RPM: 30 anos de “Rádio Pirata Ao Vivo”

"Rádio Pirata Ao Vivo" (1986): o disco ao vivo mais vendido dos anos 1980 no Brasil
“Rádio Pirata Ao Vivo” (1986): o disco ao vivo mais vendido dos anos 1980 no Brasil

No último mês de julho, um dos discos mais vendidos da indústria fonográfica brasileira completou 30 anos de existência. O álbum em questão é o clássico “Rádio Pirata Ao Vivo”, do grupo paulista RPM. Lançado em 1986, o play ultrapassou a marca dos três milhões de cópias vendidas e foi apenas o segundo disco do RPM.

Depois de ter estourado no País com o ‘debut’ “Revoluções Por Minuto”, em 1985, com hits como “Olhar 43” e “Louras Geladas”, que abriu caminho para outros temas do trabalho de estreia da banda também entrarem rapidamente na frequência das rádios (para ser exato, oito das onze faixas do álbum) em que as músicas tratam, em sua essência, de temas como política internacional e transformações socioeconômicas. As canções de Paulo Ricardo e companhia ficaram caracterizadas pela presença marcante da bateria eletrônica e pelos arranjos soturnos do tecladista Luiz Schiavon.

E, por conta do sucesso estrondoso com o primeiro trabalho e, após os primeiros shows de divulgação, o grupo fechou contrato com o megaempresário Manoel Poladian, que estava a procura de grupo em ascensão no rock brasileiro para colocar em seu cast de artistas platinados de MPB.

A parceria com Poladian permitiu que o RPM trocasse os palcos das danceterias por uma megaprodução, que contou com Ney Matogrosso (o próprio) assinando luz e direção, com presença de canhões de raio laser. Enfim, a banda e o seu empresário aliaram o sucesso dos hits nas paradas e a megaprodução dos espetáculos em multidões espremidas em ginásios e estádios.

Sem “futuros hits” na manga para manter o RPM em alta, Manoel Poladian, os integrantes da banda e gravadora tiveram a brilhante ideia em lançar em julho de 1986 um álbum ao vivo, com parte de registro de dois shows da concorrida turnê. Um trabalho ousado por conta de soltar um registro ao vivo de um artista que só lançara um álbum de estúdio. Assim, o setlist de “Rádio Pirata Ao Vivo” vem com quatro gravações inéditas (sendo dois covers) e cinco faixas do ‘debut’.

A fase estava tão boa para o RPM que 500 mil cópias do disco foram vendidas antecipadamente devido aos preços congelados do Plano Cruzado (moeda corrente da época). Rapidamente as vendagens de “Rádio Pirata Ao Vivo” dispararam e chegaram a incrível marca de 3,7 milhões de cópias, o que fez do RPM transformar-se na banda de maior vendagem da indústria fonográfica nacional até então.

Gravado no Pavilhão de Exposições do Complexo do Anhembi, em São Paulo, o show, com direção de Ney Matogrosso, trazia então os grandes sucessos como a faixa-título do álbum anterior, “Rádio Pirata” e “Olhar 43”, as inéditas “Naja” (instrumental baseado nos teclados de Schiavon) e a “Alvorada Voraz” e os covers “London, London”, de Caetano Veloso, e “Flores Astrais”, dos Secos & Molhados (grupo do qual Ney Matogrosso fez parte) e, ainda, uma citação de “Light My Fire”, do The Doors, durante a execução de “Rádio Pirata”.

Apesar de ter sido posteriormente remasterizado e relançado em CD nos anos 90, o disco foi relançado com nova remasterização no box “Revolução: 25 Anos” (2008), que inclui também as reedições dos discos “Revoluções Por Minuto” e “Os Quatro Coiotes”, além de um CD com raridades e canções inéditas e de um DVD com o registro do vídeo “Rádio Pirata – O Show”, originalmente lançado em VHS em 1987 a partir de um show realizado no Ginásio do Ibirapuera, em dezembro de 1986. Em 2011, a sua edição em DVD foi certificada como disco de ouro pela Associação Brasileira dos Produtores de Discos (ABPD).

E, claro, por conta dos números expressivos de sua vendagem, “Rádio Pirata Ao Vivo” é o álbum ao vivo mais vendido dos anos 1980 e, mesmo quem não goste do RPM, tem que admitir que o disco é um clássico do rock-pop nacional.

A seguir, a ficha técnica e o tracklist do play.

Álbum: Rádio Pirata Ao Vivo
Intérprete: RPM
Lançamento: julho de 1986
Gravadoras: Epic Records / CBS / Sony Music
Produtores: Marco Mazzola (produção de áudio) / Luiz Schiavon (arranjos) / Ney Matogrosso (direção do show)

Paulo Ricardo: baixo e voz
Luiz Schiavon: teclados e piano
Fernando Deluqui: guitarra e vocais
Paulo P.A. Pagni: bateria

1. Revoluções Por Minuto (Paulo Ricardo / Luiz Schiavon)
2. Alvorada Voraz (Luiz Schiavon / Paulo P. A. Pagni / Paulo Ricardo)
3. A Cruz e a Espada (Paulo Ricardo / Luiz Schiavon)
4. Naja (Instrumental) (Paulo Ricardo / Luiz Schiavon)
5. Olhar 43 (Paulo Ricardo / Luiz Schiavon)
6. Estação no Inferno (Paulo Ricardo / Luiz Schiavon)
7. London, London (Caetano Veloso)
8. Flores Astrais (João Apolinário / João Ricardo)
9. Rádio Pirata (incidental: Light My Fire) (Paulo Ricardo / Luiz Schiavon) (Morrison/Manzarek/Krieger/Densmore)

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s