CBF sorteou os confrontos das oitavas-de-final da Copa do Brasil 2019

CBF realizou o sorteio dos confrontos das oitavas-de-final da Copa do Brasil 2019. Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) realizou na tarde desta quinta-feira (2), o sorteio dos confrontos e mandos de campo das oitavas-de-final da Copa do Brasil 2019. O evento aconteceu em sua sede, no Rio de Janeiro. Os duelos pela quinta fase do certame estão previstos para acontecer entre os dias 15 de maio e 5 de junho.

O sorteio, que está previsto no artigo 14º do Regulamento Específico da Competição, tem as presenças de cinco clubes que passaram a fase anterior (Corinthians, Santos, Fluminense, Vila Nova ou Juventude e Bahia) e os 11 pré-classificados para essa fase (os brasileiros participantes da atual edição da Copa Libertadores da América, além dos campeões do Brasileiro da Série B, Copa do Nordeste e Copa Verde do ano passado).

Antes do sorteio, o Diretor de Competições da CBF, Manoel Flores, foi convidado ao palco para ler o trecho do regulamento da competição que prevê o sorteio e a composição dos participantes e dos potes. A cerimônia seguiu com o narrador do Grupo Globo, Luís Roberto, como cerimonialista, e, no sorteio das bolinhas, participaram o comentarista Caio Ribeiro e o ex-jogador Juninho Paulista.

As equipes foram divididas em dois potes: em um com clubes que disputam a Copa Libertadores 2019 e no outro estão os demais. E, conforme a sequência do evento, o primeiro nome a ser sorteado foi o Internacional, que enfrentará o Paysandu. Depois, foi decretado que Flamengo e Corinthians medirão forças na continuidade do torneio. O terceiro confronto terá pela frente Atlético Mineiro e Santos. O quarto duelo do sorteio será realizado entre Grêmio e o ganhador do duelo entre Juventude e Vila Nova, que já fizeram o primeiro jogo da quarta fase e empataram em 0 a 0 em Caxias do Sul. O Palmeiras terá como adversário o Sampaio Corrêa, de acordo com o quinto embate a ser sorteado. O sexto embate será disputado entre Athletico Paranaense e Fortaleza. O penúltimo confronto a ser definido será entre Cruzeiro e Fluminense. E, finalmente, São Paulo e Bahia fazem o duelo de tricolores nas oitavas-de-final.

Após uma pausa, o sorteio para definir os mandos de campo das oitavas-de-final. O mestre de cerimônia Luiz Roberto explicou os motivos pelos quais se fez necessário a pausa para analisar os duelos para que evitem uma conflito de datas entre duas equipes da mesma cidade jogarem no mesmo dia.

De acordo com a definição do sorteio, os mandantes dos jogos de ida serão: Corinthians, Internacional, Atlético Mineiro, Juventude ou Vila Nova, Sampaio Corrêa, Fortaleza, Fluminense e São Paulo. Enquanto, Flamengo, Paysandu, Santos, Grêmio, Palmeiras, Athletico Paranaense, Cruzeiro e Bahia receberão as partidas de volta das oitavas-de-final.

Reforçando que, em caso de empate no placar agregado, o vencedor será definido através da disputa de pênaltis. As data-base dessa fase da competição serão os dias 15, 22 e 29 de maio e 5 de junho.

A seguir, a relação dos confrontos dos duelos das oitavas-de-final da Copa do Brasil 2019.

Corinthians (SP) x Flamengo (RJ)
Flamengo (RJ) x Corinthians (SP)

Internacional (RS) x Paysandu (PA)
Paysandu (PA) x Internacional (RS)

Vila Nova (GO) ou Juventude (RS) x Grêmio (RS)
Grêmio (RS) x Vila Nova (GO) ou Juventude (RS)

Atlético Mineiro (MG) x Santos (SP)
Santos (SP) x Atlético Mineiro (MG)

Sampaio Corrêa (MA) x Palmeiras (SP)
Palmeiras (SP) x Sampaio Corrêa (MA)

Fluminense (RJ) x Cruzeiro (MG)
Cruzeiro (MG) x Fluminense (RJ)

São Paulo (SP) x Bahia (BA)
Bahia (BA) x São Paulo (SP)

Fortaleza (CE) x Athletico Paranaense (PR)
Athletico Paranaense (PR) x Fortaleza (CE)

Boa sorte aos participantes.

Por Jorge Almeida

Anúncios

Corinthians: campeão paulista de 2019

Jogadores do Corinthians comemoram o tricampeonato paulista cercados por filhos e integrantes da comissão técnica. Foto: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians

Com gol de Vagner Love nos momentos finais do segundo tempo, o Corinthians derrotou o São Paulo por 2 a 1 na segunda partida da final do Campeonato Paulista 2019 na tarde deste domingo (21), na Arena Corinthians, em São Paulo. O Timão saiu na frente com Danilo Avelar, mas o Tricolor empatou com Anthony ainda no primeiro tempo. O resultado culminou com o tricampeonato consecutivo da equipe de Parque São Jorge, feito que o clube havia conseguido há 80 anos.

O Majestoso começou disputado, truncado e com muitos passes errados. A primeira investiga ao ataque foi do São Paulo com Jucilei aos 10 minutos, que pegou o rebote, mas isolou. A partida deu uma esfriada, com os dois times encontrando problemas na criação de jogadas. O Corinthians, no entanto, diferentemente da postura dos últimos jogos, ficou mais com a bola e tentou investir em triangulações entre Fagner e Pedrinho.

No entanto, aos 23, a defesa tricolor deu mole, Gustavo ficou com a bola, que sobrou para Clayson, que por pouco não concluiu. A equipe do Morumbi deu o troco aos 27. Reinaldo roubou a bola de Pedrinho e Everton partiu no contragolpe pela esquerda, entrou na área e chutou cruzado pelas redes do lado de fora. Três minutos depois, o alvinegro levou perigo com Henrique. Ramiro cruzou,

Hudson afastou e, na sobra, o zagueiro arrematou, mas a bola desviou em Bruno Alves e saiu.
Na sequência, Sornoza cobrou o escanteio da direita, bem aberto, Ralf ganhou no alto de cabeça e ajeitou para Danilo Avelar dentro da pequena área e o lateral-esquerdo (nunca criticado) para desviar, também de cabeça, para o gol. Delírio do bando de loucos em Itaquera: 1 a 0 para o Corinthians.

Após o gol, os comandados de Fábio Carille tentou manter o ímpeto e administrar o resultado parcial para o intervalo e esteve perto de ampliar o score aos 42. Pedrinho se deslocou e notou a infiltração de Fagner, que recebeu, ajeitou o corpo e bateu no canto, mas Tiago Volpi fez grande defesa. Todavia, apesar de ter encontrado muitas dificuldades na criação de jogadas, o São Paulo conseguiu chegar ao empate ainda no primeiro tempo. Aos 47, Everton tentou o meio para Igor Gomes, a bola desviou em Ralf e sobrou para Antony, que ajeitou para a canhota e, com um chute preciso, colocou a redonda no cantinho, fora do alcance de Cássio, igualando o placar: 1 a 1. E, assim, o clássico terminou empatado na etapa inicial.

Para o segundo tempo, Cuca colocou Hernanes no lugar de Everton Felipe para suprir o problema na criação e também para atuar mais adiantado, como um “falso 9”. E, com o Profeta em campo, o Tricolor passou a superar ligeiramente o rival na posse de bola nos momentos iniciais da etapa final. Já o Corinthians, aos poucos, foi recuperando terreno e compactando as investidas sãopaulinas. E, aos 19, Gustagol arriscou de fora da área para defesa firme de Volpi.

O jogo deu uma esfriada depois das entradas de Vágner Love, pelo Corinthians, e do lateral-esquerdo Léo, pelo São Paulo (com a alteração, Reinaldo foi deslocado para o meio-de-campo no lugar do substituído Jucilei). Aos 26, Everton levou a melhor sobre Manoel, a bola sobrou para Léo, que avançou e mandou para as redes do lado de fora. Depois desse lance, o clássico seguiu truncado, sem chances para os dois lados, tudo levando a acreditar de que o título seria decidido nos pênaltis, até que o “artilheiro do amor” apareceu na partida nos minutos finais.

Aos 43, Boselli matou no peito, passou para Sornoza, que fez um belo lançamento para Vagner Love, que pegou de primeira, com o pé direito, e mandou no canto de Tiago Volpi – a bola chegou a tocar na trave – para colocar o Timão na frente novamente e a poucos minutos do título. Aliás, o tento do camisa 9 foi muito semelhante ao gol que Elias fez contra o próprio São Paulo na Libertadores de 2015, porém, o “lançador” daquela partida foi Jadson. Incrível semelhança.

Com o resultado, a torcida corinthiana já estava soltando os gritos de “tricampeão” pela Arena. Aos 46, a bola ficou viva na área do Timão após cobrança de Reinaldo, ninguém aproveitou e, na sequência, Boselli puxou um contra-ataque, com chances de matar o jogo, mas não conseguiu a finalização. O Majestoso foi até os 50 minutos, mas o placar terminou com vitória corinthiana em Itaquera. Fim de jogo na Arena Corinthians: Corinthians 2, São Paulo 1. O Timão conquista o tricampeonato paulista, o 30º caneco do Estadual de sua história.

Corinthians e São Paulo fizeram um jogo bem equilibrado, bem truculento, com muita marcação e poucas finalizações a gol. O alvinegro, ao contrário dos últimos jogos, não ficou tão recuado e tratou de atacar mais e, consequentemente, conseguiu abrir o placar com aquele que nunca foi criticado: Danilo Avelar. A molecada de Cotia não se abateu e conseguiu o empatar no último lance da etapa inicial. No segundo tempo, Cuca colocou Hernanes mais à frente, pois o Tricolor estava sem um centroavante de ofício. Já Fábio Carille acreditou na estrela e experiência de Vagner Love e deu certo: quando tudo levava a crer que haveria mais uma disputa por pênaltis na trajetória do alvinegro, o camisa 9 fez um belo gol nos minutos finais da partida e levou o Timão á vitória. Mas um fato precisa ser dito: embora tenha travado bons duelos pelo alto com Gustagol, Arboleda falhou nos dois gols do Corinthians: no primeiro, deixou Avelar em condição legal e sozinho para cabecear para o gol e, no segundo tento corinthiano, permitiu que Vagner Love passasse às suas costas.

Apesar da conquista, o Corinthians ainda terá uma nova decisão pela frente já na próxima quarta-feira (24), às 21h30: receberá a Chapecoense pelo segundo jogo da quarta fase da Copa do Brasil e precisará reverter a vantagem da equipe catarinense, que venceu o jogo de ida por 1 a 0. O São Paulo, por sua vez, estreará no Campeonato Brasileiro no próximo sábado (27), contra o Botafogo, às 16h, no Morumbi.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da final.

Data – Jogo – Local:
Primeira Fase (Grupo C):
20/01 – Corinthians 1×1 São Caetano – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
23/01 – Guarani 2×1 Corinthians – Brinco de Ouro, Campinas (SP)
26/01 – Corinthians 1×0 Ponte Preta – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
30/01 – Corinthians 0x2 Red Bull Brasil – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
02/02 – Palmeiras 0x1 Corinthians – Allianz Parque, São Paulo (SP)
10/02 – Novorizontino 1×0 Corinthians – Jorge Ismael de Biasi, Novo Horizonte (SP)
17/02 – Corinthians 2×1 São Paulo – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
24/02 – Botafogo (SP) 0x1 Corinthians – Santa Cruz, Ribeirão Preto (SP)
02/03 – São Bento 1×1 Corinthians – Walter Ribeiro, Sorocaba (SP)
10/03 – Corinthians 0x0 Santos – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
17/03 – Corinthians 1×0 Oeste – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
20/03 – Ituano 0x1 Corinthians – Novelli Júnior, Itu (SP)
Quartas-de-final:
24/03 – Ferroviária 1×1 Corinthians – Arena Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
27/03 – Corinthians (4)1×1(3) Ferroviária – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
Semifinais:
31/03 – Corinthians 2×1 Santos – Arena Corinthians, São Paulo (SP)
08/04 – Santos (6)1×0(7) Corinthians – Pacaembu, São Paulo (SP)
Final:
14/04 – São Paulo 0x0 Corinthians – Morumbi, São Paulo (SP)
21/04 – Corinthians 2×1 São Paulo – Arena Corinthians, São Paulo (SP)

FICHA TÉCNICA: CORINTHIANS 2×1 SÃO PAULO
Competição/Fase: Campeonato Paulista Série A1 2019 – final (2º jogo)
Local: Arena Corinthians, São Paulo (SP)
Data: 21 de abril de 2019, domingo – 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Rafael Claus
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Marcelo Carvalho Van Gasse
Cartões Amarelos: Fagner e Clayson (Corinthians); Reinaldo (São Paulo)
Gols: Danilo Avelar, aos 31 min (1-0) e Antony, aos 47 min do 1º tempo (1-1); e Vagner Love, aos 43 min do 2º tempo (2-1)
CORINTHIANS: 12.Cássio; 23.Fagner, 3.Manoel, 4.Henrique (34.Pedro Henrique) e 35.Danilo Avelar; 15.Ralf, 28.Ramiro e 7.Sornoza; 38.Pedrinho (9.Vagner Love) 25.Cleyson e 19.Gustavo (17.Boselli). Técnico: Fábio Carille
SÃO PAULO: 23.Thiago Volpi; 25.Hudson, 3.B. alves, 5.Arboleda e 6.Reinaldo; 13.Luan, 8.Jucilei (16.Léo), 39.Antony e 26.Igor Gomes; 18.Everton Felipe (15.Hernanes) e 22.Everton (17.Willian Farias). Técnico: Cuca

Parabéns ao Sport Club Corinthians Paulista pelo tricampeonato.

Por Jorge Almeida

Encerrada a primeira fase do Campeonato Paulista: grandes se classificaram

Paulistão 2019: quartas-de-final já começa no próximo final de semana. Foto: Emílio Botta

O Campeonato Paulista 2019 teve a sua primeira fase encerrada com a realização da recheada 12ª rodada com os oito jogos sendo realizados simultaneamente na noite desta quarta-feira (20). Com isso, a rodada ajudou a definir o último classificado para as quartas-de-final* e quem se juntaria ao São Bento na queda para a Série A2. Destaque para o Red Bull Brasil, dono da melhor campanha no geral com 27 pontos e apenas uma derrota.

Dentre os jogos da rodada, possivelmente, o duelo entre São Caetano e São Paulo, realizado no Anacleto Campanella, foi o mais relevante, uma vez que os dois times tinham objetivos opostos no Paulistão: o Tricolor queria o resultado positivo e se classificar, enquanto o Azulão não poderia pensar em outro placar que não fosse a vitória para escapar da degola. Mesmo jogando mal, a equipe do Morumbi abriu o placar com o jovem Antony, mas o time do ABC Paulista chegou ao empate com Pablo. Ambos os gols saíram no segundo tempo. Com o empate em 1 a 1, o clube da capital chegou aos 15 pontos no grupo D, dois a menos que o Ituano, que será o seu adversário na sequência da competição. Possivelmente, o São Paulo fará o primeiro jogo no Morumbi e depois irá até Itu. Já para o São Caetano, com o empate, terminou sua participação no Estadual com apenas oito pontos, na penúltima colocação na classificação geral e disputará a Série A2 em 2020 junto com o já rebaixado São Bento.

Com chances, embora remotas, de conseguir o segundo lugar do grupo D, o Oeste recebeu o Mirassol na Arena Barueri e, assim como o seu concorrente pela vaga – o São Paulo -, empatou em 1 a 1, sendo que os tentos também saíram na etapa final. Fábio abriu o placar para os mandantes e Riccieli, por sua vez, igualou o marcador, frustrou com as pretensões do rubronegro de Barueri e ainda fez o suficiente para livrar o Leão mirassolense do rebaixamento ao voltar com esse pontinho precioso. Mesmo se vencesse a partida, o Oeste precisaria ter feito pelo menos quatro gols de diferença para ultrapassar o São Paulo nos critérios de desempate. O prêmio de consolação do Rubrão foi seguir na disputa pelo Troféu do Interior.

Maior campeão paulista dentre as equipes do interior, com dois títulos, o Ituano fez mais uma boa campanha e, mesmo derrotado pelo Corinthians no Novelli Júnior por 1 a 0, terminou na liderança do grupo D com 17 pontos. Com o gol marcado pelo “nunca criticado” Danilo Avelar, aos 33 minutos do segundo tempo, o Timão confirmou a liderança do grupo C, com 21 pontos. O adversário do atual bicampeão paulista nas quartas-de-final será a Ferroviária, que será a mandante do jogo de ida, em Araraquara.
O rival dos comandados de Fábio Carille na continuidade do Campeonato Paulista não passou de um empate em 1 a 1 diante do também classificado Grêmio Novorizontino. no Jorge Ismael de Biasi. Aliás, os dois times jogaram com suas equipes reservas e ambos decidirão fora de casa as quartas-de-final. A Locomotiva foi aos 18 pontos enquanto o Tigre do Vale terminou na vice-liderança do grupo B com 20 pontos, atrás do Palmeiras, que ficou com 25.

Dono da segunda melhor campanha da primeira fase, o Palmeiras jogou pro gasto e, com o time reserva, derrotou a Ponte Preta por 1 a 0, no Allianz Parque, com gol de Raphael Veiga, aos 35 minutos do segundo tempo. A Macaca, por sua vez, se manteve com 19 pontos e terminou sua participação no Paulistão no terceiro lugar do grupo A, atrás de Red Bull Brasil e Santos. Aliás, a situação peculiar da Ponte Preta na classificação deixa evidente a esdrúxula, para não falar outra coisa, forma de disputa dessa fase. A equipe de Campinas fez mais pontos, no geral, do que três equipes que estarão nas quartas-de-final: São Paulo (15 pontos), Ituano (com 17) e Ferroviária (com 18).

No Moisés Lucarelli, o Red Bull Brasil se deu ao luxo de jogar com o time reserva e, mesmo assim, ainda ganhou do Guarani por 2 a 1 e aumentou ainda mais a crise no Bugre. Os gols do Toro Loko foram anotados por Pio e Deivid, e Rondinelly descontou para o Guarani. O resultado positivo fez com que o Red Bull Brasil chegasse aos 27 pontos e ser o responsável pela melhor campanha da primeira fase do Campeonato Paulista, o que lhe dará a vantagem de ser o mandante no jogo de volta da próxima fase.

Assim como fez o seu adversário na sequência do Estadual, o Santos entrou em campo com o time reserva diante do Botafogo, no Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto. A Pantera, que precisava de um resultado positivo para fugir do rebaixamento, tirou proveito da situação e aplicou impiedosos 4 a 0, com três gols do inspirado Rafael Costa e outro de Erick, e botou para escanteio o fantasma da A2. Com o resultado, o Peixe perdeu a oportunidade de fazer a segunda melhor campanha do campeonato e se manteve com 23 pontos e receberá o Red Bull Brasil no Pacaembu na primeira partida das quartas-de-final.

Neste Paulistão, o São Bento foi o “saco de pancadas” e, antes da rodada derradeira, ainda não havia vencido no certame, mas foi justamente em sua despedida da Série A1 (entrou em campo já rebaixado) que o Bentão resolveu triunfar e, com gol de Fábio Bahia, chegou aos míseros sete pontos e, por pouco, não levou o Bragantino junto para a Série A2 ao derrotá-lo no Walter Ribeiro. O Braga só livrou-se da degola porque o São Caetano não venceu o São Paulo. Com 10 pontos, o Bragantino terminou na lanterna do grupo C e, mesmo assim, vai disputar o Troféu do Interior.

Com o encerramento da primeira fase, os classificados para as quartas-de-final do Campeonato Paulista 2019 foram (por ordem de grupos): Red Bull Brasil e Santos; Palmeiras e Novorizontino; Corinthians e Ferroviária; e Ituano e São Paulo. Disputarão o título do Troféu do Interior: Ponte Preta, Guarani, Mirassol, Bragantino, Oeste e Botafogo. E foram rebaixados as equipes do São Caetano e do São Bento.

A seguir, os resultados da 12ª rodada do Campeonato Paulista, a classificação final da primeira fase (por grupo) e os jogos das quartas-de-final.

Data – Horário – Jogo – Local:
20/03 – 21h30 – Ituano 0x1 Corinthians – Novelli Júnior, Itu
20/03 – 21h30 – Palmeiras 1×0 Ponte Preta – Allianz Parque, São Paulo
20/03 – 21h30 – São Caetano 1×1 São Paulo – Anacleto Campanella, São Caetano do Sul
20/03 – 21h30 – Botafogo 4×0 Santos – Santa Cruz, Ribeirão Preto
20/03 – 21h30 – São Bento 1×0 Bragantino – Walter Ribeiro, Sorocaba
20/03 – 21h30 – Oeste 1×1 Mirassol – Arena Barueri, Barueri
20/03 – 21h30 – Grêmio Novorizontino 1×1 Ferroviária – Jorge Ismael de Biasi, Novo Horizonte
20/03 – 21h30 – Guarani 1×2 Red Bull Brasil – Brinco de Ouro, Campinas

Classificação:
Pos. / Equipe / Pontos:
Grupo A:
1. Red Bull Brasil – 27 pontos
2. Santos = 23
3. Ponte Preta – 19
4. São Caetano – 8
Grupo B:
1. Palmeiras – 25
2. Novorizontino – 20
3. Guarani = 14
4. São Bento – 7
Grupo C:
1. Corinthians – 21
2. Ferroviária – 18
3. Mirassol – 11
4. Bragantino – 10
Grupo D:
1. Ituano – 17
2. São Paulo – 15
3. Oeste – 13
4. Botafogo – 11

Data – Horário – Jogo – Local:
23/03 – 17h – Novorizontino x Palmeiras – Jorge Ismael de Biasi, Novorizonte
23/03 – 19h30 – Santos x Red Bull Brasil – Pacaembu, São Paulo
24/03 – 16h – São Paulo x Ituano – Morumbi, São Paulo
24/03 – 19h – Ferroviária x Corinthians – Fonte Luminosa, Araraquara
26/03 – 20h – Red Bull Brasil x Santos – Moisés Lucarelli, Campinas
26/03 – 21h – Palmeiras x Novorizontino – Pacaembu, São Paulo
26/03 – 19h15 – Ituano x São Paulo – Novelli Júnior, Itu
26/03 – 21h30 – Corinthians x Ferroviária – Arena Corinthians, São Paulo

Boa sorte aos classificados.

* Texto atualizado às 12h de 21/03/2019.

Por Jorge Almeida

 

São Paulo e a (mais nova) “tradição” de cair para modestos argentinos

São Paulo foi eliminado pela 19ª vez em mata-mata desde o seu último título – Copa Sulamericana de 2012

Com o empate em 0 a 0 com Talleres, da Argentina, em partida disputada no Estádio do Morumbi, em São Paulo, na noite desta quarta-feira (13), o São Paulo está eliminado da Copa Libertadores da América 2019. O jogo era válido pela segunda fase da fase preliminar do torneio continental. Como a equipe de Córdoba havia vencido a partida de ida por 2 a 0, o placar sem gols foi o suficiente para os argentinos deixarem os tricampeões da América pelo caminho. Com o feito, o Tricolor se junta a Corinthians e Chapecoense na lista de clubes brasileiros eliminados do torneio antes da fase de grupos e também o Talleres entrou no rol de argentinos carrascos do clube do Morumbi em competições de mata-mata dos últimos anos.

Desde os tempos em que era treinado por Telê Santana, o São Paulo passou por situações em que precisava reverter desvantagens diante de clubes da Argentina e, ao longo da história, conseguia. O torcedor sãopaulino deve se lembrar da final da própria Libertadores de 1992. No primeiro jogo, o Newell’s Old Boys venceu o jogo de ida por 1 a 0 e os comandados do Mestre Telê devolveu o mesmo resultado no Morumbi e levou a melhor diante dos Leprosos nos pênaltis ao batê-los por 3 a 2 e conquistar o primeiro troféu do certame.

Na campanha do bicampeonato da América, em 1993, o mesmo adversário da final do primeiro título cruzou o caminho sãopaulino nas oitavas-de-final. No primeiro jogo, o Newell’s derrotou o São Paulo por 2 a 0, mas na segunda partida, a equipe brasileira atropelou o clube de Rosário por 4 a 0 e foi rumo ao título, que veio diante da Universidad Católica.

Em 1994, o São Paulo estava na busca do tricampeonato da Libertadores. Depois de deixar o rival Palmeiras pelo caminho, o Tricolor enfrentou na final o Vélez Sársfield, da Argentina. Na primeira partida da decisão, triunfo da equipe de Buenos Aires por 1 a 0, placar que o time brasileiro reverteu no segundo jogo e levou a disputa para os pênaltis. Mas, apesar de ter conseguido igualar o placar agregado, os sãopaulinos ficaram com o vice-campeonato ao perderem nos pênaltis para Chilavert (que defendeu a cobrança de Palhinha) e cia. por 5 a 3.

Depois da perda do título de 1994 até 2004, o São Paulo ganhou diversos títulos e, antes do tricampeonato da Libertadores que veio em 2005, a equipe encarou outro argentino em mata-mata pelo torneio sulamericano em 2004. O adversário da vez foi o Rosário Central, válido pelas oitavas-de-final do certame. No primeiro jogo, vitória dos argentinos por 1 a 0 e, na volta, triunfo tricolor por 2 a 0. Mas, nessa edição da Liberta, o São Paulo caiu nas semifinais para o surpreendente Once Caldas, que fora o campeão daquela edição, ao empatar em 0 a 0 no Morumbi e derrotado por 2 a 1 em Manizales, na Colômbia.

Portanto, pelo histórico mais longínquo, o torcedor sãopaulino poderia até acreditar na classificação diante do Talleres, mas, infelizmente para ele, o que prevaleceu foi o histórico mais recente do clube: cair diante de clubes mais modestos do país vizinho nas competições intercontinentais, especialmente na Copa Sulamericana, torneio do qual o time conquistou o seu último título relevante em 2012. E, se contabilizar todos os mata-mata disputados pelo São Paulo desde o seu último troféu, entre competições estaduais, nacionais e internacionais, foram 19 eliminações e dois segundos lugares de torneios com apenas final (Recopa e Copa Suruga).

Na edição de 2017 da Copa Sulamericana, o São Paulo deu adeus no torneio ao ser eliminado pelo, então desconhecido do público brasileiro, Defensa Y Justicia na primeira fase ao empatar em 0 a 0 fora de casa e 1 a 1 no Morumbi, que classificou o clube argentino devido ao gol marcado fora de casa.

No ano passado, o Tricolor foi eliminado da Sulamericana por outro clube modesto da Argentina, o Colón. Depois de ter perdido no Morumbi por 1 a 0, o São Paulo devolveu o placar em Santa Fé, o que levou para a disputa por pênaltis. Então, nos tiros penais, os Sabaleros levaram a melhor ao superar os brasileiros por 5 a 3.

Antes do Talleres, além de outros argentinos, o São Paulo também sofreu outras eliminações traumáticas para equipes menores em relação a ele em outras competições com fase eliminatórias, como Penapolense, Ponte Preta, Bragantino, por exemplo.

Com o insucesso diante do Talleres, a diretoria sãopaulina agiu rápida e afastou o contestado André Jardine e trouxe um velho conhecido: Cuca, que teve boa passagem pelo clube no começo dos anos 2000. Para 2018, o São Paulo terá duas oportunidades de se dar bem em mata-mata: o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil, competição do qual o clube entrará somente nas oitavas-de-final e, caso a conquiste-a, será um título inédito que, aliás, é o único que ainda falta na galeria de troféus da equipe do Morumbi.

A seguir, a relação de eliminações do São Paulo desde o título da Copa Sulamericana de 2012.

Ano – Adversário – Competição – Fase:
2013 – Corinthians – Campeonato Paulista – semifinais
2013 – Atlético Mineiro – Copa Libertadores da América – oitavas-de-final
2013 – Corinthians – Recopa Sulamericana – final
2013 – Kashima Antleres – Copa Suruga Bank – final
2013 – Ponte Preta – Copa Sulamericana – semifinais
2014 – Penapolense – Campeonato Paulista – quartas-de-final
2014 – Bragantino – Copa do Brasil – terceira fase
2014 – Atlético Nacional – Copa Sulamericana – semifinais
2015 – Santos – Campeonato Paulista – semifinais
2015 – Cruzeiro – Copa Libertadores da América – oitavas-de-final
2015 – Santos – Copa do Brasil – semifinais
2016 – Audax – Campeonato Paulista – quartas-de-final
2016 – Atlético Nacional – Copa Libertadores da América – semifinais
2016 – Juventude – Copa do Brasil – oitavas-de-final
2017 – Corinthians – Campeonato Paulista – semifinais
2017 – Defensa Y Justicia – Copa Sulamericana – primeira fase
2017 – Cruzeiro – Copa do Brasil – quarta fase
2018 – Corinthians – Campeonato Paulista – semifinais
2018 – Atlético Paranaense – Copa do Brasil – quarta fase
2018 – Colón – Copa Sulamericana – segunda fase
2019 – Talleres – Copa Libertadores da América – 2ª fase preliminar

Por Jorge Almeida

 

São Paulo: campeão da Copa São Paulo de Futebol Jr. 2019

Jogadores do sub20 do São Paulo comemoram o título da Copinha juntamente com a pequena torcedora Larissa no Pacaembu.
Foto: Renato Pizzutto/BP Filmes

O São Paulo Futebol Clube conquistou na tarde desta sexta-feira (25), data do 465º aniversário da cidade de São Paulo, a Copa São Paulo de Futebol Júnior 2019 ao derrotar o Vasco por 3 a 1 nos pênaltis, após empate em 2 a 2 no tempo normal. O Tricolor abriu 2 a 0, com gols de Gabriel Neves e Antony, mas cedeu o empate no tempo normal com Lucas Santos e Tiago Reis anotando os tentos cruzmaltinos. Nos tiros penais, destaque para o goleiro Thiago Couto, que defendeu duas cobranças. Os sãopaulinos converteram suas cobranças com Ed Carlos, Morato e Tuta, enquanto Lucas Santos anotou pelo Vasco. Tiago Reis, Gabriel Norões e Riquelme desperdiçaram suas cobranças, enquanto Marcos Júnior foi o único sãopaulino que não marcou na cobrança. Com o título, o São Paulo se iguala ao Internacional em número de conquistas da Copinha: quatro taças. O clube abocanhou os troféus das edições de 1993, 2000 e 2010.

Antes de a bola rolar, os jogadores do São Paulo fizeram uma homenagem a uma torcedora: Larissa, uma criança de seis anos que luta contra o câncer no cérebro. Os atletas rasparam a cabeça e prometeram o título para a pequena torcedora, que eles conheceram na partida contra o Mirassol, nas oitavas-de-final do torneio. Uma baita atitude, diga-se de passagem.

A final, que teve a torcida sãopaulina em sua maioria, começou com o Tricolor indo para cima. Logo, aos quatro minutos, Fabinho recebeu por cima pelo lado esquerdo, entrou na área, chegou ao fundo e rolou para trás, mas a defesa vascaína afastou o perigo. Nos minutos seguintes, os meninos de Cotia manteve a pressão e dificultou as ações dos garotos da Colina. Aproveitando-se do bom momento, o Tricolor quase abriu o placar aos 16 com Gabriel Novaes.O atacante recebeu passe de Paulinho, enfrentou e superou os marcadores e mandou por cima do gol, seria um golaço se atingisse o alvo.

E, à medida que o jogo rolava, o tempo fechava, mantendo a tradição da final da Copinha: futebol e chuva. Mas o São Paulo manteve a superioridade na partida. Aos 27, Antony dominou pelo meio e tentou acionar Gabriel Novaes, mas o goleiro Alexander deu um tapinha na bola para ficar com ela em seguida. Seis minutos depois, o time do Morumbi quase aproveitou o erro na saída de bola do cruzmaltino através de Gabriel Novaes.

O gol do São Paulo era uma questão de tempo e ele veio aos 38. Mesmo cercado por dois jogadores vascaíno na direita, Antony conseguiu encontrar uma brecha para mandar a bola na área na medida para Gabriel Novaes cabecear para o gol e tirar o zero do placar e fazer o seu décimo tento na Copinha. E, assim, o primeiro tempo terminou aos 47 com vitória parcial sãopaulina.

No segundo tempo, quem deu as caras na partida foi o vento e a chuva, e com eles o segundo gol do São Paulo aos sete minutos. Antony foi lançado em profundidade, levou a melhor na corrida com Gabriel Norões, puxou para a esquerda e bateu para o gol, ampliando a vantagem sãopaulina: 2 a 0. No lance seguinte, após a saída de bola, aos oito, o Vasco perdeu um gol incrível com Linnick. Tiago Reis fez jogada pela direita e serviu Linnick, que bateu fraco e permitiu a defesa do goleiro tricolor.

Apático durante boa parte do jogo, o Vasco, aos poucos, começou a entrar na partida. Aos onze, a bola foi alçada na área, sobrou para Caio Lopes que, na cara do goleiro, perdeu o gol. Três minutos mais tarde, Tiago Reis recebeu em condições legais e mandou por cima. Foi a terceira chance vascaína em menos de dez minutos.

O clube carioca estava disposto a amenizar o prejuízo e, aos 26, quase ganhou um presente de Thiago Couto, goleiro do São Paulo, que soltou a bola, mas o Vasco não tirou proveito. Mas, o time cruzmaltino conseguiu descontar aos 30 minutos. Lucas Santos cobrou falta com categoria, a bola bateu no travessão e entrou. O Vasco estava vivo na decisão.

O tento deu um ânimo nos vascaínos, que passaram a acreditar no empate, e ele veio aos 38. A defesa tricolor afastou a bola, o Vasco ficou com a redonda, que foi levantada na área e, livre na área, Tiago Reis, dominou no peito e, na frente do goleiro, bateu firme e empatou a partida: 2 a 2.

Nos últimos quinze minutos, o Vasco tirou bastante proveito do comodismo sãopaulino e arrancou o empate. Se o time de são Januário tivesse atuado com a mesma intensidade ao longo de todo o jogo, talvez, o resultado da final teria sido definida no tempo normal. O empate vascaíno assustou o São Paulo, que se segurou até o final da partida para não sofrer a virada e, assim, aos 48, o duelo terminou empatado. O campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2019 ficou definido nos pênaltis.

Nos tiros penais, as duas equipes converteram: Ed Carlos abriu para o Tricolor e Lucas Santos empatou para o Vasco. Morato bateu forte e pôs o São Paulo na frente. Tiago Reis teve sua cobrança defendida por Thiago Couto. Tuta ampliou a vantagem tricolor: 3 a 1. Gabriel Norões parou no travessão. Mas, Marcos Júnior chutou para fora e manteve as esperanças do Vasco, que sucumbiu com Riquelme, que teve sua cobrança defendida por Thiago Couto. Final da disputa de pênaltis da 50ª Copa São Paulo de Futebol Júnior: São Paulo 3, Vasco da Gama 1. Com isso, o clube do Morumbi conquistou a sua quarta taça da Copinha e, de quebra, vingou-se da derrota sofrida da edição de 1992 para o Vasco.

Atual campeão da Copa do Brasil Sub20 e da Supercopa do Brasil da categoria, o São Paulo entrou em campo com um leve favoritismo diante de um valente Vasco da Gama. Apesar de desfalcado de alguns de seus principais jogadores, que estão servindo a Seleção Brasileira no Sulamericano Sub20, no Chile, o Tricolor começou a decisão superior aos cruzmaltinos, que sofreu bastante com a forte marcação sãopaulina em cima de seus principais destaques, Lucas Santos e João Pedro, que, anulados, não conseguiram acionar o artilheiro Tiago Reis. E, perdido em campo, viu o Tricolor fazer um a zero no primeiro tempo e a situação poderia ter complicado com o segundo gol do clube paulista logo no início da etapa final. Mas, foi a partir daí, que a molecada da Colina acordou na partida e, de forma incrível, chegou ao empate nos últimos 15 minutos da decisão e, se tivesse mais cinco minutos de jogo, não teria sido nenhum absurdo uma eventual virada vascaína, porém, a equipe carioca reagiu tardiamente, mas o suficiente para levar a disputa para os pênaltis. Nas cobranças, destaque para o arqueiro Thiago Couto, que pegou dois penais e colaborou para que o São Paulo ficasse com o título, depois de ter “batido na trave” no ano passado ao perder a competição para o Flamengo. Curiosamente, o tetra da Copinha do São Paulo veio diante do mesmo adversário do quarto título do rival Corinthians conquistado há 20 anos: o Vasco. E, evidentemente, que os jogadores comemoraram junto com a sua torcedora especial: Larissa.

Em suma, o vencedor do Prêmio Dener, dado para o autor do gol mais bonito da Copinha, ficou para João Paulo, do Jacobina (BA), que marcou um belo gol contra o Aquidauanense (MS) em partida válida pela primeira fase do torneio.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da decisão.

Data – Jogo – Local:
Primeira Fase (Grupo 7 – Araraquara):
03/01 – São Paulo (SP) 7×2 Holanda (AM) – Arena Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
06/01 – Serra (ES) 0x3 São Paulo (SP) – Arena Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
09/01 – Ferroviária (SP) 2×2 São Paulo (SP) – Arena Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
Segunda Fase:
11/01 – Rio Claro (SP) 0x3 São Paulo (SP) – Arena Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
Terceira Fase:
13/01 – Ferroviária (SP) 0x2 São Paulo (SP) – Arena Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
Oitavas-de-final:
15/01 – Mirassol (SP) 0x3 São Paulo (SP) – Arena Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
Quartas-de-final:
17/01 – Cruzeiro (MG) (5)1×1(6) São Paulo (SP) – Arena Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
Semifinal:
22/01 – São Paulo (SP) 5×2 Guarani (SP) – Arena Fonte Luminosa, Araraquara (SP)
Final:
25/01 – São Paulo (SP) (3)2×2(1) Vasco (RJ) – Pacaembu, São Paulo (SP)

FICHA TÉCNICA: SÃO PAULO (SP) (3)2×2(1) VASCO DA GAMA (RJ)
Competição/Fase: Copa São Paulo de Futebol Júnior 2019 – final (jogo único)
Data: 25 de janeiro de 2019, sexta-feira -15h30 (horário de Brasília)
Local: Estádio Paulo Machado de Carvalho (Pacaembu) – São Paulo (SP)
Público Total: 37.316 pessoas
Público Pagante: 33.199 pessoas
Renda: R$ 874 mil
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Auxiliares: Tatiane Saciotti dos Santos Camargo e Fabrini Bevilacqua Costa
Cartões Amarelos: Welington e Tuta (São Paulo); Coutinho e Ulisses (Vasco)
Gols: Gabriel Novaes, aos 39 min do 1º tempo (1-0); Antony, aos 7 min (2-0), Lucas Santos, aos 30 min (2-1) e Tiago Reis, aos 38 min do 2º tempo (2-2)
Pênaltis convertidos: Ed Carlos, Morato e Tuta (São Paulo); Lucas Santos (Vasco)
Pênaltis desperdiçados: Marcos Júnior (São Paulo); Tiago Reis, Gabriel Norões e Riquelme (Vasco)
SÃO PAULO (SP): 1.Thiago Couto; 2.Caio, 3.Tuta, 4.Morato e 6.Welington (23.Sena); 5.Diego, 8.Rodrigo Nestor (19.Vitinho) e 20.Paulinho (16.Marcos Junior); 7.Antony (25.Fasson), 9.Gabriel Novaes (14.Ed Carlos) e 11.Fabinho (13.Weverton). Técnico: Orlando Ribeiro
VASCO (RJ): 1.Alexander; 2.Tenório, 3.Ulisses, 21.Gabriel Norões e 6.Coutinho (16.Riquelme); 15.Bruno Gomes (18.Laranjeira), 5.Caio Lopes, 8.Lennick (7.Alexandre Melo) e 11.João Pedro (20.Talles); 10.Lucas Santos e 9.Tiago Reis. Técnico: Marcos Valadares

Parabéns ao São Paulo Futebol Clube pelo título.

Por Jorge Almeida

 

Palmeiras: campeão da Copa RS de Futebol Sub-20 2018

Depois de três vice-campeonatos, os jogadores do Palmeiras comemoraram o título inédito da Copa RS Sub-20. Créditos: Reprodução/Twitter

Depois de ser vice-campeão por três vezes seguidas, o Palmeiras finalmente conseguiu sagrar-se campeão da Copa RS de Futebol Sub-20 2018 ao bater o São Paulo na disputa de pênaltis por 4 a 3 depois do empate em 1 a 1 no tempo normal, no Estádio Universitário da PUC-RS, em Porto Alegre, na manhã deste domingo (16). Papagaio abriu o placar para o alviverde no primeiro tempo e Toró empatou para o Tricolor paulista no início da etapa final. Nos penais, destaque para o goleiro Gomes, que defendeu o penal de Fasson e Patrick de Paula, que converteu o pênalti que rendeu a conquista inédita palmeirense.

O Palmeiras começou pressionando o São Paulo ao marcar presença no campo de ataque do rival. Mas o adversário respondeu aos cinco minutos com Fabinho, que recebeu pela direita no ataque, invadiu a área e chutou forte, mandando a bola rente à meta palmeirense.

Na jogada seguinte, aos oito, o lateral-direito Marcus Melone cruzou na medida para Papagaio completa para as redes e colocar o Verdinho na frente. 1 a 0 para o Palmeiras. E, em menos de dois minutos, o alviverde quase fez o segundo. Em um rápido contragolpe, Guilherme Vieira recebeu na entrada da área e chutou cruzado pela linha de fundo.

Depois do tento palmeirense, a partida deu uma ligeira diminuída no ritmo das duas equipes, talvez por conta do calor na capital gaúcha, mas os sãopaulinos conseguiram levar perigo aos palmeirenses ao tentar arremates que passaram perto do gol defendido por Gomes.

Aos 34, o Tricolor chegou bem, mas Gomes fez ótima defesa e Gabriel Sara quase empatou, mas, desequilibrado, cabeceou para fora. A partida seguiu equilibrada com os dois times alternando o controle da posse de bola. Aos 45, Papagaio recebeu ótimo lançamento no campo de ataque, entrou na área e bateu colocado, a bola desviou em Morato e saiu para escanteio. O árbitro Leandro Pedro Vuaden decretou o final do primeiro tempo aos 50 minutos, com vitória parcial do Palmeiras por 1 a 0.

A etapa complementar iniciou com o São Paulo partindo para o ataque e quase sendo surpreendido pelo Palmeiras. Aos três, Fasson errou na saída de bola, Alan ficou na cara do goleiro Thiago Couto, que fez uma ótima defesa e evitou o segundo gol palmeirense. No lance seguinte, aos cinco, em um contra-ataque veloz pela esquerda, a bola foi rolada rasteira na área, a zaga não cortou e Toró pegou em cheio, mandou no ângulo e empatou a decisão: 1 a 1.

Depois do empate, a equipe do Morumbi melhorou a postura em campo e passou a neutralizar o Palmeiras. E, por pouco, não virou o jogo aos 16 minutos. Airton foi lançado na área, dividiu com o goleiro sãopaulino, pediu pênalti, a arbitragem mandou o lance seguir e, em rápida resposta, o Tricolor colaborou com uma falha do goleiro Gomes e Toró só não anotou o segundo gol porque a zaga alviverde salvou em cima da linha.

O jogo seguiu equilibrado, mas em virtude do forte calor e do número de substituições, a partida não ofereceu muitas emoções no restante da peleja, fazendo com o que o número de finalizações perigosas ao gol rareasse. O último lance de perigo aconteceu aos 42 minutos. Thiago Alves pegou a sobra da entrada da área e chutou forte, mas a redonda desviou na defesa sãopaulina e foi para escanteio. Contudo, apesar do grande número de substituições e da parada técnica, o árbitro Leandro Vuaden encerrou o jogo aos 45 minutos, sem os tradicionais minutos de acréscimos. O campeão da Copa RS ficou definido na disputa por pênaltis.

Na série de cinco cobranças, melhor para o Palmeiras, que conseguiu converter quatro de cinco cobranças. Os penais convertidos pelos palmeirenses foram convertidos por Papagaio, Lincon, Esteves e Patrick de Paula, enquanto Iago parou em Thiago Couto. Já Morato, Paulinho e Weverson converteram para o São Paulo, mas Danilo mandou para fora e Fasson viu o seu tiro penal ser defendido por Gomes. Final das cobranças de pênalti em Porto Alegre: Palmeiras 4, São Paulo 3. O alviverde conquistou a Copa RS de Futebol Sub-20 pela primeira vez em sua história, impediu o tetracampeonato sãopaulino do certame e, de quebra, vingou-se da derrota da edição do ano passado e da perda da Supercopa do Brasil Sub-20 desse ano para o arquirrival. Além disso, depois de três vice-campeonatos do torneio, o Palmeiras, enfim, conquista o troféu. Mas, a molecada das duas equipes não terá muito refresco pela frente. Após as festividades de fim de ano, os dois times voltarão em campo no começo de janeiro para a disputa da Copa São Paulo de Futebol Junior de 2019. Atual vice-campeão do torneio, o São Paulo buscará o tetra, enquanto o Palmeiras vai em busca do único troféu que lhe falta na categoria de base.

O Choque-Rei dominou as principais competições sub-20 do futebol brasileiro em 2018. E a decisão da Copa RS de Futebol Sub-20 foi o verdadeiro tira-teima entre São Paulo e Palmeiras. Enquanto o Tricolor levou a Copa do Brasil e a Supercopa do Brasil da categoria, o alviverde chegou credenciado pelos títulos paulista e brasileiro. E, assim como foi na final da Supercopa do Brasil Sub-20, vencida pelos sãopaulinos, a final da Copa RS foi marcada por muito equilíbrio entre os dois times. O Palmeiras saiu na frente com o centroavante Papagaio, artilheiro máximo da competição com sete gols. Aliás, o camisa 9 marcou o 38º tento na temporada. O São Paulo empatou no começo do segundo tempo com um belo gol de Toró. No entanto, o forte calor colaborou para que as duas equipes não apresentassem um futebol mais vistoso em Porto Alegre, pois, além disso, ambos vinham de uma temporada intensa de jogos. E, com isso, o título foi para os pênaltis, que teve o Palmeiras como o grande vencedor ao superar o arquirrival por 4 a 3. No entanto, uma crítica deve ser feita à Federação Gaúcha de Futebol, organizadora do torneio. Como a temporada do futebol profissional já foi encerrada com o término do Campeonato Brasileiro, a federação poderia deixar o horário da decisão para o período da tarde, a partir das 17h, por exemplo, por conta do forte calor. Afinal, atuar sob o Sol do meio-dia, com mais de 30 graus, é para acabar com qualquer um. Uma falta de respeito com os jovens atletas.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da decisão.

Primeira Fase (Grupo C):
30/11 – Palmeiras (BRA) 4×2 Vasco (BRA) – Homero Soldatelli, Flores da Cunha (RS)
04/12 – Atlético Mineiro (BRA) 1×2 Palmeiras (BRA) – Homero Soldatelli, Flores da Cunha (RS)
06/12 – Palmeiras (BRA) 3×2 Toluca (MÉX) – Homero Soldatelli, Flores da Cunha (RS)
08/12 – River Plate (ARG) 0x6 Palmeiras (BRA) – Homero Soldatelli, Flores da Cunha (RS)
Quartas-de-final:
10/12 – Palmeiras (BRA) 5×1 Botafogo (BRA) – Homero Soldatelli, Flores da Cunha (RS)
Semifinal:
13/12 – Palmeiras (BRA) (8)1×1(7) Internacional (BRA) – Universitário da PUC-RS, Porto Alegre (RS)
Final:
16/12 – Palmeiras (BRA) (4)1×1(3) São Paulo (BRA) – Universitário da PUC-RS, Porto Alegre (RS)

FICHA TÉCNICA: PALMEIRAS (BRA) (4)1x(3) SÃO PAULO (BRA)
Competição/Fase: Copa RS de Futebol Sub-20 2018 – final (jogo único)
Local: Estádio Universitário da PUC-RS, Porto Alegre (RS)
Data: 16 de dezembro de 2018, domingo – 11h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden
Auxiliares: Rafael da Silva Alves e Lúcio Beiersdorf Flor
Cartões Amarelos: Marcus Melone, Esteves, Patrick de Paula e Papagaio (Palmeiras); Morato (São Paulo)
Gols: Papagaio, aos 8 min do 1º tempo (1-0); Toró, aos 5 min do 2º tempo (1-1)
Pênaltis convertidos: Papagaio, Lincon, Esteves e Patrick de Paula (Palmeiras); Morato, Paulinho e Weverson (São Paulo)
Pênaltis desperdiçados: Iago (Palmeiras); Danilo e Fasson (São Paulo)
PALMEIRAS (BRA): 22.Gomes; 2.Marcus Meloni (4.Iago), 3.Gabriel Furtado, 8.Patrick de Lucca e 6.Esteves; 5.Matheus Neris (20.Cesinha), 18.Patrick de Paula (15.Thiago Alves) e 10.Alan (19.Lincon); 17.Guilherme Vieira (25.Hélio), 7.Airton (26.Gabriel Veron) e 9.Papagaio. Técnico: Wesley Carvalho
SÃO PAULO (BRA): 1.Thiago Couto; 14.Marcos Jr., 3.Morato, 5.Diego e 18.Welington (16.Weverson); 4.Fasson, 7.Rodrigo Nestor (23.Vitinho), 10.Gabriel Sara e 11.Toró; 19.Gabriel Novaes (20.Alisson) e 9.Fabinho. Técnico: Orlando Ribeiro

Parabéns à Sociedade Esportiva Palmeiras pelo título.

Por Jorge Almeida

São Paulo: campeão da Supercopa do Brasil Sub20 2018

Jogadores do sub-20 do São Paulo posam para a foto oficial. Créditos: Staff Images

Em um jogo disputado na noite desta terça-feira (27), o São Paulo sagrou-se campeão da Supercopa do Brasil Sub-20 2018 no Allianz Parque ao levar a melhor sobre o Palmeiras na disputa de pênaltis. O alviverde ganhou a partida no tempo regulamentar por 2 a 1 e, com isso, o placar agregado apontou empate em 5 a 5 e levou aos tiros penais que terminaram com triunfo sãopaulino por 5 a 4. Campeão da Copa do Brasil da categoria, o Tricolor será o representante brasileiro na Libertadores Sub-20 em 2019.

Precisando reverter a desvantagem, o Palmeiras tomou a iniciativa no jogo. Logo aos dois minutos, Wesley fez boa jogada pela esquerda e, no momento da finalização, foi travado na hora. O Verdão estava na pressão. Mas, em sua primeira investida ao ataque, aos oito, em bela trama pela direita, Antony recebeu na área e rolou para Fabinho completar para as redes e ampliar a vantagem tricolor na decisão: 1 a 0 para os visitantes.

O alviverde tentou dar uma resposta rápida no minuto seguinte com Airton, que recebeu na área e bateu cruzado. A bola passou muito perto da meta tricolor. Na sequência, aos dez, o São Paulo deu o troco com Toró, que fez boa boa pela esquerda e chutou rasteiro, mas pegou com pouca força na redonda.

A partida seguiu movimentada para os dois lados, e foi nessa pegada que o Palmeiras chegou ao empate. Aos 16, Vitão subiu mais que todo mundo após o escanteio e cabeceou para igualar o placar no Allianz Parque.

Com a igualdade no marcador, a equipe do Morumbi, que pressionava a saída de bola, passou a esperar o adversário, que chegou com perigo aos 24. Airton ajeitou para Papagaio que finalizou da grande área e mandou a esférica à direita do gol sãopaulino. Quatro minutos mais tarde, o lateral-esquerdo Esteves fez grande jogada pelo setor, fez fila e finalizou forte para Junior resvalar na ponta dos dedos e ter a bola carimbada em seu travessão.

A situação ficou complicada para a equipe visitante. Em menos de três minutos, o volante Diego levou cartão amarelo por ter feito falta dura em Wesley e, na dividida seguinte, recebeu mais um cartão por ter feito outra falta – dessa vez acertou Papagaio. Com um jogador a menos, o São Paulo recuou e tratou de se segurar para administrar o resultado.

Enquanto isso, o alviverde, por outro lado, melhorou no jogo e foi para cima. Aos 38, Patrick cobrou falta e mandou perto do gol. Mas os comandados de Orlando Ribeiro conseguiram segurar o resultado no primeiro tempo.

Na etapa complementar, o Palmeiras veio disposto a buscar a virada e ampliar o placar. Na volta do intervalo, o técnico Wesley Carvalho botou Patrick de Lucca, Yan e Cesinha nos lugares de Thiago Alves, Patrick de Paula e Airton. Contudo, o panorama durante boa parte do segundo tempo não mudou. O Palmeiras manteve mais a posse, ficou mais presente no campo do São Paulo, que ficou recuado para tentar manter o empate que lhe era favorável.

Aos 12, Matheus Rocha cruzou na área, Yan cabeceou e Júnior fez a defesa.

Mas o ferrolho sãopaulino estava a funcionar perfeitamente até os 38 minutos. Em uma disputa pelo alto, a defesa tricolor afastou e, na sobra, Papagaio emendou de primeira e acertou um lindo chute. Um golaço. A virada palmeirense motivou a equipe da casa que, antes do término do jogo, teve ainda duas chances. Aos 42, Cesinha lançou Aníbal na área, o camisa 18 finalizou e Junior defendeu. Dois minutos depois foi a vez de Yan rolou para trás e Esteves finalizou cruzado, mandou a redonda rente ao gol sãopaulino.

No entanto, nos acréscimos, aos 47, o São Paulo esteve perto do empate. Danilo chutou forte da esquerda, Anderson defendeu, no rebote, o sãopaulino rolou para o meio da área para finalização de Cássio, que carimbou um palmeirense, que estava entre o jogador e o gol e impediu o empate. No entanto, com o 5 a 5 no placar agregado, o título da Supercopa do Brasil foi para a disputa por pênaltis.

Nos tiros penais, prevaleceram os batedores dos clubes. Todos, com exceção do palmeirense Wesley, que parou no goleiro Junior, converteram suas cobranças, resultando em vitória sãopaulino por 5 a 4. O São Paulo será o representante brasileiro na Libertadores Sub-20 em 2019.

A seguir, o resumo da campanha e a ficha técnica da decisão.

23/11 – São Paulo 4×3 Palmeiras – Morumbi, São Paulo (SP)
27/11 – Palmeiras (4)2×1(5) São Paulo – Allianz Parque, São Paulo (SP)

FICHA TÉCNICA: PALMEIRAS (4)2×1(5) SÃO PAULO
Competição/Fase:
Supercopa do Brasil Sub-20 2018 – final (2º jogo)
Data: 27 de novembro de 2018, terça-feira – 20h (horário de Brasília)
Local: Allianz Parque, São Paulo (SP)
Público: 13.840 torcedores
Renda: mais de 13 toneladas de alimentos
Árbitro: Márcio Henrique de Góis (SP)
Auxiliares: Fabrício Porfírio de Moura (SP) e Renata Ruel de Brito (SP)
Cartões Amarelos: Diego, Walce, Antony, Toró e Tuta (São Paulo); Anderson, Esteves, Papagaio e Gabriel Furtado (Palmeiras)
Cartão Vermelho: Diego (São Paulo)
Gols: Fabinho, aos 8 min (0-1) e Vitão, aos 16 min do 1º tempo (1-1); Papagaio, aos 39 min do 2º tempo (2-1)
Pênaltis convertidos: Papagaio, Cesinha, Aníbal e Esteves (Palmeiras), Walce, Tuta, Rafael, Danilo e Gabriel Novais (São Paulo)
Pênalti desperdiçado: Wesley (Palmeiras)
PALMEIRAS: 1.Anderson; 2.Matheus Rocha, 3.Gabriel Furtado (17.Guilherme Vieira), 4.Vitão (13.Iago) e 6.Esteves; 5.Thiago Alves (16.Patrick de Lucca), 8.Patrick de Paula (20.Yan) e 10.Alan (18.Aníbal); 7.Airton (19.Cesinha), 11.Wesley e 9.Papagaio. Técnico: Wesley Carvalho
SÃO PAULO: 1.Junior; 2.Caio (15.Marcos Junior), 3.Tuta, 4.Walce e 6.Caíque (23.Wellington); 5.Diego, 7.Gabriel Sara (17.Cássio) e 10.Igor Gomes; 8.Antony (19.Rafael), 11.Toró (21.Gabriel Novais) e 9.Fabinho (16.Danilo). Técnico: Orlando Ribeiro

Parabéns ao São Paulo Futebol Clube pelo título.

Por Jorge Almeida