Exposição “A Arte da Observação Urbana” no MIS

O Museu da Imagem e do Som (MIS) realiza até o próximo domingo a exposição “A Arte da Observação Urbana”, que apresenta uma seleção de 65 registros de cinco fotógrafos que fazem parte do Hikari Creative, um coletivo formado por Adriana Zehbrauskas, Ako Salemi, Eric Mencher, Marina Sersale e Q. Sakamak.

As imagens visam dar uma grandeza adequada para a importância das narrativas visuais, com imagens citadinas de lugares que vão desde Veneza até Nova York, passando por cidades e vilarejos, como San Miguel Allende, no México.

Os premiados fotógrafos, de diversas nacionalidades, apresentam suas produções em smartphones.

Cada fotógrafo registrou 13 imagens de uma localidade: Eric Mencher tirou fotos de São Miguel Allande, no México; no mesmo país Adriana Zehbrauskas captou imagens na capital, a Cidade do México; já Ako Salemi foi até o Teerã para fazer os seus retratos; enquanto Marina Sersale trouxe fotos de Veneza, na Itália; e, finalmente, Q. Sakamak que clicou registros de Nova York.

A exposição faz parte do especial Maio Fotografia no MIS 2017, projeto anual da instituição dedicado exclusivamente à fotografia.

SERVIÇO:
Exposição: A Arte da Observação Urbana
Onde: Museu da Imagem e do Som (MIS) – Avenida Europa, 158 – Jardim Europa
Quando: até 28/05/2017; de terça a sábado, das 12h às 20h, domingo, das 11h às 19h (com permanência de até uma hora após o último horário)
Quanto: R$ 6,00; R$ 3,00 (meia-entrada); entrada gratuita às terças

Por Jorge Almeida

Exposição “Avessos e Paradigmas” no MIS

Imagem de Maureen Bisillitat, que faz parte da mostra “Avessos e Paradigmas”, em exposição no MIS. Créditos: divulgação

O Museu da Imagem e do Som (MIS) apresenta até o próximo domingo, 28 de maio, a exposição “Avessos e Aventuras”, que traz cerca de 80 obras dos veteranos fotógrafos German Lorca, Maureen Bisilliat, Nair Benedicto e Penna Prearo, que exibem um resultado de um desafio proposto: o uso de câmeras de captura digital de telefones celulares.

Os ensaios feitos pelos experientes fotógrafos que, ao longo de suas respectivas carreiras, usufruíram de boa parte das mudanças tecnológicas impactantes das últimas décadas, assim como a migração das máquinas fotográficas analógicas para as modernas câmeras digitais, e essas transformações permitiu o pensar sobre o “fazer fotográfico”, o “fazer arte”, os meios e motivações de produzir imagens.

A não suposição de temas para os experimentos e a certeza plena do curador com o resultado como opção de elaboração autoral, na temporalidade do evento, são parte dos desafios a formatos hegemônicos da contemporaneidade, tornando a exposição uma novidade até mesmo para seus participantes.

Para esse projeto, o fotógrafo German Lorca (1922) apresentou “Retratos”, série composta por 15 imagens; já a inglesa radicada no Brasil Maureen Bisilliat trouxe “Tábuas de Histórias: Uma Noite no Ceagesp”, um conjunto de 28 fotos e dois vídeos captados principal mercado público de São Paulo; Nair Benedicto (1940), por sua vez, exibe “Apenas Mulher”, que traz 15 fotografias; e, finalmente, Penna Prearo (1940), que mostra a série “PeNNúltima Sessão”, que contém 18 imagens relacionadas a clássicos do cinema, como “Laranja Mecânica”, de Stanley Kubrick.

SERVIÇO:
Exposição: Avessos e Paradigmas
Onde: Museu da Imagem e do Som (MIS) – Avenida Europa, 158 – Jardim Europa
Quando: até 28/05/2017; de terça a sábado, das 12h às 20h, domingo, das 11h às 19h (com permanência de até uma hora após o último horário)
Quanto: R$ 6,00; R$ 3,00 (meia-entrada); entrada gratuita às terças

Por Jorge Almeida

Exposição “Malungas” no MIS

O Museu da Imagem e do Som exibe até o próximo domingo, 28 de maio, a exposição “Malungas”, que contém cinco obras de Ana Hupe composta por vídeo e sessão de retratos de mulheres latinas residentes em Berlim e de africanas que vivem em São Paulo convocadas pela artista através de uma chamada pública. A mostra foi selecionada para a Temporada de Projetos do Paço das Artes.

As mulheres convidadas para a sessão de retratos e da leitura de um texto para vídeos que compõem a exposição. De acordo com a Hupe, os registros foram inspirados em retratos feitos por fotógrafos estrangeiros, especialmente alemães, da corte e dos africanos escravizados no Brasil no século XIX. Os intitulados cartões de visita (fotografias de 9 cm por 6 cm) eram trocados e colecionados pela elite da época, e que a ideia dessa mostra é ampliar essa prática, porém, com as imigrantes de hoje.

A mostra traz também duas instalações: uma com projeções de latino-americanas que moram em Berlim lendo trechos de textos em alemão sobre a percepção de estrangeiros do século XIX a respeito da mulher brasileira, e de africanas residentes em São Paulo lendo sobre a perspectiva estrangeira da mulher africana. A segunda instalação é composta por fotogramas (frases e imagens feitas em papel fotográfico) e um áudio que alude à experiência da artista no sistema de trabalho alemão.

Para Priscila Arantes, diretora técnica do Paço das Artes, a exposição visa gerar reflexões em torno de temas urgentes. “Esta exposição coloca as mulheres migrantes e refugiadas como protagonistas, além de dar voz às minorias. Com esta mostra, esperamos colocar em debate a intolerância, o preconceito e a misoginia tão em voga em nossa sociedade”.

“Malunga” é uma palavra de origem africana, que significa “companheira de viagem” e foi criada pelos escravos que chegaram ao Brasil no mesmo barco para chamar suas novas famílias.

SERVIÇO:
Exposição:
Malungas
Onde: Museu da Imagem e do Som (MIS) – Avenida Europa, 158 – Jardim Europa
Quando: até 28/05/2017; de terça a sábado, das 12h às 20h; domingos, das 11h às 19h (com uma hora de permanência após o último horário)
Quanto: entrada gratuita (espaço expositivo térreo)

Exposição “Nova Fotografia | You Will Never Walk Alone” no MIS

Uma das imagens de Camila Svenson em exibição no MIS. Créditos: divulgação

O Museu da Imagem e do Som (MIS) está com a mostra “Nova Fotografia | You Will Never Walk Alone” em cartaz até o próximo dia 2 de abril. A exposição traz 15 fotografias de Camila Svenson que retratam jovens entre 15 e 17 anos feitas em uma vila na cidade de Húsavík, na Islândia, onde a fotógrafa aborda as conexões humanas, a vulnerabilidade e o pertencimento humano.

O trabalho foi feito durante uma residência artística realizada por Camila. O local retratado é uma comunidade pesqueira de dois mil habitantes no extremo norte do país. Húsavík tem apenas uma rua principal, a igreja luterana que se abre todos os domingos e uma lanchonete. E foi neste cenário pacato que, durante três meses, a fotógrafa conviveu com um grupo de jovens, e assim nasceu a série.

O título da série que, em português significa algo como “você nunca caminhará sozinho” vem de uma inscrição existente na parede do quarto de uma das jovens com quem conviveu – será que a expressão tem algo relacionado ao Liverpool FC?.

Criado em 2011, o Novo Fotografia é um projeto anual do Museu da Imagem e do Som que busca criar um espaço permanente para exposição de fotografias de artistas promissores que se distinguem pela qualidade e inovação do seu trabalho. A cada ano, seis séries de imagens são escolhidas por meio de convocatória e expostas no Museu.

SERVIÇO:
Exposição:
Nova Fotografia | You Will Never Walk Alone
Onde: Museu da Imagem e do Som (MIS) – Avenida Europa, 158 – Jardim Europa
Quando: até 02/04/2017; de terça a sábado, das 12h às 21h; domingo, das 11h às 20h
Quanto: entrada gratuita (espaço nicho)

Por Jorge Almeida

Exposição “Trofologia” no MIS

Parte do vídeo "Trofologia I" (2014), de Sérgio Vasconcelos, em exibição no MIS. Créditos: divulgação
Parte do vídeo “Trofologia I” (2014), de Sérgio Vasconcelos, em exibição no MIS. Créditos: divulgação

O Museu da Imagem do Som está com a mostra “Tropofogia”, de Sérgio Vasconcelos, em cartaz até o próximo dia 5 de março. A exposição, que norteia a simbologia dos alimentos, seu efeito no homem e a relação do ser humano com os animais, é a primeira da Temporada de Projetos do Paço das Artes 2017.

Com cinco vídeos e dez fotografias, a mostra remete à definição do termo “trofologia”, ciência que educa a restituir a saúde por meio da alimentação, a exemplo das videoperformances “Trofologia I, II, III e IV”, em que os atores “contracenam” com animais utilizados na alimentação humana.

Já em “Trofologia V”, onde dois atores simulam uma luta na presença de um juiz em um octógono e ganham um prêmio inusitado. Esse registro foi realizado na abertura da exposição, ocorrida no último dia 26 de janeiro.

Para cada uma dessas obras, Sérgio Vasconcelos propõe um regime específico para homem e animal, que compartilham o mesmo alimento.

Além da mostra de Sérgio Vasconcelos, a instituição exibirá, em 2017, o projeto curatorial de Thiago Souza com Jota Mombaça, e os projetos artísticos de Ana Hupe, Cristina Elias, Daniel Frota, Júlia Ayerbe, Juliana Kase, Pontogot, Renan Marcondes e Victor de La Roeque, selecionados pelo júri formado por Benjamin Serousai, Juliana Gontijo, Priscila Abrantes, Solange Farkas e Vinícius Sprieigo.

O acompanhamento mais minucioso da Temporada de Projetos pode ser feito por meio da plataforma digital MaPA, que reúne todos os artistas, críticos, curadores e membros do júri que passaram pelo programa e que, desde 2014, disponibiliza entrevistas em vídeo com artistas e curadores.

SERVIÇO:
Exposição:
Paço no MIS | Trofologia | Sérgio Vasconcelos
Onde: Museu da Imagem e do Som (MIS) – Avenida Europa, 158 – Jardim Europa
Quando: até 05/03/2017; de terça a sexta-feira, das 11h às 20h; sábados, das 10h às 21h; domingos e feriados, das 10h às 19h; No Carnaval: sábado (25/02), das 10h às 21h; domingo, segunda e terça-feira, das 11h às 19h; quarta-feira (01/03), das 12h às 20h
Quanto: entrada gratuita (térreo)

Exposição “Silvio Santos Vem Aí!” no MIS

O clássico microfone Sennheiser MD 405-T que acompanhou Silvio Santos por cerca de 50 anos em exibição no MIS. Foto: Isis Naura
O clássico microfone Sennheiser MD 405-T que acompanhou Silvio Santos por cerca de 50 anos em exibição no MIS. Foto: Isis Naura

O Museu da Imagem e do Som está a organizar a exposição “Silvio Santos Vem Aí!”, que homenageia um dos maiores comunicadores e empresários do Brasil, o carismático Silvio Santos. A mostra aborda sua trajetória com depoimentos, fotos, vídeos e materiais inéditos de seu acervo particular, além de retratar o império empresarial e televisivo que criou há quase 60 anos.

Silvio Santos, nascido no Rio de Janeiro como Senor Abravanel em 1930, fez história no rádio, na televisão e no meio empresarial. Em seus primeiros anos de vida adulta, o jovem Senor fora paraquedista do exército e camelô que vendia capinha para título de eleitor, conforme a mostra relata através de textos e imagens em preto e branco. Pouco tempo depois, passou a vender outros produtos nas barcas que fazia o trajeto Rio-Niterói.

Seu primeiro contato com o mundo da comunicação se deu através da Rádio Nacional e, depois, passou para a televisão, adaptando o formato dos shows, espetáculos e sorteio que fazia no circo, inclusive com a “Caravana do Peru que Fala”, que tinha entre seus destaques o ventríloquo manipulado por Humberto Simões na década de 1950. Paralelamente a isso, adquiriu do amigo Manoel da Nóbrega e de um alemão o Baú da Felicidade nos anos 1960.

A mostra destaca alguns dos programas apresentados por Silvio Santos, como os brinquedos expostos que faziam parte do programa “Boa Noite Cinderela” (1975), da TV Globo, que ainda traz um espaço com compactos de marchinhas de Carnaval gravadas pelo comunicador. Outros programas como “Troféu Imprensa”, “Qual É A Música?”, “Namoro na TV”, “Domingo no Parque”, “Porta da Esperança”, “Roletrando” e os clássicos “Show de Calouros”, “Topa Tudo por Dinheiro” e “Casa dos Artistas” também foram lembrados. Além de atrações que não foram apresentadas propriamente por Silvio Santos, como “Praça da Alegria”, “Bozo” e “Chaves” também são citados. Inclusive, pelo espaço expositivo, há vídeos com trechos de algumas atrações citadas.

A exposição traz também vídeos com depoimentos de artistas, especialmente do SBT, que destacam a importância de Silvio Santos, como Gugu Liberato, Nelson Rubens, Wagner Montes e Sergio Mallandro, entre outros. Além disso, há nomes de personalidades que tiveram importância vital na carreira de Silvio Santos, como Manoel da Nóbrega, Carlos Kherlakian, o inesquecível Lombardi, o inseparável Roque, o ilustre cabeleireiro Jassa, entre outros.

Em “Silvio Santos Vem Aí!”, o visitante poderá conferir também objetos que ilustram a trajetória do comunicador, como uma câmera RCA TK-30, uma TV Philco Hi-Fi e o marcante microfone Sennheiser MD405-T, utilizado por Silvio Santos entre a década de 1960 e 2015.

A exposição também traz interatividade, como a instalação que remete os microfones da Rádio Nacional e também o sofá clássico do programa “Boa Noite Cinderela”, e também o pião da casa própria e o sino do “Qual É A Música?”, e, ainda, um jogo interativo do programa “Roletrando”, atualmente chamado de “Roda a Roda” e o foguete de “Domingo no Parque”, onde o visitante adentra em uma cabine, põe um fone de ouvido e aciona na tela duas opções – sim e não -, enquanto do lado externo, às gargalhadas, o áudio com a voz de Silvio perguntando coisa do tipo: “quer trocar uma geladeira nova por um rato? Sim ou não?”. Nesta última, antes de entrar na cabine, pede-se endereço eletrônico da pessoa que, depois, recebe um email com fotos de sua participação na atração.

A mostra destaca também a candidatura de Silvio Santos para a Presidência da República, em 1989, mas por conta de uns trâmites burocráticos, o empresário não pode concorrer ao pleito.

Já, em direção à saída do museu, ainda há trechos e uma grande imagem do desfile da Escola de Samba Tradição, do Rio de Janeiro, que homenageou o apresentador no Carnaval de 2001 com o enredo “Hoje É Domingo, É Alegria. Vamos Sorrir e Cantar!”, de Lourenço e Adalto Magalha, com direito à presença do próprio Silvio Santos, como destaque em um carro alegórico, além de outros artistas do SBT.

A exposição é dividida em aproximadamente 30 áreas que contam a trajetória profissional de Silvio Santos e a evolução do sistema de rádio e televisão brasileiros por meio de 400 itens em uma espécie de linha do tempo.

Elaborada e concebida pelo próprio MIS, a mostra que homenageia um dos maiores ícones da comunicação de todos os tempos, é um deleite para quem quer conhecer com detalhes o lado pessoal, empresário e do comunicador, e constatar que não é à toa que Silvio Santos é um dos nomes mais admirados do país ao longo dos últimos 50 anos.

Essa é uma daquelas exposições que podem ser avaliadas nos cadernos e guias culturais com cinco estrelas, ótima ou, ainda, imperdível.

SERVIÇO:
Exposição:
Silvio Santos Vem Aí!
Onde: Museu da Imagem e do Som (MIS) – Avenida Europa, 158 – Jardim Europa
Quando: até 12/03/2017; de terça a sexta, das 11h às 20h; das 10h às 21h, aos sábados; e das 10h às 19h, aos domingos e feriados; a bilheteria abre uma hora antes da visitação
Quanto: R$ 12,00 (inteira); R$ 6,00 (meia) – ingressos na recepção; R$ 30,00 + taxas – ingresso antecipado online sem filas de quarta a sábado; entrada gratuita às terças-feiras, sujeito à disponibilidade de ingressos

Por Jorge Almeida

Exposição “Nova Fotografia | Beleza americana” no MIS

Um dos nove registros de Paula Clerman em exposição no MIS. Crédito: divulgação
Um dos nove registros de Paula Clerman em exposição no MIS. Crédito: divulgação

O Museu da Imagem e do Som (MIS) realiza até o próximo dia 29 de janeiro a exposição “Nova Fotografia | Beleza americana”, que apresenta um conjunto de nove imagens da fotógrafa Paula Clerman. Os registros são resultados de uma pesquisa da artista que discute os padrões de beleza e comportamento da sociedade norte-americana, sob um olhar brasileiro.

Formada em administração de empresas pela FAAP, Paula Clerman optou como colocação do ensaio fotográfico a praia, ambiente no qual se demarcam espaços transitórios de extensão da casa das pessoas, onde parte da intimidade e da cultura de cada um é despontada por meio da construção destes microespaços.

A exposição de Paula Clerman foi a última do programa Nova Fotografia 2016 – que selecionou seis novos talentos da fotografia para exposição no MIS durante o ano passado.

Criado em 2011, o Novo Fotografia é um projeto anual do Museu da Imagem e do Som que busca criar um espaço permanente para exposição de fotografias de artistas promissores que se distinguem pela qualidade e inovação do seu trabalho. A cada ano, seis séries de imagens são escolhidas por meio de convocatória e expostas no Museu.

SERVIÇO:
Exposição: Nova Fotografia | Beleza Americana
Onde: Museu da Imagem e do Som (MIS) – Avenida Europa, 158 – Jardim Europa
Quando: até 29/01/2017; de terça a sábado, das 12h às 20h; domingos e feriados, das 11h às 19h
Quanto: entrada gratuita (foyer)

Por Jorge Almeida