Fluminense: campão da Taça Guanabara 2017

Jogadores do Fluminense comemoram o título da Taça Guanabara junto do troféu. Foto: Agência O Globo
Jogadores do Fluminense comemoram o título da Taça Guanabara junto do troféu. Foto: Agência O Globo

Em um jogo eletrizante, o Fluminense bateu o Flamengo nos pênaltis por 4 a 2 após empate em 3 a 3 no tempo normal e levou de forma invicta a Taça Guanabara, o primeiro turno do campeonato estadual do Rio de Janeiro, neste domingo (5), no Estádio Nilton Santos (Engenhão), no Rio. Nos 90 minutos, Wellington Silva, Henrique Dourado e Lucas anotaram os tentos tricolores, enquanto Willian Arão, Everton e Paolo Guerrero fizeram os gols rubronegros. Nas penalidades, Lucas, Henrique, Marquinho e Marcos Júnior converteram as cobranças a favor da equipe das Laranjeiras, enquanto Diego e Guerrero anotaram para o lado da Gávea. Mas, Réver parou em Júlio César e Rafael Vaz mandou para fora.

O primeiro tempo do Fla-Flu ficou marcado pelas viradas sucessivas no marcador, em compensação, no segundo, o ritmo da partida diminuiu, mas foi o suficiente para o Flamengo chegar ao empate e levar a decisão para os pênaltis.

Logo aos quatro minutos, o meia flamenguista Diego cobrou falta e acertou a barreira. Wellington Silva pegou a bola na intermediária de defesa e puxou um contragolpe com muita velocidade e, nisso, foi beneficiado pelo escorregão de Pará, ficou cara a cara com Muralha e tocou no canto esquerdo do goleiro para colocar o Flu à frente do marcador.

Mas a alegria tricolor durou apenas quatro minutos. Mancuello cobrou falta na área, Guerrero tocou de cabeça, enquanto o goleiro Júlio César errou na saída e a bola sobrou para Rafael Vaz, que tocou com o pé esquerdo para o gol, Henrique Dourado cortou em cima da linha, mas a redonda sobrou para Arão, que só precisou empurrar para o gol praticamente vazio e empatar o clássico.

Aos 14, Vaz perdeu a bola no campo de ataque e o Flu atacou em três contra dois. Lucas chegou na área, mas Trauco cortou e o peruano recuou para Muralha, que pegou com a mão. O árbitro apitou corretamente o recuo na pequena área do Flamengo: falta em dois lances. Na cobrança, Sornoza encheu o pé e a redonda bateu no peito de Pará, que estava posicionado em cima da linha do gol junto com os demais flamenguistas.

Aos 23, o rubronegro virou o placar. Pára recebeu na direita e cruzou na medida para Guerrero. O atacante peruano cabeceou, Júlio César defendeu parcialmente e, no rebote, Éverton, de cabeça, estufou as redes do Fluminense.

Pouco tempo depois, o Flu teve uma grande chance aos 27. Sornoza cobrou escanteio para Richarlison, que dividiu com a defesa flamenguista por cima e a bola sobrou para Renato Chaves, que cabeceou fraco e permitiu a fácil defesa de Muralha. Três minutos depois, o time de Abel Braga chegou mais uma vez através da bola alçada na área. Sornoza, mais uma vez, cobrou escanteio na área seguida de uma disputa de cabeça e, na sobra, Henrique encheu o pé e acertou o arqueiro rubronegro.

No minuto seguinte, o Fluminense cobrou o córner pelo seu lado esquerdo de ataque, Léo desviou de cabeça e a bola bateu no braço de Paolo Guerrero, que foi ajudar a defesa na área. Pênalti. Na cobrança, Henrique Dourado cobrou no canto direito de Muralha, que acertou o canto, mas não alcançou. Empate no Engenhão: 2 a 2.

Aos 35, o Flamengo levou perigo com Trauco. Diego serviu o lateral-esquerdo que bateu forte, mas a bola saiu rente à trave de Júlio César.

O clássico seguia equilibrado. Mas, aos 40 minutos, foi a vez do Fluminense virar o placar. Em um contra-ataque, Wellingtou Silva viu a infiltração de Lucas na entrada da área e deu um excelente passe para o lateral, que avançou, olhou para Muralha e tocou no lado esquerdo do goleiro para pôr o Flu à frente do marcador: 3 a 2.

E, antes do intervalo, o Flamengo quase chegou ao empate. Aos 45, Éverton cruzou na área para Mancuello, que dominou e serviu William Arão. E o camisa 5 chegou batendo cruzado para defesa do arqueiro tricolor.

Nos primeiros minutos da etapa complementar, o Fluminense esteve perto do quarto gol. Depois do escanteio, a bola passou por todo mundo e sobrou para Henrique Dourado. O Ceifador gira o corpo e, de primeira, manda uma bomba para o gol, mas a bola vai para fora.

A partir de então, o Flu ficou bem fechado à espera do Flamengo, que pecou na articulação de jogadas e, para piorar, Diego teve uma atuação discreta, quase nula. E o jogo ficou cerca de 30 minutos sem levar emoção ao torcedor que compareceu no Engenhão. Enquanto isso, Zé Ricardo botou o time para frente ao promover as entradas de Berrio, no lugar de Arão, e de Felipe Vizeu no de Trauco.

Aos 34, o Flamengo errou na saída de bola e Wellington tirou proveito e partiu em direção ao ataque e tocou para Marcos Júnior, que chutou cruzado à direita da meta defendida por Muralha.

O Fla respondeu no minuto seguinte. Diego lançou Berrío na ponta direita e entrou na área tricolor. O colombiano arriscou e a esférica ficou na rede, pelo lado de fora. O rubronegro arriscou mais uma vez com Diego, que chutou no meio do gol para defesa de Júlio César.

E, de tanto insistir depois dos 30, o Flamengo chegou ao empate aos 39. Guerrero cobrou falta com categoria, por fora da barreira, e acertou o canto esquerdo de Júlio César, que nem se mexeu, para empatar o Fla-Flu: 3 a 3.

Depois do empate, a decisão por pênaltis era o caminho mais natural pelo que as equipes estavam a apresentar após o empate flamenguista. E, antes do término do jogo, o Fla ainda conseguiu perder um gol, aos 46 minutos, com Berrío, que recebeu na marca do pênalti, mas finalizou sem força no meio do gol.

Assim, aos 48 minutos, o árbitro Wagner do Nascimento Magalhães decretou o fim de jogo. A Taça Guanabara 2017 foi decidida nas penalidades.

Nas cobranças penais, Diego iniciou a série para os flamenguistas e acertou a sua. Lucas empatou para os tricolores. Guerrero converteu a dele e pôs sua equipe em vantagem. Mas Henrique empatou. Réver bateu no canto esquerdo e Júlio César defendeu com a perna. O Flu passou à frente com Marquinho, que bateu rasteiro e no canto direito. Rafael Vaz desperdiçou a chance de empatar a decisão para o Fla ao mandar sua cobrança para fora. E, finalmente, Marcos Júnior deslocou Muralha e converteu a cobrança que deu a taça para o Fluminense.

Depois da confusão sobre o local da decisão da Taça Guanabara, o clássico Fla-Flu foi realizado no Engenhão mesmo. As duas equipes fizeram uma partida eletrizante, especialmente no primeiro tempo, onde ambos jogavam abertos à procura do gol. Tanto que houve duas reviravoltas no placar: Flu na frente, virada do Fla, Flu empatou e virou novamente. Tudo isso ainda no primeiro tempo.

Com a vantagem no placar, o Fluminense não se arriscava tanto, o que deixou o segundo tempo com o ritmo mais lento. Afinal, a marcação tricolor ficou mais recuada. Enquanto isso, Zé Ricardo botou sua equipe no ataque. Mas o empate só veio aos 39 minutos através de uma cobrança de falta excelente de Paolo Guerrero. Na decisão por pênaltis, não teve jeito. Deu o óbvio: levou a melhor que teve o melhor aproveitamento. Pois, não havia como prever um favorito em uma disputa como essa.

A seguir, o resumo da campanha e o ficha técnica da decisão.

Primeira fase (Grupo C):
29/01/2017 – Vasco 0x3 Fliminense – Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
1º/02/2017 – Fluminense 1×0 Resente – Moça Bonita, Rio de Janeiro (RJ)
05/02/2017 – Portuguesa (RJ) 0x3 Fluminense – Los Larios, Duque de Caxias (RJ)
12/02/2017 – Fluminense 4×0 Bangu – Los Larios, Duque de Caxias (RJ)
18/02/2017 – Fluminense 3×0 Volta Redonda – Moça Bonita, Rio de Janeiro (RJ)
Semifinal:
25/02/2017 – Fluminense 0x0 Madureira – Los Larios, Duque de Caxiais (RJ)
Final:
05/03/2017 – Fluminense (4)3×3(2) Flamengo – Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)

FICHA TÉCNICA: FLUMINENSE (4)3×3(2) FLAMENGO
Competição/fase: Taça Guanabara 2017 (1º turno Campeonato Carioca) – final/jogo único)
Local: Estádio Nilton Santos (Engenhão) – Rio de Janeiro (RJ)
Data: 5 de março de 2017, domingo – 16h (horário de Brasília)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Correa e Luiz Claudio Regazone
Cartões Amarelos: Richarlison (Fluminense); Everton e Trauco (Flamengo)
Gols: Wellinton Silva, aos 4 min do 1º tempo (1-0); Willian Arão, aos 7 min do 1º tempo (1-1); Everton, aos 23 min do 1º tempo (1-2); Henrique Dourado, de pênalti, aos 31 min do 1º tempo (2-2); Lucas, aos 40 min do 1º tempo (3-2); e Guerrero, aos 39 min do 2º tempo (3-3)
Pênaltis convertidos: Lucas, Henrique, Marquinho e Marcos Júnior (Fluminense); Diego e Guerrero (Flamengo)
Pênaltis desperdiçados: Réver e Rafael Vaz
FLUMINENSE: 22.Julio César; 2.Lucas, 4.Renato Chaves, 33.Henrique e 15.Léo; 18.Orejuela, 5.Pierre e 20.Sornoza (7.Marquinho); 70.Richarlison, 11.Wellington Silva (30.Marquinhos Calazans) e 9.Henrique Dourado (35.Marcos Junior). Técnico: Abel Braga
FLAMENGO: 38.Alex Muralha; 21.Pará, 33.Rafael Vaz, 15.Réver e 13.Trauco (47.Felipe Vizeu); 27.Rômulo, 5.Willian Arão, 11.Mancuello (17.Gabriel); 35.Diego e 22.Éverton; 9.Paolo Guerrero. Técnico: Zé Ricardo

Parabéns ao Fluminense Football Club pelo título.

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s