UEFA sorteou os duelos das semifinais da Champions e Liga Europa

Sorteios dos confrontos das semifinais da Champions e Liga Europa fo foram realizados na sede da UEFA. Créditos: Getty Images

Nesta sexta-feira (21), a UEFA realizou em sua sede, em Nyon, na Suíça, os sorteios dos confrontos das semifinais de suas duas principais competições interclubes: UEFA Champions League e UEFA Europa League. As duas competições terão, respectivamente, suas finais realizadas em Cardiff, no País de Gales, e Estocolmo, na Suécia.

Pela principal competição da entidade, as semifinais foram definidas entre Real Madrid x Atlético de Madrid de um lado, e Monaco x Juventus do outro.

Os rivais da capital espanhola se enfrentam em dois duelos em clima de revanche para os Colchoneros. Afinal, os dois fazem uma reedição da final da última temporada, que foi vencida pelos Merengues nos pênaltis. Aliás, na história da competição, o Real Madrid levou a melhor diante do rival em outras três ocasiões: nas semifinais da edição de 1958/59, a final da temporada 2013/14 e eliminou o adversário nas quartas-de-final no biênio 2014/15. Na atual temporada, pela Liga Espanhola, as equipes de Zinedine Zidane e de Diego Simeone se enfrentaram duas vezes, com vitória de 3 a 0 dos comandados do técnico francês e um empate em 1 a 1 no Santiago Bernabéu. Os dois confrontos serão realizados nos dias 2 e 10 de maio, sendo o primeiro na casa do Real e o segundo no Vicente Calderón, logo, ambos em Madri.

A outra semifinal será entre Monaco e Juventus. Na história, os dois clubes se enfrentaram nas semifinais da temporada 1997/98 e nas quartas-de-final de 2014/15 e, em ambas, a Vecchia Signora levou a melhor. Na primeira, a Juve derrotou a equipe do Principado por 4 a 1 na ida e perdeu por 3 a 2 na volta. Mas, na final, os bianconeros foram derrotados pelo Real Madrid por 1 a 0, com gol de Mijatović. E o outro confronto, válido pelas quartas-de-finais, a Juventus se classificou ao vencer o Monaco por 1 a 0 no primeiro jogo (gol de Arturo Vidal, atualmente no Bayern de Munique, cobrando pênalti) e o duelo de volta terminou em 0 a 0. Agora, os confrontos ocorrerão em 3 e 9 de maio, sendo a ida no Stade Louis III, em Mônaco, e a volta no Juventus Stadium.

No sorteio da outra competição da UEFA ficou determinado que Ajax e Lyon farão uma das semifinais enquanto Celta de Vigo e Manchester United medirão forças na outra semi.

Holandeses e franceses já fizeram quatro jogos entre si, mas todos válidos pela fase de grupo da UEFA Champions League. O Ajax venceu os dois jogos feitos na temporada 2002/03 – 2 a 1 em casa e 2 a 0 fora – e, em 2011/12, os dois times empataram em 0 a 0 em dois compromissos. Os embates serão realizados nos dias 3 e 11 de maio.

Enquanto isso, Celta de Vigo e Manchester United nunca se enfrentaram em competições de clubes da UEFA. O desempenho do clube espanhol contra ingleses é de cinco vitórias e quatro derrotas, sendo que perderam os últimos três jogos contra equipes da terra da rainha. Já o desempenho dos Diabos Vermelhos diante de espanhóis, em 47 jogos, é de 12 vitórias, 16 derrotas e 19 empates. O atacante do Celta, Giuseppe Rossi, defendeu as cores do clube do Old Trafford de 2004 a 2007. As duas equipes farão os confrontos que, até então eram inéditos, nos dias 4 e 11 de maio.

A decisão da UEFA Champions League ocorrerá no dia 3 de junho no National Stadium Of Wales, em Cardiff, no País de Gales, enquanto a final da UEFA Europa League, por sua vez, será realizada no Friends Arena, em Estocolmo, na Suécia, no próximo dia 24 de maio.

E que tenhamos excelentes jogos em ambas semifinais.

Por Jorge Almeida

Saíram os semifinalistas da UEFA Champions League

Semifinalistas da UEFA Champions League foram definidos nesta quarta-feira. Créditos: divulgação/uefa.com

Com a realização de dois jogos nesta quarta-feira (19), a UEFA Champions League 2016-2017 têm os seus semifinalistas definidos. Real Madrid, Atlético de Madrid, Juventus e Monaco se classificaram para fase seguinte ao deixarem nas quartas-de-final Bayern de Munique, Leicester City, Barcelona e Borussia Dortmund, respectivamente. O sorteio para a disputa das semifinais será realizado na sexta-feira (21) e os jogos estão previstos para acontecer nos dias 2,3, 9 e 10 de maio.

Atual campeão do torneio, o Real Madrid conseguiu a sua classificação para as semifinais na terça-feira (18) ao derrotar o Bayern de Munique por 4 a 2 no Santiago Bernabéu. Os Merengues, que haviam vencido a equipe da Baviera no confronto de ida por 2 a 1, saíram na frente com Cristiano Ronaldo no primeiro tempo, mas Lewandowski e Sergio Ramos (contra) viraram o jogo para os bávaros e forçou a realização da prorrogação e, antes do término do tempo regulamentar, o Bayern perdeu Arturo Vidal por expulsão. No tempo extra, o Real Madrid deslanchou e fez mais três gols, sendo dois de CR7 e outro de Ansensio. Os alemães reclamaram da arbitragem que expulsou injustamente o meiocampista chileno e, além disso, em um dos três gols do camisa 7 madridista estava completamente impedido, mas ignorado pelo assistente.

O rival local dos Merengues, o Atlético de Madrid, também chegou as semifinais no mesmo dia. Os Colchoneros empataram em 1 a 1 contra o Leicester City no King Power Stadium. A equipe de Diego Simeone havia levado a melhor diante do surpreendente time de Craig Shakespeare na semana passada ao vencer por 1 a 0. Na Inglaterra, os visitantes saíram na frente com Saúl e o empate dos Foxes veio com Verdy. Os anfitriões foram para o abafa, mas o clube de Madri segurou a vantagem e segue na busca do sonho em erguer a “orelhuda” pela primeira vez.

Outro espanhol que entrou em campo em busca das semifinais, dessa vez nesta quarta, foi o Barcelona. Os Blaugranas receberam a Juventus no Camp Nou com a ingrata missão de fazer quatro gols para conseguir a vaga ou, ainda, golear o adversário por três gols de diferença para levar a partida para a prorrogação. Embora tivesse entrado em campo contra a Juve com uma desvantagem menor em relação ao confronto contra o PSG nas quartas-de-final, dessa vez o Barça, em especial o trio MSN, não foi tão efetivo nas finalizações e ficaram no empate sem gols contra a sólida defesa da Vecchia Signora, que vingou-se da derrota sofrida na final da Champions 2014/15 para os catalães.

E no único embate que não envolveu equipes espanholas foi entre Monaco e Borussia Dortmund. A equipe do Principado encarou os aurinegros com a vantagem de ter vencido o primeiro jogo na casa do adversário na ida por 3 a 2. E, ainda no começo da partida, no Estádio Louis II, em Mônaco, o time alvirrubro saiu na frente logo aos três minutos com Mbappé, que ampliou o placar aos 16 com Falcao García. O Borussia, que precisava fazer três gols no segundo tempo para levar a partida para a prorrogação, descontou com Reus no começo da etapa complementar, mas Germain, aos 35 minutos, praticamente selou a classificação do Monaco para as semifinais e, consequentemente, fazendo 6 a 3 no placara agregado.

Dentre os semifinalistas, apenas Real Madrid e Juventus sentiram o gostinho de ganhar a UEFA Champions League, os Merengues por 11 vezes e a Vecchia Signora em duas oportunidades, sendo a última delas na temporada 1995/1996. Já os Colchoneros “bateram na trave” em três ocasiões: 1973/74, 2013/14 e 2015/16, incluindo as duas últimas para o arquirrival Real Madrid. Já a melhor participação do Monaco em uma Champions foi o vice-campeonato na temporada 2003/2004, quando perdeu a finalíssima para o Porto por 3 a 0.

O sorteio dos confrontos será realizado na próxima sexta-feira (21) na sede da UEFA, em Nyon, na Suíça.

Por Jorge Almeida

UEFA definiu os confrontos das quartas-de-final da Champions

Confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017. Créditos: Getty Images

A UEFA realizou em sua sede, em Nyon, na Suíça, nesta sexta-feira (17), os confrontos válidos pelas quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017. As partidas de ida serão realizadas nos dias 11 e 12 de abril e os jogos de volta acontecerão nos dias 18 e 19 do mesmo mês. Destaque para os confrontos entre Bayern de Munique e Real Madrid, e Juventus versus Barcelona.

O primeiro jogo do confronto entre Atlético de Madrid e Leicester City será realizado no Vicente Calderón, na capital espanhola, no dia 12 de abril. Enquanto a volta acontecerá seis dias depois no King Power Stadium, na Inglaterra. Na história, duas das três campanhas em competições europeias do Leicester foram encerradas em confrontos contra os Colchoneros. O time espanhol derrotou os Foxes na extinta Recopa Europeia de 1961/1962 por 3 a 1, e também levou a melhor em dois confrontos realizados pela Copa da UEFA (vitórias por 2 a 1 em casa e 2 a 0 fora) na temporada 1997/1998. Além disso, o clube espanhol nunca perdeu em casa para uma equipe inglesa – cinco vitórias e cinco empates.

Já Borussiva Dortmund e Mônaco nunca se enfrentaram em uma competição oficial. E esse promete ser um duelo de muitos gols, pelo menos é o que se espera, conforme a postura ofensiva imposta pelos treinadores dos dois times. O compromisso de ida será realizado na Alemanha no dia 11 de abril e a volta será em 19 de abril no Louis II. Na história, os alemães enfrentaram equipes francesas em competições oficiais em 16 ocasiões, com seis vitórias, cinco empates e cinco derrotas. Apenas um revés ocorrera em casa.

Talvez o confronto mais aguardado desta quartas-de-final: Bayern de Munique x Real Madrid. O duelo entre o criador e a criatura. Logo, de um lado, Carlo Ancelotti, campeão europeu com o Real Madrid na temporada 2013/2014, agora treinando os Bávaros, do outro, o seu ex-auxiliar na campanha vitoria dos Merengues há três temporadas, Zinedine Zidane. Além desse duelo particular no banco de reservas, o embate também marcará o encontro de Toni Kroos e Xabi Alonso contra os seus ex-clubes. As duas equipes já se enfrentaram 22 vezes em torneios continentais, sendo 11 triunfos do Bayern, nove do Real Madrid e dois empates. Destaque para as últimas três vitórias do clube espanhol, inclusive os impiedosos 4 a 0 em Munique pela Champions 2013/2014, que foi a maior derrota da equipe da Baviera sofrida em casa nos torneios do Velho Continente. Sinceramente, não há favoritos neste confronto. O jogo de ida será no dia 12 de abril na Allianz Arena, em Munique, enquanto a partida derradeira ocorrerá no dia 18 no Santiago Bernabéu.

E, finalmente, Juventus x Barcelona, que farão uma reedição da final da edição 2014/2015 vencida pelos catalães, em Berlim, por 3 a 1. A Juve faz a primeira partida em casa, no dia 11, e o Barcelona será o anfitrião do compromisso na semana seguinte, em 19 de abril. Este jogo marcará o regresso de Daniel Alves ao Camp Nou, por onde defendeu as cores azul e grená por oito temporadas e conquistou 23 títulos. Motivado pela classificação heroica diante do PSG nas oitavas, o Barcelona tem um leve favoritismo, mas é bom os blaugranas não vacilarem contra a Vecchia Signora, que tem uma defesa mais sólida e, tecnicamente, melhor que a do time francês.

Não custa reforçar: a final, que será em jogo único, acontecerá no próximo dia 3 de junho (sábado) no Millenium Stadium, em Cardiff, no País de Gales.

A seguir, as datas e os locais dos confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League.

Data – Confronto – Local
Ida:
11/04/2017 – Juventus (ITA) x Barcelona (ESP) – Juventus Stadium, Turim
11/04/2017 – Borussia Dortmund (ALE) x Mônaco (FRA) – Signal Iduna Park, Dortmund
12/04/2017 – Bayern de Munique (ALE) x Real Madrid (ESP) – Allianz Arena, Munique
12/04/2017 – Atlético de Madrid (ESP) x Leicester City (ING) – Vicente Calderón, Madri

Volta:
18/04/2017 – Leicester City (ING) x Atlético de Madrid (ESP) – King Power Stadium, Leicester
18/04/2017 – Real Madrid (ESP) x Bayern de Munique (ALE) – Santiago Bernabéu, Madri
19/04/2017 – Mônaco (FRA) x Borussia Dortmund (ALE) – Louis II, Mônaco
19/04/2017 – Barcelona (ESP) x Juventus (ITA) – Camp Nou, Barcelona

Por Jorge Almeida

Definidos os classificados para as quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017

UEFA definirá os confrontos das quartas-de-final da UEFA Champions League na sexta-feira (15). Créditos: uefa.com

Os oito classificados para as quartas-de-final da UEFA Champions League 2016/2017 foram definidos nesta quarta-feira (15) ao término dos dois últimos confrontos das oitavas-de-final – Mônaco 2×0 Manchester City e Atlético de Madrid 0x0 Bayer Leverkusen. Dessa forma, seguem na competição três clubes espanhóis (Barcelona, Real Madrid e Atlético de Madrid), um inglês (Leicester), dois alemães (Bayern de Munique e Borussia Dortmund), um italiano (Juventus) e um francês (Mônaco). Os confrontos da próxima fase serão definidos em um sorteio que será realizado às 8h (horário de Brasília) na sede da UEFA.

O Bayern de Munique foi na terça-feira (7) passada até Londres pegar o Arsenal com uma enorme vantagem. Depois de ter feito 5 a 1 na Allianz Arena, os bávaros repetiram o mesmo placar no Emirates Stadium, fazendo assim 10 a 2 no placar agregado. Essa foi a quarta vez que os Gunners caem nas oitavas-de-final para os alemães na Champions desde 2005.

Assim como a equipe da Baviera, no mesmo dia, o Real Madrid também avançou e repetiu o placar nos dois confrontos diante do Napoli. Depois de ter vencido o time napolitano em casa por 3 a 1, os Merengues fizeram 6 a 2 no agregado no time italiano e segue firme e forte na busca da 12ª taça da competição.

Outro representante alemão que segue no torneio é o Borussia Dortmund. Após perder o jogo de ida para o Benfica por 1 a 0, no Estádio da Luz, os aurinegros não tomaram conhecimento dos Encarnados e golearam o adversário por 4 a 0 no Signal Iduna Park. A partida foi disputada no dia 8 de março.

Dentre todos os classificados, o Barcelona era o que tinha a maior desvantagem. Depois de levar acachapantes 4 a 0 do Paris Saint-Germain no Parc des Princes, a equipe catalã precisava de um milagre para reverter a situação. Aliás, nunca na história da Liga dos Campeões, um clube conseguira reverter tamanha goleada. Contudo, em uma partida épica, o Barça atropelou o PSG com impiedosos 6 a 1, sendo que os últimos três gols saíram a dez minutos do fim da partida. Lembrando que o Barcelona fez dois gols de pênaltis e os franceses ainda tiveram o zagueiro Marquinhos expulso no segundo tempo.

Ontem (14) foi a vez da Juventus assegurar sua vaga para as quartas-de-final. A Vecchia Signora recebeu o Porto em casa e venceu por 1 a 0. Como derrotara o time português no primeiro jogo por 2 a 0, a Juve conseguiu uma classificação relativamente tranquila.

A grande sensação desta edição da Champions chegou pela primeira vez às quartas-de-final da competição. Atual campeão inglês, o Leicester deixou o Sevilla pelo caminho. Embora tenha perdido para o time de Jorge Sampaoli na ida por 2 a 1, o azarão inglês não se intimidou e derrotou o maior campeão da Liga Europa por 2 a 0 em seu estádio e seguem em busca do sonho.

O Mônaco será o representante francês nas quartas. O clube do principado derrotou o endinheirado Manchester City em casa por 3 a 1. Como havia perdido o jogo de ida no Etihad Stadium por 5 a 3, o time alvirrubro foi beneficiado pelos gols marcados na casa do adversário.

E, finalmente, o Atlético de Madrid segue na busca de sua inédita Champions. Os comandados de Diego Simeone empataram no Vicente Calderón com o Bayer Leverkusen em 0 a 0. Porém, como vencera o compromisso de ida por 4 a 2, os Colchoneros avançaram para a fase seguinte.

Os confrontos das quartas-de-final da competição europeia serão definidos após sorteio que acontecerá na próxima sexta-feira (17), às 9h (horário de Brasília), na sede da UEFA, em Nyon, na Suíça.

As partidas de ida das quartas-de-final serão realizadas nos dias 11 e 12 de abril e os jogos de volta acontecerão nos dias 18 e 19 de abril.

Parabéns aos classificados.

Por Jorge Almeida

Uma “signora” mudança em Turim

Novo distintivo da Juventus foi apresentado nesta segunda-feira (16). Foto: Divulgação/Juventus
Novo distintivo da Juventus foi apresentado nesta segunda-feira (16). Foto: Divulgação/Juventus

A diretoria do Juventus Football Club anunciou nesta segunda-feira (16) uma mudança radical. Não se trata de nenhum novo uniforme, já que o clássico bianconero estará mantido, mas sim em seu escudo. O novo emblema é um “J” dividido em duas faixas brancas e, em cima o nome Juventus aparece de forma simples.

Segundo o presidente do clube, Andrea Agnelli, o novo símbolo concebe a “maneira Juventus de viver”. Este é o sexto escudo diferente do tradicional clube italiano. A última dela havia sido feita em 2004 com pequenos detalhes, mas agora a mudança é total.

Para apresentar o novo distintivo, a Juve realizou uma festa em Turim que teve as presenças do goleiro Gianluigi Buffon, do lateral brasileiro Daniel Alves, além de várias personalidades do clube.

O objetivo do clube, segundo nota em seu site oficial, é “crescer em termos de presença e influência e expandir os negócios do clube através de uma série de iniciativas radicalmente inovadoras, visando aos torcedores bianconeros ao redor do mundo e aqueles com menor interesse no futebol”.

Única equipe da terra da bota a ter mais de 30 títulos italianos, é claro que a Vecchia Signora não abrirá mão de suas três estrelas de ouro (concedida a cada dez campeonatos nacionais conquistados), que ficarão logo acima do novo distintivo.

Os uniformes com o novo emblema começarão a serem usados na temporada 2017-18.

Aliás, na Internet, os usuários detestaram a novidade, criticaram a mudança e foram criados memes e “piadinhas” a respeito.

Em suma: a Juventus segue na liderança da Série A com 45 pontos, seguida da Roma, que tem 44 e um jogo a mais. O próximo compromisso da Vecchia Signora é diante da Lazio pela 21ª rodada na Arena Juventus no próximo domingo (22).

Por Jorge Almeida

Milan: campeão da Supercopa da Itália 2016

Jogadores do Milan comemoram a conquista da Supercopa da Itália em Doha, no Catar. Foto: Getty Images
Jogadores do Milan comemoram a conquista da Supercopa da Itália em Doha, no Catar. Foto: Getty Images

O Milan é o novo campeão da Supercopa da Itália. Os rossoneros levaram a melhor diante da Juventus nas cobranças por pênaltis por 4 a 3 depois de empate em 1 a 1 (gols de Chiellini e Bonaventura) no tempo normal e igualdade sem gols na prorrogação. A decisão foi realizada nesta sexta-feira (23) no Estádio Jassim Bin Hamad, em Doha, no Catar. A conquista deu fim a um pequeno tabu de cinco anos sem títulos do Milan e quebrou a hegemonia da Juventus na Itália. Além disso, essa foi a sétima Supercopa da Itália conquistada pelo clube rossonero, o que faz dele, ao lado da mesma Juventus, o maior campeão da competição.

O primeiro tempo começou quente já no minuto inicial. Após recuo para Buffon, Bacca caiu na frente da área fora do lance. Torcida pediu falta no atacante, mas a arbitragem ignorou. No minuto seguinte, a Juventus chegou com Sturaro, que bateu de fora da área para a defesa de Donnarumma em dois tempos. Cinco minutos depois, foi a vez de Mandžukić arriscar. O croata recebeu belo lançamento de Rugani, matou no peito e emendou de fora da área para o goleiro rossonero fazer grande defesa. Aos 16, a Juve chegou novamente. Higuaín rolou para Sturaro, que bateu no cantinho no contrapé de Donnarumma, mas o arqueiro fez mais uma grande defesa. No lance seguinte, Pjanić cobrou escanteio, Chiellini se antecipou a Romagnolli e esticou o pé direito para desviar para o gol e colocar o time de Turim na frente.

Depois de sofrer o gol, o Milan resolveu atacar. E a primeira grande oportunidade dos rossoneros veio aos 21 minutos com Suso. O meia recebeu na direita e, na tentativa de um cruzamento ou um chute, a bola levou perigo à direita da meta de Buffon. Ainda no primeiro tempo, a Juventus precisou fazer uma alteração: Alex Sandro, com problemas musculares, deu lugar para o experiente Evra. Aos 38, Suso cruzou de longe da direita para Bonaventura se antecipar a Lichtsteiner e Rugani e cabecear no cantinho de Buffon, que ficou bravo com a falha da marcação de seu sistema defensivo. E a último chance de gol do primeiro tempo foi da Vecchi Signora: aos 41, Mandžukić cruzou da direita, Donnarumma errou na saída em direção à bola e, por pouco, Sturaro não pôs a Juve na frente de novo. Abate apareceu para mandar a esférica para escanteio.

Na etapa complementar, as duas equipes mostraram muito equilíbrio no meio campo e também nas chances desperdiçadas. Primeiro foi a Juve, aos 9 minutos. com Higuaín que, em velocidade, dominou e chutou cruzado para a bola passar à direita da trave milanista. Os rossoneros responderam em seguida, aos 11, com Romagnoli, de cabeça, acerta caprichosamente o travessão. A Juventus levou perigo novamente quatro minutos depois com Khedira. Depois de receber passe de Higuaín, o camisa 6 mandou a redonda na gaveta, mas Donnarumma voou e salvou a pátria milanista ao fazer a defesa de mão trocada. Passados dois minutos desse lance, o Milan contra-atacou com Suso, que bateu cruzado, Buffon se esticou e não achou nada, Bacca não conseguiu chegar a tempo e a bola passou rente ao gol e saiu pela linha de fundo.

Depois de a torcida apelar por Dybala, o técnico Massimilliano Allegri colocou o atacante argentino no lugar de Pjanić. A partir daí, a Juventus criou boas oportunidades. Primeiro, aos 27, com Higuaín fazendo boa jogada na área e chutou rasteiro para a pequena área. A redonda passou por Donnarumma e, quando a bola ia sobrar para Mandžukić com o gol vazio pela frente, Romagnoli apareceu e afastou o perigo. Quatro minutos depois, a equipe da região Piemonte chegou novamente com Dybala, que recebeu passe, disparou de fora da área e a bola passou muito perto da meta de Donnarumma. Três minutos depois, o camisa 21 bianconero recebeu outro passe e soltou a bomba de primeira para a defesa em dois tempos do goleiro milanista. O clube da Lombardia criou suas oportunidades a poucos minutos do fim do tempo normal. Aos 37, em um cruzamento da esquerda, Bacca cabeceou para o chão e Buffon, no puro reflexo, fez excelente defesa. E, aos 46, Bacca apareceu livre e cabeceou por cima do gol da Juve. Assim, a decisão da Supercopa da Itália foi para a prorrogação.

No primeiro minuto do tempo extra, após um cruzamento da direita, Bonaventura aproveitou a sobra e soltou a bomba à queima roupa para grande defesa de Buffon e, no rebote, Bacca demorou para finalizar e permitiu a chegada de Chiellini para salvar a Juve. Essa foi a principal oportunidade criada nos 15 minutos iniciais da prorrogação. No segundo tempo extra, outra chance desperdiçada pelos rossoneros aos 3 minutos. Pašalić recebeu na área, passou por Rugani e bateu colocado, mas a bola saiu à esquerda de Buffon. A Juventus respondeu dois minutos depois com Evra, mas o lateral francês foi flagrado em impedimento. Nos minutos finais, a Vecchia Signora pressionou e, a poucos minutos do final da prorrogação, teve mais três chances: aos 11 com Dybala, que, na marca do pênalti e sem marcação, pegou muito embaixo da bola após cruzamento rasteiro de Evra. No minuto seguinte foi a vez de Higuaín finalizar na rede pelo lado de fora e, aos 14, com Dybala novamente, que saiu na cara de Donnarumma, que fechou bem o ângulo e ganhou o tiro de meta.

Nos tiros penais, Marchisio abriu a contagem para a Juve, que levou vantagem na cobrança defendida por Buffon no chute de Lapadula. Porém, Mandžukić mandou o seu tiro penal no travessão. Na sequência, todos os cobradores converteram Bonaventura, Higuaín, Kucka, Khedira e Suso. Mas Donnarumma voou no canto e fez a defesa no alto na cobrança de Dybala e Pašalić converteu o seu pênalti e deu o título ao Milan. Final da cobrança por pênaltis: Juventus 3, Milan 4.

Juventus e Milan fizeram um jogo muito equilibrado. Tanto que a partida, em boa parte de seu andamento, inclusive na prorrogação, foi disputada no meio campo. Os bianconeros eram melhores no primeiro tempo até a saída do lesionado Alex Sandro para a entrada de Evra. Com essa alteração, Suso aproveitou os espaços deixados pelo lateral francês e permitiu que o Milan passasse a incomodar mais a meta de Buffon, que completara 600 jogos no gol da Juve. Aliás, o arqueiro fez uma grande defesa no final da etapa complementar e levou a decisão para a prorrogação. Se no segundo tempo, o Milan teve a chance de levar o título, a Juve também teve a sua nos últimos minutos da prorrogação com Dybala. O argentino teve a popular “bola do jogo” e, incrivelmente, desperdiçou.

A seguir, a ficha técnica da decisão.

FICHA TÉCNICA: JUVENTUS (3)1×1(4) MILAN
Competição/fase:
Supercopa da Itália 2016 – final (jogo único)
Local: Estádio Jassim Bin Hamad, em Doha, no Catar
Data: 23 de dezembro de 2016, sexta-feira – 13h (horário de Brasília)
Árbitro: Antonio Damato (Itália)
Cartões Amarelos: Lichtsteiner e Higuaín (Juventus); Romagnoli, De Sciglio e Kucka
Gols: Chiellini, aos 18 min do 1º tempo (1-0) e Bonaventura, aos 38 min do 1º tempo (1-1)
Pênaltis convertidos: Marchisio, Higuaín e Khedira (Juventus); Bonaventura, Kucka, Suso e Pašalić
Pênaltis desperdiçados: Mandžukić e Dybala (Juventus); Lapadula (Milan)
JUVENTUS: 1.Buffon; 26.Lichsteiner, 24.Rugani, 3.Chiellini e 12.Alex Sandro (33.Evra); 6.Khedira, 8.Marchisio, 27.Sturaro (18.Lemina) e 5.Pjanić (21.Dybala); 9.Higuaín e 17.Mandžukić. Técnico: Massimilliano Allegri
MILAN: 99.Donnarumma; 20.Abate (31.Antonelli), 29.Paletta, 13.Romagnoli e 2 De Sciglio; 33.Kucka, 73.Locatelli (80.Pašalić) e 91.Bartolacci; 8.Suso, 70.Bacca (9.Lapadula) e 5.Bonaventura. Técnico: Vincenzo Montella

Parabéns a Associazione Calcio Milan pela conquista.

Por Jorge Almeida

Juventus: campeã da Copa da Itália 2015/2016

Chiellini ergue a taça da Copa da Itália conquistada pela Juventus após vitória sobre o Milan. Foto: Reuters / Alessandro Bianchi
Chiellini ergue a taça da Copa da Itália conquistada pela Juventus após vitória sobre o Milan. Foto: Reuters / Alessandro Bianchi

Com gol de Morata aos 5 minutos do segundo tempo da prorrogação, a Juventus derrotou o Milan por 1 a 0 na decisão da Copa da Itália neste sábado (1) no Estádio Olímpico de Roma e sagrou-se bicampeã da competição. O resultado, além de ampliar a sua hegemonia no torneio (12º título de sua história), impediu que a equipe rossonera classificar-se para a disputa da UEFA Europa League na próxima temporada. Com a conquista bianconera, o Sassuolo disputará a competição continental, uma vez que a Juve, campeã italiana, está garantida na UEFA Champions League.

A decisão começou bem movimentada, mas sem chances de gol, mas com Milan com mais posse de bola nos dez primeiros minutos. E a primeira investida foi dos rossoneros com Bonaventura, que mandou por cima da meta de Neto e, pouco tempo depois, o mesmo Bonaventura mandou para fora depois de um cruzamento rasteiro da direita.

AS duas equipes demonstram nervosismo devido às decisões da arbitragem, mas a Juventus erra muitos passes, o que dificulta na criação de oportunidades. Aos 22, foi a vez de De Sciglio arriscar de longe e também não acertar o alvo.

A partida seguiu equilibrada, com os milanistas superiores em relação às chances de gol. Porém, os pés de seus jogadores pareciam descalibrados, pois, a redonda só foram por cima do gol. Já os bianconeros encontraram muitas dificuldades em finalizar no primeiro tempo, que ficou no 0 a 0.

No segundo tempo, pouca coisa mudou. O Milan cansou de perder oportunidades. Aos dois, De Sciglio experimentou de fora da área, mas Neto buscou no canto. Na sequencia, a Juve assustou com um chute cruzado de Lemina e que Donnaruma defendeu parcialmente e a defesa aliviou.

A decisão seguiu equilibrada e, aos 18, o ex-sãopaulino Hernanes recebeu de Pogba e mandou a bola por cima. A Vecchia Signora começou a gostar do jogo e teve outra ótima chance aos 23. Pogba chutou da lateral da área, a redonda desviou na zaga e Donnaruma mostrou reflexo e fez boa defesa. Cinco minutos depois foi a vez de Lichtsteiner tentar de cabeça para a defesa do goleiro rossonero.

O equilíbrio no clássico prevaleceu e, com isso, os dois times preferiram não arriscar muito para não serem surpreendidas no final. A prorrogação foi inevitável.

Assim como foi no tempo normal, a prorrogação foi muito brigada e com poucas chances de gol. Tanto que a principal ocasião surgiu aos 12 minutos, Montolivo deu passe de graça para Cuadrado, que tocou para Mandžukić, que ajeitou de calcanhar para Pogba. O francês arriscou e Donnaruma espalmou. Antes do segundo tempo extra, aos 13, Bacca tentou uma puxeta e quase marcou um golaço.

Logo no começo do segundo tempo da prorrogação, Massimiliano Allegri colocou o time mais para frente com a entrada de Morata no lugar de Hernanes. E foi recompensado. Menos de um minuto em campo, em um rápido contra-ataque, o camisa 9 recebeu de Cuadrado da direita e, de primeira, chutou para o fundo do gol. 1 a 0 para a Juve. Festa bianconera no Estádio Olímpico de Roma.

O Milan sentiu o gol e pouco fez para buscar o empate até os últimos minutos, já com Balotelli em campo. E só teve uma oportunidade aos 17 minutos com Mauri, que soltou uma pancada e a bola saiu perto da trave. Mas não teve jeito, a Juventus sagrou-se bicampeã da Copa da Itália e impediu que o Milan disputasse a UEFA Europa League. O Sassuolo agradece.

Milan e Juventus fizeram uma partida bem disputada e equilibrada. No primeiro tempo, os rossoneros foram ligeiramente superiores e criaram boas oportunidades. Mas, no segundo tempo, foi a vez dos bianconeros perderem algumas chances. Na prorrogação, duas chances para cada equipe. No entanto, brilhou a estrela do espanhol Morata que, em seu primeiro toque na bola, fez o gol do título para a Vecchia Signora e sepultou as chances de levar o Milan à disputa de uma competição europeia pelo terceiro ano consecutivo.

Aliás, com a conquista de hoje, a Juventus se torna a primeira equipe a faturar dois campeonatos italianos e duas Copas da Itália em duas temporadas consecutivas.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da final.

Oitavas-de-final:
16/12/2015 – Juventus 4×0 Torino – Juventus Stadium, Turim
Quartas-de-final:
20/01/2016 – Lazio 0x1 Juventus – Estádio Olímpico, Roma
Semifinais:
27/01/2016 – Juventus 3×0 Internazionale – Juventus Stadium, Turim
02/03/2016 – Internazionale (3)3×0(5) Juventus – Estádio Giuseppe Meazza, Milão
Final:
21/05/2016 – Milan 0x1 Juventus – Estádio Olímpico, Roma

FICHA TÉCNICA: MILAN 0x1 JUVENTUS
Competição/fase: Copa da Itália 2015/2016 – final (jogo único)
Local: Estádio Olímpico, Roma, Itália
Data: 21 de maio de 2016 – 15h45 (horário de Brasília)
Árbitro: Gianluca Rocchi
Cartões Amarelos: Zapata, Honda, Niang, Bacca (Milan); Pogba, Barzagli e Morata (Juventus)
Gol: Morata, aos 5 min do 2º tempo da prorrogação (0-1)
MILAN: 99.Donnarumma; Calabria, 17.Zapata, 13.Romagnoli e 2.De Sciglio; 16.Poli (19.Niang), 18.Montolivo (4.Mauri) e 27.Kucka (45.Balotelli); 10.Honda, 28.Bonaventura e 70.Bacca. Técnico: Cristian Brocchi
JUVENTUS: 25.Neto; 24.Rugani, 15.Barzagli, 3.Chiellini e 26.Lichtsteiner (16.Cuadrado), 18.Lemina, 11.Hernanes (9.Morata), 10.Pogba, 33.Evra (12.Alex Sandro) e 21.Dybala; 17.Mandžukić. Técnico: Massimiliano Allegri.

Parabéns à Juventus Football Club pela conquista.

Por Jorge Almeida