Itaú Cultural homenageia Aracy Amaral com o projeto Ocupação

Aracy Amaral é a 35ª personalidade homenageada pelo projeto Ocupação, do Itaú Cultural. Foto: Jorge Almeida

O Itaú Cultural realiza até o próximo domingo, 27 de agosto, a “Ocupação Aracy Amaral”, que homenageia a pesquisadora, curadora, crítica, gestora, jornalista e professora Aracy Amaral, por meio de fotografias, artigos de jornais, entrevistas e outros itens da homenageada.

Aracy Amaral formou-se em Jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero no final da década de 1950, tendo marcado presença na primeira Bienal de São Paulo, em 1951, ainda como estudante. Depois de realizar estudos nessa área, tornou-se especialista em pesquisas acadêmicas em artes visuais como crítica de arte e escreveu importantes textos relacionados a história da arte brasileira e latino-americana que deu origem a obras fundamentais para compreensão em temas  como o modernismo brasileiro, a arte latino-americana, o construtivismo e a influência hispânica na arquitetura paulista.

Com o trabalho marcado pela curiosidade, rigor e inquietude, Aracy Amaral se tornou professora na Universidade de São Paulo (USP), tendo se aposentado em 1990, e exerceu a função de diretora da Pinacoteca do Estado de São Paulo, entre 1976 e 1979, e do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP), de 1982 a 1985, além de ter sido a curadora de mais de 50 exposições.

Entre os destaques da mostra está a biblioteca com livros de Aracy Amaral, juntamente com catálogos de exposições curadas por ela, pesquisas, textos e artigos assinados pela pesquisadora, e a instalação “A Hispanidade em São Paulo – da Casa Rural à Capela Santo Antônio” (1981), obra que investiga a influência da arquitetura hispano-americana nas construções paulistas.

A exposição inclui ainda um site com conteúdo extra (itaucultural.org.br/ocupacao).

SERVIÇO:
Exposição:
Ocupação Aracy Amaral
Onde: Itaú Cultural – Avenida Paulista, 149 – Paraíso
Quando: até 27/08/2017; de terça a sexta-feira, das 9h às 20h; sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida

Anúncios

Exposição “Consciência Cibernética [?]” no Itaú Cultural

Exposição “Consciência Cibernética [?]” em cartaz no Itaú Cultural. Foto: Jorge Almeida
O Itaú Cultural realiza até o próximo domingo, 13 de agosto, a exposição “Consciência Cibernética [?]”, que traz de trabalhos de brasileiros e estrangeiros que usufruem da tecnologia para compor seus trabalhos, e refletem sobre o futuro da inteligência artificial e propõe um olhar artístico sobre a evolução das máquinas.

Com essa mostra, a instituição volta a abordar a temática cibernética sob a linguagem artística. Antes disso, essa área foi abordada em seis edições da bienal Emoção Art.Ficial, realizadas até 2012.

A mostra está distribuída em três pisos (1º andar, 1º subsolo e 2º subsolo), sendo que no primeiro andar estão as obras “Eden”, do australiano Jon McComarck; “Bion”, dos norte-americanos Adam Brown e Adnrew H. Fagg; “Odisseia”, da brasileira Regina Silveira e “Fearful Symmetry, do irlandês Riairi Glynn.

Já no piso -1 contém os trabalhos “Auto-Iris”, dos brasileiros Rejane Cantoni e Leonardo Crescenti; “Meta-Google”, do francês Pascal Dombis e “Neuro Mirror”, dos austríacos Christa Sommerer e Laurent Mognonneau.

E, finalmente, no piso -2 são exibidas as obras “Café Com Os Santiagos” (2017), dos brasileiros Heloisa Pinhanez e Paulo Costa; “Sonhos Urbanos”, da equipe do Itaú Cultural com a ferramenta Google Deep Dream; e “Lifeless (Nano) Biomachines”, de José Wagner Garcia e colaboradores.

Entre os destaques está “Café Com Os Santiagos”, que tem o apoio da IBM, obra interativa em que se usa tecnologia de processamento de conversação natural do IBM Watson Development Cloud e sistemas de texto expressivo desenvolvidos no laboratório da IBM Research no Brasil, que recria diálogos extraídos do clássico “Dom Casmurro”, de Machado de Assis – nela, o público pode dialogar com os personagens.

SERVIÇO:
Exposição: Consciência Cibernética [?]
Onde: Itaú Cultural – Avenida Paulista, 179 – Paraíso
Quando: até 23/08/2017; de terça a sexta-feira, das 8h às 20h (com permanência até às 20h30); sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Quanto: entrada gratuita

“Ocupação Conceição Evaristo” no Itaú Cultural

A escritora mineira Conceição Evaristo é a 34ª personalidade homenageada pelo programa Ocupação Itaú Cultural. Foto: Jorge Almeida

O Itaú Cultural promove até o próximo domingo, 18 de junho, a 34ª edição do projeto Ocupação, que mergulha no universo da escritora mineira Conceição Evaristo. A mostra traz manuscritos de poemas e contos, cartas, fotografias e objetos pessoais da também militante do movimento negro.

O espaço expositivo convida o público para entrar no mundo de Conceição Evaristo de forma sensorial. Por meio de uma narrativa audiovisual não cronológica, a história será contada tendo como mote o campo afetivo de criação da escritora.

Além de itens que compõem a cenografia da Ocupação, a exposição traz também cartas de familiares e amigos, objetos pessoais, obras que foram referência para Conceição. Pequenos fragmentos de um universo feminino, forte, inspirador e imenso.

Conceição Evaristo nasceu em 1946, em Belo Horizonte (MG), na extinta favela do Pindura Saia, no bairro Cruzeiro. Embora escreva há um bom tempo, seu reconhecimento literário só chegou recentemente, com a publicação de seu romance de estreia intitulado “Ponciá Vicêncio” (2003), cujo personagem-título carrega toda a solidão do mundo, e com “Becos da Memória” (2006), que aborda a vida de moradores de uma favela prestes a acabar e que tem a sua trajetória contada na mostra, desde o primeiro contato com a editora até o lançamento.

Para o ano de 2017, apenas as mulheres serão tema do programa Ocupação Itaú Cultural, e Conceição Evaristo, cuja escrita nasce das vivências e do cotidiano, o que caracteriza toda a sua obra.

SERVIÇO:
Exposição:
Ocupação Conceição Evaristo
Onde: Itaú Cultural – Avenida Paulista, 149 – Cerqueira César
Quando: até 18/06/2017; de terça a sexta-feira, das 9h às 20h; sábados e domingos, das 11h às 20h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida

ÚLTIMOS DIAS: “Ocupação Laura Cardoso” no Itaú Cultural

A atriz Laura Cardoso foi a homenageada pelo projeto Ocupação do Itaú Cultural. Foto: divulgação

O Itaú Cultural realiza até o próximo domingo, 30 de abril, a “Ocupação Laura Cardoso”, que presta um tributo à atriz, que é considerada uma das pioneiras da televisão brasileira com atuação em teleteatros, séries, minisséries e novelas desde a década de 1950.

Laura Cardoso nasceu em São Paulo a 13 de setembro de 1927 e estreou na extinta TV Tupi em 1952 e, desde então, atuou em mais de 70 novelas e cerca de 30 longa-metragens, além de algumas peças de teatro. Ao longo de sua vasta carreira, a atriz recebeu diversos prêmios, como Troféu Roquette-Pinto, Troféu Imprensa, Prêmio Shell, Troféu APCA, além da Ordem do Mérito Cultural, recebido em 2006 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva por sua contribuição à cultura brasileira. Laura Cardoso é viúva do ator, roteirista, diretor e produtor de TV Fernando Baleroni (1922-1980), com quem teve duas filhas: Fátima e Fernanda.

A exposição relembra personagens marcantes interpretados pela atriz e explora fotografias e documentos originais que revelam sua trajetória. A mostra traz ainda reproduções fac-similares de textos dramatúrgicos, roteiros, publicações, críticas e reportagens relacionadas a Laura Cardoso.

Destaques também para as instalações audiovisuais com trechos de atuações da homenageada e depoimentos de colegas que enaltecem a sua importância na teledramaturgia brasileira.

Vale reforçar que, ao longo de 2017, a programação da Ocupação será dedica às mulheres importantes para a história e a cultura brasileira, como parte das comemorações dos 30 anos do Itaú Cultural.

SERVIÇO:
Exposição: Ocupação Laura Cardoso
Onde: Itaú Cultural – Avenida Paulista, 149 – Paraíso
Quando: até 30/04/2017; de terça a sexta-feira, das 9h às 20h; sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida

Exposição “Santos-Dumont na Coleção Brasiliana Itaú” no Itaú Cultural

Réplica do famoso Demoiselle, considerado o primeiro ultraleve da história. Foto: Jorge Almeida
Réplica do famoso Demoiselle, considerado o primeiro ultraleve da história. Foto: Jorge Almeida

O Itaú Cultural está com a exposição “Santos-Dumont na Coleção Brasiliana Itaú” em cartaz até o próximo dia 29 de janeiro. A mostra interativa apresenta cerca de 600 itens relacionados ao “pai da aviação”, entre fotos, audiovisuais, documentos e destaca as outras facetas pouco conhecidas dele, que também criou várias outras invenções.

A exposição apresenta imagens de balões, dirigíveis e aeroplanos que mostram detalhes não apenas dos projetos e de sua maior invenção, o 14 Bis, mas também de sua personalidade.

Ao entrar na mostra, o visitante encontra uma porta de hangar, onde faz o check-in, respondendo três questões sobre Santos-Dumont. Depois, ele recebe uma espécie de cartão de embarque, com uma gravura extraída de um antigo jornal com o retrato dele, com versão também em Braile.

A exposição ainda traz patentes de projetos, títulos de patente, objetos e fotografias do pai da aviação, que também se dedicou à inovação, ao design e à ciência. Além disso, ainda há uma reprodução de sua biblioteca, com publicações que o inspiraram, além de algumas de sua autoria. Por meio de sua trajetória, o percurso expositivo faz um passeio pela história de Santos-Dumont, como a fazenda Cabangu, onde cresceu e se apaixonou pela mecânica, e a Belle Époque francesa, em que conquistou sua fama.

Entre outros itens da mostra, há também reproduções de reportagens sobre Santos-Dumont que, fazia uma espécie de clipping sobre a sua pessoa, pois, contratava os serviços de empresa especializada em realizar pesquisas nos periódicos da época que falavam dele ou de suas invenções.

A mostra ainda exibe miniaturas de outros eventos como o conversor marciano, além de medalhas e moedas que homenageiam o pai da aviação, partituras da canção “La Marche de Avieturs”, escrita em homenagem a Santos-Dumont.

Entre os destaques está a réplica do tamanho original do Demoiselle (foto), a sua primeira obra-prima e considerado como o primeiro ultraleve, e também o documentário intitulado “Santos-Dummont” (1995), dirigido por Roberto Moreira, com 13 minutos de duração e que explica porquê Santos Dummont é considerado o “pai da aviação” e a diferença entre ele e os Irmãos Wright.

SERVIÇO:
Exposição:
Santos-Dumont na Coleção Brasiliana Itaú
Onde: Itaú Cultural – Avenida Paulista, 149 – Paraíso
Quando: até 29/01/2016; de terça a sexta-feira, das 9h às 20h; sábados e domingos, das 11h às 20h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida

Exposição “Diálogos Ausentes” no Itaú Cultural

Obra “Sem título”, de Dalton Paula em exibição no Itaú cultural. Foto: Jorge Almeida
Obra “Sem título”, de Dalton Paula em exibição no Itaú cultural. Foto: Jorge Almeida

A mostra “Diálogos Ausentes” traz cerca de 30 obras de artistas negros brasileiros das artes visuais, cênicas e do audiovisual, que propõe uma investigação sobre a produção contemporânea afro-brasileira. A exposição está em cartaz até o próximo dia 29 de janeiro no Itaú Cultural.

Em maio de 2015, o Itaú Cultural incluiu na programação teatral a peça “A Mulher do Trem”, da companhia paulista Os Fotos Encenam, provocou uma onda de protestos nas redes sociais por conta do uso de blackface (maquiagem da qual atores brancos lança mão para interpretar, de forma burlesca, personagens afrodescentes). Em virtude do imbróglio, a instituição optou em substituir a atração por um debate sobre o aspecto do negro na arte.

Após reunião com artistas, intelectuais e ativistas incluídos à luta contra o racismo, integrantes de distintos cernes da entidade formaram o Comitê de Questões Raciais, que hoje em dia se constitui em grupos de trabalho comprometidos em desenvolver iniciativas de combate ao racismo estrutural.

E uma dessas ações foi a série que dá nome à mostra que, ao longo do ano passado, realizou palestras e debates sobre a obra e a presença do negro nas artes visuais, no teatro e no cinema brasileiro.

Assim, a exposição apresenta trabalhos de alguns artistas que participaram dos encontros e que muitos deles extrapolam as categorizações que lhes são conferidas, sendo importante apontamento de como se define a própria arte contemporânea.

A mostra permite o visitante a dar uma conferida na rica e robusta produção artística de afrodescendentes levando manifestações que podem ser explanadas como um resumo dessa arte que, de acordo com as palavras das curadoras Diane Lima e Rosana Paulino, “transforma diálogos ausentes em diálogos presentes”.

Em meio aos destaques estão “Trans Iluminado” (2011), uma gravura em metal e matrizes, de Eneida Sanches; “Cores e Brotas” (2010), um vídeo de 15 minutos, de Juliana Vicente; e um óleo sobre tela “Sem título” e sem data (foto), de Dalton Paula.

SERVIÇO:
Exposição:
Diálogos Ausentes
Onde: Itaú Cultural – Avenida Paulista, 149 – Paraíso
Quando: até 29/01/2017; de terça a sexta, das 9h às 20h (com permanência até às 20h30); sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida

Abdias Nascimento é homenageado no Itaú Cultural com exposição

“Raízes Nº 2 – Tributo a Aguinaldo Camargo” (1988), obra de Abdias Nascimento em exibição no Itaú Cultural. Foto: Jorge Almeida
“Raízes Nº 2 – Tributo a Aguinaldo Camargo” (1988), obra de Abdias Nascimento em exibição no Itaú Cultural. Foto: Jorge Almeida

O ator de teatro, dramaturgo, diretor, escritor, artista visual, militante e parlamentar Abdias Nascimento (1914-2011) é o mais recente homenageado pelo programa Ocupação, do Itaú Cultural. O projeto, que chega a sua 32ª edição, faz um tributo a esse paulista de Franca, que atravessou um século em luta contra o racismo, apesar de ter sido exilado pela ditadura, e ganhou o reconhecimento da Unesco.

O programa é composto por uma exposição que está em cartaz até o dia 15 de janeiro de 2017 e apresenta obras, recortes, reproduções de documentos, fotografias, vídeos com discursos de Abdias, áudios com poemas do homenageado, vestimentas e livros, como “O Genocídio do Negro Brasileiro” (1978).

Considerado um dos maiores expoentes da cultura negra no Brasil e no mundo, Abdias Nascimento teve uma vida atravessada na luta contra o racismo. Combateu diversas frentes para enaltecer a cultura africana e recuperar a autoestima do negro, assim como contradizer a imagem de que, no Brasil, se vivia uma “democracia racial”.

Com uma trajetória longa e produtiva, Abdias articulou grupos de pressão política, ações educativas, espaços de debate intelectual; produziu poemas, telas, peças, livros, entre outras atividades, que, agora, através da Ocupação Abdias Nascimento, é possível conhecer as muitas facetas desse trabalho.

Dentre as obras, destaque também para “Raízes Nº 2 – Tributo a Aguinaldo Camargo” (foto), de 1988, uma acrílica sobre tela.

SERVIÇO:
Exposição:
Ocupação Abdias Nascimento
Onde: Itaú Cultural – Avenida Paulista, 149 – Paraíso
Quando: até 15/01/2017; de terça a sexta-feira, das 9h às 20h (com permanência até às 20h30); sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida