Exposição “Um Tronco Para Exu” no MAC-USP

A instalação “Um Tronco Para Exu” na entrada do MAC-USP. Foto: Isis Naura

O Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC-USP) está com a exposição “Um Tronco Para Exu” em cartaz até o próximo domingo, 13 de agosto. A mostra é composta por uma raiz milenar de um pequi-vinagreiro, árvore típica do Sul da Bahia, que faz reverência à mitologia afro-baiana na figura do Exu apresentado pelo designer Hugo França.

Na mitologia afro-baiana dos orixás, Exu é quem constitui a ponte entre deuses e mortais. E é exatamente esse espaço de ligação entre obra e cidade, entre o dentro e o fora, que é a ponte materializada na instalação de Hugo França.

O tronco do pequi-vinagreiro, com suas quatro toneladas de peso, cruza a entrada do museu, e se expõe suspenso, o que podemos interpreta como símbolo de força, indagando os limites da materialidade e a efemeridade da vida.

Essa árvore, que tem cerca de 1.200 anos de existência e capacidade de resistir até mesmo ao fogo, contrai uma visibilidade magnífica, pontuando o andar térreo e envidraçado do edifício modernista com a organicidade delineada pela deterioração da própria existência são enaltecidas pelo olhar preciso e amoroso do escultor.

A instalação traz um contraste, porque a sua suspensão e a possibilidade de silêncio e contemplação que o museu e suas obras propõem ao observador faz um embate com o outro lado do espaço, o externo, onde o fluxo constante dos carros e pessoas transitando pela avenida defronte produz velocidade incessante a tudo que cerca esse cenário.

SERVIÇO:
Exposição: Um Tronco Para Exu
Onde: Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC-USP) – Avenida Pedro Álvares Cabral, 1301
Quando: até 13/08/2017; às terças, das 10h às 21h; quarta a domingo, das 10h às 18h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida

Exposição “Monumentos Temporários – Fyodor Pavlov-Andreevich” no MAC-USP

Uma das obras do artista russo Fyodor Pavlov-Andreevich. Foto: Isis Naura

O Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC-USP) apresenta até o próximo domingo, 13 de agosto, a exposição “Monumentos Temporários – Fyodor Avlov-Adreenvich”, que traz um conjunto de registros de fotoinstalações, microfilmes e uma performance do artista russo Fyodor Pavlov-Andreevich.

Na mostra, o artista leva o seu corpo ao limite para recordar o vexame daqueles que foram e ainda são escravizados, além de cenas montadas que recriam circunstâncias históricas e contemporâneas sobre o racismo. Tais ações estabelecem aquilo que ele próprio designa de “monumentos temporários”, provocando a perenidade do conceito tradicional de monumento e seu viés glorificador.

Considerado um dos principais performers da arte contemporânea, Fyodor Pavlov-Andreevish apresenta em São Paulo pela primeira vez a sua individual, após ter sido exibida no Centro de Arte Contemporânea Winzavod, em Moscou.

SERVIÇO:
Exposição: Monumentos Temporários – Fyodor Pavlov-Andreevich
Onde: Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC-USP) – Avenida Pedro Álvares Cabral, 1301
Quando: até 13/08/2017; às terças, das 10h às 21h; quarta a domingo, das 10h às 18h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida

Exposição “Inventário; Arte Outra” no MAC-USP

A obra que dá nome à exposição em exibição no MAC-USP. Foto: Jorge Almeida
A obra que dá nome à exposição em exibição no MAC-USP. Foto: Jorge Almeida

Com curadoria de Ana Avelar, a mostra “Inventário; Arte Outra” está em exibição no Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC-USP) até o próximo domingo, 5 de fevereiro, e reúne 34 pinturas recentes e inéditas do artista visual Gustavo von Ha. As obras remetem a uma visualidade inscrita a partir do segundo pós-guerra, entre os anos 1950 e 1960, comumente denominada abstração expressiva ou gestual.

A produção mais atual do artista paulista mostra o seu mais novo aspecto no enfoque do problema da autoria e da autenticidade na arte e, simultaneamente, em que brinca com seu protótipo maior: a pintura.

Com a mostra, Von Ha traz uma seleção de obras caracterizadas pela gestualidade, ou seja, pelas suas assinaladas significativas na superfície da tela.

Dessa forma, de acordo com a curadora Ana Magalhães, ele “se passa por Jackson Pollock ou Yves Klein, ladeando suas versões contemporâneas desses artistas com pinturas completamente carregadas de tinta, formando um objeto quase escultórico”. Portanto, a pintura é literalmente desarranjada para criar essas telas.

Além das obras, a mostra apresenta livros do artista, um conjunto de documentos, certificados, convites, cartazes e fotos, além de uma vitrine com objetos de trabalho do artista.

Em meio aos destaques estão a obra que dá nome à mostra (foto), sem data, composta de tinta automotiva sobre lona; o vídeo “Atravessando pelo tempo” (2016), com 17 minutos de duração; e a série de dez não-pinturas a partir de obras de Volpi, Hércules Barsotti e Willys de Castro, todos sem data.

SERVIÇO:
Exposição:
Inventário; Arte Outra
Onde: Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC-USP) – Avenida Pedro Álvares Cabral, 1301
Quando: até 05/02/2017; terça-feira, das 10h às 21h; de quarta-feira a domingo, das 10h às 18h
Quanto: entrada gratuita

Por Jorge Almeida

Exposição “Samson Flexor – Traçados e Abstrações” no MAC-USP

"Cristo Na Cruz" (1949), um dos trabalhos do moldávio Samson Flexor no MAC-USP. Foto: Jorge Almeida
“Cristo Na Cruz” (1949), um dos trabalhos do moldávio Samson Flexor no MAC-USP. Foto: Jorge Almeida

O Museu de Arte Contemporânea da USP promove até o próximo domingo, 14 de fevereiro, a exposição “Samson Flexor – Traçados e Abstrações”, que apresenta cerca de 30 obras do artista moldávio Samson Flexor (1907-1971), entre pinturas e desenhos, que pertencem ao acervo do museu.

A seleção dos trabalhos delineia aspectos da trajetória do artista, enfatizando a produção feita entre 1948 e 1960. A variação plástica desse período de 12 anos busca uma movimentação na estrutura, que constitui nos pensamentos estéticos entre abstrato, construtivo e expressivo.

Os desenhos indicam relações ratificadas no próprio percurso de Flexor e, como consequência, o título da exposição surgiu a partir da observação desse segmento que, por meio de muitas aparências do seu pensamento, multiplicaram formas, planos e espaços em diagramas que se projetaram em muitos outros. Os desenhos a lápis grafite e tinta nanquim nos mostram um recorte do trabalho de ateliê, permitindo o contato com aquilo que, normalmente, fica à sombra do público.

Em meio aos destaques estão “Pintura” (1980) e “Cristo Na Cruz” (foto), de 1949, ambas em óleo sobre tela.

SERVIÇO:
Exposição:
Samson Flexor – Traçados e Abstrações
Onde: Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC – USP) – Avenida Pedro Álvares Cabral, 1301
Quando: até 14/02/2016*; de terça a domingo, das 10h às 18h
Quanto: entrada gratuita

* Sujeito a alteração

Por Jorge Almeida