Morre Geoff Nicholls, tecladista do Black Sabbath

Geoff Nicholls (à esquerda) ao lado de Tony Iommi. Crédtios: Tony Iommi/Facebook
Geoff Nicholls (à esquerda) ao lado de Tony Iommi. Crédtios: Tony Iommi/Facebook

O tecladista britânico Geoff Nicholls morreu neste sábado (28), aos 68 anos, vítima de um câncer de pulmão. A informação foi dada pelo guitarrista Tony Iommi no Facebook.

Em sua página na citada rede social, o fundador do Black Sabbath disse: “Estou muito triste de ouvir da perda de um dos meus amigos mais queridos e próximos, Geoff Nicholls“, escreveu, e continuou: “Ele tem sofrido faz um tempo com câncer de pulmão e ele perdeu a batalha hoje cedo. Geoff e eu sempre temos sido muito próximos e ele tem sido um amigo de verdade para mim e tem me apoiado por quase 40 anos. Eu sentirei muito a falta dele e ele viverá no meu coração até nos encontrarmos de novo. Descanse em paz meu caro amigo.“.

Quem também compartilhou os pêsames pela morte do músico foi o baixista Geezer Butler, que escreveu: “muito triste de ouvir da morte do velho amigo e tecladista do Sabbath, Geoff Nicholls. RIP Geoff.“.

Já Ozzy Osbourne referiu-se a Nicholls como “grande amigo” e acrescentou, em um post no Twitter, que (Geoff) deixará saudades.

Assim como o quarteto fundador do Black Sabbath, Geoff nasceu em Birmingham a 28 de fevereiro de 1948 com o nome de Geoffrey James Nicholls, e, nos anos 1970 tocou guitarra e teclados na banda Quartz, cujo primeiro álbum lançado em 1977 teve a produção de Tony Iommi.

Pelo Black Sabbath, Geoff trabalhou no período mais caótico do grupo: quando Ozzy foi demitido e Butler saiu temporariamente da banda e, com isso, foi contratado como baixista. Todavia, com a volta de Geezer foi deslocado para os teclados e, com Ronnie James Dio no lugar do Madman, fez sua estreia na banda com o álbum “Heaven And Hell” (1980). Inclusive, o baixo gravado no play foi tocado por ele.

Durante a década de 1980, enquanto o Black Sabbath vivia uma verdadeira “casa da mãe Joana” com constantes mudanças na formação, Geoff Nicholls permaneceu fiel a Tony Iommi e permaneceu prestando seus serviços à banda e, com isso, foi promovido a integrante do grupo e gravou os álbuns “Seventh Star” (1986), “The Eternal Idol” (1987), “Headless Cross” (1989) e “Tyr” (1990). como membro oficial.

Todavia, na década de 1990 foi demovido em duas ocasiões: durante a volta de Ronnie James Dio, em 1992, e o retorno de Ozzy Osbourne, em 1997. Assim, voltou a ocupar a função de músico contratado. E, em 2004, com a chegada de Adam Wakeman (o filho “do homem”), tecladista da banda solo de Ozzy, seu ciclo com o Black Sabbath chegara ao fim. Inclusive, o seu substituto no Heaven And Hell foi Scott Warren, do Dio.

Depois de sua partida, ele trabalhou com outro ex-integrante do Black Sabbath, o vocalista Tony Martin, em sua banda Headless Cross, que levou o nome do álbum do Sabbath que saiu em 1989.

Além disso, Geoff Nicholls trabalhou no álbum “The 1996 DEP Sessions” (2004), de Tony Iommi e Glenn Hughes. Além dele, o atual Deep Purple Don Airey também tocou teclados no disco.

Obrigado Geoff Nicholls pelos serviços prestados ao Heavy Metal. Você foi primordial no lançamento de obras-primas como “Heaven And Hell” (1980) e “Born Again” (1983). Descanse em paz.

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s