Exposição “Seres Autofágicos” na Passagem Literária da Consolação

“Retofaga”, uma das esculturas de Marina Wolff Perin na Passagem Literária da Consolação. Foto: Jorge Almeida

A Passagem Literária da Consolação promove até a próxima sexta-feira, 30 de junho, a exposição “Seres Autofágicos”, que traz 16 esculturas da arquiteta e artista plástica Marina Wolff Perin, que abordam um tema relevante da humanidade nos dias de hoje: a autodestruição do homem.

As esculturas, todas feitas com guache artesanal, colagem de serragem de metal e aço com parafusagem sobre madeira ecológica, refletem sobre a nossa capacidade interminável da autodepreciação e negligência conosco mesmos e com o próximo.

Os nossos vícios, os excessos, os erros e as (péssimas) escolhas que amedrontam a nossa sobrevivência em meio a selva de pedra que convivemos.

E, assim, cada uma dessas obras nos remetem sobre a nossa própria existência. E nos levam a nos questionar sobre diversos aspectos: o que somos? Como cuidamos da nossa saúde? Cuidamos do nosso espírito?, entre outras indagações.

SERVIÇO:
Exposição: Seres Autofágicos
Onde: Passagem Literária da Consolação – Avenida Paulista x Rua da Consolação
Quando: até 30/06/2017*; de segunda a sexta-feira, das 7h às 20h; sábados, das 10h às 20h
Quanto: entrada gratuita

* Sujeito a alteração

Por Jorge Almeida

Anúncios

Exposição “O Trabalho e Os Trabalhadores” na Passagem Literária da Consolação

“Mundos Distintos”, Belo Horizonte (MG), foto de Marcelo Santos em exibição na Passagem Literária. Créditos: divulgação

A Passagem Literária da Consolação exibe até a próxima sexta-feira, 30 de junho, a mostra “O Trabalho e Os Trabalhadores”, que reúne 42 fotografias selecionadas pelo Coletivo Olhar Plural, por meio de convocatória.

Com curadoria do artista visual Pedro Clash, a exposição surgiu da vontade em fazer um tributo aos trabalhadores no mês do trabalho (maio), cedendo oportunidade aos fotógrafos de exibirem seus olhares e trabalhos.

Trabalhadores como barbeiros, sapateiros, recepcionistas, seguranças, vendedores ambulantes, entre outros são homenageados.

Em meio aos destaques estão “Seu Bahia, Salvador, Bahia”, fotografia de Urbano Neto que clicou o barbeiro que atua na capital soteropolitana; “Mundos Distintos, Belo Horizonte, Minas Gerais” (foto), imagem de Marcelo Santos; e “Músico, São Paulo – SP”, que captou um músico de rua através das lentes de Samuel Kassapian.

SERVIÇO:
Exposição: O Trabalho E Os Trabalhadores
Onde: Passagem Literária da Consolação – Avenida Paulista x Rua da Consolação
Quando: até 30/06/2017*; de segunda a sexta-feira, das 7h às 20h; sábados, das 10h às 20h
Quanto: entrada gratuita

* Sujeito a alteração

Por Jorge Almeida

Exposição “O Anel de Severino” na Passagem Subterrânea da Consolação

A xilogravura "Paixão", de Roberval Rodan, que aborda uma das paixões do brasileiro, o futebol. Foto: Jorge Almeida
A xilogravura “Paixão”, de Roberval Rodan, que aborda uma das paixões do brasileiro, o futebol. Foto: Jorge Almeida

A Passagem Literária da Consolação exibe até o próximo dia 30 de abril a mostra “O Anel de Severino”, que reúne cerca de 30 xilogravuras do artista pernambucano Roberval Rodan.

Roberval, que não nega as suas raízes nordestinas, além da xilogravura, dedica sua arte também às pinturas abstratas.

Para a produção de suas xilogravuras, as matrizes para impressão dos desenhos são cortadas, quase sempre, na madeira da cajazeira, matéria-prima mole, simples de ser trabalhada e farta na região Nordeste do Brasil.

Muito aproveitada nas capas de folhetos da literatura de cordel a partir do século XIX, a gravura é talhada em madeira, de onde se obtém ilustrações populares. Muitas vezes era também usada para impressão de rótulos de garrafas, de cachaça e de outros produtos.

Assim como a maioria dos artistas do ramo, Roberval Rodan utiliza apenas um canivete ou faca doméstica bem amolados e recentemente tem utilizado algumas de suas obras para ilustrar seus próprios folhetos.

Em meio aos destaques estão “Justiça” (2012); “O Cão e O Menino” (2014) e “Paixão” (foto), de 2014.

SERVIÇO:
Exposição: O Anel de Severino
Onde: Passagem Literária da Consolação – Avenida Paulista x Rua da Consolação
Quando: até 30/04/2015; de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 20h; sábado, das 10h às 22h; domingos, das 16h às 20h
Quanto: entrada gratuita

ÚLTIMOS DIAS: Exposição “(In)Visível” na Passagem Literária da Consolação

Exposição de Adilson Lopes na Passagem Literária da Consolação. Foto: Jorge Almeida
Exposição de Adilson Lopes na Passagem Literária da Consolação. Foto: Jorge Almeida

A Passagem Literária da Consolação apresenta até o próximo dia 9 de outubro, quinta-feira, a exposição “(In)Visível” do artista visual Adílson Lopes, que é constituído por dois conjuntos de obras.

Um deles é a série de desenhos e colagem que teve como princípio a observação de elementos da natureza e imagens captadas por microscópio, enquanto o segundo é uma instalação colaborativa, que foi idealizada por alunos da rede pública de ensino da capital paulista que residem próximo a um aterro sanitário, e que se encontraram com o artista em um ateliê montado em um espaço escolar.

Para a construção desses trabalhos colaborativos foram utilizados pedaços de aramos e galhos queimados (ou secos).

A ideia de Lopes em interagir com estudantes da rede pública de ensino oriundos de bairros distantes do centro da capital paulista é justamente colaborar para a abrangência artístico e estético dos mesmos para, assim, democratizar o acesso à arte.

De acordo com o curador da mostra, Emanuel Xavier, “Lopes torna visível por meio de seu trabalho coisas que são invisíveis aos nossos olhos”, e suas produções “nos fazem refletir sobre a ligação entre o homem, a natureza e o cosmo”.

SERVIÇO:
Exposição: (In)Visível
Onde: Passagem Literária da Consolação – Rua da Consolação x Avenida Paulista
Quando: até 09/10/2014 (sujeito à alteração); de segunda a sexta-feira, das 7h às 20h; sábados e alguns feriados, das 10h às 20h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida

Exposição “Cê Já Viu?” na Passagem Literária da Consolação

Os trabalhos fotográficos do Coletivo Rede expostos na Passagem Literária da Consolação. Foto: Jorge Almeida
Os trabalhos fotográficos do Coletivo Rede expostos na Passagem Literária da Consolação. Foto: Jorge Almeida

A mostra “Cê Já Viu?” está em cartaz na Passagem Literária da Consolação até o próximo dia 29 de agosto e reúne cerca de 150 imagens do Coletivo Rede, grupo de amantes de fotografia de rua, cujos integrantes se conheceram pelas suas  andanças pela região metropolitana da capital paulista.

As imagens clicadas para a mostra foram registradas a partir do local de residência de cada participante até a Passagem Literária da Consolação, local escolhido como ponto de convergência por se tratar de um lugar que, ao mesmo tempo, é uma via pública e um espaço cultural.

A proposta do grupo é ir além do mero ato de clicar: tem como intuito de ‘desautomatizar’ o olhar, especialmente das situações cotidianas que, na sua grande maioria, não são notadas pelos transeuntes da agitada urbe.

Participam da exposição: Auricelia Lima, Caru Martini, Vera Lucia Dias, Lulu Soares, Chico Tehello, Klauss Schrmamm, Ebarros, Leo Bella, Elza Albuquerque, Eva Bella e Fefê Bella.

SERVIÇO:
Exposição: Cê Já Viu?
Onde: Passagem Literária da Consolação – Rua da Consolação x Avenida Paulista
Quando: até 29/08/2014 (sujeito à alteração); de segunda a sexta-feira, das 7h às 20h; sábados e alguns feriados, das 10h às 20h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida

Exposição “Bem-Me-Quer” na Passagem Literária da Consolação

Um dos registros da fotógrafa Daia Oliver na Passagem Literária da Consolação
Um dos registros da fotógrafa Daia Oliver na Passagem Literária da Consolação

A Passagem Literária da Consolação apresenta até o final de julho a exposição “Bem-Me-Quer”, que exibe 14 fotografias de Daia Oliver, que atrai àqueles que passam pela passagem para refletir sobre a abundância relacionada ao amor.

Na mostra, as imagens mostram a cumplicidade de cada casal retratado, a alegria compartilhada, a intimidade, enfim, todos os adjetivos para quem está amando ou sendo amado.

Através dos registros de Oliver, a mostra busca retratar o real significado do amor, que não tem raça, cor, credo, sexo, classe social, e que derruba os obstáculos, inclusive o preconceito.

As imagens exibem casais em momentos de afeto.

SERVIÇO:
Exposição: Bem-Me-Quer
Onde: Passagem Literária da Consolação – Rua da Consolação x Avenida Paulista
Quando: até final de julho (sujeito à alteração); de segunda a sexta-feira, das 7h às 20h; sábados e alguns feriados, das 10h às 20h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida

Exposição “As Sete Chaves” na Passagem Literária da Consolação

Um dos trabalhos de Zytho Romão na Passagem Literária. Foto: Jorge Almeida
Um dos trabalhos de Zytho Romão na Passagem Literária. Foto: Jorge Almeida

A Passagem Literária da Consolação realiza até o dia 5 de junho de 2014 a mostra “As Sete Chaves”, que apresenta obras do artista Zytho Romão.

A exposição visa abordar o cotidiano vivido pelo artista plástico periférico, que encontrou na pintura um caminho a trilhar. Zytho Romão utiliza materiais como latas, vidros, papéis e madeiras para elaborar um universo surreal. As chaves representam o simbolismo e permite a abertura à suas análises e inquietações em meio às adversidades que o acompanha.

Seus personagens, intitulado pelo próprio como “o povo”, podem ser flagrados pelas ruas da periferia da capital paulista, pulam dos muros para suas telas, sem descaracterizar-se do ambiente urbano de suas produções.

SERVIÇO:
Exposição: As Sete Chaves
Onde: Passagem Literária da Consolação – Rua da Consolação x Avenida Paulista
Quando: até 05/06/2014; de segunda a sexta-feira, das 7h às 20h; sábados e alguns feriados, das 10h às 20h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida