Real Madrid: campeão da Supercopa da Europa 2017

Cristiano Ronaldo, que jogou apenas 20 minutos, ergue a taça da Supercopa da Europa na Macedônia. Foto: Getty Images

O Real Madrid derrotou o Manchester United por 2 a 1 nesta terça-feira (8) na decisão da Supercopa da Europa 2017, disputada no Estádio Felipe II, em Escópia, na Macedônia. Os gols da partida foram marcados por Casemiro e Isco para os Merengues, enquanto Lukaku descontou para os Reds Devils. A taça da competição que põe frente à frente os campeões da última Liga dos Campeões contra o atual vencedor da Liga Europa foi conquistada pela quarta vez pela equipe madrilenha, enquanto os ingleses amargam o terceiro vice do certame.

O jogo começou com o Manchester United mais disposto e marcando o Real Madrid no campo de defesa, embora os Merengues foi quem criaram a primeira chance aos dois minutos. Marcelo cruzou na área para Bale, que cabeceou por cima da meta de De Gea.

No entanto, a partir dos dez minutos, o clube espanhol começou a gostar do jogo e passou a valorizar a posse de bola e a troca de passe. Dessa forma, as oportunidades foram surgindo. Aos 15, depois da cobrança de escanteio, Casemiro cabeceou e acertou o travessão. Dois minutos depois, o volante brasileiro arriscou de fora da área por cima do gol. Aos 21, foi a vez de Modrić avançar pela direita e chutar cruzado para a defesa do goleiro dos Reds Devils.

E, de tanto insistir, Casemiro foi premiado aos 23 minutos. O camisa 14 recebeu de Carvajal e, de primeira, bateu no canto e tirou o zero do placar. Os jogadores do United pediram impedimento, mas o árbitro italiano validou o gol do clube de Madri.

Depois do gol, o Real seguiu melhor no jogo até que, aos 30 minutos, a partida precisou ser paralisada por conta do forte calor na capital da Macedônia.

E, por falta de inteligência, Lukaku impediu o que poderia ser uma chance de gol para os Diabos Vermelhos aos 34. Herrera desarmou Kroos no campo de defesa do Real, e foi em direção da bola, mas o camisa 9, que estava à frente,  foi em direção da bola e caracterizou o impedimento.

Antes do intervalo, as duas equipes ainda tiveram mais duas oportunidades, uma para cada. Aos 42, a bola foi dividida na área dos ingleses e sobrou para Benzema arricar de dentro da área para De Gea fazer ótima defesa e a defesa afastar. E, aos 45, Pogba cruzou para Lukaku na área, que cabeceou para o meio do gol para fácil defesa de Navas.

No segundo tempo, o Real Madrid continuou em cima do United. No primeiro minuto, Kroos arriscou da entrada da área para uma defesa espetacular de De Gea. No minuto seguinte, os Diabos Vermelhos vacilaram na saída de bola e Marcelo avançou, entrou na área e soltou a bomba para desviar na zaga e sair pela linha de fundo.

A pressão madrilenha surtiu efeito aos seis minutos. Benzema tocou para Isco, que tabelou com Bale, e entrou livre na área e tocar na saída do goleiro para aumentar a vantagem merengue em Escópia, 2 a 0.

O Manchester United tratou de agir após levar o segundo tento. Aos 8, cruzamento da direita, Pogba cabeceou, Navas defendeu parcialmente e, no rebote, Lukaku mandou para fora, desperdiçando uma chance incrível.

José Mourinho resolveu apostar na força física e nas jogadas aéreas. Além de ter colocado Rashford no lugar do apagado Lingard na volta do intervalo, o treinador português promoveu a entrada do belga Fellaini na vaga de Ander Herrera. A partida tomou outro rumo, mas antes, aos 13, Modrić arriscou de fora da área para boa defesa de De Gea. Dois minutos mais tarde, o Real chegou tocando até Bale entrou livre, soltou a bomba e acertou o travessão.

No lance seguinte, Matić chutou de fora da área, Navas deu rebote e Lukaku empurrou para as redes e pôs o United no jogo.

O gol deu uma “sobrevida” ao clube do Old Trafford, que passou a tocar mais a bola, ganhou espaço e disposição para buscar o empate.

Assim foi na etapa inicial, o segundo tempo também teve uma parada para os atletas se hidratarem, aos 27. Quatro minutos depois, Fellaini e Sergio Ramos disputaram pelo alto, bateram cabeça e o belga levou a pior por ter um corte e presicou de atendimento médico para controlar o sangramento.

O Manchester esteve perto do empate aos 36. Mkhitaryan deixou Rashford na cara do gol, mas Navas deu um desvio providencial para escanteio e evitou a igualdade no marcador. Na sequência, em um rápido contragolpe, Benzema partiu pela esquerda, bateu cruzado e a redonda desviou na zaga.

Aos 41, em um lance pitoresco, o United cobrou falta da lateral diretamente para a meta, Navas entrou dentro do gol, mas deixou a bola do lado de fora, quase ele levara um frango. Porém, aos 45, o arqueiro costarriquenho se redimiu ao voar e fazer uma bela defesa na cabeçada de Fellaini. No minuto seguinte, Lucas Vázquez, substituto de Isco, fez boa jogada individual pela direita, tocou para o meio e Asensio, que entrou no lugar de Bale, bater de primeira para De Gea fazer um milagre. Na cobrança de escanteio, Sergio Ramos cabeceou e jogou para fora.

Assim, aos 52 minutos da etapa complementar, o árbitro italiano Gianluca Rocchi decretou o fim da decisão: Real Madrid 2, Manchester United 1.

A decisão da Supercopa da Europa praticamente deu o pontapé inicial da temporada 2017/2018 no futebol do Velho Mundo. E, ainda em ritmo de pré-temporada, os dois clubes mais ricos do planeta começaram a final de forma até um pouco lenta, com os ingleses esboçando uma pressão inicial, mas o entrosamento, o toque de bola e a qualidade técnica do time galáctico deu as caras e, em pouco tempo, dominou a etapa inicial, especialmente Casemiro. O jogador brasileiro incomodou bastante os Reds Devils: acertou a trave, arriscou um chute e fez o primeiro gol do jogo. Atuou como um elemento surpresa que confundiu a defesa da equipe de José Mourinho com suas investidas ao ataque, sempre como elemento surpresa. Na volta do intervalo, o domínio do Real Madrid, que começou sem seu principal jogador, Cristiano Ronaldo, veio com tudo e chegou ao gol antes dos dez minutos em uma bela jogada que terminou com a conclusão de Isco. A saída para os Diabos Vermelhos foi a força física. José Mourinho tratou de colocar os jogadores altos e bons cabeceadores para correr atrás do prejuízo. Não conseguiu o empate, mas amenizou com o gol marcado por Lukaku. Em contrapartida, o United desperdiçou pelo menos duas ótimas oportunidades de empatar o jogo, assim como o Real Madrid também teve suas chances de consolidar o título com o terceiro gol, mas o travessão e, principalmente, De Gea impediram. E, dessa forma, o clube espanhol conquistou a sua quarta Supercopa da Europa e, nos próximos dias, entrará em campo para a disputa de outro título: a Supercopa da Espanha contra o arquirrival Barcelona em dois jogos.

A seguir, a ficha técnica da decisão.

FICHA TÉCNICA: REAL MADRID (ESP) 2×1 MANCHESTER UNITED (ING)
Competição/fase: Supercopa da Europa 2017 – final (jogo único)
Data: 8 de agosto de 2017, quarta-feira, 15h45 (horário de Brasília)
Local: Estádio Felipe II, Escópia, Macedônia
Árbitro: Gianluca Rocchi (Itália)
Assistentes: Elenito Di Liberatore e Mauro Tonolini, ambos da Itália
Cartões Amarelos: Carvajal e Sergio Ramos (Real Madrid); Lingard e Rashford (Manchester United)
Gols: Casemiro, aos 24 min do 1º tempo (1-0); Isco, aos 6 min (2-0), Lukaku, aos 16 min do 2º tempo (2-1)
REAL MADRID: 1.Navas; 2.Carvajal, 5.Varane, 4.Sergio Ramos e 12.Marcelo; 14.Casemiro, 10.Modrić e 8.Kroos; 11.Bale (20.Asensio), 22.Isco (17.Lucas Vazquez) e 9.Benzema (7.Cristiano Ronaldo). Técnico: Zinédine Zidane
MANCHESTER UNITED: 1.De Gea; 25.Valencia, 2.Londelöf, 12.Samlling e 36.Darmian; 31.Matić, 21.Ander Herrera (27.Fellaini) e 6.Pogba; 22.Mkhitaryan, 14.Lingard (19.Rashford) e 9.Lukaku. Técnico: José Mourinho

Parabéns ao Real Madrid Club de Fútbol pelo título.

Por Jorge Almeida

Anúncios

Real Madrid: campeão da Liga dos Campeões da UEFA 2016/2017

Jogadores do Real Madrid comemoram mais uma Champions. Foto: Getty Images

E não foi dessa vez que o veterano Gianluigi Buffon conquistou o único troféu que falta em seu currículo. Isso porque o Real Madrid não tomou conhecimento e goleou a Juventus por 4 a 1 neste sábado (3) no Millenium Stadium, em Cardiff, no País de Gales, pela final da Liga dos Campeões da UEFA 2016/2017. Os gols da partida foram de Cristiano Ronaldo, autor de dois tentos, Casemiro e Asensio para os Merengues, enquanto Mandžukić fez o de honra para os bianconeros. Com o título, o time de Madrid abocanha a sua 12ª taça de Champions de sua história e se distancia ainda mais na soberania do torneio (o segundo maior vencedor da competição, o Milan, tem 7 taças). Já a Juve, dona de dois troféus, acumula o seu sétimo vice-campeonato, e é o clube que mais ficou em segundo lugar na história da competição.

A decisão começou com a Juventus mais empolgada e criou a primeira oportunidade a dois minutos de jogo. Mandžukić cruzou e Higuaín cabeceou pra defesa de Navas. No minuto seguinte, o argentino participou novamente e, pelo meio, soltou a bomba para o arqueiro merengue defender em dois tempos.  A Juve continou a pressionar e, aos seis minutos, teve outra grande chance com Pjanić. O camisa 5 pegou o rebote, dominou e pegou firme, mas Navas foi no canto e fez ótima defesa.

À medida que os minutos foram se passando, o Real Madrid foi se ajustando depois de uma verdadeira blitz da Vecchia Signora e, antes dos 20 minutos, já mantinha mais posse de bola.

E, em sua primeira investida no ataque, o time espanhol mostrou a sua eficiência. Aos 19, Kroos avançou pelo meio, tocou para Cristiano Ronaldo, que acionou Carvajal pela direita, que devolveu para o português que, de primeira, bateu seco, a bola desviou em Bonucci e entra, sem chances de defesa para Buffon. Gol do Real Madrid.

Apesar do gol sofrido, a Juve não se abalou, entrou no jogo e chegou ao empate pouco tempo depois. Aos 26, Alex Sandro recebeu na esquerda, tocou de primeira para Higuaín na área que, de peito, ajeitou para Mandžukić. O atacante dominou no peito e, com uma meia-bicicleta, encobriu Navas. Golaço em Cardiff. Empate da Juve.

Os Merengues tentaram dar o troco aos 30. Cristiano Ronaldo tentou uma bicicleta e a redonda bateu na zaga, que afastou o perigo.

No restante do primeiro tempo, embora fizessem uma partida bastante movimentada, Juventus e Real Madrid não ofereceram grandes chances de gols e foram para o intervalo com o placar empatado em 1 a 1.

Ao contrário do que foi nos momentos iniciais da primeira etapa, o Real Madrid veio com tudo nos primeiros minutos do segundo tempo. Em dez minutos jogados foram três chances criadas pelos Merengues. Aos 8, Modrić arriscou de fora da área com um petardo e Buffon fez ótima defesa. Dois minutos depois, Marcelo dominou fora da área, abriu na esquerda e bateu, mas a bola saiu pela linha de fundo. Aos 13, o lateral-esquerdo brasileiro levantou na área e CR7 quase conseguiu concluir ao gol.

E, depois de tanto insistir, a equipe de Zinedine Zidane chegou ao segundo gol. Aos 15, depois de jogada pela esquerda, veio a tentativa de finalização, Alex Sandro cortou e sobrou para Casemiro na intermediária. O brasileiro arriscou de longe, a bola desviou em Khedira (que estava de costas para a bola) e entrou no cantinho, sem chances para Buffon.

A equipe bianconera, que ainda não havia entrado no jogo no segundo tempo, mal se recuperara do golpe do gol sofrido e veio outro logo em seguida. Aos 19, Modrić tabelou com Carvajal, que foi à linha de fundo, cruzou na área à meia altura para Cristiano Ronaldo, como um foguete entre dois defensores, completar para as redes e aumentar a vantagem dos Merengues: 3 a 1.

Tentando amenizar o prejuízo, Massimiliano Allegri colocou Cuadrado e Marchisio. Mas, o terceiro tento do Real praticamente veio como um cruzado de direita. A superioridade do time espanhol foi tamanha que a Juventus criou a sua primeira chance de gol no segundo tempo apenas aos 35 minutos. Daniel Alves cobrou a falta na direita, Lamina (substituto do apagado Dybala) desviou de cabeça e a bola tirou tinta da trave direita de Navas, que praticamente só assistiu ao jogo na etapa complementar.

E, para piorar de vez a situação da Juve, aos 38, Cuadrado, que havia tomado cartão amarelo depois de acertar Cristiano Ronaldo com um carrinho, recebeu o segundo cartão e, consequentemente, o vermelho após dar um leve empurrão em Sérgio Ramos na lateral do campo depois de o zagueiro merengue ter dado um carrinho e cortou a bola pela lateral.  O camisa 4 valorizou muito o lance e induziu o árbitro alemão a expulsar o colombiano.

Aos 44, para sacramentar a 12ª conquista do Real na competição, Cristiano Ronaldo cobrou falta, a esférica desviou na zaga, Marcelo avançou pela linha de fundo e tocou rasteiro para Asensio, que entrou no lugar de Isco, fazer o quarto gol dos galácticos. Aí foi só esperar o apito final do árbitro Felix Brych para comemorar o bicampeonato consecutivo dos Merengues.

Juventus e Real Madrid chegaram à decisão de Cardiff merecidamente. Enquanto a Vecchia Signora, detentora de duas Champions e sete vices, sonhava com o troféu e, especialmente o goleiro Buffon que, aos 39 anos, seria o jogador mais velho a erguer a taça e essa seria especial porque era o único título que faltava no currículo do experiente goleiro. Mas, do outro lado, o poderoso Real Madrid, maior vencedor do certame, veio com a ambição de conquistar o bicampeonato consecutivo, feito que não acontece desde as temporadas 1988/1989 e 1989/1990 com o Milan. A Vecchia Signora começou bem a decisão, criou boas oportunidades, mas o Real Madrid balançou as redes em sua primeira investida no ataque. Porém, a Juve conseguiu reagir e chegou ao empate logo em seguida. Contudo, uma mudança de posicionamento de Isco proposta por Zidane praticamente mudou os rumos da partida no segundo tempo. A equipe de Madri tomou conta do jogo e praticamente não deixou os bianconeros jogarem. E, dominando as ações da partida, o Real foi anotando seus gols. A grande decepção dessa final foi Dybala, o camisa 21 praticamente não foi notado em campo. Já Cristiano Ronaldo, com os dois gols de hoje, chegou a impressionante marca de 600 gols na carreira e se isolou na artilharia dessa Champions com 12 gols. Em 30 minutos de jogo no segundo tempo, a Juventus tomou a mesma quantidade de gols que havia sofrido em toda a competição. Assim, o Real Madrid segue como os autênticos “Reis da Europa”, termo que sua torcida presente em Cardiff ecoou pelas arquibancadas.

A seguir, o resumo da campanha do campeão e a ficha técnica da final.

Fase de Grupos (Grupo F):
14/09/2016 – Real Madrid (ESP) 2×1 Sporting (POR) – Santiago Bernabéu, Madri
27/09/2016 – Borussia Dortmund (ALE) 2×2 Real Madrid (ESP) – Signal Iduna Park, Dortmund
18/10/2016 – Real Madrid (ESP) 5×1 Légia Varsóvia (POL) – Santiago Bernabéu, Madri
02/11/2016 – Légia Varsóvia (POL) 3×3 Real Madrid (ESP) – Estádio do Exército Polonês, Varsóvia
22/11/2016 – Sporting (POR) 1×2 Real Madrid (ESP) – José Alvalade, Lisboa
07/12/2016 – Real Madrid (ESP) 2×2 Borussia Dortmund (ALE) – Santiago Bernabéu, Madri
Oitavas-de-final:
15/02/2017 – Real Madrid (ESP) 3×1 Napoli (ITA) – Santiago Bernabéu, Madri
07/03/2017 – Napoli (ITA) 1×3 Real Madrid (ESP) – San Paolo, Nápoles
Quartas-de-final:
12/04/2017 – Bayern de Munique (ALE) 1×2 Real Madrid (ESP) – Allianz Arena, Munique
18/04/2017 – Real Madrid (ESP) 4×2 Bayern de Munique (ALE) – Santiago Bernabéu, Madri
Semifinais:
02/05/2017 – Real Madrid (ESP) 3×0 Atlético de Madrid (ESP) – Santiago Bernabéu, Madri
10/05/2017 – Atlético de Madrid (ESP) 2×1 Real Madrid (ESP) – Vicente Calderón, Madri
Final:
03/06/2017 – Juventus (ITA) 1×4 Real Madrid (ESP) – Millenium Stadium, Cardiff

FICHA TÉCNICA: JUVENTUS (ITA) 1×4 REAL MADRID (ESP)
Competição/fase:
UEFA Champions League (Liga dos Campeões da UEFA) 2016/2017 – final (jogo único)
Local: Millenium Stadium, Cardiff, País de Gales
Data: 3 de junho de 2017, sábado, 15h45 (horário de Brasília)
Árbitro: Felix Bruch (ALE)
Auxiliares: Mark Borsch (ALE) e Stefan Lupp (ALE)
Cartões Amarelos: Dybala, Pjanić, Alex Sandro e Cuadrado (2) (Juventus); Sergio Ramos, Carvajal, Kroos e Asensio (Real Madrid)
Cartão Vermelho: Cuadrado (Juventus)
Gols: Cristiano Ronaldo, aos 20 min (0-1) e Mandžukić, aos 26 min do 1º tempo (1-1); Casemiro, aos 16 min (1-2), Cristiano Ronaldo, aos 19 min (1-3) e Asensio, aos 45 min do 2º tempo (1-4)
JUVENTUS (ITA): 1.Buffon; 15.Barzagli (7.Cuadrado), 19.Bonucci e 3.Chiellini; 23.Daniel Alves, 5.Pjanić (8.Marchisio), 6.Khedira, 12.Alex Sandro e 21.Dybala (18.Lemina); 17.Mandžukić e 9.Higuaín. Técnico: Massimiliano Allegri
REAL MADRID (ESP): 1.Navas; 2.Carvajal, 4.Sergio Ramos, 5.Varane e 12.Marcelo; 14.Casemiro, 8.Kroos (21.Morata) e 19.Modrić; 22.Isco (20.Asensio), 7.Cristiano Ronaldo e 9.Benzema (11.Bale). Técnico: Zinedine Zidane

Parabéns ao Real Madrid Club de Fútbol pelo título.

Por Jorge Almeida