Motörhead: 15 anos de “Inferno”

“Inferno”: clássico do Motörhead que completa 15 em 2019

Hoje, 22 de junho de 2019, o décimo sétimo álbum de estúdio do Motörhead, “Inferno“, completa 15 anos. Gravado no NRG Studios, Paramount Studios e Maple Studios, no começo de 2004, o disco foi produzido por Cameron Webb e foi o oitavo trabalho da banda lançado com a Steamhammer, sendo o segundo a sair pela Sanctuary Records e sua subsidiária Metal-Is na América do Norte e outros mercados.

O registro foi o primeiro do Motörhead com Cameron Webb que, dissera uma vez em entrevista a Joel McIver para o Classic Rock Motörhead, em 2010, que gostaria de fazer um álbum pesado para a banda e que encontrou os caras em um jantar no Sunset Marquis Hotel para discutir a oportunidade de trabalharem juntos. E, apesar de suas pretensões em querer fazer um “disco pesado” para o Motörhead, ele “barrou” em Lemmy que gosta de “tocar rock and roll e não música pesada”.

Apesar da exigência do “dono da banda”, Webb e o grupo produziram o disco mais pesado do Motörhead em anos. Mas o procedimento para a gravação do play foi o mesmo que os outros: aluguel de uma grande sala para ensaiar em Los Angeles, compondo os novos temas em um mês e meio e, em uma semana, gravou as faixas “ainda frescas”.

Embora o Motörhead praticamente tenha feito a mesma coisa desde 1976, esse trabalho, certamente, foi o melhor lançado pela formação vigente à época – Lemmy Kilmister, Phil Campbell e Mikkey Dee -, e que traz aquela velha e inconfundível essência do grupo: a mistureba de punk, metal e rock and roll, que fazem de “Inferno” praticamente mais um clássico para os ‘motoreadbangers’.

Além de Lemmy com sua inconfundível voz e o uso de seu baixo como guitarra, de Phil Campbell, com sua ótima performance nas guitarras e solando muito e Mikkey Dee tocando demais, o registro traz a participação especilissima de Steve Vai, que divide as guitarras com Campbell em “Terminal Show“, faixa que abre a obra, e que faz um solo em “Down On Me“.

Quanto ao tracklist, o álbum contém as pesadonas “Fight“, “Smiling Like A Killer“, a citada “Down On Me“, as ótimas “In Name Of Tragedy” e “Killers“, que certamente abriram muitas rodas de mosh quando os caras fizeram a turnê do play. Outro bom tema é o blues pesado de “Keys Of The Kingdom“, com passagens de cordas e refrão grudento.

E, para manter a tradição, o grupo apresenta uma faixa que se destoa de sua sonoridade costumeira, caso de “Whorehouse Blues“, que encerra a obra com um blues acústico bem interessante e que serve para aliviar os danificados ouvidos após tanta “pedrada”. Nela, os três músicos tocam violão e Lemmy ainda ousa arriscar uma gaita no final. Carinhosamente, a chamo de “Blues do Puteiro“,

A filmagem do vídeo de “Whorehouse Blues” deveria ter lugar no clube de um Stringfellow, mas Peter Stringfellow se opôs ao título da música e suas associações, e retirou qualquer envolvimento. Com vinte e quatro horas restantes até a filmagem, eles encontraram um clube em Ealing.

A capa, claro, tem a assinatura de Joe Petagno, artista de longa data da banda, e que, de acordo com o próprio, “foi uma espécie de retorno ao ‘Overkill‘ e dar uma segunda chance”.

Algumas versões de “Inferno” vem acrescido com um DVD como bônus. No material, entrevistas e o making off do álbum, além de três videoclipes “Brave New World“, “Serial Killer” e “We Are Motörhead“.

A seguir, a ficha técnica e o tracklist da obra.

Álbum: Inferno
Intérprete: Motörhead
Lançamento: 22 de junho de 2004
Gravadora: SPV GmbH / Sanctuary Records (nos Estados Unidos)
Produtor: Cameron Webb

Lemmy Kilmister: voz, baixo, violão e gaita em “Whorehouse Blues
Phil Campbell: guitarra e violão em “Whorehouse Blues
Mikkey Dee: bateria e violão em “Whorehouse Blues

Steve Vai: guitarra em “Terminal Show” e solo em “Down On Me
Curtis Mathewson: cordas em “Keys Of The Kingdon

1. Terminal Show (Kilmister / Campbell / Dee)
2. Killers (Kilmister / Campbell / Dee)
3. In The Name Of Tragedy (Kilmister / Campbell / Dee)
4. Suicide (Kilmister / Campbell / Dee)
5. Life’s A Bitch (Kilmister / Campbell / Dee)
6. Down On Me (Kilmister / Campbell / Dee)
7. In The Black (Kilmister / Campbell / Dee)
8. Fight (Kilmister / Campbell / Dee)
9. In The Year Of The Wolf (Kilmister / Campbell / Dee)
10. Keys To The Kingdom (Kilmister / Campbell / Dee)
11. Smiling Like A Killer (Kilmister / Campbell / Dee)
12. Whorehouse Blues (Kilmister / Campbell / Dee)

Por Jorge Almeida