Real Madrid: campeão da Supercopa da Espanha 2017

Jogadores do Real Madrid comemoram a Supercopa da Espanha 2017. Créditos: Juan Medina/Reuters

O Real Madrid derrotou novamente o Barcelona na segunda e decisiva partida da Supercopa da Espanha 2018 por 2 a 0 no Estádio Santiago Bérnabeu, em Madri, nesta quarta-feira (16). Com os gols de Asensio e Benzema, os Merengues fizeram 5 a 1 no placar agregado e faturou pela décima vez o torneio, sendo a sexta em cima do Barça.

Mesmo sem o seu principal jogador, o Real Madrid não tomou conhecimento do Barcelona e, praticamente esqueceu a larga vantagem adquirida no jogo de ida da Supercopa da Espanha, e partiu para cima. A um minuto de jogo, Asensio avançou pela esquerda, cruzou para o  meio da área para Modrić, da meia-lua, arrematou de primeira, mas a bola bateu em Umtiti e impediu o primeiro gol do jogo. Aliás, a bola na rede não demorou muito depois desse lance. Aos 3, Asensio recebeu na intermediária e, com a canhota, soltou a bomba por cobertura e Ter Stegen só observou a redonda balançar as redes. Um a zero para o Real.

O tento veio como um baque para o Barça, que até tentou assimilar o golpe e tentou, aos 11, com Suárez, que recebeu lançamento de Mascherano, e pegou de primeira e mandou para fora. Aos 15, foi a vez de Messi tentar. O argentino recebeu em velocidade pela direita, tentou driblas Navas, porém, o arqueiro costarriquenho ficou com a bola. Os Merengues responderam quatro minutos mais tarde. Marcelo partiu pela esquerda, entrou na área e cruzou rasteiro, mas Benzema não alcançou a redonda. Aos 24, a equipe madridista atacou novamente com Asensio, que recebeu cruzamento pelo meio de Benzema, o camisa 20 dominou e chutou, mas a bola foi desviada para fora.

Os comandados de Zinédine Zidane mantiveram o pique e, aos 32, acertaram a trave. Benzema tocou para Lucas Vázquez na meia-lua, ele dominou e arriscou com a esquerda, e a bola acertou a trave de Ter Stegen. E, com tamanha superioridade em campo, não demorou muito para vir o segundo gol. Aos 38, Busquets vacilou e perdeu a bola, Marcelo cruzou na área, Benzema se antecipou a Umtiti, ajeitou e bateu com a esquerda: 2 a 0. Na sequência, Lucas Vázquez chutou cruzado e rasteiro, mas Ter Stegen fez a defesa.

E, com muito espaço para jogar, o Real Madrid chegava fácil ao ataque. Aos 43, Benzema recebeu na intermediária, puxou para a perna esquerda e chutou da entrada da área, mas mandou para fora.

No segundo tempo, o Barça saiu mais para o jogo e se esforçou para amenizar o prejuízo. Primeiro com Suárez que, aos dois minutos, recebeu pela direita, cruzou rasteiro para Navas ficar com a esférica. Quatro minutos depois, foi a vez de Messi. O camisa 10 recebeu em velocidade pela esquerda e finalizou, contudo, a bola explodiu no travessão de Navas. Na sequência, Benzema tabelou com Asensio pela esquerda, entrou na área, bateu cruzado para Ter Stegen fazer a defesa.

À medida que a etapa complementar rolava, os ânimos ficavam mais acirrados, como aos 17, quando Messi pediu a bola para Sergio Ramos para cobrar uma falta e o zagueiro a jogou para o alto, o que motivou o argentino a soltar uns palavrões ao adversário.

Aos 20, Messi cobrou falta pela direita, Navas errou na saída, no entanto, Suárez errou a cabeçada na segunda trave e mandou para fora.  Cinco minutos depois, Suárez fez grande jogada, acionou Sergi Roberto dentro da área, que deu um leve toque, Navas salvou, no rebote, Messi chutou, o goleiro defendeu novamente e Suárez tentou de ‘peixinho’ para acertar a bola na trave. Incrível. Quando a fase não é boa, não tem jeito. Aos 28, Deulofeu girou pela esquerda, passou para Messi, que limpou para a perna direita, mas mandou para fora. Oito minutos mais tarde, o camisa 16 azul-grená tentou novamente, mas o arremate saiu mascado.

Depois disso, os Merengues só administraram o resultado enquanto a sua torcida entoava pelo Santiago Bérnabeu o grito de campeão. O que veio quando o árbitro decretou aos 48 minutos o fim de jogo. Vitória do Real Madrid por 2 a 0 e, consequentemente, fazendo 5 a 1 no placar agregado.

O segundo jogo da decisão da Supercopa da Espanha começou praticamente com o Real Madrid com 75% com a taça. Isso porque o time merengue havia levado a melhor no primeiro jogo em pleno Camp Nou ao faturar o rival por 3 a 1. E, mesmo desfalcado de Cristiano Ronaldo, Bale, Isco e Casemiro (esse último entrou durante o jogo), a equipe de Zidane não tomou conhecimento do adversário e, com ritmo impressionante, se impôs diante dos catalães, envolveu o adversário, fez o primeiro gol logo de cara, o que o deixou em uma situação ainda mais confortável. Enquanto o Barça, por incrível que pareça, não fez uma finalização certa em direção à meta de Navas e, além disso, depois de muitos anos, pela primeira vez, ficou com menos posse de bola em relação ao rival. Diante desses dois duelos contra o Real, o torcedor blaugrana começará a temporada 2017/2018 com uma incógnita de como sua equipe irá se comportar ao longo desse período. Certamente que reforços virão (Paulinho, ex-Corinthians, já é um deles), especialmente com o montante do dinheiro que recebeu com a venda de Neymar ao PSG. Logo, o Barça passará por um processo de renovação de parte de seu elenco e, além disso, o trabalho de Valverde ainda está no começo, assim, a tendência é não conseguir superar o arquirrival na temporada. Enquanto isso, o Real Madrid já tem um time ajustado e elenco forte. Sem contar que a preparação foi muito bem feita. Não foi à toa que os Merengues já conquistaram, com esse título de hoje, duas conquistas no começo da temporada.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da decisão.

1º jogo:
13/08/2017 – Barcelona 1×3 Real Madrid – Camp Nou, Barcelona
2º jogo:
16/08/2017 – Real Madrid 2×0 Barcelona – Santiago Bernabéu, Madri

FICHA TÉCNICA: REAL MADRID 2×0 BARCELONA
Competição/fase:
Supercopa da Espanha 2017 – final (2º jogo)
Local: Estádio Santiago Bernabéu, Madri, Espanha
Data: 16 de agosto de 2017, quarta-feira – 18h (horário de Brasília)
Árbitro: José María Sánchez Martínez (Espanha)
Assistentes: Raúl Cabañero Martínez e José Gallego García
Cartões Amarelos: Mascherano e Suárez (Barcelona)
Gols: Asensio, aos 4 min (1-0), e Benzema, aos 39 min do 2º tempo (2-0)
REAL MADRID: 1.Navas; 2.Carvajal, 4.Sergio Ramos, 5.Varane e 12.Marcelo; 10.Modrić, 23.Kovačić (14.Casemiro),  8.Kroos (24.Caballos) e 17.Lucas Vázquez; 20.Asensio (15.Théo Hernández) e 9.Benzema. Técnico: Zinédine Zidane
BARCELONA: 1.Ter Stegen; 14.Mascherano, 3.Piqué (2.Nélson Semedo) e 23.Umtiti; 4.Rakitić, 5.Busquets, 21.André Gomes (16.Deulofeu), 20.Sergi Roberto e 18.Jordi Alba (19.Digne); 10.Messi e 9.Suárez. Técnico: Ernesto Valverde

Parabéns ao Real Madrid Club de Fútbol pelo título.

Por Jorge Almeida

Anúncios

Barcelona: campeão do Troféu Joan Gamper 2017

Jogadores das duas equipes posam para fotografia no Camp Nou. Foto: Josep Lago/AFP

A Chapecoense foi homenageada pelo Barcelona ao participar da disputa do Troféu Joan Gamper, no Estádio Camp Nou, na Catalunha, na tarde desta segunda-feira (7). Dentro de campo, os catalães golearam a Chape por 5 a 0, com gols Deulofeu, Busquets, Messi, Suárez e Denis Suárez, e ficaram com a taça do amistoso pela 40ª vez. Para os envolvidos, o resultado foi o de menos, mas valeu a celebração à vida, à memória dos 71 mortos do voo da LaMia, a volta de Alan Ruschel e dos demais sobreviventes. Uma grande festa foi feita na casa do Barça.

O jogo começou com o Barcelona partindo pra cima e, através do característico toque de bola, logo a um minuto de jogo, Messi bateu à queima-roupa para Elias fazer linda defesa. Dois minutos depois, após escanteio, Rakitić se antecipou no primeiro pau e cabeceou por cima do gol de Elias. Em seguida, depois de bela troca de passes, Suárez recebeu na área, mas sem ângulo chutou em cima do arqueiro da Chape.

E, com muita facilidade, o Barça chegou ao gol aos cinco minutos. Rakitić deu uma caneta em Luiz Otávio e deixou Deulofeu apenas para completar para as redes, sem goleiro.

Os blaugranas não demoraram muito e fizeram o segundo gol ainda aos dez minutos. Deulofeu importunou a defesa da Chapecoense e recuou para Busquets, sem marcação, e que acertou um chutaço no ângulo, sem chances de defesa para Elias.

O Verdão do Oeste teve a sua primeira oportunidade apenas aos 15 minutos. Wellington Paulista ganha de Piqué por cima, carregou a bola até a grande área para arriscar de esquerda, cruzado, para a redonda passar perto da trave esquerda de Ter Steger. Quatro minutos depois, a equipe brasileira finalizou novamente. Alan Ruschel cobrou falta na área, Luiz Otávio subiu bem, sozinho, cabeceou, mas não acertou o alvo. A Chape passou a tocar a bola sem pressa, mas não conseguiu progredir.

A equipe catalã voltou a impor o seu ritmo. Aos 26, cruzamento rasteiro para Messi, o argentino pegou de primeira e Elias defendeu no reflexo. No lance seguinte, Messi girou, driblou e passou como quis na defesa adversárioa, abriu para Deulofeu, que devolveu para o camisa 10 marcar: 3 a 0.

O Barcelona seguiu pressionando sem dó e nem piedade da Chape. Aos 33, Rakitić ajeitou de costas para Suárez chegar chutando; o uruguaio pegou de primeira para mais uma grande defesa de Elias. No minuto seguinte, Suárez saiu na cara do goleiro da Chape, que saiu bem, fechou o ângulo e impediu o quarto tento dos blaugranas.

O ápice do jogo veio aos 35 minutos: saiu Alan Ruschel, que foi aplaudido de pé pelos torcedores presentes no Camp Nou, para a entrada de Penilla. E os catalães continuaram com tudo no jogo. Aos 37, roubaram a bola próximo da defesa da Chape, e Messi só não marcou o seu segundo gol porque Reinaldo, com o pé, salvou em cima da linha. Cinco minutos mais tarde, outra tabelinha do Barça, dessa vez com Iniesta e Messi, que deixou o camisa 8 na cara do gol e tentou encobrir Elias, mas o arqueiro defendeu. Aos 44, depois da cobrança de escanteio, Suárez pegou de primeira, sem deixar a bola quicar, mas Elias fez mais uma grande defesa.

Na segunda etapa, o domínio catalão seguiu e o quarto gol não demorou muito. Aos 9, Suárez recebeu de Messi e bateu forte, sem ângulo, para fazer o seu depois de parar em Elias em três ocasiões. Um minuto depois, Messi recebeu de Suárez, puxou para o meio e visou o cantinho, porém, a esférica saiu.

Aos 14, a Chapecoense chegou à sua terceira finalização no jogo, mas Cilessen caiu no canto para defender. O jogo deu continuidade com a superioridade dos anfitriões, que chegaram ao quinto gol aos 28. Messi deu um excelente passe para Denis Suárez receber livre e chutar na saída do goleiro.

O amistoso deu uma tranquilizada por conta das alterações promovidas pelas equipes.  A Chape tentou mais uma vez aos 36 com Tulio de Melo, que subiu mais alto que a defesa e exigiu defesa de Cillessen.

O Barcelona ainda teve oportunidade de chegar ao sexto gol. Khevin derrubou Semedo na área aos 43. Pênalti. Paco Alcácer, que entrou no lugar de Messi, cobrou, mas Artur Moraes, substituto de Elias, pegou, no rebote, o camisa 17 azul-grená escorregou e, no bate-rebate, a defesa conseguiu afastar.

O jogo seguiu até os 49 minutos, e o amistoso terminou com vitória dos anfitriões por 5 a 0 e, assim, o Internacional de Porto Alegre segue como o único time brasileiro a conquistar o Troféu Joan Gamper, enquanto o Barcelona conquista a taça que leva o nome do patrono pela 40ª vez.

Apesar de estar em começo de temporada, o Barcelona entrou com o franco favoritismo diante da Chapecoense, e a superioridade do time catalão foi absurda. Messi e companhia encararam o amistoso como um jogo-treino. A Chape foi ‘engolida’ pelo Barça. Nos números da partida, os blaugranas foram superiores em todos os dados: posse de bola (67% a 33%), finalizações (20 a 4, sendo que os catalães tiveram dez chances reais de gols contra zero dos brasileiros), passes certos (540 a 154), enfim, avassalador. Apesar da goleada, o resultado foi o de menos, o importante foi a celebração à vida, a homenagem aos falecidos e aos sobreviventes do voo da LaMia.

A seguir, a ficha técnica do jogo amistoso que valeu taça.

FICHA TÉCNICA: BARCELONA (ESP) 5×0 CHAPECOENSE (BRA)
Competição/fase: Troféu Joan Gamper 2017 – amistoso (jogo único)
Local: Estádio Camp Nou, Barcelona, Espanha
Data: 7 de agosto de 2017, segunda-feira, 15h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Alfonso Álvarez Isquierdo
Assistentes: Juan Carlos Barranco Trejo e Joan Méndez Mateo
Cartão Amarelo: Lucas Mineiro (Chapecoense)
Gols: Deulofeu, aos 5 min (1-0), Busquets, aos 10 min (2-0) e Messi, aos 27 min do 1º tempo (3-0); Suárez, aos 9 min (4-0) e Denis Suárez, aos 29 min do 2º tempo (5-0)
BARCELONA (ESP): 1.Ter Stegen (13.Cillessen); 22.Vidal (2.Nélson Semedo), 3.Piqué (2.Marlon), 23.Umtiti (14.Mascherano) e 18.Jordi Alba (19.Digne); 4.Rakitić (30.Aleñá), 5.Busquets (26.Samper) e 8.Iniesta (20.Sergi Roberto); 16.Deulofeu (6.Denis Suárez), 10.Messi (17.Paco Alcácer) e 9.Suárez (29.El Haddadi). Técnico: Ernesto Valverde
CHAPECOENSE (BRA): 12.Elias (1.Artur Moraes); 22.Apodi (92.Zeballos), 21.Luiz Otávio (14.Fabrício Bruno), 80.Victor Ramos (3.Douglas Grolli) e 6.Reinaldo; 5.Moisés Ribeiro (11.Luiz Antônio), 28.Alan Ruschel (7.Penilla), 30.Nenén (70.Nadson) (37.Moisés Gaúcho), 25.Lucas Mineiro (87.Khevin) e 32.Lourency (23.Fernando Guerrero) (17.Arthur Caíke); 9.Wellington Paulista (10.Tulio de Melo). Técnico: Vinícius Eutrópio

Parabéns ao Futbol Club Barcelona e, por que não?, à Associação Chapecoense de Futebol pela festa.

Por Jorge Almeida

Barcelona: campeão da Copa do Rei 2016/2017

Os jogadores do Barcelona comemoram o único título conquistado na temporada 2016/2017. Foto: Getty Images

Na partida que marcou as despedidas de Luis Enrique no comando do Barcelona e do Estádio Vicente Calderón, o Barcelona venceu o Alavés por 3 a 1 e ficou com o título da Copa do Rei 2016/2017 neste sábado (27). Os gols da partida foram marcados por Messi, Neymar e Paco Alcácer pelo lado catalão, enquanto Théo Hernández descontou para o clube do País Basco. Esse foi o 29º caneco da competição erguido pelo Barça. Com o título dos blaugranas, o Athletic Bilbao, sétimo colocado do Campeonato Espanhol, herdou uma vaga para a disputa da próxima Liga Europa – se o Alavés fosse o campeão, a vaga para o torneio continental era dele.

O último jogo oficial do Vicente Calderón foi justamente uma partida envolvendo dois clubes de regiões separatistas da Espanha, a Catalunha, caso do Barcelona, e o País Basco, representado pelo Alavés. Obviamente, as duas torcidas vaiaram e muito a execução do hino da Espanha.

Detalhes políticos à parte, a bola rolou e o Barcelona, mesmo desfalcado do “S” de seu poderoso trio MSN – Messi, Suárez e Neymar, já deu as caras logo aos 6 minutos. Messi lançou Alba na diagonal. O camisa 18 deu um leve desvio de cabeça para a bola quicar na grama, fazer uma curva e sair caprichosamente pela linha de fundo. Dois minutos depois, um choque de cabeça entre Mascherano e Llorente deixou os dois times preocupados. O argentino levou a pior, pois saíra sangue e, com isso, ele foi substituído por André Gomes.

A partida seguiu com a habitual posse de bola da equipe catalã, enquanto os albicelestes montaram um forte esquema de marcação para evitar as peripécias de Messi e companhia. No entanto, em uma vacilada de Piqué, Ibai Gómez partiu para cima e chutou rasteiro, a redonda desviou em Cilessen, na trave, passou por cima da linha até o outro lado e Deyverson tentou chutar sem ângulo em vez de passar para um companheiro que tinha melhores condições.

Depois do susto, os blaugranas, aos 26, levaram perigo. Iniesta arriscou, Paco Alcácer desviou e quase enganou Pacheco, que defendeu com os pés. No entanto, o esquema tático do Alavés sucumbiu aos 31 minutos. Messi tabelou com Neymar e, da meia-lua, o argentino du um tapa com a canhota no canto do goleiro: 1 a 0 para o Barça.

A reação dos albiazules foi instantânea. O lateral Théo Hernández cobrou falta com maestria no ângulo de Cilessen, um golaço.

O gol sofrido não abalou muito os comandados de Luis Enrique. Tanto que, em dois lances, aos 39 e aos 40, o Barça quase fez o segundo. Primeiro Messi cobrou falta direto e Pacheco fez a defesa em dois tempos. No lance seguinte, Neymar tocou para Rakitić que chutou rasteiro da entrada da área e mandou à direita da meta do Alavés.

E, antes do intervalo, o Barcelona praticamente liquidou o jogo. Aos 44, Messi abriu para André Gomes, que cruzou rasteiro para Neymar, que estava levemente adiantado, só completar para as redes e pôr a equipe da Catalunha na frente. E, nos acréscimos da primeira etapa, aos 47, Messi fez grande jogada invidual, passou por três adversários, e deixou Paco Alcácer em ótimas condições para dominar e chutar rasteiro para ampliar a vantagem: 3 a 1.

No começo da etapa complementar, o Alavés assustou aos dois minutos. Ibai Gómez cobrou falta com perigo e Cilissen só observou e “tirou com os olhos”. Dois minutos depois, Messi fez jogada pela direita e cruzou à meia altura para Paco, que desviou para Pacheco espalmar e a defesa completar.

O jogo seguiu com os catalães valorizando a posse de  bola e tentando infiltrar a defesa da equipe do País Basco. Aos 20, Iniesta tentou e mandou por cima.

O Alavés teve duas oportunidades seguidas de gol. Aos 24, Sobrino, que entrou no lugar de Edgar, acertou André gomes com a bola viva na grande área. No minuto seguinte, o goleiro holandês desviou com os pés o desvio do zagueiro brasileiro Rodrigo Ely. No mesmo minuto, o Alavés até marcou, mas Deyverson foi flagrado em impedimento.

O tempo fechou entre os atletas das duas equipes depois que Neymar caiu (e valorizou) o empurrão dado por Sobrino fora do lance e dentro da área. No final, o árbitro distribuiu cartões amarelos para os dois times.

E, já nos minutos finais, aos 46, em um contragolpe de quatro contra três, o Barcelona desperdiçou uma ótima oportunidade por Busquets, que procurou Neymar em vez de ter chutado. E o placar no segundo tempo não foi alterado. Fim de jogo no Vicente Calderón: Barcelona 3, Alavés 1.

O Barcelona entrou em campo com o franco favoritismo e isso foi consolidado no primeiro tempo. Além da despedida do estádio que sediou os jogos do Atlético de Madrid, a partida também marcou a despedida do técnico Luis Enrique da equipe catalã. A Copa do Rei era a última oportunidade do Barça encerrar a temporada com título. Enquanto isso, o Alavés já entrou em campo fazendo história, uma vez que o clube alviceleste nunca havia chegado à final da competição. O Barcelona dominou o jogo todo e, apesar do susto sofrido com o empate do Alavés, o time da Catalunha fez o suficiente para conquistar o tricampeonato da copa nacional. E, desde os tempos de Di Stéfano, um atleta não marcava gol em três finais consecutivas da Copa do Rei e ontem Neymar conseguiu fazer a façanha. Com o título, o Barcelona chegou a 29 taças e é o maior vencedor do torneio, deixando o Athletic de Bilbao para trás com 23 e Real Madrid com 19.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da decisão.

Quarta fase:
30/11/2016 – Hércules 1×1 Barcelona – José Rico Pérez, Alicante
21/12/2016 – Barcelona 7×0 Hércules – Camp Nou, Barcelona
Oitavas-de-final:
05/01/2017 – Athletic Bilbao 2×1 Barcelona – San Mamés, Bilbao
11/01/2017 – Barcelona 3×1 Athletic Bilbao – Camp Nou, Barcelona
Quartas-de-final:
19/01/2017 – Real Sociedad 0x1 Barcelona – Anoeta, San Sebastián
26/01/2017 – Barcelona 5×2 Real Sociedad – Camp Nou, Barcelona
Semifinais:
01/02/2017 – Atlético de Madrid 1×2 Barcelona – Vicente Calderón, Madri
07/02/2017 – Barcelona 1×1 Atlético de Madrid – Camp Nou, Barcelona
Final:
27/05/2017 – Barcelona 3×1 Alavés – Vicente Calderón, Madri

FICHA TÉCNICA: BARCELONA 3×1 ALAVÉS
Competição/fase: Copa del Rey 2016/2017 – final (jogo único)
Local: Estádio Vicente Calderón, Madri
Data: 27 de maio de 2017, sábado – 16h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Carlos Clos Gómez
Cartões Amarelos: Umtiti, Messi e Iniesta (Barcelona); Édgar Méndez, Manu García, Rodrigo Ely e Sobrino (Alavés)
Gols: Messi, aos 29 min do 1º tempo (1-0), Théo Hernández, aos 33 min do 1º tempo (1-1), Neymar, aos 44 min do 1º tempo (2-1) e Paco Alcácer, aos 46 min do 1º tempo (3-1)
BARCELONA: 13.Cillessen; 14.Maschereno (21.André Gomes), 3.Piqué, 23.Umtiti e 18.Jordi Alba; 5.Busquets, 4.Rakitić (22.Alexis Vidal) e 8.Iniesta; 10.Messi, 11.Neymar e 17.Paco Alcácer. Técnico: Luis Enrique
ALAVÉS: 1.Fernando Pacheco; 21.Kiko Femenía, 2.Rodrigo Ely, 22.Vigaray, 24.Feddal e 15.Théo Hernandéz (10.Óscar Romero); 19.Manu García, 6.Lloriente, 17.Edgar Mendéz (7.Sobrino) e 11.Ibai Gómez (8.Camarasa); 20.Dayvison. Técnico: Manuel Pellegrini

Parabéns ao Futbol Club Barcelona pelo título.

Por Jorge Almeida

Encerrada a fase de grupos da Copa Libertadores da América 2017

16 equipes seguem na busca do troféu mais cobiçado da América do Sul

Com as seis partidas realizadas nesta quinta-feira (25), válidas pelos grupos 1, 3 e 8, a fase de grupos da Copa Libertadores da América 2017 foi encerrada. A partir de agora, 16 equipes seguem no certame e, como prevê o regulamento, os campeões de cada grupo enfrentarão os segundos colocados dentre os classificados mediante sorteio. A definição dos duelos das oitavas-de-final acontecerá no próximo dia 14 de junho, na sede da Conmebol, em Luque, no Paraguai. Os terceiros colocados irão disputar a Copa Sulamericana.

Pelo grupo 1, o já classificado Botafogo foi até La Plata enfrentar o Estudiantes nesta quinta-feira. Apesar de sair derrotado por 1 a 0, o time da Estrela Solitária terminou na liderança do grupo com dez pontos, a mesma pontuação do Barcelona, do Equador, que perdeu para o Atlético Nacional no Atanásio Gerardot por 3 a 1. A equipe brasileira ficou à frente por conta do saldo de gols (saldo 1 contra saldo 0).

A última rodada do grupo 2 foi disputada na terça-feira (23). O invicto Santos foi o campeão do grupo com 12 pontos. A equipe praiana goleou o frágil Sporting Cristal por 4 a 0 na Vila Belmiro. Os bolivianos do The Strongest arrancaram um precioso empate em 1 a 1 diante do Santa Fé no El Campín, em Bogotá. O resultado foi primordial para o clube aurinegro que, com 9 pontos, ficou com um ponto a mais em relação aos colombianos.

Outro grupo que definiu seus classificados na quinta-feira foi o 3. O River Plate, que começou a rodada já classificado, perdeu em casa para o Independiente de Medellín por 2 a 1 e, mesmo assim, ficou na liderança com 13 pontos. Apesar da vitória, a equipe colombiana foi eliminada por conta da vitória do Emelec por 3 a 0 contra o fraco Melgar. Dessa forma, os equatorianos terminaram na segunda colocação do grupo com 10 pontos.

O concorrido grupo 4 foi definido na semana passada, no dia 17. O San Lorenzo bateu o Flamengo, de virada, com um gol nos acréscimos, por 2 a 1 no Nuevo Gasómetro e garantiu o primeiro lugar. O rubronegro, mesmo com a derrota, estaria se classificando em segundo, mas o gol feito por Carlos Alberto no Chile contra a Universidad Católica, aos 41 minutos do segundo tempo, classificou o Atlético Paranaense que, também de virada, derrotou os chilenos por 3 a 2 e deixou o Furacão com 9 pontos e a vice-lderança do grupo.

O Palmeiras confirmou o seu favoritismo e terminou na ponta do grupo 5 com 13 pontos, seguido do Jorge Wilstermann, com 9. O alviverde fez prevalecer o mando de campo e venceu o Atlético Tucumán, da Argentina, por 3 a 1 no Allianz Parque no dia 24 (quarta-feira). O triunfo do time brasileiro favoreceu a equipe boliviana, que perdeu por 2 a 0 para o Peñarol fora de casa. Caso a equipe Decana tivesse ganhado dos palestrinos teria se classificado no lugar do clube de Cochabamba.

O grupo 6 terminou com o Atlético Mineiro no topo com 13 pontos, dois a mais que o Godoy Cruz. Na semana passada, no dia 16, as duas equipes se enfrentaram no Independência para a definição da liderança. Assim, o Galo goleou o time argentino por 4 a 1 no Independência e, não só ficou à frente do rival, como encerrou a fase de grupos na liderança geral. Na outra partida do grupo, jogada no mesmo dia, o Libertad não passou de um empate com os bolivianos do Sport Boys Warnes em casa por 1 a 1.

O equilibrado grupo 7 teve o Lanús, da Argentina, como o seu campeão, com 13 pontos. Os granates foram até o místico Estádio Centenário, em Montevidéu, e venceram o Nacional por 1 a 0. Enquanto isso, na Arena Condá, a Chapecoense superou o Zulia, da Venezuela, de virada, por 2 a 1. As duas partidas ocorreram no dia 23, terça-feira. Contudo, em virtude da escalação irregular do zagueiro Luiz Otávio contra o Lanús, na penúltima rodada, a Chape perdeu os pontos dessa partida que, curiosamente, foi vencida, dentro de campo, pelo Verdão do Oeste por 1 a 0 com gol justamente de Luiz Otávio, mas o time catarinense vai recorrer da decisão.

E o grupo 8, que foi definido apenas na última rodada, realizada nesta quinta-feira (25), terminou com o Grêmio na liderança, seguido do Guaraní, do Paraguai. O Tricolor dos Pampas não tomou conhecimento do Zamora, da Venezuela, que não marcou um ponto sequer nesta Libertadores, e goleou a equipe boliviana por 4 a 0 em sua arena e chegou aos 13 pontos. O time dirigido por Renato Gaúcho só dependia de si para conseguir a classificação. O outro jogo do grupo, entre Guaraní e Iquique, foi um confronto direto, pois apenas um deles poderia seguir, já que, quem vencesse tiraria o outro do páreo. No entanto, o clube paraguaio poderia jogar pelo empate, já que terminaria à frente dos chilenos e foi justamente um 0 a 0 em Assunção que o Guaraní, com 11 pontos, deixou o Iquique, que foi a 10 pontos, para trás.

Lembrando que Estudiantes, Santa Fé, Independiente de Medellín, Flamengo, Atlético Tucumán, Libertad, Chapecoense (se não conseguir reverter a perda dos pontos) e Iquique – terceiros colocados de seus grupos – disputarão as oitavas-de-final da Copa Sulamericana.

Os classificados que ficarão no pote 1 serão: 1.Atlético Mineiro, 2.Lanús, 3.Grêmio, 4.River Plate, 5.Palmeiras, 6.Santos, 7.Botafogo e 8.San Lorenzo. E o pote dois será formado por: 9.Godoy Cruz, 10.Guaraní, 11.Emelec, 12.Barcelona, 13.Atlético Paranaense, 14.The Strongest, 15.Jorge Wilstermann e 16.Nacional.

Os confrontos das quartas-de-final acontecerão nos dias 4, 5 e 6 de julho, os jogos de ida, e dias 8, 9 e 10 de agosto, as partidas de volta.

Na teoria, o regulamento da Conmebol parece justo. Pois, os clubes que estarão no pote 1 (os primeiros colocados e numerados de 1 a 8) enfrentarão os do pote 2 (os segundos colocados e numerados de 9 a 16). Assim, o campeão de um determinado grupo poderá enfrentar já nas oitavas o vice-campeão de sua chave na fase anterior. Por exemplo, suponhamos que, no sorteio, a bolinha com número 3 do pote 1, no caso Grêmio, vai enfrentar o time da bolinha número 10 do pote 2, que é o mesmo Guaraní, do Paraguai. Logo, as duas equipes que se classificaram no grupo 8 vão se enfrentar mais duas vezes. Ou, ainda, poderá acontecer um embate entre equipes do mesmo país. Lembrando que o gol fora de casa será utilizado como critério de desempate, exceto na final.

Contudo, em se tratando de Conmebol, não ficaremos surpresos que, de acordo com o chaveamento até a final, a entidade não altere alguma coisa até lá para evitar que a sua principal competição interclubes tenha uma       “final caseira”.

A seguir, a classificação final da fase de grupos e os resultados da última rodada.

Grupo 1:
1. Botafogo (BRA) – 10
2. Barcelona (EQU) – 10
3. Estudiantes (ARG) – 9
4. Atlético Nacional (COL) – 6
Data – Jogo – Local:
25/05/2017 – Estudiantes (ARG) 1×0 Botafogo (BRA) – Ciudad de La Plata, La Plata
25/05/2017 – Atlético Nacional (COL) 3×1 Barcelona (EQU) – Atanásio Girardot, Medellín

Grupo 2:
1. Santos (BRA) – 12
2. The Strongest (BOL) – 9
3. Santa Fé (COL) – 8
4. Sporting Cristal (PER) – 2
Data – Jogo – Local:
23/05/2017 – Santa Fé (COL) 1×1 The Strongest (BOL) – El Campín, Bogotá
23/05/2017 – Santos (BRA) 4×0 Sporting Cristal (PER) – Vila Belmiro, Santos

Grupo 3:
1. River Plate (ARG) – 13
2. Emelec (EQU) – 10
3. Independiente de Medellín (COL) – 9
4. Melgar (PER) – 3
Data – Jogo – Local:
25/05/2017 – Emelec (EQU) 3×0 Melgar (PER) – George Capwell, Guayaquil
25/05/2017 – River Plate (ARG) 1×2 Independiente de Medellín (COL) – Monumental de Núñez

Grupo 4:
1. San Lorenzo (ARG) – 10
2. Atlético Paranaense (BRA) – 10
3. Flamengo (BRA) – 9
4. Universidad Católica (CHI) – 5
Data – Jogo – Local:
17/05/2017 – Universidad Católica (CHI) 2×3 Atlético Paranaense (BRA) – San Carlos de Apoquindo, Las Condes
17/05/2017 – San Lorenzo (ARG) 2×1 Flamengo (BRA) – Nuevo Gasómetro, Buenos Aires

Grupo 5:
1. Palmeiras (BRA) – 13
2. Jorge Wilstermann (BOL) – 9
3. Atlético Tucumán (ARG) – 7
4. Peñarol (URU) – 6
Data – Jogo – Local:
24/05/2017 – Peñarol (URU) 2×0 Jorge Wilstermann (BOL) – Campeón del Sigio, Montevidéu
24/05/2017 – Palmeiras (BRA) 3×1 Atlético Tucumán (ARG) – Allianz Parque, São Paulo

Grupo 6:
1. Atlético Mineiro (BRA) – 13
2. Godoy Cruz (ARG) – 11
3. Libertad (PAR) – 6
4. Sport Boys Warnes (BOL) – 2
Data – Jogo – Local
16/05/2017 – Libertad (PAR) 1×1 Sport Boys Warnes (BOL) – Centenário, Assunção
16/05/2017 – Atlético Mineiro (BRA) 4×1 Godoy Cruz (ARG) – Independência, Belo Horizonte

Grupo 7:
1. Lanús (ARG) – 13
2. Nacional (URU) – 8
3. Chapecoense (BRA) – 7
4. Zulia (VEN) – 5
Data – Jogo – Local:
23/05/2017 – Nacional (URU) 0x1 Lanús (ARG) – Centenário, Montevidéu
23/05/2017 – Chapecoense (BRA) 2×1 Zulia (VEN) – Arena Condá, Chapecó

Grupo 8:
1. Grêmio (BRA) – 13
2. Guaraní (PAR) – 11
3. Iquique (CHI) – 10
4. Zamora (VEN) – 0
Data – Jogo – Local:
25/05/2017 – Guaraní (PAR) 0x0 Iquique – Rogelio Livieres, Assunção
25/05/2017 – Grêmio (BRA) 4×0 Zulia – Arena do Grêmio, Porto Alegre

Parabéns aos classificados.

Por Jorge Almeida

UEFA definiu os confrontos das quartas-de-final da Champions

Confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017. Créditos: Getty Images

A UEFA realizou em sua sede, em Nyon, na Suíça, nesta sexta-feira (17), os confrontos válidos pelas quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017. As partidas de ida serão realizadas nos dias 11 e 12 de abril e os jogos de volta acontecerão nos dias 18 e 19 do mesmo mês. Destaque para os confrontos entre Bayern de Munique e Real Madrid, e Juventus versus Barcelona.

O primeiro jogo do confronto entre Atlético de Madrid e Leicester City será realizado no Vicente Calderón, na capital espanhola, no dia 12 de abril. Enquanto a volta acontecerá seis dias depois no King Power Stadium, na Inglaterra. Na história, duas das três campanhas em competições europeias do Leicester foram encerradas em confrontos contra os Colchoneros. O time espanhol derrotou os Foxes na extinta Recopa Europeia de 1961/1962 por 3 a 1, e também levou a melhor em dois confrontos realizados pela Copa da UEFA (vitórias por 2 a 1 em casa e 2 a 0 fora) na temporada 1997/1998. Além disso, o clube espanhol nunca perdeu em casa para uma equipe inglesa – cinco vitórias e cinco empates.

Já Borussiva Dortmund e Mônaco nunca se enfrentaram em uma competição oficial. E esse promete ser um duelo de muitos gols, pelo menos é o que se espera, conforme a postura ofensiva imposta pelos treinadores dos dois times. O compromisso de ida será realizado na Alemanha no dia 11 de abril e a volta será em 19 de abril no Louis II. Na história, os alemães enfrentaram equipes francesas em competições oficiais em 16 ocasiões, com seis vitórias, cinco empates e cinco derrotas. Apenas um revés ocorrera em casa.

Talvez o confronto mais aguardado desta quartas-de-final: Bayern de Munique x Real Madrid. O duelo entre o criador e a criatura. Logo, de um lado, Carlo Ancelotti, campeão europeu com o Real Madrid na temporada 2013/2014, agora treinando os Bávaros, do outro, o seu ex-auxiliar na campanha vitoria dos Merengues há três temporadas, Zinedine Zidane. Além desse duelo particular no banco de reservas, o embate também marcará o encontro de Toni Kroos e Xabi Alonso contra os seus ex-clubes. As duas equipes já se enfrentaram 22 vezes em torneios continentais, sendo 11 triunfos do Bayern, nove do Real Madrid e dois empates. Destaque para as últimas três vitórias do clube espanhol, inclusive os impiedosos 4 a 0 em Munique pela Champions 2013/2014, que foi a maior derrota da equipe da Baviera sofrida em casa nos torneios do Velho Continente. Sinceramente, não há favoritos neste confronto. O jogo de ida será no dia 12 de abril na Allianz Arena, em Munique, enquanto a partida derradeira ocorrerá no dia 18 no Santiago Bernabéu.

E, finalmente, Juventus x Barcelona, que farão uma reedição da final da edição 2014/2015 vencida pelos catalães, em Berlim, por 3 a 1. A Juve faz a primeira partida em casa, no dia 11, e o Barcelona será o anfitrião do compromisso na semana seguinte, em 19 de abril. Este jogo marcará o regresso de Daniel Alves ao Camp Nou, por onde defendeu as cores azul e grená por oito temporadas e conquistou 23 títulos. Motivado pela classificação heroica diante do PSG nas oitavas, o Barcelona tem um leve favoritismo, mas é bom os blaugranas não vacilarem contra a Vecchia Signora, que tem uma defesa mais sólida e, tecnicamente, melhor que a do time francês.

Não custa reforçar: a final, que será em jogo único, acontecerá no próximo dia 3 de junho (sábado) no Millenium Stadium, em Cardiff, no País de Gales.

A seguir, as datas e os locais dos confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League.

Data – Confronto – Local
Ida:
11/04/2017 – Juventus (ITA) x Barcelona (ESP) – Juventus Stadium, Turim
11/04/2017 – Borussia Dortmund (ALE) x Mônaco (FRA) – Signal Iduna Park, Dortmund
12/04/2017 – Bayern de Munique (ALE) x Real Madrid (ESP) – Allianz Arena, Munique
12/04/2017 – Atlético de Madrid (ESP) x Leicester City (ING) – Vicente Calderón, Madri

Volta:
18/04/2017 – Leicester City (ING) x Atlético de Madrid (ESP) – King Power Stadium, Leicester
18/04/2017 – Real Madrid (ESP) x Bayern de Munique (ALE) – Santiago Bernabéu, Madri
19/04/2017 – Mônaco (FRA) x Borussia Dortmund (ALE) – Louis II, Mônaco
19/04/2017 – Barcelona (ESP) x Juventus (ITA) – Camp Nou, Barcelona

Por Jorge Almeida

Definidos os classificados para as quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017

UEFA definirá os confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League na sexta-feira (15). Créditos: uefa.com

Os oito classificados para as quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017 foram definidos nesta quarta-feira (15) ao término dos dois últimos confrontos das oitavas-de-final – Mônaco 2×0 Manchester City e Atlético de Madrid 0x0 Bayer Leverkusen. Dessa forma, seguem na competição três clubes espanhóis (Barcelona, Real Madrid e Atlético de Madrid), um inglês (Leicester), dois alemães (Bayern de Munique e Borussia Dortmund), um italiano (Juventus) e um francês (Mônaco). Os confrontos da próxima fase serão definidos em um sorteio que será realizado às 8h (horário de Brasília) na sede da UEFA.

O Bayern de Munique foi na terça-feira (7) passada até Londres pegar o Arsenal com uma enorme vantagem. Depois de ter feito 5 a 1 na Allianz Arena, os bávaros repetiram o mesmo placar no Emirates Stadium, fazendo assim 10 a 2 no placar agregado. Essa foi a quarta vez que os Gunners caem nas oitavas-de-final para os alemães na Champions desde 2005.

Assim como a equipe da Baviera, no mesmo dia, o Real Madrid também avançou e repetiu o placar nos dois confrontos diante do Napoli. Depois de ter vencido o time napolitano em casa por 3 a 1, os Merengues fizeram 6 a 2 no agregado no time italiano e segue firme e forte na busca da 12ª taça da competição.

Outro representante alemão que segue no torneio é o Borussia Dortmund. Após perder o jogo de ida para o Benfica por 1 a 0, no Estádio da Luz, os aurinegros não tomaram conhecimento dos Encarnados e golearam o adversário por 4 a 0 no Signal Iduna Park. A partida foi disputada no dia 8 de março.

Dentre todos os classificados, o Barcelona era o que tinha a maior desvantagem. Depois de levar acachapantes 4 a 0 do Paris Saint-Germain no Parc des Princes, a equipe catalã precisava de um milagre para reverter a situação. Aliás, nunca na história da Liga dos Campeões, um clube conseguira reverter tamanha goleada. Contudo, em uma partida épica, o Barça atropelou o PSG com impiedosos 6 a 1, sendo que os últimos três gols saíram a dez minutos do fim da partida. Lembrando que o Barcelona fez dois gols de pênaltis e os franceses ainda tiveram o zagueiro Marquinhos expulso no segundo tempo.

Ontem (14) foi a vez da Juventus assegurar sua vaga para as quartas-de-final. A Vecchia Signora recebeu o Porto em casa e venceu por 1 a 0. Como derrotara o time português no primeiro jogo por 2 a 0, a Juve conseguiu uma classificação relativamente tranquila.

A grande sensação desta edição da Champions chegou pela primeira vez às quartas-de-final da competição. Atual campeão inglês, o Leicester deixou o Sevilla pelo caminho. Embora tenha perdido para o time de Jorge Sampaoli na ida por 2 a 1, o azarão inglês não se intimidou e derrotou o maior campeão da Liga Europa por 2 a 0 em seu estádio e seguem em busca do sonho.

O Mônaco será o representante francês nas quartas. O clube do principado derrotou o endinheirado Manchester City em casa por 3 a 1. Como havia perdido o jogo de ida no Etihad Stadium por 5 a 3, o time alvirrubro foi beneficiado pelos gols marcados na casa do adversário.

E, finalmente, o Atlético de Madrid segue na busca de sua inédita Champions. Os comandados de Diego Simeone empataram no Vicente Calderón com o Bayer Leverkusen em 0 a 0. Porém, como vencera o compromisso de ida por 4 a 2, os Colchoneros avançaram para a fase seguinte.

Os confrontos das quartas-de-final da competição europeia serão definidos após sorteio que acontecerá na próxima sexta-feira (17), às 9h (horário de Brasília), na sede da UEFA, em Nyon, na Suíça.

As partidas de ida das quartas-de-final serão realizadas nos dias 11 e 12 de abril e os jogos de volta acontecerão nos dias 18 e 19 de abril.

Parabéns aos classificados.

Por Jorge Almeida

Barcelona: campeão espanhol 2015/2016

Jogadores do Barcelona comemoram o título no vestiário do Estádio Nuevo Los Cármenes. Foto: Foto: Reprodução/Twitter
Jogadores do Barcelona comemoram o título no vestiário do Estádio Nuevo Los Cármenes. Foto: Foto: Reprodução/Twitter

O Barcelona conquistou neste sábado (14) o bicampeonato espanhol ao bater o Granada no Estádio Nuevo Los Cármenes por 3 a 0 com três gols de Luís Suárez em partida válida pela 38ª rodada do Campeonato Espanhol 2015/2016. Com o triunfo, o time catalão chegou aos 91 pontos e não pode ser mais alcançado, embora o Real Madrid, vice-líder, tenha feito a sua parte ao derrotar o Deportivo La Coruña por 2 a 0. O triunfo na Espanha serviu como “prêmio de consolação” para o Barça, que fora eliminado da UEFA Champions League pelo Atlético de Madrid que, inclusive, fará a grande decisão do torneio continental justamente contra o arquirrival Real Madrid.

Embora só dependesse de si para conquistar o 24º Campeonato Espanhol de sua história, os catalães também estavam de olho no jogo dos Merengues, uma vez que um tropeço diante do modesto Granada, a taça iria para a capital espanhola. Então, os comandados de Luis Enrique sabiam que necessitavam de fazer logo um gol para superar o esquema defensivo dos Filipinos para colocar a mão na taça. Mas, enquanto o Barcelona não fazia o seu gol, no Estádio Riazor, em La Coruña, Cristiano Ronaldo, com apenas sete minutos de jogo, colocara o Real Madrid em vantagem e, até aquele momento, com o título.

No entanto, a ansiedade catalã acabou aos 22 minutos do primeiro tempo. Messi lançou Jordi Alba, o lateral escapou de ser flagrado em impedimento e rolou de primeira para Suárez completar para o gol vazio e inaugurar o marcador.

Dezesseis minutos depois, aos 38, Mascherano lançou Daniel Alves, que se esforçou para não deixar a redonda sair e deu boa assistência para o camisa 9 fazer o segundo dele na partida. Com dois gols de vantagem, a festa dos catalães já começava a tomar conta, uma vez que os anfitriões não demonstrava qualquer possibilidade de reação.

Embora estivessem em êxtase com a vinda do título, nem tudo foi festa para os fãs do time azul-grená. Mascherano deixou o jogo durante o segundo tempo e virou dúvida para Luis Enrique na decisão da Copa do Rei, no próximo domingo, no Vicente Calderón, em Madri, contra o Sevilla.

Apesar de estar em situação confortável no jogo, o Barcelona continuou a partir para cima do Granada no segundo tempo. Neymar, por exemplo, obrigou o goleiro Andrés Fernandéz a realizar um milagre e ainda cavou um cartão amarelo para Rubén Pérez, que ficou nervoso com uma tentativa de caneta por parte do atacante brasileiro.

E, para liquidar a fatura, aos 41 minutos, o trio MSN – Messi, Suárez e Neymar – protagonizaram o terceiro gol. Messi, jogando centralizado, enfiou para Neymar, que foi solidário e passou para Suárez que, mais uma vez sem goleiro, só completou para as redes.

Com 40 gols, o uruguaio terminou La Liga como o artilheiro e, de quebra, desbancou a hegemonia da dupla Messi e Cristiano Ronaldo, o que não acontecia desde a temporada 2008/2009 quando a artilharia ficou com o seu compatriota, Diego Forlán.

Após o apito final, o elenco do Barcelona invadiu o gramado para comemorar o título. Porém, os seus torcedores mais exaltados também invadiram o campo e, com isso, a festa dos jogadores e comissão técnica blaugrana precisou ser feita nos vestiários.

O Barcelona manteve a liderança do Campeonato Espanhol do começo ao fim, inclusive, com folga em boa parte da competição. Todavia, uma derrota para o Real Madrid em casa pela 31ª rodada e, posteriormente, outras duas, uma para o Real Sociedad e Valencia (em casa) e uma eliminação nas quartas-de-final da UEFA Champions League para o Atlético de Madri no meio, permitiram a proximidade das equipes da capital espanhola – Real e Atlético – no topo da tabela. No entanto, uma sequência de cinco triunfos consecutivos, incluindo impiedosos 8 a 0 no La Coruña fora de casa, foi suficiente para deixar claro que na Espanha quem é que manda. Título mais que merecido.

Além da definição do campeão e do vice, a competição ainda tem mais dois representantes assegurados para a próxima UEFA Champions League: Atlético de Madri e Villarreal, terceiro e quarto colocados. Enquanto Athletic de Bilbao e Celta de Vigo serão representantes espanhóis na próxima UEFA Liga Europa. E, ainda, tem o Sevilla que pode ser outro representante da Espanha na próxima Champions, para isso, basta a equipe de Andaluzia levar a Liga Europa dessa temporada, que será decidida na próxima quarta-feira (18) contra o Liverpool. A única indefinição que resta no Campeonato Espanhol é saber quem serão as duas equipes que serão rebaixadas juntamente com o Levante: Getafe, Sporting Gijón ou Rayo Vallecano. Apenas um desses clubes permanecerão na primeira divisão do futebol espanhol.

Abaixo, a classificação do Campeonato Espanhol, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica que deu ao Barcelona o seu 24º título espanhol.

Posição – clube – pontos – número de jogos realizados até o momento:

  1. Barcelona – 91 pontos – 38 jogos
  2. Real Madrid – 90 – 38 J
  3. Atlético de Madri – 88 – 38 J
  4. Villarreal – 64 – 37 J
  5. Athletic Bilbao – 62 – 38 J
  6. Celta de Vigo – 60 – 38 J
  7. Sevilla – 52 – 38 J
  8. Real Sociedad – 48 – 38 J
  9. Málaga – 45 – 37 J
  10. Las Palmas – 44 – 37 J
  11. Valencia – 44 – 38 J
  12. Eibar – 43 – 37 J
  13. Deportivo La Coruña – 42 – 38 J
  14. Bétis – 42 – 37 J
  15. Espanyol – 40 – 37 J
  16. Granada – 39 – 37 J
  17. Getafe – 36 – 37 J
  18. Sporting Gijón – 36 – 37 J
  19. Rayo Vallecano – 35 – 37 J
  20. Levante – 32 – 37 J

Resumo da campanha do campeão F.C. Barcelona:
23/08/2015 – Athletic de Bilbao 0x1 Barcelona – San Mamés, Bilbao
29/08/2015 – Barcelona 1×0 Málaga – Camp Nou, Barcelona
12/09/2015 – Atlético de Madri 1×2 Barcelona – Vicente Calderón, Madri
20/09/2015 – Barcelona 4×1 Levante – Camp Nou, Barcelona
23/09/2015 – Celta de Vigo 4×1 Barcelona – Balaídos, Vigo
26/09/2015 – Barcelona 2×1 Las Palmas – Camp Nou, Barcelona
03/10/2015 – Sevilla 2×1 Barcelona – Ramón Sánchez Pizjuán, Sevilha
17/10/2015 – Barcelona 5×2 Rayo Vallecano – Camp Nou, Barcelona
25/10/2015 – Barcelona 3×1 Eibar – Camp Nou, Barcelona
31/10/2015 – Getafe 0x2 Barcelona – Coliseum Alfonso Pérez, Getafe
08/11/2015 – Barcelona 3×0 Villarreal – Camp Nou, Barcelona
21/11/2015 – Real Madrid 0x4 Barcelona – Santiago Bernabéu, Madri
8/11/2015 – Barcelona 4×0 Real Sociedad – Camp Nou, Barcelona
05/12/2015 – Valencia 1×1 Barcelona – Mestalla, Valência
12/12/2015 – Barcelona 2×2 Deportivo La Coruña – Camp Nou, Barcelona
17/02/2016 – Sporting Gijón 1×3 Barcelona – El Molinón, Gijón
30/12/2015 – Barcelona 4×0 Bétis – Camp Nou, Barcelona
02/01/2016 – Espanyol 0x0 Barcelona – Cornellà-El Prat, Barcelona
09/01/2016 – Barcelona 4×0 Granada – Camp Nou, Barcelona
17/01/2016 – Barcelona 6×0 Athletic de Bilbao – Camp Nou, Barcelona
22/01/2016 – Málaga 1×2 Barcelona – La Rosadela, Málaga
30/01/2016 – Barcelona 2×1 Atlético de Madri – Camp Nou, Barcelona
07/02/2016 – Levante 0x2 Barcelona – Ciutat de Valencia, Valência
14/02/2016 – Barcelona 6×1 Celta de Vigo – Camp Nou, Barcelona
20/02/2016 – Las Palmas 1×2 Barcelona – Gran Canaria, Las Palmas
28/02/2016 – Barcelona 2×1 Sevilla – Camp Nou, Barcelona
03/03/2016 – Rayo Vallecano 1×5 Barcelona – Teresa Rivero, Madri
06/03/2016 – Eibar 0x4 Barcelona – Ipurúa, Eibar
12/03/2016 – Barcelona 6×0 Getafe – Camp Nou, Barcelona
20/03/2016 – Villarreal 2×2 Barcelona – El Madrigal, Vila-Real
02/04/2016 – Barcelona 1×2 Real Madrid – Camp Nou, Barcelona
09/04/2016 – Real Sociedad 1×0 Barcelona – Anoeta, San Sebastián
17/04/2016 – Barcelona 1×2 Valencia – Camp Nou, Barcelona
20/04/2016 – Deportivo La Coruña 0x8 Barcelona – Riazor, La Coruña
23/04/2016 – Barcelona 6×0 Sporting Gijón – Camp Nou, Barcelona
30/04/2016 – Bétis 0x2 Barcelona – Benito Villamarín, Sevilha
08/05/2016 – Barcelona 5×0 Espanyol – Camp Nou, Barcelona
14/05/2016 – Granada 0x3 Barcelona – Nuevo Los Cármenes, Granada

FICHA TÉCNICA: GRANADA 0x3 BARCELONA
Competição/fase:
Campeonato Espanhol (Liga LBBA) 2015/2016 – 38ª rodada
Local: Estádio Nuevo Los Cármenes, Granada, Espanha
Data: 14 de maio de 2016 – 12h (horário de Brasília)
Árbitro: Alejandro José Hernández
Cartões Amarelos: Doucouré, Pérez, Rico, Fernández e Costa (Granada); Busquets e Piqué (Barcelona)
Gols: Luís Suárez, aos 22 e aos 38 min do 1º tempo (0-2); e aos 41 min do 2º tempo (0-3)
GRANADA: 13.Fernández; 2.Lombán, 6.Babin, 24.Costa (12.Dória) e 18.Lopes; 16.Doucouré, 20.Pérez, 23.Rochina (19.Cuenca), 27.Peñaranda e 4.Rico; 9.El-Arabi (15.Barral). Técnico: José González
BARCELONA: 1.ter Stegen; 6.Daniel Alves, 3.Piqué, 14.Marcherano (24.Mathieu) e 18.Jordi Alba; 5.Busquets (20.Sergi Roberto), 8.Iniesta e 4.Rakitić (7.Arda Turam); 11.Neymar, 10.Messi e 9.Suárez. Técnico: Luis Enrique

Parabéns ao Futbol Club Barcelona pelo título.

Por Jorge Almeida