Show de David Gilmour no Allianz Parque (11.12.2015)

David Gilmour em ação no Allianz Parque, em São Paulo. Créditos: Gabriel Quintão
David Gilmour em ação no Allianz Parque, em São Paulo. Créditos: Gabriel Quintão

O lendário ex-guitarrista do Pink Floyd David Gilmour iniciou sua turnê brasileira do seu álbum “Rattle That Lock” na noite desta sexta-feira (11) no Allianz Parque. No auge de seus 69 anos, Gilmour e sua banda apresentaram em duas horas e meia de espetáculo (dividida em duas partes com uma pausa de cerca de 30 minutos) 20 temas divididos entre os clássicos eternos do Pink Floyd e de seus mais recentes trabalhos solo: o citado “Rattle That Lock” e “On An Island”.

Diante de cerca de 40 mil pessoas na casa palmeirense, entre adolescentes, famílias e muitos senhores de cabelos grisalhos, o músico britânico subiu ao palco e começou a apresentação com a instrumental que abre o novo trabalho de David Gilmour: “5 A. M.”, apesar do título, o show começou às 21h10. Em seguida, foi a música que dá nome ao elogiado trabalho do guitarrista: “Rattle That Lock”, que foi sucedida por outra música de seu disco recente, “Faces Of Stone”. Enquanto isso, o telão circular ao fundo do palco exibia imagens do filme “The Wall” e outras imagens relacionadas às músicas que eram tocadas ao longo do show.

Depois da trinca que abre o novo álbum, o estádio veio abaixo com o primeiro clássico “floydiano” da noite: a magnífica “Wish You Were Here”, que foi cantada a pleno pulmões pelo público. Posteriormente, mais outra inédita – “A Boat Lies Waiting” -, seguida de “The Blue”, do álbum “On An Island” (2006).

E para delírio do público, uma dobradinha de faixas do clássico “Dark Side Of The Moon”, do Pink Floyd, veio em seguida. “Money”, que, inclusive, apresentou problemas na sua execução. Após a introdução com o barulho das moedas caindo e da caixa registradora tocadas duas vezes, houve um problema técnico no baixo que impediu a continuidade da música. Gilmour brincou: “A única música que precisa do baixo, ele some…” (é impressão minha ou teve uma leve “cornetada” em Roger Waters nesse comentário do guitarrista?). Problema resolvido, a performance seguiu em frente e a plateia cantou o hino dos mestres do rock progressivo. A outra música foi a incrível “Us And Them”, com destaque para a excelente performance do saxofonista brasileiro João de Macedo Mello, de apenas 20 anos. A primeira parte do espetáculo chegava ao fim com mais duas músicas: “In Any Tongue” e “High Hopes”, outra do Pink Floyd.

Após cerca de 20 minutos de pausa, David Gilmour e companhia voltaram ao palco e iniciou a segunda parte do concerto com “Astronomy Domine”, faixa que abre o primeiro disco do Pink Floyd – “The Piper At The Gates Of Dawn” (1967). Na sequência, um dos pontos altos da noite: a ‘classuda’ “Shine On You Crazy Diamond”, cantada em massa e com David Gilmour detonando nas “bends”. Claro que a música foi tocada apenas as partes de 1 a 5 (a música tem, ao todo, nove partes que, juntas, chegam a quase 30 minutos). Outra música do Floyd deu continuidade ao espetáculo, “Fat Old Sun”, do disco “Atom Heart Mother” (1970), conhecido também como o “disco da vaca”.

David Gilmour executou uma trinca de três temas de sua carreira solo. Primeiro foi com “On An Island”, seguida da ‘jazzística’ “The Girl In The Yellow Dress” e “Today”. O show chegava ao seu final com mais petardos do Pink Floyd: o lado B “Sorrow” (faixa que encerra “A Momentary Lapse Of Reason”, de 1987), e “Run Like Hell”, que, evidentemente, contou com os vocais do público, que contribuiu com os braços erguidos entoando: “run, run, run, run…”.

Assim, David Gilmour saiu do palco e veio para o já esperado bis. E foi justamente nesse momento que o guitarrista trouxe a carta na manga e deixou para o final dos grandes momentos, que foram as execuções de dois mega clássicos da sua ex-banda: “Time” e “Confortably Numb”, com direito ao seu épico solo de guitarra, levando muitos a marejarem os olhos de tanta emoção. Incrível. Confesso que disse aos amigos que me acompanharam no evento após o término dessa: “O mundo pode acabar agora”.

Claro que o show teve os seus contra também: além do problema técnico citado em “Money”, em certos momentos, o volume parecia mais baixo que o normal; a ausência de telões nas laterais do palco dificultou muito a visualização de quem estava em diversos pontos da arena, os telões do próprio estádio estavam apagados; dependendo do local de quem estava nas cadeiras superiores e inferiores nas laterais não viam ou viam parcialmente o telão circular do palco.

Tirando os detalhes citados acima, a apresentação foi muito boa. Quem foi com o intuito de ver pirotecnias, efeitos mirabolantes, etc. e tal pode até ter ficado um pouco frustrado. Em vista da megaprodução de Roger Waters, o show de David Gilmour foi mais modesto, o que não tira os méritos dele. Claro que sempre terá um “reclamão” pelo fato do guitarrista não ter tocado essa ou aquela música. Meu lado “reclamão”, por exemplo, foi o fato dele não ter tocado “Learning To Fly” ou “Hey You”. Todavia, fiquei mais que satisfeito por não ter tocado “Another Brick In The Wall”. Mas, no geral, foi um bom show. Aliás, sem querer parecer hipócrita, as músicas da carreira solo de David Gilmour até são interessantes, mas ficou notório que o público curtiu apenas as músicas do Pink Floyd que foram tocadas no show.

David Gilmour continuará a sua turnê pelo país com outra apresentação no Allianz Parque amanhã (12), na Pedreira Paulo Leminski, em Curitiba, no dia 14, e encerra com um concerto na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, no dia 16 de dezembro.

A seguir, o setlist da apresentação de David Gilmour.

Parte 1:
1. 5 A.M. (Gilmour)
2. Rattle That Lock (Gilmour / Samson / Boumendil)
3. Faces Of Stone (Gilmour)
4. Wish You Were Here (Gilmour / Waters)
5. A Boat Lies Waiting (Gilmour / Samson)
6. The Blue (Gilmour / Samson)
7. Money (Waters)
8. Us And Them (Waters / Wright)
9. In Any Tongue (Gilmour / Samson)
10. High Hopes (Gilmour / Samson)
Parte 2:
11. Astronomy Domine (Barrett)
12. Shine On You Crazy Diamond (Gilmour / Waters / Wright)
13. Fat Old Sun (Gilmour)
14. On An Island (Gilmour / Samson)
15. The Girl In The Yellow Dress (Gilmour / Samson)
16. Today (Gilmour / Samson)
17. Sorrow (Gilmour)
18. Run Like Hell (Gilmour / Waters)
Bis:
19. Time (Mason / Waters / Wright / Gilmour)
20. Confortably Numb (Gilmour / Waters)

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s