Legião Urbana: 30 anos de “Dois”

Capa de "Dois", o álbum mais vendido da Legião Urbana
Capa de “Dois”, o álbum mais vendido da Legião Urbana

No último mês de julho, o álbum “Dois”, da Legião Urbana, completou 30 anos de seu lançamento. Gravado entre fevereiro e abril de 1986, o play foi produzido por Mayrton Bahia e lançado pela EMI. A princípio, seria lançado como um álbum duplo – “Mitologia” e “Intuição”, conforme gostaria Renato Russo, inspirado pelo sucesso do trabalho de estreia da banda. Todavia, a ideia foi vetada pela gravadora e, por isso, foi lançado como disco simples e, mesmo assim, tornou-se o álbum mais vendido da banda, com mais de 1,2 milhão de cópias vendidas e constantemente citado entre os melhores álbuns da história da música brasileira.

O disco abre com a excelente “Daniel na Cova dos Leões”, cujo destaque fica com as linhas vocais de Russo e uma letra filosófica e extremamente profunda. Na sequência, a clássica “Quase Sem Querer”, que tem uma pegada pop, mas grudenta e com um texto rico e bem elaborado. A faixa seguinte é a incrível “Acrilic On Canvas”, cujo título quer dizer simplesmente “acrílico sobre tela”, que fala de um saudosista que passa o tempo utilizando essa técnica de pintura para retratar a imagem de um amor antigo. Posteriormente, o play segue com o hit absoluto “Eduardo e Mônica”, música que não tem refrão e traz em seu enredo a saga de dois jovens que não tem nada em comum entre si, mas que terminam casando e tendo filhos, mas que não viajam para Brasília porque o “filhinho de Eduardo está de recuperação”. De imediato, vem “Central do Brasil”, uma faixa instrumental que não tem muito a acrescentar no álbum, afinal, como o próprio Renato Russo admitira que eles eram músicos limitados. E o lado A do vinil termina com outro sucesso absoluto: “Tempo Perdido”, outra música grudenta e com outra bela letra e a última frase da canção – “somos tão jovens” – inspirou o título do filme de drama musical de 2013 que trata da obra biográfica da juventude de Renato Russo.

O disco começa o lado B com “Metrópole”, uma música pesada com guitarra distorcida e uma narrativa do cotidiano de uma repartição pública – mais precisamente um hospital: acidente, sensacionalismo da imprensa, burocracia no atendimento, enfim, situações tipicamente urbanas. O próximo tema é “Plantas Embaixo do Aquário”, que aborda sobre superação de desafios, sair do marasmo e encarar os males interiores, mas é uma das músicas menos inspiradoras do álbum. Em seguida, tem a ‘blueseira’ “Música Urbana 2”, em que Renato narra várias situações vividas pelas pessoas nas grandes cidades e acompanhado apenas de um violão. A décima canção é a belíssima “Andrea Doria”, com o seu belo instrumental e que fala sobre a saudade e “juntar os cacos” e seguir em frente. Aliás, o nome da música é referente ao navio SS Andrea Doria que naufragou em 1956. A penúltima faixa do play é a socialista “Fábrica”, outro tema interessante cuja letra fala da repressão entre os empresários (donos das fábricas) contra o proletariado. E, para encerrar em grande estilo, a ‘classuda’ “Índios”, considerada uma das músicas mais inspiradas da banda. A letra é pura filosofia e metáforas, tipo: “entender como um só Deus ao mesmo tempo é três / e esse mesmo Deus foi morto por vocês / Sua maldade, então, deixaram Deus tão triste”. Essa era uma das músicas que Renato Russo mais esquecia parte da letra nos shows da banda. Aliás, a versão acústica é tão boa quanto a de estúdio.

Curiosamente, o versão do disco em fita K7 trazia a faixa “Química” como bônus, mas que fora lançada oficialmente no álbum seguinte da banda, o também clássico “Que País É Este 1978/1987” (1987).

Dois” é o maior clássico da Legião Urbana, sem dúvidas. Aliás, ele foi lançado em um ano de outros grandes discos que marcaram o rock nos anos 1980, como “Cabeça Dinossauro”, dos Titãs; “Selvagem?”, d’Os Paralamas do Sucesso; “Rádio Pirata Ao Vivo”, do RPM; “Viva”, do Camisa de Vênus; “Vivendo e não Aprendendo”, do Ira!, entre outros. Mas, de fato, é um disco que, para quem gosta de rock em português, deve ter em sua prateleira.

Abaixo, a ficha técnica e o tracklist do disco.

Álbum: Dois
Intérprete: Legião Urbana
Lançamento: julho de 1986
Gravadora: EMI
Produtor: Mayrton Bahia

Renato Russo: voz, baixo, e teclados
Dado Villa-Lobos: guitarras
Marcelo Bonfá: bateria e percussão
Renato Rocha: baixo

1. Daniel na Cova dos Leões (Renato Russo / Renato Rocha)
2. Quase Sem Querer (Dado Villa-Lobos / Renato Russo / Renato Rocha)
3. Acrilic On Canvas (Dado Villa-Lobos / Renato Russo / Renato Rocha / Marcelo Bonfá)
4. Eduardo e Mônica (Renato Russo)
5. Central do Brasil (Renato Russo)
6. Tempo Perdido (Renato Russo)
7. Metrópole (Renato Russo)
8. Plantas Embaixo do Aquário (Dado Villa-Lobos / Renato Russo / Renato Rocha / Marcelo Bonfá)
9. Música Urbana 2 (Renato Russo)
10. Andrea Doria (Dado Villa-Lobos / Renato Russo / Marcelo Bonfá)
11. Fábrica (Renato Russo)
12. “Índios” (Renato Russo)
13. Química (Renato Russo) – disponível apenas na versão em K-7

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s