Aerosmith: 20 anos de “Nine Lives”

“Nine Lives”, do Aerosmith, completa 20 anos em 2017

Recentemente, mais precisamente no último dia 18 de março, o décimo segundo álbum de estúdio do Aerosmith completou 20 anos de seu lançamento. O disco em questão é o “Nine Lives”, o último lançado por Steven Tyler e sua trupe no século XX. Produzido por Kevin Shirley e a própria banda, o trabalho foi gravado entre setembro e novembro de 1996 nos estúdios Avatar e The Boneyard.

Com mais de três milhões de cópias vendidas, “Nine Lives” foi indicado ao Grammy Awards como melhor álbum de rock e chegou ao primeiro posto da Billboard Top 200.

O nome do álbum, “Nine Lives” (“nove vidas”), é o que aqui no Brasil costumamos atribuir ao termo “sete vidas” que damos aos gatos. Afinal, é trata-se de uma expressão que costumamos a utilizar por conta da capacidade que os felinos têm de se livrarem de situações de riscos sem se ferirem. E foi com essa ideia que o Aerosmith resolveu lançar o disco e música de mesmo nome, ou seja, transmitir uma mensagem de que o grupo havia sobrevivido depois de vários problemas ao longo de sua trajetória que, na época, já ultrapassava os 20 anos de estrada.

No entanto, a banda enfrentou problemas ao longo da gravação do álbum que, aliás, marcara o retorno do grupo com a Columbia Records depois de 15 anos. E, com isso, a pressão de continuar rendendo bons resultados, como nos últimos três trabalhos anteriores da banda – “Permanent Vacation” (1987), “Pump” (1989) e “Get A Trip” (1993).

Para atingir o objetivo, o Aerosmith adiantou as gravações que ocorreram nos estúdios Criteria, em Miami, na Flórida, onde o grupo trabalhou com o produtor Glen Ballard. Foi nesse período que Steven Tyler e Ballard co-escreveram as letras de “Falling In Love”, “Taste Of India” e “Pink”. Outros colaboradores, como o ‘hitmaker’, Desmond Child e Taylor Rhodes se juntaram ao vocalista e ao guitarrista Joe Perry para comporem as músicas adicionais. Child colaborou anteriormente com a banda em canções como “Angel”, “Crazy” e “Dude (Looks Like A Lady)”.

Porém, a uma semana de iniciarem os ensaios, o Aerosmith sofreu uma baixa: o baterista Joey Kramer começou a passar mal. Ele entrou em uma profunda depressão por conta da perda recente do pai. Sem Kramer disponível, a banda recorreu ao baterista Steve Ferrone, do Tom Petty and The Heartbreakers para a gravação das demos e, caso o titular das baquetas voltasse a tempo, voltaria para regravar as suas partes.

Originalmente, “Nine Lives” era para ter sido lançado no verão (do Hemisfério Norte), de 1996. Todavia, a Columbia adiou o lançamento por não ter ficado satisfeita com as nove faixas que o Aerosmith e Ballard tinham produzido. Pois, de acordo com o seu ponto de vista, Glen pré-produziu demais as gravações.

Como se não bastasse isso, nos bastidores mais um problema: o empresário Tom Collins, ficou no “leva e traz” entre os integrantes. Em sua autobiografia “Rocks: My Life In And Out Of Aerosmith”, de 2014, o guitarrista Joe Perry relata que o Aerosmith se sentiu traído por Collins por ele trucidar em enganar os músicos da banda jogando uns contra os outros, gerando brigas homéricas. Além de terem demitido o empresário, os músicos optaram em substituir Ballard por Kevin Shirley que, inclusive, ajudou com os sons e instrumentos do álbum, principalmente com os sons de guitarra.

Com o adiamento do lançamento do novo trabalho para março de 1997, Kramer se recuperou, o novo material foi retrabalhado com o baterista titular gravando a parte feita por Ferrone.

A arte original da capa foi inspirada em uma pintura de um livro de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada, que caracteriza o Krishna, com a cabeça de um gato e corpo feminino dançando na cabeça de uma serpente, Kãliyã, o que gerou protestos da comunidade hindu, que sentiu que arte era ofensiva. O grupo não tinha conhecimento da origem da obra e arte e a gravadora desculpou-se e impediu a impressão das próximas cópias com tal desenho. A nova capa ficou caracterizada por um gato amarrado a uma roda do atirador de faca de circo.

A princípio, o Aerosmith cogitou em chamar o álbum de “Vindaloo”, após adicionar elementos de música indiana em alguns temas, incluindo uma introdução sarangi por Ramesh Mishra em “Taste Of India”. Porém, ao completar a gravação da faixa “Nine Lives”, a banda notou que esse seria um título perfeito, servindo como metáfora dos inúmeros empecilhos que ocorreram ao longo do processo de gravação do álbum – depressão de Kramer, insatisfação da gravadora com o material pré-produzido, brigas provocadas pelo ex-empresário, problemas envolvendo a capa do disco. Enfim, faz todo sentido.

O play ganhou diversas versões que traziam tracklists diferentes, de acordo com o mercado. As duas edições japonesas, por exemplo, trazem a faixa “Fall Together”, originalmente lançada como lado B do single “Falling In Love (Is Hard On The Knees)”, enquanto a versão brasileira e argentina, por exemplo, traz a faixa “I Don’t Want To Miss A Thing”, que apareceu na trilha sonora do filme “Armageddon” (1998). Além disso, outras faixas inacabadas que foram descartadas durante as sessões de gravação na Flórida contêm “When the Monkeys Come“, “Bacon Biscuit Blues“, “Bridges Are Burning“, “Heart of Passion“, “Loretta” e “Trouble“.

Além da citada “Taste Of India”, que dá um toque peculiar no álbum, “Nine Lives” traz aqueles hits característicos do Aerosmith da década de 1990: peso, balada e uma tremenda visibilidade e aceitação comercial, como os casos de “Hole In My Soul”, “Pink”, “Falling In Love (Is Hard On The Knees)” e a excelente “Full Circle”.

Embora tenha sido um disco bem elaborado, “Nine Lives” é inferior aos seus últimos antecessores. Mas teve vendas expressivas.

A seguir, a ficha técnica e o tracklist do álbum (versão brasileira/argentina).

Álbum: Nine Lives
Intérprete: Aerosmith
Lançamento: 18 de março de 1997
Gravadora: Columbia Records
Produtores: Kevin Shirley e Aerosmith

Steven Tyler: voz, teclados, órgão, piano, hammer dulcimer e percussão
Joe Perry: guitarra, slide guitar e dulcimer
Brad Whitford: guitarra e violão
Tom Hamilton: baixo e Chapman Stick
Joey Kramer: bateria

Músicos adicionais:
David Campbell: arranjador e condutor de orquestra
John Webster: teclados
Ramesh Mishra: sarangi
Suzie Katayama: cordas e condutor de orquestra

1. Nine Lives (Tyler / Perry / Frederiksen)
2. Falling In Love (Is Hard On The Knees) (Tyler / Perry / Ballard)
3. Hole In My Soul (Tyler / Perry / Child)
4. Taste Of India (Tyler / Perry / Ballard)
5. Full Circle (Tyler / Rhodes)
6. Something’s Gotta Give (Tyler / Perry / Frederiksen)
7. Ain’t That A Bitch (Tyler / Perry / Child)
8. The Farm (Tyler / Perry /Hudson / Dudas)
9. Crash (Tyler / Perry / Hudson / Miller)
10. Kiss Your Past Good-Bye (Tyler / Hudson)
11. Pink (Tyler / Supa / Ballard)
12. Falling Off (Tyler / Perry / Frederiksen)
13. Attitude Adjustment (Tyler / Perry / Frederiksen)
14. Fallen Angels (Tyler / Perry / Supa)
15. I Don’t Want To Miss A Thing (Warren)

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s