Copa Sulamericana – semifinais
2014 – Penapolense – Campeonato Paulista – quartas-de-final
2014 – Bragantino – Copa do Brasil – terceira fase
2014 – Atlético Nacional – Copa Sulamericana – semifinais
2015 – Santos – Campeonato Paulista – semifinais
2015 – Cruzeiro – Copa Libertadores da América – oitavas-de-final
2015 – Santos – Copa do Brasil – semifinais
2016 – Audax – Campeonato Paulista – quartas-de-final
2016 – Atlético Nacional – Copa Libertadores da América – semifinais
2016 – Juventude – Copa do Brasil – oitavas-de-final
2017 – Corinthians – Campeonato Paulista – semifinais
2017 – Defensa Y Justicia – Copa Sulamericana – primeira fase
2017 – Cruzeiro – Copa do Brasil – quarta fase
2018 – Corinthians – Campeonato Paulista – semifinais
2018 – Atlético Paranaense – Copa do Brasil – quarta fase
2018 – Colón – Copa Sulamericana – segunda fase
2019 – Talleres – Copa Libertadores da América – 2ª fase preliminar

Por Jorge Almeida

 

Morre o ex-goleiro Gordon Banks: o dono da “maior defesa da história”

Banks carregou a tocha olímpica antes do início dos Jogos Olímpicos em Londres, realizado em 2012. Foto: Suzanne Blankett/Reuters

O futebol inglês amanheceu de luto nesta terça-feira (12) com a morte do ex-goleiro Gordon Banks, campeão mundial pelo English Team em 1966. Sem especificar a causa mortis, a informação foi dada pelo Stock City, clube que o Banks defendeu entre 1967 e 1972: “Nós estamos devastados em perdê-lo, mas temos tantas boas memórias e não poderíamos ter mais orgulho dele“, dizia a nota do clube.

Nascido em Sheffield, em 30 de dezembro de 1937, Gordon Banks iniciou seus passos no futebol no modesto Millspaugh em 1953, passou pelo Rawmarsh Welfere até chegar ao Chsterfield, onde se profissionalizou. Em seguida, vestiu as camisas do Leicester City e Stoke City, conquistado por essas equipes duas edições da Copa da Liga Inglesa, em 1964 e 1972, respectivamente.

Ainda defendendo clubes, Banks passou por equipes dos Estados Unidos, África do Sul e encerrou no St. Patrick’s Athletic, da Irlanda, em 1977. No entanto, a sua carreira foi prejudicada por conta de um acidente automobilístico em 1972 que lhe tirou a visão de um dos olhos.

Mas sua projeção mundial se deu defendendo a meta da Seleção Inglesa de Futebol. Pelo English Team, Gordon Banks atuou em 73 partidas, entre 1963 e 1972, com destaque para sua atuação na Copa do Mundo FIFA de 1966, onde jogou todos os jogos e ajudou a Inglaterra a conquistar o seu único mundial até então.

O goleiro foi co-protagonista na Copa do Mundo de 1970, no México, na partida entre Brasil e Inglaterra, no Estádio Jalisco, em Guadalajara. Em 7 de junho de 1970, em confronto válido pela primeira fase, no grupo 3. Na ocasião, Jairzinho atacou pela direita, driblou o marcador inglês e, na linha de fundo da grande área, cruzou na medida para Pelé, que saltou de trás do zagueiro para cabecear firme, no canto. O camisa 10 chegou a levantar os braços para comemorar o que poderia ser o seu gol, mas o mundo testemunhou a excepcional defesa de Gordon Banks. Esse lance ficou conhecido como “A defesa do século” ou “A maior defesa da história do futebol”. A partida terminou com vitória brasileira por 1 a 0, com gol de Jairzinho.

O reconhecimento a Banks veio por diversas entidades especializadas ao colocá-lo em diversos rankings como “melhor goleiro”, “goleiro do Ano” e afins. É considerado uma lenda ao lado de nomes como o russo Lev Yachin e do italiano Dino Zoff.

Gordon Banks recebeu uma homenagem do Stoke City, em maio de 2015, com a inauguração de uma estátua de bronze em frente ao Estádio Britannia. Aliás, nesse mesmo ano, foi revelado que o ex-arqueiro inglês realizava um tratamento contra um câncer renal.

Além do Stoke City, alguns nomes do esporte britânico lamentaram a morte do goleiro, assim como Pelé, que fez um texto em homenagem a Gordon Banks, com quem nutria amizade, e mandou condolência à família.

Descanse em paz, Gordon Banks.

Veja a espetacular defesa de Gordon Banks:

Por Jorge Almeida