Barcelona: campeão da Copa do Rei 2016/2017

Os jogadores do Barcelona comemoram o único título conquistado na temporada 2016/2017. Foto: Getty Images

Na partida que marcou as despedidas de Luis Enrique no comando do Barcelona e do Estádio Vicente Calderón, o Barcelona venceu o Alavés por 3 a 1 e ficou com o título da Copa do Rei 2016/2017 neste sábado (27). Os gols da partida foram marcados por Messi, Neymar e Paco Alcácer pelo lado catalão, enquanto Théo Hernández descontou para o clube do País Basco. Esse foi o 29º caneco da competição erguido pelo Barça. Com o título dos blaugranas, o Athletic Bilbao, sétimo colocado do Campeonato Espanhol, herdou uma vaga para a disputa da próxima Liga Europa – se o Alavés fosse o campeão, a vaga para o torneio continental era dele.

O último jogo oficial do Vicente Calderón foi justamente uma partida envolvendo dois clubes de regiões separatistas da Espanha, a Catalunha, caso do Barcelona, e o País Basco, representado pelo Alavés. Obviamente, as duas torcidas vaiaram e muito a execução do hino da Espanha.

Detalhes políticos à parte, a bola rolou e o Barcelona, mesmo desfalcado do “S” de seu poderoso trio MSN – Messi, Suárez e Neymar, já deu as caras logo aos 6 minutos. Messi lançou Alba na diagonal. O camisa 18 deu um leve desvio de cabeça para a bola quicar na grama, fazer uma curva e sair caprichosamente pela linha de fundo. Dois minutos depois, um choque de cabeça entre Mascherano e Llorente deixou os dois times preocupados. O argentino levou a pior, pois saíra sangue e, com isso, ele foi substituído por André Gomes.

A partida seguiu com a habitual posse de bola da equipe catalã, enquanto os albicelestes montaram um forte esquema de marcação para evitar as peripécias de Messi e companhia. No entanto, em uma vacilada de Piqué, Ibai Gómez partiu para cima e chutou rasteiro, a redonda desviou em Cilessen, na trave, passou por cima da linha até o outro lado e Deyverson tentou chutar sem ângulo em vez de passar para um companheiro que tinha melhores condições.

Depois do susto, os blaugranas, aos 26, levaram perigo. Iniesta arriscou, Paco Alcácer desviou e quase enganou Pacheco, que defendeu com os pés. No entanto, o esquema tático do Alavés sucumbiu aos 31 minutos. Messi tabelou com Neymar e, da meia-lua, o argentino du um tapa com a canhota no canto do goleiro: 1 a 0 para o Barça.

A reação dos albiazules foi instantânea. O lateral Théo Hernández cobrou falta com maestria no ângulo de Cilessen, um golaço.

O gol sofrido não abalou muito os comandados de Luis Enrique. Tanto que, em dois lances, aos 39 e aos 40, o Barça quase fez o segundo. Primeiro Messi cobrou falta direto e Pacheco fez a defesa em dois tempos. No lance seguinte, Neymar tocou para Rakitić que chutou rasteiro da entrada da área e mandou à direita da meta do Alavés.

E, antes do intervalo, o Barcelona praticamente liquidou o jogo. Aos 44, Messi abriu para André Gomes, que cruzou rasteiro para Neymar, que estava levemente adiantado, só completar para as redes e pôr a equipe da Catalunha na frente. E, nos acréscimos da primeira etapa, aos 47, Messi fez grande jogada invidual, passou por três adversários, e deixou Paco Alcácer em ótimas condições para dominar e chutar rasteiro para ampliar a vantagem: 3 a 1.

No começo da etapa complementar, o Alavés assustou aos dois minutos. Ibai Gómez cobrou falta com perigo e Cilissen só observou e “tirou com os olhos”. Dois minutos depois, Messi fez jogada pela direita e cruzou à meia altura para Paco, que desviou para Pacheco espalmar e a defesa completar.

O jogo seguiu com os catalães valorizando a posse de  bola e tentando infiltrar a defesa da equipe do País Basco. Aos 20, Iniesta tentou e mandou por cima.

O Alavés teve duas oportunidades seguidas de gol. Aos 24, Sobrino, que entrou no lugar de Edgar, acertou André gomes com a bola viva na grande área. No minuto seguinte, o goleiro holandês desviou com os pés o desvio do zagueiro brasileiro Rodrigo Ely. No mesmo minuto, o Alavés até marcou, mas Deyverson foi flagrado em impedimento.

O tempo fechou entre os atletas das duas equipes depois que Neymar caiu (e valorizou) o empurrão dado por Sobrino fora do lance e dentro da área. No final, o árbitro distribuiu cartões amarelos para os dois times.

E, já nos minutos finais, aos 46, em um contragolpe de quatro contra três, o Barcelona desperdiçou uma ótima oportunidade por Busquets, que procurou Neymar em vez de ter chutado. E o placar no segundo tempo não foi alterado. Fim de jogo no Vicente Calderón: Barcelona 3, Alavés 1.

O Barcelona entrou em campo com o franco favoritismo e isso foi consolidado no primeiro tempo. Além da despedida do estádio que sediou os jogos do Atlético de Madrid, a partida também marcou a despedida do técnico Luis Enrique da equipe catalã. A Copa do Rei era a última oportunidade do Barça encerrar a temporada com título. Enquanto isso, o Alavés já entrou em campo fazendo história, uma vez que o clube alviceleste nunca havia chegado à final da competição. O Barcelona dominou o jogo todo e, apesar do susto sofrido com o empate do Alavés, o time da Catalunha fez o suficiente para conquistar o tricampeonato da copa nacional. E, desde os tempos de Di Stéfano, um atleta não marcava gol em três finais consecutivas da Copa do Rei e ontem Neymar conseguiu fazer a façanha. Com o título, o Barcelona chegou a 29 taças e é o maior vencedor do torneio, deixando o Athletic de Bilbao para trás com 23 e Real Madrid com 19.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da decisão.

Quarta fase:
30/11/2016 – Hércules 1×1 Barcelona – José Rico Pérez, Alicante
21/12/2016 – Barcelona 7×0 Hércules – Camp Nou, Barcelona
Oitavas-de-final:
05/01/2017 – Athletic Bilbao 2×1 Barcelona – San Mamés, Bilbao
11/01/2017 – Barcelona 3×1 Athletic Bilbao – Camp Nou, Barcelona
Quartas-de-final:
19/01/2017 – Real Sociedad 0x1 Barcelona – Anoeta, San Sebastián
26/01/2017 – Barcelona 5×2 Real Sociedad – Camp Nou, Barcelona
Semifinais:
01/02/2017 – Atlético de Madrid 1×2 Barcelona – Vicente Calderón, Madri
07/02/2017 – Barcelona 1×1 Atlético de Madrid – Camp Nou, Barcelona
Final:
27/05/2017 – Barcelona 3×1 Alavés – Vicente Calderón, Madri

FICHA TÉCNICA: BARCELONA 3×1 ALAVÉS
Competição/fase: Copa del Rey 2016/2017 – final (jogo único)
Local: Estádio Vicente Calderón, Madri
Data: 27 de maio de 2017, sábado – 16h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Carlos Clos Gómez
Cartões Amarelos: Umtiti, Messi e Iniesta (Barcelona); Édgar Méndez, Manu García, Rodrigo Ely e Sobrino (Alavés)
Gols: Messi, aos 29 min do 1º tempo (1-0), Théo Hernández, aos 33 min do 1º tempo (1-1), Neymar, aos 44 min do 1º tempo (2-1) e Paco Alcácer, aos 46 min do 1º tempo (3-1)
BARCELONA: 13.Cillessen; 14.Maschereno (21.André Gomes), 3.Piqué, 23.Umtiti e 18.Jordi Alba; 5.Busquets, 4.Rakitić (22.Alexis Vidal) e 8.Iniesta; 10.Messi, 11.Neymar e 17.Paco Alcácer. Técnico: Luis Enrique
ALAVÉS: 1.Fernando Pacheco; 21.Kiko Femenía, 2.Rodrigo Ely, 22.Vigaray, 24.Feddal e 15.Théo Hernandéz (10.Óscar Romero); 19.Manu García, 6.Lloriente, 17.Edgar Mendéz (7.Sobrino) e 11.Ibai Gómez (8.Camarasa); 20.Dayvison. Técnico: Manuel Pellegrini

Parabéns ao Futbol Club Barcelona pelo título.

Por Jorge Almeida

Encerrada a fase de grupos da Copa Libertadores da América 2017

16 equipes seguem na busca do troféu mais cobiçado da América do Sul

Com as seis partidas realizadas nesta quinta-feira (25), válidas pelos grupos 1, 3 e 8, a fase de grupos da Copa Libertadores da América 2017 foi encerrada. A partir de agora, 16 equipes seguem no certame e, como prevê o regulamento, os campeões de cada grupo enfrentarão os segundos colocados dentre os classificados mediante sorteio. A definição dos duelos das oitavas-de-final acontecerá no próximo dia 14 de junho, na sede da Conmebol, em Luque, no Paraguai. Os terceiros colocados irão disputar a Copa Sulamericana.

Pelo grupo 1, o já classificado Botafogo foi até La Plata enfrentar o Estudiantes nesta quinta-feira. Apesar de sair derrotado por 1 a 0, o time da Estrela Solitária terminou na liderança do grupo com dez pontos, a mesma pontuação do Barcelona, do Equador, que perdeu para o Atlético Nacional no Atanásio Gerardot por 3 a 1. A equipe brasileira ficou à frente por conta do saldo de gols (saldo 1 contra saldo 0).

A última rodada do grupo 2 foi disputada na terça-feira (23). O invicto Santos foi o campeão do grupo com 12 pontos. A equipe praiana goleou o frágil Sporting Cristal por 4 a 0 na Vila Belmiro. Os bolivianos do The Strongest arrancaram um precioso empate em 1 a 1 diante do Santa Fé no El Campín, em Bogotá. O resultado foi primordial para o clube aurinegro que, com 9 pontos, ficou com um ponto a mais em relação aos colombianos.

Outro grupo que definiu seus classificados na quinta-feira foi o 3. O River Plate, que começou a rodada já classificado, perdeu em casa para o Independiente de Medellín por 2 a 1 e, mesmo assim, ficou na liderança com 13 pontos. Apesar da vitória, a equipe colombiana foi eliminada por conta da vitória do Emelec por 3 a 0 contra o fraco Melgar. Dessa forma, os equatorianos terminaram na segunda colocação do grupo com 10 pontos.

O concorrido grupo 4 foi definido na semana passada, no dia 17. O San Lorenzo bateu o Flamengo, de virada, com um gol nos acréscimos, por 2 a 1 no Nuevo Gasómetro e garantiu o primeiro lugar. O rubronegro, mesmo com a derrota, estaria se classificando em segundo, mas o gol feito por Carlos Alberto no Chile contra a Universidad Católica, aos 41 minutos do segundo tempo, classificou o Atlético Paranaense que, também de virada, derrotou os chilenos por 3 a 2 e deixou o Furacão com 9 pontos e a vice-lderança do grupo.

O Palmeiras confirmou o seu favoritismo e terminou na ponta do grupo 5 com 13 pontos, seguido do Jorge Wilstermann, com 9. O alviverde fez prevalecer o mando de campo e venceu o Atlético Tucumán, da Argentina, por 3 a 1 no Allianz Parque no dia 24 (quarta-feira). O triunfo do time brasileiro favoreceu a equipe boliviana, que perdeu por 2 a 0 para o Peñarol fora de casa. Caso a equipe Decana tivesse ganhado dos palestrinos teria se classificado no lugar do clube de Cochabamba.

O grupo 6 terminou com o Atlético Mineiro no topo com 13 pontos, dois a mais que o Godoy Cruz. Na semana passada, no dia 16, as duas equipes se enfrentaram no Independência para a definição da liderança. Assim, o Galo goleou o time argentino por 4 a 1 no Independência e, não só ficou à frente do rival, como encerrou a fase de grupos na liderança geral. Na outra partida do grupo, jogada no mesmo dia, o Libertad não passou de um empate com os bolivianos do Sport Boys Warnes em casa por 1 a 1.

O equilibrado grupo 7 teve o Lanús, da Argentina, como o seu campeão, com 13 pontos. Os granates foram até o místico Estádio Centenário, em Montevidéu, e venceram o Nacional por 1 a 0. Enquanto isso, na Arena Condá, a Chapecoense superou o Zulia, da Venezuela, de virada, por 2 a 1. As duas partidas ocorreram no dia 23, terça-feira. Contudo, em virtude da escalação irregular do zagueiro Luiz Otávio contra o Lanús, na penúltima rodada, a Chape perdeu os pontos dessa partida que, curiosamente, foi vencida, dentro de campo, pelo Verdão do Oeste por 1 a 0 com gol justamente de Luiz Otávio, mas o time catarinense vai recorrer da decisão.

E o grupo 8, que foi definido apenas na última rodada, realizada nesta quinta-feira (25), terminou com o Grêmio na liderança, seguido do Guaraní, do Paraguai. O Tricolor dos Pampas não tomou conhecimento do Zamora, da Venezuela, que não marcou um ponto sequer nesta Libertadores, e goleou a equipe boliviana por 4 a 0 em sua arena e chegou aos 13 pontos. O time dirigido por Renato Gaúcho só dependia de si para conseguir a classificação. O outro jogo do grupo, entre Guaraní e Iquique, foi um confronto direto, pois apenas um deles poderia seguir, já que, quem vencesse tiraria o outro do páreo. No entanto, o clube paraguaio poderia jogar pelo empate, já que terminaria à frente dos chilenos e foi justamente um 0 a 0 em Assunção que o Guaraní, com 11 pontos, deixou o Iquique, que foi a 10 pontos, para trás.

Lembrando que Estudiantes, Santa Fé, Independiente de Medellín, Flamengo, Atlético Tucumán, Libertad, Chapecoense (se não conseguir reverter a perda dos pontos) e Iquique – terceiros colocados de seus grupos – disputarão as oitavas-de-final da Copa Sulamericana.

Os classificados que ficarão no pote 1 serão: 1.Atlético Mineiro, 2.Lanús, 3.Grêmio, 4.River Plate, 5.Palmeiras, 6.Santos, 7.Botafogo e 8.San Lorenzo. E o pote dois será formado por: 9.Godoy Cruz, 10.Guaraní, 11.Emelec, 12.Barcelona, 13.Atlético Paranaense, 14.The Strongest, 15.Jorge Wilstermann e 16.Nacional.

Os confrontos das quartas-de-final acontecerão nos dias 4, 5 e 6 de julho, os jogos de ida, e dias 8, 9 e 10 de agosto, as partidas de volta.

Na teoria, o regulamento da Conmebol parece justo. Pois, os clubes que estarão no pote 1 (os primeiros colocados e numerados de 1 a 8) enfrentarão os do pote 2 (os segundos colocados e numerados de 9 a 16). Assim, o campeão de um determinado grupo poderá enfrentar já nas oitavas o vice-campeão de sua chave na fase anterior. Por exemplo, suponhamos que, no sorteio, a bolinha com número 3 do pote 1, no caso Grêmio, vai enfrentar o time da bolinha número 10 do pote 2, que é o mesmo Guaraní, do Paraguai. Logo, as duas equipes que se classificaram no grupo 8 vão se enfrentar mais duas vezes. Ou, ainda, poderá acontecer um embate entre equipes do mesmo país. Lembrando que o gol fora de casa será utilizado como critério de desempate, exceto na final.

Contudo, em se tratando de Conmebol, não ficaremos surpresos que, de acordo com o chaveamento até a final, a entidade não altere alguma coisa até lá para evitar que a sua principal competição interclubes tenha uma       “final caseira”.

A seguir, a classificação final da fase de grupos e os resultados da última rodada.

Grupo 1:
1. Botafogo (BRA) – 10
2. Barcelona (EQU) – 10
3. Estudiantes (ARG) – 9
4. Atlético Nacional (COL) – 6
Data – Jogo – Local:
25/05/2017 – Estudiantes (ARG) 1×0 Botafogo (BRA) – Ciudad de La Plata, La Plata
25/05/2017 – Atlético Nacional (COL) 3×1 Barcelona (EQU) – Atanásio Girardot, Medellín

Grupo 2:
1. Santos (BRA) – 12
2. The Strongest (BOL) – 9
3. Santa Fé (COL) – 8
4. Sporting Cristal (PER) – 2
Data – Jogo – Local:
23/05/2017 – Santa Fé (COL) 1×1 The Strongest (BOL) – El Campín, Bogotá
23/05/2017 – Santos (BRA) 4×0 Sporting Cristal (PER) – Vila Belmiro, Santos

Grupo 3:
1. River Plate (ARG) – 13
2. Emelec (EQU) – 10
3. Independiente de Medellín (COL) – 9
4. Melgar (PER) – 3
Data – Jogo – Local:
25/05/2017 – Emelec (EQU) 3×0 Melgar (PER) – George Capwell, Guayaquil
25/05/2017 – River Plate (ARG) 1×2 Independiente de Medellín (COL) – Monumental de Núñez

Grupo 4:
1. San Lorenzo (ARG) – 10
2. Atlético Paranaense (BRA) – 10
3. Flamengo (BRA) – 9
4. Universidad Católica (CHI) – 5
Data – Jogo – Local:
17/05/2017 – Universidad Católica (CHI) 2×3 Atlético Paranaense (BRA) – San Carlos de Apoquindo, Las Condes
17/05/2017 – San Lorenzo (ARG) 2×1 Flamengo (BRA) – Nuevo Gasómetro, Buenos Aires

Grupo 5:
1. Palmeiras (BRA) – 13
2. Jorge Wilstermann (BOL) – 9
3. Atlético Tucumán (ARG) – 7
4. Peñarol (URU) – 6
Data – Jogo – Local:
24/05/2017 – Peñarol (URU) 2×0 Jorge Wilstermann (BOL) – Campeón del Sigio, Montevidéu
24/05/2017 – Palmeiras (BRA) 3×1 Atlético Tucumán (ARG) – Allianz Parque, São Paulo

Grupo 6:
1. Atlético Mineiro (BRA) – 13
2. Godoy Cruz (ARG) – 11
3. Libertad (PAR) – 6
4. Sport Boys Warnes (BOL) – 2
Data – Jogo – Local
16/05/2017 – Libertad (PAR) 1×1 Sport Boys Warnes (BOL) – Centenário, Assunção
16/05/2017 – Atlético Mineiro (BRA) 4×1 Godoy Cruz (ARG) – Independência, Belo Horizonte

Grupo 7:
1. Lanús (ARG) – 13
2. Nacional (URU) – 8
3. Chapecoense (BRA) – 7
4. Zulia (VEN) – 5
Data – Jogo – Local:
23/05/2017 – Nacional (URU) 0x1 Lanús (ARG) – Centenário, Montevidéu
23/05/2017 – Chapecoense (BRA) 2×1 Zulia (VEN) – Arena Condá, Chapecó

Grupo 8:
1. Grêmio (BRA) – 13
2. Guaraní (PAR) – 11
3. Iquique (CHI) – 10
4. Zamora (VEN) – 0
Data – Jogo – Local:
25/05/2017 – Guaraní (PAR) 0x0 Iquique – Rogelio Livieres, Assunção
25/05/2017 – Grêmio (BRA) 4×0 Zulia – Arena do Grêmio, Porto Alegre

Parabéns aos classificados.

Por Jorge Almeida

UEFA definiu os confrontos das quartas-de-final da Champions

Confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017. Créditos: Getty Images

A UEFA realizou em sua sede, em Nyon, na Suíça, nesta sexta-feira (17), os confrontos válidos pelas quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017. As partidas de ida serão realizadas nos dias 11 e 12 de abril e os jogos de volta acontecerão nos dias 18 e 19 do mesmo mês. Destaque para os confrontos entre Bayern de Munique e Real Madrid, e Juventus versus Barcelona.

O primeiro jogo do confronto entre Atlético de Madrid e Leicester City será realizado no Vicente Calderón, na capital espanhola, no dia 12 de abril. Enquanto a volta acontecerá seis dias depois no King Power Stadium, na Inglaterra. Na história, duas das três campanhas em competições europeias do Leicester foram encerradas em confrontos contra os Colchoneros. O time espanhol derrotou os Foxes na extinta Recopa Europeia de 1961/1962 por 3 a 1, e também levou a melhor em dois confrontos realizados pela Copa da UEFA (vitórias por 2 a 1 em casa e 2 a 0 fora) na temporada 1997/1998. Além disso, o clube espanhol nunca perdeu em casa para uma equipe inglesa – cinco vitórias e cinco empates.

Já Borussiva Dortmund e Mônaco nunca se enfrentaram em uma competição oficial. E esse promete ser um duelo de muitos gols, pelo menos é o que se espera, conforme a postura ofensiva imposta pelos treinadores dos dois times. O compromisso de ida será realizado na Alemanha no dia 11 de abril e a volta será em 19 de abril no Louis II. Na história, os alemães enfrentaram equipes francesas em competições oficiais em 16 ocasiões, com seis vitórias, cinco empates e cinco derrotas. Apenas um revés ocorrera em casa.

Talvez o confronto mais aguardado desta quartas-de-final: Bayern de Munique x Real Madrid. O duelo entre o criador e a criatura. Logo, de um lado, Carlo Ancelotti, campeão europeu com o Real Madrid na temporada 2013/2014, agora treinando os Bávaros, do outro, o seu ex-auxiliar na campanha vitoria dos Merengues há três temporadas, Zinedine Zidane. Além desse duelo particular no banco de reservas, o embate também marcará o encontro de Toni Kroos e Xabi Alonso contra os seus ex-clubes. As duas equipes já se enfrentaram 22 vezes em torneios continentais, sendo 11 triunfos do Bayern, nove do Real Madrid e dois empates. Destaque para as últimas três vitórias do clube espanhol, inclusive os impiedosos 4 a 0 em Munique pela Champions 2013/2014, que foi a maior derrota da equipe da Baviera sofrida em casa nos torneios do Velho Continente. Sinceramente, não há favoritos neste confronto. O jogo de ida será no dia 12 de abril na Allianz Arena, em Munique, enquanto a partida derradeira ocorrerá no dia 18 no Santiago Bernabéu.

E, finalmente, Juventus x Barcelona, que farão uma reedição da final da edição 2014/2015 vencida pelos catalães, em Berlim, por 3 a 1. A Juve faz a primeira partida em casa, no dia 11, e o Barcelona será o anfitrião do compromisso na semana seguinte, em 19 de abril. Este jogo marcará o regresso de Daniel Alves ao Camp Nou, por onde defendeu as cores azul e grená por oito temporadas e conquistou 23 títulos. Motivado pela classificação heroica diante do PSG nas oitavas, o Barcelona tem um leve favoritismo, mas é bom os blaugranas não vacilarem contra a Vecchia Signora, que tem uma defesa mais sólida e, tecnicamente, melhor que a do time francês.

Não custa reforçar: a final, que será em jogo único, acontecerá no próximo dia 3 de junho (sábado) no Millenium Stadium, em Cardiff, no País de Gales.

A seguir, as datas e os locais dos confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League.

Data – Confronto – Local
Ida:
11/04/2017 – Juventus (ITA) x Barcelona (ESP) – Juventus Stadium, Turim
11/04/2017 – Borussia Dortmund (ALE) x Mônaco (FRA) – Signal Iduna Park, Dortmund
12/04/2017 – Bayern de Munique (ALE) x Real Madrid (ESP) – Allianz Arena, Munique
12/04/2017 – Atlético de Madrid (ESP) x Leicester City (ING) – Vicente Calderón, Madri

Volta:
18/04/2017 – Leicester City (ING) x Atlético de Madrid (ESP) – King Power Stadium, Leicester
18/04/2017 – Real Madrid (ESP) x Bayern de Munique (ALE) – Santiago Bernabéu, Madri
19/04/2017 – Mônaco (FRA) x Borussia Dortmund (ALE) – Louis II, Mônaco
19/04/2017 – Barcelona (ESP) x Juventus (ITA) – Camp Nou, Barcelona

Por Jorge Almeida

Definidos os classificados para as quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017

UEFA definirá os confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League na sexta-feira (15). Créditos: uefa.com

Os oito classificados para as quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017 foram definidos nesta quarta-feira (15) ao término dos dois últimos confrontos das oitavas-de-final – Mônaco 2×0 Manchester City e Atlético de Madrid 0x0 Bayer Leverkusen. Dessa forma, seguem na competição três clubes espanhóis (Barcelona, Real Madrid e Atlético de Madrid), um inglês (Leicester), dois alemães (Bayern de Munique e Borussia Dortmund), um italiano (Juventus) e um francês (Mônaco). Os confrontos da próxima fase serão definidos em um sorteio que será realizado às 8h (horário de Brasília) na sede da UEFA.

O Bayern de Munique foi na terça-feira (7) passada até Londres pegar o Arsenal com uma enorme vantagem. Depois de ter feito 5 a 1 na Allianz Arena, os bávaros repetiram o mesmo placar no Emirates Stadium, fazendo assim 10 a 2 no placar agregado. Essa foi a quarta vez que os Gunners caem nas oitavas-de-final para os alemães na Champions desde 2005.

Assim como a equipe da Baviera, no mesmo dia, o Real Madrid também avançou e repetiu o placar nos dois confrontos diante do Napoli. Depois de ter vencido o time napolitano em casa por 3 a 1, os Merengues fizeram 6 a 2 no agregado no time italiano e segue firme e forte na busca da 12ª taça da competição.

Outro representante alemão que segue no torneio é o Borussia Dortmund. Após perder o jogo de ida para o Benfica por 1 a 0, no Estádio da Luz, os aurinegros não tomaram conhecimento dos Encarnados e golearam o adversário por 4 a 0 no Signal Iduna Park. A partida foi disputada no dia 8 de março.

Dentre todos os classificados, o Barcelona era o que tinha a maior desvantagem. Depois de levar acachapantes 4 a 0 do Paris Saint-Germain no Parc des Princes, a equipe catalã precisava de um milagre para reverter a situação. Aliás, nunca na história da Liga dos Campeões, um clube conseguira reverter tamanha goleada. Contudo, em uma partida épica, o Barça atropelou o PSG com impiedosos 6 a 1, sendo que os últimos três gols saíram a dez minutos do fim da partida. Lembrando que o Barcelona fez dois gols de pênaltis e os franceses ainda tiveram o zagueiro Marquinhos expulso no segundo tempo.

Ontem (14) foi a vez da Juventus assegurar sua vaga para as quartas-de-final. A Vecchia Signora recebeu o Porto em casa e venceu por 1 a 0. Como derrotara o time português no primeiro jogo por 2 a 0, a Juve conseguiu uma classificação relativamente tranquila.

A grande sensação desta edição da Champions chegou pela primeira vez às quartas-de-final da competição. Atual campeão inglês, o Leicester deixou o Sevilla pelo caminho. Embora tenha perdido para o time de Jorge Sampaoli na ida por 2 a 1, o azarão inglês não se intimidou e derrotou o maior campeão da Liga Europa por 2 a 0 em seu estádio e seguem em busca do sonho.

O Mônaco será o representante francês nas quartas. O clube do principado derrotou o endinheirado Manchester City em casa por 3 a 1. Como havia perdido o jogo de ida no Etihad Stadium por 5 a 3, o time alvirrubro foi beneficiado pelos gols marcados na casa do adversário.

E, finalmente, o Atlético de Madrid segue na busca de sua inédita Champions. Os comandados de Diego Simeone empataram no Vicente Calderón com o Bayer Leverkusen em 0 a 0. Porém, como vencera o compromisso de ida por 4 a 2, os Colchoneros avançaram para a fase seguinte.

Os confrontos das quartas-de-final da competição europeia serão definidos após sorteio que acontecerá na próxima sexta-feira (17), às 9h (horário de Brasília), na sede da UEFA, em Nyon, na Suíça.

As partidas de ida das quartas-de-final serão realizadas nos dias 11 e 12 de abril e os jogos de volta acontecerão nos dias 18 e 19 de abril.

Parabéns aos classificados.

Por Jorge Almeida

Barcelona: campeão espanhol 2015/2016

Jogadores do Barcelona comemoram o título no vestiário do Estádio Nuevo Los Cármenes. Foto: Foto: Reprodução/Twitter
Jogadores do Barcelona comemoram o título no vestiário do Estádio Nuevo Los Cármenes. Foto: Foto: Reprodução/Twitter

O Barcelona conquistou neste sábado (14) o bicampeonato espanhol ao bater o Granada no Estádio Nuevo Los Cármenes por 3 a 0 com três gols de Luís Suárez em partida válida pela 38ª rodada do Campeonato Espanhol 2015/2016. Com o triunfo, o time catalão chegou aos 91 pontos e não pode ser mais alcançado, embora o Real Madrid, vice-líder, tenha feito a sua parte ao derrotar o Deportivo La Coruña por 2 a 0. O triunfo na Espanha serviu como “prêmio de consolação” para o Barça, que fora eliminado da UEFA Champions League pelo Atlético de Madrid que, inclusive, fará a grande decisão do torneio continental justamente contra o arquirrival Real Madrid.

Embora só dependesse de si para conquistar o 24º Campeonato Espanhol de sua história, os catalães também estavam de olho no jogo dos Merengues, uma vez que um tropeço diante do modesto Granada, a taça iria para a capital espanhola. Então, os comandados de Luis Enrique sabiam que necessitavam de fazer logo um gol para superar o esquema defensivo dos Filipinos para colocar a mão na taça. Mas, enquanto o Barcelona não fazia o seu gol, no Estádio Riazor, em La Coruña, Cristiano Ronaldo, com apenas sete minutos de jogo, colocara o Real Madrid em vantagem e, até aquele momento, com o título.

No entanto, a ansiedade catalã acabou aos 22 minutos do primeiro tempo. Messi lançou Jordi Alba, o lateral escapou de ser flagrado em impedimento e rolou de primeira para Suárez completar para o gol vazio e inaugurar o marcador.

Dezesseis minutos depois, aos 38, Mascherano lançou Daniel Alves, que se esforçou para não deixar a redonda sair e deu boa assistência para o camisa 9 fazer o segundo dele na partida. Com dois gols de vantagem, a festa dos catalães já começava a tomar conta, uma vez que os anfitriões não demonstrava qualquer possibilidade de reação.

Embora estivessem em êxtase com a vinda do título, nem tudo foi festa para os fãs do time azul-grená. Mascherano deixou o jogo durante o segundo tempo e virou dúvida para Luis Enrique na decisão da Copa do Rei, no próximo domingo, no Vicente Calderón, em Madri, contra o Sevilla.

Apesar de estar em situação confortável no jogo, o Barcelona continuou a partir para cima do Granada no segundo tempo. Neymar, por exemplo, obrigou o goleiro Andrés Fernandéz a realizar um milagre e ainda cavou um cartão amarelo para Rubén Pérez, que ficou nervoso com uma tentativa de caneta por parte do atacante brasileiro.

E, para liquidar a fatura, aos 41 minutos, o trio MSN – Messi, Suárez e Neymar – protagonizaram o terceiro gol. Messi, jogando centralizado, enfiou para Neymar, que foi solidário e passou para Suárez que, mais uma vez sem goleiro, só completou para as redes.

Com 40 gols, o uruguaio terminou La Liga como o artilheiro e, de quebra, desbancou a hegemonia da dupla Messi e Cristiano Ronaldo, o que não acontecia desde a temporada 2008/2009 quando a artilharia ficou com o seu compatriota, Diego Forlán.

Após o apito final, o elenco do Barcelona invadiu o gramado para comemorar o título. Porém, os seus torcedores mais exaltados também invadiram o campo e, com isso, a festa dos jogadores e comissão técnica blaugrana precisou ser feita nos vestiários.

O Barcelona manteve a liderança do Campeonato Espanhol do começo ao fim, inclusive, com folga em boa parte da competição. Todavia, uma derrota para o Real Madrid em casa pela 31ª rodada e, posteriormente, outras duas, uma para o Real Sociedad e Valencia (em casa) e uma eliminação nas quartas-de-final da UEFA Champions League para o Atlético de Madri no meio, permitiram a proximidade das equipes da capital espanhola – Real e Atlético – no topo da tabela. No entanto, uma sequência de cinco triunfos consecutivos, incluindo impiedosos 8 a 0 no La Coruña fora de casa, foi suficiente para deixar claro que na Espanha quem é que manda. Título mais que merecido.

Além da definição do campeão e do vice, a competição ainda tem mais dois representantes assegurados para a próxima UEFA Champions League: Atlético de Madri e Villarreal, terceiro e quarto colocados. Enquanto Athletic de Bilbao e Celta de Vigo serão representantes espanhóis na próxima UEFA Liga Europa. E, ainda, tem o Sevilla que pode ser outro representante da Espanha na próxima Champions, para isso, basta a equipe de Andaluzia levar a Liga Europa dessa temporada, que será decidida na próxima quarta-feira (18) contra o Liverpool. A única indefinição que resta no Campeonato Espanhol é saber quem serão as duas equipes que serão rebaixadas juntamente com o Levante: Getafe, Sporting Gijón ou Rayo Vallecano. Apenas um desses clubes permanecerão na primeira divisão do futebol espanhol.

Abaixo, a classificação do Campeonato Espanhol, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica que deu ao Barcelona o seu 24º título espanhol.

Posição – clube – pontos – número de jogos realizados até o momento:

  1. Barcelona – 91 pontos – 38 jogos
  2. Real Madrid – 90 – 38 J
  3. Atlético de Madri – 88 – 38 J
  4. Villarreal – 64 – 37 J
  5. Athletic Bilbao – 62 – 38 J
  6. Celta de Vigo – 60 – 38 J
  7. Sevilla – 52 – 38 J
  8. Real Sociedad – 48 – 38 J
  9. Málaga – 45 – 37 J
  10. Las Palmas – 44 – 37 J
  11. Valencia – 44 – 38 J
  12. Eibar – 43 – 37 J
  13. Deportivo La Coruña – 42 – 38 J
  14. Bétis – 42 – 37 J
  15. Espanyol – 40 – 37 J
  16. Granada – 39 – 37 J
  17. Getafe – 36 – 37 J
  18. Sporting Gijón – 36 – 37 J
  19. Rayo Vallecano – 35 – 37 J
  20. Levante – 32 – 37 J

Resumo da campanha do campeão F.C. Barcelona:
23/08/2015 – Athletic de Bilbao 0x1 Barcelona – San Mamés, Bilbao
29/08/2015 – Barcelona 1×0 Málaga – Camp Nou, Barcelona
12/09/2015 – Atlético de Madri 1×2 Barcelona – Vicente Calderón, Madri
20/09/2015 – Barcelona 4×1 Levante – Camp Nou, Barcelona
23/09/2015 – Celta de Vigo 4×1 Barcelona – Balaídos, Vigo
26/09/2015 – Barcelona 2×1 Las Palmas – Camp Nou, Barcelona
03/10/2015 – Sevilla 2×1 Barcelona – Ramón Sánchez Pizjuán, Sevilha
17/10/2015 – Barcelona 5×2 Rayo Vallecano – Camp Nou, Barcelona
25/10/2015 – Barcelona 3×1 Eibar – Camp Nou, Barcelona
31/10/2015 – Getafe 0x2 Barcelona – Coliseum Alfonso Pérez, Getafe
08/11/2015 – Barcelona 3×0 Villarreal – Camp Nou, Barcelona
21/11/2015 – Real Madrid 0x4 Barcelona – Santiago Bernabéu, Madri
8/11/2015 – Barcelona 4×0 Real Sociedad – Camp Nou, Barcelona
05/12/2015 – Valencia 1×1 Barcelona – Mestalla, Valência
12/12/2015 – Barcelona 2×2 Deportivo La Coruña – Camp Nou, Barcelona
17/02/2016 – Sporting Gijón 1×3 Barcelona – El Molinón, Gijón
30/12/2015 – Barcelona 4×0 Bétis – Camp Nou, Barcelona
02/01/2016 – Espanyol 0x0 Barcelona – Cornellà-El Prat, Barcelona
09/01/2016 – Barcelona 4×0 Granada – Camp Nou, Barcelona
17/01/2016 – Barcelona 6×0 Athletic de Bilbao – Camp Nou, Barcelona
22/01/2016 – Málaga 1×2 Barcelona – La Rosadela, Málaga
30/01/2016 – Barcelona 2×1 Atlético de Madri – Camp Nou, Barcelona
07/02/2016 – Levante 0x2 Barcelona – Ciutat de Valencia, Valência
14/02/2016 – Barcelona 6×1 Celta de Vigo – Camp Nou, Barcelona
20/02/2016 – Las Palmas 1×2 Barcelona – Gran Canaria, Las Palmas
28/02/2016 – Barcelona 2×1 Sevilla – Camp Nou, Barcelona
03/03/2016 – Rayo Vallecano 1×5 Barcelona – Teresa Rivero, Madri
06/03/2016 – Eibar 0x4 Barcelona – Ipurúa, Eibar
12/03/2016 – Barcelona 6×0 Getafe – Camp Nou, Barcelona
20/03/2016 – Villarreal 2×2 Barcelona – El Madrigal, Vila-Real
02/04/2016 – Barcelona 1×2 Real Madrid – Camp Nou, Barcelona
09/04/2016 – Real Sociedad 1×0 Barcelona – Anoeta, San Sebastián
17/04/2016 – Barcelona 1×2 Valencia – Camp Nou, Barcelona
20/04/2016 – Deportivo La Coruña 0x8 Barcelona – Riazor, La Coruña
23/04/2016 – Barcelona 6×0 Sporting Gijón – Camp Nou, Barcelona
30/04/2016 – Bétis 0x2 Barcelona – Benito Villamarín, Sevilha
08/05/2016 – Barcelona 5×0 Espanyol – Camp Nou, Barcelona
14/05/2016 – Granada 0x3 Barcelona – Nuevo Los Cármenes, Granada

FICHA TÉCNICA: GRANADA 0x3 BARCELONA
Competição/fase:
Campeonato Espanhol (Liga LBBA) 2015/2016 – 38ª rodada
Local: Estádio Nuevo Los Cármenes, Granada, Espanha
Data: 14 de maio de 2016 – 12h (horário de Brasília)
Árbitro: Alejandro José Hernández
Cartões Amarelos: Doucouré, Pérez, Rico, Fernández e Costa (Granada); Busquets e Piqué (Barcelona)
Gols: Luís Suárez, aos 22 e aos 38 min do 1º tempo (0-2); e aos 41 min do 2º tempo (0-3)
GRANADA: 13.Fernández; 2.Lombán, 6.Babin, 24.Costa (12.Dória) e 18.Lopes; 16.Doucouré, 20.Pérez, 23.Rochina (19.Cuenca), 27.Peñaranda e 4.Rico; 9.El-Arabi (15.Barral). Técnico: José González
BARCELONA: 1.ter Stegen; 6.Daniel Alves, 3.Piqué, 14.Marcherano (24.Mathieu) e 18.Jordi Alba; 5.Busquets (20.Sergi Roberto), 8.Iniesta e 4.Rakitić (7.Arda Turam); 11.Neymar, 10.Messi e 9.Suárez. Técnico: Luis Enrique

Parabéns ao Futbol Club Barcelona pelo título.

Por Jorge Almeida

Barcelona: campeão do Mundial de Clubes da FIFA 2015

Jogadores do Barcelona comemoram o terceiro mundial do clube catalão. Créditos: ChinaFotoPress
Jogadores do Barcelona comemoram o terceiro mundial do clube catalão. Créditos: ChinaFotoPress

O Barcelona pela terceira vez conquista o Mundial de Clubes da FIFA ao bater o River Plate por 3 a 0 na decisão contra o River Plate no Estádio de Yokohama, no Japão. Com gol de Messi e dois de Luís Suárez, a equipe catalã não encontrou dificuldades em bater o representante sulamericano na competição e ergueu a sua quinta taça em 2015.

O primeiro tempo começou com o River Plate tentando marcar em cima, especialmente em cima de Iniesta para que ele não encontre espaços para servir o trio “MSN” – Messi, Suárez e Neymar. Mas, a partir dos dez minutos, os argentinos mudaram de postura e desistiu de pressionar a saída de bola do Barcelona. Em seguida, os catalães conseguiram a primeira grande oportunidade. Aos 10, Messi tentou duas vezes. Na primeira, após a escorada de Suárez, o argentino chutou, Maidana salvou de cabeça a bola, que tinha como direção o gol. Na sequência, o camisa 10 chutou forte, e Barovero mergulhou no canto para salvar.

A primeira etapa seguiu conforme fora previsto: Barcelona mantendo a posse de bola e o River Plate tentando encaixar um contragolpe, que até chegou a acontecer aos 27 minutos com Mora arriscando de fora da área, mas Bravo defendeu de forma segura. Três minutos depois, foi a vez de Alario também tentar de longe, mas o arqueiro catalão estava atento.

A superioridade do Barcelona era evidente e o gol era questão de tempo, e ele veio ainda no tempo inicial. Aos 36, Daniel Alves cruzou da direita, Neymar escorou de cabeça para o meio da área, Messi dominou no meio da marcação, a bola resvalou em seu braço de forma não intencional, e deu um toque com categoria com a perna esquerda para tirar do goleiro e colocar o time da Catalunha na frente.

Antes do término do primeiro tempo, aos 46, Suárez ainda perdeu outra grande oportunidade para o Barcelona. O uruguaio foi lançado por trás da zaga e tocou na saída de Balovero, mas o chute saiu torto e a redonda foi para fora.

Na volta para o segundo tempo, Marcelo Gallardo promoveu as entradas de Martínez e Lucho González nos lugares de Mora e Ponzio respectivamente. A proposta parecia boa, pois os Millonarios tentaram pressionar como fizeram no começo da primeira etapa. Mas tudo sucumbiu aos 4 minutos quando o River perdeu a bola na intermediária do Barça. Iniesta tocou rápido para Busquets, que fez um belo lançamento para Suárez, que ganhou do marcador na corrida e acertou a bola por baixo das pernas de Balovero para aumentar a vantagem dos blaugranos.

O segundo tento catalão desestruturou o time do Rio da Prata. Perdido em campo, o River Plate praticamente tratou de jogar para não ser goleado, mesmo assim, a sua fanática torcida não parava de cantar um minuto sequer. Aos 9, Neymar avançou, tocou para Messi, que tocou na saída do goleiro, Sánches tirou em cima da linha e Barovero tirou o perigo. Cinco minutos depois, Neymar buscou o ângulo ao finalizar com efeito, mas a esférica passou rente à trave.

Aos 23, o Barcelona colocou o “último prego no caixão”. Neymar recebeu pela esquerda e cruzou na medida para Suárez cabecear o suficiente para deslocar o arqueiro ao mandar a bola em seu contrapé: 3 a 0. Praticamente o título já estava assegurado.

No segundo tempo, o River Plate só levou perigo aos 31 minutos com Alario, que exigiu excelente defesa de Bravo em uma cabeçada. Aliás, foi o único lance que Piqué não ganhou pelo alto, pois no resto, ele levou a melhor em todas por cima. Depois, aos 38, Driussi arriscou de fora da área, Bravo deu um leve desvio que foi suficiente para que a redonda tocasse na trave e não entrasse. Mas isso não teve jeito: o Barcelona confirmou o seu favoritismo e levou o Mundial de Clubes mais uma vez, o que faz dele o único tricampeão mundial homologado pela FIFA.

O Barcelona entrou em campo como o grande favorito para a final do Mundial. Isso é fato. O River Plate foi até valente ao propor nos minutos iniciais de cada etapa a marcação na saída de bola da equipe azul-grená. Mas, apesar do esforço, a qualidade do plantel de Luis Enrique prevaleceu e não tomou conhecimento do atual campeão da Libertadores. O poderoso ataque do Barça jogou muito, especialmente Luís Suárez, que entrou para a história do torneio ao fazer cinco gols em dois jogos, o que fez dele o ganhador da Bola de Ouro do certame. Enquanto Messi abriu o marcador e Neymar contribuiu com duas assistências. Já a torcida do River Plate fez a sua parte: os 15 mil Millonarios cantaram e incentivaram a equipe durante todo o jogo. Dessa forma, o Barcelona encerra 2015 de forma brilhante: cinco títulos conquistados em seis disputados (só perdeu a decisão da Supercopa da Espanha para o Athletic de Bilbao), ficando atrás da temporada de 2009, quando conquistou o sextete: Campeonato Espanhol, Copa do Rei, Supercopa da Espanha, Liga dos Campeões, Supercopa da Europa e Mundial de Clubes da FIFA.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da final.

Semifinal:
17/12/2015 – Barcelona (ESP) 3×0 Guangzhou Evergrande (CHI) – Estádio Internacional de Yokohama, Yokohama
Final:
20/12/2015 – River Plate (ARG) 0x3 Barcelona (ESP) – Estádio Internacional de Yokohama, Yokohama

FICHA TÉCNICA: RIVER PLATE (ARG) 0x3 BARCELONA (ESP)
Competição/fase: Mundial de Clubes da FIFA 2015 – final (jogo único)
Local: Estádio Internacional de Yokohama, Yokohama (Japão)
Data: 20 de dezembro de 2015 – 8h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Alireza Faghani (Irã)
Assistentes: Reza Sokhandan e Mohammadreza MAnsouri, ambos do Irã
Cartões Amarelos: Kranevitter e Ponzio (River Plate); Jordi Alba, Rakitic, Neymar e Sergi Roberto (Barcelona)
Gols: Messi, aos 36 min do 1º tempo; Suárez, aos 4 e aos 23 min do 2º tempo
RIVER PLATE (ARG): 1.Balovero; 25.Mercado, 2.Maidana, 3.Balanta e 21.Vangioni; 5.Kranevitter, Sánchez e 23.Ponzio (27.Lucho González); 19.Viudez (22.Driussi), 13.Alario e 7.Mora (10.Martínez). Técnico: Marcelo Gallardo
BARCELONA (ESP): 1.Bravo; 6.Daniel Alves, 3.Piqué, 14.Mascherano (23.Varmaelen) e 18.Jordi Alba; 5.Busquets, 4.Rakitic (20.Sergi Roberto) e 8.Iniesta; 10.Messi, 9.Suárez e 11.Neymar (24.Mathieu). Técnico: Luis Enrique

Parabéns ao F.C. Barcelona pela conquista.

Por Jorge Almeida

Barcelona bate Sevilla em jogaço da UEFA Super Cup

Iniesta ergue mais uma taça para o Barcelona em 2015. Foto: Reuters/David Mdzinarishvili
Iniesta ergue mais uma taça para o Barcelona em 2015. Foto: Reuters/David Mdzinarishvili

Em um jogo eletrizante disputado na Geórgia nesta terça-feira (11), o Barcelona levou a melhor sobre o Sevilla ao vencer a equipe de Andaluzia por 5 a 4, com Pedro anotando o gol do título da UEFA Super Cup no segundo tempo da prorrogação, depois de um empate em 4 a 4 no tempo regulamentar. Enquanto Messi, autor de dois tentos, Rafinha, Suárez e o já citado Pedro fizeram os gols da equipe catalã, Banega, Reyes, Gameiro (de pênalti) e Konoplyanka anotaram para o Sevilla. Esse foi o quinto título do Barcelona na história da competição que põe frente a frente os últimos campeões da UEFA Champions League e da UEFA Europa League.

Nos primeiros minutos da decisão denunciava que teríamos um jogão na Geórgia, e foi. Logo aos três minutos, Banega cobrou falta com perfeição e abriu o placar para o Sevilla. O Barcelona deu o troco em seguida e com a mesma moeda. Messi também acertou a sua cobrança e mandou a bola no ângulo de Beto.

Aos poucos, a soberania dos catalães em relação à posse de bola e controle da partida foi sendo imposta. E, aos 16, Messi, mais uma vez em cobrança de falta, anotou o seu segundo gol na decisão e virou o placar para o Barça.

Com a vantagem, o Barcelona mostrou-se disposto a querer liquidar a fatura ainda no primeiro tempo. Aos 30 minutos, Suárez marcou o que seria o terceiro, mas a arbitragem apontou (injustamente) o impedimento do atacante uruguaio.

Atordoado com a virada, o Sevilla parecia perdido em campo e, para complicar a situação, antes do intervalo, o time azul-grená chegou ao terceiro gol aos 44 minutos. Suárez foi lançado, saiu de seu campo de defesa, o que descaracteriza o impedimento, partiu em direção do gol e chutou em cima de Beto. Na sequência do lance, o camisa 9 ficou com a redonda, esperou a chegada dos companheiros e serviu milimetricamente Rafinha (que substituiu Neymar, que não jogou por conta de uma caxumba), que completou para o gol.

Na etapa final, o Barcelona parecia que faria aqueles placares elásticos costumeiros no Campeonato Espanhol. Aos 7 minutos, a equipe de Andaluzia errou na saída de bola, Busquets serviu Suárez, que chutou entre as pernas de Beto para fazer 4 a 1 para o Barça.

Na base da raça, o Sevilla esboçou uma reação incrível no jogo. Primeiro foi com Reyes aos 12, que aproveitou o cruzamento da esquerda de Vítolo, a zaga catalã não cortou e o camisa 10 completou para as redes. Os Rojiblancos passaram a pressionar o Barcelona e, aos 27 minutos Mathieu derrubou Vítolo na área. Pênalti. Gameiro cobrou, fez o terceiro tento do Sevilla e botou a equipe de vez no certame.

Os comandados de Luis Henrique estavam administrando a vantagem e foram surpreendidos aos 36 minutos. Em jogada de estreantes, Immobile cruzou e Konoplyanka completou para o gol e empatou a peleja: 4 a 4. O inacreditável aconteceu.

Depois de apresentar dois tempos distintos, o Sevilla foi heroico e conseguiu levar o jogo que estava perdido para a prorrogação. No primeiro tempo da etapa extra, não houve lances que arrancassem um “uh!” do torcedor, pois, as duas equipes pareciam exaustas.

Veio o segundo tempo da prorrogação. E com ele as fortes emoções que não aconteceram no primeiro. E, aos 10 minutos, o predestinado Pedro (que substituiu Mascherano) fez o gol do título. Messi cobrou falta, acertou na barreira, pegou o rebote, Beto espalmou e o camisa 7 aproveitou o rebote do arqueiro para fazer o quinto gol do Barcelona.

O Sevilla não se entregou e teve duas oportunidades de empatar o jogo ainda na prorrogação. Primeiro com Coke, aos 12, que desviou de cabeça uma bola alçada na área, o goleiro Ter Stegen estava batido no lance. Depois, aos 15, cruzamento para Rami que, sozinho, de joelho, colocou a esférica para fora. Essa, literalmente, foi a bola do jogo. Assim, depois de 120 minutos e nove gols, o Barcelona sagrou-se campeão da UEFA Super Cup pela quinta vez na história e conquista o quarto título no ano. Ainda tem a Supercopa da Espanha e o Mundial de Clubes pela frente em 2015.

O Barcelona, mesmo desfalcado de Neymar, era o franco favorito no confronto diante do Sevilla. Apesar do gol inesperado dos andaluzes aos 3 minutos, a virada dos catalães era questão de tempo. E ela veio ainda na etapa inicial, que terminou 3 a 1. No segundo tempo, o Barça ampliou a vantagem ainda no começo. Quando poderíamos imaginar que tudo estava definido a favor de Messia, Suárez e cia., o Sevilla surpreendeu e buscou o empate. Na prorrogação, estava nítido que os dois times sentiram a intensidade que foi o tempo regulamentar. Mas o Barcelona tinha Messi, que mesmo sem acertar a cobrança de falta no lance derradeiro, insistiu ao pegar o rebote e o predestinado Pedro fez o gol do título. A equipe de Unai Emery pode ter perdido, mas caiu de pé diante de uma dos times mais poderosos do mundo ao encará-lo de igual para igual. Parabéns aos dois clubes pelo espetáculo protagonizado e feliz foi quem esteve no estádio na Geórgia e testemunhou a um dos jogos mais bem disputados dos últimos anos.

A seguir, a ficha técnica da decisão.

FICHA TÉCNICA: BARCELONA (ESP) 5×4 SEVILLA (ESP)
Competição/fase: UEFA Super Cup 2015 – final (jogo único)
Local: Estádio Boris Paichadze, Tbilisi, Geórgia
Data: 11 de agosto de 2015 – 15h45 (horário de Brasília)
Árbitro: William Collum (Escócia)
Assistentes: Damien McGraith (Irlanda) e Francis Connor (Escócia)
Cartões Amarelos: Daniel Alves, Mathieu, Busquets e Pedro (Barcelona); Coke, Krychowiack, Krohn-Dehli, Banega e Immobile (Sevilla)
Gols: Banega, aos 3 min; Messi, aos 7 e aos 16 min; e Rafinha, aos 44 min do 1º tempo; Suárez, aos 7 min; Reyes, aos 12 min; Gameiro (de pênalti), aos 27 min; e Konoplyanka, aos 36 min do 2º tempo; Pedro, aos 10 min do 2º tempo da prorrogação
BARCELONA (ESP): 1.Ter Stegen; 6.Daniel Alves, 3.Piqué, 14.Mascherano (7.Pedro) e 24.Mathieu; 5.Busquets, 4.Rakitic e 8.Iniesta (20.Sergi Roberto); 12.Rafinha (15.Bartra), 10. Messi e 9.Suárez. Técnico: Luis Henrique
SEVILLA (ESP): 13.Beto; 23.Coke, 3.Rami, 4.Krychowiak e 2.Trémoulinas; 8.Krohn-Dehli, 19.Banega, 10.Reyes (22.Konoplyanka), 20.Vítolo e 8.Iborra (25.Mariano); 9.Gameiro (11.Immobile). Técnico: Unai Emery

Parabéns ao Barcelona pela conquista.

Por Jorge Almeida