Analisando “Voz e Violão – No Recreio – Volume 1”, de Nando Reis

Cantor e compositor lançou disco no formato "voz e violão"
Cantor e compositor lançou disco no formato “voz e violão”

Lançado em 27 de novembro de 2015 pela Deckdisc, “Voz e Violão – No Recreio – Volume 1” é o mais recente trabalho de Nando Reis. O disco traz o registro do cantor e compositor em uma apresentação feita em abril do ano passado no Citibank Hall, em São Paulo, munido apenas de seu inseparável violão. É o quarto álbum ao vivo lançado pelo ex-titã em sua carreira solo. A diferença é que este não tem a participação de sua banda de apoio, Os Infernais.

A inspiração de fazer um álbum neste formato veio depois de Nando Reis ter participado em fevereiro de 2015 do projeto Sala de Estar, no Sesc Pompeia, quando realizou quatro apresentações acompanhado apenas de seu violão. Em entrevista ao Estadão, o compositor descreveu que essa série de shows no Sesc o levaram a “olhar novamente para músicas que eu (Nando) gostava de escutar, mas tinha deixado de tocar”, e que precisou revisitar a própria discografia e ouvir novamente algumas de suas canções;

O álbum traz um repertório bem escolhido por ele, mesclando hits certeiros, como “All Star”, “Relicário” – ambas consagradas também na voz da saudosa Cássia Eller – e “Por Onde Andei”, além de “Os Cegos do Castelo”, gravada originalmente no “Acústico Mtv” (1997), dos Titãs, e também regravada por ele e Os Infernais no disco “Infernal” (2001), e outros bons temas de sua carreira solo, como “N”, “Dentro do Mesmo Time” e “Luz dos Olhos”, que não chegaram a ter status de ‘hits’ como “All Star”, até chegar as excelentes “Sei” e “Lamento Realengo”, ambas de seu último trabalho de estúdio, “Sei” (2012).

Outro faixa que merece atenção especial é “Diariamente”, escrita por ele, mas que fora lançada originalmente por Marisa Monte em seu álbum “Mais” (1991).

O interessante desse trabalho é que ele traz uma sinceridade incomum nos registros ao vivo, ou seja, sem intervenções de produtores e/ou diretores que pedem para os músicos repetir determinadas canções para corrigirem imperfeições captadas durante as execuções ou sem os famosos ‘overdubs’. No disco, após tocar “Diariamente“, por exemplo, Nando Reis agradeceu os aplausos e fez uma auto-confissão ao comentar que errou a letra: “Pô, errei a letra. Que saco.’ Para aumentar a vitrola: hóspede’. Não tem nada a ver, mas ficou assim“. Tudo lá registrado. Mas, podemos relevar o deslize, afinal, como o título do álbum diz “Recreio”, logo, nome de uma de suas músicas, reforça o clima de descontração, como costuma ser o intervalo das aulas na escola, em que os estudantes lancham ou brincam. Ou ainda, demonstrar um certo nervosismo por estar ali diante de 3.700 olhares direcionados exclusivamente para ele, como o próprio Nando relatou após tocar “N”, em que reforçou que, apesar dos anos de estrada, é um iniciante em se tratando de apresentações deste tipo de formato: voz e violão.

Aliás, incrivelmente, Nando Reis deixou de fora o seu maior hit dos “tempos titânicos”: “Marvin (Patches)”, o que pode ser visto com bons olhos para os fãs do músico “desde os primórdios até hoje em dia”, e ruim para os que acham que essa é a melhor música dele, como este que vos escreve. Por outro lado, o título do álbum diz “… Volume 1”, ou seja, é possível que tenhamos uma continuidade desse tipo de trabalho e, quem sabe, o ruivo coloque no set temas como a citada “Marvin”, “Não Vou Me Adaptar”, “O Segundo Sol”, “Resposta” e tantos outros clássicos. Mas, em minha opinião, seria épico se ele tocasse “Hereditário”, “O Homem Cinza” ou “Igreja”.

Bom, caso o possível “No Recreio – Volume 2” saia da gaveta, certamente virá depois do lançamento do próximo registro de estúdio de Nando Reis que ainda não tem nome, mas terá dentre as faixas uma intitulada “Azul de Presunto”, que terá a participação especial de seus ex-parceiros de Titãs (Arnaldo Antunes, Branco Mello, Paulo Miklos e Sérgio Britto), e o novo trabalho também terá as presenças especiais das cantoras Luiza Possi, Pitty e Tulipa Ruiz, além dos guitarristas norte-americanos Peter Buck (ex-R.E.M.) e Mike McCready, do Pearl Jam.

O disco é excelente e o repertório foi muito bem escolhido por Nando Reis. Vale o investimento.

A seguir, a ficha técnica e o tracklist do disco.

Álbum: Voz e Violão – No Recreio – Volume 1
Intérprete: Nando Reis
Lançamento: 27 de novembro de 2015
Gravadora: Deckdisc
Produtor: Nando Reis
Preço médio: R$ 20,00

Nando Reis: voz e violão

1. As Coisas Tão Mais Lindas (Nando Reis)
2. N (Nando Reis)
3. Os Cegos do Castelo (Nando Reis)
4. Lamento Realengo (Nando Reis)
5. Nos Seus Olhos (Nando Reis)
6. Dentro do Mesmo Time (Nando Reis)
7. Luz dos Olhos (Nando Reis)
8. Diariamente (Nando Reis)
9. Sutilmente (Nando Reis / Samuel Rosa)
10. Relicário (Nando Reis)
11. Sei (Nando Reis)
12. All Star (Nando Reis)
13. Pra Você Guardei o Amor (Nando Reis)
14. Por Onde Andei (Nando Reis)

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s