Corinthians: campeão brasileiro de 2017

Jogadores do Corinthians posam para a foto oficial. Créditos: Marcos Ribolli

O Corinthians é matematicamente o grande campeão brasileiro de 2017. O Timão venceu o Fluminense, de virada, na Arena Corinthians por 3 a 1 em confronto válido pela 35ª rodada na noite desta quarta-feira (15). Com gol de Henrique para o Flu no primeiro tempo e dois gols de Jô e um de Jadson, a equipe de Fábio Carille chegou aos 71 pontos e não pode ser mais alcançada na tabela faltando três rodadas para o término da competição.

A partida começou com o visitante querendo estragar a festa do anfitrião. No primeiro minuto de jogo, Marcos Júnior cobrou escanteio e Henrique subiu entre Jô e Pedro Henrique para cabecear para o fundo das redes e colocar o Fluminense na frente. Depois de sofrer o tento, os corinthianos procuraram incentivar o time para buscar o empate, que quase veio aos 5 com Pablo. Fagner cobrou escanteio e o camisa 3 testou firme com perigo por cima da meta de Diego Cavalieri.

O Timão tentou insistir na posse de bola, marcando presença no campo do adversário e investindo principalmente pelo lado direito com Fagner e Romero. Porém, o Tricolor das Laranjeiras, bem postado na defesa, marcara bem. Com a pressão dos mandantes, o Flu partia para os contragolpes e, assim, aos 21 minutos assustou com Scarpa. Henrique Dourado passou pelo marcador e cruzou para o meia cabecear na área e a bola bateu em Guilherme Arana que evitou o segundo gol.

O Fluminense equilibrou as ações da partida e o jogo ficou mais pegado. Contudo, aos 30, Romero acionou Fagner, que apareceu muito bem e chutou forte cruzado e Jô chegou um pouco atrasado. Foi a melhor oportunidade do Corinthians no primeiro tempo. Aos 37, o tricolor carioca deu o troco. Scarpa levantou na área, Reginaldo cabeceou e Caíque França afastou o perigo de soco.

O jogo ficou tenso devido ao nervosismo corinthiano aliado ao excesso de atendimento no campo aos jogadores do Fluminense, o que levou o árbitro catarinense a dar quatro minutos de acréscimos na primeira etapa que terminou com vitória parcial da equipe visitante.

Assim como recebeu o golpe pelo gol sofrido no começo do primeiro tempo, o Corinthians deu o troco da mesma forma. A um minuto da etapa complementar, Jô recebeu da direita, tocou para Clayson, que cruzou na medida para o camisa 7 cabecear para as redes e empatar o jogo. E, dois minutos mais tarde, veio a virada. Caíque França pôs a bola em jogo com um chutão, Jô desviou, a redonda sobrou para o Clayson, que tentou o cruzamento, porém, a esférica bateu no travessão e Jô pegou o rebote ao cabecear para os fundos das redes. De quebra, ele se tornou, por enquanto, o artilheiro isolado do campeonato com 18 gols. E um detalhe: na volta para o segundo tempo, Fábio Carille tirou Camacho e colocou Jadson, o que mudou a postura da equipe.

O Fluminense tentou estragar a festa na casa corinthiana aos 10. Marcos Junior recebeu pela esquerda e arriscou um chute perigoso pela diagonal, mas mandou para fora.  O Flu atacou novamente, aos 15, com Wendel, que se livrou da marcação de Rodriguinho e chutou por cima da meta. Quatro minutos mais tarde, Scarpa recebeu e finalizou colocado, levando perigo à meta de Caíque França.

Depois do gol da virada, o Corinthians só voltou a ameaçar Diego Cavalieri aos 21 minutos. Jô tentou finalizar, a defesa tricolor afastou parcialmente e, na sobra, Rodriguinho chutou forte e o camisa 12 espalmou para escanteio.

A partida seguiu com os comandados de Abel Braga pressionando e insistindo com bolas alçadas na área, enquanto isso, o Corinthians, recuado no campo de defesa, tentou o contragolpe. Foi então que, aos 37, Guilherme Arana cruzou, Clayson não dominou, a defesa afastou parcialmente, Jadson fintou o marcador e bateu colocado e acertou a trave. Dois minutos mais tarde, o camisa 10 foi recompensado: Fagner fez boa jogada pela direita e tocou para Jadson na área que dominou para chutar forte e cruzado em diagonal, sem chance para Cavalieri. É o gol do título.

Após o terceiro gol alvinegro, a torcida acendou os sinalizadores, o que exigiu a paralisação da partida por cerca de oito minutos. E, após o reinício do jogo, Fábio Carille promoveu a terceira alteração: saiu o ovacionado Jô para a entrada de Danilo, que foi recebido de pé pela torcida e recebeu a braçadeira de capitão. Depois de 472 dias sem jogar, Zidanilo voltou a ativa nesta noite. Com a camisa do Corinthians, o veterano meia de 38 anos conquistou o seu sétimo título pelo clube e, ao lado do ex-jogador Dinei, tornou-se o único atleta tricampeão brasileiro pelo Corinthians.  E, por conta dos sinalizadores, o jogo foi até os 55 minutos, mas o placar foi mantido: Corinthians 3, Fluminense 1. O Timão é matematicamente heptacampeão brasileiro.

O jogo começou com o Corinthians sendo surpreendido no primeiro minuto ao tomar o gol relâmpago. Passou a pressionar a equipe do Fluminense, especialmente pela direita e criou algumas chances, enquanto isso, o Tricolor das Laranjeiras, bem postado na defesa, tinha a nítida estratégia de partir em contragolpes e conseguiu sair vitorioso no primeiro tempo. Na volta do intervalo, Fábio Carille tirou Camacho e colocou Jadson. A mudança surtiu efeito e, em menos de quatro minutos, o Timão virou o placar com dois gols de Jô. Após passar à frente do marcador, o alvinegro recuou um pouco e sofreu alguns sustos por conta das investidas do Flu. Mas, aos 39, Jadson, que fazia uma boa partida, sacramentou a vitória corinthiana e fez o terceiro gol da partida. E Fábio Carille, em uma bonita atitude, colocou Danilo no lugar de Jô como uma forma de homenagear o meia que estava há mais de um ano sem jogar.

O Corinthians começou o ano de 2017 desacreditado por grande parte da mídia e dos torcedores (rivais), responsáveis em apelidar a equipe de Fábio Carille de “quarta força do futebol paulista”. Também pudera, pois, das quatro grandes equipes, o Timão, na teoria, estaria um patamar abaixo dos rivais por conta do baixo investimento e pelo pífio desempenho no segundo turno do Campeonato Brasileiro de 2016. Mas, à medida que a temporada foi passando, o técnico alvinegro mostrou sua competência e deu um padrão para a sua equipe que, de fato, não havia um elenco e sim um time. Primeiro veio a conquista do Campeonato Paulista, onde, inclusive, não perdeu nenhum clássico. Mesmo assim, a dúvida em relação ao desempenho do Corinthians pairava quanto ao Brasileirão. No entanto, o alvinegro fez um primeiro turno impecável e chegou à primeira metade do campeonato invicto. Contudo, no segundo turno, os comandados de Carille deram a esperada “relaxada” e perderam jogos que, teoricamente, seriam fáceis, como as derrotas para Vitória e Atlético Goianiense em casa. Mas, para a sorte da Fiel, os adversários postulantes ao título não souberam tirar proveito e também patinaram ao longo da segunda metade do certame. O Timão só foi ameaçado pelo Palmeiras na 31ª quando o alviverde poderia diminuir a diferença de pontos para 3, contudo, a equipe palestrina tropeçou em casa diante do Cruzeiro ao empatar em 2 a 2 e, consequentemente, manteve a diferença de cinco pontos. Na rodada seguinte, foi disputado o derby na Arena Corinthians e o alvinegro bateu o arquirrival por 3 a 2, e praticamente colocou as duas mãos na taça e, de quebra, viu o rival ser ultrapassado pelo Grêmio. Na sequência, vieram as vitórias sobre o Atlético Paranaense e Avaí, ambas por 1 a 0 com gols dos contestados Giovanni Augusto e Kazim, respectivamente. E, na 35ª rodada, o Corinthians só precisava da vitória para conquistar o seu sétimo Brasileirão, o que faz dele o maior vencedor do campeonato em seu atual formato (pontos corridos) com quatro títulos. Apesar de ter o elenco mais fraco dentre àqueles que conquistaram o Brasileirão pelo alvinegro, o rol corinthiano de 2017 fez um feito que apenas o timaço de 1999 conseguiu: ganhar o Paulista e o Brasileiro na mesma temporada. O Corinthians merecidamente conquistou esse título. Pois, ao longo da campanha, Carille e companhia quebraram algumas marcas, tais como: maior número de rodadas na liderança até o título (desde a quinta rodada), o melhor primeiro turno da história dos campeonatos brasileiros da era dos pontos corridos, melhor mandante, melhor visitante, melhor defesa e ainda pode ter o artilheiro do certame – Jô. Aliás, caso o camisa 7 termine a competição no topo da artilharia, ele será o primeiro artilheiro do Corinthians da história do Campeonato Brasileiro. Atualmente, com 18 gols, Jô é o terceiro maior artilheiro do Timão em uma única edição do Brasileirão, ficando atrás de Luisão (com 21 gols em 1999) e Carlitos Tevez, com 20 tentos em 2005.

Apesar de o campeão já estar definido, o Brasileirão ainda segue. O Corinthians vai até o Luso-Brasileiro, no Rio de Janeiro, encarar o Flamengo no próximo domingo e o Fluminense joga na segunda-feira (20), às 17h, contra a Ponte Preta no Maracanã. Com 43 pontos, o Flu está a quatro pontos da zona de rebaixamento.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica do jogo que deu ao Corinthians o seu sétimo Campeonato Brasileiro.

Data – Jogo – Local:
13/05 – Corinthians 1×1 Chapecoense – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
21/05 – Vitória 0x1 Corinthians – Arena Fonte Nova, Salvador (BA)
28/05 – Atlético Goianiense 0x1 Corinthians – Serra Dourada, Goiânia (GO)
03/06 – Corinthians 2×0 Santos – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
07/06 – Vasco 2×5 Corinthians – São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
11/06 – Corinthians 3×2 São Paulo – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
14/06 – Corinthians 1×0 Cruzeiro – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
18/06 – Coritiba 0x0 Corinthians – Couto Pereira, Curitiba (PR)
22/06 – Corinthians 3×0 Bahia – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
25/06 – Grêmio 0x1 Corinthians – Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
02/07 – Corinthians 1×0 Botafogo – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
08/07 – Corinthians 2×0 Ponte Preta – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
12/07 – Palmeiras 0x2 Corinthians – Allianz Parque, São Paulo (SP)
15/07 – Corinthians 2×2 Atlético Paranaense – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
19/07 – Avaí 0x0 Corinthians – Ressacada, Florianópolis (SC)
23/07 – Fluminense 0x1 Corinthians – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
30/07 – Corinthians 1×1 Flamengo – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
02/08 – Atlético Mineiro 0x2 Corinthians – Mineirão, Belo Horizonte
05/08 – Corinthians 3×1 Sport – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
19/08 – Corinthians 0x1 Vitória – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
23/08 – Chapecoense 0x1 Corinthians – Arena Condá, Chapecó (SC)
26/08 – Corinthians 0x1 Atlético Goianiense – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
10/09 – Santos 2×0 Corinthians – Vila Belmiro, Santos (SP)
17/09 – Corinthians 1×0 Vasco – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
24/09 – São Paulo 1×1 Corinthians – Morumbi, São Paulo (SP)
1º/10 – Cruzeiro 1×1 Corinthians – Mineirão, Belo Horizonte (MG)
11/10 – Corinthians 3×1 Coritiba – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
15/10 – Bahia 2×0 Corinthians – Arena Fonte Nova, Salvador (BA)
18/10 – Corinthians 0x0 Grêmio – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
23/10 – Botafogo 2×1 Corinthians – Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
29/10 – Ponte Preta 1×0 Corinthians – Moisés Lucarelli, Campinas (SP)
05/11 – Corinthians 3×2 Palmeiras – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
08/11 – Atlético Paranaense 1×1 Corinthians – Arena da Baixada, Curitiba (PR)
11/11 – Corinthians 1×0 Avaí – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
15/11 – Corinthians 3×1 Fluminense – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
19/11 – Flamengo x Corinthians* – Luso-Brasileiro, Rio de Janeiro (RJ)
26/11 – Corinthians x Atlético Mineiro* – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
03/12 – Sport x Corinthians* – Ilha do Retiro, Recife (PE)
* Jogos a serem realizados.

FICHA TÉCNICA: CORINTHIANS 3×1 FLUMINENSE
Competição/Fase: Campeonato Brasileiro Série A 2017 – 35ª rodada
Local: Arena Corinthians, São Paulo (SP)
Data: 15 de novembro de 2017, quarta-feira – 21h45 (horário de Brasília)
Público: 45.775 espectadores
Renda: R$ 2.882.688,00
Árbitro: Bráulio da Silva Machado (SC)
Assistentes: Kleber Lucio Gil e Neusa Inês Back, ambos de SC
Cartões Amarelos: Gabriel (Corinthians); Léo, Henrique Dourado, Reginaldo, Pedro, Henrique e Lucas (Fluminense)
Gols: Henrique, a 1 min do 1º tempo (0-1); Jô, ao 1 min (1-1) e aos 3 min do 2º tempo (2-1); e Jadson, aos 39 min do 2º tempo (3-1)
CORINTHIANS: 40.Caíque França; 23.Fagner, 34.Pedro Henrique, 3.Pablo e 13.Guilherme Arana; 5.Gabriel, 29.Camacho (10.Jadson), 26.Rodriguinho, 11.Romero e 25.Clayson (8.Maycon); 7.Jô (20.Danilo). Técnico: Fábio Carille
FLUMINENSE: 12.Diego Cavalieri; 2.Lucas, 40.Reginaldo, 33.Henrique e 15.Léo; 23;Marlon Freitas (32.Pedro), 37;Wendel, 20.Sornoza (28.Matheus Alessandro) e 10.Gustavo Scarpa; 35.Marcos Júnior (27.Peu) e 9.Henrique Dourado. Técnico: Abel Braga

Parabéns ao Sport Club Corinthians Paulista pelo título.

Por Jorge Almeida

Anúncios

Santos: campeão brasileiro feminino de futebol 2017

Jogadoras do Santos comemoram o único gol da partida na Arena Barueri. Créditos: Agência Estado

O Santos é o mais novo campeão brasileiro de futebol feminino. A equipe da Baixada Santista derrotou o Corinthians no segundo e decisivo jogo da final do Campeonato Brasileiro Feminino A1 por 1 a 0 na noite desta quinta-feira (20), na Arena Barueri, na Grande São Paulo. O gol do título foi marcado pela artilheira da competição, a argentina Sole Jaimes. E, como havia triunfado no primeiro jogo na Vila Belmiro por 2 a 0, o alvinegro praiano fez 3 a 0 no placar agregado e ficou com a taça.

Precisando reverter a desvantagem de dois gols do jogo de ida, o Corinthians começou pressionando. No primeiro minuto de jogo, já ganhou um escanteio, que na cobrança, Mimi desviou pela linha de fundo. Um minuto depois, Fabi Simões cruzou para Gabi, que escorou para Nenê, sem marcação dentro da área, mas ela pegou de primeira e mandou por cima da meta santista.

As corinthianas continuaram a pressão e, aos 8, levaram perigo com outro escanteio. Na cobrança do córner, Mimi desviou para a goleira Dani Neuhaus defender.  A partida seguiu com a equipe mosqueteira com maior domínio até por conta da necessidade de marcar.

Contudo, aos 16, em sua primeira investida no ataque, as Sereias foram certeiras. Maria partiu pela esquerda e cruzou na medida para a argentina Sole Jaimes cabecear com estilo, sem chance de defesa, para abrir o placar e aumentar a já confortável vantagem santista.

Para o Corinthians não restava outra opção a não ser atacar, uma vez que, com a vitória parcial do time praiano, a equipe de Parque São Jorge precisaria fazer quatro gols para levar o caneco. Então, aos 19, o Timão foi para cima e Juci soltou uma bomba para ótima defesa da goleira Dani, que evitou o empate.

Como os mandantes pressionaram, as Sereias fecharam bem os espaços e impediram que as corinthianas continuassem com a pressão e, dessa forma, o jogo seguiu truncado no meio-de-campo com as chances de gols diminuindo drasticamente.

Depois do tento santista, a estratégia do time de Caio Couto era clara: aproveitar os contra-ataques. A tática quase deu certo no final do primeiro tempo. Aos 45, a artilheira do campeonato Sole Jaimes avançou pela direita, sem marcação e, na entrada da área, finalizou e mandou por cima do gol.

Na volta do intervalo, o técnico corinthiano Arthur Elias colocou Amanda no lugar de Paulinha e, assim, deslocou Fabi da lateral-direita para o meio-de-campo.

Assim como foi na etapa inicial, o Corinthians tentou pressionar o Santos nos primeiros minutos, mas estava sujeito aos contragolpes santistas. Como o que aconteceu aos sete minutos. Sole Jaimes arrancou do meio campo e da intermediária arriscou e a arqueira Letícia fez ótima defesa e evitou o segundo gol santista.

O Corinthians até tentou pressionar, mas a zaga santista não deu moleza e a cada ameaça era no melhor estilo “bola para o mato, que o jogo vale campeonato!”, sem contar a marcação implacável do meio-campo do time praiano.

O Santos deu espaço para o rival, mas controlou com segurança o seu sistema defensivo e tentou liquidar a fatura nos contra-ataques. Aos 22, por exemplo, Patrícia Sochor disparou pela direita, invadiu a área e bateu cruzado, mas a redonda saiu próximo à meta corinthiana.

Aos 28, um lance polêmico. Depois de um escanteio, Mimi cabeceou e a goleira Dani fez a defesa em cima da linha. As corinthianas disseram que a bola ultrapassou a linha, mas a árbitra Edna Alves Batista mandou o jogo seguir. Seis minutos mais tarde, Nenê foi lançada e, dentro da área santista, cruzou rasteiro para Gabi, mas a esférica atravessou toda a pequena área e ninguém chegou para finalizar.

A partida seguiu com o Corinthians todo no campo de ataque, enquanto o Peixe permaneceu com suas sereias no campo de defesa com a notória estratégia de puxar contra-ataques. E, quando tinha a bola, valorizava a posse de bola.

O jogo seguiu até os 48 minutos, mas o placar do primeiro tempo foi mantido: Corinthians 0, Santos 1 e, assim, o alvinegro praiano conquista pela primeira vez o Campeonato Brasileiro Feminino, assim como foi com o time masculino em 2002 (antes de a CBF reconhecer os títulos nacionais da década de 1960 como Brasileiro): o primeiro e em cima do Corinthians.

Sabendo que precisava reverter a desvantagem do primeiro jogo, o Corinthians foi para cima do Santos e teve suas oportunidades, mas a equipe praiana conseguiu fechar bem os espaços, não se sentiu intimidada com a pressão corinthiana e, na primeira investida ao ataque, tratou de aumentar a vantagem com o gol da artilheira do campeonato, a argentina Sole Jaimes (18 gols em 19 jogos). Com o apoio da torcida (que foi única, conforme determinação do Ministério Público), o Corinthians dominou o jogo, manteve mais posse de bola, porém, encontrou dificuldades de infiltrar na bem postada defesa santista. Já as Sereias aproveitaram do nervosismo do rival e, embora permanecesse menor tempo com a bola nos pés, levavam mais perigo nas investidas ao ataque. Enfim, o Santos soube muito bem administrar os dois jogos da final e levou o título de forma merecida.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da final.

Primeira Fase (Grupo 2):
13/03/2017 – Santos 3×0 Foz Cataratas – Vila Belmiro, Santos (SP)
19/03/2017 – Rio Preto 1×0 Santos – Anísio Haddad, São José do Rio Preto (SP)
28/03/2017 – Santos 3×0 Ponte Preta – Vila Belmiro, Santos (SP)
30/03/2017 – Flamengo 1×2 Santos – Estádio da Gávea, Rio de Janeiro (RJ)
02/04/2017 – Santos 3×1 Vitória – Vila Belmiro, Santos (SP)
05/04/2017 – São José (SP) 1×2 Santos – Marins Pereira, São José dos Campos (SP)
12/04/2017 – Ferroviária (SP) 1×1 Santos – Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
19/04/2017 – Santos 2×1 Ferroviária – Vila Belmiro, Santos (SP)
25/04/2017 – Santos 4×1 São José (SP) – Ulrico Mursa, Santos (SP)
03/05/2017 – Vitória 1×3 Santos – Barradão, Salvador (BA)
09/05/2017 – Santos 2×1 Flamengo – Vila Belmiro, Santos (SP)
17/05/2017 – Ponte Preta 0x2 Santos – Eugênio Fraceschini, Valinhos (SP)
24/05/2017 – Santos 1×0 Rio Preto – Vila Belmiro, Santos (SP)
31/05/2017 – Foz Cataratas 1×0 Santos – Pedro Basso, Foz do Iguaçu (PR)
Segunda Fase:
15/06/2017 – Audax (SP) 0x3 Santos – Arena Barueri, Barueri (SP)
21/06/2017 – Santos 0x0 Audax (SP) – Vila Belmiro, Santos (SP)
Semifinais:
29/06/2017 – Iranduba (AM) 1×2 Santos – Arena da Amazônia, Manaus (AM)
08/07/2017 – Santos 3×2 Iranduba (AM) – Vila Belmiro, Santos (SP)
Final:
13/07/2017 – Santos 2×0 Corinthians – Vila Belmiro, Santos (SP)
20/07/2017 – Corinthians 0x1 Santos – Arena Barueri, Barueri (SP)

FICHA TÉCNICA: CORINTHIANS 0x1 SANTOS
Competição/fase: Campeonato Brasileiro Feminino A-1 2017 – final (2º jogo)
Local: Arena Barueri, Barueri (SP)
Data: 20 de julho de 2017 – 18h (horário de Brasília)
Árbitra: Edna Alves Batista (PR)
Auxiliares: Tatiane Camargo (SP) e Neusa Inês Back (SC)
Cartões Amarelos; Gabriela (Corinthians); Katiuscia, Dani, Kelly e Brena (Santos)
Gol: Sole Jaimes, aos 16 min do 1º tempo (0-1)
CORINTHIANS: 12.Lelê; 10.Fabi Simões, 30.Mimi, 3.Pardal (7.Yasmin) e 6.Juci; 7.Grazi, 19.Ana Vitória (99.Alana), 11.Babi Nunes e 14.Amanda Brunner (21.Paulinha); 90.Nenê e 9.Byanca Brasil. Técnico: Arthur Elias
SANTOS: 1.Dani; 21.Katiuscia, 22.Camila, 23.Carol Arruda e 20.Dani Silva; 5.Maria, 35.Brena (27.Cida), 29.Patrícia Sochor e 34.Maurine (36.Tayla); 7.Ketlen (4.Giovana) e 9.Sole Jaimes. Técnico: Caio Couto

Parabéns ao Santos Futebol Clube pela conquista.

Por Jorge Almeida

*Ofereço esse texto à minha inesquecível amiga Carla de Deus, santista, que nos deixou recentemente

Corinthians: campeão paulista de 2017

Assim como a histórica decisão de 1977, o Corinthians foi campeão paulista mais uma vez diante da Ponte Preta. Foto: Marcos Riboli

Em sua 100ª partida disputada em sua arena, o Corinthians empatou em 1 a 1 com a Ponte Preta pelo segundo jogo da final do Campeonato Paulista de 2017 na tarde deste domingo (7), em Itaquera, e sagrou-se campeão estadual pela 28ª vez em sua história. Com gol de Romero para o time da casa e de Marllon para a Macaca, o Timão fez 4 a 1 no placar agregado e, pela primeira vez, foi campeão em casa. E coube ao goleiro Cássio a honra de erguer a taça. A partida também marcou o maior público registrado no estádio em jogos do Corinthians: 46.462 torcedores. Esse foi o primeiro caneco conquistado por Fábio Carille como treinador da equipe principal. Já a Ponte Preta, pela quinta vez na história, amarga um vice-campeonato, sendo a terceira perdida para o Corinthians. A Macaca ficou em segundo lugar nos campeonatos de 1970, 1977, 1979, 2008 e 2017.

A Ponte Preta precisava correr atrás do prejuízo se quisesse conquistar o inédito título. Então, a Macaca tentou ir para cima. Aos 4 minutos, depois de uma cobrança de escanteio de Lucca, Arthur cruzou na área e Pottker foi derrubado por Paulo Roberto, mas a arbitragem paralisara o lance ao flagrar o camisa 9 pontepretano em impedimento. Cinco minutos depois foi a vez de Lucca arriscar de fora da área e mandar por cima da meta de Cássio. Aos 20 o ex-corinthiano também tentou de falta e mandou por cima novamente.

A primeira chegada do Corinthians aconteceu apenas aos 26 minutos. Depois do toque de Jô, Jadson avançou da direita para o meio e tentou de esquerda e exigiu a defesa de Aranha em dois tempos. Em seguida, aos 28, Nino Paraíba, após o escanteio, cruzou e Cássio cortou antes que a bola chegasse em William Pottker. O Timão deu o troco no minuto seguinte ao aproveitar do erro na saída de bola da Macaca. Jadson cruzou para Romero, que ajeitou para Maycon, que acertou a trave direita de Aranha, e, na sobra, Jô acertou a zaga da Ponte. Aos 34, os visitantes fizeram boa trama na intermediária do adversário, até que Nino Paraíba, pela direita, cortou a marcação para bater de pé esquerdo e Cássio fazer firme defesa. Posteriormente, a Ponte Preta tentou mais uma vez com Lucca, que arriscou da entrada da área, mas a redonda saiu à esquerda da meta corinthiana.

Aos 40, Jô recebeu a bola, girou, se livrou da marcação na intermediária e tocou para Fagner, que cruzou na medida para o camisa 7, que bateu de primeira e mandou para fora. Na sequência, Nino Paraíba tentou e parou em Cássio. No final da etapa inicial, aos 45, depois de uma jogada individual, Clayson finalizou e mandou por cima do gol, sem perigo para o arqueiro alvinegro.

No segundo tempo, o Corinthians seguiu controlando o jogo, enquanto a Ponte Preta, apesar da mudança feita por Gilson Kleina, não teve força para assustar. A Macaca tentou, mas faltou calibrar a pontaria ou força nas finalizações a gol. E a situação do time de Campinas se complicou de vez aos 17. Fernando Bob errou na saída, Fagner recuperou a bola, tocou para Jadson, que deu uma assistância incrível para Romero. O paraguaio chutou, Aranha defendeu parcialmente e, na sobra, o camisa 11, de carrinho, completou para as redes: 1 a 0 para o Corinthians.

Depois do tento, a torcida corinthiana já soltara o grito de “é campeão” na Arena Corinthians. Dessa forma, o jogo deu uma caída na produção dos dois times e a Ponte Preta só voltou a dar trabalho aos 35. Quando Ravanelli arriscou de fora da área e acertou a trave esquerda de Cássio. Dois minutos depois, Jadson cobrou escanteio pela direita, Balbuena subiu sozinho e cabeceou para o chão, mas a redonda subiu e saiu por cima da meta adversária.

A Ponte Preta finalmente conseguiu o seu gol na final do Paulistão. Aos 40 minutos Ravanelli cobou falta pela direita e o zagueiro Marllon bateu de primeira, sem chance para Cássio, e empatou o jogo. Infelizmente, para os pontepretanos, o time reagiu tarde demais na decisão. E, antes do jogo acabar, ainda teve tempo de Romero perder um gol. Aos 43, Clayton fez jogada individual, invadiu a área e cruzou para Romero que, sem marcação, chutou por cima do gol. Em seguida, o, a partir de agora, “pé de Ángel” foi substituído por Léo Jabá, que nem teve tempo de tocar na bola para o árbitro decretar o fim da partida na casa corinthiana. E ficou nisso: Corinthians 1, Ponte Preta 1. Timão, campeão paulista pela 28ª vez.

A Ponte Preta iniciou a partida no campo de ataque, mas a bem postada defesa corinthiana não teve problemas. Depois de alguns minutos, o Corinthians foi controlando a partida e a enorme vantagem. Assim, ficou mais tempo no ataque e acertou a trave. Dessa forma, a Macaca buscou o ataque, cruzou e chutou, mas não teve uma oportunidade mais aguda. Já o “confortável” Corinthians foi quem criou as chances mais claras de gols nos 45 minutos iniciais. No segundo tempo, o panorama não mudou muito: a Ponte se esforçou e o alvinegro de Parque São Jorge administrou a vantagem e chegou a sair na frente com Romero. Mas a heroica equipe campineira ainda buscou o empate.

Agora, as atenções das duas equipes estarão ligadas para a Copa Sulamericana e ao Campeonato Brasileiro. Pela competição continental, a Ponte Preta irá até a Argentina enfrentar o Gimnasia La Plata já na próxima terça-feira, às 21h45. No primeiro jogo, as duas equipes empataram em 0 a 0. Enquanto isso, pela mesma competição, o Corinthians vai até Santiago medir forças contra a Universidad de Chile na quarta-feira. No compromisso de ida, o Timão bateu os chilenos por 2 a 0. Pelo Brasileirão, a Macaca estreará no domingo, às 16h, contra o Sport Recife no Moisés Lucarelli. Já a estreia do novo campeão paulista ocorrerá às 19h do próximo sábado diante da Chapecoense, na Arena Corinthians.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
Primeira fase (grupo A):
04/02/2017 – São Bento 0x1 Corinthians – Walter Ribeiro, Sorocaba
11/02/2017 – Corinthians 0x2 Santo André – Arena Corinthians, São Paulo
15/02/2017 – Corinthians 1×0 Novorizontino – Arena Corinthians, São Paulo
18/02/2017 – Audax 0x1 Corinthians – Prefeito José Liberati, Osasco
22/02/2017 – Corinthians 1×0 Palmeiras – Arena Corinthians, São Paulo
25/02/2017 – Mirassol 2×3 Corinthians – Municipal de Mirassol, Mirassol
04/03/2017 – Corinthians 1×0 Santos – Arena Corinthians, São Paulo
12/03/2017 – Ponte Preta 1×1 Corinthians – Moisés Lucarelli, Campinas
19/03/2017 – Ferroviária 1×0 Corinthians – Fonte Luminosa, Araraquara
23/03/2017 – Corinthians 1×1 Red Bull Brasil – Arena Corinthians, São Paulo
26/03/2017 – São Paulo 1×1 Corinthians – Morumbi, São Paulo
29/03/2017 – Corinthians 3×1 Linense – Arena Corinthians, São Paulo
Quartas-de-final:
1º/04/2017 – Botafogo (SP) 0x0 Corinthians – Santa Cruz, Ribeirão Preto
09/04/2017 – Corinthians 1×0 Botafogo (SP) – Arena Corinthians, São Paulo
Semifinais:
16/04/2017 – São Paulo 0x2 Corinthians – Morumbi, São Paulo
23/04/2017 – Corinthians 1×1 São Paulo – Arena Corinthians, São Paulo
Final:
30/04/2017 – Ponte Preta 0x3 Corinthians – Moisés Lucarelli, Campinas
07/05/2017 – Corinthians x Ponte Preta – Arena Corinthians, São Paulo

FICHA TÉCNICA: CORINTHIANS 1×1 PONTE PRETA
Competição/fase:
Campeonato Paulista 2017 – final (2º jogo)
Local: Arena Corinthians, São Paulo (SP)
Data: 7 de maio de 2017, domingo – 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Assistentes: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa
Cartões Amarelos: Pablo e Romero (Corinthians); Nino Paraíba, Elton e Clayson
Gols: Romero, aos 17 min do 2º tempo (1-0); Marllon, aos 40 min do 2º tempo (1-1)
CORINTHIANS: 12.Cássio; 23.Fagner, 3.Pablo, 4.Balbuena e 13.Guilherme Arana; 28.Paulo Roberto, 30.Maycon, 29.Camacho (9.Cleiton) e 77.Jadson (38.Pedrinho); 11.Romero (37.Léo Jabá) e 7.Jô. Técnico: Fábio Carille
PONTE PRETA: 1.Aranha; 2.Nino Paraíba, 3.Marllon, 4.Kadu e 6.Artur; 5.Fernando Bob, 8.Elton e 10.Jadson (19.Ravanelli); 11.Lucca (22.Yuri), 7.Clayson (21.Lins) e 9.Pottker. Técnico: Gilson Kleina

Parabéns ao Sport Club Corinthians Paulista pelo título.

Por Jorge Almeida

CBF sorteou os confrontos da quarta fase da Copa do Brasil

CBF definiu os confrontos da quarta fase da Copa do Brasil em sua sede. Crédito: reprodução

E não foi só na Europa que teve sorteio para os torneios de mata-mata. Na terra brasilis, a CBF realizou também nesta sexta-feira (17) a definição dos cinco duelos válidos pela quarta fase da Copa do Brasil 2017. Os confrontos nesta fase acontecerão nos dias 5 ou 12 de abril e 12 ou 19 do mesmo mês. Destaque para dois clássicos do futebol brasileiro nesta altura do certame: Corinthians contra Internacional e São Paulo versus Cruzeiro.

O Timão fará dois jogos que prometem contra o Internacional. O primeiro será realizado no Beira-Rio e a volta na Arena Corinthians. Diante da rivalidade que cresceu nos últimos anos entre os dois clubes, o confronto é encarado como “uma questão de honra”. O Inter está engasgado com os paulistas por conta do vice-campeonato do polêmico brasileiro de 2005 e do segundo lugar da Copa do Brasil de 2009. Já muitos corinthianos até hoje não engoliram a suposta entrega colorada para o Goiás na última rodada do Brasileirão de 2007 que culminou com o rebaixamento do time de Parque São Jorge e, consequentemente, a permanência do clube esmeraldino.

O outro confronto marca uma reedição da final da Copa do Brasil de 2000. O São Paulo receberá o Cruzeiro no Morumbi e depois tentará definir sua sorte no Mineirão para continuar (ou não) em busca do inédito título do torneio nacional.

O único embate que ainda segue definido é com relação ao adversário do Vitória, que será ASA ou Paraná Clube. Depois de eliminar o Vasco, o Leão da Barra está à espera do ganhador do confronto entre alagoanos e paranaenses que acontecerá no dia 6 de abril, em Curitiba. O primeiro jogo, realizado no interior alagoano, terminou em 0 a 0.

Campeão em 2008, o Sport Recife encara o Joinville. O compromisso de ida será em Recife e a volta será na casa do JEC. E o outro confronto terá Goiás contra Fluminense. O clube esmeraldino abre a série jogando em casa e irá até o Rio de Janeiro confrontar o Tricolor das Laranjeiras.

A quarta fase da Copa do Brasil é a última antes das oitavas-de-final, estágio do qual terá as presenças dos brasileiros que disputam a Libertadores (Palmeiras, Grêmio, Santos, Flamengo, Atlético Mineiro, Botafogo, Atlético Paranaense e Chapecoense), e também os campeões da Copa do Nordeste (Santa Cruz), da Copa Verde (Paysandu) e do Campeonato Brasileiro da Série B do ano passado (Atlético Goianiense).

Assim como a quarta fase, os duelos das oitavas-de-final serão realizados mediante sorteio na sede da CBF.

A seguir, a definição dos confrontos da quarta fase da Copa do Brasil.

Sport (PE) x Joinville (SC)*
Fluminense (RJ)* x Goiás (GO)
Vitória (BA) x ASA (AL)*/Paraná (PR)*
Corinthians (SP)* x Internacional (RS)
Cruzeiro (MG)* x São Paulo (SP)

* Equipes que mandarão os jogos de volta

Por Jorge Almeida

Corinthians: campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior

O Corinthians conquista a Copinha pela 10ª vez em sua história. Crédito: Rodrigo Corsi/FPF
O Corinthians conquista a Copinha pela 10ª vez em sua história. Crédito: Rodrigo Corsi/FPF

No 463º aniversário da cidade de São Paulo, comemorados nesta quarta-feira (25), o Corinthians venceu o Batatais na final da Copa São Paulo de Futebol Júnior por 2 a 1 e conquistou pela décima vez o título da competição. Os gols da partida saíram apenas nos minutos finais da etapa complementar com Carlinhos e Marquinhos para os corinthianos e Pote descontou para o Fantasma da Mogiana. Campeão do torneio em 1969, 1970, 1995, 1999, 2004, 2005, 2009, 2012, 2015 e, agora, 2017, o Timãozinho fez uma campanha incontestável, com nove vitórias em nove jogos. E esta foi a quarta final consecutiva do Corinthians, que perdera recentemente as edições 2014 para Santos e 2016 para o Flamengo.

Os minutos iniciais da decisão mostraram o Corinthians decidido em fazer a festa da torcida logo de cara ao pressionar o Batatais. Com o apoio da fiel, o Timãozinho criou a primeira oportunidade da partida, logo aos cinco minutos. Carlinhos fez jogada individual pela direita e cruzou rasteiro para  Marquinhos, que se esticou todo , mas não conseguiu desviar a bola para as redes.  Depois do susto, o Fantasma da Mogiana se posicionou bem e tentou tocar a bola enquanto mantinha a posse. Aos 18, foi a vez de Oya arrancar o “uh!” do torcedor quando cobrou uma falta e a bola passou muito perto do gol de Gerson.

Mas a equipe do interior reagiu aos 24. Pote serviu Igor pela esquerda que tocou rasteiro para o próprio Tales desviar e mandar a bola por cima do gol.  Foi a principal oportunidade do Batatais na etapa inicial.

No lance seguinte, Samuel recebeu em profundidade, cruzou rasteiro e o goleiro Gerson deu um tapa primordial antes do atacante corinthiano que estava com o gol escancarado.

Os comandados de Osmar Loss continuaram a dominar as ações do jogo ao longo do primeiro tempo, que teve parada técnica em virtude do forte calor que fazia na capital paulista. Aos 37, Pedrinho passou para Oya, que limpou o marcador e tentou bater colocado, mas Gérson fez uma linda ponte. Em seguida, o Timãozinho chegou mais uma vez ao ataque. Jogada pela esquerda e a bola foi rolada para trás para Carlinhos, que finalizou, mas a bola bateu na defesa e, antes de Pedrinho pegar o rebote, a zaga afastou a mandou para escanteio.

Aos 39, o Batatinha respondeu. Na bola parada, a redonda foi alçada na área e Everton Casemiro, sozinho, cabeceou para Filipe espalmar para escanteio. O Corinthians esteve perto de abrir o placar aos 42. Cobrança de escanteio, bola alçada na área e Thiago acertou uma cabeçada na trave. Essa foi a última oportunidade de gol no primeiro tempo, que terminou do jeito que começou, 0 a 0.

A etapa final começou igualmente como a primeira com o Corinthians pressionando. Aos 6, Pedrinho deu ótimo passe para Carlinhos, que chutou em cima de Gerson.

O Timãozinho foi ficando impaciente com a falta do gol e permitiu que o Batatais começasse a gostar do jogo. Assim, a partida ficou equilibrada até a parada técnica, que aconteceu na metade do segundo tempo. Osmar Loss aproveitou e fez duas substituições: entraram Minelli e Matheus para as saídas de Luisinho e Oya.

No reinício da partida, aos 26, Pedrinho cobrou falta que passou perto do alvo. O Corinthians seguiu impondo o ritmo e perdeu outra chance aos 32. Guedes, que entrou no segundo tempo, cruzou, a zaga afastou, a bola sobrou para Matheus, que carimbou a zaga e, na sequência, Pedrinho mandou para fora. Dois minutos depois, a partida foi paralisada por conta dos sinalizadores acesos pela torcida corinthiana.

Após quatro minutos de jogo paralisado, o Corinthians chegou ao gol. Pedrinho passou para Marquinhos pela direita, que cruzou na medida para Carlinhos cabecear para baixo e fazer o primeiro gol da final. Festa da fiel no Pacaembu.

Três minutos depois, Marquinhos tocou para Carlinhos, que devolveu para  o camisa 11 em boas condições para finalizar e ampliar o marcador. O goleiro Gerson ainda chegou a tocar na bola, mas não deu: 2 a 0.

Enquanto a euforia tomava conta do Pacaembu, o Batatais tratou de descontar. Aos 44, lançamento por cima para Pote, que viu Filipe adiantado, e deu um toque por cima fazendo um belo gol de cobertura. Golaço.

Mas, apesar de ter descontado no placar, o Batatais não teve perna para buscar o empate, enquanto o Corinthians ficou a administrar a vantagem até o final do jogo, que teve sete minutos de acréscimos devido às substituições, à parada técnica e os sinalizadores. Assim, o jogo ficou mesmo em 2 a 1 para o Corinthians, que conquista a sua décima Copinha e se mantém na hegemonia na maior competição das categorias de base do futebol brasileiro.

O Corinthians chegou na final como o franco favorito. Dono da melhor campanha, com 100% de aproveitamento até então, com um ataque que fez 30 gols em nove jogos (contando com os dois feitos hoje), diante do surpreendente Batatais, que fez uma boa campanha também e deixou muita gente para trás, entre eles, o Botafogo, por exemplo, e foi beneficiado da escalação irregular do zagueiro do Paulista de Jundiaí que, nas semifinais havia goleado o Fantasma da Mogiana por 5 a 1, mas o TJD da Federação Paulista decidiu eliminar o Tricolor da Japi por conta do episódio. O time do interior aguentou o quanto pode à pressão da equipe de Osmar Loss, que ainda tinha o amplo apoio da torcida, e ainda deu alguns sustos, mas o entrosamento da equipe alvinegra prevaleceu e foi fundamental para os gols corinthianos fluírem. E o que dizer de Osmar Loss? O cara chegou à sua quarta final consecutiva de Copa São Paulo de Futebol Júnior e conquistou o seu segundo título. Agora que irá ser auxiliar de Fábio Carille no time principal, o treinador poderá colaborar muito para a molecada que irá para os profissionais ainda nesta temporada.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da final.

Primeira fase (Grupo 17):
04/01/2017 – Corinthians (SP) 6×0 Pinheiro (MA) – Estádio Joaquim de Morais Filho, Taubaté (SP)
06/01/2017 – Operário (MS) 0x4 Corinthians (SP) – Estádio Joaquim de Morais Filho, Taubaté (SP)
08/01/2017 – Taubaté (SP) 2×3 Corinthians (SP) – Estádio Joaquim de Morais Filho, Taubaté (SP)
Segunda fase:
11/01/2017 – Corinthians (SP) 5×1 Manthiqueira (SP) – Estádio Joaquim de Morais Filho, Taubaté (SP)
Terceira fase:
13/01/2017 – Corinthians (SP) 2×1 Coritiba (PR) – Estádio Joaquim de Morais Filho, Taubaté (SP)
Oitavas-de-final:
16/01/2017 – Corinthians (SP) 3×1 Internacional (RS) – Arena Barueri, Barueri (SP)
Quartas-de-final:
19/01/2017 – Corinthians (SP) 2×1 Flamengo (RJ) – Arena Barueri, Barueri (SP)
Semifinal:
22/01/2017 – Corinthians (SP) 3×0 Juventus (SP) – Arena Barueri, Barueri (SP)
Final:
25/01/2017 – Batatais (SP) 1×2 Corinthians (SP) – Pacaembu, São Paulo (SP)

FICHA TÉCNICA: BATATAIS (SP) 1×2 CORINTHIANS (SP)
Competição/fase: Copa São Paulo de Futebol Junior – final (jogo único)
Local: Estádio Paulo Machado de Carvalho (Pacaembu) – São Paulo (SP)
Data: 25 de janeiro de 2017, quarta-feira, 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Cléber Luis Paulino
Assistentes: Bruno Salgado Rizo e Luiz Alberto Andrini Nogueira
Gols: Carlinhos, aos 39 min do 2º tempo (0-1); Marquinhos, aos 41 min do 2º tempo (0-2); Pote, aos 44 min do 2º tempo (1-2)
Cartões Amarelos: Léo Alves, João Vítor, Igor (Batatais); Guedes e Pedrinho (Corinthians)
CORINTHIANS (SP): 1.Filipe; 2.Samuel (17.Guedes), 3.Thiago, 4.Vinícius Del’Amore e 23.Luisinho (26.Minelli); 5.Renan Areia e 8.Guilherme Mantuan; 7.Pedrinho (20.Vitinho), 10.Fabrício Oya (19.Matheus) e 11.Marquinhos (18.Lucas Amorim); 9.Carlinhos. Técnico: Osmar Loss
BATATAIS (SP): 12.Gerson; 13.Wislem, 4.Neto, 14.Léo Alves (15.Cadu) e 6.Igor; 10.Murilo, 5.Éverton Casemiro, 25.Yuri e 7.Douglas Pote; 11.Thales (17.Victor Bêaga) e 9.João Victor. Técnico: Paulo Lippi

Parabéns ao Sport Club Corinthians Paulista pelo título.

Por Jorge Almeida

Corinthians: campeão da Copa do Brasil sub-17

Jogadores sub-17 do Corinthians comemoram a conquista inédita da copa do Brasil da categoria no gramado do Pacaembu.
Jogadores sub-17 do Corinthians comemoram a conquista inédita da copa do Brasil da categoria no gramado do Pacaembu. Foto: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians 

O Corinthians conquista pela primeira vez em sua história a Copa do Brasil sub-17 ao bater o Sport Recife por 2 a 0 no Estádio do Pacaembu na noite desta terça-feira (31). Com gols de Antônio Guilherme e Vitinho, ambos no segundo tempo, o alvinegro fez 4 a 2 no placar agregado e ficou com a taça. Agora, o time paulista se junta a São Paulo (2013), Atlético Mineiro (2014) e Vitória (2015) no rol dos campeões do torneio da categoria.

Logo no começo do jogo, o Corinthians mostrou o seu cartão de visitas e, no primeiro minuto, com Caio que soltou a bomba por cima da meta de Everton. Aos poucos, o Sport Recife conseguiu equilibrar as ações e apostava nos contragolpes. Porém, em alguns casos, quase conseguiram o êxito graças a duas lambanças da zaga corinthiana, mas o goleiro Diego “salvou a pátria” alvinegra.

Aos 8, foi a vez de Bilu chutar cruzado e Everton fazer a defesa em dois tempos. Lance semelhante aconteceu seis minutos depois. Nos 15 minutos iniciais a garotada corinthiana se comportou melhor ao permanecer com mais posse de bola e criando chances de gol, enquanto o Leão da Ilha não conseguia apertar a marcação.

Depois, as duas equipes abusaram nos lançamentos, mas errando praticamente todos. Aos 23, a zaga do Sport falhou na saída de jogo, caio recebeu na área, mas demorou na finalização e errou. Depois, aos 28, foi a vez de Zé Gabriel receber em velocidade, chutar cruzado e acertar próximo do alvo. Dois minutos depois, o mesmo Zé Gabriel avançou pela direita e mandou a bola perto do gol do Sport.

Depois de alguns bons momentos, a partida seguiu truncada, com o Corinthians criando mais e a equipe recifense partindo os contragolpes. Aliás, o Sport só começou mesmo a frequentar o campo de defesa do adversário depois dos 35 minutos. Contudo, as finalizações erradas predominaram: 9 a 3 para o Corinthians.

Para a etapa final, os dois times voltaram sem alterações, mas os erros do primeiro tempo persistiram no começo do segundo: muitos erros de passe, chances desperdiçadas e bastante faltosa.

O público no Pacaembu estava a acompanhar um modorrento 0 a 0 até que aos 11 minutos, escanteio cobrado na área, a defesa do Sport afasta mal e Antônio Guilherme estufa as redes, gol do Corinthians, que, com o resultado de momento, levava o título.

E, imediatamente após o gol alvinegro, o técnico do Sport promoveu duas alterações: saíram Brendo e Patrick Negão para as entradas de Pedro Henryque e Luiz. Pouco tempo depois, o Corinthians também fez duas mudanças: Vítor e Vinícius entraram nos lugares de Caio e Zé Gabriel. Nas trocas, o Timãozinho foi mais feliz, pois, aos 20 minutos, em sua primeira oportunidade no jogo, Vitinho anotou o segundo tento corinthiano. Após tabela, ele recebeu sozinho e bateu na saída do goleiro.

Três minutos após o gol, o Sport promoveu mais duas alterações para partir com tudo em busca do empate. Os jogadores Wilson e Neto entraram nos lugares de Arthur e Juninho. Apesar das mudanças, o Sport parece nervoso e exagera nos erros.

Aos 27 minutos, a árbitra precisou parar a partida por conta da presença de sinalizadores na torcida do time da casa. E os técnicos aproveitaram da pausa para dar orientações aos seus comandados.

Apesar da boa vantagem no placar, o Corinthians se fez mais presente no campo de ataque e anulou as principais jogadas do rubronegro pernambucano. Depois dos 35, houve mais abusam dos lançamentos dos dois lados e a maioria sem sucesso.

O Sport passou a trocar passes mas sem objetividade, enquanto o Timãozinho buscava o ataque. E, por conta da paralisação provocada pelos sinalizadores, a partida foi até os 55 minutos.

Aos 45, Vitinho chutou da entrada da área e quase acertou a trave de Everton. A partir de então, os pouco mais de sete mil corinthianos começaram a ecoar pelas arquibancadas do velho Paca o grito de “é campeão!”.

A equipe de Recife estava praticamente entregue e não ameaçou a meta alvinegra no restante do jogo, apenas em lances de impedimento. E, assim, aos 56 minutos, a decisão termina e o Corinthians conquista pela primeira vez a Copa do Brasil sub-17.

O Corinthians veio como favorito na decisão da quarta edição da Copa do Brasil por dois motivos: jogava em casa, embora a partida não tenha sido disputada em sua arena, em Itaquera, mas no tradicional Pacaembu, e também vinha de um bom resultado conquistado no primeiro jogo, o empate em 2 a 2 na Ilha do Retiro, no Recife. Além disso, a competição era o foco do elenco sub-17, a tal ponto de o clube mandar um time alternativo para o Mundial da categoria. No jogo, os dois times demonstraram muito nervosismo e abusaram bastante das faltas e dos erros de lançamento. Mas o Timãozinho foi ligeiramente superior por criar mais oportunidades, enquanto o Sport ficou à espera de contragolpes que, na maioria das vezes, não deu certo, e suas principais chances de gol originaram-se por falhas da defesa corinthiana. Todavia, os dois gols dos anfitriões deixaram a situação bem favorável ao Corinthians, que só administrou o resultado.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da final da competição.

Primeira fase:
30/03/2016 – Luverdense (MT) 3×3 Corinthians (SP) – Passo das Emas, Lucas do Rio Verde (MT)
05/04/2016 – Corinthians (SP) 2×1 Luverdense (MT) – Major Levy Sobrinho, Limeira (SP)
Segunda-fase:
12/04/2016 – Coritiba (PR) 1×2 Corinthians (SP) – Couto Pereira, Curitiba (PR)
20/04/2016 – Corinthians (SP) 0x1 Coritiba (PR) – Major Levy Sobrinho, Limeira (SP)
Quartas-de-final:
26/04/2016 – Corinthians (SP) 1×0 Chapecoense (SC) – Major Levy Sobrinho, Limeira (SP)
03/05/2016 – Chapecoense (SC) 0x3 Corinthians (SP) – Arena Condá, Chapecó (SC)
Semifinais:
10/05/2016 – Cruzeiro (MG) 3×5 Corinthians (SP) – Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
17/05/2016 – Corinthians (SP) 2×1 Cruzeiro (MG) – Major Levy Sobrinho, Limeira (SP)
Final:
24/05/2016 – Sport Recife (PE) 2×2 Corinthians (SP) – Ilha do Retiro, Recife (PE)
31/05/2016 – Corinthians (SP) 2×0 Sport Recife (PE) – Pacaembu, São Paulo (SP)

FICHA TÉCNICA: CORINTHIANS (SP) 2×0 SPORT RECIFE (PE)
Competição/fase:
Copa do Brasil sub-17 – final (2º jogo)
Local: Estádio Paulo Machado de Carvalho (Pacaembu) – São Paulo (SP)
Data: 31 de maio de 2016, terça-feira, 19h (horário de Brasília)
Árbitra: Regildenia de Holanda Moura (FIFA / SP)
Assistentes: Marcia Bezerra Lopes Caetano (FIFA / SP) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (FIFA / SP)
Cartões Amarelos: Felipe (Corinthians); Arthur, Vinícius e Wilson (Sport)
Cartão Vermelho: Caio (Sport)
Gols: Antônio Guilherme, aos 10 min (1-0) e Vitinho, aos 20 min do 2º tempo (2-0)
CORINTHIANS (SP): 1.Diego; 2.Minele, 3.Antônio Guilherme, 4.Franklin e 6.Carlos; 5.Roni, 8.Felipe (15.Eduardo Santos), 11.Bilu (16.Serginho), 7.Caio (18.Vitinho) e 10.Fabrício (13.Michel); 9.Zé Gabriel (17.Vinícius). Técnico: Márcio Zanardi
SPORT RECIFE (PE): 1.Everton; 2.Elias, 3.Arthur (9.Wilson), 4.Alesandro e 6.Caio; 5.Matheus, 8.Brendo (20.Pedro Henryque), 7.Vinícius (13.Baiano) e 10.Pardal; 11.Juninho (22.Neto) e 18.Patrick Negão (17.Luiz). Técnico: José da Câmara Vieira

Parabéns ao Sport Club Corinthians Paulista pela conquista.

Por Jorge Almeida

A estreia dos brasileiros na Libertadores 2016

Cinco brasileiros tentam acabar com a hegemonia argentina dos últimos anos na Libertadores. Créditos: Reprodução/Facebook
Cinco brasileiros tentam acabar com a hegemonia argentina dos últimos anos na Libertadores. Créditos: Reprodução/Facebook

Os cinco clubes representantes brasileiros na Copa Libertadores da América 2016 entraram em campo nesta semana pela primeira rodada da fase de grupos do torneio. Deles, apenas Corinthians e Atlético Mineiro venceram a primeira das 14 batalhas para a busca do troféu mais cobiçado do continente. Já o Palmeiras arrancou um empate fora de casa e as decepções ficaram por conta de Grêmio e, principalmente, São Paulo que foram derrotados.

O primeiro representante do País a entrar em campo foi o Palmeiras. A equipe palestrina foi até o Uruguai enfrentar o River Plate (homônimo do time argentino) na terça-feira (16). Em um jogo pegado, o alviverde paulista arrancou um empate em 2 a 2, embora tenha ficado duas vezes à frente do marcador. O placar poderia ter ficado com um triunfo palmeirense, mas a defesa falhou e permitiu o empate dos Darseneros. As duas equipes voltam a campo pela competição no próximo dia 2: o Palmeiras receberá o Rosário Central em casa, enquanto o River Plate enfrentará o Nacional em Montevidéu.

Na quarta-feira, três clubes brasileiros estrearam na fase de grupos. O Atlético Mineiro foi até Arequipa, no Peru, encarar o Mélgar. Com gols de Rafael Carioca e Patric, o Galo virou o jogo ainda no primeiro tempo e administrou a vantagem para liderar o grupo 5. No dia seguinte, a outra partida do grupo, entre Independiente del Valle e Colo Colo empataram em 1 a 1 e ocupam a vice-liderança. O Atlético receberá o Independiente del Valle no Independência enquanto o Mélgar vai ao Chile pegar o Colo Colo.

Outro time tupiniquim que se deu bem fora de casa foi o Corinthians, que no apagar das luzes triunfou o Cobrasal, do Chile, por 1 a 0. O gol corinthiano saiu aos 45 minutos da etapa complementar. O resultado deixou o Timão na liderança do grupo 8 com três pontos, enquanto Cerro Porteño e Independiente de Santa Fé empataram em 0 a 0 no El Campín, na Colômbia. Na próxima rodada, o Corinthians jogará contra o Santa Fé em sua arena e o Cobresal irá até o Defensores del Chaco duelar com o Cerro Porteño.

O Grêmio está no considerado no “grupo da morte” da competição. E, como já era de se esperar, o Tricolor dos Pampas não encontrou vida fácil lá no México e foi derrotado pelo Toluca por 2 a 0. O outro jogo da chave, entre LDU e San Lorenzo, acontecerá na próxima terça. A equipe gaúcha poderá se redimir na próxima partida quando receberá a LDU em casa no dia 2 de março, mesma data em que o time do Papa jogará em seus domínios contra o Toluca.

Mas, certamente, o resultado mais inusitado dessa primeira rodada foi a derrota do São Paulo para o The Strongest no Pacaembu por 1 a 0 pelo grupo 1. A equipe de Edgardo Baúza, após perder o clássico para o Corinthians no domingo, foi surpreendida pela equipe boliviana e, depois de perder inúmeras chances de gol, foi castigada pelo gol de Matías Alonso. Pela competição, o Tricolor terá parada indigesta pela frente na rodada seguinte, quando irá até Buenos Aires enfrentar o River Plate no Monumental de Núñez. Já o clube aurinegro medirá forças em casa com o Trujillanos, da Venezuela.

Com exceção do São Paulo, todos os brasileiros fizeram resultados que já era dentro do esperado. A derrota do Grêmio para o Toluca não foi nenhum absurdo, pois encarar os caras lá no México não é fácil. Além disso, o time gaúcho está no grupo mais complicado por tamanho equilíbrio entre as equipes. O que resta para o time do técnico Roger é vencer as partidas em casa e arrancar pelo menos um empate nos dois jogos fora que restam. O empate do Palmeiras não chega a ser catastrófico, mas não chega a ser satisfatório por conta da qualidade técnica do adversário. O alviverde tem todas as condições de passar de fase, só não pode perder pontos de bobeira, principalmente em casa. O Atlético Mineiro, por sua vez, é o grande favorito a terminar na liderança de seu grupo. Se fazer prevalecer a máxima em casa – o “caiu no Horto, tá morto!” -, o Galo não só avança, como poderá fazer uma das melhores campanhas para poder decidir em casa. O Corinthians também tem boas chances de fazer uma boa campanha, especialmente nos jogos que fará em casa. Teoricamente, o único time que pode fazer frente ao atual campeão brasileiro no grupo é o Santa Fé, principalmente na partida fora de casa que poderá definir o grupo. Mas, apesar de desconfigurado em relação ao time que terminou o Brasileirão, o Timão é favorito para ser líder do grupo. Mas, certamente, a maior decepção ficou por conta do São Paulo que conseguiu a proeza de perder para o fraco The Strongest em casa (ok, o Pacaembu não é bem a casa do Tricolor, mas não é na altitude de La Paz). Aliás, a vitória do The Strongest quebrou um tabu de 32 anos sem triunfos do clube aurinegro fora de casa pela Libertadores. Esse revés poderá custar caro ao time do Morumbi mais à frente.

Bom, passado a ansiedade e nervosismo da estreia, o que resta agora é torcer e secar o adversário.

Por Jorge Almeida