CBF sorteou os confrontos da quarta fase da Copa do Brasil

CBF definiu os confrontos da quarta fase da Copa do Brasil em sua sede. Crédito: reprodução

E não foi só na Europa que teve sorteio para os torneios de mata-mata. Na terra brasilis, a CBF realizou também nesta sexta-feira (17) a definição dos cinco duelos válidos pela quarta fase da Copa do Brasil 2017. Os confrontos nesta fase acontecerão nos dias 5 ou 12 de abril e 12 ou 19 do mesmo mês. Destaque para dois clássicos do futebol brasileiro nesta altura do certame: Corinthians contra Internacional e São Paulo versus Cruzeiro.

O Timão fará dois jogos que prometem contra o Internacional. O primeiro será realizado no Beira-Rio e a volta na Arena Corinthians. Diante da rivalidade que cresceu nos últimos anos entre os dois clubes, o confronto é encarado como “uma questão de honra”. O Inter está engasgado com os paulistas por conta do vice-campeonato do polêmico brasileiro de 2005 e do segundo lugar da Copa do Brasil de 2009. Já muitos corinthianos até hoje não engoliram a suposta entrega colorada para o Goiás na última rodada do Brasileirão de 2007 que culminou com o rebaixamento do time de Parque São Jorge e, consequentemente, a permanência do clube esmeraldino.

O outro confronto marca uma reedição da final da Copa do Brasil de 2000. O São Paulo receberá o Cruzeiro no Morumbi e depois tentará definir sua sorte no Mineirão para continuar (ou não) em busca do inédito título do torneio nacional.

O único embate que ainda segue definido é com relação ao adversário do Vitória, que será ASA ou Paraná Clube. Depois de eliminar o Vasco, o Leão da Barra está à espera do ganhador do confronto entre alagoanos e paranaenses que acontecerá no dia 6 de abril, em Curitiba. O primeiro jogo, realizado no interior alagoano, terminou em 0 a 0.

Campeão em 2008, o Sport Recife encara o Joinville. O compromisso de ida será em Recife e a volta será na casa do JEC. E o outro confronto terá Goiás contra Fluminense. O clube esmeraldino abre a série jogando em casa e irá até o Rio de Janeiro confrontar o Tricolor das Laranjeiras.

A quarta fase da Copa do Brasil é a última antes das oitavas-de-final, estágio do qual terá as presenças dos brasileiros que disputam a Libertadores (Palmeiras, Grêmio, Santos, Flamengo, Atlético Mineiro, Botafogo, Atlético Paranaense e Chapecoense), e também os campeões da Copa do Nordeste (Santa Cruz), da Copa Verde (Paysandu) e do Campeonato Brasileiro da Série B do ano passado (Atlético Goianiense).

Assim como a quarta fase, os duelos das oitavas-de-final serão realizados mediante sorteio na sede da CBF.

A seguir, a definição dos confrontos da quarta fase da Copa do Brasil.

Sport (PE) x Joinville (SC)*
Fluminense (RJ)* x Goiás (GO)
Vitória (BA) x ASA (AL)*/Paraná (PR)*
Corinthians (SP)* x Internacional (RS)
Cruzeiro (MG)* x São Paulo (SP)

* Equipes que mandarão os jogos de volta

Por Jorge Almeida

Corinthians: campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior

O Corinthians conquista a Copinha pela 10ª vez em sua história. Crédito: Rodrigo Corsi/FPF
O Corinthians conquista a Copinha pela 10ª vez em sua história. Crédito: Rodrigo Corsi/FPF

No 463º aniversário da cidade de São Paulo, comemorados nesta quarta-feira (25), o Corinthians venceu o Batatais na final da Copa São Paulo de Futebol Júnior por 2 a 1 e conquistou pela décima vez o título da competição. Os gols da partida saíram apenas nos minutos finais da etapa complementar com Carlinhos e Marquinhos para os corinthianos e Pote descontou para o Fantasma da Mogiana. Campeão do torneio em 1969, 1970, 1995, 1999, 2004, 2005, 2009, 2012, 2015 e, agora, 2017, o Timãozinho fez uma campanha incontestável, com nove vitórias em nove jogos. E esta foi a quarta final consecutiva do Corinthians, que perdera recentemente as edições 2014 para Santos e 2016 para o Flamengo.

Os minutos iniciais da decisão mostraram o Corinthians decidido em fazer a festa da torcida logo de cara ao pressionar o Batatais. Com o apoio da fiel, o Timãozinho criou a primeira oportunidade da partida, logo aos cinco minutos. Carlinhos fez jogada individual pela direita e cruzou rasteiro para  Marquinhos, que se esticou todo , mas não conseguiu desviar a bola para as redes.  Depois do susto, o Fantasma da Mogiana se posicionou bem e tentou tocar a bola enquanto mantinha a posse. Aos 18, foi a vez de Oya arrancar o “uh!” do torcedor quando cobrou uma falta e a bola passou muito perto do gol de Gerson.

Mas a equipe do interior reagiu aos 24. Pote serviu Igor pela esquerda que tocou rasteiro para o próprio Tales desviar e mandar a bola por cima do gol.  Foi a principal oportunidade do Batatais na etapa inicial.

No lance seguinte, Samuel recebeu em profundidade, cruzou rasteiro e o goleiro Gerson deu um tapa primordial antes do atacante corinthiano que estava com o gol escancarado.

Os comandados de Osmar Loss continuaram a dominar as ações do jogo ao longo do primeiro tempo, que teve parada técnica em virtude do forte calor que fazia na capital paulista. Aos 37, Pedrinho passou para Oya, que limpou o marcador e tentou bater colocado, mas Gérson fez uma linda ponte. Em seguida, o Timãozinho chegou mais uma vez ao ataque. Jogada pela esquerda e a bola foi rolada para trás para Carlinhos, que finalizou, mas a bola bateu na defesa e, antes de Pedrinho pegar o rebote, a zaga afastou a mandou para escanteio.

Aos 39, o Batatinha respondeu. Na bola parada, a redonda foi alçada na área e Everton Casemiro, sozinho, cabeceou para Filipe espalmar para escanteio. O Corinthians esteve perto de abrir o placar aos 42. Cobrança de escanteio, bola alçada na área e Thiago acertou uma cabeçada na trave. Essa foi a última oportunidade de gol no primeiro tempo, que terminou do jeito que começou, 0 a 0.

A etapa final começou igualmente como a primeira com o Corinthians pressionando. Aos 6, Pedrinho deu ótimo passe para Carlinhos, que chutou em cima de Gerson.

O Timãozinho foi ficando impaciente com a falta do gol e permitiu que o Batatais começasse a gostar do jogo. Assim, a partida ficou equilibrada até a parada técnica, que aconteceu na metade do segundo tempo. Osmar Loss aproveitou e fez duas substituições: entraram Minelli e Matheus para as saídas de Luisinho e Oya.

No reinício da partida, aos 26, Pedrinho cobrou falta que passou perto do alvo. O Corinthians seguiu impondo o ritmo e perdeu outra chance aos 32. Guedes, que entrou no segundo tempo, cruzou, a zaga afastou, a bola sobrou para Matheus, que carimbou a zaga e, na sequência, Pedrinho mandou para fora. Dois minutos depois, a partida foi paralisada por conta dos sinalizadores acesos pela torcida corinthiana.

Após quatro minutos de jogo paralisado, o Corinthians chegou ao gol. Pedrinho passou para Marquinhos pela direita, que cruzou na medida para Carlinhos cabecear para baixo e fazer o primeiro gol da final. Festa da fiel no Pacaembu.

Três minutos depois, Marquinhos tocou para Carlinhos, que devolveu para  o camisa 11 em boas condições para finalizar e ampliar o marcador. O goleiro Gerson ainda chegou a tocar na bola, mas não deu: 2 a 0.

Enquanto a euforia tomava conta do Pacaembu, o Batatais tratou de descontar. Aos 44, lançamento por cima para Pote, que viu Filipe adiantado, e deu um toque por cima fazendo um belo gol de cobertura. Golaço.

Mas, apesar de ter descontado no placar, o Batatais não teve perna para buscar o empate, enquanto o Corinthians ficou a administrar a vantagem até o final do jogo, que teve sete minutos de acréscimos devido às substituições, à parada técnica e os sinalizadores. Assim, o jogo ficou mesmo em 2 a 1 para o Corinthians, que conquista a sua décima Copinha e se mantém na hegemonia na maior competição das categorias de base do futebol brasileiro.

O Corinthians chegou na final como o franco favorito. Dono da melhor campanha, com 100% de aproveitamento até então, com um ataque que fez 30 gols em nove jogos (contando com os dois feitos hoje), diante do surpreendente Batatais, que fez uma boa campanha também e deixou muita gente para trás, entre eles, o Botafogo, por exemplo, e foi beneficiado da escalação irregular do zagueiro do Paulista de Jundiaí que, nas semifinais havia goleado o Fantasma da Mogiana por 5 a 1, mas o TJD da Federação Paulista decidiu eliminar o Tricolor da Japi por conta do episódio. O time do interior aguentou o quanto pode à pressão da equipe de Osmar Loss, que ainda tinha o amplo apoio da torcida, e ainda deu alguns sustos, mas o entrosamento da equipe alvinegra prevaleceu e foi fundamental para os gols corinthianos fluírem. E o que dizer de Osmar Loss? O cara chegou à sua quarta final consecutiva de Copa São Paulo de Futebol Júnior e conquistou o seu segundo título. Agora que irá ser auxiliar de Fábio Carille no time principal, o treinador poderá colaborar muito para a molecada que irá para os profissionais ainda nesta temporada.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da final.

Primeira fase (Grupo 17):
04/01/2017 – Corinthians (SP) 6×0 Pinheiro (MA) – Estádio Joaquim de Morais Filho, Taubaté (SP)
06/01/2017 – Operário (MS) 0x4 Corinthians (SP) – Estádio Joaquim de Morais Filho, Taubaté (SP)
08/01/2017 – Taubaté (SP) 2×3 Corinthians (SP) – Estádio Joaquim de Morais Filho, Taubaté (SP)
Segunda fase:
11/01/2017 – Corinthians (SP) 5×1 Manthiqueira (SP) – Estádio Joaquim de Morais Filho, Taubaté (SP)
Terceira fase:
13/01/2017 – Corinthians (SP) 2×1 Coritiba (PR) – Estádio Joaquim de Morais Filho, Taubaté (SP)
Oitavas-de-final:
16/01/2017 – Corinthians (SP) 3×1 Internacional (RS) – Arena Barueri, Barueri (SP)
Quartas-de-final:
19/01/2017 – Corinthians (SP) 2×1 Flamengo (RJ) – Arena Barueri, Barueri (SP)
Semifinal:
22/01/2017 – Corinthians (SP) 3×0 Juventus (SP) – Arena Barueri, Barueri (SP)
Final:
25/01/2017 – Batatais (SP) 1×2 Corinthians (SP) – Pacaembu, São Paulo (SP)

FICHA TÉCNICA: BATATAIS (SP) 1×2 CORINTHIANS (SP)
Competição/fase: Copa São Paulo de Futebol Junior – final (jogo único)
Local: Estádio Paulo Machado de Carvalho (Pacaembu) – São Paulo (SP)
Data: 25 de janeiro de 2017, quarta-feira, 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Cléber Luis Paulino
Assistentes: Bruno Salgado Rizo e Luiz Alberto Andrini Nogueira
Gols: Carlinhos, aos 39 min do 2º tempo (0-1); Marquinhos, aos 41 min do 2º tempo (0-2); Pote, aos 44 min do 2º tempo (1-2)
Cartões Amarelos: Léo Alves, João Vítor, Igor (Batatais); Guedes e Pedrinho (Corinthians)
CORINTHIANS (SP): 1.Filipe; 2.Samuel (17.Guedes), 3.Thiago, 4.Vinícius Del’Amore e 23.Luisinho (26.Minelli); 5.Renan Areia e 8.Guilherme Mantuan; 7.Pedrinho (20.Vitinho), 10.Fabrício Oya (19.Matheus) e 11.Marquinhos (18.Lucas Amorim); 9.Carlinhos. Técnico: Osmar Loss
BATATAIS (SP): 12.Gerson; 13.Wislem, 4.Neto, 14.Léo Alves (15.Cadu) e 6.Igor; 10.Murilo, 5.Éverton Casemiro, 25.Yuri e 7.Douglas Pote; 11.Thales (17.Victor Bêaga) e 9.João Victor. Técnico: Paulo Lippi

Parabéns ao Sport Club Corinthians Paulista pelo título.

Por Jorge Almeida

Corinthians: campeão da Copa do Brasil sub-17

Jogadores sub-17 do Corinthians comemoram a conquista inédita da copa do Brasil da categoria no gramado do Pacaembu.
Jogadores sub-17 do Corinthians comemoram a conquista inédita da copa do Brasil da categoria no gramado do Pacaembu. Foto: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians 

O Corinthians conquista pela primeira vez em sua história a Copa do Brasil sub-17 ao bater o Sport Recife por 2 a 0 no Estádio do Pacaembu na noite desta terça-feira (31). Com gols de Antônio Guilherme e Vitinho, ambos no segundo tempo, o alvinegro fez 4 a 2 no placar agregado e ficou com a taça. Agora, o time paulista se junta a São Paulo (2013), Atlético Mineiro (2014) e Vitória (2015) no rol dos campeões do torneio da categoria.

Logo no começo do jogo, o Corinthians mostrou o seu cartão de visitas e, no primeiro minuto, com Caio que soltou a bomba por cima da meta de Everton. Aos poucos, o Sport Recife conseguiu equilibrar as ações e apostava nos contragolpes. Porém, em alguns casos, quase conseguiram o êxito graças a duas lambanças da zaga corinthiana, mas o goleiro Diego “salvou a pátria” alvinegra.

Aos 8, foi a vez de Bilu chutar cruzado e Everton fazer a defesa em dois tempos. Lance semelhante aconteceu seis minutos depois. Nos 15 minutos iniciais a garotada corinthiana se comportou melhor ao permanecer com mais posse de bola e criando chances de gol, enquanto o Leão da Ilha não conseguia apertar a marcação.

Depois, as duas equipes abusaram nos lançamentos, mas errando praticamente todos. Aos 23, a zaga do Sport falhou na saída de jogo, caio recebeu na área, mas demorou na finalização e errou. Depois, aos 28, foi a vez de Zé Gabriel receber em velocidade, chutar cruzado e acertar próximo do alvo. Dois minutos depois, o mesmo Zé Gabriel avançou pela direita e mandou a bola perto do gol do Sport.

Depois de alguns bons momentos, a partida seguiu truncada, com o Corinthians criando mais e a equipe recifense partindo os contragolpes. Aliás, o Sport só começou mesmo a frequentar o campo de defesa do adversário depois dos 35 minutos. Contudo, as finalizações erradas predominaram: 9 a 3 para o Corinthians.

Para a etapa final, os dois times voltaram sem alterações, mas os erros do primeiro tempo persistiram no começo do segundo: muitos erros de passe, chances desperdiçadas e bastante faltosa.

O público no Pacaembu estava a acompanhar um modorrento 0 a 0 até que aos 11 minutos, escanteio cobrado na área, a defesa do Sport afasta mal e Antônio Guilherme estufa as redes, gol do Corinthians, que, com o resultado de momento, levava o título.

E, imediatamente após o gol alvinegro, o técnico do Sport promoveu duas alterações: saíram Brendo e Patrick Negão para as entradas de Pedro Henryque e Luiz. Pouco tempo depois, o Corinthians também fez duas mudanças: Vítor e Vinícius entraram nos lugares de Caio e Zé Gabriel. Nas trocas, o Timãozinho foi mais feliz, pois, aos 20 minutos, em sua primeira oportunidade no jogo, Vitinho anotou o segundo tento corinthiano. Após tabela, ele recebeu sozinho e bateu na saída do goleiro.

Três minutos após o gol, o Sport promoveu mais duas alterações para partir com tudo em busca do empate. Os jogadores Wilson e Neto entraram nos lugares de Arthur e Juninho. Apesar das mudanças, o Sport parece nervoso e exagera nos erros.

Aos 27 minutos, a árbitra precisou parar a partida por conta da presença de sinalizadores na torcida do time da casa. E os técnicos aproveitaram da pausa para dar orientações aos seus comandados.

Apesar da boa vantagem no placar, o Corinthians se fez mais presente no campo de ataque e anulou as principais jogadas do rubronegro pernambucano. Depois dos 35, houve mais abusam dos lançamentos dos dois lados e a maioria sem sucesso.

O Sport passou a trocar passes mas sem objetividade, enquanto o Timãozinho buscava o ataque. E, por conta da paralisação provocada pelos sinalizadores, a partida foi até os 55 minutos.

Aos 45, Vitinho chutou da entrada da área e quase acertou a trave de Everton. A partir de então, os pouco mais de sete mil corinthianos começaram a ecoar pelas arquibancadas do velho Paca o grito de “é campeão!”.

A equipe de Recife estava praticamente entregue e não ameaçou a meta alvinegra no restante do jogo, apenas em lances de impedimento. E, assim, aos 56 minutos, a decisão termina e o Corinthians conquista pela primeira vez a Copa do Brasil sub-17.

O Corinthians veio como favorito na decisão da quarta edição da Copa do Brasil por dois motivos: jogava em casa, embora a partida não tenha sido disputada em sua arena, em Itaquera, mas no tradicional Pacaembu, e também vinha de um bom resultado conquistado no primeiro jogo, o empate em 2 a 2 na Ilha do Retiro, no Recife. Além disso, a competição era o foco do elenco sub-17, a tal ponto de o clube mandar um time alternativo para o Mundial da categoria. No jogo, os dois times demonstraram muito nervosismo e abusaram bastante das faltas e dos erros de lançamento. Mas o Timãozinho foi ligeiramente superior por criar mais oportunidades, enquanto o Sport ficou à espera de contragolpes que, na maioria das vezes, não deu certo, e suas principais chances de gol originaram-se por falhas da defesa corinthiana. Todavia, os dois gols dos anfitriões deixaram a situação bem favorável ao Corinthians, que só administrou o resultado.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da final da competição.

Primeira fase:
30/03/2016 – Luverdense (MT) 3×3 Corinthians (SP) – Passo das Emas, Lucas do Rio Verde (MT)
05/04/2016 – Corinthians (SP) 2×1 Luverdense (MT) – Major Levy Sobrinho, Limeira (SP)
Segunda-fase:
12/04/2016 – Coritiba (PR) 1×2 Corinthians (SP) – Couto Pereira, Curitiba (PR)
20/04/2016 – Corinthians (SP) 0x1 Coritiba (PR) – Major Levy Sobrinho, Limeira (SP)
Quartas-de-final:
26/04/2016 – Corinthians (SP) 1×0 Chapecoense (SC) – Major Levy Sobrinho, Limeira (SP)
03/05/2016 – Chapecoense (SC) 0x3 Corinthians (SP) – Arena Condá, Chapecó (SC)
Semifinais:
10/05/2016 – Cruzeiro (MG) 3×5 Corinthians (SP) – Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
17/05/2016 – Corinthians (SP) 2×1 Cruzeiro (MG) – Major Levy Sobrinho, Limeira (SP)
Final:
24/05/2016 – Sport Recife (PE) 2×2 Corinthians (SP) – Ilha do Retiro, Recife (PE)
31/05/2016 – Corinthians (SP) 2×0 Sport Recife (PE) – Pacaembu, São Paulo (SP)

FICHA TÉCNICA: CORINTHIANS (SP) 2×0 SPORT RECIFE (PE)
Competição/fase:
Copa do Brasil sub-17 – final (2º jogo)
Local: Estádio Paulo Machado de Carvalho (Pacaembu) – São Paulo (SP)
Data: 31 de maio de 2016, terça-feira, 19h (horário de Brasília)
Árbitra: Regildenia de Holanda Moura (FIFA / SP)
Assistentes: Marcia Bezerra Lopes Caetano (FIFA / SP) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (FIFA / SP)
Cartões Amarelos: Felipe (Corinthians); Arthur, Vinícius e Wilson (Sport)
Cartão Vermelho: Caio (Sport)
Gols: Antônio Guilherme, aos 10 min (1-0) e Vitinho, aos 20 min do 2º tempo (2-0)
CORINTHIANS (SP): 1.Diego; 2.Minele, 3.Antônio Guilherme, 4.Franklin e 6.Carlos; 5.Roni, 8.Felipe (15.Eduardo Santos), 11.Bilu (16.Serginho), 7.Caio (18.Vitinho) e 10.Fabrício (13.Michel); 9.Zé Gabriel (17.Vinícius). Técnico: Márcio Zanardi
SPORT RECIFE (PE): 1.Everton; 2.Elias, 3.Arthur (9.Wilson), 4.Alesandro e 6.Caio; 5.Matheus, 8.Brendo (20.Pedro Henryque), 7.Vinícius (13.Baiano) e 10.Pardal; 11.Juninho (22.Neto) e 18.Patrick Negão (17.Luiz). Técnico: José da Câmara Vieira

Parabéns ao Sport Club Corinthians Paulista pela conquista.

Por Jorge Almeida

A estreia dos brasileiros na Libertadores 2016

Cinco brasileiros tentam acabar com a hegemonia argentina dos últimos anos na Libertadores. Créditos: Reprodução/Facebook
Cinco brasileiros tentam acabar com a hegemonia argentina dos últimos anos na Libertadores. Créditos: Reprodução/Facebook

Os cinco clubes representantes brasileiros na Copa Libertadores da América 2016 entraram em campo nesta semana pela primeira rodada da fase de grupos do torneio. Deles, apenas Corinthians e Atlético Mineiro venceram a primeira das 14 batalhas para a busca do troféu mais cobiçado do continente. Já o Palmeiras arrancou um empate fora de casa e as decepções ficaram por conta de Grêmio e, principalmente, São Paulo que foram derrotados.

O primeiro representante do País a entrar em campo foi o Palmeiras. A equipe palestrina foi até o Uruguai enfrentar o River Plate (homônimo do time argentino) na terça-feira (16). Em um jogo pegado, o alviverde paulista arrancou um empate em 2 a 2, embora tenha ficado duas vezes à frente do marcador. O placar poderia ter ficado com um triunfo palmeirense, mas a defesa falhou e permitiu o empate dos Darseneros. As duas equipes voltam a campo pela competição no próximo dia 2: o Palmeiras receberá o Rosário Central em casa, enquanto o River Plate enfrentará o Nacional em Montevidéu.

Na quarta-feira, três clubes brasileiros estrearam na fase de grupos. O Atlético Mineiro foi até Arequipa, no Peru, encarar o Mélgar. Com gols de Rafael Carioca e Patric, o Galo virou o jogo ainda no primeiro tempo e administrou a vantagem para liderar o grupo 5. No dia seguinte, a outra partida do grupo, entre Independiente del Valle e Colo Colo empataram em 1 a 1 e ocupam a vice-liderança. O Atlético receberá o Independiente del Valle no Independência enquanto o Mélgar vai ao Chile pegar o Colo Colo.

Outro time tupiniquim que se deu bem fora de casa foi o Corinthians, que no apagar das luzes triunfou o Cobrasal, do Chile, por 1 a 0. O gol corinthiano saiu aos 45 minutos da etapa complementar. O resultado deixou o Timão na liderança do grupo 8 com três pontos, enquanto Cerro Porteño e Independiente de Santa Fé empataram em 0 a 0 no El Campín, na Colômbia. Na próxima rodada, o Corinthians jogará contra o Santa Fé em sua arena e o Cobresal irá até o Defensores del Chaco duelar com o Cerro Porteño.

O Grêmio está no considerado no “grupo da morte” da competição. E, como já era de se esperar, o Tricolor dos Pampas não encontrou vida fácil lá no México e foi derrotado pelo Toluca por 2 a 0. O outro jogo da chave, entre LDU e San Lorenzo, acontecerá na próxima terça. A equipe gaúcha poderá se redimir na próxima partida quando receberá a LDU em casa no dia 2 de março, mesma data em que o time do Papa jogará em seus domínios contra o Toluca.

Mas, certamente, o resultado mais inusitado dessa primeira rodada foi a derrota do São Paulo para o The Strongest no Pacaembu por 1 a 0 pelo grupo 1. A equipe de Edgardo Baúza, após perder o clássico para o Corinthians no domingo, foi surpreendida pela equipe boliviana e, depois de perder inúmeras chances de gol, foi castigada pelo gol de Matías Alonso. Pela competição, o Tricolor terá parada indigesta pela frente na rodada seguinte, quando irá até Buenos Aires enfrentar o River Plate no Monumental de Núñez. Já o clube aurinegro medirá forças em casa com o Trujillanos, da Venezuela.

Com exceção do São Paulo, todos os brasileiros fizeram resultados que já era dentro do esperado. A derrota do Grêmio para o Toluca não foi nenhum absurdo, pois encarar os caras lá no México não é fácil. Além disso, o time gaúcho está no grupo mais complicado por tamanho equilíbrio entre as equipes. O que resta para o time do técnico Roger é vencer as partidas em casa e arrancar pelo menos um empate nos dois jogos fora que restam. O empate do Palmeiras não chega a ser catastrófico, mas não chega a ser satisfatório por conta da qualidade técnica do adversário. O alviverde tem todas as condições de passar de fase, só não pode perder pontos de bobeira, principalmente em casa. O Atlético Mineiro, por sua vez, é o grande favorito a terminar na liderança de seu grupo. Se fazer prevalecer a máxima em casa – o “caiu no Horto, tá morto!” -, o Galo não só avança, como poderá fazer uma das melhores campanhas para poder decidir em casa. O Corinthians também tem boas chances de fazer uma boa campanha, especialmente nos jogos que fará em casa. Teoricamente, o único time que pode fazer frente ao atual campeão brasileiro no grupo é o Santa Fé, principalmente na partida fora de casa que poderá definir o grupo. Mas, apesar de desconfigurado em relação ao time que terminou o Brasileirão, o Timão é favorito para ser líder do grupo. Mas, certamente, a maior decepção ficou por conta do São Paulo que conseguiu a proeza de perder para o fraco The Strongest em casa (ok, o Pacaembu não é bem a casa do Tricolor, mas não é na altitude de La Paz). Aliás, a vitória do The Strongest quebrou um tabu de 32 anos sem triunfos do clube aurinegro fora de casa pela Libertadores. Esse revés poderá custar caro ao time do Morumbi mais à frente.

Bom, passado a ansiedade e nervosismo da estreia, o que resta agora é torcer e secar o adversário.

Por Jorge Almeida

Corinthians: campeão brasileiro de 2015

Corinthians: campeão brasileiro com três rodadas de antecedência
Corinthians: campeão brasileiro com três rodadas de antecedência

O Corinthians é oficialmente e matematicamente o campeão brasileiro de 2015. O Timão empatou em 1 a 1 com o Vasco da Gama, em São Januário, na noite desta quinta-feira (19), na partida válida pela 35ª rodada do Brasileirão. Os gols da peleja saíram apenas no segundo tempo: Julio César abriu o marcador para os anfitriões e Vágner Love fez o gol de empate dos visitantes. O resultado, alinhado à vitória do São Paulo por 4 a 2 diante do Atlético Mineiro no Morumbi, permitiu que o time de Parque São Jorge conquistasse o título brasileiro com três rodadas de antecedência, uma vez que a diferença de pontos entre os dois principais postulantes ao caneco ficou em 12 pontos (77 a 65) sendo que, a partir de então, só restam nove em disputa. Essa é a sexta conquista do campeonato nacional pelo alvinegro, que, anteriormente, abocanhou as edições de 1990, 1998, 1999, 2005 e 2011.

Nos dez dias que separaram a vitória corinthiana diante do Coritiba e o duelo de ontem, o confronto entre Vasco e Corinthians foi encarado com uma final, mas com as duas equipes com objetivos bem distintos: enquanto o Timão queria consolidar o título antecipado, os cruzmaltinos precisavam desesperadamente da vitória para continuar firme na luta contra o rebaixamento. Muito se falou em clima de guerra por parte de alguns vascaínos e imprensa e torcida cravavam o Corinthians como o “campeão virtual” e que o título sairia, no mais tardar, no jogo contra o São Paulo. Uma vez que só uma tragédia tiraria o troféu do Parque São Jorge. Para perder o campeonato, o Corinthians precisaria deixar de marcar dois pontos em 12 que estavam em disputa e, ainda, o Atlético precisaria ganhar todas as quatro partidas restantes.

O primeiro tempo foi equilibrado e nervoso. Os corinthianos estavam ansiosos pela possibilidade em sair de São Januário com o grito de “é campeão!”, enquanto os vascaínos encaravam o duelo como uma questão de “vida ou morte”. Apesar de contar com os selecionáveis Cássio, Gil, Elias e Renato Augusto no time titular, o Corinthians deu espaço para a equipe cruzmaltina jogar. Assim, as primeiras chances de gol foram do Vasco. Aos 15, Cássio salvou com a perna um chute de Rafael Silva. Depois foi a vez de Riascos chutar fraco e permitir a fácil defesa do arqueiro corinthiano. As chances do Timão foram criadas no final da etapa inicial com Renato Augusto e Elias finalizando para fora, e Jadson tentou em cobrança de falta, mas Martín Silva deu leve desvio para escanteio.

No segundo tempo, a tensão tomou conta do jogo, especialmente por conta dos gols que começaram a sair na partida disputada no Morumbi. O Corinthians levou perigo com Rodriguinho, que aproveitou o corte parcial da zaga vascaína. Antes desse lance, o Vasco perdeu Rodrigo que foi expulso ao entrar com o pé erguido em cima de Malcom.

Mesmo com um a menos, o time da Colina, aos 26, tirou o zero do placar. Julio César trocou passes com Nenê e recebeu na frente para fazer 1 a 0. Enquanto isso, o Atlético estava à frente do placar. Com o resultado adverso, Tite colocou em campo o talismã Lucca no lugar de Elias. A mudança surtiu efeito, pois o camisa 30 perdeu duas oportunidades de cabeça. Aos 38 minutos, Vágner Love acionou Edílson pela direita, o lateral cruzou de três dedos na segunda trave, Lucca ajeitou de cabeça para o meio da pequena área e o camisa 99 cabeceou para empatar o jogo: 1 a 1.

Como a partida entre São Paulo e Atlético começou com alguns minutos de antecedência, o banco de reserva do Corinthians começou a comemorar a conquista faltando cerca de oito minutos para o fim do jogo. Isso porque viram que o Tricolor Paulista vencera o Galo, de virada, por 4 a 2. Então, foi só esperar o apito final de Anderson Daronco para começar a festa do hexa.

O Corinthians iniciou o Campeonato Brasileiro 2015 como uma incógnita. Depois de ter sido eliminado da Libertadores e do Campeonato Paulista, o time ainda tinha problemas relacionados a atraso de salários e ainda perdeu jogadores importantes como Guerrero, Emerson Sheik, Fábio Santos e Petros. Com todas essas intempéries, muitos apostaram que a equipe de Tite ficaria no meio da tabela, por uma vaga no G4 ou, ainda, para não cair. No entanto, o treinador, que tem os jogadores na mão, trabalhou e moldou o time e, a cada rodada, o Corinthians acreditou que a liderança, a vaga para a Libertadores e o título seria possível. E, na 18ª rodada, o Timão alcançou a liderança e não largou mais.

Na virada de turno, vieram as insinuações de que o alvinegro fora beneficiado pela arbitragem e isso, de acordo com o técnico Levir Culpi, “manchou o campeonato”, e muita gente embarcou nessa. Acusações falsas e infundadas, pois, como é de conhecimento de todo torcedor, a arbitragem no Brasil é péssima para todos desde quando Charles Miller introduziu o futebol nas terras tupiniquins no final do século XIX. Aliás, o comandante atleticano desmereceu o trabalho do colega Tite com afirmações do tipo. Os números da campanha corinthiana traduzem por si só: melhor ataque, melhor defesa, melhor saldo, a equipe que mais venceu fora e em casa, a que menos perdeu (três derrotas fora e apenas uma em sua arena), a mais disciplinada. Além disso, foi o clube que mais cedeu jogadores para a Seleção Brasileira nos dois últimos jogos das Eliminatórias: quatro, e ainda tem aquele que é apontado com o melhor jogador do campeonato: Renato Augusto.

Particularmente, acredito que o título do Corinthians começou a se concretizar na 31ª rodada, disputada em 18 de outubro. Até ali, a diferença de pontos entre o Timão e o Galo eram de apenas cinco pontos. No entanto, os paulistas golearam o Atlético Paranaense por 4 a 1 fora de casa e foi esse mesmo resultado que os mineiros sucumbiram diante do Sport Recife na Ilha do Retiro, e aí a diferença aumentou para oito pontos e foi mantida até a 33ª rodada quando as duas equipes se enfrentaram no Independência. Essa partida foi encarada pelos mineiros como uma “final antecipada”. Mas o Corinthians conseguiu segurar a equipe de Levir Culpi no primeiro tempo e na etapa final não tomou conhecimento do adversário: 3 a 0. Ali, o sonho do bicampeonato atleticano praticamente sucumbiu. Assim, a conquista do Brasileirão para o Corinthians era uma questão de tempo: se não fosse na 34ª rodada, poderia ser na seguinte ou ainda na 36ª. Com uma diferença considerável de pontos, o Galo praticamente jogou a toalha após a derrota em casa para o, agora, campeão.

Mas, como o campeonato ainda não acabou, o Corinthians fará o “jogo da entrega da taça” contra o São Paulo no próximo domingo na Arena Corinthians. O técnico Tite já afirmou que o capitão no Majestoso será o volante Ralf. Possivelmente, os jogadores que serviram o selecionado nacional nesta semana não enfrentarão o Tricolor.

O Corinthians mereceu o título por méritos e, assim, afirmo que o troféu está em boas mãos. Justo.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da partida que rendeu o título brasileiro ao Corinthians.

10/05/2015 – Cruzeiro 0x1 Corinthians – Arena Pantanal, Cuiabá (MT)
16/05/2015 – Corinthians 1×0 Chapecoense – Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
24/05/2015 – Fluminense 0x0 Corinthians – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
31/05/2015 – Corinthians 0x2 Palmeiras – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
03/06/2015 – Grêmio 3×1 Corinthians – Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
06/06/2015 – Joinville 0x1 Corinthians – Arena Joinville, Joinville (SC)
13/06/2015 – Corinthians 2×1 Internacional – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
20/06/2015 – Santos 1×0 Corinthians – Vila Belmiro, Santos (SP)
27/06/2015 – Corinthians 2×1 Figueirense – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
02/07/2015 – Corinthians 2×0 Ponte Preta – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
05/07/2015 – Goiás 0x0 Corinthians – Serra Dourada, Goiânia (GO)
09/07/2015 – Corinthians 2×0 Atlético (PR) – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
12/07/2015 – Flamengo 0x3 Corinthians – Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
18/07/2015 – Corinthians 1×0 Atlético (MG) – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
26/07/2015 – Coritiba 1×1 Corinthians, Couto Pereira, Curitiba (PR)
29/07/2015 – Corinthians 3×0 Vasco da Gama – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
09/08/2015 – São Paulo 1×1 Corinthians – Morumbi, São Paulo (SP)
12/08/2015 – Corinthians 4×3 Sport Recife – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
16/08/2015 – Avaí 1×2 Corinthians – Ressacada, Florianópolis (SC)
23/08/2015 – Corinthians 3×0 Cruzeiro – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
30/08/2015 – Chapecoense 1×3 Corinthians – Arena Condá, Chapecó (SC)
02/09/2015 – Corinthians 2×0 Fluminense – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
06/09/2015 – Palmeiras 3×3 Corinthians – Allianz Parque, São Paulo (SP)
09/09/2015 – Corinthians 1×1 Grêmio – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
13/09/2015 – Corinthians 3×0 Joinville – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
16/09/2015 – Internacional 2×1 Corinthians – Beira-Rio, Porto Alegre (RS)
20/09/2015 – Corinthians 2×0 Santos – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
27/09/2015 – Figueirense 1×3 Corinthians – Orlando Scarpelli, Florianópolis (SC)
04/10/2015 – Ponte Preta 2×2 Corinthians – Moisés Lucarelli, Campinas (SP)
15/10/2015 – Corinthians 3×0 Goiás – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
18/10/2015 – Atlético (PR) 1×4 Corinthians – Arena da Baixada, Curitiba (PR)
24/10/2015 – Corinthians 1×0 Flamengo – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
1º/11/2015 – Atlético (MG) 0x3 Corinthians – Independência, Belo Horizonte (MG)
07/11/2015 – Corinthians 2×1 Coritiba – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
19/11/2015 – Vasco da Gama 1×1 Corinthians – São Januário, Rio de Janeiro
22/11/2015* – Corinthians x São Paulo – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
29/11/2015* – Sport Recife x Corinthians – Arena Pernambuco, São Lourenço da Mata (PE)
06/12/2015* – Corinthians x Avaí – Arena Corinthians, São Paulo (SP)

FICHA TÉCNICA: VASCO DA GAMA 1×1 CORINTHIANS
Competição/fase: Campeonato Brasileiro 2015 – Série A / 35ª rodada
Local: Estádio de São Januário – Rio de Janeiro (RJ)
Data: 19 de novembro de 2015 – 22h (horário de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Assistentes: Alessandro Rocha de Matos (BA) e Fabiano da Silva Ramires (ES)
Cartões Amarelos: Rodrigo e Diguinho (Vasco); Jadson, Edílson e Lucca (Corinthians)
Cartão Vermelho: Rodrigo (Vasco)
Gols: Julio César, aos 26 min do 2º tempo; e Vágner Love, aos 36 min do 2º tempo
VASCO DA GAMA: 1.Martín Silva; 2.Madson, 3.Luan, 4.Rodrigo e 6.Julio Cesar; 8.Serginho, 5.Diguinho (14.Rafael Vaz), 7.Andrezinho e 10.Nenê; 9.Rafael Silva (22.Jorge Henrique) e 11.Riascos (17.Éder Luís). Técnico: Jorginho
CORINTHIANS: 12.Cássio; 33.Edílson, 28.Felipe, 4.Gil e 13.Guilherme Arana; 5.Ralf (25.Bruno Henrique), 7.Elias (30.Lucca), 8.Renato Augusto (26.Rodriguinho), 10.Jadson e 21.Malcom; 99.Vágner Love. Técnico: Tite

Parabéns ao Sport Club Corinthians Paulista pela conquista.

* Jogos a serem realizados

Por Jorge Almeida

 

Copa do Brasil terá clássicos locais e repetecos de decisões nas oitavas

Copa do Brasil: das 16 equipes que restaram, 10 já conquistaram a competição. Foto: Rafael Ribeiro/CBF
Copa do Brasil: das 16 equipes que restaram, 10 já conquistaram a competição. Foto: Rafael Ribeiro/CBF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) realizou nesta terça-feira (4) em sua sede o sorteio dos confrontos para as oitavas-de-final da Copa do Brasil 2015. A partir dessa fase, o torneio conta com a presença dos representantes brasileiros que disputaram a Libertadores – Cruzeiro, Atlético Mineiro, São Paulo, Corinthians e Internacional. As definições dos mandantes e das datas dos confrontos foram decididos no mesmo dia. Dentre os duelos, destaques para os clássicos estaduais entre Flamengo x Vasco; Corinthians x Santos, além do confronto entre os ex-Palestras: Palmeiras x Cruzeiro. As partidas dessa fase acontecerão nos dias 19 e 20 de agosto (os de ida) e 26 e 27 do mesmo mês, os da volta, evidentemente.

No pote 1, estavam os times que participaram da Copa Libertadores da América de 2015 mais o Fluminense (melhor classificado no Brasileirão 2014 que não disputou a competição sulamericana), além dos dois melhores times no ranking da CBF (Flamengo e Grêmio) que se classificaram da terceira fase. No pote 2, ficaram os outros oito times que classificaram da terceira fase. Para os jogos das oitavas, o sorteio determina os confrontos dos times do pote 1 contra o pote 2 e quais times decidirão o confronto em casa.

Antes do início do sorteio, o diretor de Competições da entidade, Manoel Flores, anunciou duas novidades para a atual edição do certame: os confrontos das quartas-de-final também serão definidos por sorteio e o gol fora de casa não será adotado no critério de desempate na decisão.

De acordo com o sorteio, Santos e Corinthians farão o clássico paulista das oitavas-de-final da Copa do Brasil. O duelo de alvinegros promete. O time da Vila Belmiro vai em busca da revanche pela eliminação da Libertadores 2012 diante do rival que, por sua vez, quer descontar a goleada sofrida pelo clube praiano no ano passado pelo Campeonato Paulista. O mando do primeiro jogo é do Santos, que não descarta a possibilidade de atuar no Pacaembu. Possivelmente, o Timão não abrirá mão de sua arena, em Itaquera, para o confronto decisivo.

Outro clássico estadual que acontecerá nessa fase da Copa do Brasil será realizado entre Flamengo e Vasco, que já decidiram a edição 2006 da competição – vencida pelo rubronegro. Mandante do primeiro jogo, a equipe da Gávea espera ter a mesma sorte que tivera na finalíssima disputada há nove anos. Já os cruzmaltinos, apesar de estarem em uma situação complicada na tabela do Brasileirão, acreditam que poderão repetir o desempenho que tiveram no “Clássico dos Milhões” realizado pela nona rodada do campeonato nacional.

Palmeiras e Cruzeiro fazem o “clássico dos Palestras”. As duas equipes já decidiram a mesma Copa do Brasil duas ocasiões (1996 e 1998) com um título para cada lado. A Raposa, que não está na mesma situação em relação ao ano passado quando liderava o Brasileiro a passos largos, está se reestruturando após um primeiro semestre desastroso para as suas pretensões terá páreo duro pela frente diante do alviverde que, apesar do tropeço da última rodada, está em formação e tem a seu favor uma pessoa que conhece como ninguém o time Celeste: o técnico Marcelo Oliveira, bicampeão brasileiro pelo Cruzeiro. O Palmeiras será o mandante do compromisso de ida, que, possivelmente, será realizado em sua nova arena.

O confronto entre Coritiba e Grêmio é o duelo dos opostos. Enquanto o Coxa luta para fugir do rebaixamento, o Tricolor dos Pampas, por sua vez, está em ascensão. Se histórico na competição fosse levado em conta no embate, o Grêmio levaria ampla vantagem, pois é detentor de quatro títulos enquanto o time paranaense acumula dois vice-campeonatos (2011 e 2012). O primeiro jogo, provavelmente, será realizado na Arena do Grêmio, na capital gaúcha.

São Paulo e Ceará será o único confronto das oitavas-de-final da Copa do Brasil 2015 que não terá uma equipe que tenha conquistado o torneio. No entanto, as duas equipes já “bateram na trave” ao amargarem um vice-campeonato: o Tricolor perdeu a decisão de 2000 para o Cruzeiro e o Vozão foi superado pelo Grêmio em 1994. Pela camisa e pelo momento que ambas equipes vivem na temporada, o São Paulo, mandante do jogo de ida, é o amplo favorito no duelo. Mas o Ceará tem a seu favor a história das “zebras” que sempre apareceu ao longo dos 26 anos da competição e, talvez, por fazer a segunda partida em casa, um bom resultado no Morumbi poderá fazer o time acreditar que é possível.

Atual campeão da competição, o Atlético Mineiro enfrentará o Figueirense. Líder do Campeonato Brasileiro no momento, o Galo vem forte no torneio e, apesar de deixar claro que o foco é conquistar o bicampeonato brasileiro, os comandados de Levir Culpi não descarta a possibilidade de abocanhar a Copa do Brasil também e, de quebra, repetir o feito do arquirrival Cruzeiro em 2003 quando esse faturou o torneio, mais o Brasileirão e o Campeonato Mineiro. Por outro lado, o Figueira vem como “franco atirador” e quer surpreender para, quem sabe, fazer o mesmo em 2007: chegar à decisão. O primeiro jogo terá mando do Atlético, logo, a possibilidade de ser no Independência é grande.

Campeão da Copa do Brasil de 2007, o Fluminense terá pela frente nessas oitavas-de-final o Paysandu. Terceiro colocado do BR-15, o Tricolor das Laranjeiras quer reviver os bons tempos e aposta na dupla Fred e Ronaldinho Gaúcho para chegar à Libertadores, seja via Brasileirão ou Copa do Brasil. Enquanto isso, o Papão espera surpreender o Brasil novamente como fizera em 2003 quando bateu o Boca Juniors em plena La Bombonera. Mas, os tempos são outros, e o Fluminense, que fará o primeiro duelo em casa, é o amplo favorito.

E, finalmente, Internacional e Ituano. O Colorado, que não conquista um título nacional há mais de 20 anos, encara a equipe de Itu, que entrou na competição credenciada pelo título paulista do ano passado. Considerado favorito para o duelo, O Inter será o mandante do primeiro jogo. O Galo acredita que pode surpreender o tricampeão brasileiro e crê também no histórico de zebras que a Copa do Brasil proporciona a cada ano.

Um fato que chamou atenção no evento realizado na sede da CBF foi quando uma das modelos que fazia o sorteio soltou a bolinha no momento em que seria definido o adversário do Flamengo. Segundo relatos, a moça pegou a bolinha, levou um susto ao ouvir um grito “cuidado, hein!” de um dos jornalistas que acompanhava o evento. Assim, ela teria se assustado e colocado a esfera no pote e pegou outra bolinha depois. O fato gerou controvérsias nas redes sociais.

Com os duelos determinados, as oito equipes que seguirem na competição participarão de um novo sorteio para definir o alinhamento do torneio até a decisão.

A seguir, como ficaram os jogos de ida e volta da Copa do Brasil, os mandantes estão do lado esquerdo.

Jogos de ida – dias 19 ou 20 de agosto:
Santos (SP) x Corinthians (SP)
Flamengo (RJ) x Vasco (RJ)
Palmeiras (SP) x Cruzeiro (MG)
Grêmio (RS) x Coritiba (PR)
São Paulo (SP) x Ceará (CE)
Atlético (MG) x Figueirense (SC)
Fluminense (RJ) X Paysandu (PA)
Internacional (RS) x Ituano (SP)

Jogos de volta – dias 26 ou 27 de agosto:
Corinthians (SP) x Santos (SP)
Vasco (RJ) x Flamengo (RJ)
Cruzeiro (MG) x Palmeiras (SP)
Coritiba (PR) x Grêmio (RS)
Ceará (CE) x São Paulo (SP)
Figueirense (SC) x Atlético (MG)
Paysandu (PA) x Fluminense (RJ)
Ituano (SP) x Internacional (RS)

É esperar para ver.

Por Jorge Almeida

Corinthians: campeão da Taça BH de Futebol sub-17 de 2015

Jogadores do Corinthians comemoram o título inédito da Taça BH. Foto: FMF/Divulgação
Jogadores do Corinthians comemoram o título inédito da Taça BH. Foto: FMF/Divulgação

Em uma decisão inédita, o Corinthians venceu o Flamengo por 2 a 1 na final da Taça BH de Futebol sub-17 na noite desta quarta-feira (29) na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG). Com dois gols do reserva Fabrício, enquanto Klebinho descontou para o rubronegro, o Timãozinho conquistou pela primeira vez o troféu da competição e confirmou a boa fase da categoria.

No primeiro tempo, disputado em 40 minutos, as duas equipes se respeitaram e erraram muito, o que fez com que as oportunidades de gols fossem raras. Não foi à toa que apenas os paulistas chegaram duas vezes à meta adversária, mas pararam no bom goleiro Gabriel.

E o que faltou de emoção na etapa inicial sobrou na complementar. Logo aos sete minutos, o reserva Fabrício (substituto de Bilu) acertou uma bela cobrança de falta e venceu Gabriel para fazer o primeiro gol da decisão.

Não demorou muito para os corinthianos comemorarem o segundo tento do certame. Em rápido contra-ataque pela direita, Léo Jabá cruzou rasteiro para a entrada da área e mais uma vez Fabrício apareceu e chegou chutando para ampliar a vantagem alvinegra.

Com o resultado adverso, o rubronegro carioca foi para cima, embora errassem bastante nas investidas ao ataque e ficava sujeito aos rápidos contragolpes do adversário, que não foram concluídas em gol. Até que aos 30 minutos, o Mengão quase diminuiu em cobrança de falta, mas Filipe fez ótima defesa. Na sequência do lance, a bola foi alçada na área e o pequenino Klebinho, de 1,62 de altura, fez de cabeça o gol flamenguista.

Precisando buscar o empate para levar a decisão para os pênaltis, o Flamengo foi para o abafa, mas o time comandado por Márcio Zanardi conseguiu segurar a vantagem e ficou à espera do apito final. Assim, pela primeira vez, o Corinthians leva a Copa BH de Futebol para São Paulo. Na história do torneio, o Timão havia sido vice-campeão em 1987.

Primeira fase (grupo 6):
12/07/2015 – Esportiva Guaxupé (MG) 0x7 Corinthians (SP) – Estádio Carlos Costa Monteiro, Guaxupé (MG)
14/07/2015 – Corinthians (SP) 4×0 Ponte Preta (SP) – Estádio Carlos Costa Monteiro, Guaxupé (MG)
16/07/2015 – Corinthians (SP) 0x1 Figueirense (SC) – Estádio Carlos Costa Monteiro, Guaxupé (MG)
18/07/2015 – Corinthians (SP) 3×0 Fluminense (RJ) – Estádio Carlos Costa Monteiro, Guaxupé (MG)
Oitavas-de-final:
21/07/2015 – Corinthians (SP) 1×0 Internacional (RS) – Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
Quartas-de-final:
24/07/2015 – Atlético (MG) (0)1×1(3) Corinthians (SP) – Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
Semifinais:
27/07/2015 – Corinthians (SP) 4×0 Avaí (SC) – Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)
Final:
29/07/2015 – Corinthians (SP) 2×1 Flamengo (RJ) – Arena do Jacaré, Sete Lagoas (MG)

FICHA TÉCNICA: CORINTHIANS (SP) 2×1 FLAMENGO (RJ)
Competição:
final da Copa BH de Futebol Sub-17 2015 (jogo único)
Local: Estádio Joaquim Henrique Moreira (Arena do Jacaré) – Sete Lagoas (MG)
Data: 29 de julho de 2015 – 19h (horário de Brasília
Árbitro: Jeferson Antônio da Costa (MG)
Assistentes: Augusto Magno Ramos (MG) e Samuel Henrique Soares Silva (MG)
Cartões Amarelos: Bilu e Filipe (Corinthians); Pepe (Flamengo)
Gols: Fabrício, aos 7 e aos 11 min do 2º tempo; Klebinho, aos 32 min do 2º tempo
CORINTHIANS (SP): 1.Filipe; 2.Samuel (21.Lucas Gabriel), 3.Antônio, 4.Léo Santos e 6.César; 5.Renan Areias, 15.Renan Guedes, 17.Moresche (16.Felipe), 10.Pedrinho (20.Caio)(13.Matheus Franca) e 18.Bilu (7.Fabrício); 11.Léo Jabá. Técnico: Márcio Zanardi
FLAMENGO: 1.Gabriel; 2.Klebinho, 3.Thuler, 14.Dantas e 5.Michael; 13.Bernardo (16.Jean Lucas), 8.Hugo (6.Theo) e 10.Pepê (21.Pablo); 7.Lucas Silva, 9.Matheus Iacovelli (18.Patrick) e 11.Antônio Carlos (19.Lucas Abreu). Técnico: Gilmar Silva de Oliveira

Por Jorge Almeida