Exposição “O Céu Ainda É Azul, Você Sabe…” no Instituto Tomie Ohtake

“Árvore de Pedidos” (1996-2017): uma das obras interativas de Yoko Ono no Instituto Tomie Ohtake. Foto: Jorge Almeida

O Instituto Tomie Ohtake exibe até o próximo domingo, 28 de maio, a exposição “O Céu Ainda É Azul, Você Sabe…” que faz uma retrospectiva que desponta a vasta e diversificada carreira da artista plástica japonesa radicada nos Estados Unidos Yoko Ono, que ganhou notoriedade tanto em sua terra natal quanto no Ocidente, onde tornou-se uma figura icônica da cultura pop e da arte contemporânea.

A produção de Yono é marcada pelo experimentalismo e, como artista de vanguarda, sua produção fora criada nas mais variadas formas de arte: textos, filmes, performances, instalações, arte sonora, happening, álbuns solo e outros com a Plastic Ono Band, além dos trabalhos feitos em parceria com o seu companheiro, o ex-beatle John Lennon (1940-1980).

Na exposição, é possível seguir sua produção pelos anos 60, 70, 80, até o presente, onde Yoko continua questionando de forma decisiva o conceito de arte e do objeto de arte, derrubando esses limites.

Os trabalhos presentes são experimentais nas quais abdica da dimensão material para enfatizar a palavra, a ideia e participação do público, inclusive, uma equipe do próprio Instituto Tomie Ohtake auxilia na participação do público.

A mostra traz as séries “Instruções”, que ratificam as narrativas que expressam a visão poética, crítica e social da artista, com trabalhos criados a partir de 1955, como “Lighting Piece / Peça de Acender” (1955): acenda um fósforo e assista até que se apague.

Além dessas, destaques também para a “Árvore de Pedidos” (foto), onde o visitante escreve um pedido em uma folha de papel e pendura em um galho da árvore; “Peça-Remendo” (1966-2017), que consiste em vários pedaços de porcelana quebrados e o público pode emendá-las da forma que quiser sob o conceito de “consertar o universo”; e “Pessoas Invisíveis” (2011-2017).

SERVIÇO:
Exposição: O Céu Ainda É Azul, Você Sabe…
Onde: Instituto Tomie Ohtake – Avenida Brigadeiro Faria Lima, 201 (entrada pela Rua Coropés, 88) – Pinheiros
Quando: até 28/05/2017; de terça a domingo, das 11h às 20h
Quanto: R$ 12,00; R$ 6,00 (meia-entrada); entrada gratuita às terças-feiras

Por Jorge Almeida

Exposição “A História do Castelo Rá-Tim-Bum” no Metrô Clínicas

Uma das fotos sobre o Castelo Rá-Tim-Bum na Estação Clínicas do Metrô. Créditos: Marisa Cordeiro/divulgação

A Estação Clínicas do Metrô apresenta até o dia 31 de maio próximo, quarta-feira, a mostra “A História do Castelo Rá-Tim-Bum”, que traz 27 imagens que retratam uma das séries mais queridas do público infanto-juvenil dos anos 1990: o Castelo Rá-Tim-Bum, que estreou na TV Cultura em 9 de maio de 1994 e ficou no ar até 24 de dezembro de 1997.

Os painéis exibem fotos, alguns com textos, de personagens e cenários do programa que conquistou inúmeros fãs e tem como intuito reavivar a memória do mundo encantado daqueles jovens que hoje tem seus 25, 30 anos.

Personagens como Mau, Godofredo, Gato Pintado, Celeste, a dupla Tap e Flap, o Porteiro , por exemplo, foram lembrados por meio das imagens expostas nos painéis.

A exposição passará por algumas estações do Metrô (mês passado estava na Estação Corinthians-Itaquera) e é um convite para o usuário possa visitar a megaexposição “Rá-Tim-Bum, o Castelo”, que está em cartaz no Memorial da América Latina, que fica ao lado do Terminal Intermodal Palmeiras-Barra Funda.

SERVIÇO:
Exposição:
A História do Castelo Rá-Tim-Bum
Onde: Estação Clínicas do Metrô (Linha 2-Verde) – Avenida Doutor Arnaldo, 555
Quando: até 31/05/2017; de domingo a sexta-feira, das 4h40 à 0h18; sábados, das 4h40 à 1h
Quanto: gratuito (a mostra está instalada antes das catracas da estação)

Por Jorge Almeida

“Festival Latino-Americano de Mobgrafias – FLAMOB 2017” no MIS

O Museu da Imagem e do Som (MIS) promove até o próximo domingo, 28 de maio, o “Festival Latino-Americano de Mobgrafias – FLAMOB 2017”, que exibe uma seleção de 75 fotografias dentre 15 mil que foram escritas. As imagens foram produzidas e compartilhadas com smartphones. Um júri composto por profissionais da Alemanha, Brasil, Canadá, França e Portugal seleciona os vencedores, por categoria, que são divulgados no dia da abertura da mostra (ocorrido no último dia 12 de abril).

Os registros foram produzidos na plataforma do Instagram e divididos em seis categorias: Arte, Documental, Retrato, Paisagem, Street e Preto e Branco, além da categoria Ensaio, que privilegia as narrativas a partir da questão: “Qual a sua história?”

O FLAMOB vem se colocando como lugar de tendência. Além de abrir este espaço, também idealiza o Flamob Talks com encontros, palestras, workshops e leituras de portfólio durante o período do evento.

Em meio aos destaques estão os registros de Hugo Martins, na categoria ensaio, e “De Olhos Abertos – Sem Deixar de Lado o Retrovisor”, de Bianca Vasconcelos.

A exposição faz parte do especial Maio Fotografia no MIS 2017, projeto anual da instituição dedicado exclusivamente à fotografia.

SERVIÇO:
Exposição:
Festival Latino-Americano de Mobgrafias
Onde: Museu da Imagem e do Som (MIS) – Avenida Europa, 158 – Jardim Europa
Quando: até 28/05/2017; de terça a sábado, das 12h às 20h; domingos, das 11h às 19h (com permanência de até uma hora depois do último horário)
Quanto: R$ 6,00; R$ 3,00 (meia-entrada); entrada gratuita às terças-feiras

Por Jorge Almeida

Exposição “A Arte da Observação Urbana” no MIS

O Museu da Imagem e do Som (MIS) realiza até o próximo domingo a exposição “A Arte da Observação Urbana”, que apresenta uma seleção de 65 registros de cinco fotógrafos que fazem parte do Hikari Creative, um coletivo formado por Adriana Zehbrauskas, Ako Salemi, Eric Mencher, Marina Sersale e Q. Sakamak.

As imagens visam dar uma grandeza adequada para a importância das narrativas visuais, com imagens citadinas de lugares que vão desde Veneza até Nova York, passando por cidades e vilarejos, como San Miguel Allende, no México.

Os premiados fotógrafos, de diversas nacionalidades, apresentam suas produções em smartphones.

Cada fotógrafo registrou 13 imagens de uma localidade: Eric Mencher tirou fotos de São Miguel Allande, no México; no mesmo país Adriana Zehbrauskas captou imagens na capital, a Cidade do México; já Ako Salemi foi até o Teerã para fazer os seus retratos; enquanto Marina Sersale trouxe fotos de Veneza, na Itália; e, finalmente, Q. Sakamak que clicou registros de Nova York.

A exposição faz parte do especial Maio Fotografia no MIS 2017, projeto anual da instituição dedicado exclusivamente à fotografia.

SERVIÇO:
Exposição: A Arte da Observação Urbana
Onde: Museu da Imagem e do Som (MIS) – Avenida Europa, 158 – Jardim Europa
Quando: até 28/05/2017; de terça a sábado, das 12h às 20h, domingo, das 11h às 19h (com permanência de até uma hora após o último horário)
Quanto: R$ 6,00; R$ 3,00 (meia-entrada); entrada gratuita às terças

Por Jorge Almeida

Exposição “Alegria” no Metrô Clínicas

Uma das obras de Rodrigo Casagrande na Estação Clínicas do Metrô. Foto: Jorge Almeida

A Estação Clínicas do Metrô apresenta até o próximo dia 31 de maio, quarta-feira, a exposição “Alegria”, que contém 20 obras do artista Rodrigo Casagrande, em que as cores são “desinformadas”.

Nos trabalhos do artista, feitos em papel canson, não há o zelo em retratar formas, pois o conflito está na profundeza da cor, gerar impressões e emoções. As obras chamam atenção justamente pela explosão de cores.

Casagrande usufrui do uso do lápis de cor para misturar a tonalidade de cada obra com o intuito de fazer uma experiência estética abstrata ocasionando observação e reflexão.

o artista recorre ao lápis de cor para a mistura de tons em cada trabalho com o objetivo de criar uma experiência estética contemplativa gerando observação e reflexão.

SERVIÇO:
Exposição: Alegria
Onde: Estação Clínicas do Metrô (Linha 2-Verde) – Avenida Doutor Arnaldo, 555
Quando: até 31/05/2017; de domingo a sexta-feira, das 4h40 à 0h18; sábados, das 4h40 à 1h
Quanto: gratuito (a mostra está instalada antes das catracas da estação)

Por Jorge Almeida

Exposição “Avessos e Paradigmas” no MIS

Imagem de Maureen Bisillitat, que faz parte da mostra “Avessos e Paradigmas”, em exposição no MIS. Créditos: divulgação

O Museu da Imagem e do Som (MIS) apresenta até o próximo domingo, 28 de maio, a exposição “Avessos e Aventuras”, que traz cerca de 80 obras dos veteranos fotógrafos German Lorca, Maureen Bisilliat, Nair Benedicto e Penna Prearo, que exibem um resultado de um desafio proposto: o uso de câmeras de captura digital de telefones celulares.

Os ensaios feitos pelos experientes fotógrafos que, ao longo de suas respectivas carreiras, usufruíram de boa parte das mudanças tecnológicas impactantes das últimas décadas, assim como a migração das máquinas fotográficas analógicas para as modernas câmeras digitais, e essas transformações permitiu o pensar sobre o “fazer fotográfico”, o “fazer arte”, os meios e motivações de produzir imagens.

A não suposição de temas para os experimentos e a certeza plena do curador com o resultado como opção de elaboração autoral, na temporalidade do evento, são parte dos desafios a formatos hegemônicos da contemporaneidade, tornando a exposição uma novidade até mesmo para seus participantes.

Para esse projeto, o fotógrafo German Lorca (1922) apresentou “Retratos”, série composta por 15 imagens; já a inglesa radicada no Brasil Maureen Bisilliat trouxe “Tábuas de Histórias: Uma Noite no Ceagesp”, um conjunto de 28 fotos e dois vídeos captados principal mercado público de São Paulo; Nair Benedicto (1940), por sua vez, exibe “Apenas Mulher”, que traz 15 fotografias; e, finalmente, Penna Prearo (1940), que mostra a série “PeNNúltima Sessão”, que contém 18 imagens relacionadas a clássicos do cinema, como “Laranja Mecânica”, de Stanley Kubrick.

SERVIÇO:
Exposição: Avessos e Paradigmas
Onde: Museu da Imagem e do Som (MIS) – Avenida Europa, 158 – Jardim Europa
Quando: até 28/05/2017; de terça a sábado, das 12h às 20h, domingo, das 11h às 19h (com permanência de até uma hora após o último horário)
Quanto: R$ 6,00; R$ 3,00 (meia-entrada); entrada gratuita às terças

Por Jorge Almeida

Exposição “Nós” no Metrô Sé

“Copeira – Cape Town – África do Sul” (2015), registro de Paulo Fridman em exposição no Metrô Sé. Créditos: divulgação

Os usuários do Metrô de São Paulo poderão conferir a exposição “Nós” até o próximo dia 31 de maio, quarta-feira, na Estação Sé. Com 15 imagens de Paulo Fridman, a mostra traz fotografias de trabalhadores do mundo afora.

Andando pelo mundo afora, inclusive pelo Brasil adentro, Paulo Fridman registrou diversas categorias de trabalhadores em seus lugares de onde tiram o seu “pão nosso de cada”, em planos quase abertos, onde são vistas as formas plásticas do ambiente, público e/ou provado, de cada um deles.

O fotógrafo demonstra intensa desenvoltura com quem está sendo retratado, visando neles a imagem e a palavra. Assim, ele mostra todos parados diante de sua lente, observando, como se pudéssemos ler as mentes dos fotografados questionando-o: “Quem é você? Por que me retratas?”.

As imagens mostram, em ter as panelas de barro e guardas de trânsito, a recicladora e o amolador de facas, enfim, pessoas das mais variadas fisionomias, traços e nacionalidades, desde paraenses, como o da foto acima, registrada em 2015, que é de uma copeira de Cape Town, África do Sul.

Além dele, destaques para “Laércio Santos da Silva, vendedor de CD’s, do Mercado Ver-o-Peso, de Belém (PA)”, “Cuidador de Camelo, Rajastão, Índia” (2008), e “Prostituta, Bangkok” (2013).

SERVIÇO:
Exposição:
Nós
Onde: Estação Sé do Metrô (Linha 1-Azul / Linha 3-Vermelha) – Praça da Sé, s/nº – Centro
Quando: até 31/05/2017; de domingo a sexta-feira, das 4h40 à 0h29; sábados, das 4h40 à 1h
Quanto: R$ 3,80 (valor da tarifa integral do Metrô-SP)

Por Jorge Almeida