Real Madrid: campeão da Supercopa da Europa 2016

Sergio Ramos, autor de um dos gols da decisão, ergue o troféu da Supercopa da Europa. Créditos: www.uefa.com
Sergio Ramos, autor de um dos gols da decisão, ergue o troféu da Supercopa da Europa. Créditos: http://www.uefa.com

Em uma final marcada por reviravoltas no placar, o Real Madrid derrotou o Sevilla na prorrogação por 3 a 2 nesta terça-feira (9) no Lerkendal Stadion, em Trondheim, na Noruega, na decisão da Supercopa da Europa. Asensio abriu o placar para os merengues ainda no primeiro tempo. Mas Vázquez e Konoplyanka, de pênalti, viraram para o time de Andaluzia. Todavia, nos acréscimos, Sergio Ramos empatou a decisão, que foi para a prorrogação. No tempo extra, aos 14 minutos do segundo tempo, Carvajal fez o gol que deu ao Real, o seu terceiro título da competição.

A partida começou com o Real Madrid pressionando o adversário, o que permitiu o Sevilla a ter a opção do contra-ataque e, dentro de alguns minutos, a equipe de Jorge Sampaoli começara a avançar a marcação.

E, nos 20 minutos iniciais, os Palanganas mantiveram mais a posse da bola, mas os Merengues eram mais perigosos no setor ofensivo. Dessa forma, aos 21 minutos, com Ansenio. De fora da área, o camisa 21 chutou forte e acertou o “ninho da coruja”. Um golaço, sem chances de defesa para Rico.

Com o placar adverso, o Sevilla saiu para o jogo para correr atrás do prejuízo, mas teve os trabalhos de suas infiltrações dificultados pela bem postada defesa madrilenha. E, assim, o time rojiblanco só criou uma oportunidade de perigo aos 29 minutos com Carriço, que chutou forte de fora da área, a redonda fez uma curva e quase pegou Kiko Casilla no contrapé, porém, o arqueiro conseguiu espalmar para a linha de fundo.

O jogo seguiu com o Sevilla valorizando a posse de bola e o Real Madrid em busca de encaixar um contragolpe para aumentar a vantagem. Até que, aos 41 minutos, após um cruzamento, Vítolo dominou, limpou a jogada e a bola sobrou para Franco Vázquez, que chutou cruzado no cantinho, fora do alcance de Casilla para empatar a decisão.

No segundo tempo, o Sevilla passou a ameaçar os Merengues com os passes em profundidade. Enquanto isso, aos 9, o Real levou perigo com Isco. Em velocidade Asensio cruzou na meia lua para o meia, que limpou e deu susto à meta rojiblanca.

A partida seguiu com a equipe de Andaluzia trocando passes enquanto a equipe madrilenha marcava com todos os jogadores em seu campo de defesa. Confiante, o time de Jorge Sampaoli buscou a virada, que aconteceu aos 26. Vitolo partiu para cima de Sergio Ramos, que deu um leve toque na perna do atacante dentro da área. Pênalti! Konoplyanka, com categoria, bateu no canto direito de Casilla e pôs o Sevilla na frente: 2 a 1.

Com o placar desfavorável, a equipe da capital espanhola partiu para cima em busca do empate e abusou nas bolas alçadas para empatar o jogo. Aos 35, Carvajal recebeu lançamento na área, dominou e chutou cruzado, mas Rico espalmou para escanteio.

O Real Madrid começara a ficar nervoso e cometera muitas faltas, enquanto isso, o Sevilla tentou manter a posse de bola para fazer o relógio andar. E, quando tudo levava a crer que o título ia para Andaluzia, aos 47 minutos, ele – Sergio Ramos, salvou os Merengues mais uma vez. Assim como foi na final da UEFA Champions League 2013/2014, o camisa 4 empatou o jogo nos acréscimos. Carvajal cruzou da direita e Ramos, desmarcado e com o gol vazio, de cabeça, igualou o marcador e levou a decisão para a prorrogação.

No primeiro tempo extra, os nervionenses perderam Kolo, que foi expulso depois de receber o segundo amarelo. Com um jogador a mais, o Real Madrid partiu para cima para fazer o terceiro gol e evitar a disputa por pênaltis. Já o Sevilla, aparentemente esgotado, não conseguiu criar jogadas de ataque, embora tenha criado uma chance com Konoplyanka, mas sem levar perigo à meta madridista.

No segundo tempo da prorrogação, o Real chegou bem, aos 2 minutos, com James Rodríguez, que recebeu belo lançamento de Benzema, mas o meia colombiano chutou em cima do goleiro. Três minutos depois foi a vez de Lucas Vázquez perder outra excelente oportunidade. Na cara do gol, o camisa 17 chutou em cima do goleiro e Rami afastou. Em seguida, aos 8, foi a vez de Benzema cabecear com perigo. E, em sequência, Carvajal cruzou, James Rodríguez pegou de primeira para Rico defender.

Embora as duas equipes estivessem esgotadas, o Real Madrid encontrou forças para fazer o terceiro gol e evitar a disputa por pênaltis. Aos 14, Carvajal invadiu a área, fez fila e chutou na saída do arqueiro sevillista para fazer o gol e praticamente sacramentar o título para o Real. Tanto que a decisão só teve mais dois minutos, o suficiente para a torcida Merengue comemorar o título. Fim de jogo no Lerkendal Stadion, Real Madrid 3, Sevilla 2.

Apesar de desfalcado do trio BBC (Benzema, Bale e Cristiano), o Real Madrid entrou em campo na condição de favorito por conta do poderio de seu elenco galático. Já o Sevilla, que depositou suas fichas no competente Jorge Sampaoli, acreditou que seria um páreo duro para o time da capital espanhola. E foi. O Real começou partindo para cima e a equipe de Andaluzia preferiu neutralizar o adversário e valorizar a posse de bola e a marcação no campo do rival. Esse panorama prevaleceu ao longo do primeiro tempo, quando o empate em 1 a 1 prevaleceu. No segundo tempo, com a virada dos Rojiblancos, a situação mudou um pouco, enquanto o Sevilla tocava a bola para administrar a vitória parcial, o Real foi com tudo para cima e abusou nas bolas aéreas e, nos acréscimos, o predestinado Sergio Ramos colocou os Merengues no jogo e forçou a prorrogação. No tempo extra, os comandados de Sampaoli sentiram mais com a expulsão de Kolo e pelo cansaço. Assim, acuados, permitiram o ataque do rival para tentar, timidamente, encaixar um contragolpe, o que não aconteceu. Restou segurar o resultado para levar a disputar por pênaltis. Todavia, Carvajal ainda teve fôlego e, em jogada individual, fez um golaço que deu título à equipe madrilenha.

Abaixo, a ficha técnica da decisão.

FICHA TÉCNICA: REAL MADRID (ESP) 3×2 SEVILLA (ESP)
Competição/fase: Supercopa da Europa (Supercopa da UEFA) / jogo único
Local: Lerkendal Stadion, Trondheim, Noruega
Data: 9 de agosto de 2016 (terça-feira), às 15h45 (horário de Brasília)
Árbitro: Milorad Mažić (Sérvia)
Assistentes: Milovan Ristić e Dalibor Đurđević, ambos da Sérvia
Cartões Amarelos: Carvajal, Asensio e James Rodríguez (Real Madrid); Vitolo e Kolodziejczak (Sevilla)
Cartão Vermelho: Kolodziejczak
Gols: Asensio, aos 21 min do 1º tempo (1-0); Franco Vázquez, aos 41 min do 1º tempo (1-1); Konoplyanka, aos 26 min do 2º tempo (1-2); Sergio Ramos, aos 47 min do 2º tempo (2-2); e Carvajal, aos 14 min do 2º tempo da prorrogação (3-2)
REAL MADRID (ESP): 13.Casilla; 2.Carvajal, 5.Varane, 4.Sergio Ramos e 12.Marcelo; 14.Casemiro, 16.Kovačić (10.James Rodríguez) e 22.Isco (19.Modrić); 17.Lucas Vázquez, 28.Asensio e 21.Morata (9.Benzema). Técnico: Zinédine Zidane
SEVILLA (ESP): 1.Rico; 25.Mariano, 5.Kolodziejczak e 21.Pareja; 6.Carriço (23.Rami), 15.N’Zoni, 8.Iborra (4.Kranevitter), 14.Kiyotake e 22.Vazquez; 20.Vítolo e 9.Vietto. Técnico: Jorge Sampaoli

Parabéns ao Real Madrid Club de Fútbol pelo título.

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s