Black Sabbath: 35 anos de “Never Say Die!”

"Never Say Die!": último registro de inéditas com a formação original do Black Sabbath
“Never Say Die!”: último registro de inéditas com a formação original do Black Sabbath

Hoje, 28 de setembro, marca o 35º aniversário do oitavo trabalho de estúdio dos britânicos do Black Sabbath, o álbum “Never Say Die!”. Gravado entre janeiro e maio de 1978 no Sound Interchange, em Toronto, Ontario, no Canadá, o disco foi o último de inéditas a ter Ozzy Osbourne nos vocais antes de “13”, lançado neste ano.

A situação entre os integrantes do Black Sabbath ao longo da turnê de “Technical Ecstasy” não ia nada bem, em especial a Ozzy Osborne, que chegou a sair da banda no final de 1977, às vésperas de entrarem em estúdio para a gravação do novo álbum, por conta dos abusos com álcool e drogas e também da morte de seu pai. Enquanto isso, Tony Iommi, Geezer Butler e Bill Ward tentaram experimentar durante um curto espaço o ex-Fleetwood Mac Dave Walker para o lugar de Ozzy, chegando até a compor algumas composições com ele. Inclusive, uma dessas músicas – “Junior’s Eyes” – foi apresentada em um programa da BBC chamado “Look! Hear!”. No entanto, Osbourne resolve voltar para a banda e recusou-se a gravar qualquer material escrito com Dave Walker, o que fez com que o processo de gravação do álbum atrasasse. No final, eles tiveram de reescrever todas as faixas para gravar o disco, exceto “Swinging The Chain” que foi recusada pelos integrantes da banda a ser reescrita, por isso que ela foi cantada por Bill Ward.

Apesar de ter conseguido convencer os colegas a escrever novamente as letras para “Never Say Die!”, Ozzy Osbourne ainda não se mostrava satisfeito com o direcionamento musical que o Black Sabbath estava a rumar, ou seja, o uso de elementos eletrônicos, assim como no trabalho anterior, e experimentais, além das influências “jazzísticas” de Tony Iommi. Aliás, os desentendimentos entre o vocalista e os demais integrantes, em especial com o guitarrista, no período eram constantes. Nos shows, as improvisações de Iommi – que dizem que durava uma hora de duração – chegaram a irritar Ozzy, que também não ficou nenhum pouco satisfeito com o local da gravação do disco, em Toronto. A cidade canadense foi escolhida por Tony por conta dos impostos, que certamente eram inferiores aos cobrados no Reino Unido ou nos EUA.

Lançado no final de setembro, “Never Say Die!” atingiu a 12ª colocação nos charts britânicos e a modesta 69ª posição nas paradas norte-americanas. Após o término das sessões, o Black Sabbath saiu em uma turnê que começou em maio e teve como banda de abertura o Van Halen, que fazia pela primeira vez uma turnê mundial e promovia o seu ‘debut’. Porém, as empolgadas apresentações de David Lee Roth e sua trupe estavam roubando a cena, pois, contrastavam com as da banda de Birmingham, que tinha um desempenho que deixava muito a desejar. Além disso, a dependência de álcool e drogas dos integrantes, em especial Ozzy Osbourne, estava atrapalhando o andamento do Black Sabbath e, dessa forma, aconteceu o inevitável: o desligamento do Madman do grupo em abril de 1979. O último show com a formação original, antes das reuniões posteriores, aconteceu em um concerto em Albuquerque, Estado do Novo México (EUA), em 11 de dezembro de 1978.

Mas, voltando a falar do álbum, “Never Say Die!” não agradou os fãs mais fervorosos (e nem a Ozzy Osbourne), que apelidaram o trabalho jocosamente de “Never Say Jazz!”, em função da influência “jazzística” nas músicas. E, dessa vez, o tecladista não foi Geoff Nicholls, e sim Don Airey, que trabalhou com Ozzy na carreira solo do Madman e hoje ganha a vida no Deep Purple.

Mesmo com as críticas, “Never Say Die!” tem seus pontos altos, como a própria faixa-título, “Junior’s Eyes” e “A Hard Road”, que é a única canção da história do Black Sabbath a ter os vocais de todos os integrantes.

Certamente, o disco não consta no rol dos clássicos ‘sabáticos’ por falta do peso característico nos trabalhos da banda, mas “Never Say Die!” não pode ser considerado o “patinho feio” da história quase cinquentenária do grupo.

Abaixo, a ficha técnica e o tracklist de “Never Say Die!”.

Álbum: Never Say Die!
Intérprete: Black Sabbath
Lançamento: 28 de setembro de 1978
Gravadora: Vertigo (Reino Unido) / Warner Bros. (EUA)
Produtor: Black Sabbath

Ozzy Osbourne: voz
Tony Iommi: guitarra e backing vocal em “A Hard Road
Geezer Butler: baixo e backing vocal em “A Hard Road
Bill Ward: bateria, backing vocal em “A Hard Road” e voz em “Swinging The Chain

Don Airey: teclados
Will Malone: arranjos do baixo

1. Never Say Die! (Iommi / Osbourne / Butler / Ward)
2. Johnny Blade (Iommi / Osbourne / Butler / Ward)
3. Junior’s Eyes (Iommi / Osbourne / Butler / Ward)
4. A Hard Road (Iommi / Osbourne / Butler / Ward)
5. Shock Wave (Iommi / Osbourne / Butler / Ward)
6. Air Dance (Iommi / Osbourne / Butler / Ward)
7. Over To You (Iommi / Osbourne / Butler / Ward)
9. Swinging The Chain (Iommi / Osbourne / Butler / Ward)

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s