Estão abertas as inscrições para o 33º Prêmio Design Museu da Casa Brasileira

Imagem: Stephanie Mathias de Souza | ESPM | Orientação: Marise de Chirico e Lara Wollmer

 

Os interessados poderão se inscrever nas categorias Produtos e Trabalhos Escritos até o dia 03 de julho pelo site http://www.mcb.org.br

O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, gerido em parceria pelo Governo do Estado de São Paulo e a Sociedade Civil por meio da A Casa Museu de Artes e Artefatos Brasileiros, abre inscrições para o 33º Prêmio Design MCB. Os interessados em concorrer nas categorias Produtos (Construção, Eletroeletrônicos, Iluminação, Mobiliário, Têxteis, Transportes, Utensílios) e/ou Trabalhos Escritos (Publicados e Não Publicados) poderão se inscrever até o dia 03 de julho pelo site do MCB.

“A premiação, realizada desde 1986, tem como objetivo principal reconhecer a excelência do design brasileiro, valorizar a atuação dos profissionais e, consequentemente, incentivar e fortalecer a área”, explica Miriam Lerner, diretora geral do Museu, que aproveita para comunicar alterações. “Estamos provendo mudanças na premiação; na edição de 2019 as categorias de protótipos serão eliminadas e, para o próximo ano, uma nova estrutura será implantada”, anuncia.

Para avaliar os trabalhos, o Prêmio Design contará com duas comissões julgadoras. Na categoria Produtos, pelo segundo ano consecutivo a coordenação será por Levi Girardi, designer formado pela FAAP-SP, CEO e sócio fundador do estúdio de design e inovação Questtonó, com sedes em São Paulo, Rio de Janeiro e Nova York. A avaliação se dará em duas fases: na primeira, os concorrentes devem enviar pelo sistema de inscrição as imagens dos projetos, memorial descritivo e detalhamento técnico; aqueles selecionados pela comissão julgadora deverão entregar para a segunda fase um exemplar físico para análise, sendo que este ano só poderão ser inscritos projetos desenvolvidos nos últimos 5 anos.

Para coordenar a categoria Trabalhos Escritos, cujo tema central é ligado ao campo do design, este ano o Prêmio receberá Teresa Riccetti, docente e pesquisadora da Universidade Presbiteriana Mackenzie, no curso Design e doutora em Ciências pela UNIFESP, mestre em Arquitetura e Urbanismo pela FAU-USP e, no período de 1990/91, foi membro da equipe de designers do Laboratório Brasileiro de Design – LBDI/CNPq (Florianópolis, SC). É vice-líder do grupo de pesquisa: Design, Teoria e Projeto; atua na área do design de produtos com ênfase no mobiliário e paisagem doméstica.

Os Trabalhos Escritos serão avaliados em uma única fase: após a leitura criteriosa de cada um, os jurados se reunirão para discutir e avaliação final. A modalidade de ‘Trabalhos Escritos Publicados’ analisará obras em formato livro impresso, em primeira edição, nos últimos 3 anos, obrigatoriamente com ISBN e Ficha Catalográfica presentes na publicação, cujos direitos autorais pertençam ao participante ou que possuam devida autorização. Já em ‘Trabalhos Escritos Não Publicados’ considerará trabalhos de pós-graduação stricto sensu (dissertações, teses e livre-docência) apresentadas nos últimos 3 anos.

Inscrições
O regulamento está disponível no site do MCB e as inscrições deverão ser feitas até o dia 03 de julho, também pelo site. O participante poderá concorrer em quantas categorias desejar, com diferentes trabalhos, e a autoria dos projetos pode ser individual ou em grupo de até 15 pessoas. A taxa de inscrição é R$ 91,00 – com desconto de 50% para estudantes e Amigos do MCB e 20% para anunciantes e leitores da Revista L+D e associados da Abedesign.

Resultado e premiação
O resultado do concurso será divulgado no dia 23 de outubro. O primeiro lugar de cada categoria de Produtos e de Trabalhos Escritos Publicados será premiado com o valor bruto de R$ 6 mil e o vencedor na modalidade de Trabalhos Não Publicados receberá o valor bruto de R$ 2 mil. Além dos vencedores, premiados e menções honrosas, participarão da exposição do 33º Prêmio Design MCB outros trabalhos selecionados pelo júri, a peça vencedora do Concurso do Cartaz, os dois segundo lugares e 43 cartazes selecionados pelo júri no Concurso do Cartaz, realizado em abril. A exposição abrirá no dia 23 de novembro de 2019, com visitação até 02 fevereiro de 2020.

Concurso do Cartaz
O Concurso do Cartaz para a 33ª edição do Prêmio Design MCB recebeu neste ano 428 inscrições, com participantes de 18 estados, e teve como vencedor o trabalho de Stephanie Mathias de Souza, da ESPM São Paulo e orientação das professoras Marise de Chirico e Lara Wollmer.  O concurso vem sendo realizado anualmente de forma contínua pela instituição, como forma de incentivar a produção e o debate sobre essa peça gráfica e procurar restaurar sua centralidade nas campanhas divulgação.

A mostra do Concurso do Cartaz acontecerá em novembro, junto à exposição do 33ª Prêmio Design MCB, e contará com a participação do público em votação popular. Os visitantes da exposição receberão uma cédula para votar no cartaz favorito.

SERVIÇO:
33º Prêmio Design MCB
Inscrições: 07 de maio a 03 de julho pelo site http://www.mcb.org.br
Taxa de inscrição: R$ 91. Desconto de 50% para estudantes e Amigos do MCB e 20% para parceiros.
Resultado: pelo site http://www.mcb.org.br
Realização: MCB
Apoio: Senac SP, Abedesign, Revista L+D

Sobre o Prêmio Design MCB
O Prêmio Design MCB é realizado desde 1986 pelo Museu da Casa Brasileira. A premiação revela talentos e consagra profissionais e empresas. O Prêmio é dividido em dois momentos principais: o Concurso do Cartaz e, em seguida, a premiação dos produtos e trabalhos escritos. Entre maio e julho, o MCB recebe criações nas categorias: Construção, Transporte, Eletroeletrônicos, Iluminação, Mobiliário, Têxteis, Utensílios e Trabalhos Escritos. Os inscritos são analisados por duas comissões julgadoras independentes, uma para as categorias de Produto e outra para Trabalhos Escritos. Por fim, são escolhidos os premiados, divididos entre 1º, 2º e 3º lugares e menções honrosas, além dos selecionados que também compõe a exposição. Como resultado do Prêmio Design MCB, o Museu realiza uma mostra com os vencedores e selecionados de cada categoria da edição, que fica em cartaz por cerca de dois meses.

Sobre o MCB
O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, dedica-se à preservação e difusão da cultura material da casa brasileira, sendo o único museu do país especializado em arquitetura e design. A programação do MCB contempla exposições temporárias e de longa duração, com uma agenda que possui também atividades do serviço educativo, debates, palestras e publicações, contextualizando a vocação do museu para a formação de um pensamento crítico em temas como arquitetura, urbanismo, habitação, economia criativa, mobilidade urbana e sustentabilidade. Dentre suas inúmeras iniciativas, destacam-se o Prêmio Design MCB, principal premiação do segmento no país, realizado desde 1986; e o projeto Casas do Brasil, de resgate e preservação da memória sobre a rica diversidade do morar no país.

VISITAÇÃO
De terça a domingo, das 10h00 às 18h00
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada) | Crianças até 10 anos e maiores de 60 anos são isentos | Pessoas com deficiência e seu acompanhante pagam meia-entrada
Gratuito aos finais de semana e feriados
Acessibilidade no local
Bicicletário com 40 vagas | Estacionamento pago no local
Visitas orientadas: (11) 3026.3913 | agendamento@mcb.org.br | http://www.mcb.org.br

Informações para a imprensa – Museu da Casa Brasileira
Suzana Gnipper – (11) 3026-3910 | comunicacao@mcb.org.br
Jaqueline Caires – (11) 3026-3900 | analistacomunicacao@mcb.org.br
Informações para a imprensa – Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo
Stephanie Gomes – (11) 3339-8243 | stgomes@sp.gov.br

Créditos: Jaqueline Caires – Museu da Casa Brasileira

Anúncios

Museu da Casa Brasileira inaugura a exposição ‘Em Cartaz – design gráfico para eventos de design’

Créditos: divulgação

Cerca de 50 cartazes dos eventos mais importantes do design brasileiro estarão expostos a partir do dia 30 de março, sábado – Abertura às 14h00, entrada gratuita

O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, gerido pela Sociedade Civil por meio da A Casa Museu de Artes e Artefatos Brasileiros, traz para as salas expositivas a exposição ‘Em Cartaz – design gráfico para eventos de design’, que apresenta uma retrospectiva histórica de cartazes de alguns dos eventos mais importantes do design brasileiro. A abertura acontece no dia 30 de março, sábado, às 14h00, com entrada gratuita.

‘Que design gráfico foi projetado para cartazes de eventos de design?’. Foi essa a pergunta norteadora que baseou os curadores Débora Buonano e Marcos da Costa Braga na seleção das peças que constituem a mostra no MCB. Os cartazes foram escolhidos dentre as centenas de impressos que integram o acervo do colecionador e designer Auresnede Pires Stephan.

“Raridade, representatividade, importância histórica e qualidade do design gráfico guiaram nosso olhar. Coincidência ou não, a maioria das autorias, posteriormente identificadas, revelaram nomes de designers reconhecidos pela qualidade de seus trabalhos”, comentam os curadores.

Os cerca de 50 cartazes selecionados para a exposição foram organizados em três tipos de eventos: encontros, prêmios e mostras; cada um deles expressa linguagens visuais variadas e abrange desde o foco na comunicação concisa e objetiva, até a ênfase na expressividade da cor e da forma. A intenção é não só tornar possível a promoção do resgate da memória gráfica desses eventos, mas também proporcionar um espaço para reflexões.

“Com essa exposição, estamos dando o primeiro passo a fim de compartilhar e dar visibilidade desta produção gráfica ao grande público e aos estudiosos da história do design. Que seja a primeira de muitas outras, pois iconografia e documentos destes últimos 40 anos não faltam”, finaliza o colecionador Auresnede Pires Stephan.

A mostra é mais uma ação do Museu da Casa Brasileira na promoção do resgate da importância do cartaz enquanto peça gráfica central nas campanhas de divulgação. Nesse mesmo sentido, o MCB promove há mais de 20 anos o Concurso do Cartaz para cada edição anual de seu Prêmio Design, assim como uma extensa agenda de cursos, oficinas, exposições, lançamentos de livros e palestras sobre o tema.

Sobre Marcos da Costa Braga
Graduado em Design (1985) pela UFRJ e doutor em História Social pela Universidade Federal Fluminense (2005), Marcos atualmente é professor do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto da FAU–USP e é membro do grupo de pesquisa História, Teoria e Linguagens do Design do LabVisual da FAU–USP. É membro do Conselho de Orientação Cultural do Museu da Casa Brasileira e do corpo de avaliadores dos periódicos científicos Estudos em Design, Revista Arcos, Educação Gráfica (Brasil) e RChD creación y pensamiento (Chile). Autor de vários artigos e livros sobre história do design no Brasil e um dos coordenadores da coleção de livros ‘Pensando o Design’, também organizou o livro ‘O Papel Social do Design Gráfico’ e a série de livros ‘História do Design no Brasil’. Coordenou o júri de trabalhos escritos do Prêmio Design do Museu da Casa Brasileira em 2013 e 2014. Tem experiência profissional em Desenho de Produto e Programação Visual e suas principais linhas de pesquisa são história do design no Brasil e memória gráfica.

Débora Gigli Buonano
Mestre e doutora em Educação Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atua como professora de História da Arte e História do Design, no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo e Universidade São Judas. Foi professora colaboradora na disciplina de História do Design na FAU-USP. Atuou profissionalmente na Pinacoteca do Estado de São Paulo e MASP. Foi bolsista da Fundação Vitae na National Gallery of Art Washington-DC.

Sobre Auresnede Pires Stephan
Graduado em Desenho Industrial pela FAAP (1970), bacharel em Propaganda pela ESPM (1970), mestre em Arte, Educação e Cultura pelo Mackenzie (2007) e doutorando em Design pela FAU USP (2015-2019), Auresnede atualmente é professor no curso de Moda da Faculdade Santa Marcelina, ESPM e IED-SP. Já foi jurado de diversas edições do Prêmio Design MCB, além de ter participado do júri do Prêmio IDEA, Prêmio Abilux, e da identidade visual da 5ª Bienal Brasileira de Design. Também foi consultor em três edições do Desafio Odebrecht-Braskem-Tramontina de Design, quatro edições do Prêmio Sebrae-Minas, Prêmio Tok&Stok de Design Universitário (2005 – atual), além de curador adjunto da 1ª e 2ª Bienal Brasileira de Design (São Paulo e Brasília), curador da Mostra Jovens Designers em todas as 6 edições ADP (Associação de Designers de Produto) e de integrar o Conselho Administrativo do Museu da Casa Brasileira. Coordena também a Coletânea 10 Cases do Design Brasileiro pela Blücher.

Sobre MCB
O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, dedica-se à preservação e difusão da cultura material da casa brasileira, sendo o único museu do país especializado em arquitetura e design. A programação do MCB contempla exposições temporárias e de longa duração, com uma agenda que possui também atividades do serviço educativo, debates, palestras e publicações contextualizando a vocação do museu para a formação de um pensamento crítico em temas como arquitetura, urbanismo, habitação, economia criativa, mobilidade urbana e sustentabilidade. Dentre suas inúmeras iniciativas, destacam-se o Prêmio Design MCB, principal premiação do segmento no país, realizado desde 1986; e o projeto Casas do Brasil, de resgate e preservação da memória sobre a rica diversidade do morar no país.

SERVIÇO:
Museu da Casa Brasileira
Exposição: ‘Em Cartaz – design gráfico para eventos de design’
Abertura: 30 de março, sábado, às 14h00
Entrada gratuita
Visitação até 09 de junho de terça a domingo, das 10h00 às 18h00
Endereço: Av. Faria Lima, 2705 – Jardim Paulistano, São Paulo
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada) | Crianças até 10 anos e maiores de 60 anos são isentos | Pessoas com deficiência e seu acompanhante pagam meia-entrada
Gratuito aos finais de semana e feriados
Acessibilidade no local
Bicicletário com 40 vagas | Estacionamento pago no local
Tel.: (11) 3032-3727

Informações para a imprensa – Museu da Casa Brasileira
Suzana Gnipper – (11) 3026-3910 | comunicacao@mcb.org.br
Jaqueline Caires – (11) 3026-3900 | analistacomunicacao@mcb.org.br
Alana Cartoci Gardin – (11) 3026-3900 | estcomunicacao@mcb.org.br

Informações para a imprensa – Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo
Stephanie Gomes – (11) 3339-8243 – stgomes@sp.gov.br

Créditos: Alana Gardin – Museu da Casa Brasileira

 

Exposição “32º Prêmio Design Museu da Casa Brasileira” no Museu da Casa Brasileira

“Gamefish”, projeto vencedor na categoria transportes. Foto: Jorge Almeida

O Museu da Casa Brasileira realiza até o próximo dia 10 de fevereiro, domingo, a exposição “32º Prêmio Design Museu da Casa Brasileira”, que reúne cerca de 120 projetos, entre premiados e selecionados, nas categorias utensílios, mobiliário, iluminação, têxteis, entre outros.

Criado em 1986, o prêmio chega à sua 32ª edição e, desde então, tem valorizado a atuação dos profissionais de desing junto à indústria brasileira, além de revelar talentos de todo o Brasil e consagrar profissionais e empresas.

Para a edição de 2018, foram analisados 663 trabalhos, que foram avaliados por uma comissão julgadora formada por 16 especialistas que atuam no campo acadêmico e no mercado. A coordenação ficou por conta de Levi Girardi, design formado pela FAAP, CEO e sócio-fundador do estúdio de design e inovação Questtonó.

Além dos projetos, a mostra também apresenta o Concurso do Cartaz 2018, que teve 424 peças inscritas, com 90 selecionados para a exposição, dez destaques e um vencedor – a do designer Celso Hartkopt Lopes Filho, de Recife (PE).

Entre os (tantos) destaques, merecem atenção “Gamefish” (foto), de Jean Gilbert Dupont, que ficou com o primeiro lugar na categoria transportes; “Leveza – Cores e Formas da Mata Atlântica”, de Luciano Fonseca Pinheiro, primeiro na categoria têxteis; “Caixa Térmica 32 L”, produzida pela Termolar, vencedor da categoria utensílios; e “Máquina de Lavar Roupas 15 kg Double Wash”, produzida pela Whirlpool Corporation no Brasil, primeiro lugar na categoria eletroeletrônicos.

SERVIÇO:
Exposição: 32º Prêmio Design Museu da Casa Brasileira
Onde: Museu da Casa Brasileira – Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2705 – Jardim Paulistano
Quando: até 10/02/2019; de terça a domingo, das 10h às 18h
Quanto: R$ 7,00; R$ 3,50 (meia-entrada); entrada gratuita a maiores de 60 anos, menores de 10 anos e para o público em geral aos sábados e domingos

Por Jorge Almeida

Exposição “Design na Aviação Brasileira” no Museu da Casa Brasileira

Exposição destaca a história do design da aviação brasileira no Museu da Casa Brasileira. Foto: Jorge Almeida

O Museu da Casa Brasileira (MCB) está com a exposição “Design na Aviação Brasileira” em cartaz até o próximo domingo, 20 de agosto, e apresenta desde os desenhos de balão de ar quente do Padre Bartolomeu de Gusmão (1685-1724), o “padre voador”, os trabalhos de Santos Dumont (1873-1932) até o design aeronáutico contemporâneo desenvolvido pela Embraer.

A instituição apresenta a natureza de criação do design nacional para elementos concebidos para voar. O museu traz, através da mostra design na aviação brasileira, o caso de sucesso da Embraer S.A., que apostou, desde sua fundação em 1969, no possível inovador da engenharia e da criatividade nacional.

Projetado para competições mundiais de voo a vela, o planador Urupema já aparece exposto no portão do museu. Já no jardim do espaço há presença de dois modelos em tamanho real: o A-29 Super Tucano (EMB 314) e a Máquina de Voar de Leonardo da Vinci, construída especialmente para a mostra para ser testada pelo público, acionando as asas a partir dos pedais.

Na entrada do MCB, o público pode conferir uma linha do tempo que apresenta a história da aviação com 62 miniaturas de modelos tridimensionais que cobrem o período entre 1709 a 2017, incluindo modelos de aviões desenvolvidos por iniciativas autônomas e outras empresas, além das séries criadas pela Embraer.

A primeira sala exibe o processo de projeto das aeronaves, desde os esboços iniciais dos aviões feitos em papel vegetal até os sistemas virtuais, incluindo vídeos de ensaios, modelos e documentação fotográfica.

A sala do lado está exposta peças em tamanho real, ajustando elementos de aeronaves com modelos menores do avião completo, e também com grandes imagens de linhas de montagem.

A visita é complementada com uma experiência de realidade virtual por meio de projeção e um simulador que propicia explorar o espaço interno do modelo KC-390, o novo avião militar multimissão da Embraer.

Dentre as principais atrações da mostra estão o “Trem de pouso da aeronave ERJ 145 (1995), da Embraer, “Bimotor turboélice da aeronave EMB 110 Bandeirante” (1972); além de “Ensaio de seção de fuselagem de aeronave comercial regional” e um vídeo com a entrevista realizada pelo Engenheiro Ozires Silva, fundador da Embraer, feita em 2016.

SERVIÇO:
Exposição: Design na Aviação Brasileira
Onde: Museu da Casa Brasileira (MCB) – Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2705 – Jardim Paulistano
Quando: até 20/08/2017; de terça a domingo, das 10h às 18h
Quanto: R$ 10,00; R$ 5,00 (meia-entrada); entrada gratuita para maiores de 60 anos e menores de dez anos; entrada gratuita ao público em geral aos sábados e domingos

Por Jorge Almeida

Exposição “Primeiras Impressões” no Museu da Casa Brasileira

Xilogravura ilustrando Mundus novus Augsburgo, 1505. Foto: Jorge Almeida

O Museu da Casa Brasileira realiza até o próximo dia 13 de agosto, domingo, a exposição “Primeiras Impressões”, que exibe ilustrações do livro “Grandes Viagens”, com relatos de Hans Staden, e é baseada também na obra “Oito viagens ao Brasil”, do designer Gustavo Piqueira.

Na abertura de um folheto de 1505, que reproduz Mundus novus, carta que especulava-se ter sido composta pelo navegador Américo Vespúcio, consta a impressão da primeira representação visual conhecida do Brasil. Na ilustração, em xilogravura, tirando as imagens dos bebês de colo, os demais aparecem vestidos como uma saia de penas, traje inexistente em qualquer circunscrição dos habitantes originais da costa brasileira, mas que ficaram caracterizados na iconografia do oriundo da época. Logo, essa imagem foi a primeira de uma longa série de distorções que remataram em instituir a imagem do Brasil em seus primeiros séculos de existência. E é justamente sob este aspecto que a exposição analisa.

A mostra, que introduz o tema da questão da criação da imagem do Brasil por meio de reproduções de gravuras históricas e ampliações em grande formato, é baseada no livro do designer Gustavo Piqueira, “Oito viagens ao Brasil”.

O conteúdo da exposição (e do livro) traz e discute o intricado conflito da indústria, arte e códigos culturais vigorantes que originaram ao surgimento da imagem do Brasil. Uma mistura de romances de cavalaria, tensões religiosas, bestiários medievais, interesses econômicos e, especialmente, parâmetros produtivos da então rudimentar indústria do livro, cuja estabilização aconteceu praticamente junto com a chegada dos europeus à América e preenchia sua prática editorial com costumes que nos dias atuais seriam impossíveis, como rearranjar pessoas em uma ilustração ou repetir a mesma imagem em textos diferentes. O primeiro livro sobre o Brasil, publicado em 1554 intitulado “Duas viagens ao Brasil”, traz o relato do alemão Staden e teve edições diferentes, com ilustrações de elefantes, Jesus crucificado ou turcos otomanos.

Enquadrando o conteúdo da mostra, grandes ampliações do volume três das Grandes Viagens, a coleção de descrições sobre o Novo Mundo publicada pelo belga Theodor de Bry que, ao reler as xilogravuras originais do livro da Hans Staden em animadas e explícitas gravuras em cobre, materializou a imagem do Brasil em seu primeiro século após o desembarque de Cabral.

Gustavo Piqueira criou a caixa “Oito viagens ao Brasil”, que contém oito livros em que cada um apresenta a sua própria combinação entre antigo e contemporâneo, história e ficção e linguagem visual e escrita. Em seu interior, há um livro-objeto com diversas peculiaridades, como uma narrativa com colagens sobre fotografias oficiais de presidentes e imperadores do Brasil; textos originais de Hans Staden ilustrados por fotografias contemporâneas de Ubatuba, entre outras coisas.

SERVIÇO:
Exposição:
Primeiras Impressões
Onde: Museu da Casa Brasileira – Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2705 – Jardim Paulistano
Quando: até 13/08/2017; de terça a domingo, das 10h às 18h
Quanto: R$ 10,00; R$ 5,00 (meia-entrada); entrada gratuita para menores de 10 anos, maiores de 60 anos e para o público geral aos sábados, domingos e feriados

Exposição “Design Mirim” no Museu da Casa Brasileira

Alguns brinquedos em miniatura da coleção de Sérgio Campos no Museu da Casa Brasileira. Foto: Isis Naura
Alguns brinquedos em miniatura da coleção de Sérgio Campos no Museu da Casa Brasileira. Foto: Isis Naura

A exposição “Design Mirim” segue em cartaz no Museu da Casa Brasileira até o próximo domingo, 16 de outubro, e apresenta miniaturas do mobiliário e objetos de uso cotidiano. Os objetos são brinquedos históricos da coleção de Sérgio Campos.

A mostra apresenta cerca de 100 itens originais do equipamento doméstico voltados às crianças da casa moderna brasileira, em especial o período de 1920 a 1970. Os brinquedos eram feitos com a intenção de mostrar às crianças o mundo dos adultos, como uma espécie de prólogo à maturidade.

Boa parte dos itens, especialmente as mini cadeiras e mini poltronas, foram criados e produzidos por relevantes representantes do design moderno brasileiro, como Abraham Palatnik, Lina B oBardi, José Zanine Caldas, entre outros.

Os brinquedos apresentados vão desde peças simples, que eram comercializadas em feiras-livres e quitandas, por exemplo, até brinquedos e cadeiras mais sofisticados e comercializados em magazines especializados. Além de mesas e cadeiras em miniaturas, a mostra traz também jogos de mesa, utensílios de cozinha e carrinhos. Aliás, todos de fabricação nacional, produzidos por empresas como Brinquedos Estrela e a Metalúrgica Matarazzo.

Entre os destaques está uma miniatura de um Puma (carrinho).

SERVIÇO:
Exposição: Design Mirim
Onde: Museu da Casa Brasileira – Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2705
Quando: até 16/10/2016; de terça a domingo, das 10h às 18h
Quanto: R$ 7,00; R$ 3,50 (meia-entrada); maiores de 60 anos e menores de 10 anos estão isentas; entrada gratuita para o público em geral aos sábados, domingos e feriados

Por Jorge Almeida

Exposição “Hugo França: Escalas em Contraste” no Museu da Casa Brasileira

"Namorada Tepirapá" (2012), de Hugo França, em exibição no Museu da Casa Brasileira. Foto: Isis Naura
“Namorada Tepirapá” (2012), de Hugo França, em exibição no Museu da Casa Brasileira. Foto: Isis Naura

O Museu da Casa Brasileira (MCB) realiza até o próximo domingo, 16 de outubro, a exposição “Hugo França: Escala em Contraste”, que exibe uma série de miniaturas de madeira juntamente com suas respectivas esculturais de tamanhos naturais apresentadas pelo artista e designer Hugo França.   Além da exibição de vídeos e fotos do processo de produção.

Exibir a beleza impactante de diferentes dimensões é o intuito da exposição. A rotina do Atelier Hugo França é caracterizada em produzir miniaturas de cada peça confeccionada, exatamente por serem muito pequenas e rigorosamente semelhantes às originais, atraindo a atenção e admiração de quem observasse as peças. Foi a partir desse interesse e identificação notórios que veio a ideia de reunir essas pequenas notáveis como protagonistas de uma exposição.

Na mostra, as miniaturas dividirão espaço com peças monumentais, algumas idênticas à de tamanho reduzido, instaladas com o propósito de criar contrastes de dimensões e impactar quem passar pelos corredores e salas do museu.

Uma das peças produzidas por Hugo França tem origem em uma árvore do Jardim do MCB, que estava condenada e foi entregue ao artista no contexto da renovação das espécies nativas do Museu. A própria peça e o registro das etapas de trabalho estarão na exposição.

Entre os destaques estarão as 40 peças em miniatura produzidas por Hugo Franã; uma Mesa Anête (2015), elaborada com raiz de pequi vinagreiro de cerca de 1200 anos; e a “Namoradeira Tapirapá” (foto), de 2012, elaborada a partir de uma árvore morta e oca de pequi-amarelo.

SERVIÇO:
Exposição: Hugo França: Escala em Contraste
Onde: Museu da Casa Brasileira – Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2705
Quando: até 16/10/2016; de terça a domingo, das 10h às 18h
Quanto: R$ 7,00; R$ 3,50 (meia-entrada); maiores de 60 anos e menores de 10 anos estão isentas; entrada gratuita para o público em geral aos sábados, domingos e feriados

Por Jorge Almeida