Resenha do livro que conta os primórdios do Kiss

Livro traz cerca de 200 depoimentos de pessoas ligadas aos primeiros anos do Kiss
Livro traz cerca de 200 depoimentos de pessoas ligadas aos primeiros anos do Kiss

Lançado em 2013, o livro “Nothin’ To Lose – A Formação do Kiss – 1972-1975” traz em 560 páginas depoimentos de pessoas que fizeram parte do começo de uma das maiores bandas da história do rock, o Kiss. Escrito por Ken Sharp (jornalista responsável por outra obra envolvendo a banda – “Kiss – Por Trás das Máscaras”, de 2005), com colaboração de Gene Simmons e Paul Stanley, a obra foi lançada no Brasil pela editora Benvirá (selo da Editora Saraiva).

A obra apresenta mais de 200 depoimentos de pessoas que vão desde roadies, seguranças, técnicos de palcos, proprietários de clubes, fotógrafos, produtores, músicos, fãs, entre outros, o livro podemos definir como um autêntico dossiê do Kiss. Inclusive, há fotos raras do grupo.

O registro conta minuciosamente as adversidades que a banda e seu staff tiveram desde o começo: a dificuldade em conseguir encontrar uma gravadora e a rejeição dos promotores de eventos em incluir o grupo nos principais “points” de rock em Nova York, a busca pela fama e o estrelato, a ambição dos nova-iorquinos que quase levaram a gravadora Casablanca à falência, as fracas vendas dos primeiros álbuns – “Kiss” (1974), “Hotter Than Hell” (1974) e “Dressed To Kill” (1975) – até o estouro com “Alive!” (1975), que definitivamente salvaram as finanças do Kiss e, claro, da gravadora.

Os próprios integrantes – Ace Frehley, Gene Simmons, Paul Stanley e Peter Criss – também deixam suas aspas na obra. Eles contam a origem de tudo, inclusive na forte influência do New York Dolls e de Alice Cooper, principalmente, nas maquiagens que consagraria o Kiss. Ou seja, em nenhum ponto o Secos & Molhados é citado, que fique claro.

Nos depoimentos, alguns entrevistados – como roadies e técnicos – destacam que o empenho em amor ao Kiss era tanto que, em algumas ocasiões, trabalhavam sem receber, mas valia a pena fazer todo o esforço para que o quarteto realizasse o espetáculo que, anos mais tarde, faria deles a “banda mais quente do mundo”. O “staff” também detalha a rivalidade com outros grupos, especialmente o Aerosmith e o New York Dolls.

Além disso, o livro mostra como os bombásticos shows da banda atraía o público, a tal ponto que fez outros grupos mais populares na época rejeitarem o Kiss como banda de abertura simplesmente pelo fato de o quarteto ofuscar a atração principal, e mesmo com a popularidade de suas apresentações, não estavam sendo traduzidos em vendagens de discos. E também aborda a visão ousada e criativa de seu empresário, Bill Aucoin, e de Neil Bogart (presidente da Casablanca), que não pouparam esforços para investirem no sucesso do Kiss, que foram recompensados com o “estouro” de “Alive!”, considerado um dos melhores registros ao vivo da história do rock, apesar de contar com “overdubs”.

E, assim como o livro de 2005, “Nothin’ To Lose” traz depoimentos “chapa branca” de membros de outras bandas, como Rush, Blue Öyster Cult, Black Sheep, entre outras, e, inclusive, em seu depoimento, o baterista do Red Hot Chili Pepper, Chad Smith, esteve presente no Cobo Hall, em Detroit, em uma apresentação da banda no registro que viria ser “Alive!”.

O título do livro – “Nothin’ To Lose” – foi tirado de uma das músicas de seu primeiro álbum. Mas a música que traz o enredo que define bem o árduo caminho percorrido pelo Kiss em busca do sucesso é “God Gave Rock ‘N’ Roll To You II”, faixa presente em “Revenge” (1992). Uma vez que “Nothin’ To Lose” (a música) fala sobre a insistência do interlocutor em coagir com a namorada a prática do sexo anal, ou seja, fugindo totalmente da temática do livro.

O livro é ideal para quem gosta do Kiss e para quem não gosta do Kiss, já que mostra detalhadamente a forma que o grupo batalhou para chegar até onde se encontra e que, quem quiser, se motivar em buscar o seu “lugar o Sol”, afinal, “it’s never too late to work nine-to-five”. Obrigatório.

A seguir a ficha técnica da publicação.

Livro: Nothin’ To Lose – A Formação do Kiss – 1972-1975
Autores: Ken Sharp com colaboração de Gene Simmons e Paul Stanley
Editora: Benvirá (selo da Editora Saraiva)
Número de páginas: 560 (fora as 32 páginas não numeradas com fotos)
Ano de edição: 2013 (1ª edição)
Preço médio: R$ 40,00

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s