Exposição “Fragmentos: Coleção de Rafael Schunk” no Museu de Arte Sacra

“Anunciação de Nossa Senhora”, obra de 1834, em exposição no Museu de Arte Sacra. Foto: Jorge Almeida
“Anunciação de Nossa Senhora”, obra de 1834, em exposição no Museu de Arte Sacra. Foto: Jorge Almeid

O Museu de Arte Sacra (MAS) apresenta até o próximo domingo, 20 de novembro, a exposição “Fragmentos: Coleção de Rafael Schunk”, que reúne cerca de 300 obras entre fragmentos de demolições de catedrais, igrejas e capelas brasileiras. São objetos valiosos, pedaços de desmanche das construções, pinturas de arte e santos feitos por mestres santeiros reconhecidos.

A Coleção de Arte Sacra de Rafael Schunk enfatiza produções artísticas do período bandeirista a partir do século XVII, desde o surgimento da arte barroca brasileira até suas ramificações na cultura caipira, com permanência de arcaísmos até a modernidade. São, na maioria, fragmentos oriundos de catedrais do interior de São Paulo, como da antiga catedral de Taubaté, de Pindamonhangaba, da Basílica Velha de Aparecida, de Queluz e de Bananal.

No início do século modernista, os registros demonstram que a demolição das igrejas coloniais no centro antigo de São Paulo era quase uma rotina, assim como no interior e em estados como Bahia e Rio de Janeiro. Foram demolidas a Sé, igrejas do Pátio do Colégio, São Pedro dos Clérigos, Misericórdia, além dos conventos Carmelita, Beneditino, de Santa Teresa e dos Remédios.

A exposição apresenta também um rico conjunto de tocheiros, mísulas, oratórios, palmas de altar, sacrários, crucifixos, mesa de altar, além de pinturas em óleo sobre tela dos evangelistas Mateus, Marcos, Lucas e João, dos séculos XVIII e XIX, atribuídos ao Padre Jesuíno de Monte Carmelo, e também as pinturas em óleo sobre madeira de Nossa Senhora com o Menino Jesus e Nossa Senhora da Conceição, ambas do século XVIII.

Entre os destaques estão as esculturas em terracota de pequenas dimensões de frei Agostinho de Jesus (1600/1661) e conjunto dos denominados santos paulistinhas, obra feita em madeira e terracota cromada dos séculos XIX e XX, além de um conjunto de 60 azulejos da Osirarte e de um óleo sobre tela da “Anunciação de Nossa Senhora” (foto), de 1834, de José de Gugos.

SERVIÇO:
Exposição: Fragmentos: Coleção de Rafael Schunk
Onde: Museu de Arte Sacra (MAS) – Avenida Tiradentes, 676 – Luz
Quando: até 20/11/2016; de terça a domingo, das 9h às 17
Quanto: R$ 6,00; R$ 3,00 (meia-entrada); grátis aos sábados; crianças de até sete anos, idosos acima de 60 anos, professores da rede pública (com identificação) e até quatro acompanhantes são isentos

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s