Analisando “Rock Or Bust”, do AC/DC

"Rock Or Bust": o primeiro trabalho do AC/DC sem Malcolm Young
“Rock Or Bust”: o primeiro trabalho do AC/DC sem Malcolm Young

Aproveitando que o post anterior foi referente ao rock, resolvi finalmente escrever sobre o último álbum do AC/DC, “Rock Or Bust”, 16º trabalho de estúdio da banda (17º no mercado australiano). Lançado em 28 de novembro de 2014 na Austrália e em 2 de dezembro em outros lugares, o play foi o primeiro trabalho da banda sem o membro-fundador Malcolm Young, guitarrista que precisou sair em virtude de problemas de saúde. Em seu lugar, entrou o sobrinho Stevie Young. É o primeiro disco de estúdio do quinteto australiano lançado em seis anos (o último até então fora “Black Ice”, em 2008).

Gravado entre maio e julho de 2014 no The Warehouse Studio, em Vancouver, no Canadá, a produção de “Rock Or Bust” leva a assinatura de Brendan O’Brien, que havia trabalhado com a banda no disco anterior, além de ter feito um dos backing vocals no álbum. E, com 11 temas em aproximadamente 35 minutos, o disco é mais curto da discografia do AC/DC, inclusive tem menos duração que “Flick Of The Switch” (1983), que tem dois minutos a mais.

O ano de 2014, de fato, foi o pior ano do AC/DC desde a morte de Bon Scott em 1980. Primeiro veio à tona os problemas de saúde de Malcolm, que diagnosticado Brian Johnson e Cliff Williams iniciaram as viagens promocionais de “Rock Or Bust”, além de terem respondido a perguntas sobre Malcolm, foram surpreendidos pela prisão de Phill Rudd, na Nova Zelândia. Embora tenha se atrasado em dez dias para gravar a sua sessão, o baterista chegou a tempo para gravar a sua parte (Brendan já estudava a possibilidade de colocar outro baterista para fazer a parte de Rudd). E, por conta dos problemas com a justiça neozelandesa, o baterista ficou fora das fotos promocionais do álbum e, pouco tempo depois, teve sua vaga preenchida por Chris Slade, baterista que passou pelo grupo entre 1989 e 1994.

Mas, voltando para o disco, “Rock Or Bust” pode até soar como “o mesmo disco com outra capa”, mas o diferencial é que as músicas estão mais simples e mais diretas, o que não diminui a qualidade do material. O característico está lá: o berro esganiçado de Brian Johnson, o estilo inconfundível da guitarra de Angus Young. E vale destacar que Stevie não comprometeu em nada ao substituir o tio.

Entre os destaques do álbum, vale mencionar “Play Ball”, o primeiro single, que foi sucesso comercial e chegou ao top 40 em vários países, como França e Suíça; “Rock The House” e “Baptism By Fire”. Já a faixa-título, com o seu refrão grudento, “Sweet Candy” e “Rock The Blues Away”, que lembra o estilo setentista da banda. Já “Miss Adventure” traz uma letra nos faz lembrar daquelas mulheres lindas dos filmes do “007”. Enquanto “Hard Times”, embora muitos pensem que faz referência ao período conturbado vivido pelos integrantes da banda, na verdade, é referente à época das “vacas magras” no começo da carreira, lá no início da década de 1970.

Rock Or Bust” alcançou ao primeiro lugar das paradas em 12 países, incluindo a Austrália, Canadá, Alemanha e Suécia. Ele alcançou o top 5 em outros 12, incluindo a Nova Zelândia, Reino Unido, Estados Unidos e Itália.

Sim, de fato, esse novo trabalho dos australianos pode parecer o mesmo, mas pouco importa. Afinal, não é todo mundo que pode ser um David Bowie e se dar bem em mudar de estilo. Há inúmeras bandas que tentaram fugir de suas características e quebraram a cara. Então, melhor deixar o AC/DC do jeito que tá, que eles façam o mesmo disco 15, 20 ou 50 vezes, não importa. Eles, assim como eram os Ramones e ainda é com o Motörhead, não precisam mudar seu estilo. Tá bom demais para quem só quer saber de curtir o bom e velho rock and roll e que torçamos para que os caras colem por aqui em mais uma turnê mundial.

A seguir, a ficha técnica e o tracklist do play.

Álbum: Rock Or Bust
Intérprete: AC/DC
Lançamento: 28 de novembro de 2014 (Austrália); 2 de dezembro de 2014 (resto do mundo)
Gravadora: Columbia
Produtor: Brendan O’Brien
Preço médio: R$ 30,00

Angus Young: guitarra solo e backing vocal
Brian Johnson: voz
Stevie Young: guitarra base
Phil Rudd: bateria
Cliff Williams: baixo e backing vocal

Brendan O’Brien: backing vocal

1. Rock Or Bust (A. Young / M. Young)
2. Play Ball (A. Young / M. Young)
3. Rock The Blues Away (A. Young / M. Young)
4. Miss Adventure (A. Young / M. Young)
5. Dogs Of War (A. Young / M. Young)
6. Got Some Rock & Roll Thunder (A. Young / M. Young)
7. Hard Times (A. Young / M. Young)
8. Baptism By Fire (A. Young / M. Young)
9. Rock The House (A. Young / M. Young)
10. Sweet Candy (A. Young / M. Young)
11. Emission Control (A. Young / M. Young)

Por Jorge Almeida

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s