Kiss: 30 anos de “Lick It Up”

Lick It Up: o primeiro registro do Kiss sem as tradicionais "make-up"
Lick It Up: o primeiro registro do Kiss sem as tradicionais “make-up”

Na quarta-feira da semana passada, 18 de setembro, marcou o 30º aniversário do clássico “Lick It Up”, o décimo primeiro trabalho de estúdio do Kiss e o primeiro a ser lançado pelo grupo sem as tradicionais maquiagens, além de ter a presença de Vinnie Vincent na banda. Aliás, o músico havia participado, de forma oficial, das gravações de “Creatures Of The Night”, porém, na capa do álbum figurava a imagem do ex-guitarrista Ace Frehley, e no relançamento do disco, em 1985, quem apareceu na capa do mesmo registro foi Bruce Kulick, que sequer participou das gravações de “Creatures” e, pior, nem era integrante do Kiss em 1982.

Com a ambição de aumentar ainda mais a sua legião de fãs, o Kiss havia se aventurado ao tentar mesclar rock com pitadas de outros ritmos, como a Disco (no caso de “Dynasty”, em 1979), pop em “Unmasked” (1980) e uma vaga tentativa de progressivo com “Music From (The Elder)”, em 1981. Contudo, o que conseguiu foi uma avassaladora crítica dos especialistas, descontentamento dos fãs, vendagens modestas desses álbuns e a troca de dois de seus membros fundadores: Peter Criss e Ace Frehley. Então, com Gene Simmons e Paul Stanley tomando as rédeas da banda, em 1982, o Kiss veio com uma sonoridade pesada e peculiar com “Creatures Of The Night”, com destaque para o peso da bateria de Eric Carr.

Apesar de voltarem com o peso em suas músicas, as vendagens do álbum foram um fiasco comercial e os shows no Hemisfério Norte não estavam lá essas coisas em relação a público e, devido a essas circunstâncias, o grupo aportou pela primeira vez na América do Sul e fez três shows memoráveis no Brasil, com destaques para as apresentações no Maracanã (que levou mais de 200 mil pessoas) e no Morumbi, que foi o último concerto do Kiss com as maquiagens antes da volta da formação original em 1996. A repercussão desses espetáculos em solo brasileiro serviu para recuperar o prestígio da banda em sua terra natal. Afinal, Paul Stanley estava cantando muito, Gene Simmons continuava, juntamente com o seu baixo-machado, se destacando pelo lado teatral nas apresentações, enquanto Eric Carr caía nas graças do público em função da forma em que conduzia a bateria e também ao seu carisma. Já Vinnie Vincent deixou os fãs divididos, pois enquanto os mais antigos o criticavam por deixar os clássicos descaracterizados, a nova legião de seguidores do Kiss se impressionara com a velocidade e técnica do “Ankh Warrior”.

Então, dispostos a alavancarem a carreira novamente, o Kiss gravou entre julho e agosto de 1983, nos estúdios Right Track e Record Plant, ambos em Nova York, o álbum “Lick It Up”. E com destaque para a participação de Vinnie Vincent no processo de composição das músicas: o guitarrista é co-autor de oito das dez faixas do disco. Somente “Fits Like A Glove” e “Dance All Over Your Face” que não leva a assinatura de Vincent, e sim de Gene Simmons. O disco é praticamente uma continuidade do trabalho anterior, porém, com uma mudança significativa que marcaria a carreira da banda: a aparição dos integrantes de “cara limpa”, ou seja, sem as maquiagens que os consagraram, assim, o Kiss tornou-se uma banda de rock como as outras, logo, aquela utopia de super-heróis, histórias em quadrinhos virou passado. Inclusive, no dia do lançamento de “Lick It Up”, Gene Simmons, Paul Stanley, Eric Carr e Vinnie Vincent apareceram na MTV “desmascarados”. A princípio, a estratégia deu certo, já que o novo disco vendeu mais do que o trabalho anterior, mas, mesmo apresentando músicas mais raivosas, velozes e com solos e vocais vicerais, além de ter os videoclipes da faixa-título e de “All Hell’s Breaking Loose” sendo bem exibidos na MTV, o Kiss tinha outro “abacaxi” para resolver: Vinnie Vincent.

O substituto de Ace Frehley começou a contestar a sua posição dentro da banda, uma vez que ele não era, de fato, um membro oficial, mesmo aparecendo nas capas e estando creditado como guitarrista nos álbuns e recebendo salário. Vinnie Vincent, de acordo com o ponto de vista de Simmons e Stanley, passou a se comportar de forma antiética. Chegou a pedir demissão do posto de guitarrista, mas foi persuadido por Paul Stanley a continuar por conta dos shows que o grupo tinha por fazer. E com o clima perturbado, o Kiss partiu para a turnê de “Lick It Up”, que não foi tão extensa, mas foi muito conturbada por conta das brigas entre Vinnie Vincent com os “patrões” Gene e Paul. Nessa época, a banda estava tocando com um tom mais alto do que o habitual, além disso, as músicas ganharam mais velocidade e, reza a lenda, que ocorreram casos em que Vinnie Vincent precisou ser retirado à força do palco por exceder o tempo de seu solo e que, inclusive, quase chegou às vias de fato com Paul Stanley depois de um show por conta disso.

Evidente que depois de todo esse imbróglio, Vincent é despedido e substituído por Mark St. John. Daí, o resto é história. Vale destacar que Vinnie Vincent, cujo nome verdadeiro é Vincent Cusano, apareceu depois quando voltou a trabalhar com o Kiss somente na autoria de três temas de “Revenge” (1992): “Unholy”, “Heart Of Chrome” e “I Just Wanna”.

Quanto às músicas, o disco apresenta excelentes canções, tais como a faixa-título, com o seu refrão grudento, clipe tosco e que é a única que faz parte do setlist da banda nos últimos anos; a apocalíptica “All Hell’s Breakin’ Loose”, que é uma das únicas três músicas do Kiss composta pelos seus quatro membros (vigentes às respectivas épocas), as outras são “Love Theme From Kiss” (do álbum “Kiss”, de 1974) e “Back To The Stone Age” (do disco “Monster”, de 2012); a pesada “Young And Wasted” que, apesar de ter sido gravada com os vocais de Gene Simmons, nos shows, a música era cantarolada pelo saudoso baterista Eric Carr; “Fits Like A Glove” com o cabuloso berro de Simmons; e “And On The 8th Day”, em que Gene diz o que Deus criou no oitavo dia.

A seguir, a ficha técnica e o tracklist de “Lick It Up”.

Álbum: Lick It Up
Intérprete: Kiss
Lançamento: 18 de setembro de 1983
Gravadora: Mercury / Casablanca
Produtores: Michael James Jackson, Paul Stanley e Gene Simmons

Paul Stanley: voz, backing vocal e guitarra base
Gene Simmons: voz, backing vocal e baixo
Vinnie Vincent: guitarra solo e backing vocal
Eric Carr: bateria e backing vocal

1. Exciter (Stanley / Vincent)
2. Not For The Innocent (Simmons / Vincent)
3. Lick It Up (Stanley / Vincent)
4. Young And Wasted (Simmons / Vincent)
5. Gimme More (Stanley / Vincent)
6. All Hell’s Breaking Loose (Carr / Simmons / Stanley / Vincent)
7. A Million To One (Stanley / Simmons)
8. Fits Like A Glove (Simmons)
9. Dance All Over Your Face (Simmons)
10. And On The 8th Day (Simmons / Vincent)

Por Jorge Almeida

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s