Arsenal: campeão da Supercopa da Inglaterra 2017

Jogadores do Arsenal posam para a foto com a taça da Supercopa da Inglaterra. Créditos: arsenal.com

O Arsenal é o mais novo campeão da Supercopa da Inglaterra. Os Gunners levaram a melhor diante do Chelsea ao derrotá-lo por 4 a 1 nos pênaltis depois de um empate no tempo normal em 1 a 1 (gols de Moses e Kolašinac). A decisão foi disputada neste domingo (6) no lendário Estádio de Wembley, em Londres.

A partida começou com o Chelsea mantendo a posse de bola, mas não converteu isso em chances de gol. Ao contrário, quem chegou pela primeira vez foi o Arsenal com três oportunidades consecutivas. Aos 5, Iwobi passou por David Luiz, cruzou rasteiro, mas Lacazette não conseguiu finalizar e a redonda cruzou toda a pequena área sem ninguém tocar para dentro.  No minuto seguinte, Iwobi invadiu a área pela esquerda, cruzou rasteiro, Courtois desviou, a bola tocou em Kanté, passou por Lacazette e saiu pela linha de fundo. Depois, aos 7, Xhaka lançou para Welbeck desviar de cabeça e o goleiro belga defender no meio do gol.

Depois da blitz dos Gunners, os Blues conseguiram equilibrar o jogo e passou a ter uma ligeira posse de bola superior ao rival. Porém, aos 21, o Arsenal chegou com perigo novamente. Bellerín tocou para Lacazette, que acionou Welbeck que devolveu para o camisa 9 bater com categoria e acertar caprichosamente a trave. Na sobra, o time vermelho não soube dar sequência ao lance e mandou para fora.

A partida seguiu quando aos 27, um lance causou preocupação a todos. Mertesacker levou uma cotovelada de Cahill na área, ficou sangrando em campo e recebeu o atendimento médico. E, depois de alguns minutos, o camisa 4 foi substituído por Kolašinac. Depois a dividida, coincidentemente, o Chelsea melhorou na partida e criou duas chances em sequência. Aos 31, Moses invadiu a área pela direita e finalizou à meia altura para Čech salvar. Dois minutos depois, Willian lançou Pedro, que invadiu a área para soltar a bomba e o goleiro tcheco espalmar.

A decisão seguiu com as duas equipes fazendo um confronto equilibrado. Aos 44, Iwobi recebeu a bola, a ‘escondeu’ e girou, mas bateu fraco e Courtois defendeu sem dificuldades. E a Supercopa da Inglaterra foi para o intervalo com o placar inalterado: 0 a 0 em Wembley.

A etapa complementar mal começara e, com menos de um minuto, o Chelsea chegou ao seu gol. Cahill cabeceou e Moses surgiu detrás da zaga e finalizou tirando Čech. Com a vantagem parcial, os Pensioners marcaram mais presença no campo de ataque. No entanto, aos 13, Elneny tentou um chute quase da linha de escanteio direto, mas Courtois fez ótima defesa e mandou a redonda para escanteio.

A partida seguiu equilibrada e disputada nos minutos seguintes. Porém, aos 30, Xhaka soltou a pancada, a esférica estava em direção do ângulo, mas Courtois fez ótima defesa na ponta dos dedos e cedeu o escanteio.

E, justamente quando a equipe de Antonio Conte estava melhor, o espanhol Pedro pôs tudo a perder ao dar um carrinho por trás e receber o cartão vermelho aos 34 minutos. Para piorar a situação, na cobrança de falta resultante da falta do camisa 11 Xhaka levantou na área, a defesa parou e Kolašinac, sem marcação, desviou de cabeça para os fundos das redes do Chelsea. É o empate do Arsenal.

Com um a menos, o Chelsea se segurou com o intuito de levar a decisão para os pênaltis. Apesar da estratégia defensiva, os Blues quase surpreenderam os comandados de Arsène Wenger no final do tempo regulamentar. Aos 44, Fàbregas levantou a bola na área, Morata subiu mais que a defesa, desviou de cabeça e mandou à esquerda do gol. O jogo foi até os 50 minutos e o empate prevaleceu e a The FA Community Shield teve seu campeão decidido nos pênaltis.

Nas cobranças, Cahill abriu a série e pôs o Chelsea na frente, Walcott e Monreal puseram o Arsenal na frente, mas Courtois e Morata mandaram seus tiros penais para fora e desperdiçaram a oportunidade de igualar a série, então, com as cobranças convertidas por Chamberlain e Giroud, os Gunners fizeram 4 a 1 nos pênaltis e garantiram a taça para o norte de Londres.

Arsenal e Chelsea fizeram um jogo bastante equilibrado, com os Gunners dominando no começo e os Blues equilibrando e também criando suas chances. Ambas desfalcadas, as duas equipes embora tiveram seus bons momentos na etapa inicial passaram em branco nos 45 minutos iniciais. Contudo, logo no comecinho da etapa inicial, o Chelsea saiu na frente com Moses. Mas o Arsenal não se abateu e tentou o empate, que veio graças a uma falta desnecessária de Pedro em que o espanhol foi expulso. Na cobrança, Kolašinac empatou o jogo de cabeça e provocou a decisão por pênaltis. Nas cobranças, prevaleceu a boa pontaria dos Gunners, que mantiveram 100% de aproveitamento nos chutes penais. E, com 15 títulos do torneio, o Arsenal se iguala ao Liverpool em número de taças, mas o maior vencedor do certame segue sendo o Manchester United com 21 títulos.

A seguir, a ficha técnica da final.

FICHA TÉCNICA: ARSENAL (4)1X1(1) CHELSEA
Competição/fase: Supercopa da Inglaterra 2017 – final (jogo único)
Local: Wembley Stadium, Londres, Inglaterra
Data: 6 de agosto de 2017, domingo, 10h (horário de Brasília)
Árbitro: Bobby Madley
Cartões Amarelos: Bellerín (Arsenal); Azpilicueta, Alonso e Willian (Chelsea)
Cartão Vermelho: Pedro (Chelsea)
Gols: Moses, a 1 min (0-1) e Kolašinac, aos 37 min do 2º tempo (1-1)
Pênaltis convertidos: Walcott, Monreal, Chamberlain e Giroud (Arsenal); Azpilicueta (Chelsea)
Pênaltis desperdiçados: Courtois e Morata (Chelsea)
ARSENAL: 33.Čech; 16.Holding, 4.Mertesacker (31.Kolašinac) e 18.Monreal; 24.Bellerín, 16.Chamberlain, 29.Xhaka e 35.Elneny; 17.Iwobi (14.Walcott), 23.Welbeck (61.Nelson) e 9.Lacazette (12.Giroud). Técnico: Arsène Wenger
CHELSEA: 13.Courtois; 28.Azpilicueta, 30.David Luiz e 24.Cahill; 15.Moses, 3.Alonso (2.Rüdiger), 4.Fàbregas e 7.Kanté; 22.Willian (17.Musonda), 11.Pedro e 23.Bathuayi (9.Morata). Técnico: Antonio Conte

Parabéns ao Arsenal Football Club pelo título.

Por Jorge Almeida

Anúncios

Manchester United derrota Wigan por 2 a 0 e conquista a Supercopa da Inglaterra

Van Persie: autor dos dois gols que deram o título da Supercopa da Inglaterra aos Diabos Vermelhos. Foto: AFP
Van Persie: autor dos dois gols que deram o título da Supercopa da Inglaterra aos Diabos Vermelhos. Foto: AFP

Com dois gols do holandês Robin Van Persie, o Manchester United derrotou o Wigan por 2 a 0 na tarde deste domingo no Estádio de Wembley, em Londres, e conquistou a Supercopa da Inglaterra de 2013, a 20ª de sua história. O torneio pôs frente a frente o campeão inglês da temporada 2012/2013 – caso do United – contra o vencedor da última edição da Copa da Inglaterra, caso do Wigan. Essa foi a primeira conquista dos Diabos Vermelhos após a “Era Ferguson” e que abriu a temporada 2013/2014 para os ingleses, bem como todo o Velho Continente.

A decisão nem começara direito e o Manchester United já estava à frente do placar. Aos seis minutos, Van Persie lançou Evra pela esquerda, o lateral cruzou na área e o holandês já estava lá para cabecear no cantinho de Carson. Um belo gol dos Diabos Vermelhos. Aos 15, o lateral-direito brasileiro do United, Rafael, sentiu uma lesão e foi substituído por Smalling. Com o gol sofrido, o Wigan avançou a sua marcação, enquanto os Red Devils ficaram trocando passes, mas sem avançar, e isso durou boa parte da etapa inicial, até que aos 36 Welbeck recebeu na área, girou e bateu, mas Carson espalmou para longe.

No segundo tempo, o panorama da partida continuou o mesmo, e a torcida do Man United, que era maioria em Wembley, tentou animar o time em busca do segundo gol, que veio aos 15 minutos, de novo com ele: Van Persie. O camisa 20 recebeu passe de Welbeck na entrada da área, arrumou um espaço para chutar e finalizou, a redonda desviou em Perch e evitou qualquer possibilidade de defesa de Carson. Após o segundo tento do Manchester United, que praticamente liquidou a fatura, o andamento do jogo foi o mesmo: o campeão inglês tocando a bola e gastando o tempo, enquanto o vencedor da Copa da Inglaterra se segurando para não ser goleado e sem levar nenhum perigo à meta de De Gea.

E, assim, David Moyes conquista o seu primeiro título de expressão desde que iniciou carreira de treinador, em 1998. Com o início da temporada decretado, o Manchester United inicia a sua luta pelo 21º título do Campeonato Inglês já no próximo sábado, quando visitará o Swansea City, enquanto o Wigan, que disputa a segunda divisão inglesa, medirá forças contra o Bournemouth para iniciar a sua busca pela elite do futebol britânico.

O Manchester United fez uma partida que não sofreu risco algum, boa parte disso se deve ao entrosamento de seus jogadores e também pela fragilidade do adversário. E Van Persie demonstrou, mais uma vez, que o investimento feito pelos Diabos Vermelhos pelo seu futebol valeu a pena. Agora, vamos ver como o time de David Moyes vai se sair no Campeonato Inglês, que promete ser um dos mais disputados dos últimos anos, uma vez que o ex-primo pobre de Manchester poderá aprontar uma das suas, e ainda o Chelsea virá com “a faca nos dentes” por conta do retorno de José Mourinho aos Blues, além de Arsenal, Liverpool e Tottenham que sempre “beliscam” ali uma vaga pela UEFA Champions League da próxima temporada.

Aliás, curiosamente, os torcedores do Manchester United têm motivos de sobra para não esquecer o número 20 pelos próximos anos: pois esse é o número de títulos ingleses que o clube conquistou, assim como é a mesma quantidade de troféus da Supercopa da Inglaterra erguidos pelos Red Devils em sua história. E mais: 20 é o número da camisa “do cara” do time, Van Persie.

A seguir, a ficha técnica da decisão

FICHA TÉCNICA: WIGAN 0X2 MANCHESTER UNITED
Competição/fase: decisão da Supercopa da Inglaterra 2013
Local: Estádio de Wembley, Londres, Inglaterra
Data: 11 de agosto de 2013 – 10h (horário de Brasília)
Público: 80.235 torcedores
Árbitro: Mark Clattenburg (Inglaterra)
Auxiliares: Michael Mullarkey e Scott Ledger, ambos da Inglaterra
Cartões Amarelos: McCarthur e Espinoza (Wigan); Cleverley (Manchester United)
Gols: Van Persie, aos 6 minutos do 1º tempo e aos 14 minutos do 2º tempo
WIGAN: 1.Carson; 17.Boyce, 3.Crainey, 24.Perch, 25.Barnett; 4.McCarthy (29.Dicko), 10.Maloney (14.Jordi Gómez), 11.McClean, 8.Watson (18.Espinoza) e 16.McArthur (7.McCann); 9.Holt (32.Fortuné). Técnico: Owen Coyle
MANCHESTER UNITED: 1.De Gea; 2.Rafael (12.Smalling), 4. Jones, 15.Vidic e 3.Evra; 11.Giggs (8.Anderson), 23.Cleverley, 16.Carrick, 19.Welbeck (26.Kagawa) e 29.Zaha (25.Valencia); 20.Van Persie (44.Januzaj). Técnico: David Moyes

Por Jorge Almeida