Judas Priest: 40 anos de “Rocka Rolla”

"Rocka Rolla": o esquecido 'debut' do Judas Priest
“Rocka Rolla”: o esquecido ‘debut’ do Judas Priest

Ontem, 6 de setembro, marcou o 40º aniversário do lançamento do trabalho de estreia dos ingleses do Judas Priest. Estou me referindo a “Rocka Rolla”, que foi produzido por Rodger Bain, conhecido por produzir os três primeiros álbuns do Black Sabbath que, assim como o Priest, é da cidade de Birmingham.

Gravado entre junho e julho de 1974 nos estúdios ingleses Island, Trident e Olimpic, “Rocka Rolla” foi, de acordo com os músicos da banda, gravado “ao vivo” nos estúdios, ou seja, todos eles tocavam ao mesmo tempo ao invés do habitual processo de gravação onde cada um grava a sua parte e, no final, tudo é mixado. Segundo a banda, por conta de problemas técnicos no estúdio, o resultado do som saiu com má qualidade.

A história do Judas Priest pode ser considerada que começou em 1969 quando  Al Atkins (vocais), John Perry (guitarras), Bruno Stapenhill (baixo) e John Partridge (bateria) com o nome Al Atkins’ Judas Priest. O nome do grupo foi inspirado em uma música de Bob Dylan – “The Ballad Of Frank Lee And Judas Priest”. Ainda em 1969, Ernie Chataway entrou no lugar de Perry.

No entanto, entre junho e novembro de 1970, a banda ficou inativa. Mas, em outubro do mesmo ano Al Atkins reativou o grupo – mas só com o nome que permanece até hoje – com novos integrantes: K. K. Downing nas guitarras, Ian Hill no baixo e John Ellis na bateria. Então, como toda banda iniciante, as constantes saídas de integrantes fez parte do Judas Priest em seus primeiros anos. Pelo menos dessa vez, eles tinham uma base – Atkins/Downing/Hill.

Todavia, em 1973, Al Atkins deixou o grupo e, para seu lugar, Rob Halford foi recrutado, enquanto John Hinch substituiu John Ellis. A banda, então, aproveitou as composições de Atkins que ficaram boas na voz de Halford. Então, com a formação composta por Rob Halford (vocal), K.K. Downing e Glenn Tipton (guitarras), Ian Hill (baixo) e Alan Moore (bateria), o Judas gravou o seu ‘debut’. O grupo, durante alguns anos, não saiu do underground, mas conseguiu juntar uma legião de fãs e de bandas que copiavam o seu estilo. Aliás, a musicalidade do Priest mesclava a letra e o som pesado do Black Sabbath e à velocidade do Deep Purple. Além disso, eles foram os precursores da adoção de roupas de couro com adereços de metal cromado e correntes. Enfim, o Judas Priest inovou e foi um dos pioneiros do Heavy Metal moderno (ao lado do Motörhead) do que viria a ser o NWOBHM – New Wave Of British Heavy Metal.

Além de Rob Halford, no lugar de Atkins, o Judas Priest passou a ter mais um guitarrista, Glenn Tipton, que se juntou aos demais para a gravação de “Rocka Rolla”. Ele só colaborou na faixa-título, pois o produtor Rodger Bain vetou os temas propostos por Tipton, como “Tyrant”, “Epitaph” e “The Ripper”, que viriam a ser gravadas em trabalhos posteriores. E, após o lançamento do álbum, foi a vez de John Hinch abandonar a banda e ser substituído por Alan Moore.

O álbum teve vendagens decepcionantes, apenas “alguns milhares de cópias”. E, devido ao fracasso do disco, a banda encontrou sérias dificuldades financeiras, a tal ponto que nem eles saberiam quando fariam a próxima refeição. Tentaram entrar em acordo com a Gull Records para receber pelo menos 50 libras por semana, porém, a Gull também vinha de problemas financeiros e recusou a proposta.

O tracklist do disco é composto por faixas que tem fortes influências de Black Sabbath, do Deep Purple – como “One For The Road”, “Winter”, “Deep Freeze” e “Winter Retreat”, por exemplo -, algumas coisas com pitadas progressivas, como em “Dying To Meet You”. Enquanto isso, faixa como “Cheater”, aponta como indício do que viria ser o rumo que o grupo tomaria ao longo dos anos. E a faixa-título é uma “mistureba” de referências: de Deep Purple a Beatles da fase “Magical Mystery Tour”.

A capa leva a assinatura de John Pasche, que aproveitou o título do álbum para fazer um “trocadilho” e colocar uma tampa de refrigerante com a fonte característica da Coca-Cola.

Embora seja um bom disco de Hard Rock, “Rocka Rolla” não entrou no rol de clássicos dos Metal Gods cultuados pelos apreciadores de Heavy Metal. Isso se deve pela troca de gravadoras e também pelo fato dos caras, ao longo dos anos, deixarem de tocar temas do álbum ao longo dos anos, o que fez com que ele fosse mais apreciado por fanáticos. Mas é um disco bem interessante de se ouvir.

Abaixo, a ficha técnica e o tracklist do play.

Álbum: Rocka Rolla
Intérprete: Judas Priest
Lançamento: 6 de setembro de 1974
Gravadora: Gull Records
Produtor: Rodger Bain

Rob Halford: voz e gaita
K.K. Downing: guitarra
Glenn Tipton: guitarra e sintetizador
Ian Hill: baixo
John Hinch: bateria

  1. One For The Road (Halford / Downing)
  2. Rocka Rolla (Halford / Downing / Tipton)
  3. Winter (Atkin / Downing / Hill)
  4. Deep Freeze (Dowing)
  5. Winter Retreat (Halford / Downing)
  6. Cheater (Halford / Downing)
  7. Never Satisfied (Atkins / Downing)
  8. Run Of The Mill (Halford / Downing / Tipton)
  9. Dying To Meet You/Hero, Hero (Halford / Downing)
  10. Caviar And Meths (Atkins / Downing / Hill)

Por Jorge Almeida

Anúncios

Um comentário sobre “Judas Priest: 40 anos de “Rocka Rolla”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s