Skank: 20 anos de “O Samba Poconé”

"O Samba Poconé", terceiro álbum do Skank completa 20 anos em 2016
“O Samba Poconé”, terceiro álbum do Skank completa 20 anos em 2016

Neste ano de 2016, um dos mais importantes álbuns da discografia do Skank completou 20 anos de seu lançamento. O disco em questão é o clássico “O Samba Poconé”, o terceiro trabalho da banda mineira. Lançado em 5 de julho de 1996 pela Chaos e Sony Music, o álbum foi gravado nos estúdios Mosh, em São Paulo, e teve a produção assinada por Dudu Marote em conjunto com a banda.

Com mais de dois milhões de cópias vendidas, o álbum foi o terceiro mais bem sucedido do Skank e traz a participação do cantor francês Manu Chao em três faixas do disco. A capa foi criada por Gringo Cardia e reuniu pinturas do espanhol José Robles, responsável pelos painéis das fachadas dos cinemas de São Paulo.

Embora tenha menos hits do que o trabalho anterior – “Calango” (1994) -, o disco fez muito sucesso em espercial por conta de três faixas: “É Uma Partida de Futebol”, “Garota Nacional” e “Tão Seu”. A maioria das músicas de “O Samba Poconé” fala de amor, mas também tem espaço para outros temas, como cinema (na faixa “Zé Trindade”), crítica social (no caso de “Sem Terra”) e futebol, na já citada “É Uma Partida de Futebol”. Mesmo sendo um disco essencialmente pop, há um expectro de Skank presente em faixas como “Sem Terra” e “Los Pretos”.

A aceitação de público e crítica para o play foi grande. A ponto de ter faixas regravadas por gente como os baianos da Banda Eva, grupo de axé que regravou “Tão Seu” em seu álbum ao vivo “Banda Eva Ao Vivo” (1997), que ainda tinha Ivete Sangalo nos vocais, e também a cantora Luiza Possi, que regravou “Os Exilados” em seu ‘debut’ “Eu Sou Assim” (2002).

Para celebrar as duas décadas de lançamento do disco, no último dia 11 de novembro, foi lançado uma edição tripla do disco, que traz 29 faixas bônus, com versões alternativas, instrumentais, demos e remixes de faixas do álbum.Além disso, a banda fez uma turnê comemorativa que percorreu o Brasil, incluindo boa parte de “O Samba Poconé” no setlist.

Certamente, não poderíamos de destacar as canções “carros-chefes” do disco, que abre com “É Uma Partida de Futebol”, que faz uma ode ao esporte mais popular do Brasil. Praticamente se tornou um hino ou, se preferir, uma trilha sonora em reportagens sobre o nobre esporte bretão. A música foi o início da frutífera parceria entre Samuel Rosa e Nando Reis. Partes do videoclipe foram gravadas no Mineirão durante o clássico Atlético Mineiro e Cruzeiro. Outra parte foi gravada no mesmo estádio mas com a banda batendo uma bolinha com os amigos.

Já “Garota Nacional” tocou tanto nas rádios, mas tanto, que seria capaz de ouví-la na Lua. Exageros à parte, a música fez sucesso também na Espanha, onde ficou no primeiro lugar nas paradas daquele país por um bom tempo. E o videoclipe também fez sucesso em virtude das poses sensuais das atrizes e modelos que participaram, como Carla Marins, Ingra Liberato, Shirley Miranda, Cibele Larrama, Dominique Scudera, Paula Burlamarqui, Vanessa de Oliveira e Paloma Duarte, para alegria dos marmanjos. Não foi à toa que foi premiado na MTV na categoria “Escolha da Audiência” no VMB Brasil de 1996.

Enfim, com videoclipes que marcaram uma geração e tocando à exaustão nas rádios, não é à toa que “O Samba Poconé” foi um dos trabalhos mais notórios do Skank e do rock nacional da década de 1990. Vale a pena a aquisição.

A seguir, a ficha técnica e o tracklist do play.

Álbum: O Samba Poconé
Intérprete: Skank
Lançamento: 5 de julho de 1996
Gravadora: Chaos / Sony
Produtores: Dudu Marote e Skank

Samuel Rosa: guitarra e voz
Henrique Portugal: teclados
Lelo Zaneti: baixo
Haroldo Ferreti: bateria

Manu Chao: vocais em “Zé Trindade”, “Sem Terra” e “Los Pretos
Chico Amaral: saxofone e arranjos de metais
Ed Côrtes: saxofone, percussão e arranjo de metais em “É Uma Partida de Futebol
Proveta e Teco Cardoso: saxofone
João Vianna, Walmir Gil e Naor: trompete
Edivaldo Silva e Sidnei: trombone
James Müller e Marcos Romera: percussão
Toninho Ferragutti: sanfona
Paco Pigalle: vocais em “Los Pretos
Débora Reis, Vânia Abreu, Graça Cunha e Kelly Cruz: vocais

1. É Uma Partida de Futebol (Samuel Rosa / Nando Reis)
2. Eu Disse a Ela (Samuel Rosa / Chico Amaral)
3. Zé Trindade (Samuel Rosa / Chico Amaral)
4. Garota Nacional (Samuel Rosa / Chico Amaral)
5. Tão Seu (Samuel Rosa / Chico Amaral)
6. Sem Terra (Samuel Rosa / Chico Amaral)
7. Os Exilados (Samuel Rosa / Chico Amaral)
8. Um Dia Qualquer (Chico Amaral)
9. Los Pretos (Samuel Rosa / Chico Amaral)
10. Sul da América (Samuel Rosa / Chico Amaral)
11. Poconé (Chico Amaral)

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s